Michelsn Borges distorce a Bíblia mais uma vez para defender o globo

A MENTIRA DE MICHELSON BORGES SOBRE JÓ 26:7

A INTERPRETAÇÃO CORRETA

Veja o que diz a Bíblia de Estudo Andrews, publicada pela CPB: 
Jó 26:7 — Norte. alusão ao céu.

O “norte” é usado nos textos bíblicos como algo análogo ao Céu, o domínio de Deus (por exemplo, Isaías 14.13; Salmo 48.2; Jó 37.22; cf. Ezequiel 1.4).

A ação de o norte ser “estendido” é uma figura de linguagem comum usada para o céu cobrindo a terra (Isaías 40.22; 42.5; 44,24; 45.12; 51.13; Jeremias 10.12; 51.15; Zacarias 12.1; Salmo 104.2; Jó 9.8), semelhante a uma tenda aberta (Gênesis 12.8; 26.25; 33.19; 35.21; Juízes 4.11; Isaías 54.2; Jeremias 10.20).

Confira também o que diz o Comentário Bíblico Adventista:

O “vazio” é a palavra hebraica “tohu”. A palavra “tohu” é mais frequentemente usada para descrever desertos inabitáveis, cidades em ruínas, palavras inúteis ou ídolos inanimados, entre outras coisas (por exemplo, Deuteronômio 32.10; I Samuel 12.21; Isaías 24.10; 34.11; 41.29; Salmo 107.40; Jó 6.18; 12.24).

Descreve coisas que não existem no sentido de serem caóticas e sem função. A palavra “tohu” é usada em Gênesis 1.2 para descrever a terra incriada/sem função, na forma de “profundeza” ou “abismo”, que é “tohu va-bohu”, “sem forma e vazia”.

Jó 26.7 é um exemplo de paralelismo sinônimo; as duas linhas do verso transmitem o mesmo pensamento. A ação de “esticar o norte” é paralela ao pensamento da ação de “pendurar a terra”. Portanto, “sobre o vazio” é paralelo no pensamento à ação do “sobre nada”.

A frase hebraica traduzida como “nada”, “beliy-mah”, é um hapax legomenon — uma palavra que ocorre apenas uma vez dentro de um contexto: sua aparição em Jó 26.7 é a única vez que a frase é usada nas escrituras hebraicas. É preferível entendê-lo paralelamente a “tohu”, de modo que “beliy-mah” provavelmente não conota a terra flutuando no “espaço sideral” como o concebemos hoje, mas na superfície do funcionalmente “tohu“, “abismo” ou “profundezas”.

A linguagem e o pensamento encontrados em Jó 26.7 são bastante consistentes com outros textos bíblicos, que não descrevem uma cosmologia científica moderna, pois os israelitas antigos não tinham o conceito de terra flutuando no espaço sideral. Eram terraplanistas, na linguagem atual.

https://hermeneutics.stackexchange.com/questions/8166/does-job-26-7-confirm-the-earth-is-floating-in-outer-space

Comentário de Adam Clarke 

Ele estende o norte sobre o lugar vazio – תהו על al tohu , até o vazio. A mesma palavra que é usada, Gênesis 1: 2 , A terra estava sem forma, תהו tohu . O norte deve aqui significar o pólo norte, ou a área central da Terra; e talvez o que aqui é declarado possa se referir à opinião de que a Terra era uma vasta planície estendida e os céus sobre ela, repousando nessa planície por todo o horizonte. Do sul, os habitantes de Idumea nada sabiam; nem poderiam ter noção de habitantes naquele hemisfério.

Pendura a terra sobre nada O Chaldee diz: “Ele coloca a terra sobre as águas, nada a sustenta”.

Notas de Albert Barnes sobre toda a Bíblia

Ele se estende para o norte Toda essa passagem é particularmente interessante como dar uma visão da cosmologia que prevaleceu naqueles primeiros tempos. De fato, como já foi observado, esse poema, além de todas as outras considerações, é de grande valia por nos revelar as visões predominantes sobre o assunto da astronomia, geografia e muitas das artes, em um período muito anterior ao que temos. uma conta deles em outro lugar. A palavra norte aqui denota os céus à medida que parecem girar em torno do pólo, e que parecem esticados como uma cortina. Os céus são frequentemente representados como um véu, uma extensão, uma cortina ou uma tenda; ver Isaías 34: 4 , nota; Isaías 40:22 , note.

Sobre o lugar vazio – על־תהוּ ‛Al – tôhû “ Sobre o vazio, ou nada. ”Ou seja, sem nada para apoiá-lo. A palavra usada aqui ( תהוּ tôhû ) é um daqueles empregados em Gênesis 1: 2: “E a terra era sem forma e vazia”. Mas parece aqui significar vazio, nada. O norte (isto é, o céu) é estendido e sustentado pelo mero poder de Deus.

E pendura a terra [solo, chão] sobre o nada. – Não tem nada para apoiá-la. Então Milton:

“E a terra se auto-equilibrou do centro dela pendurada.”

Não há nenhuma evidência aqui de que Jó estava familiarizado com a forma globular da terra e com suas revoluções diurnas e anuais. Mas é claro que ele considerou que não estava apoiado em nenhum fundamento ou apoio; como deitado no ar vago, e mantido ali pelo poder de Deus. O parafrasista de Chaldee, para explicar isso, como costuma fazer a Paráfrase, acrescenta a palavra águas. “Ele pendura a terra מיא sobre לוי as águas, sem ninguém para sustentá-la. ”O sentimento aqui expresso por Jó provavelmente era a opinião comum de seu tempo, isto é, a cosmologia da terra plana. 

Fonte: https://www.studylight.org/commentary/job/26-7.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *