ANÁLISE: Protestos orquestrados pela morte de George Floyd visam a provocar guerra civil para imposição de Lei Marcial e genocídio nos EUA

ESTADOS UNIDOS
Minneapolis: autoridades preocupadas com grupos externos que incitam a violência em protestos

POR ALLEN ZHONG E CHARLOTTE CUTHBERTSON

Atualizado: 30 de maio de 2020

Minneapolis — As autoridades federais, estaduais e locais observaram uma mudança no padrão de protestos em Minneapolis e temem que indivíduos de fora do estado tenham participado ativamente e agitado os protestos dos últimos dias.

O prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, disse que a “dinâmica [do protesto] mudou nos últimos dias”.

“Vimos mais e mais pessoas vindo de fora da cidade. Vimos cada vez mais pessoas procurando causar violência em nossas comunidades e devo dizer que não é aceitável ”, afirmou ele em entrevista coletiva no sábado pela manhã.

Frey sugeriu que os moradores não participassem mais dos protestos, pois as circunstâncias mudaram: “Se você tem familiares ou amigos que estão pensando em protestar, não é mais uma questão de protestar. Já não se trata de expressão verbal. É sobre violência. ”

Em St. Paul, todas as pessoas detidas na sexta-feira eram de fora do estado, disse o prefeito Melvin Carter III a repórteres.

Carter disse que ativistas locais confirmaram que os manifestantes violentos não são de Minneapolis: “Eu os ouço dizer: não conhecemos essas pessoas. Não conhecemos essas pessoas que estão agitadas. Não conhecemos essas pessoas que incitam a violência. Não sabemos se essas pessoas foram as primeiras a quebrar janelas “.

O procurador-geral William Barr alertou no sábado que “é um crime federal atravessar fronteiras estaduais ou usar instalações interestaduais para incitar ou participar de distúrbios violentos”.

“Grupos radicais e agitadores externos estão explorando a situação para seguir sua própria agenda individual e violenta”, afirmou. “Vamos aplicar essas leis.”

Um número crescente de manifestantes tem uma agenda

Milhares de manifestantes violaram o toque de recolher das 20h imposto pelo governador Tim Walz, atacando áreas do centro da cidade de Twin Cities, com alguns saques e incêndios nas lojas.

Uma mistura de etnias parecia se juntar ao protesto, e pessoas de todas as idades estavam presentes, mas a maioria era mais jovem.

A atmosfera era caótica, esfumaçada e barulhenta, e um número crescente de manifestantes parecia ter uma agenda diferente da de fazer justiça a George Floyd. Outros estavam criando tumultos, saques e queimando lojas próximas.

Muitos dos sinais no protesto eram os mesmos e tinham “Partido do Socialismo e Libertação” escrito na parte inferior, sob o lema “Prender todos os policiais assassinos racistas!”

Algumas pessoas distribuíram água e lanches e, mais tarde, outras ajudaram as pessoas afetadas pelo gás lacrimogêneo.

A morte de Floyd, um homem negro de Minneapolis que morreu no início desta semana sob custódia da polícia de Minneapolis, causou um alvoroço nacional.

Os protestos eclodiram em dezenas de cidades em todo o país, incluindo Minneapolis, Louisville, Washington, Nova York, Atlanta, Detroit e algumas outras cidades na noite de sexta-feira com saques, incêndios criminosos e atos ocasionais de vandalismo.

Fonte: https://es.theepochtimes.com/minneapolis-autoridades-preocupadas-por-grupos-externos-que-incitan-a-la-violencia-en-las-protestas_672635.html

1 comentário em “ANÁLISE: Protestos orquestrados pela morte de George Floyd visam a provocar guerra civil para imposição de Lei Marcial e genocídio nos EUA”

  1. O Gabinete do Ódio está se aquecendo.
    O Anjo Rebelde está conseguindo, cada vez mais, a dominar mentes propensas ao ódio.
    No Éden, conseguiu iniciar esse processo, com palavras suaves, colocou dúvidas e conseguiu o domínio.
    Agora, está cada vez mais, dominando as mentes que escolhem não serem dominadas pelo amor.
    Lembrando, o amor princípio, não o amor ao dinheiro ou ao poder, mas o amor de dar a vida pelo outro, mesmo que seja o mais pecador.

Deixe uma resposta