Em 2015 deu na revista Nature: Vírus de morcego produzido em laboratório gera debate sobre pesquisas arriscadas

O dragão vermelho ataca o Brasil e o mundo (veja o vídeo)

Acesse: https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/19461/o-dragao-vermelho-ataca-o-brasil-e-o-mundo-veja-o-video

Vírus de morcego produzido em laboratório gera debate sobre pesquisas arriscadas

O coronavírus produzido em laboratório relacionado à SARS pode infectar células humanas.

*12 de novembro de 2015*

Um experimento que criou uma versão híbrida de um coronavírus de morcego – relacionado ao vírus que causa a SARS (síndrome respiratória aguda grave) – desencadeou um debate renovado sobre se vale a pena arriscar variantes de vírus de laboratório de engenharia com possível potencial pandêmico.

Em um artigo publicado na Nature Medicine 1 em 9 de novembro, os cientistas investigaram um vírus chamado SHC014, encontrado em morcegos-ferradura na China. Os pesquisadores criaram um vírus quimérico, composto por uma proteína de superfície do SHC014 e a espinha dorsal de um vírus SARS que foi adaptado para crescer em camundongos e simular doenças humanas. A quimera infectou as células das vias aéreas humanas – provando que a proteína da superfície do SHC014 possui a estrutura necessária para se ligar a um receptor chave nas células e infectá-las. Também causou doenças em ratos, mas não os matou.

Embora quase todos os coronavírus isolados de morcegos não tenham sido capazes de se ligar ao principal receptor humano, o SHC014 não é o primeiro a fazê-lo. Em 2013, os pesquisadores relataram essa capacidade pela primeira vez em um coronavírus diferente isolado da mesma população de morcegos 2 .

As descobertas reforçam as suspeitas de que os coronavírus dos morcegos capazes de infectar diretamente seres humanos (em vez de precisar evoluir primeiro em um hospedeiro intermediário) possam ser mais comuns do que se pensava anteriormente, dizem os pesquisadores.

Mas outros virologistas questionam se as informações coletadas no experimento justificam o risco potencial. Embora a extensão de qualquer risco seja difícil de avaliar, Simon Wain-Hobson, virologista do Instituto Pasteur em Paris, ressalta que os pesquisadores criaram um novo vírus que “cresce notavelmente bem” nas células humanas. “Se o vírus escapasse, ninguém poderia prever a trajetória”, diz ele.

Criação de uma quimera

O argumento é essencialmente uma reprise do debate sobre a possibilidade de permitir pesquisas em laboratório que aumentem a virulência, a facilidade de disseminação ou a variedade de patógenos perigosos – o que é conhecido como pesquisa de “ganho de função”. Em outubro de 2014, o governo dos EUA impôs uma moratória ao financiamento federal dessa pesquisa sobre os vírus que causam SARS, influenza e MERS (síndrome respiratória do Oriente Médio, uma doença mortal causada por um vírus que esporadicamente salta de camelos para pessoas).

O último estudo já estava em andamento antes do início da moratória nos EUA, e os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH) permitiram que ele prosseguisse enquanto estava sendo analisado pela agência, diz Ralph Baric, pesquisador de doenças infecciosas da Universidade do Norte. Carolina em Chapel Hill, co-autor do estudo. O NIH finalmente concluiu que o trabalho não era tão arriscado a ponto de cair na moratória, diz ele.

Mas Wain-Hobson desaprova o estudo porque, diz ele, oferece pouco benefício e revela pouco sobre o risco que o vírus SHC014 selvagem em morcegos representa para os seres humanos.

Outras experiências no estudo mostram que o vírus em morcegos selvagens precisaria evoluir para representar qualquer ameaça aos seres humanos – uma mudança que nunca pode acontecer, embora não possa ser descartada. Baric e sua equipe reconstruíram o vírus selvagem a partir de sua sequência genômica e descobriram que ele cresceu pouco em culturas de células humanas e não causou doença significativa em camundongos.

“O único impacto deste trabalho é a criação, em laboratório, de um novo risco não natural”, concorda Richard Ebright, biólogo molecular e especialista em biodefesa da Universidade Rutgers em Piscataway, Nova Jersey. Ebright e Wain-Hobson são críticos de longa data da pesquisa de ganho de função.

Em seu artigo, os autores do estudo também admitem que os financiadores podem pensar duas vezes em permitir tais experimentos no futuro. “Os painéis de revisão científica podem considerar estudos semelhantes construindo vírus quiméricos baseados em cepas circulantes arriscadas demais para prosseguir”, eles escrevem, acrescentando que é necessária uma discussão sobre “se esses tipos de estudos sobre vírus quiméricos justificam uma investigação mais aprofundada versus os riscos inerentes envolvidos”.

Pesquisa útil

Baric e outros dizem que a pesquisa teve benefícios. Os resultados do estudo “transferem esse vírus de um candidato a patógeno emergente para um perigo claro e presente”, diz Peter Daszak, coautor do artigo de 2013. Daszak é presidente da EcoHealth Alliance, uma rede internacional de cientistas com sede na cidade de Nova York que coleta amostras de vírus de animais e pessoas em locais de doenças emergentes em todo o mundo.

Estudos que testam vírus híbridos em cultura de células humanas e modelos animais são limitados no que eles podem dizer sobre a ameaça representada por um vírus selvagem, concorda Daszak. Mas ele argumenta que eles podem ajudar a indicar quais patógenos devem ser priorizados para maior atenção da pesquisa.

Sem os experimentos, diz Baric, o vírus SHC014 ainda seria visto como não uma ameaça. Anteriormente, os cientistas acreditavam, com base na modelagem molecular e em outros estudos, que não deveria ser capaz de infectar células humanas. O trabalho mais recente mostra que o vírus já superou barreiras críticas, como ser capaz de se prender a receptores humanos e infectar com eficiência células das vias aéreas humanas, diz ele. “Eu não acho que você pode ignorar isso.” Ele planeja fazer estudos adicionais com o vírus em primatas não humanos, o que pode gerar dados mais relevantes para os seres humanos.

Fonte:https://www.nature.com/news/engineered-bat-virus-stirs-debate-over-risky-research-1.18787

1 thought on “Em 2015 deu na revista Nature: Vírus de morcego produzido em laboratório gera debate sobre pesquisas arriscadas

  1. Bom dia. Conheci seu canal agora e um fato que intrigou profundamente foi saber que George Soros o megainvestidor de causas progressistas, tem um laboratório na cidade de Wuhan com o número 666! Você poderia falar sobre isso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *