Cadê todo mundo? Onde estão os adventistas do sétimo dia?

18 de maio de 2020 de Arnie Suntag

Élder Arnie Suntag

No meio de eventos mundiais sem precedentes, principalmente a pandemia do COVID-19, um número esmagador de pessoas ficou com medo e correndo para se esconder – e isso infelizmente inclui muitos em nossas próprias igrejas. Em vez de se voltarem para Deus, orando sinceramente por perdão e buscando uma resposta do alto, eles se apoiam no braço da carne — implorando por um remédio para esse flagelo assustador e consumindo vorazmente todos os principais noticiários da mídia na esperança de encontrar um resposta — ou pelo menos ganhando algum consolo.

Parece que no meio do que deveria ser um tempo para reflexão e renovação, Deus foi reduzido a um mero conceito relegado ao segundo plano, enquanto os chamados especialistas na área da medicina foram elevados ao trono. É uma virada bastante triste para um povo supostamente baseado na fé. Mas o que torna esse fenômeno ainda mais desagradável é o forte contraste que se torna mais aparente a cada dia. Ou seja, muitos da maioria — até mesmo os que não crêem – estão ignorando o exagero e as descrições agourentas da mídia sobre o impacto da pandemia e, ao invés disso, pedindo arrependimento e oração.

Stephanie Borowicz, representante do estado na legislatura da Pensilvânia, apresentou uma resolução estabelecendo um dia de jejum ordenado pelo estado para expiar pecados que resultaram na pandemia.

Recentemente, fui criticado por outros adventistas do sétimo dia por escrever um artigo caracterizando o COVID-19 como um julgamento de Deus. Afirmei que, se houve tempo para se arrepender e trabalhar em nosso próprio caráter, é agora. Avaliando a reação de alguns membros da igreja, era como se eu tivesse dito algo fora de ordem, exagerado e talvez até perverso. 

Ironicamente, no entanto, de acordo com a Newsweek, a Representante do Estado Stephanie Borowicz da Pensilvânia apresentou recentemente uma resolução à assembléia geral do estado, estabelecendo um dia de jejum e oração mandatado pelo estado para expiar a pandemia de coronavírus porque, como ela disse, é um “castigo infligido a por nossos pecados presunçosos. ”

Ela não está sozinha. Ralph Drollinger, ministro que lidera um grupo semanal de estudos bíblicos do gabinete do presidente Trump, também se referiu à crise como representando um ato do julgamento de Deus. 

Omar Ricci, um líder religioso muçulmano em uma das mesquitas mais importantes dos EUA, disse: “Graças a Deus por este lembrete de que não estamos no controle e sempre devemos depender de Deus”. E a lista continua. 

Uma pesquisa recente conduzida pela McLaughlin & Associates, uma empresa de pesquisas respeitada nacionalmente, mostrou que 44% dos americanos acreditam que a crise é um alerta de Deus. Além disso, a mesma pesquisa constatou que pelo menos um em cada cinco não-cristãos disse que a crise os levou a começar a ler a Bíblia, a ouvir ensinamentos e sermões da Bíblia on-line, e vasculhar a Internet em busca de informações sobre profecias bíblicas — algo que elas normalmente não teriam feito.

Então, onde estão os adventistas do sétimo dia? Estamos envolvidos em estudo, oração e jejum? Estamos dizendo como é? Estamos dando um certo som à trombeta? Considerando o que está acontecendo em muitas de nossas igrejas, ouso dizer enfaticamente que não.

Uma pesquisa nacional recente mostrou que 44% dos americanos acreditam que a pandemia é um alerta de Deus. Ele também descobriu que 20% dos ex-crentes agora estão lendo a Bíblia e aprendendo mais sobre profecia.

Mensagens de bem-estar e amenidades não nos farão passar por este teste. No entanto, é isso que você provavelmente encontrará em muitas, senão na maioria de nossas igrejas hoje. As pessoas querem conforto e consolo, e se o pastor as obrigar na forma de uma dissertação eloquente sobre o amor de Jesus, sem revelar o que o Senhor tem a dizer sobre o tempo em que estamos vivendo agora, elas não farão mudanças reais. em suas vidas ou em seus personagens. Eles não se olham no espelho ou consideram as advertências que a Bíblia transmite. 

Em resumo, eles não saberão que horas são. Em vez disso, eles continuarão a ser hipnotizados pelo fluxo incansável de reportagens contraditórias do mainstream — buscando inutilmente respostas para seus problemas. Eles ignorarão os sinais dos tempos e deixarão abismalmente fazer o que Deus pediu a todos nós quando vemos tais sinais. Eles permanecerão em negação. Não haverá ímpeto para mudar sua direção na vida. Eles continuarão se alimentando das notícias falsas, entorpecendo a perspectiva que melhor lhes convém, enquanto não reconhecem a urgência da necessidade de arrependimento e oração — muito menos a proximidade dos eventos ameaçadores que se avizinham.

No entanto, a maioria dos líderes e pastores da igreja parece ser muito tímida ou fraca demais para dizer como é. Eles preferem mimar os sentimentos de seus congregantes, em vez de tentar subjugá-los às realidades da verdade presente.

Ou seja, a menos que alguém toque o alarme. Eles continuarão se alimentando das notícias falsas, entorpecendo a perspectiva que melhor lhes convém, enquanto não reconhecem a urgência da necessidade de arrependimento e oração — muito menos a proximidade dos eventos ameaçadores que se avizinham. es avisos nas escrituras e das lúcidas representações de O Grande Conflito, muitos optam por adotar a sabedoria dos chamados especialistas do mundo, em vez de se apoiar nos conselhos de um Deus amoroso e carinhoso que não quer nada mais do que para nós do que renunciar à nossa tolice, pedir perdão e colocá-Lo na vanguarda de nossas vidas diárias. 

Jesus alertou que nos últimos dias os enganos seriam tão grandes que, se possível, até os próprios eleitos seriam enganados (Mateus 24:24). Não seria de surpreender que, quando uma vacina para o COVID-19 for introduzida, muitas e talvez a maioria em nossa igreja estejam prontas demais para arregaçar as mangas, porque o medo do vírus diminuiu seu discernimento. 

Eles nem sequer consideram os possíveis danos que uma vacina inadequadamente testada e esperta irá causar, nem reconhecerão a agenda que realmente gerou sua criação nos bastidores. Que paradoxo surpreendente, mas profético, isso é! As representações dos eventos dos últimos dias se tornaram tão bidimensionais ao longo dos anos que não mais nos levam à ação? 

Quando os membros de nossa igreja começarão a prestar atenção às advertências nas escrituras e no Espírito de Profecia? O que será preciso? 

Considere estes comentários bastante pontiagudos do Grande Conflito:

Quando Deus envia aos homens avisos tão importantes que eles são representados como proclamados por santos anjos voando no meio do céu, Ele exige que todas as pessoas dotadas de poder de raciocínio atendam à mensagem… .Mas as massas das pessoas desviam seus ouvidos de ouvir a verdade e são transformadas em fábulas. O apóstolo Paulo declarou, olhando para os últimos dias: “Chegará o tempo em que não suportarão a sã doutrina”. 2 Timóteo 4: 3. Esse tempo chegou completamente. As multidões não querem a verdade bíblica, porque interfere com os desejos do coração pecador e amante do mundo; e Satanás fornece os enganos que eles amam (Grande Conflito, p. 594).

Na sequência do dilema do COVID-19, estamos testemunhando o exercício de alcance autoritário, o atropelamento dos direitos humanos e o pisotear da nossa Constituição. Alguns podem tentar justificar as ordens de abrigo, os bloqueios e outras medidas draconianas citando princípios epidemiológicos que, embora apareçam na superfície para fazer sentido científico plausível, são na verdade especulativos e teóricos.

Nunca antes na história colocamos pessoas saudáveis ​​em quarentena. O protocolo padrão, mesmo desde os dias do antigo Israel, sempre foi isolar os doentes. A verdade é que as medidas extremas promovidas pelo CDC, NIH, OMS e nossa liderança do governo têm pouco a ver com a mitigação de uma pandemia. Em vez, eles representam um ataque direto à Constituição e a implementação de uma agenda de longa data que agora está finalmente surgindo.

Chegou a tal crescimento que algumas agências do governo estão até exigindo como, quando e onde os serviços religiosos serão realizados – uma clara violação da Primeira Emenda. Todo adventista do sétimo dia ouviu, sem dúvida, pelo menos algumas citações de EG White sobre o significado de pisar nos princípios de nossa Constituição e na sequência de eventos que acabarão por acontecer, mas aparentemente muitos estão adormecidos mesmo quando esses eventos se desenrolam antes. os olhos deles.

Em O Grande Conflito, ela faz referência aos princípios fundadores de nosso país e aos precedentes históricos que agora estão sendo insidiosamente desafiados:

No grande e antigo documento que nossos antepassados ​​estabeleceram como sua declaração de direitos – a Declaração de Independência – eles declararam: “Consideramos essas verdades evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais; que eles são dotados pelo seu Criador de certos direitos inalienáveis; que entre estes estão a vida, a liberdade e a busca da felicidade. ” E a Constituição garante, nos termos mais explícitos, a inviolabilidade da consciência…. “O Congresso não fará nenhuma lei respeitando um estabelecimento de religião ou proibindo o livre exercício do mesmo.”

“Os autores da Constituição reconheceram o eterno princípio de que a relação do homem com seu Deus está acima da legislação humana e seus direitos de consciência inalienáveis. O raciocínio não era necessário para estabelecer essa verdade; estamos conscientes disso em nossos próprios peitos. É essa consciência que, desafiando as leis humanas, sustentou tantos mártires em torturas e chamas. Eles achavam que seu dever para com Deus era superior às representações humanas, e que o homem não podia exercer autoridade sobre suas consciências. É um princípio inato que nada pode erradicar. ”- Documentos do Congresso (EUA), número de série 200, documento de número 271 (O Grande Conflito, p. 295).

Os conselhos encontrados no Espírito de Profecia e os anais da história fornecem um aviso severo de que repudiar os princípios que fundaram nossa nação anunciará as cenas finais da profecia bíblica.

Está claramente na hora de acordar. Tocamos a igreja há muito tempo – falando uma faixa azul sobre assuntos sem sentido, como de que cor pintar as paredes do santuário ou que prato levar para a festa do pijama. Estamos bem além disso agora. Este não é o momento de se envolver em atividades ociosas. 

A pandemia é apenas a ponta do iceberg. É o começo das dores. Vamos experimentar eventos muito mais devastadores próximos. É hora de perceber que os dias felizes acabaram. Isso não vai acabar. Tudo isso faz parte de uma agenda que existe há décadas envolvendo eugenia, controle populacional e totalitarismo. 

Basta dar uma olhada objetiva nos eventos ao nosso redor. O profundo impacto econômico e as implicações sociais em geral acabarão excedendo a imaginação da maioria. Dezenas de milhões já estão sem trabalho. A economia está sendo minada clandestinamente a ponto de até mesmo os programas de direitos como Previdência Social e Medicare poderem eventualmente entrar em colapso. 

Mesmo que o vírus seja de alguma forma eliminado do quadro por meio de uma vacina muito elogiada (e potencialmente obrigatória), as regras de distanciamento social e outras medidas draconianas não serão abandonadas. 

Considere o que isso significa. O impacto psicossocial será devastador. Já é. Essas modificações peculiares das normas sociais foram incorporadas ao tecido de nossa sociedade – e não sem sérias conseqüências. O abuso infantil e a violência doméstica aumentaram exponencialmente, e as pessoas estão cometendo suicídio em números muito maiores do que nunca. 

Nossos filhos estão aprendendo que devemos temer contato próximo com outras pessoas, enquanto a paranóia está levando muitos adultos a comportamentos obsessivo-compulsivos bizarros. Tudo isso é resultado de distanciamento social e bloqueios. E essas manifestações são irreparáveis.

Talvez possamos de alguma forma atravessar um colapso econômico, mas não vamos reparar milhões de seres humanos destruídos e alienados, ou crianças que não tiveram a socialização necessária para que se tornem adultos normais e bem ajustados. É hora de ser realista – a cura não pode e nunca deve ser pior do que a doença.

Surpreendentemente, as correntes do nosso país já estão preparando o cenário para os eventos finais da história mundial. Em meio a medidas autoritárias sem precedentes, protestos estão surgindo em todo o país.

Ao mesmo tempo, tem havido um choque de sabre considerável entre os EUA e a China, sugerindo fortemente a possibilidade de um conflito armado que possa envolver armas nucleares. Nossa cadeia de distribuição está sobrecarregada e pode eventualmente ser severamente danificada, causando escassez de alimentos e tumultos.

Tomado como um todo, o impacto desses eventos superará em muito a ameaça bem promovida do COVID-19. Apesar dos fatos iminentes, muitos em nossas igrejas ainda estão confortavelmente dormindo. Eles só querem ouvir “coisas suaves”.

Os eventos proféticos sobre os quais ouviram ou foram ensinados ao longo de sua história quando os adventistas do sétimo dia finalmente chegaram em vigor, e a maioria deles não sabe. Eles foram completamente isolados por atividades e prazeres mundanos que em breve se tornarão extintos. 

Se não estamos fazendo o que temos sido avisados ​​como adventistas do sétimo dia, como sair das cidades, levantar nossa própria comida, soar o alarme para nossa família, amigos e vizinhos e, mais importante, preparar nosso caráter para o Senhor. em breve voltaremos, certamente estaremos perdidos para sempre. 

Não importa que as notícias sobre o COVID-19 ou a dialética hegeliana sejam perpetradas pela esquerda e pela direita políticas. Esqueça os especialistas, os pessimistas e os teóricos da conspiração. Fixe seus olhos em Jesus. Arrependa-se das transgressões e erros de cálculo em sua própria vida. Faça as pazes com os outros. Estude a Palavra de Deus. E acima de tudo, tenha esperança e olhe para cima, pois sua redenção se aproxima.

Élder Arnie Suntag
Bisbee, Arizona 85603
(866) 359-2640
arniesuntag@walkoffaithmedia.org

3 comentários em “Cadê todo mundo? Onde estão os adventistas do sétimo dia?”

  1. Excelente reflexão. Estamos fracassando no primeiro teste para o Alto Clamor. O fechamento das igrejas em obediência ao Estado, ou até antecipando as exigências de alguns estados aqui no Brasil é vergonhoso.

    1. Vergonhoso é ficarmos querendo tirar os ciscos dos olhos dos outros e não vendo a trave que está nos nossos olhos.
      Vergonhoso é ficarmos repetindo o que aconteceu no Éden, quando Eva quis transferir a sua responsabilidade para a serpente e depois Adão também quis transferir a sua responsabilidade para a Eva.
      Vergonhoso é ficarmos procurando transferir a nossa responsabilidade pessoal e intransferível, para uma Instituição, e, alguns ainda pensam que é como se fosse a Arca de Noé; quem está dentro será salvo, quem está fora está perdido.
      Vergonhoso é ficarmos querendo que qualquer Instituição, especialmente religiosa, faça o que esperamos como o povo do antigo Israel, esperando uma solução de um “Messias” humano para nos dar “progresso” e “bem estar” terreno.
      Vergonhoso é ficar defendendo qualquer lado político, e querendo que o lado escolhido é o certo e o outro é o errado.

Deixe uma resposta