ANTICRISTO CHINÊS: Todo o poder do dragão demoníaco que uniu a tecnologia à tirania e nos mantém presos em casa

Você ficou (ou está) ainda em quarentena pela decisão DESTE homem, Xi Jinping, o Anticristo chinês. Assista ao vídeo acima para conhecer sua história. Depois, compare-a com a de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O presidente chinês Xi Jinping e sua esposa Peng Liyuan convidaram o presidente dos EUA Donald Trump e sua esposa Melania Trump para o Palace Museum, também conhecida como Cidade Proibida, depois que o presidente dos EUA iniciou sua visita de estado à China na quarta-feira à tarde. Durante o passeio, Xi informou o casal visitante sobre a história, arquitetura e cultura do museu, observando sua importância para a história e a cultura chinesas. Xi disse que “a civilização chinesa é uma cultura única e duradoura no mundo, transmitida por gerações de forma consistente”. Xi acrescentou: “Nós nos chamamos descendentes do dragão”.

Enquanto o mundo luta contra os Coronavírus e as economias se preparam para serem destruídas por muitos anos, na China o auto-proclamado “Presidente da Vida” Xi Jinping continua sua incansável perseguição aos cristãos, em níveis nunca vistos desde os dias demoníacos do Revolução Cultural nas décadas de 1960 e 1970.

Algumas semanas atrás (em 3 de maio), o vídeo acima começou a circular pelas redes sociais. São imagens de uma reunião típica de uma igreja doméstica na cidade de Xiamen (província de Fujian). Seis irmãos que foram identificados como líderes foram levados e não mais foram ouvidos desde então. Por favor, assista ao pequeno vídeo e ore não apenas por esses irmãos e irmãs, mas também pelas dezenas de milhões de crentes em toda a China que atualmente estão enfrentando provações semelhantes. Fonte: https://asiaharvest.org/the-red-dragon-rages-in-china-video/

A ordem na China é adorar a Xi Jinping, não a Jesus Cristo

Uma comunidade rural do sul da China está obrigando os cristãos da região a retirar das suas casas os retratos de Jesus Cristo, cruzes e outros símbolos religiosos para substituí-los por quadros com a imagem do presidente Xi Jinping. Milhares de fieis da comarca de Yugan, parte da província de Jiangxi, seguiram a ordem das autoridades locais, que fizeram ameaças de cortar os benefícios econômicos destinados aos mais pobres, informou nesta terça-feira o jornal South China Morning Post.

“Muitos camponeses são ignorantes, acreditam que Deus é seu salvador, mas depois do trabalho dos líderes se darão conta dos seus erros e verão que já não devem depender de Jesus, mas sim do Partido Comunista para a ajuda”, destacou o presidente de uma das assembleias locais, Qi Yan, em entrevista à publicação. De acordo com o oficial, mais de 1.000 retratos do presidente chinês foram distribuídos pela região, que concentra cerca de 6.000 cristãos.

Pouco mais de 10% da população de Yugan é composta de cristãos. Uma proporção similar da cidade, que conta com mais de um milhão de habitantes, vive abaixo da linha da pobreza, apontam os dados oficiais. Yan alega que o moradores não são obrigados a excluir todos os ícones religiosos de casa. “Apenas pedimos a eles para que removam a imagem do centro de seus lares”, justificou o oficial, que adicionou que “eles ainda podem exibir os símbolos em outros quartos, mas o que requisitamos é que não se esqueçam de demonstrar em suas salas principais a gentileza do Partido”.

O foco das autoridades, segundo Yan explicou ao South China Morning Post, é esclarecer as medidas tomadas pelo Partido Comunista para o progresso e ensinar “o quão preocupado Jinping está com o bem-estar da população”. “Muitas famílias mergulharam na pobreza devido a doenças na família. Alguns recorreram a acreditar em Jesus para encontrar a cura”, disse o oficial, para então concluir: “Tentamos dizer que a doença é algo físico, e quem realmente pode ajudá-los é o Partido Comunista e o secretário-geral Xi”.

Estima-se que a comunidade cristã na China seja maior que o número de filiados do Partido Comunista, que conta com 90 milhões de membros em suas fileiras. Durante o regime de Xi Jinping, líder alçado à posição de governante chinês mais poderoso em 40 anos no último congresso da sigla, houve um aumento da repressão do governo, fundamentado no ateísmo, contra crenças religiosas. Fonte:  https://veja.abril.com.br/mundo/chineses-sao-obrigados-a-trocar-imagens-de-cristo-por-xi-jinping/

Enquanto isso no Brasil, cresce a admiração pela China e Xijinping…

 

Deixe uma resposta