Clifford Goldstein: “Darwinianos do Sétimo Dia”

Quase nunca houve uma crença tão ridícula ou contrária às Escrituras que, uma vez que se torna popular, alguns cristãos não tentaram incorporar à fé. Em sua longa e muitas vezes grosseira luxúria por correção cultural e intelectual, a igreja se tornou o que Jacques Ellul chamou de “uma garrafa vazia que as culturas sucessivas enchem de todo tipo de coisa”. O paganismo romano, o platonismo, o marxismo e até o nazismo todos batizaram os aficionados que lutavam para enfiar essas “coisas” na garrafa, agora tão distorcidas e fragmentadas que se assemelha a uma imagem de caleidoscópio inspirada em alguém que precisa do Prozac.

De todas as incompatibilidades bizarras, porém, nenhuma é pior que a tentativa de harmonizar a evolução com o cristianismo. Evolução? Por favor! O nazismo é um ajuste confortável.

Embora criado na evolução, um dia me vi um cristão nascido de novo que viu, imediatamente, um enigma impossível entre o que me ensinaram toda a minha vida e minha nova visão de mundo. Nos primeiros dias, alguém me deu o livro The Genesis Flood , de Henry Morris, e pela primeira vez percebi que a “prova” que me foi dada dogmaticamente para a evolução não era tão sólida quanto me levaram a acreditar desde a série. escola através da faculdade. Com o tempo, e depois de mais leituras, fui logo eliminado de todos os pressupostos macroevolutivos. De fato, mesmo se (que o céu proíba!) eu alguma vez perdessei a fé, nunca poderia voltar à evolução. A propagação de alienígenas ou a história da criação babilônica parece mais plausível que o paradigma científico padrão das origens.

“Mas”, alguém dizia, “é ciência”. Exatamente. E a ciência ainda é apenas um esforço humano e, como tal, é carregada de todos os preconceitos, fraudes, medos e pressupostos de qualquer coisa humana. Por mais que eu respeite a ciência e admire suas realizações, os cientistas podem ser tão fanáticos e dogmáticos quanto os críticos históricos (bem, quase).

Agora, costumava ser que, para os adventistas, a teoria da evolução era uma ameaça externa; por mais inacreditável que pareça, alguns de nós já aceitaram a evolução teísta — a idéia de que Deus usou o processo da evolução, ao longo de milhões de anos, para criar a humanidade.

Essas pessoas, no entanto, não adoram o Deus da Bíblia, pois Deus não usou um longo, prolongado e vicioso cachorro-come-cachorro, o paradigma de sobrevivência do mais apto — um princípio que vai contra tudo que Ele nos ensinou sobre amor e auto-sacrifício — e depois mente para nós dizendo que Ele criou a vida aqui em seis dias quando não o fez. Além disso, que Deus não nos pediu que guardássemos o sétimo dia como memorial, não nos seis dias da Criação, como Ele explicitamente nos disse em Sua Palavra, mas em um processo brutal, odioso e impiedoso que levou milhões de anos.

O que me surpreende não é tanto que as pessoas possam acreditar na evolução (afinal, eu costumava acreditar), mas aqueles que ainda querem ser adventistas do sétimo dia. Eu posso respeitar alguém que, acreditando na teoria da evolução, rejeita completamente a Igreja Adventista. Não tenho respeito por aqueles que pensam que podem combinar os dois.

Para qualquer pessoa, especialmente nossos jovens, lutando com essas questões, digo: continue procurando com um coração fervoroso e honesto. Enquanto você se apegar à Bíblia (e aos livros e artigos de Ellen White), você não errará. Para aqueles dentre nós que já decidiram – apesar da Bíblia e Ellen White – sobre a evolução, existem muitas outras igrejas para você. A nossa não é uma. E para aqueles que ensinam em nossas escolas que acreditam na evolução e ainda recebem um salário da Igreja Adventista do Sétimo Dia, digo: Se você honestamente rejeita uma criação literal de seis dias em favor da macroevolução teísta, tudo bem; agora transforme essa honestidade em integridade e vá a algum lugar onde você não terá que esconder suas opiniões sob as anfractuosidades da linguagem.

Eu falo, creio, para milhões de adventistas do sétimo dia, quando declaro que, seja qual for a idade da Terra, nunca daremos lugar a nada além de uma criação literal de seis dias para a vida aqui — nunca. E para aqueles que querem mais, terão que lutar conosco por cada minuto extra — muito menos seus milhões de anos mitológicos além — dos quais a Palavra de Deus nada sabe e com seus primeiros versos nega totalmente.

_________________________
Clifford Goldstein é editor do Guia de Estudo da Bíblia da Escola Sabatina para Adultos.

Fonte: https://www.adventistreview.org/archives/2003-1530/story4.html

Deixe uma resposta