Comissão da Igreja discute caso de irmã que seduziu inocente pastor…

Jesus colocou de lado as regras do Manual da Igreja daquele tempo, que exigiam a exclusão violenta da mulher pecadora. E deixou toda a liderança e ancionato da época sem argumentos. A punição deveria ser igual para todos os envolvidos. Se não fossem excluir o amante e todos os outros líderes que também adulteram — em imaginação, à distância e presencialmente –, a moça também deveria ser perdoada, sem exclusão e demissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *