Pastor adventista defende com unhas e dentes Papa que “cristianizou” o Natal

Leandro Quadros, apresentador do Programa Na Mira da Verdade, não esconde sua admiração pelo Papa Júlio I, que “cristianizou” a comemoração do Natal. Mesmo assim, restam-nos sete perguntas que não querem se calar:

1. Se a Bíblia nada diz sobre o Natal para evitar que as pessoas venerassem a data, devemos comemorá-lo como incentiva Ellen G. White? Ou, agindo assim, estaríamos indo além do que diz a Bíblia?

2. Quantas versões existem sobre o Natal, segundo os historiadores? Apenas uma! o Natal — Natalis solis invictus — é uma festa pagã que foi “cristianizada” pelo imperador Constantino, primeiro pontífice máximo do catolicismo romano.

3. Contudo, segundo Leandro Quadros, quem cristianizou pessoalmente a comemoração do aniversário de nascimento do deus Sol e sob que argumento “bíblico”?

4. Se a “louvável” intenção do papa Júlio I ao instituir a comemoração do Natal foi desviar a atenção do deus Sol para Cristo, o Sol da Justiça, o que nos impede de, com o mesmo objetivo. guardar também o domingo, como festa cristã, uma vez que este dia era semanalmente dedicado ao deus Sol?

5. Quando Paulo disse que se fez de fraco para com os fracos, estava sugerindo a comemoração do Natal, como “recurso evangelístico”?

6. Você acredita que o Papa Júlio I, ao fazer do “Natalis Dies Solis Invicti” uma festa cristã, estava usando de uma “estratégia evangelística corretíssima” sugerida pelo apóstolo Paulo em 1 Coríntios 9:19-22?

“Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.”

7. Podemos nos fazer de pagãos para salvar os pagãos? De macumbairos, para salvar os macumbeiros? De bruxos, para salvar os bruxos?

3 thoughts on “Pastor adventista defende com unhas e dentes Papa que “cristianizou” o Natal

  1. À medida que o cristianismo foi se expandindo, foi absorvendo os costumes e as datas comemorativas pagãs; primeiro do Médio Oriente (óbvio), depois da Europa. A Saturnália, se não me engano, foi uma das últimas a serem incorporadas: virou nosso tão celebrado Natal. Os Romanos eram mestres nisso: antes do Cristianismo eles fizeram o mesmo com a religião dos Gregos… Qual o problema? Vamos comemorar o dia do nascimento do Deus Menino, gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *