Covid19: UFRJ aprova concessão do título de Doutor Honoris Causa a Xi Jinping

Em meio à crise do coronavírus, um grupo de professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) pretende articular para que a instituição pública volte atrás da decisão de conceder o título de Doutor Honoris Causa ao presidente da China, Xi Jinping. A honraria ao chinês foi aprovada em reunião do Conselho Universitário (Couni), em 10 de outubro de 2019.

De acordo com a ata da sessão, a proposta foi feita pela Congregação da Escola de Química e pelo Conselho Deliberativo da Coppe (unidade da UFRJ que coordena cursos de pós-graduação em engenharia) e incluída na pauta do Couni pela reitora Denise Pires de Carvalho. A concessão foi aprovada com um voto contrário e uma abstenção.

“Tudo foi feito sem ampla divulgação, e muito rapidamente, com os pedidos feitos no final de setembro e aprovados no começo de outubro; eles queriam convidar o Xi Jinping para estar na UFRJ já em novembro”, disse um professor, descontente com o título concedido, mas que prefere ficar no anonimato por medo a retaliações.

 

“A UFRJ cassou com razão, em 2015, o título de Doutor Honoris Causa concedido a Emílio Garraztazu Medici, presidente do Brasil durante a ditadura militar. Não há coerência democrática em querer conceder, agora, o mesmo título a outro ditador, trocando um ditador de direita por outro de esquerda”, afirmou outro docente.

 

Campos de concentração e sem liberdade de expressão

Xi Jinping, 66 anos, é presidente da China desde 2012. Sob seu governo, a China realiza um forte controle da educação e da liberdade de expressão, além de perseguir qualquer pessoa contrária ao Partido Comunista. Com requintes de crueldade, como ficou evidente durante o combate ao coronavírus.

A China, por exemplo, mantém campos de concentração com mais de um milhão de prisioneiros, muitos deles muçulmanos chineses da etnia uigur. Nestes campos, eles são obrigados a abandonar a religião, jurar lealdade ao Partido Comunista ou enfrentar as consequências, que incluem detenções por tempo indeterminado, sem direito nenhum à defesa. Kairat Samarkan, um ex-prisioneiro, foi mantido na mesma posição por 12 horas, até obedecer aos guardas, conforme contou à Anistia Internacional. É comum que os prisioneiros recebam comida em estado de putrefação ou não tenham direito a tratamento médico.

Há um forte controle sobre o que se aprende em sala de aula – não se pode criticar o Partido Comunista – e censura à internet. Igrejas são fechadas compulsoriamente e são feitas fogueiras públicas com bíblias e outros livros religiosos.

A expansão do coronavírus também expôs a gravidade do desrespeito aos direitos humanos no país, desde a morte do médico Li Wenliang, que tentou alertar sobre os perigos da epidemia e foi calado, até o sofrimento das pessoas mais necessitadas, como o menino deficiente que faleceu de fome após ser abandonado sozinho quando seus familiares foram enviados à quarentena. Pessoas com problemas de saúde pré-existentes ficaram sem remédio durante os isolamentos. Mesmo sabendo do surto do coronavírus, no início, autoridades chinesas continuaram a permitir viagens e, ao final, tentaram acusar os Estados Unidos da pandemia.

Líder “aberto ao diálogo” e de visão “mais democrática”

Na UFRJ, no entanto, um dos pareceres que defendeu a concessão do título de Doutor Honoris Causa a Xi Jinping, escrito pelo professor de química da UFRJ Eduardo Falabella Souza-Aguiar, declarou que Xi Jinping seria um “líder aberto ao diálogo, com destaque mundial à sua visão mais democrática em relação à China” e que tem “estimulado o estreitamento das relações entre Brasil e China, atuando para que a China tenha se tornado um dos principais parceiros comerciais do Brasil”.

A Coppe, por sua vez, justificou o pedido de concessão pela atuação de Xi Jinping “em temas como conservação ambiental e desenvolvimento sustentável”.

A China, hoje, é o país que mais desprende gases do efeito estufa, sendo responsável por 27% das emissões globais, de acordo com o “Climate Action Tracker”, que faz análises independentes sobre o comportamento dos países após o Acordo de Paris. Apesar de ser signatária do Acordo, o relatório mostra que o país não está agindo suficiente para diminuir as emissões. A nação chegou a ultrapassar 45 vezes o limite diário de emissão de poluentes considerada aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Estudo publicado na revista Nature Energy, em 2019, informa que a poluição alcança um patamar que impede a captação de energia por painéis solares.

Fonte: https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/ufrj-aprova-concessao-do-titulo-de-doutor-honoris-causa-a-xi-jinping/

 

Deixe uma resposta