Noticiário oficial em inglês fala da morte de adventistas na Venezuela, enquanto Erton Kohler da DSA esconde o jogo

O fato do presidente da Divisão Sul-Americana (DSA), Erton Kohler,  calar-se, consentindo,  e proibir que a Revista Adventista brasileira dê notícias sobre o sofrimento dos nossos vizunhos irmãos adventistas na Venezuela faz dele mais um cúmplice do Governo de Nicolás Maduro. Embora a Venezuela não faça parte do território da DSA, talvez ele queira provar que o General que acusa a Igreja Adventista de trabalhar para o governo americano não tenha razão. Ou teme perder as parcerias da Adra com verbas do Governo para atender os refugiados que migram para o Brasil. De qualquer modo, compartilhe e avise seus amigos que o www.adventistas.com tem todas as informações que a Divisão Sul-Americana e a Divisão Interamericana omitem dos brasileiros e tentam esconder!

Na Venezuela, a Igreja continua a operar em meio a desafios, morte de um membro da igreja

01 de março de 2019 | Miami, Flórida, Estados Unidos | Libna Stevens / IAD

A foto acima é do arquivo do Adventistas.Com. A foto enviada pela União Venezuelana Ocidental para o noticiário americano, chega a ser ridícula…

Yaimar Gamboa (à esquerda), um membro da igreja na Igreja Adventista do Barquisimeto Leste em Barquisimeto, Venezuela Ocidental mãos arepas e uma refeição quente para os membros da comunidade que são então convidados a ficar para orar e adorar se gostam como duas vezes por semana. A iniciativa chamada “Nas mãos do ministério de Jesus” acontece todas as semanas e é uma das muitas atividades comunitárias que muitas igrejas participam compartilhando o que têm com os necessitados. [Foto de cortesia da União da Venezuela Ocidental]

Na Venezuela, a Igreja continua a operar em meio a desafios, morte de um membro da igreja…

A Igreja Adventista do Sétimo Dia na Venezuela está triste com a perda de um de seus membros em La Gran Sabana, na parte sudeste do país que faz fronteira com o Brasil e a Guiana. Zoraida Rodríguez, um membro ativo de sua igreja local em Kumarakapay, foi morta em 22 de fevereiro de 2019, durante um confronto entre militares e membros de comunidades fronteiriças próximas. Seu marido, dois outros membros da igreja e outros 13 civis ficaram feridos e atualmente estão sendo tratados em um hospital do outro lado da fronteira no Brasil, disseram líderes da Igreja. [Na verdade, já morreram!]

“Continuamos a orar pelos membros da nossa igreja na Venezuela, especialmente a família de Zoraida Rodríguez”, disse Elie Henry, presidente da Igreja na América Central. “Todos precisamos nos lembrar de nossas orações todos os dias e da intervenção de Deus no país.”

Região leste da Venezuela

“Há muitas igrejas adventistas perto da fronteira, a maioria formada por povos indígenas, que estão neste momento ajudando os feridos, levando comida e oferecendo apoio espiritual através de pastores locais e leigos na área”, disse Jorge Atalido, presidente da igreja. no leste da Venezuela, uma das duas principais regiões eclesiásticas do país sul-americano. Além disso, um pequeno grupo de membros da igreja está fornecendo água e bebidas para os muitos que foram deslocados ao longo das comunidades fronteiriças da região, acrescentou Atalido.

Atalido, que supervisiona cerca de 180.000 pessoas em 856 igrejas e congregações em Caracas e estados do leste do país, disse que há muitos membros que foram seriamente afetados pela crise que o país enfrenta. No entanto, em meio aos desafios políticos e econômicos, os membros estão cada vez mais comprometidos com a missão da igreja, acrescentou.

“Nossas igrejas permanecem abertas toda semana e nossos membros fiéis continuam desfrutando da liberdade de culto”, disse Atalido [em defesa do governo!]. É somente em ocasiões em que há manifestações públicas que os membros se reúnem em pequenos grupos, acrescentou. Na maior parte da região leste-venezuelana, ou território do sindicato, a igreja continua com seus programas evangelísticos regulares e comunitários, com exceção de vários eventos importantes que foram suspensos devido ao aumento de custos e questões de segurança, explicou Atalido.

As 13 escolas operadas pela Igreja em toda a região continuam a funcionar, embora haja alta rotatividade entre os professores, disse Atalido. Na maior parte, as escolas continuam a ter matrícula ativa de alunos.

A igreja continua a impactar a comunidade com exposições sobre saúde, festivais gastronômicos, iniciativas evangelísticas e muito mais, disseram os líderes da igreja.

“Queremos que nossa família da igreja mantenha sua confiança em Deus neste momento de apreensão e incerteza”, disse Atalido. “Aquele que nos chamou não nos abandonou, pois somos fiéis em nosso compromisso com Ele e Sua missão.

Região oeste da Venezuela

Na região da Venezuela Ocidental, que faz fronteira com a Colômbia, não há vítimas informadas entre os membros, disseram líderes da Igreja.

“No último fim de semana, nossos membros que freqüentam igrejas perto da fronteira se reuniram em pequenos grupos para cultos de adoração”, disse Orlando Ramirez, secretário executivo da igreja no oeste da Venezuela. O restante do território se reuniu como de costume no início da manhã para adorar no sábado, acrescentou.

“Foi surpreendente que, no período mais difícil de nossa história de 109 anos como igreja na Venezuela, isso tenha trazido mais unidade, fervor, paixão, confiança e benevolência”, disse Ramirez. Ramirez disse que há mais de dois anos existem dezenas de projetos de serviços comunitários que continuam aumentando, muitos voltados para os desabrigados e crianças que vivem nas ruas.

Muitas das atividades da igreja incluem um saco de comida para os necessitados, dando sopa e refeições quentes, às vezes até duas vezes por semana, disse Ramirez.

“Há uma igreja em Barquisimeto que realiza um jantar missionário toda quarta-feira antes da reunião de oração no meio da semana e depois os visitantes são convidados a ficar para orar e adorar o Senhor”, disse Ramirez. Muitas dessas atividades comunitárias são realizadas graças à generosidade de muitos venezuelanos que deixaram o país e continuam enviando doações especiais para ajudar essas famílias na igreja e seus vizinhos, acrescentou.

Ramirez também falou de um grupo de donos de pequenos negócios adventistas em Barquisimeto que doam os ovos que suas galinhas colocam aos sábados para serem distribuídos nas instituições da igreja na cidade.

As 22 escolas operadas pela Igreja, incluindo a Universidade Adventista da Venezuela, continuam seus horários regulares de aula sem problemas, disseram os líderes da Igreja.

Julio Palacio, presidente da igreja no oeste da Venezuela, disse que não há crise na Venezuela porque, para Deus, a crise não existe e Deus está com a Sua igreja. A igreja no oeste da Venezuela supervisiona uma adesão de quase 169.000 pessoas em mais de 915 igrejas e congregações.

“Agradecemos ao nosso Deus por Seu cuidado e bênçãos para conosco”, disse Palacio. “Deus nos proveu nestes tempos difíceis, nos sustentou e nos sustentará. A igreja na Venezuela vive em paz e segurança, confiando nas mãos de Deus ”.

Apoio da DIA na Venezuela

“Estou impressionado com a fidelidade e resiliência dos membros da nossa igreja na Venezuela e como eles compartilham os poucos recursos que têm para ajudar uns aos outros”, disse Henry.

Ele disse que, embora muitos bancos tenham sido deixados vazios por causa da emigração de membros da igreja, os membros restantes se esforçaram para trabalhar mais em compartilhar o evangelho e apontar para Cristo e Sua vinda em breve.

Atender às necessidades espirituais da membresia da igreja exigiu fundos adicionais para pagar ministros e funcionários da igreja que supervisionam a igreja de quase 349.000 membros na Venezuela, disse Filiberto Verduzco, tesoureiro da igreja na América Central.

Cinqüenta e cinco leigos ativos foram inscritos em um programa de treinamento de seis meses de teologia na universidade adventista da igreja em Nirgua para estarem melhor equipados para liderar as igrejas e congregações que precisam de cuidados pastorais.

Além disso, os trimestres da escola sabatina estão sendo financiados pelo IAD, acrescentou Verduzco.

É inegável que os membros da igreja na Venezuela são muito fiéis, disse Verduzco. “Na moeda local, você pode dizer que o membro da igreja continuou a ser generoso em relação à missão da igreja”, disse Verduzco.

Orlando Ramírez e Abdiel Uzcátegui contribuíram para este relatório.

Fonte: https://news.adventist.org/en/all-news/news/go/2019-03-01/in-venezuela-church-continues-to-operate-amid-challenges-death-of-one-church-member/

4 thoughts on “Noticiário oficial em inglês fala da morte de adventistas na Venezuela, enquanto Erton Kohler da DSA esconde o jogo

  1. E nos outros países centro-americanos, tudo já está resolvido ?
    Como está a situação do Haiti, Nicarágua e outros ?
    De quais países são os migrantes que tentam entrar nos EUA ?
    Por quê não se fala mais sobre eles, inclusive comparando com a situação venezuelana ?
    Será que a situação da maioria dos venezuelanos é pior do que os demais “hermanos” ?
    Tanto interesse na Venezuela não seria por causa do “petróleo”, como foi no Iraque e Saddam Hussein ?
    Os demais “hermanos” centro americanos que sofrem, talvez mais do que os venezuelanos recebem ajuda humanitária ou são barrados em um “muro”, seja físico ou militar, na divisa com o México ?!

      1. E nos outros países centro-americanos, tudo já está resolvido ?
        Como está a situação do Haiti, Nicarágua e outros ?
        De quais países são os migrantes que tentam entrar nos EUA ?
        Por quê não se fala mais sobre eles, inclusive comparando com a situação venezuelana ?
        Será que a situação da maioria dos venezuelanos é pior do que os demais “hermanos” ?
        Tanto interesse na Venezuela não seria por causa do “petróleo”, como foi no Iraque e Saddam Hussein ?
        Os demais “hermanos” centro americanos que sofrem, talvez mais do que os venezuelanos recebem ajuda humanitária ou são barrados em um “muro”, seja físico ou militar, na divisa com o México ?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *