Imprensa argentina denuncia que IASD usa fachada de Igreja mas proriza o lucro

Granix: a “empresa-igreja” que compete com a deslealdade e ilude o tesouro

A Associação dos Adventistas do Sétimo Dia, reconhecido pelo Ministério do Culto da Nação, na direção geral do Cadastro Geral de Assuntos Religiosos (no âmbito do Ministério das Relações Exteriores e Culto), não só o edifício religioso, mas, Por trás de seu disfarce de “entidade de bem público”, esconde-se um claro uso de sua condição para gerar um negócio incalculável através da comercialização de seus alimentos reconhecidos da marca “Granix” e da prestação de serviços sem pagar impostos.
O suficiente apenas para verificar os dados que a Administração Federal da Receita Pública (AFIP) em si nos dá saltos da principal atividade de “organizações religiosas Service” (919100) são as actividades secundárias de processamento de alimentos cereal, processamento de biscoitos e biscoitos, serviços de internação, entre outros. Para expandir ainda mais, você só deve tomar nota das marcas mais de cem Associação dos Adventistas do Sétimo Dia têm registado em seu nome, destacando alguns dos mais populares nas prateleiras dos biscoitos sob a égide do “Naturalmente Granix” , a saber: os doces “Frutigran” (em várias versões), “Granagua Sandwich” e seu similar “Salvado”.

O serviço de organizações de culto acaba por ser um bom negócio, já que permite ter uma das marcas líderes na venda de biscoitos e sem devolver um único peso em impostos.

Vale ressaltar que em No. 6 da agência AFIP localizado na Avenida Luis Maria Campos 100 da Cidade Autônoma de Buenos Aires é a inscrição da Associação dos Adventistas do Sétimo Dia. A resolução afirma credencia que “este certificado que a entidade requerente tenha o reconhecimento de uma isenção em andamento antes da AFIP, sujeita à aprovação posterior da agência “.

“Enquanto a presente solicitação está em andamento e não há pronunciamento expresso pela AFIP, a entidade não deve entrar com o imposto de renda, e não será responsável pelas retenções e / ou pagamentos no imposto de renda e / ou ou no imposto sobre valor agregado, estando sujeito ao pagamento do imposto sobre a resolução pela tesouraria do pedido de reconhecimento apresentado, “esclarece a agência n º 6 em tal resolução.

Esta situação manifestamente injusto para os outros concorrentes no mercado de biscoitos, e os coloca em desvantagem, não é desconhecido para a própria AFIP, que não só publica as atividades que realmente a igreja é dedicada Adventistas, mas pior ainda reconhece e permite esta situação, uma vez que permite a esta organização usufruir das isenções mencionadas nos primeiros parágrafos em seu registro de entidades isentas (Artigo 20 da Lei do Imposto de Renda), embora não de forma “provisória” desde 1995.

A decisão geral em si, que cria o referido registo fornece remover ou cancelar a isenção onde “irregularidades deve ser comprovada no fundo e / ou documentos que deram origem ao processo do objeto social declarado de acordo com a sua forma legal ou não ser proporcional com esse objeto, seu funcionamento institucional e operacional “(artigo 23 RG AFIP Nº 2681/2009, begin_of_the_skype_highlighting 2681/2009 end_of_the_skype_highlighting). É clara a atitude do Tesouro de dar rédea solta a essa situação de deslealdade comercial, pois tem o poder de impedir que aconteça e há mais de quinze anos não o faz.

Não só a AFIP que deixe esta distorção da concorrência ocorre porque o controle não só é legal, mas se insere no âmbito do secretário de Comércio Ministério da Economia, que deve agir para conduzir procurando obter injustamente vantagens competitiva, como é o caso da evasão fiscal (lei 25.156 – Antitruste).

Conivência e omissão da AFIP e secretário de Comércio, ambos com amplos poderes de controlo e sanções, juntamente com o uso de atividade religiosa promovendo como um véu atrás do qual uma evasão fiscal óbvio e peles de concorrência desleal, fazer Eu adoro um negócio redondo.

A DESCULPA DE “ISENÇÃO”

Existem organizações que a lei procura proteger e proteger em seu aspecto econômico através de isenções fiscais. Ou seja, libera obrigações e encargos tributários em mérito para o fim que eles perseguem. Essas franquias são tecnicamente conhecidas como “isenções”. Mas o que significam “isenções”? Eles são, sem dúvida, as decisões do Legislativo, que, dado determinado imposto, é resolvido por não aplicar o imposto, por várias razões de política social, fiscais, económicas, etc., produto talvez de supostas considerações de “justiça” muito louvável às vezes, mas com não conotações procurado em outros.

Acontece na realidade que certas organizações, utilizando e abusando das liberalidades outorgadas pela lei, são colocadas em posição privilegiada, manipulando e brincando com a suposta eqüidade que se busca. Este é o caso da Associação Argentina dos Adventistas do Sétimo Dia.

Vamos nos concentrar em algumas isenções que decorrem do artigo 20, a lei do imposto de renda que se referem especificamente e subjetivamente a “entidades de bem público”.

Com relação às “entidades de bem público”, estamos interessados ​​nos parágrafos f), g) e m). Em particular, o primeiro (f) que em suas partes relevantes expressa “… os lucros obtidos por associações, fundações e entidades civis de assistência social, saúde pública, caridade, caridade, educação e instrução, associações científicas, literárias, artísticas, comerciais e aqueles da cultura física e intelectual, desde que tais lucros e o patrimônio social sejam destinados ao propósito de sua criação … “.

Em nenhum lugar é mencionado que a razão para as isenções era a da condição de assegurar ou obter o “bem público” ou o “interesse geral”. Assim, em muitos casos, tem-se assistido à análise das atividades de tais entidades, como forma de poder demarcar o fato de que a figura legal adotada, não simpatiza com as funções desenvolvidas de acordo com a finalidade de cada entidade.

O tema inclui não só o imposto de renda, mas estende-se a imposto sobre o valor acrescentado, dado isenções previstas em lei, o artigo 7º, inciso h) Os pontos 2 a 6 e correlativa onde tais isenções dependem grande extensão das condições subjetivas do sujeito.

A questão central é: Em que medida podem ser admitidas actividades comerciais ou serviços considerados concorrentes de entidades privadas sujeitas à nossa legislação comercial comum e que não prejudicam o verdadeiro objectivo da isenção? Ou seja, não é esse o benefício de não ser tributado quando é indevidamente concedido, não é deslealdade comercial? A Igreja dos Adventistas compete injustamente usando um benefício que não corresponde a ela, confiando na atividade do culto para lucrar comercialmente? Os fatos indicam que isso é realidade.

O ADVENTISTA

Em seu portal, os adventistas do sétimo dia (que em várias cidades argentinas possuem edifícios onde as igrejas operam) indicam que eles aceitam a Bíblia como seu único credo e mantêm certas crenças fundamentais como sendo o ensino das escrituras sagradas.

Essas crenças constituem a compreensão da expressão do ensino das Escrituras por parte da Igreja. Pode haver revisões dessas declarações em uma assembléia da associação geral, quando a igreja é conduzida pelo espírito santo a um entendimento mais completo da verdade bíblica ou encontra uma linguagem melhor para expressar os ensinamentos da santa palavra de Deus.

Fonte: http://www.treslineas.com.ar/granix-iglesia-empresa-compite-deslealtad-evade-fisco-n-601020.html

Deixe uma resposta