IASD já reúne dados em seu próprio aplicativo, que poderão ser usados no rastreamento e perseguição dos fiéis

Além de utilizar o georeferenciamento para a localização e possível rastreamento de seus fiéis no aplicativo 7me, a Organização Adventista, que adotou a nova modalidade de culto à qual denominou “adoração eletrônica”, com a óbvia possibilidade de pagamento digital dos dízimos e ofertas, e inclusão de foto para possível reconhecimento facial no cadastro online do membro, está também estimulando o uso de aplicativos de monitoramento do tipo Covid Safe pelos funcionários e membros da igreja.

A decisão preocupa membros da igreja no mundo todo, devido à possível utilização de todos esses dados, tanto coletados pela Igreja quanto pelos governos, para o fim de liberdades individuais, através do rastreamento e perseguição dos fiéis num futuro próximo.

Assista também:

Exemplo negativo da Guatemala

OS APLICATIVOS DE RASTREAMENTO COVID-19 NÃO DEVEM INTERFERIR NOS DIREITOS HUMANOS

Enquanto os governos buscam maneiras de rastrear e rastrear casos de COVID-19, analisamos um aplicativo da Guatemala para mostrar como correções tecnológicas apressadas poderiam colocar em risco os cidadãos

Falando sobre fundo musical estimulante em um vídeo promocional, Yossi Abadi lançou um tom de inspiração: “É em tempos de crise e dificuldade que as amizades são medidas.” Abadi é o CEO do Tenlot Group, empresa multinacional que opera a loteria guatemalteca. Em conjunto com o presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, ele anunciava o lançamento do Alerta Guate, um novo aplicativo desenvolvido para supostamente ajudar o país da América Central a combater o coronavírus.

O Alerta Guate foi desenvolvido por uma empresa americana e financiado pela Tenlot. Agora, a empresa de Abadi – parte de um conglomerado com sede em Londres e Tel Aviv – estava “doando” o aplicativo ao governo guatemalteco. Ao percorrer as estações de televisão locais, Abadi avaliou a contribuição em US $ 10 milhões. Mas uma nova pesquisa da Global Witness sugere que a doação de Tenlot pode não ter sido tão caridosa quanto parece.

CORONAVIRUS, PRETEXTO PARA GOVERNOS AUTORITÁRIOS

Governos e cidadãos de todo o mundo estão desesperados por maneiras seguras de aliviar as condições de bloqueio exigidas pelo COVID-19. As empresas de tecnologia desenvolveram aplicativos e outros softwares que oferecem soluções em potencial por meio de rastreamento de contatos, rastreamento de sintomas e até gerenciamento de quarentena. Mas, sem as devidas salvaguardas, alguns desses aplicativos podem abrir caminho para governos autoritários violarem os direitos civis e prejudicarem as populações marginalizadas.

Esse não é um fenômeno novo — antes da crise do COVID-19, o mundo assistia a esses riscos no aplicativo de vigilância em massa usado pela polícia em Xinjiang, na China, para monitorar e controlar milhões de uigures e outros grupos muçulmanos. Mas esse momento específico dá aos governos uma razão aparentemente legítima para coletar informações que eles poderiam procurar usar além da crise atual para monitorar e reprimir as comunidades.

O Alerta Guate é um novo aplicativo COVID-19 que ilustra os riscos. Lançado em 24 de março, o aplicativo foi anunciado como um serviço de alertas de emergência, fornecendo aos usuários informações críticas do governo. Embora cumpra esse resumo, a análise da Global Witness da versão Android do aplicativo mostra que também envia a localização exata do usuário de volta ao desenvolvedor, In-telligent LLC, a intervalos regulares, mesmo quando está fechado.

A política de privacidade da In-telligent define livremente como os dados podem ser compartilhados com terceiros, como quando a empresa “acredita razoavelmente que é necessário proteger … [a] segurança da In-telligent, de nossos usuários ou de outros”. Também sugere que a In-telligent planeja usar os dados coletados por meio de seus aplicativos para facilitar a publicidade direcionada, usando efetivamente a crise do COVID-19 como uma oportunidade de marketing. A Tenlot já usou o aplicativo para anunciar suas raspadinhas. Os críticos sugerem que existe um risco real de que dados pessoais, como localização, sejam compartilhados com o governo.

Em resposta ao pedido de comentário da Global Witness, o CEO da In-telligent, Allan Sutherland, disse que a empresa não compartilha os dados do aplicativo com o governo guatemalteco ou a Tenlot e que as informações coletadas são “proprietárias da In-telligent e mantidas. .. estritamente confidencial.” Abadi também nega que sua empresa ou o governo guatemalteco tenha acesso a quaisquer dados coletados através do aplicativo.

O Alerta Guate foi removido das lojas de aplicativos iOS e Android em meados de abril, aparentemente depois que blogueiros da Guatemala e do exterior perceberam alguns dos possíveis problemas de privacidade do aplicativo, mas as versões do aplicativo já instaladas nos telefones dos usuários provavelmente continuam função. Menos de uma semana após o seu lançamento, a TV guatemalteca informou que o Alerta Guate havia sido baixado mais de 100.000 vezes.

MREE CREEP?

Enquanto as empresas de tecnologia lutam para produzir software que ajudará os governos a relaxar as medidas de bloqueio, grupos de direitos humanos e ativistas da privacidade sinalizaram o risco de fuga da missão. Endossos do Presidente Giammattei sugerem que o Alerta Guate poderia ter um conjunto mais amplo de aplicativos no futuro, além de ajudar a combater a atual pandemia. O presidente disse explicitamente que espera que o aplicativo evolua para cobrir “questões de segurança”, mas ainda não foi elaborado.

A Tenlot, que financiou o aplicativo, parece ter um relacionamento próximo com Giammattei, que foi fotografado (acima) visitando os escritórios da empresa em Israel como presidente eleito em dezembro do ano passado. A política de privacidade permissiva do aplicativo – que permite que seu desenvolvedor retenha informações pessoais por uma década – também levanta sinais de alerta sobre como os dados coletados poderão ser usados ​​no futuro.

Nos últimos dois meses, houve três versões da política de privacidade da In-telligent, levantando preocupações de que a política possa mudar regularmente no futuro. Em resposta ao lançamento do Alerta Guate, o ombudsman de direitos humanos da Guatemala instou o governo a restringir o uso do aplicativo ao atual período de crise, descrevendo-o como “extremamente arriscado para a saúde da democracia e das liberdades civis”.

Que o aplicativo e os dados pessoais que ele coleta possam ser utilizados de diferentes maneiras além da crise é uma preocupação particular na Guatemala. Em 2018, o jornal Nuestro Diario publicou evidências que sugeriam que o governo guatemalteco, sob os antecessores de Giammattei, havia empreendido uma operação de vigilância cibernética em larga escala contra “empresários, políticos, jornalistas, diplomatas e líderes sociais”. A campanha foi supostamente conduzida usando tecnologia, incluindo o software de invasão Pegasus do NSO Group , sua aquisição facilitada por um ex-traficante de armas e veterano das forças especiais israelenses.

Em um país em que os níveis de impunidade do governo são altos e os ataques contra os defensores dos direitos humanos estão aumentando, há um risco aumentado de que a infraestrutura de vigilância possa ser usada de maneiras que violem os direitos humanos. De acordo com dados da Global Witness de 2018 , 16 ativistas ambientais foram mortos no país naquele ano, tornando-o um dos lugares mais perigosos do planeta para defensores da terra e do meio ambiente.

Giammattei foi eleito em 2019 e assumiu o cargo em janeiro. Ele adota uma abordagem altamente militarista do governo e prometeu trazer de volta a pena de morte ao longo de sua campanha presidencial. Ele foi anteriormente acusado de assassinatos extrajudiciais enquanto dirigia as prisões do país; a acusação foi retirada posteriormente devido à falta de evidências, mas as organizações locais da sociedade civil continuam preocupadas.

AS EMPRESAS ATRÁS DO ALERTA GUATE

O Alerta Guate foi desenvolvido pela In-telligent LLC, uma empresa de software registrada em Chicago. Ele fabrica software de alerta de emergência pronto para uso que foi personalizado para uso em vários outros países ao redor do mundo. Respondendo às perguntas da Global Witness, o CEO da In-telligent disse que começou a trabalhar com a Tenlot em março de 2019 e pretendia produzir aplicativos de alerta para vários “clientes do governo” da Tenlot, dos quais o Alerta Guate é o primeiro. A In-telligent também afirmou que os dados de localização serão usados ​​apenas para segmentar publicidade.

Os banners de anúncios das raspadinhas de Tenlot eram claramente visíveis na versão Android do aplicativo analisada pela Global Witness, levantando questões sobre os motivos de Tenlot para financiar o projeto. De acordo com a política de privacidade da In-telligent, os dados podem ser compartilhados com anunciantes de terceiros, aumentando a possibilidade de Tenlot receber informações sobre os usuários do aplicativo. Em sua resposta à Global Witness, Allan Sutherland, CEO da In-Telligent, negou veementemente que quaisquer dados sejam compartilhados com eles.

As conexões da Tenlot com duas empresas de vigilância cibernética e de defesa, Cytrox e Inpedio, levantam outras preocupações sobre seu potencial acesso a dados pessoais. A empresa irmã da Tenlot, Elenilto Group, é uma corporação de investimento global. Ambos são de propriedade do bilionário israelense Jacob Engel e o CEO da Tenlot, Yossi Abadi, atua na equipe de gerenciamento global da Elenilto . Em 2017, a Elenilto participou da Cytrox e da Inpedio por meio do Atooro Fund. Cytrox e Inpedio vendem serviços de inteligência cibernética para governos. A Elenilto ainda mantém uma participação na Inpedio, mas desde então vendeu seu patrimônio na Cytrox.

O surto de COVID-19 é uma nova oportunidade comercial para empresas de vigilância cibernética. Um relatório recente da Reuters destaca o risco de que a tecnologia de resposta a uma pandemia possa servir como um meio para que essas empresas ganhem contratos por formas mais controversas de vigilância do governo. Isso é ilustrado pelo exemplo do Intellexa, uma aliança de empresas de spyware que inclui o Cytrox, e agora comercializa “soluções pandêmicas” para os governos. O CEO da Intellexa expressou o desejo de “ atualizar”À espionagem e tecnologia de segurança de sua empresa no futuro. A proximidade de Tenlot com empresas de inteligência cibernética levanta questões semelhantes sobre como as conexões governamentais adquiridas através do fornecimento de tecnologia de resposta a pandemia podem ser usadas para vender outras formas de vigilância.

Tenlot não respondeu a pedidos de comentário da Global Witness. O CEO da In-telligent negou veementemente que a empresa compartilhe informações com o governo guatemalteco e disse que a Tenlot estava “fazendo uma doação muito generosa ao povo da Guatemala”, pagando pelo desenvolvimento e manutenção do Alerta Guate.

Dado o potencial dos governos de usar indevidamente a infraestrutura técnica lançada para combater as pandemias, um nível muito mais alto de escrutínio deve ser aplicado às empresas que desenvolvem esses aplicativos, particularmente onde essas empresas estão conectadas – direta ou indiretamente – ao negócio de fornecer inteligência aos governos em tempos normais. Quaisquer dados coletados precisam ser mantidos no mínimo necessário, e deve haver limites para quanto tempo os dados podem ser usados ​​para ajudar a combater o risco de fuga da missão.

Fonte: https://www.globalwitness.org/en/campaigns/covid-19-tracing-apps-must-not-interfere-human-rights/

3 comentários em “IASD já reúne dados em seu próprio aplicativo, que poderão ser usados no rastreamento e perseguição dos fiéis”

  1. Nenhum pastoreco veio me visitar quando saí da igreja, nenhum “irmão” quis saber como eu estava ou se tinha acontecido alguma coisa. Aí tempos atrás recebi na minha caixa de e-mail um convite pra participar dessa b#st@ de aplicativo 7me, pena que no e-mail não tinha a opção de mandar eles se catarem.

    1. …E de perseguidores de profetas! Mas o texto sagrado, que contém palavras do próprio Filho de Deus, assegura: “Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo. E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.” Mateus 10:41,42.

Deixe uma resposta