Sars-Cov-2: A pequena besta

Escrito por: Jean-Claude Verrecchia

Publicado: 6 de abril de 2020

A Igreja Adventista em todo o mundo concentrou-se no estudo do livro de Daniel durante o primeiro trimestre do ano de 2020. Muitos membros se alegraram neste estudo. A profecia não está no coração do adventismo?

Um dos principais temas do livro de Daniel é o de poder e grandeza. Já no capítulo dois, a estátua vista pelo rei Nabucodonosor é impressionante. Descreve a sucessão de impérios, fortes e poderosos, além de frágeis. Uma pedra é suficiente para destruí-los. Nabucodonosor, sabemos, não está satisfeito com esta predita sucessão de impérios. Ele reivindica poder e força somente para si. Seu reinado nunca passará. Muitos outros potentados depois dele pensaram e agiram da mesma maneira.

Já no capítulo seis, os animais entram em cena. Primeiros leões encarregados de devorar Daniel. Nada acontece. Esses animais, emblemas da poderosa Babilônia, têm a boca fechada pelo mensageiro divino.

No capítulo sete, os animais assumem outra aparência: são monstros, “quatro grandes bestas” (7: 3), seres híbridos que ninguém jamais viu antes. O leão tem as asas de uma águia, as pernas e o coração de um homem. O segundo animal é (como) um urso devorador. O terceiro é um leopardo voando como um pássaro, com quatro cabeças. Quanto ao quarto animal, é um animal “aterrador, terrível e extremamente forte” (7: 7), com dentes de ferro, que devora e quebra em pedaços e atropela tudo o que resta com os pés. Onze chifres completam sua descrição.

O capítulo oito continua na mesma nota. Obviamente, restam apenas dois animais, o carneiro e o bode, mas ambos exibem uma violência sem precedentes, um contra o outro, até que um grande chifre cresce, cuja atividade alcança o céu.

Por treze sábados, os fiéis da Igreja Adventista esfregaram os ombros com esse zoológico bíblico, tão fantástico quanto assustador. Qualquer leitor não iniciado na profecia apocalíptica provavelmente ficaria aterrorizado com essas descrições de poder e violência. Os bons adventistas tradicionais não o fariam. E com a ajuda do Apocalipse de João, eles ainda aumentam o zoológico, completando o bestiário Danielic: um dragão e mais duas bestas terríveis (Apocalipse 12 e 13). Os adventistas andam na arena com confiança. Por trás dos símbolos, eles identificaram os inimigos ocultos, especialmente o grande inimigo. Eles sabem, não sem razão, que estes serão derrotados. Eles sabem que não têm nada a temer. Eles sabem que a libertação está próxima.

Mas, enquanto isso, em Wuhan, província de Hubei, China…

Enquanto isso, incógnito, vem um pequeno animal, muito pequeno, com um nome que quase soa como uma referência bíblica: COVID-19. Pequena fera não identificada. Realmente não sabemos de onde vem, em que se alimenta, como morre ou com que idade. Tão misterioso quanto Melquisedeque! Um animal minúsculo que em seu tamanho é como uma pequena pedra que destrói impérios e se torna uma grande montanha. É o COVID-19, que não só ajoelha todos os impérios do mundo, mas também os países mais fracos. É um animal cruel. Médicos e biólogos se desesperam disso; ninguém parece capaz de pará-lo.

A chegada deste animal microscópico, com seus efeitos aterrorizantes, é alimento para o pensamento, não é? As chances são de que serão feitas tentativas para explicar esse desastre. É Deus quem quer nos ensinar uma lição? Ou é Satanás quem está tentando nos ensinar uma lição? Ou é o sinal tão esperado do fim do mundo e do retorno iminente de Cristo? Algumas pessoas podem até encontrar um versículo da Bíblia que se refira precisamente ao que está acontecendo diante de nossos olhos: “A Bíblia disse isso. Está escrito”. Então, deixe-me tentar ver de outra maneira.

Primeira reflexão: a natureza totalmente imprevisível e deslumbrante da pandemia. O bug não se anunciou. Talvez estivesse trabalhando há muito tempo sem nosso conhecimento. Mas em poucas semanas, cerca de três bilhões de pessoas em todo o mundo, em todos os continentes, são afetadas por esta doença. Nosso calendário profético, que se estende por vários milênios, está sendo atingido. Nossa lista de profecias já cumpridas é impressionante. Mas, de acordo com nosso sistema de interpretação adventista, ainda há um número pendente, o que pode dar a impressão de que levaria um tempo relativamente longo antes de serem cumpridos. COVID-19 pede que sejamos absolutamente

Vigilância. Ninguém sabe como sairemos da crise. Mas em apenas algumas semanas, a face do mundo mudou. É um forte lembrete para nós: o Senhor está vindo como um ladrão, numa época em que não o esperamos.

Segunda reflexão: nossa interpretação das profecias de Daniel e Apocalipse se concentra em grandes sistemas políticos e religiosos. Babilônia, a Grande, com suas defesas supostamente inexpugnáveis, é a primeira referência. Depois vem o Império Romano, que é uma formidável máquina de guerra, um poder avassalador. O papado que sucede é o inimigo presente em toda parte, insidioso, mau. Os Estados Unidos da América são o temível cordeiro, o maior exército e economia do mundo. Quanto maior, mais temível. Especialmente porque do outro lado, há apenas o remanescente fiel. Certamente possui treze divisões, mas desarmadas! Consequentemente, a vitória final será mais extraordinária, mostrando que o Senhor está ao lado de seu povo. Não O COVID-19 nos mostra que o mais poderoso não é necessariamente o mais impressionante? Há alguma razão para reconsiderar nossa lista de forças hostis? Os poderosos de ontem ainda são os poderosos de hoje? O COVID-19 não nos obriga a redesenhar o mapa da batalha final?

Desde a época dos pioneiros, colocamos no mapa do Estado Maior os símbolos de todas as forças que acreditamos estarem envolvidas na batalha final. Regularmente, os generais da Igreja se reúnem para ver como a batalha está progredindo. Nós movemos os peões às vezes. A temida Turquia de ontem não faz mais parte do quadro. Talvez a China, que não estava lá, mereça estar em cena. Há quem queira acrescentar as multidões islâmicas a este grande mapa de forças. Talvez a pandemia esteja nos dizendo que um agente menor agora é muito mais ameaçador do que os poderosos. Em resumo, o COVID-19 pode forçar uma mudança significativa em nossa interpretação das profecias apocalípticas.

A terceira reflexão é mais existencial. Os médicos nos dizem que muitos de nós estão infectados com o vírus, mas de forma assintomática, sem sinais visíveis. O pequeno inseto está dentro de nós, não apenas fora de nós. Quando isso acontece, desenvolvemos anticorpos benéficos. Para quem não encontrou o vírus, a vida continua como antes. Mas, para todos nós, surge a pergunta: como viveremos depois da crise? Diferentes opções são possíveis.

O primeiro é proteger-nos ainda mais de outras pessoas, que não respeitam a distância segura, que cospem na nossa cara. Jean-Paul Sartre estava certo: “o inferno são as outras pessoas”. Então, vamos fugir, longe das cidades, para o campo e as montanhas, para salvar nossa própria pele. Essa tendência já existe em algumas partes do adventismo, em uma forma religiosa de nacionalismo e escapismo. Certamente espero que a atual crise não dê mais nenhuma justificativa.

A segunda opção é enfrentar o risco, conhecer, tocar, conversar e até de perto. Foi o que Jesus fez, e em várias ocasiões: cortou o cordão sanitário (zona segura) que o judaísmo havia estabelecido para se proteger dos não-judeus.

A terceira opção é proteger-se o máximo possível, mantendo contato com outras pessoas. Luvas, máscaras, macacões. Hoje, a tecnologia da Internet disponível para nós permite tudo, sem tocar, à distância.

Em conclusão, o COVID-19 nos obriga a nos perguntar em novos termos como estamos presentes no e para o mundo. Não há respostas prontas. Precisamos refletir em profundidade. E, como em qualquer guerra, quanto mais cedo melhor.

 

Jean-Claude Verrecchia é Principal Professor Emérito no Novo Testamento, Hermenêutica e Judaísmo do Segundo Templo no Newbold College, Inglaterra.

Fonte: https://spectrummagazine.org/views/2020/little-beast

1 comentário em “Sars-Cov-2: A pequena besta”

Deixe uma resposta