Texto sugere que se Jesus Cristo não voltar ao final dos seis mil anos, EGW não foi inspirada por Deus

Através de estudo disponibilizado no formato pdf nas redes sociais, um redator de identidade desconhecida sugere em tom ácido que se Jesus Cristo não retornar ao final dos seis mil anos da história humana na terra, teremos mais uma confirmação da não-inspiração divina de Ellen G. White. O estudo, divulgado em grupos como o “Teologia Adventista”, no Facebook, é disponibilizado neste endereço, sem qualquer menção ao nome do autor:
https://drive.google.com/file/d/1OzNKZ48_Khwjp7Bc0WJZ-OLnnlSwLY1P/.

Diz o texto:

ELLEN WHITE FALOU QUE DURARIA 6 MIL ANOS O CONFLITO ENTRE CRISTO E O TAL SATANÁS? FALOU.

E DIGO MAIS, JÁ TEM MAIS DE 20 ANOS QUE SUA PROFECIA NÃO SE CUMPRE.

MAIS UMA LOROTA ENGANADORA DO MITO ADVENTISTA.

Sabe aquela situação em que passou um carro verde na sua frente, mas vem alguém tentando te convencer que o carro é azul. É inegável que o carro é verde, mas essa pessoa não está interessada na verdade, ela está interessada em que você creia que o carro é azul e pronto porque ela precisa que você acredite que o carro é azul. Se você acreditar, pronto, ela fez o trabalho dela.

A verdade? A verdade que se exploda amado, quem está interessado na verdade?

Nos últimos dias surgiu um intenso debate entre os seguidores da OASD sobre se Ellen White falou ou não sobre se o conflito duraria 6 mil anos. Conflito, que fique bem entendido, segundo ela, é entre Cristo e o tal satanás. O verdadeiro conflito é entre Deus e o ser humano, o resto bizarrice mitológica.

Qual é a estratégia da organização diante da afirmação de Ellen White? Fazer você crer que o carro é azul, mesmo você tendo visto que o carro é verde.

Diante de tanta pregação de Ellen White e dos pioneiros de que Jesus logo voltaria, mas sendo que isso já tem 175 anos e nada acontece, os teólogos adventistas ficam aterrorizados quando algum pastor desta organização sugere uma volta de Jesus com alguma data marcada. Foi assim com o pastor Jonatan Conceição tempos atrás e é agora com o pastor Walter Veith. Eles foram induzidos pelos textos de Ellen White a pregarem desta forma e isso é inegável. Mas a organização que fazer você crer Ellen White nunca disse isso.

É essa a estratégia da organização, pois precisam salvar o mito Ellen White de todas as formas, naquele conhecido processo simbiótico:

“Salvamos o mito Ellen White para que o mito Ellen White nos salve”.

A salvação aqui não é soteriológica, mas no sentido de sustentação financeira da organização, apesar de que para muitos, Ellen White também se insere no processo soteriológico, pois ela mesmo se inseriu.

Lembre-se amado: “o carro é verde”.

Assim, mesmo diante de várias evidências nos escritos de Ellen White a respeito dos seis mil anos, os teólogos, blogueiros, professores, youtubers, pastores e assemelhados adventistas teimam em querer passar para os desavisados que ela não escreveu. Mas vamos apresentar alguns textos detalhando o que ela escreveu e no contexto em que escreveu. As citações são das edições digitais dos livros para facilitar para aqueles que quiserem conferir.

Na compilação “A maravilhosa graça”, está escrito assim em sua página 758.

“O grande plano da redenção tem como resultado trazer de novo o mundo ao favor de Deus, de maneira completa. Tudo que se perdera pelo pecado é restaurado. Não somente o homem é redimido, mas também a Terra, a fim de ser, a eterna habitação dos obedientes. Durante seis mil anos, Satanás tem lutado para manter posse da Terra. AGORA SE CUMPRE o propósito original de Deus ao criá-la. “Os santos do Altíssimo receberão o reino, e possuirão o reino para todo o sempre, e de eternidade em eternidade.” Daniel 7:18.

O contexto que Ellen White apresenta os seis mil anos é que, durante estes seis mil anos o satanás tentou possuir a terra, mas depois deste período, os santos do Altíssimo receberiam o reino e para isso ela cita o texto de Daniel 7:18.

Devemos lembrar que o texto de Daniel está relacionado com a questão da entrada de Jesus no terceiro compartimento daquele edifício sideral que os adventistas concebem em algum lugar deste universo. Como Ellen White e os pioneiros sempre mantiveram a membresia desta organização neste clima de “Jesus está voltando, Jesus está voltando”, a expressão “agora se cumpre” foi colocada no entendimento do cumprimento dos seis mil anos. Ou seja, ela relaciona os seis mil anos com a volta de Cristo.

De novo, neste clima de “Jesus está voltando”, vamos à outro texto, este agora no livro “O Grande Conflito”, “opus maximus” de Ellen White, na página 571.

“Chegará o estrondo até à extremidade da Terra, porque o Senhor tem contenda com as nações, entrará em juízo com toda a carne; os ímpios  entregará à espada.” Jeremias 25:31. SEIS MIL ANOS ESTEVE EM ANDAMENTO O GRANDE CONFLITO; o Filho de Deus e Seus mensageiros celestiais ESTAVAM em conflito com o poder do maligno, a fim de advertir, esclarecer e salvar os filhos dos homens. AGORA TODOS FIZERAM SUA DECISÃO; os ímpios uniram-se completamente a Satanás em sua luta contra Deus. CHEGADO É O TEMPO PARA DEUS REIVINDICAR A AUTORIDADE DE SUA LEI QUE FORA DESPREZADA. Agora a controvérsia não é somente com Satanás, mas também com os homens. “O Senhor tem contenda com as nações”; “os ímpios entregará à espada”.

Toda a construção verbal de Ellen White está no passado, como algo já acontecido. Isto está de acordo com o capítulo do livro em que foi retirada esta citação, “A terra desolada”, onde segundo a teologia adventista, a terra ficará desolada por mil anos após os seis mil anos de pecado. Neste capítulo ela se coloca dentro deste período de mil anos para relatar o que já havia acontecido e por isso tudo já estaria decidido. “Por seis mil anos os anjos pregaram aos filhos dos homens”, e ela conclui “agora todos fizeram a sua decisão”. Não há como negar, para Ellen White, o conflito duraria seis mil anos.

Ainda no mesmo livro e no mesmo capítulo, agora na página 574, ela afirma,

“O profeta Isaías, vendo antecipadamente o tempo da queda de Satanás, exclama: “Como caíste do Céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao Céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono. … Serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo. Os que te virem te contemplarão, considerar-te-ão, e dirão: É este o varão que fazia estremecer a Terra, e que fazia tremer os reinos? Que punha o mundo como um deserto, e assolava as suas cidades? que a seus cativos não deixava ir soltos para suas casas?” Isaías 14:12-17.

No texto acima ela fala da queda do satanás citando Isaías 14. O satanás será destruído na volta de Cristo, e conclui,

DURANTE SEIS MIL ANOS A OBRA DE REBELIÃO DE SATANÁS TEM FEITO “ESTREMECER A TERRA.” Ele tornou “o mundo como um deserto”, e destruiu “as suas cidades.” E “a seus cativos não deixava ir soltos.” DURANTE SEIS MIL ANOS O SEU CÁRCERE (O SEPULCRO) RECEBEU O POVO DE DEUS, e ele os queria conservar cativos para sempre; MAS CRISTO QUEBROU OS SEUS LAÇOS, PONDO EM LIBERDADE OS PRISIONEIROS. Mesmo os ímpios agora se acham colocados fora do poder de Satanás, e sozinho, com seus anjos maus,
permanecerá ele a compenetrar-se dos efeitos da maldição que o pecado acarretou.

Claramente ela afirma que o satanás manteve cativeiro o povo de Deus por seis mil anos. Este cativeiro é a morte. Precisamos lembrar, ela está falando dentro do contexto dos mil anos em que, segundo a teologia adventista o satanás ficará preso na terra desolada. Por isso ela afirma que até mesmo os ímpios estão fora do alcance do satanás. Não dá para negar que ela relaciona a volta de Cristo com os seis mil anos, pois o satanás será preso na terra desolada após isso.

Mais adiante ainda, agora na página 586.

“ESTÁ PARA SEMPRE TERMINADA A OBRA DE RUÍNA DE SATANÁS. DURANTE SEIS MIL ANOS EFETUOU A SUA VONTADE, ENCHENDO A TERRA DE MISÉRIA E CAUSANDO PESAR POR TODO O UNIVERSO. A criação inteira tem igualmente gemido e estado em dores de parto. Agora as criaturas de Deus ESTÃO PARA SEMPRE LIVRES DE SUA PRESENÇA E TENTAÇÕES. “Já descansa, já está sossegada toda a Terra! exclamam [os justos] com júbilo”. Isaías 14:7.

Nem cego deixaria de ver o que ela escreveu. Está claro que Ellen White afirma pelos vários textos que apresentamos que o período de poder do satanás dura seis mil anos.

Amado adventista, o que eu fiz foi uma pequena lista de citações, mas você mesmo pode conferir e verificar que nos seus escritos é muito maior a esta referência dos seis mil anos entre a entrada do pecado e a volta de Cristo.

A não ser que os adventistas digam que o satanás será destruído sem a manifestação do Espírito de Cristo Jesus, não tem como não relacionar o fim de seu período de poder nesta terra com a volta de Cristo. Portanto, Ellen White marcou a volta de Jesus para 6000 anos depois do início do pecado.

Mas alguém poderia argumentar: mas não sabemos quando se iniciou o pecado no mundo, então, se ela marcou a data da volta de Cristo após 6000 anos de pecado, ninguém poderá afirmar que ela fez uma profecia errada, já que não foi demarcado a data deste início do pecado.

Exato, amado adventista. Eu e você não sabemos quando o pecado se iniciou neste planeta, mas não estamos falando de meros mortais. Estamos falando da “Favorecida de Deus”, da “Mensageira do Senhor”, do “Espírito de Profecia”.

Aliás, Ellen White é tão superior ao restante dos meros mortais que essa expressão que os adventistas a identificam, “Espírito de Profecia“, nem na Bíblia existe. A Bíblia é muito pouco para Ellen White.

A PROFECIA DE ELLEN WHITE AFIRMA QUE JESUS ESTÁ ATRASADO EM MAIS DE 20 ANOS.

Em uma de suas obras que mais contêm plágios, o livro “O Desejado de mtodas as nações”, abra este link e saiba mais sobre este assunto,

https://drive.google.com/open?id=1xH1WlLEVqmW9ITT5uaDVw0Gsw0
Vpd-1M

Ellen White faz a seguinte afirmação na página 28.

“Teria sido uma quase infinita humilhação para o Filho de Deus, revestir-Se da natureza humana mesmo quando Adão permanecia em seu estado de inocência, no Éden. Mas Jesus aceitou a humanidade quando a raça havia sido ENFRAQUECIDA POR QUATRO MIL ANOS DE PECADO. Como qualquer filho de Adão, ACEITOU OS RESULTADOS DA OPERAÇÃO DA GRANDE LEI DA
HEREDITARIEDADE. O que estes resultados foram, manifesta-se na história de Seus ancestrais terrestres. VEIO COM ESSA HEREDITARIEDADE PARA PARTILHAR DE NOSSAS DORES E TENTAÇÕES, e dar-nos o exemplo de uma vida impecável”.

Ela afirma que quando Cristo Jesus chegou a este mundo, a humanidade já estava enfraquecida por quatro mil anos. Agora tem um detalhe importantíssimo. Este período de quatro mil anos de pecado afirmado por Ellen White não se referem ao ano da morte de Jesus, ou ao seu batismo como muitos buscam se referenciar, inclusive os pastores citados acima.

Ellen White fixou estes quatro mil de pecado até o nascimento de Jesus, ou seja, de 27 a 31 anos antes da data fixada pelos pastores. A citação acima está dentro do capítulo “Hoje vos nasceu o Salvador”.

Não teria sentido ela falar de hereditariedade se não referisse esses 4000 anos de pecado e suas consequências com o nascimento de Cristo. Ellen White afirma que Jesus compartilhou de nossas dores e tentações e se manteve sem pecado.

Esse é o contexto: “Jesus nasceu com uma humanidade decaída por 4000 anos de pecado”. Aliás, amado, este é outro grande debate dentro desta organização, se Cristo se manteve sem pecado com a natureza pré ou pós lapsariana, e todo este debate causado pela já bastante conhecida “anfibologia whiteana”, da mesma forma como o debate objeto deste estudo.

Sabemos que Jesus nasceu “antes de Cristo”, mas isso não importa muito aqui, até porque se eu corrigir este erro na contagem dos anos daera comum aumenta mais ainda o drama de Ellen White nos seus cálculos. Aliás, dela não, pois já morreu, mas daqueles que a consideram inspirada por Deus.

Então, vamos fazer os cálculos segundo o que Ellen White escreveu se dizendo inspirada.

Nós lemos nas palavras “whiteanas” que da entrada do pecado até o nascimento de Cristo temos 4000 anos. Nós lemos nas palavras “whiteanas” que da entrada do pecado até a volta de Cristo temos 6000 anos.

6000 anos – 4000 anos = 2000 anos.

Do nascimento de Cristo até a sua volta obrigatoriamente temos que ter então 2000 anos. Assim, Ellen White profetizou que Jesus Cristo voltaria a esta terra até o ano 2000.

Deve ter dado um “bug do milênio” no computador de Ellen White,

Amado adventista. Procura Jesus e entrega um celular com alarme a Ele, pois segundo Ellen White, Ele está atrasado para vir a este mundo há pelo menos 20 anos.

Assim amado adventista. A Organização Adventista do Sétimo Dia pode de todas as formas tentar fazer você crer que o carro é azul, mas você viu com seus próprios olhos que ele é verde.

Bem, o carro de verdade é verde, mas se na sua cabeça o carro é azul,
o problema é seu.

Solicitamos aos nossos leitores que escrevam no espaço para comentários abaixo como responderiam aos argumentos desse texto. De nossa parte, acreditamos que, sim, estamos no período em que Jesus Cristo deve voltar, embora não saibamos a data exata. E que a interpretação da semana cósmica de seis mil anos seguidos por um milênio de descanso, conforme defendida por Walter Weith e outros estudantes da Bíblia nos parece válida e motivadora.

17 comentários em “Texto sugere que se Jesus Cristo não voltar ao final dos seis mil anos, EGW não foi inspirada por Deus”

  1. No séc XVIII, os crentes no segundo advento, quando houve o grande terremoto, depois quando houve o escurecimento do Sol; passados quase um século, houve a queda das estrelas, já no séc XIX, e agora no séc XXI, lembrando que ainda se espera o grande acontecimento.
    265 anos passados do primeiro evento, 240 anos passados do segundo acontecimento, e agora faltam apenas 13 anos para se completar 200 anos do último grande marco dos últimos dias.
    Pensar em duzentos anos para o sinal do fim, parece ser muito tempo, mas para os que acreditaram no advento do fim, em 1755, já se passaram quase 3 séculos.
    O profeta, escolhido pelo Onisciente, para anunciar o evangelho em Nínive, pensava que os ninivitas não mereciam.
    O povo, escolhido pelo Onisciente, para anunciar o evangelho ao mundo, pensava que os “gentios” não mereciam.
    Hoje, há os que pensam que determinados povos não irão receber o evangelho por causa dos regimes políticos aos quais estão submetidos.
    Mas, o fim só virá quando o evangelho for anunciado a todas pessoas, em todas as Nações. Mt 24:14.
    O tempo pode ser séculos para que se tenha as condições para o cumprimento de Mt 24:14, assim como já se passaram séculos dos sinais anunciados.

    1. “…o fim só virá quando o evangelho for anunciado a todas pessoas, em todas as Nações.” Mt 24:14.

      Esse é um de seus prováveis equívocos, irmão, pois seria impossível pregar a todas as pessoas de todas as nações, uma vez que a cada minuto nascem centenas de bebês humanos por toda a Terra. O evangelho será pregado a toda a humanidade enquanto esta estiver livre de ameaça de destruição total. Quando a continuidade da existência humana estiver em risco, seja por ameaça nuclear, pandemia, transumanismo ou qualquer outra ação demoníaca que desconheçamos, Deus agirá, intervindo na História. O evangelho será pregado enquanto houver humanidade sobre a Terra e, quando a vida humana correr o risco de extinguir-se, então virá o fim, pela ação do Eterno.

      1. ,,,”O evangelho será pregado a toda a humanidade enquanto esta estiver livre de ameaça de destruição total. ”
        Não entendi !
        Então, se a humanidade estiver sob a ameaça de destruição total, não será válido o que está declarado em Mt 24:14???!!!
        Só lembrando, por ocasião do dilúvio, a humanidade, não só esteve ameaçada de destruição total, como foi destruída, praticamente em sua totalidade.
        Eu até posso estar grandemente equivocado quanto ao entendimento de Mt. 24:14, quanto ao tempo, mas, quanto ao tempo dos sinais do fim, como queda das estrelas, escurecimento do sol e terremotos, já se passaram séculos, e aqueles que viveram na época desses acontecimentos, como os próprios discípulos, pensaram que a volta de Jesus aconteceria nos seus dias, mas todos já se foram.
        Talvez a declaração na Nova Versão Transformadora possa ajudar a entender melhor:
        – As boas-novas a respeito do reino serão anunciadas em todo o mundo, para que todas as nações as ouçam; então, virá o fim. Mateus 24:14
        https://www.bibliaonline.com.br/nvt/mt/24
        Evidentemente que o ideal seria que cada um, individualmente, recebesse as boas novas, mas a anunciação, conforme a versão NVT, é para todas as nações.
        Este é o grande sinal do fim.
        Talvez não estejamos vivos para ver isso acontecer, talvez, amanhã, não estejamos vivos, mas tudo tem seu tempo, e, o dono do tempo tem seu tempo determinado, e, planejado, e, esse tempo não nos foi revelado, mas apenas os sinais de sua aproximação, como por exemplo os acontecidos com o sol a lua e as estrelas, e, isso já faz séculos.

        1. 3 crianças nascem por segundo, 180 por minuto, fala-se em 400 mil bebês nascidos por dia, em diferentes pontos de todo o mundo… Como a pregação do Evangelho do Evangelho poderia ser concluída, sabendo-se que há necessidade de esperar essas crianças crescerem para poderem fazer sua escolha? Além disso, quantos milhares morrem, inclusive crianças, a cada dia, sem que tenham ouvido o Evangelho? A solução é Deus ter uma data limite para Sua intervenção, de maneira que esta se justifique, considerando-se, por exemplo, o risco de descontinuidade da vida humana na Terra. E se Deus tem uma data para agir, Ele não agirá sem revelar esse fato a seus profetas, que não se encerraram com João do Apocalipse, ou mesmo com Ellen White. “Certamente o Senhor DEUS não fará COISA ALGUMA, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas.” Amós 3:7.

          1. E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim. Mateus 24:14 NVI
            Outra vez; esta é outra versão, a Nova Versão Internacional.
            Aqui, está uma versão onde só é mencionado: TODAS AS NAÇÕES, e, não todas as pessoas.
            A grande pergunta: Enquanto houver nações fechadas, por políticas ou por outras religiões como por exemplo as muçulmanas, essa declaração profética será cumprida???!!!
            Lembro ainda da extinta URSS, que queria ser a potência que dominaria o mundo, como foi Napoleão Bonaparte, como foi Adolf Hitler e todos passaram.
            O Todopoderoso tem poder para fazer passar essas nações fechadas para que se cumpra o plano conforme declarado.
            O tempo para os humanos, é diferente do que é para o dono do tempo.
            Já se passaram duas décadas da expectativa que deixou muita gente preocupada com o BUG DO MILÊNIO, e muitos crentes anunciaram aquela expectativa como sinal do fim.
            Mas, já se passaram duas décadas ! E, não foi o fim.
            Os servos do Senhor, já pensaram que os acontecimentos como os mencionados com o escurecimento do sol, a queda das estrelas e outros, seriam o fim iminente.
            O tempo para o dono do tempo é diferente do tempo para nós humanos.

          2. Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências,

            E dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.

            Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste.

            Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio,

            Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios.

            Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.

            O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.

            Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.

            2 Pedro 3:3-10

  2. O Ilustre Editor pede para se manifestarem s/ essa matéria, mas não publicou a minha manifestação.
    Eu gostaria de ter uma análise sobre a verdade referente a Daniel 8:14, lembrando que a “Purificação do Santuário” terrestre, que representa a verdadeira “Purificação do pecado” tinha 2 atos que marcavam aquele ritual: 1 – O sacrifício e 2 – A imposição das mãos s/ a cabeça do bode emissário.

    1. Caro irmão Observador Atento,

      Estive meditando s/ suas análises referentes à profecia de Daniel 8:14, e estou convicto de que há mais sabedoria nesse entendimento do que em todas as outras hipóteses de interpretações.
      Por isso, gostaria de trocar informações diretamente com o irmão, assim, peço que me escreva:
      joses.silva@yahoo.com.br
      José S. Silva

  3. Quando o autor desse texto cheio de ironias, fala de 6000 anos dividido em período de 4mil e 2mil anos dividido pelo nascimento de Cristo, ele não considera, por exemplo, que os judeus que teoricamente contam o tempo desdes a Criaçao ainda não chegaram ao ano 6000 da criação.
    E.White também nunca escrevu que não passaria do ano 2mil. Isso é um dito popular.

    1. FALÁCIA DO ESPANTALHO.

      Me dediquei a reler o texto, pois já o havia lido em outras plataformas.
      O “estudante da Bíblia” está utilizando da falácia do espantalho nos dois pontos por ele colocados.

      1 – o fato dos judeus estarem com sua marcação no ano 5780 não tem relação com a marcação de Ellen White pelo motivo de que ela não se utilizou da cronologia judaica, mas sim provavelmente da cronologia Ussher, que marcou a data do nascimento de Cristo em 4000 anos depois da criação do mundo, conforme escrito no livro Annals of the World.
      A ideia da Terra Jovem era muito difundida no protestantismo fundamentalista americano, de onde surgiu não somente Ellen White, mas todo o adventismo.

      2 – a segunda falácia do “estudante da Bíblia” é dizer que Ellen White nunca falou que não passaria do ano 2000.
      Colocou o espantalho na mesa ao relacionar as besteiras de Ellen White com o famoso dito ” de mil passará, nas de dois mil não passará”.

      O texto divulgado não faz nenhuma relação com este dito popular. O texto mostra citações de Ellen White dizendo isso.

      Se é um estudante e não sabe interpretar um texto, então é um estudante muito mal qualificado.
      Deveria saber o que é “afirmação indireta ou implícita”.

      Ou então está subjugado pelo que o próprio texto diz: “o carro é verde, nas que dizer de qualquer maneira que é azul”.

      Ellen White implicitamente diz que não passaria do ano dois mil, mais precisamente, não passaria de 1996.

      Se utilizando provavelmente da cronologia Ussher ela diz que o nascimento de Cristo se deu com 4 mil anos de pecado. Está escrito na famosa xerox “o Desejado de todas as nações”.

      Do nascimento de Jesus até 2020 temos 2024 anos.

      4000 anos que EGW definiu de pecado a.C + 2024 anos depois de Cristo = 6024 anos

      E ela diz que o pecado duraria 6 mil anos. Está escrito em outra famosa xerox, “o Grande Conflito”.

      6024 – 6000 = 24 anos de atraso de Cristo, segundo a profecia de Ellen White.

      A não ser que Ellen White e os seus seguidores acreditem que o pecado será extirpado sem uma ação de Cristo Jesus.

      Além de não saber interpretar textos, o estudante está com dificuldade de fazer aritmética.

      1. “Não foi assim quanto a Jesus, quando penetrou no deserto para confrontar-Se com Satanás. Por quatro mil anos a raça estivera a decrescer em forças físicas, vigor mental e moral; e Cristo tomou sobre Si as fraquezas da humanidade degenerada. Unicamente assim podia salvar o homem das profundezas de sua degradação.” O Desejado de todas as Nações, capítulo “A Tentação”. o período de quatro mil anos de pecado deve ser contato a partir da queda, que não sabemos quando foi. E se completa por ocasião do momento da tentação no deserto. É por isso que Walter Veith e outros imaginam sua conclusão por ocasião do ano 2027 aproximadamente.

      2. Sr. Jonny, deixando EGW de lado, gostaria de ter suas considerações sobre o entendimento da profecia de Daniel 8:14, conforme apresentei, onde o início e o fim do processo celestial da “purificação” tem os seus marcos estabelecidos iniciando pelo “sacrifício” e terminando pela saída do Sumo Sacerdote Celestial, que encerrará o processo impondo as mãos sobre a cabeça do “bode emissário”, transferindo-lhe todos os pecados, e assim tendo o início do tempo descrito em Apocalípse 20.

  4. Essa tese dos 6.000 anos de história de pecado na Terra, pode ser considerada sem o uso dos escritos de EGW.
    Por exemplo, embora possa haver, e certamente há alguma imprecisão no calendário hebraico, hoje, estamos em 5780. – https://pt.chabad.org/calendar/view/month.htm
    Para os que mais gostam de profecia, há uma muito importante, e, que William Müller a estudou mas errou em alguns aspectos como por exemplo o mais importante, a data inicial para o entendimento de Daniel 8:14.
    Há outros estudiosos de profecias que consideram o tempo dessa profecia como sendo literal e que isso teria ocorrido lá no passado, quando o profeta Daniel aponta para o tempo do fim.
    Para se entender Daniel 8:14, é necessário entender o que acontecia no Santuário Terrestre e sua purificação.
    Todo o processo ritual do Santuário Terrestre era símbolo do processo real da purificação do pecado.
    Esse processo começava com a morte do “bode expiatório” e terminava com o Sumo Sacerdote saindo e impondo as mãos sobre a cabeça do “bode emissário”, transferindo os pecados de todo o povo para esse que era levado para o deserto.
    Aqui estão os marcos do processo real da verdadeira “purificação”, e não a data que se refere a outra profecia que não a do Yom Kippur, embora dentro dessa outra profecia esteja também contida a data do sacrifício, que na verdade é o início da contagem do tempo em Daniel 8:14.
    Isso nos levaria então ao ano 2331 do Calendário Gregoriano ???!!!
    Convém lembrar que, a profecia de Daniel 8:14 não declara que a “Purificação do Santuário” será exatamente 2300, nem depois de 2300, mas até 2300.
    Esse “até 2300” significa “antes de 2300”, não depois de, nem exatamente nesse tempo, mas, antes desse tempo.
    Agora, a grande pergunta: Quanto tempo antes de 2300???!!! – Não há essa resposta!
    Mas, se considerarmos o papel que o povo hebreu representou, representa, e representará nas profecias, e considerando também os cuidados que esse povo tem para com a relação com Deus, e bem por isso, foi por Ele escolhido, desconsideradas as exceções que podem ser muitas, ele são muito ciosos, inclusive com datas e bem por isso devemos considerar o tempo por eles contado em seu calendário.
    Dai, teremos algo antes de 2300, mas talvez muito próximo de uns duzentos anos para chegarmos ao ano dos 6.000 da história do pecado e portanto o seu fim.

    1. Ao postar o comentário às 16:09 de 30/05, não apareceu como tendo sido postado, então deduzindo que fora por falta de espaço, fiz um corte da parte ref. aos comentários de EGW de forma que coubesse no espaço de comentário, por isso aparecem os dois comentários, bem como o outro comentário de reclamação pela não publicação, que entendo seria desnecessário quando o Editor resolveu publicar, bem como e comentário sem a indicação dos escritos de EGW.

  5. A questão de EGW é algo a se pensar, pois uma vez que ela não está mais aqui para lhe perguntar, então ficam muitas dúvidas.
    Agora veja: –
    … Cristo Se achava no ponto de transição entre dois sistemas e suas duas grandes festas. Ele, o imaculado Cordeiro de Deus, estava para Se apresentar como oferta pelo pecado, e queria assim levar a termo o sistema de símbolos e cerimônias que por QUATRO MIL ANOS apontara à Sua morte. O Desejado de Todas as Nações, pg 652 – http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/4/652/3/1/quatro-mil-anos#652
    … Na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares.” No ano 31 de nossa era, três anos e meio depois de Seu batismo, nosso Senhor foi crucificado. Com o grande sacrifício oferecido sobre o Calvário, terminou aquele sistema cerimonial de ofertas, que durante QUATRO MIL ANOS haviam apontado para o Cordeiro de Deus. O tipo alcançou o antítipo, e todos os sacrifícios e ofertas daquele sistema cerimonial deveriam cessar.
    O Grande Conflito, pgs. 327/328 – http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/1/328/1/1/quatro-mil-anos#328
    Quanto ao livro DTN, conforme pesquisas que comprovam, houve aproximadamente um terço desses escritos, copiados de outros autores, sem que tenha sido indicado quem escreveu, quando e sob que título, portanto paira a suspeição sobre a autoria.
    Com referência à outra obra, O Grande Conflito, há defensores que identificam com mais precisão, ou seja que os 4.000 anos de pecado se completaram na morte de Jesus, e assim estariam faltando 11 anos para se completar os 6.000 anos.
    Essa tese dos 6.000 anos de história de pecado na Terra, pode ser considerada sem o uso dos escritos de EGW.
    Por exemplo, embora possa haver, e certamente há alguma imprecisão no calendário hebraico, hoje, estamos em 5780. – https://pt.chabad.org/calendar/view/month.htm
    Para os que mais gostam de profecia, há uma muito importante, e, que William Müller a estudou mas errou em alguns aspectos como por exemplo o mais importante, a data inicial para o entendimento de Daniel 8:14.
    Há outros estudiosos de profecias que consideram o tempo dessa profecia como sendo literal e que isso teria ocorrido lá no passado, quando o profeta Daniel aponta para o tempo do fim.
    Para se entender Daniel 8:14, é necessário entender o que acontecia no Santuário Terrestre e sua purificação.
    Todo o processo ritual do Santuário Terrestre era símbolo do processo real da purificação do pecado.
    Esse processo começava com a morte do “bode expiatório” e terminava com o Sumo Sacerdote saindo e impondo as mãos sobre a cabeça do “bode emissário”, transferindo os pecados de todo o povo para esse que era levado para o deserto.
    Aqui estão os marcos do processo real da verdadeira “purificação”, e não a data que se refere a outra profecia que não a do Yom Kippur, embora dentro dessa outra profecia esteja também contida a data do sacrifício, que na verdade é o início da contagem do tempo em Daniel 8:14.
    Isso nos levaria então ao ano 2331 do Calendário Gregoriano ???!!!
    Convém lembrar que, a profecia de Daniel 8:14 não declara que a “Purificação do Santuário” será exatamente 2300, nem depois de 2300, mas até 2300.
    Esse “até 2300” significa “antes de 2300”, não depois de, nem exatamente nesse tempo, mas, antes desse tempo.
    Agora, a grande pergunta: Quanto tempo antes de 2300???!!! – Não há essa resposta!
    Mas, se considerarmos o papel que o povo hebreu representou, representa, e representará nas profecias, e considerando também os cuidados que esse povo tem para com a relação com Deus, e bem por isso, foi por Ele escolhido, desconsideradas as exceções que podem ser muitas, ele são muito ciosos, inclusive com datas e bem por isso devemos considerar o tempo por eles contado em seu calendário.
    Dai, teremos algo antes de 2300, mas talvez muito próximo de uns duzentos anos para chegarmos ao ano dos 6.000 da história do pecado e portanto o seu fim.

Deixe uma resposta para Observador Atento Cancelar resposta