Católicos e protestantes pedem ao Papa Francisco que cancele a excomunhão de Martinho Lutero

5 de junho de 2020

por Andy Roman

Acadêmicos católicos e protestantes publicaram um documento instando o Vaticano a suspender a excomunhão de Martinho Lutero e a Federação Mundial Luterana a revogar a condenação de Lutero ao papa como “Anticristo”. [1] O papa Leão X excomungou Lutero em 1521, e Lutero proclamou que o papa era o anticristo no mesmo ano. Este novo documento ecumênico eliminaria os “amortecedores” que impedem protestantes e católicos de se reconhecerem mutuamente como igrejas.

Este é o resultado frutífero de 60 anos de ecumenismo. É aí que o relacionamento inter-religioso finalmente leva. Por que não podemos ver isso? O Vaticano II abriu oficialmente o diálogo ecumênico entre protestantes e católicos em 1962. Agora, os agentes ecumênicos de Roma querem que os protestantes removam o título de “Anticristo” do papado e os protestantes comprometidos querem que Roma reponha Martinho Lutero como “católico” em boa posição. Estamos vendo a recatolicização do protestantismo graças ao ecumenismo.

“Aqui a grande crise está chegando ao mundo. As Escrituras ensinam que o papai deve recuperar sua supremacia perdida e que os fogos da perseguição serão reacendidos ao longo do tempo servindo concessões ao chamado mundo protestante . Neste tempo de perigo, podemos permanecer apenas quando temos a verdade e o poder de Deus ”(1888 Materials, p. 901).

Não cometa erros; este documento não é para Martinho Lutero. Ele está morto há quase 500 anos. Este novo gesto ecumênico da parte dos protestantes e católicos modernos é para esta geração. Ele foi projetado para mudar nossos sentimentos em relação a Roma. O documento também pede que protestantes e católicos peçam desculpas pelas hostilidades mútuas ao longo da história.

O termo “anticristo” é uma caracterização bíblica. Deus colocou essa palavra na Bíblia para ser aplicada. “Anticristo” é apenas outro termo usado para descrever os inúteis “filhos de Belial” (1 Samuel 2:12) que estavam profanando o templo de Deus. É semelhante aos “falsos apóstolos” (2 Coríntios 11:13) que estavam enganando a igreja de Deus. O anticristo é outro título para o “homem do pecado”, que se senta em um templo pensando que ele é Deus (2 Tessalonicenses 2: 3, 4). O anticristo também descreve o mesmo poder de “animal” que reviverá a perseguição nos últimos dias (Apocalipse 13:15).

Da mesma forma, à medida que Martinho Lutero cresceu em sua compreensão e apreciação do Evangelho e das Escrituras, ele também cresceu em seu reconhecimento de que o Papado era o Anticristo. Isso estava ficando mais claro para ele à medida que aumentava a compreensão da verdade. Lutero se opôs às alegações arrogantes de infalibilidade papal, um ensinamento em que o papa presume ter maior autoridade do que a Bíblia em questões religiosas. Para Lutero, tudo estava sob o julgamento das Escrituras, e ele usava as escrituras para julgar a igreja, os ensinamentos da igreja e até o papa.

A batalha de Lutero foi com a “ex cathedra” ou o assento / cadeira do papado, que afirma que as proclamações papais “ex cathedra” são preservadas pelo Espírito Santo de qualquer possibilidade de erro. E resistir a qualquer proclamação papal é resistir ao Espírito Santo. Lutero respondeu com sua própria proclamação: “Spiritus Antichristi est Papa” ou “o espírito do papado é o anticristo”. O espírito implícito por Lutero era o espírito de arrogância que ele acreditava estar usurpando o Espírito de Cristo dentro da igreja. A batalha de Lutero não foi tanto com os membros comuns da igreja. Ele não era anti-católico. Ele era antipapal. Ele rejeitou as reivindicações do papado e sua autoridade.

O ponto de vista de Lutero era controverso? Sim. Quem ousaria fazer essas declarações hoje, publicamente, de que o papa é o anticristo? Quase todas as igrejas protestantes hoje rejeitaram a visão clássica e protestante do anticristo. Os protestantes que rejeitam essa visão histórica do Anticristo estão minando um dos fundamentos históricos do protestantismo. A Reforma não teria acontecido sem a crença de que o Papa era e é o Anticristo. 

Se o Papa não é o anticristo, por que deixar a comunidade da Igreja Católica Romana? Que direito temos de nos separar, se as razões para ser protestante não existem mais? Por que os protestantes “saíram”? Nós possuímos nossa própria existência à convicção de Lutero de que o papa é o anticristo. Tudo isso está mudando hoje.

O que deveria nos interessar não é se essa mensagem é considerada amorosa ou não. Nossa única preocupação com as posições de Lutero no Anticristo ou em qualquer outro ensino protestante é esta: elas são verdadeiras? E esses ensinamentos podem ser sustentados pelas Escrituras? Martinho Lutero abraçaria o papado moderno com sua promoção não-bíblica do panteísmo e da adoração à Mãe Terra? Lutero abraçaria a deificação da natureza de Roma e igualaria Deus como igual à Sua criação? [2]

Martin Luther apoiaria a veneração do Papa Francisco pelo irmão Sol, irmão Vento, irmão Fogo, irmã Lua, irmã Água e Mãe Terra? [3] Claro que não. Este não é o evangelho. Roma é o mesmo poder que afirma que eles têm autoridade para mudar a lei moral de 10 Mandamentos de Deus. Este é o mesmo poder que afirma infalibilidade. Este é o mesmo poder que afirma perdoar pecados. Ensina as pessoas a orar aos mortos e a se curvar diante de ídolos que não podem ouvir ou ver. E que doutrinas mudaram em Roma desde os primeiros dias em que ela começou a incorporar todos os costumes pagãos à igreja? Nenhum; nem mesmo um!

Milhões de cristãos sinceros deram a vida pela fé protestante durante a Inquisição Católica Romana por se recusarem a comprometer a palavra de Deus. Devemos imaginar que eles morreram em vão? Absolutamente não. Podemos dar ao luxo de trair aqueles que deram suas vidas por nossa fé histórica? Podemos nos permitir trair o Deus cuja mão estava guiando a Reforma? É melhor não.

“O protestantismo estenderá a mão pelo golfo para agarrar a mão do poder romano … e fará provisões para a propagação de falsidades e ilusões papais, para que possamos saber que chegou a hora da maravilhosa obra de Satanás e que o fim está próximo ”(Últimos eventos do dia, p. 131).

Referências:

[1] https://www.churchmilitant.com/news/article/catholic-ecummenists-want-martin-luther-exonerated

[2] http://adventmessenger.org/pope-francis-pantheistic-exhortation-jesus-is-in-the-river-the-trees-the-fish-and-the-wind/

[3] http://adventmessenger.org/the-vatican-praises-its-interconnection-with-buddhists-as-a-source-of-blessing-for-the-planet/

Deixe uma resposta