#ColegioAdventista nos “trending topics” do Twitter por homofobia

A hashtag #ColegioAdventista só ganhou destaque entre os “trending topics” porque os formadores de opinião brasileiros ainda não conhecem a #HipocrisiaAdventista, Uma prova com perguntas sobre homossexualidade é apenas teoria, mas o que dizer das práticas sexuais adventistas?

Para o conhecido, polêmico, injustiçado, criticado/respeitado e candidatissimo à exclusão num futuro próximo, YouTuber adventista Leandro-Muito-Love-e-Pouco-Juízo, “tem pastor por aí que é mais ‘imundo’ que, às vezes, um homossexual, pastores adulterando e ficam escondendo, obreiro roubando dinheiro da Igreja, líder assediando sexualmente 16 meninas, outro que assediou nove, processo contra pastor que assediou alguém… e você vem me falar de prova supostamente homofóbica, ou do meu cenário?”

Aliás, essa deverá ser uma das motivações de sua futura exclusão da IASD, como aconteceu com o irmão Daniel Siveira, do Congressso MV: portar elementos da cultura pop em seu cenário, mencionar o site herético adventistas.com em suas “lives”, referir-se ao rebanho do Senhor como “gado”, trazer opróbrio à causa por mencionar pecados de ungidos do Senhor, etc, etc e etc…

Reportagem do site CARTA CAPITAL

EDUCAÇÃO

Colégio adventista é acusado de aplicar prova com conteúdo homofóbico

Escola de Belém aplicou uma prova de Língua Portuguesa com questões como ‘homossexualismo tem perdão?’, ‘como evitar o homossexualismo?’

Uma prova de Língua Portuguesa aplicada pela Escola Adventista de Correios, em Belém, aos alunos do nono ano do Ensino Fundamental vem causando inquietação nas redes sociais. Entre as 50 questões do questionário, é possível encontrar as seguintes perguntas: “a pessoa nasce ou se torna homossexual?”, “a bíblia condena a relação homossexual?” “homossexualismo tem perdão?”, “como evitar o homossexualismo?”.

O conteúdo da avaliação foi publicado no instagram por um maquiador, irmão de uma das estudantes do colégio, em tom de indignação. As perguntas, segundo o autor da publicação, deviam ser respondidas com base na leitura do livro “De bem com você”, de Sueli Nunes Ferreira, jornalista e pedagoga, e Marcos De Benedicto, pastor, jornalista e doutor em Teologia, é editor de livros.

O ebook é encontrado em plataformas digitais para compra seguido da seguinte descrição: “Este livro vai mexer com você. A proposta dos autores é mostrar como é bom viver de bem com Deus, os amigos, o sexo oposto e você mesmo.
Só para você ficar com água na boca, De Bem com Você debate as seguintes questões: Como é que se faz para arrumar um namorado? É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo? Como lidar com a solidão? E quando os pais se separam? A pessoa nasce ou se torna homossexual? Como vencer as tentações?”

Ao publicar a prova em suas redes sociais, o maquiador se diz chocado. “Fico cada vez mais chocado como as escolas estão preocupadas em tentar passar esse conhecimento para essa nova geração. Fico muito feliz pela reação de alguns, como a de minha irmã, mas triste que ainda assim terão colegas seus que acreditarão no que é passado através de seu professor”, escreveu.

O assunto está entre os mais comentados do Twitter nesta terça-feira com mais de 20 mil publicações.

A escola publicou uma nota de esclarecimento em seu site. Leia na íntegra:

O Colégio Adventista de Correios esclarece alguns aspectos relacionados a uma notícia sobre uma atividade escolar:

1. As questões contidas no questionário tinham como objetivo colher as diversas opiniões e sentimentos sobre a temática em estudo e davam a cada estudante a oportunidade de expressar livremente sua opinião. Um livro serviu como auxílio na tarefa, o que ocorre em várias disciplinas.

2. A tarefa que o professor elegeu levou em conta o conhecimento prévio do aluno. E, com isso, procura proporcionar um debate qualificado a respeito do assunto. A ideia é a de formar um cidadão que respeita opiniões diversas, bem como seja capaz de pensar por si próprio sobre as temáticas apresentadas.

3. O Colégio afirma que, acima de tudo, respeita todos os indivíduos sem qualquer tipo de discriminação sexual, racial, religiosa, ou de outra natureza.

4. O Colégio, que é uma instituição confessional, é reconhecido pela confiança e credibilidade que transmite, especialmente por apresentar uma proposta educacional de alta qualidade, pautada em valores baseados na Bíblia e direcionada a promover o desenvolvimento harmonioso das faculdades físicas, intelectuais, espirituais e sociais de cada aluno.

5. O Colégio está e sempre esteve à disposição para os que desejam esclarecer dúvidas a respeito de qualquer tipo de tarefa utilizada.

https://correios.educacaoadventista.org.br/destaques/4395/nota-de-esclarecimento

Fonte: https://www.cartacapital.com.br/educacao/colegio-adventista-e-acusado-de-aplicar-prova-com-conteudo-homofobico/

Um colégio adventista perguntou “como evitar o homossexualismo” na prova de português

Prova de gramática se baseou em livro que prega que homossexualidade é um “desvio de comportamento” aprendido na infância.

Um colégio adventista de Belém (PA) aplicou, na última segunda-feira (18), uma prova de língua portuguesa para estudantes do 9º ano do ensino fundamental com uma série de perguntas sobre “homossexualismo” [sic]. Entre as questões, estavam perguntas como “O homossexualismo tem perdão?” e “Como evitar o homossexualismo?”

O viés discriminatório da prova de português gerou uma forte reação nas redes sociais depois que o irmão de uma estudante resolveu expor o caso no Instagram. No Twitter, o termo “Colégio Adventista” — #ColegioAdventista — estava entre os mais comentados na manhã desta terça (19).

BuzzFeed News entrou em contato com a escola, que confirmou o teor das perguntas, mas não respondeu o que exatamente a condenação de uma determinada orientação sexual tem a ver com gramática.

A prova foi entregue aos alunos e poderia ser levada para casa e feita com consulta do livro “De Bem Com Você”, de Sueli Nunes Ferreira e Marcos de Benedicto.

No livro, os autores rejeitam o uso do termo “homossexualidade”, considerado menos discriminatório por não equiparar a orientação sexual a uma doença, e dizem que se trata de um “desvio de comportamento”.

Conforme os autores, “o homossexualismo é ‘aprendido’: a pessoa ‘decide’ se tornar homossexual na infância”.

Quem trouxe o caso à tona foi Herisson Lopes, 26, depois de ouvir sua irmã, aluna da escola, discutir com um colega de sala sobre as questões da prova de português.

“Estava no quarto, fui até a cozinha e vi ela discutindo sobre as questões com um colega de sala, falando sobre a gravidade das perguntas. Quando li, fiquei assustado”, disse ele, ao BuzzFeed News, por telefone.

Capa do livro “De Bem Com Você”, usado como apoio na prova de consulta.

“Hoje pela manhã, fui até o colégio para tentar entender o que aconteceu exatamente. A coordenação da escola me informou que é um livro paradidático. A coordenadora falou que não sabia da circulação desse livro dentro da sala. Eu fico indignado porque não se tem conhecimento formal da coordenação pedagógica da escola”, afirmou Lopes.

O que diz a escola:

Em nota, o Colégio Adventista de Correios, em Belém, afirmou que “as questões contidas no questionário tinham como objetivo colher as diversas opiniões e sentimentos sobre a temática em estudo e davam a cada estudante a oportunidade de expressar livremente sua opinião. Um livro serviu como auxílio na tarefa, o que ocorre em várias disciplinas” e que “acima de tudo, respeita todos os indivíduos sem qualquer tipo de discriminação sexual, racial, religiosa, ou de outra natureza”.

Fonte: https://www.buzzfeed.com/br/guilhermelr/colegio-adventista-homofobia-prova

Deixe uma resposta