Revista Ministério em inglês mostra que: “No princípio,… [críamos em] Deus,” mas já defendemos até a Evolução…

“No princípio, Deus …”: Uma revisão histórica do debate sobre a criação entre os adventistas do sétimo dia (Traduzido pelo Google Translate.)

Gerhard Pfandl

Gerhard Pfandl, Ph.D., é diretor associado do Instituto de Pesquisa Bíblica, Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Silver Spring, Maryland.

Nota Editorial: Embora este texto, agora em forma de artigo, não seja aquele que foi apresentado em qualquer uma das Conferências de Fé e Ciência convocada nos últimos três anos, é um que foi apresentado em locais apropriados durante este período de tempo e teve a sua influência sobre o diálogo. Acreditamos que isso contribui para nossa autocompreensão como adventistas do sétimo dia quando se trata das questões da criação, evolução, fé e ciência. Está, portanto, incluído em nossa série “Ministry Faith and Science”.

Em sua sessão mundial de 1980 em Dallas, a Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia votou oficialmente a declaração de fé da igreja em termos de 27 crenças fundamentais.

A Crença No. 6 declara: “Deus é o Criador de todas as coisas, e revelou na Escritura o relato autêntico de Sua atividade criativa. Em seis dias o Senhor fez” o céu e a terra “e todas as coisas vivas sobre a terra e descansou no sétimo dia da primeira semana, Ele estabeleceu o sábado como um memorial perpétuo de Sua obra criativa completa: o primeiro homem e a mulher foram feitos à imagem de Deus como a obra-prima da Criação, dado domínio sobre o mundo, e com a responsabilidade de cuidar dela.Quando o mundo foi terminado, foi “muito bom”, declarando a glória de Deus. (Gn 1; 2; Êxodo 20: 8-11 ; Sal. 19: 1-6 ; 33 : 6 , 9 ; 104 ; Hebreus 11: 3 ). ”

Esta declaração diz que os adventistas do sétimo dia crêem (a) que Deus criou o céu e a terra e tudo o que há em seis dias, e (b) que o sábado é um lembrete contínuo da criação de seis dias.

Com base na cronologia bíblica e em algumas declarações de Ellen White, os adventistas do sétimo dia acreditavam tradicionalmente que essa criação ocorreu há cerca de 6000 anos.

Modelos tradicionais de criação entre os adventistas

Dois pontos de vista diferentes em relação ao registro da criação de Gênesis 1 prevaleceram na Igreja Adventista.

1. A teoria da lacuna ou intervalo adventista. Essa visão entende Gênesis 1: 1 como uma referência à criação do universo, incluindo a Terra em seu estado bruto bilhões de anos atrás. Há vários milhares de anos o Espírito Santo pairou acima das águas e a criação de seis dias aconteceu. Essa visão foi predominante entre os pioneiros adventistas. MC Wilcox, em 1898, escreveu: “Quando Deus criou, ou trouxe à existência, o céu e a terra?” No princípio. Quando esse ‘começo’ foi, por quanto tempo ele cobriu, é inútil conjeturar, pois não é revelado. Que foi um período que antecedeu o trabalho de seis dias é evidente ”. 1

A mesma visão é encontrada entre os adventistas hoje. Por exemplo, Clyde Webster, ex-diretor associado do Geo-Science Research Institute, em seu livro The Earth escreve: “Não há nenhuma referência nas Escrituras dentro da semana da criação que aborde a criação de água ou o conteúdo mineral da terra seca… A única referência feita à sua criação é “no princípio”. Parece possível, então, que a matéria inorgânica elementar não esteja limitada por uma idade limitada, como é a matéria viva “. 2

Mais recentemente, na Conferência de Fé e Ciência patrocinada pela Conferência Geral de 2002, Richard Davidson, da Universidade Andrews, declarou que “o texto bíblico de Gênesis 1 deixa espaço para: (a) uma rocha pré-fóssil jovem, criada como parte do sete dias de criação (com aparente velhice), ou (b) muito mais antiga rocha terrestre pré-fóssil, com um longo intervalo entre a criação das ‘matérias-primas’ inanimadas na terra descritas em Gênesis 1: 1 , 2 e as sete dias da semana da criação descrita em Gênesis 1: 3 e segs (que eu acho a interpretação preferível). ” 3

Ao contrário da teoria da lacuna ou restauração da ruína da Bíblia de Scofield, os adventistas do sétimo dia não acreditam que a vida existisse na Terra antes de Gênesis 1. Somente a rocha que não produz fósseis pode ter bilhões de anos. Embora esta seja uma possibilidade, Gênesis 1: 1-3 não indica que há uma lacuna entre os versos 1 e 2. Além disso, Êxodo 20:11 diz: “Porque em seis dias o Senhor fez os céus ea terra, o mar e tudo o que está neles “. Este texto parece dizer que em seis dias Deus criou tudo relacionado com a nossa terra. De qualquer forma, a visão da lacuna não nos ajuda realmente quando se trata da coluna geológica que contém fósseis, já que a morte pode ter ocorrido somente após a queda.

2. O relato de criação original. Essa visão vê a semana de criação de seis dias começando no versículo 1, não no versículo 3. Em outras palavras, “céu e terra” no versículo 1 se refere apenas ao nosso sistema planetário ou à nossa Via Láctea e não ao universo como um todo. A razão é que em Isaías 65:17 e Apocalipse 21: 1, “céu e terra” não se referem a uma recriação do universo, mas apenas àquela parte do universo contaminada pelo pecado.

Essa era a opinião de JN Andrews. Ele acreditava que o universo foi criado no primeiro dia. “Se pudéssemos voltar seis mil anos atrás, e a partir desse ponto examinar o vasto abismo do espaço agora repleto de estrelas do céu, o que deveríamos contemplar? Nada em branco. O exército do céu não existia então. Nosso A imensa infinitude do espaço era literalmente, como o emprego expressa, “o lugar vazio” e aquilo que a preenchia era “nada” Jó 26: 7. Trevas profundas e profundas repousavam sobre o grande vazio Até mesmo os materiais que subsequentemente formaram os mundos não tinham existência ”. 4

Ellen White escreveu em 1904, em conexão com a crise do panteísmo: “A teoria de que Deus não criou a matéria quando Ele trouxe o mundo à existência não tem fundamento. Na formação de nosso mundo, Deus não estava em dívida com a matéria preexistente. ” 5

Embora essa afirmação possa ser usada por ambas as posições, em vista de todas as outras declarações dela sobre a criação, acredito que ela tenha a segunda opinião. Seja qual for o caso, ambas as posições mantêm uma criação de seis dias e vêem a conta da Criação como a base para o mandamento do sábado em Êxodo 20.

Evolução e a Igreja Adventista

Até a década de 1950, os adventistas em geral aceitavam um ou outro dos dois modelos de criação. Durante as últimas décadas, no entanto, alguns adventistas começaram a introduzir uma evolução teísta do terceiro modelo de criação. Esta é uma tentativa de harmonizar a biologia evolutiva com a fé cristã.

Em 1957, a Associação Geral estabeleceu o Instituto de Pesquisa em Geociências, localizado hoje no campus da Universidade Loma Linda, na Califórnia. “O instituto enfoca principalmente as questões bio lógica, geológica e paleontológica sobre a origem da vida e a história passada de nosso planeta no contexto do relato da Criação dado no livro de Gênesis.” 6

Durante as duas primeiras décadas de seu trabalho, existiram tensões entre os cientistas do instituto por causa de diferentes visões sobre como interpretar o passado. Alguns levaram a sério as afirmações das Escrituras e Ellen White e tentaram interpretar os fatos da ciência de acordo. Outros estavam dispostos a considerar seriamente “evidências de relógios radioativos que colocaram ‘a Creation Week centenas de milhões de anos atrás'” 7 e procuraram maneiras de interpretar as Escrituras à luz dessa visão.

Com o tempo, todos os chamados cientistas progressistas deixaram o instituto, e por volta de 1980, quando Ariel Roth se tornou diretor do instituto, apenas os cientistas que aceitaram o registro bíblico como se lê estavam na equipe. Nas escolas e universidades adventistas, no entanto, a imagem era diferente. Vários professores de ciências tendiam a inclinar-se cada vez mais para a evolução teísta.

O Geoscience Research Institute organizou conferências de campo na América do Norte, Europa e Austrália que informaram a liderança da igreja, professores e ministros sobre os problemas da teoria evolutiva e ofereceram uma solução para a coluna geológica com base na inundação bíblica. .

Em uma dessas viagens, em 1977, o presidente da Associação Geral, Robert Pierson, percebeu que alguns de nossos cientistas tendiam à evolução teísta. Ele pediu aos vice-presidentes Duncan Eva, Willis Hackett e Richard Hammill para formularem dois pontos doutrinários, um sobre inspiração e outro sobre criação, que os cientistas e professores de Bíblia de nossas escolas deveriam aceitar. “Seus esforços em favor da ‘declaração de creedons’ de Pierson levaram um teólogo a confessar que não via diferença substancial entre as ações do presidente da Associação Geral e as do papa”. 8

Na mesma época em que Ariel Roth tornou-se diretor do Geoscience Research Institute, Gerhard Hasel tornou-se decano do seminário teológico em Andrews. Através dessas nomeações, o Élder Pierson esperava conter o pluralismo entre os teólogos e cientistas.

Os estudiosos e cientistas progressistas ou mais liberais, no entanto, estavam frustrados. Eles se voltaram para Richard Ritland, que havia se aposentado em 1982, e lhe pediram para organizar uma conferência de campo para a Associação dos Fóruns Adventistas. A conferência aconteceu em 1985, com cerca de 100 participantes. Durante dez dias eles estudaram as formações geológicas em Utah e Wyoming e outros cinco dias foram gastos em uma conferência de estudo no Parque Yellowstone. “Os apresentadores da conferência trataram de três temas: a história da Terra, o registro bíblico e as respostas dos cristãos que buscam reconciliar sua fé com as evidências da ciência.” 9

Um relatório desta conferência de campo, publicado no Spectrum, declarou: “A conferência gerou algum sentimento de apreensão, em parte porque nem todas as respostas familiares pareciam adequadas para explicar o que vimos e porque os participantes estavam preocupados que a questão das origens fosse divisiva para a Igreja Adventista “. 10

A preocupação foi justificada. Em uma conferência de campo de Geociências em 1991, na qual o recém-eleito presidente da Associação Geral, Robert Folkenberg, participou, Ariel Roth informou aos participantes que vários cientistas adventistas haviam se tornado evolucionistas teístas. Então, no ano 2000, a Associação dos Fóruns Adventistas publicou o livro Criação Reconsiderada, que contém as 28 palestras dadas na conferência de 1985 em Yellowstone. Vários contribuintes para este volume defendem a evolução teísta.

Duas visões na igreja hoje

Com base em publicações recentes de teólogos adventistas e cientistas em relação à criação, podemos dizer que hoje existem basicamente duas visões na Igreja Adventista. Vê-se a criação se estendendo por milhões de anos; o outro sustenta uma criação de seis dias há vários milhares de anos.

Representantes da evolução teísta.Richard M. Ritland (um biólogo aposentado que lecionou em Loma Linda e Andrews). Na conferência de campo em 1985, em sua palestra sobre a coluna geológica, que parece indicar que a vida na Terra existiu há milhões de anos, ele traçou o desenvolvimento e as evidências para a coluna geológica. Ele concluiu dizendo: “Como um relógio para organizar o dia, a coluna geológica se tornou como um calendário para relacionar e organizar o vasto corpo de informações e teorias que se tornou o núcleo essencial ao qual os registros da história da Terra se relacionam. tornar-se uma ferramenta indispensável, não apenas para estudos gerais, mas também para as áreas especiais relacionadas ao fluxo de energia e vida ao longo do tempo, às origens, ao tempo, à mudança evolucionária, toda preocupação imediata àqueles que investigam o sentido da vida, existência,11

Richard]. Bottomley (geofísico da Canadian University College). Na mesma conferência, ele lidou com o tópico de datar as rochas. Depois de explicar os métodos de datação radioativa, ele mostrou que as rochas que carregam fósseis têm uma certa seqüência: a rocha inferior deve ter sido depositada antes da rocha mais jovem em cima dela. Como as datas para as camadas individuais estão espalhadas por centenas de milhões de anos, ele concluiu que as camadas de rocha “representam longos intervalos de tempo e que as rochas envolvidas não poderiam ter sido depositadas em um curto período de tempo”, 12como a maioria dos adventistas acredita que aconteceu durante o Dilúvio.

Richard L. Hammill (ex-presidente da Andrews, vice-presidente da Associação Geral). Após sua aposentadoria, o Dr. Hammill estudou teorias científicas (placas tectônicas, fósseis, datações radioativas, etc.). Depois de nove anos de estudo, ele chegou à conclusão de que “os animais viviam na terra … milhões de anos atrás, antes que essas placas [continentais] se separassem. E, além disso, quando cheguei a observar a coluna geológica, para reconhecer … que a coluna geológica é válida, que algumas formas de vida foram extintas antes que outras formas de vida viessem a existir … A constante evidência acumulada no mundo natural forçou uma reavaliação na maneira como eu vejo e compreendo e interpretar partes da Bíblia “. 13 Ele se chamava criacionista progressista.

Fritz Guy (um teólogo da Universidade La Sierra). Na Conferência Fé e Ciência, em 2002, o Dr. Guy apresentou uma palestra, “Interpretando Gênesis Um no Século XXI”, que foi posteriormente publicada no Spectrum . Ele interpreta Gênesis 1 teologicamente, isto é, ele vê Gênesis 1 “não como uma descrição literal de um processo, mas como ‘uma interpretação espiritual da origem, natureza e destino do universo'”. 14 Isso significa “leia teologicamente, a explicação de a criação em Gênesis 1 é complementar também a uma explicação científica da história do cosmos, da terra, da vida e da humanidade. A combinação das duas explicações “produz um relato intelectualmente satisfatório e espiritualmente esclarecedor da criação” 15.No que diz respeito a Ellen White, ele acredita que se ela estivesse vivendo agora, sabendo o que sabemos hoje sobre a história natural, “ela indubitavelmente evitaria uma questão divisiva da interpretação de Gênesis 1”. 16

Representantes de uma criação de seis dias. Jim Gibson (biólogo e diretor do Geoscience Research Institute). Em 1998, na conferência de Geociências Européia, Jim Gibson declarou que “o ponto de vista da longevidade traz certas implicações desfavoráveis ​​sobre o caráter de Deus e a confiabilidade da Bíblia. Como dou primazia epistemológica às Escrituras, aceito o registro de Gênesis como Uma questão de fé. Tendo adotado essa posição, encorajo que muitas das evidências alegadas para apoiar longas idades possam ser reinterpretadas no contexto de uma cronologia curta. ” 17

Randall Younker (arqueólogo da Universidade Andrews com formação em biologia). Na Universidade Andrews, ele e John Baldwin lecionam o curso “Questões de Origem”, no qual apresentam o ponto de vista tradicional criacionista. Younker escreveu a Escola Sabatina trimestralmente sobre a criação para o quarto trimestre de 1999. Na introdução à lição ele declara ” Os adventistas do sétimo dia consideram Gênesis 1-11 como um relato histórico preciso das origens da vida na Terra. Nós aceitamos o testemunho direto da narrativa bíblica de que a criação da vida neste planeta e seus vários habitats ocorreu em seis dias literais de 24 horas. Com base nos dados bíblicos disponíveis, também acreditamos que o período de tempo desde a Criação tem sido uma cronologia curta de alguns milhares de anos,18

Leonard Brand (biólogo da Universidade de Loma Linda). Na introdução de seu livro Fé, Razão e História da Terra, ele escreve que “uma tese central deste livro é que um criacionista pode de fato ser um cientista eficaz”. 19 Ele defende o intervencionismo, uma visão da história que reconhece o importante papel da intervenção inteligente na história. No capítulo sobre fé e ciência, ele diz em relação à geologia: “A ciência propôs uma teoria de que depósitos geológicos com fósseis se acumularam ao longo de centenas de milhões de anos … 1 concluo que a Bíblia indica que a teoria geológica atual, em Em certos aspectos, é uma interpretação incorreta dos dados. Nossa tarefa é voltar ao laboratório de pesquisa e desenvolver uma teoria mais correta “. 20

Richard Davidson (teólogo da Andrews University). Davidson é um proponente da teoria da lacuna adventista, ou seja, Gênesis 1: 1 fala sobre a criação do universo; somente a partir do verso 3 é a semana de criação em vista. Em relação à interpretação de Gênesis 1 ele diz: “Baseado no testemunho do relato de Gênesis e alusões intertextuais posteriores a este relato, devo afirmar a natureza literal e histórica de Gênesis 1 e 2, com uma semana de Criação literal consistindo de seis dias consecutivos, contíguos, criativos e naturais de 24 horas, seguidos imediatamente por um literal sétimo dia de 24 horas, durante o qual Deus descansou, abençoou e santificou o sábado como um memorial da criação. ” 21

A visão de Jack Provonsha . Diante de fatos científicos, uma criação de seis dias há alguns milhares de anos não é mais aceitável para muitos eruditos e cientistas adventistas. Por outro lado, eruditos adventistas conservadores não podem aceitar qualquer visão que postule a morte antes que os seres humanos vivam na terra, porque Paulo em Romanos 5:12 diz: “Portanto, assim como por um homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte, e assim a morte se espalhou para todos os homens, porque todos pecaram “(NK) V).

O médico e teólogo de Loma Linda, Jack Provonsha, portanto, propôs uma solução diferente. Ele sugeriu que os adventistas considerem a teoria da restauração da ruína como proposta pela Bíblia de Scofield. De acordo com essa visão, quando Lúcifer foi expulso do céu para a Terra, ele recebeu muito tempo para elaborar seus princípios. “Isso incluiu a experimentação genética resultando no processo evolucionário que levou ao desenvolvimento de macacos semelhantes a humanos. Em um tempo mais recente, Provonsha sugeriu, Deus interveio e criou o Jardim do Éden com Adão e Eva.” 22

Embora essa visão combine a visão conservadora com os dados científicos da morte antes de Adam, ela recebeu pouco apoio de ambos os lados.

Conferências recentes de fé e ciência

No Concílio Anual de 2001, o Comitê Executivo da Associação Geral organizou uma série de conferências sobre fé e ciência durante os anos 2002-2004. O primeiro em 2002 foi uma conferência internacional em Ogden, Utah. Mais de 80 cientistas, teólogos e administradores de igrejas de diferentes partes do mundo começaram a discutir a inter-relação entre fé e ciência. Os tópicos variaram desde o registro fóssil dos hominídeos até a visão da ciência de Ellen White. A conferência revelou a seriedade e amplitude das diferenças relativas às questões de origem que estão presentes na comunidade adventista hoje.

Durante 2003 e no primeiro semestre de 2004, a maioria das divisões realizou conferências semelhantes de fé e ciência em seus territórios. As discussões formais chegaram ao fim em agosto de 2004 na segunda conferência internacional em Denver, Colorado. “O novo elemento nesta conferência foi uma discussão sobre a ética da dissidência lidando com a responsabilidade ética daqueles que diferem significativamente da posição bíblica da igreja sobre o tema da criação. A discussão foi aberta, sincera e altamente profissional. Era óbvio que um pequeno número de indivíduos cientistas e teólogos não apoiaram ou se sentiram desconfortáveis ​​com a doutrina bíblica da criação em seis dias literais consecutivos, conforme claramente revelado em Gênesis I. ” 23

Não houve tentativa por parte dos líderes da igreja de modificar ou mudar nossa crença fundamental sobre a Criação. Isso foi claramente declarado pelo Élder Jan Paulsen, presidente da Associação Geral, antes de as discussões serem iniciadas. Entretanto, tais discussões não podem ser evitadas porque a teoria da evolução e a doutrina adventista da criação representam duas visões de mundo antagônicas e fundamentalmente diversas. Infelizmente, a evolução teísta é uma visão que está sendo realizada e ensinada por vários adventistas do sétimo dia de hoje.

Em segundo lugar, é importante que a igreja esteja ciente de que nem os evolucionistas nem os criacionistas têm todas as respostas no debate. Essas conferências proporcionaram um ambiente adequado para discutir essas questões e, ao mesmo tempo, manter nosso compromisso de fé.

O relatório do Comitê Organizador da Conferência Internacional de Fé e Ciência para o Conselho de Outono de 2004 da Conferência Geral afirmou que embora haja uma afirmação generalizada da posição da Igreja sobre a Criação, “Nós reconhecemos que alguns entre nós interpretam o registro bíblico de maneiras que levam a conclusões muito diferentes “. 24

O Concílio Anual, após cuidadosa discussão, produziu uma resposta ao relatório no qual o Concílio endossou fortemente a posição histórica e bíblica de crença da Igreja em uma criação literal e recente de seis dias. “Reafirmamos a compreensão adventista do sétimo dia da historicidade de Gênesis 1-11: que os sete dias da criação eram literais dias de 24 horas formando uma semana idêntica ao que agora experimentamos como uma semana; e que a A inundação foi global na natureza “. 25 A resposta também convocou todos os conselhos e professores de nossas escolas a defender e defender a posição da Igreja sobre as origens.

Conclusão

Os últimos anos mostraram que há uma série de pontos de vista sobre a criação dentro da Igreja Adventista. Nem todos eles podem estar certos. Se a evolução teísta se tornar mais e mais aceita, correremos o risco de perder o fundamento bíblico para o sábado e nossa compreensão da salvação.

Sem a semana da Criação, o sábado se torna uma instituição judaica, e se a morte existia muito antes do aparecimento do homem, não havia Queda no Éden e, portanto, não há necessidade de salvação. Então Paulo estava errado quando escreveu: “Por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, e assim a morte se espalhou a todos os homens, porque todos pecaram” ( Rm 5:12 ).

Referências:

1 M.C. Wilcox, “The Gospel in Genesis One,” The Signs of the Times, 24.27 (July 7, 1898): 16.

2 Clyde E. Webster, The Earth (Silver Spring: Office of Education, NAD, 1989), 43.

3 Richard Davidson, “The Biblical Account of Origins.” Paper presented at the Faith and Science Conference, August 23-29, 2002 in Ogden, Utah, 29.

4 J.N. Andrews, “The Memorial of Creation,” Review and Herald 43.17 (April 7, 1874): 129.

5 Ellen G. White, Testimonies for the Church, 8 cols. (Mountain View, Calif.: Pacific Press, 1948), 8.258.

6 Seventh Day Adventist Encyclopedia, second rv. ed Commentary Reference Series, vol 10 (Hagerstown, MD Review and Herald, 1996), 599.

7 Ron Numbers, The Creationists (New York: A. A. Knopf, 1992), 292.

8 James L. Hayward, ed, Creation Reconsidered (Roseville, Calif. Association of Adventists Forums, 2000), 12.

9 _____, “The Many Faces of Adventist Creationism,” Spectrum 25.3 (March 1996), 25.

10 Karen Bottomley, “Pilgrimage in the Rockies: The AAF Geology Tour,” Spectrum 16.4 (1985), 26.

11 Richard M. Ritland, “The Geologic Column” in Hayward, ed. Creation Reconsidered, 34.

12 _____”Age Dating of Rocks” in Hayward, ed , Creation Reconwlerett, 75

13 Quoted in Hayward, Spettrttm 25 3 (1996). 27, 2B

14 Fritz Guy, “Interpreting Genesis One in the Twenty-First Century,” Spectrum 31 2 (Spring 200J), 11,

15 Ibid, 12

16 Ibid, 13

17 Jim Gibson, “Why a Creation Conference” (Geoscience Research Institute, Unpublished manuscript), 19

18 Randall Younker, God’s Creation, Sabbath School Study Guide for the third quarter 1999 (Silver Spring Genera! Conference!, 1999), 4

19 Leonard Brand, Faith, and Reason, Earth History (Berrien Springs, Mich.. Andrews University Press, 1997), viii

20 Ibid , 95

21 Richard M Davidson, “The Biblical Account of Origins” Unpublished paper presented at the International Faith and Science Conference 2002 at Ogden, Utah, 22

22 Hayward, Spectrum 25.3 (1996) 22

23 Angel M. Rodriguez, “Second international Faith and Science Conference A Report,” Reflections 9 (Jan 2005) 2.

24 “An Affirmation of Creation,” Report of the International Faith and Science Conference of Organizing Committee, 5.

25 “Response to an Affirmation of Creation,” Annual Council 2004, 1.

Fonte: https://www.ministrymagazine.org/archive/2005/06/in-the-beginning-god….html

2 thoughts on “Revista Ministério em inglês mostra que: “No princípio,… [críamos em] Deus,” mas já defendemos até a Evolução…

  1. Ou você tem problemas mentais ou é mentiroso voluntariamente. Não “defendemos” até a evolução. Como em toda igreja, existem aqueles que defendem ideias antibíblicas. No caso, pensadores adventistas que discordam da Criação literal (6 dias de 24 horas) são uma minoria. Defensores da teoria da evolução teísta, ainda menos. Mas são um desafio para a IASD, especialmente em lugares como EUA e Europa. Diferente de “teoria da Terra plana”, que é só uma piada. Se Rodrigo Silva, Leandro Quadros e outros gastam tempo falando sobre esse tema, é para esclarecer adventistas que possam ser atraídos por essa idiotice. Para todo ‘líder’ e toda teoria, por mais absurda que seja, sempre se conseguirá pelo menos dezenas ou até centenas de seguidores. Inri Cristo está aí para provar esse fato.

    1. Concordo meu amigo! Basear-se em uma minoria para assim acusar TODA instituição é fora da realidade! A IASD tem seus problemas porque tem humanos em seu corpo pastoral e liderança! Procurar defeitos nas pessoas é muito fácil, difícil é aceitar que por mais fragilizada que esteja, a IASD é a menina de Deus nesta terra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *