Quebrando o silêncio adventista: Caso de pedofilia na APO. E muitos outros pelo mundo todo!

Em novembro de 2017 houve um caso de pedofilia na cidade Sertãozinho, interior de São Paulo, campo da APO, em um local conhecido como “Terra Vermelha” onde um acampamento de líderes estava ocorrendo e um regional membro da IASD central de Sertãozinho, se envolveu sexualmente com um menor de idade no referido acampamento.

De acordo com informações de quem esteve presente, após denúncia do menino, houve por parte dos outros líderes ali presentes, a informação vindo de superiores que o criminoso fosse retirado dali antes da chegada da policia para não envolver o nome da IASD.

Na Igreja central de Sertãozinho, onde o criminoso é membro, os irmãos não sabiam do ocorrido, por ter sido abafado e ele então pediu para ser removido do rol de membros alegando motivos particulares (erro crasso da liderança, já que no dia do ocorrido Pastor local e outros líderes foram chamados e comissão da igreja deveria ter sido reunida e removido o meliante, de acordo com o Manual da Igreja).

De acordo com informações até desencontradas, o menor é da cidade de Ribeirão Preto, e a família fez a denúncia e parece que o inquérito corre em segredo de justiça.

No começo de 2018 chegou ao distrito de Sertãozinho um novo aspirante ao ministério, vindo de uma ano de como missionário na Europa. O cidadão pedófilo mesmo removido da Igreja, continuou a ensaiar no coral da Igreja e em uma apresentação estava pronto para entrar, quando membros questionaram o ancionato sobre a situação dele, após muito custo tiraram ele da apresentação, posteriormente foi dito por um dos anciãos, que o aspirante ao ministério que dirige a igreja disse, que como qualquer interessado ele pode cantar no coral, ele se encaixaria nessa situação, aquela que fala que os membros não batizados, interessados na igreja, que são membros da escola sabatina, tipica situação de evangelismo podem cantar no coral (outro erro crasso do aspira sobre a interpretação do Manual da Igreja, será que ainda ensinam manual da IASD no teológico ou só ensinam a serem pastores por redes sociais).

Esse fato dividiu a Igreja entre os membros antigos e os novos que nunca nem leram um único livro do espírito de profecia ou manual da Igreja, e o aspira (vulgo Pastor) parece ter ficado ao lado desse grupo que só sabe de redes sociais e orientou os membros mais antigos agora em Outubro de 2018 que deixem de ir a Igreja ou abram outro grupo para eles, porque a Igreja que eles construíram, suaram, lutaram não serve mais para eles,

Mesmo sabendo que devia entregar o lenço e nunca mais se envolver em qualquer ministério infantil, o pedófilo se dirigiu ao distrito da IASD central de ARTUR NOGUEIRA no campo da APAC – Campinas e usando o lenço, que não foi retirado dele, estando cortado da igreja, com inquérito policial sobre ele participou de vários eventos oficiais da Igreja, acampamento de desbravadores como Palestrante, até que um ancião desconfiou e o desmascarou e mesmo assim houve quem o defendesse, inclusive o aspira que permite que ele ensaie junto ao coral da igreja e cante nos dias da apresentação sentado no primeiro banco.

No último sábado dia 29 de setembro de 2018 com a presença do evangelista da APO, o aspira (o pedófilo cantou sentado ao lado dele no primeiro banco, já que parte da Igreja seguindo o manual não aceita que ele cortado da igreja cante junto aos demais e o aspira apóia, disse que é melhor cantar do primeiro banco do que do último) apresentou uma filha de adventista de nove anos para o batismo, ou seja o trabalho dele pelas redes sociais parece não estar tendo muito efeito evangelístico, já que em um batismo da primavera o aspira não apresenta uma alma pro batismo, mas pede que os irmãos mais antigos que questionam os erros dele, de não visitar os irmãos, de dizer que não gosta de programa J.A, que não gosta do cantinho das crianças na hora do culto e apresentação de criança em “sua” igreja, que esses mesmos irmãos que apontam os seus erros, são os que se reúnem pra falar mal, SAIAM DA IGREJA PORQUE ASSIM SERÁ MELHOR, … [trecho omitido para poupar autor da denúncia] …demonstra o tipo de Pastor que o UNASP está formando, estão de Parabéns e a APO pelo tipo de aspirante que chama para o ministério.

Em outros países

Como a maioria das comunidades religiosas, a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem uma história longa e sórdida de abuso sexual infantil. No início do século 20, missionários adventistas na Austrália arrancaram crianças indígenas dos braços de seus pais e as realocaram para comunas isoladas onde o abuso físico e sexual era comum e impune.

Nos Estados Unidos, centenas de jovens membros da congregação foram submetidos aos mais horríveis abusos sexuais imagináveis, mas, como dizem os processos judiciais e registros policiais, muitas vezes são atendidos por silêncio e negação.

Relatórios de abuso sexual infantil e reclamações
Para entender melhor o escopo desse problema, nossos advogados examinaram mais de duas décadas de reportagens sobre processos civis e processos criminais de casos de abuso sexual ligados à Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Em nossa análise, o alcance internacional do abuso sexual na comunidade adventista ficou claro. Embora a maioria dos casos seja dos Estados Unidos ou da Austrália, também encontramos queixas de abuso sexual espalhadas pelo mundo, da África, onde quase 8 milhões de pessoas são membros registrados da fé, à Finlândia, com uma pequena população adventista pairando por aí. 5.000.

Estados Unidos
Escusado será dizer que a nossa análise de relatos da mídia e documentos do tribunal civil é susceptível de representar apenas uma fração dos casos reais de abuso sexual ligados à Igreja Adventista do Sétimo Dia. O sigilo é um tema comum entre as inúmeras alegações cobertas nesta página. Em relatório após relatório, sobreviventes de abuso sexual acusam líderes da Igreja de esconder má conduta sexual de autoridades seculares. Alguns casos sugerem que oficiais adventistas podem ter conhecimento de abuso sexual anos atrás, mas nunca disseram à polícia ou só o fizeram décadas mais tarde.

Califórnia
Em 2004, um grupo de cinco homens entrou com um processo contra a Igreja alegando que eles foram abusados ​​durante os anos 1980 por professores da Academia da Baía de Monterey, um internato da SDA em La Selva Beach, Califórnia, informou a Clocktower . Depois de tentar denunciar o abuso a outros membros do corpo docente, diz o processo, os meninos foram punidos. Os dois professores que foram acusados ​​de má conduta tiveram êxito em expulsar quatro das cinco vítimas da escola.

Em um processo de 2008, um ex-pastor associado da SDA acusa a Conferência do Sul da Califórnia de adventistas do sétimo dia de demiti-la em retaliação por seu relatório de agressão sexual, informa o Courthouse News . A demandante alega que, durante 5 meses, ela foi sexualmente assediada por um pastor casado. O homem, chamado Howard Small, se expôs à mulher em um escritório da Igreja em repetidas ocasiões e “forçadamente tentou fazer sexo oral nela”, diz o processo. Em última análise, o homem apareceu na porta dela, jogou-a no chão e a estuprou, alegando que o queixoso. Quando ela denunciou a agressão, a queixa continua, o presidente da South California SDA a deixou em licença e reduziu seu salário.

Em janeiro de 2018, a polícia de San Jose prendeu um pastor de jovens na Igreja Adventista Del Séptimo Día San José (Igreja Adventista do Sétimo Dia de San Jose) por suspeita de enviar uma foto sexualmente explícita de 13 anos a ele, Mercury News. relatórios.

Flórida
Um professor da Miami Union Academy, uma escola secundária adventista na Flórida, foi acusado de 5 acusações de abuso sexual, além de 15 acusações de abuso sexual, por supostamente forçar uma estudante do oitavo ano a fazer sexo oral, segundo a Adventist Today .

Um trabalhador da Horeb Adventista do Sétimo Dia Francês foi condenado por molestar uma menina de 9 anos que havia sido matriculada em um programa de jovens na igreja de Miami, informa o Miami New Times . A família da vítima entrou com uma ação civil contra a igreja, dizendo que foi negligente contratar Jerry Ameris, que se declarou culpado de agredir a menina.

Idaho
Em julho de 2014, um diácono em Idaho foi condenado a 5 a 15 anos de prisão por molestar uma menina de 12 anos em um depósito da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Nampa. Quando ele foi pego pela polícia, Alexander Gonzalez Garcia disse aos funcionários que ele acreditava que Satanás pode ter tomado posse de seu corpo. Garcia se declarou culpado de abuso sexual de um menor e deve se registrar como agressor sexual, segundo a News Radio 1310 .

Maryland
Em 2013, Joseph Edgar Davis foi condenado por molestar sexualmente 3 garotas na Corte do Condado de Howard, em Maryland. Davis trabalhou até 2012 no departamento de áudio-visual na sede da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Silver Spring, Maryland. Ele vinha usando os computadores da instalação, segundo os promotores, para armazenar imagens pornográficas das meninas, que tinham entre 5 e 8 anos na época. Davis foi condenado a 150 anos de prisão, de acordo com o Baltimore Sun .

Massachusetts
Um ex-professor de música do Atlantic Union College, um colégio SDA em South Lancaster, Massachusetts, foi acusado de abusar sexualmente de quatro estudantes do sexo masculino em uma ação civil aberta em janeiro de 2008. O caso, relatado pelo Worcester Telegram , afirma que funcionários da escola rejeitou as alegações dos estudantes, depois os expulsou em retaliação.

Michigan
Um membro de 46 anos da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Niles Westside, no condado de Berrien, Michigan, foi sentenciado a 15 anos de prisão, escreve a Adventist Today , após se declarar culpado de molestar uma menina de 9 anos de idade. Os promotores de Michigan também garantiram a condenação do homem por não se registrar como agressor sexual, disse um repórter do South Bend Tribune, “ele já fez isso antes. Ele disse que não poderia se controlar com crianças”.

Um caso civil de 2013 apresentado no Tribunal Distrital de Michigan dos EUA acusa a Academia Peterson-Warren, uma escola privada da SDA em Inkster, Michigan, de não proteger um jovem estudante das intenções predatórias de um diretor assistente. O homem, relata o USA Today , começou a preparar a estudante quando ela tinha 15 anos de idade, dando-lhe presentes e viagens caras a cavalo. A limpeza logo se transformou em conduta sexual imprópria. A diretora assistente enviou seus textos que diziam “Eu te amo” e “às vezes”, escreve o USA Today, “ele trancava a porta da sala de aula e a beijava e a tocava de forma inadequada”. Eventualmente, eles começaram a fazer sexo “, em seu carro, hotéis, sua casa e uma vez durante uma viagem de classe sênior de 2009 para a Disney World.”

Oregon
Em 2002, a Conferência dos Adventistas do Sétimo Dia do Oregon foi condenada a pagar US $ 2 milhões em compensação a uma jovem que alegou ter sido molestada pelo filho do pastor Dennis Pumford, que serviu como pastor na Igreja Adventista do Sétimo Dia de South Salem. . Durante um julgamento realizado na Corte do Condado de Marion, os advogados da menina demonstraram que os funcionários da Igreja sabiam sobre a atividade sexual do menino, mas não supervisionavam adequadamente seu contato com crianças pequenas. O caso foi relatado pelo Statesman Journal em um artigo apresentado na íntegra em Jehovahs-Witness.com .

Em 2006, Tyler Elliot Lambie, a 28-year-old filho de um ensinar em Milo Academia Adventista de Oregon, foi preso e acusado de acusações de delito de abuso sexual por molestar dois estudantes de 17 anos de idade, de acordo com o Oregonian .

Em 2014, dois homens do Oregon entraram com uma ação contra a Igreja Adventista do Sétimo Dia, acusando a Igreja de contratar um pedófilo conhecido para liderar o Grupo Pathfinder, de Veneta. Ambos afirmam ter sido abusados ​​na década de 1970 por Leslie Bovee, que foi contratada para dirigir o ministério de jovens, que leva meninos e meninas entre 10 e 15 anos em viagens ao ar livre. Antes de sua nomeação, a ação alega que Bovee havia sido preso por molestar 3 garotos. Mesmo assim, funcionários da Igreja Adventista do Sétimo Dia permitiram que Bovee liderasse um programa em que ele estaria trabalhando com crianças, dizem os dois sobreviventes. Aparentemente, Bovee foi autorizado a executar o capítulo Pathfinder, apesar do conhecimento da Igreja de sua má conduta do passado, porque “ele se arrependeu e foi re-batizado”, relatórios Reuters .

Em 31 de março de 2016, Donald Mansell, ex-treinador de basquete da Academia Adventista Livingstone, foi preso e acusado de 3 acusações de abuso sexual. A polícia acredita que Mansell abusou de duas estudantes do sexo feminino na escola K-12, localizada em Salem, Oregon, entre 2010 e 2014, informou a KGW8 .

Texas
Uma família no Texas entrou com um processo em 2014 contra a Associação dos Adventistas do Sétimo Dia do Texas, dizendo que sua filha adolescente foi agredida por seu professor e treinador de basquete na Academia Adventista Burton. O Star-Telegram diz que Carlos E. Rodriguez, o professor, se declarou culpado de acusações de abuso sexual de uma criança menor de 14 anos. Ele foi sentenciado a 30 anos de prisão sem a possibilidade de liberdade condicional.

Em maio de 2017, um diácono da Igreja Adventista do Sétimo Dia de West Houston foi preso por molestar sexualmente dois garotos, incluindo um menino de 2 anos que ele supostamente estuprou em um armário da Igreja, segundo a Click2 Houston . Durante o curso das investigações policiais, um menino de 7 anos de idade se apresentou para acusar Barry Todd Durrell, o ex-diácono, de agredi-lo em um shopping local e em um motel. Durrell é um infrator reincidente, diz a polícia. Ele foi condenado por abuso sexual na Califórnia há três décadas, também admitindo uma acusação posterior no Oregon. Durrell tornou-se diácono da igreja de West Houston em 2003. Ele não era um criminoso sexual registrado; agentes da lei não sabem por que não.

Washington
Em agosto de 2016, a Adventist Today informou sobre um novo caso de abuso sexual. Douglas Allison, ex-diretor da Escola Cristã de Mountain View em Sequim, Washington, se declarou culpado de estupro de abuso sexual de crianças e crianças. O ex-diretor “admitiu ter tido contato sexual e relações sexuais com as vítimas do sexo feminino, então com 10 e 11 anos de idade, a partir de setembro de 2015”, dizem os repórteres do Reporter da Sequim Gazette. As vítimas entraram com uma ação civil contra a escola afiliada à SDA, exigindo US $ 5,25 milhões em danos.

West Virginia
Um processo aberto em fevereiro de 2017 diz que professores e administradores da Miracle Meadows Christian, um colégio interno da Virgínia Ocidental, seguem os princípios da Igreja Adventista do Sétimo Dia, ocultando anos de abuso físico e emocional. Nossos próprios advogados estão representando dois ex-alunos de Miracle Meadows, agora adultos, que afirmam que foram espancados e estuprados em várias ocasiões durante o seu mandato no colégio interno. Para saber mais sobre o caso, clique aqui .

Zimbábue
Uma mulher em Bulawayo, no Zimbábue, deu um passo à frente para acusar Brighton Ndebele, pastor da Igreja Adventista do Centro da Cidade, de enviar suas mensagens de teste sexualmente explícitas. Ela foi à polícia secular, diz um relatório da Adventist Today , porque a Igreja Adventista, na qual ela é membro, “se recusou a punir o pastor”.

Austrália
A história de abuso da Igreja Adventista do Sétimo Dia começa cedo na Austrália. Ao longo do século XX, os indígenas australianos foram removidos à força de suas casas e levados para viver em missões cristãs, incluindo a missão adventista do sétimo dia de Mona Mona. O abuso físico, emocional e sexual reinou supremo na missão, informou a National Indigenous Television . A Igreja iniciou sua Missão Mona Mona em 1913 e a fechou em 1962. Em 2014, mais de 70 indígenas australianos receberam indenização do governo do estado de Queensland por seus maus tratos históricos em missões cristãs.

Um ex-professor de educação física na Escola Primária Nunawading Adventista do Sétimo Dia se declarou culpado de 30 acusações de agressão indecente e 1 de estupro em 2002, relata The Age . James Paul Dunne, um homem de 46 anos que mora em Lilydale, Victoria, Austrália, molestou um jovem estudante do sexo masculino durante um período de quase 4 anos.

Em outubro de 2004, seis homens das Ilhas Pitcairn, um território britânico no Pacífico Sul, com uma população de moradores de cerca de 50 anos, foram condenados por abusar sexualmente de meninas. As acusações incluíam incesto, estupro coletivo e agressão indecente, segundo o Anunciante , um jornal baseado em Adelaide, na Austrália. Embora o adventismo do sétimo dia não seja a religião oficial nas Ilhas Pitcairn, mas quase todos nas ilhas são adventistas.

Em novembro de 2013, um processo judicial australiano contra a Igreja Adventista do Sétimo Dia revelou evidências de que uma escola afiliada à SDA modificou sua própria investigação interna sobre uma série de ataques sexuais ocorridos na década de 1970, de acordo com o Sunraysia Daily . As vítimas do homem, sugerem documentos judiciais, tinham menos de 9 anos na época. Pelo menos uma vítima diz que foi “rotulada de mentirosa” pela Igreja. A Igreja Adventista do Sétimo Dia, afirmam os queixosos, tomou conhecimento dos ataques nos anos 90, mas apenas remeteu o caso às autoridades policiais em 2012.

Outro caso de 2015 vem da Austrália, onde os líderes de uma igreja Adventista do Sétimo Dia em Brisbane vieram admitir que malograram uma investigação sobre o abuso de uma vítima de 15 anos de idade por Daniel Kyei, que trabalhou como professor e treinador de futebol em Brisbane. Colégio Adventista. O australiano tem mais sobre a história. A Comissão Real da Austrália para Respostas Institucionais ao Abuso Sexual Infantil, criada em 2012, recebeu mais de 6.700 denúncias de abuso sexual, 59% das quais ocorreram em instituições religiosas. Mais de 60 dos casos estavam ligados a uma Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Em 21 de agosto de 2017, um ex-professor da Escola Primária Adventista do Sétimo Dia de Bunbury, na Austrália, foi acusado de agredir sexualmente um jovem estudante entre 1979 e 1983. O homem, cujo nome não foi publicado pelo Melville Times , também foi acusado de molestar. um segundo aluno entre 1987 e 1988.

Finlândia
Pelo menos 10 meninos, a maioria com menos de 16 anos, foram molestados em um internato adventista na Finlândia, anunciaram investigadores finlandeses em 2003. O suposto abuso ocorreu durante 20 anos em Toivonlinna, uma escola em Piikkiö, na Finlândia. “O principal suspeito”, um pastor da Igreja, “demitiu-se” em 2002, relata o Poynter , “mas a polícia diz que várias outras pessoas também foram implicadas”.

África do Sul
O Élder Steyn Venter, da Igreja Bloemfontein SDA na África do Sul, foi demitido por emitir “conselhos impróprios” em seu papel como conselheiro matrimonial, segundo a Adventist Today . Relatórios de jornais da época sugerem que Venter havia “encorajado casais jovens a se envolverem em nudez pública”. O pastor manteve fotos nuas de pelo menos um casal, o que poderia ser considerado pornografia infantil, dependendo da idade dos casais.

Juntamente com esses relatos de abuso sexual alegado, Adventist Today também observou dois casos em que um professor associado adventista havia sido acusado de atividade criminosa não sexual. Em um relatório, uma professora do quinto ano de uma escola adventista em Granada foi acusada de homicídio depois que o corpo de uma mulher de 19 anos foi descoberto em uma lata de lixo. O segundo relatório vem da Índia, onde um professor da escola SDA em Virudhunagar foi acusado pela Lei de Justiça Juvenil do país por bater em uma menina de 7 anos com uma régua.

Uma anciã da igreja na África do Sul foi acusada de estuprar uma menina de 10 anos, segundo a New Age , mas em junho de 2017, seus pais disseram que a Igreja Adventista do Sétimo Dia de Oudtshoorn não está honrando sua política de tolerância zero em relação à criança. Abuso. Oito meses após o incidente alegado, o acusado, Areal Haarder, ainda estava “ativo no ministério”.

Jamaica
Em 2015, a Jamaica Gleaner relatou o caso de Dalton Leslie, um sargento da polícia em St. Andrew, que foi acusado de molestar sexualmente um garoto de 15 anos de idade. Um membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia, Leslie foi escolhido para liderar um grupo de jovens na Igreja, uma posição na qual ele permaneceu apesar das acusações contra ele.

Um ancião na Igreja Adventista do Sétimo Dia na Jamaica foi preso sob suspeita de ter abusado sexualmente de um menor em fevereiro de 2017, de acordo com um relatório do Jamaica Observer . Um segundo relatório diz que o homem foi encaminhado à polícia por supostamente ter feito sexo com uma menina de 14 anos.

Canadá
Em 2013, uma mulher canadense que foi abusada pela primeira vez por seu pai adotivo como uma criança entrou com uma ação contra sua mãe, a Igreja Adventista do Sétimo Dia e duas escolas adventistas alegando que elas falharam em protegê-la quando criança. Seu processo, relatado pelo Vancouver Sun , afirma que professores e administradores da Academia Adventista de Fraser Valley na Academia Adventista de Aldergrove e Cariboo em Williams Blake sabiam que seu pai adotivo agora estava a estuprando, mas falhou em denunciá-lo aos policiais.

Fonte: https://abuseguardian.com/child-sexual-abuse/religious-organizations/seventh-day-adventist-church/cases/

2 thoughts on “Quebrando o silêncio adventista: Caso de pedofilia na APO. E muitos outros pelo mundo todo!

  1. Prezado editor, bom dia.

    Meu nome é Paulo Henrique e no último sábado à noite em uma pequena festa de alguns irmãos da referida igreja acima citada, alguém ne perguntou se havia sido eu qua havia escrito a tal denúncia sobre o caso de pedofilia em Sertãozinho no Campo da APO?

    Trabalhei durante 12 anos como Pastor, seis anos na Paulistana e os cinco últimos no campo da APO, deixei o ministério em 2011 por livre e espontânea vontade após ser acusado publicamente por uma mulher na rede social do Presidente do referido Campo que eu era Pai do filho dela.

    Após me chantagear por cinco anos com essa história, afinal assumo sim que havia saído com ela, e durante todo esse tempo mensalmente pagava e muito, em virtude da chantagem, e colocando um ponto final nisso, disse a ela, vai e fala e como todo chantageador foi e fez, mas DNA não fez e arrumou outro para sustenta-lá.

    Sim, fui excluído do rol de membros, doei ternos e mais de mil livros, entendi sim que deixará de ser Pastor e segui com minha vida, cursei outro curso superior, segui com minha vida pessoal e profissional, me rebatizei, na IASD do Riacho Grande no dia 27/07/2012 pelo PR. Jorge Mario de Oliveira (está No YouTube) e hoje sou membro na IASD Central de Artur Nogueira, em 2015 fui Diretor de Escola Sabatina, no dia do Pastor desse mesmo ano, fui eu quem pregou no dia do Pastor, com um obreiro da UCB sentado ao meu lado na plataforma e vários Pastores da UCB sentados na congregação, nesse mesmo ano fui apontado para o ancionato e declinei devido a responsabilidade com meu TCC em Psicologia, mas chegam sempre a mim, notícias de quero pregar, dou risada, porque me pergunto, se passei doze anos, sendo pago para isso, porque o faria agora de graça? Se o faço é para Deus, e nunca pregaria uma heresia ou falaria mal da obra ou de algum obreiro usando o púlpito, não sou covarde, não sou moleque e não brinco com as coisas de Deus, quando descobriram meu erro, fiz como Davi, pequei contra o Senhor, confessei e aceitei todas as conseqüências de minhas escolhas erradas, agora apareça um aqui dizendo dia e hora em que pedi para algum líder de igreja para pregar. Se o fiz, que foram duas ou três vezes, como qualquer membro regular de Igreja, foi porque o Pastor da Igreja pessoalmente me pediu.

    Como tenho laços na referida cidade citada acima e em uma conversa em que o Pastor da referida cidade me chamou em uma tarde de segunda feira de maio de 2018 e me disse que eu não tenho autorização do Presidente da APO para pregar ( detalhe, nunca pedi para pregar, e a situação a que se refere a cidade de Artur Nogueira, foi a mim que perguntaram e no meu celular enviaram as fotos da participação no programa dos desbravadores) então alguns estão achando que fui eu o autor da tal denúncia de pedofilia.

    Então venho aqui publicamente dizer a quem pensa isso que prove que fui que fiz tal denúncia e aviso a quem não me conhece que não sou moleque e o que tenho para falar pra alguém, falo na cara, não em site, púlpito ou pelas costas, não tenho medo de Pastor, Ministerial, Presidente e o raio que o parta, vem e fala na minha cara não manda recado não, comigo a questão é de homem pra homem, não perco meu tempo com moleques, quem quiser falar comigo sabe onde me encontrar.

    Paulo Henrique

  2. A pessoa que enviou essa reportagem é idônea ou ela distorceu fatos a seu favor por rusgas pessoais? A linguagem está estranha e cheia de vícios, dando conotação de parcialidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *