“Seu deus é Xi Jinping”: uigures são ridicularizados e torturados nos campos de concentração chineses por sua fé

Uigures detidos ouvindo uma apresentação de “desradicalização” em um campo de reeducação, em uma foto postada na conta WeChat da Administração Judicial de Xinjiang, Prefeitura de Hotan, Xinjiang, 2017

Por Jeffrey Cimmino

Apesar das repetidas alegações das autoridades chinesas de que os campos de internação cheios principalmente de uigures étnicos são centros de educação profissional, os muçulmanos uigures que sobreviveram aos campos dizem que os presos foram espancados e mortos.

Desde abril de 2017, até 2 milhões de membros do grupo étnico uigure minoritário predominantemente muçulmano da China estão presos em campos na província de Xinjiang, no noroeste da China. As autoridades chinesas argumentaram que os campos são necessários para desradicalizar os extremistas e os compararam às medidas de contraterrorismo adotadas pelos Estados Unidos. Mas dois sobreviventes, que foram apresentados ao Washington Examiner por grupos de direitos humanos, disseram que foram presos sem motivo óbvio e torturados.

Zumrat Dawut, 37, foi uma desses sobreviventes. A polícia interrogou Dawut em março de 2018 em uma sala escura e subterrânea, perguntando por que os registros mostravam que ela tinha contato com números de telefone estrangeiros. Depois de explicar que seu marido, que é paquistanês, administrava um negócio de importação e exportação com clientes estrangeiros, a polícia a questionou sobre sua fé.

Dawut disse ao Washington Examiner que a polícia queria saber se ela ensinava o Alcorão, o texto sagrado do Islã ou a oração em sua casa. Eles então perguntaram se ela rezava na mesquita próxima, embora soubessem a resposta porque qualquer pessoa que estivesse na mesquita precisava escanear seu cartão de identificação. Assustada com a situação, Dawut negou ter ido à mesquita, levando a polícia a prendê-la como mentirosa e levá-la para um campo.

No campo, Dawut foi forçada a vestir um uniforme de prisão na frente de dois homens antes de ser levada para uma sala com quase 40 detidos. Ela disse que a maioria das pessoas foi detida porque foram encontradas com conteúdo religioso ou tiveram contato com pessoas de outros países. Uma mulher que deu à luz recentemente foi levada para o campo porque sua sogra e sogro foram à Arábia Saudita para uma peregrinação.

Dawut encontrou uma mulher que era diabética e não podia receber insulina no campo. Vendo sua dor, Dawut compartilhou um pouco do pão fornecido a ela. Os guardas então espancaram Dawut com cassetetes de borracha, levando-a a clamar a Allah, ou Deus, por ajuda.

“Chame seu Deus novamente, deixe-o salvá-lo da minha mão”, os guardas disseram a ela repetidamente.

Dawut viu outras pessoas sendo abusadas pelos guardas e disse que uma mulher falou que seus guardas a espancaram enquanto estava nua, porque ela tinha dificuldade para aprender chinês.

Além de aprender chinês, os presos receberam material didático que dizia que o Islã não era uma religião na China, mas considerada um veneno pelo Estado. Durante as aulas, os detidos eram algemados e tinham as pernas presas.

Dawut acrescentou que a higiene nos campos era ruim, e ela nunca tomou banho durante seus dois meses no campo. Todos os dias, os prisioneiros eram forçados a engolir uma pílula, o que Dawut disse que diminuía seus sentimentos de preocupação ou desejo de se reunir com seus entes queridos. Antes das refeições, agradeciam ao presidente chinês Xi Jinping.

Horrores semelhantes foram relatados por Mihrigul Tursun, 29 anos, que passou quase um ano detida. Depois de dar à luz a trigêmeos no Egito em 2015, Tursun voltou para a China, onde foi questionada pelas autoridades sobre por que ela deixou a China. Ela foi separada de seus recém-nascidos e levada sob custódia.

Quando Tursun foi trazida temporariamente para seus filhos, alguns meses depois, ela encontrou seu filho mais velho com problemas de saúde por razões pouco claras, e ele morreu logo depois que eles se reuniram. Ela também notou cicatrizes no pescoço de seus outros dois filhos, onde os médicos misteriosamente decidiram operá-los. Em 2017, ela foi detida novamente e torturada.

Tursun disse ao Washington Examiner que sofreu vários dias de espancamentos e eletrocussão. Seus torturadores zombaram dela quando ela clamou a Allah.

“Então eles me perguntam: Onde está o seu Deus? Você diz Deus, onde está o seu Deus? Diga a ele, se ele é mais forte que eu, para ajudá-lo”, disse Tursun.

“Seu deus é Xi Jinping”, disseram os guardas.

Depois de passar mais tempo detida, a saúde de Tursun se deteriorou e ela acordou um dia em um hospital psiquiátrico. Seu pai cuidou dela em casa antes que ela fosse novamente detida no início de 2018.

Tursun passou meses sem tomar banho ou lavar o rosto. Ela também testemunhou nove mulheres morrerem e observou que outras foram levadas para interrogatório e não retornaram.

Estados Unidos pressionam a China

A situação em Xinjiang tem recebido uma atenção crescente dos EUA, incluindo o secretário de Estado Mike Pompeo, que acusou a China de tentar “apagar seus próprios cidadãos”. Um representante do Ministério das Relações Exteriores da China rotulou os comentários de Pompeo de “pura calúnia em total desrespeito aos fatos”.

Durante a reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas no mês passado, os EUA organizaram um evento sobre a situação na província de Xinjiang, enfurecendo as autoridades chinesas. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse que os EUA “repetidamente caluniaram e difamaram a política da China em relação a Xinjiang” e consideraram o evento da ONU um “erro”.

No início desta semana, o governo Trump adicionou quase 30 organizações chinesas envolvidas na prisão de uigures a uma lista negra que os impede de comprar produtos americanos. As organizações incluem empresas especializadas em vigilância por vídeo e inteligência artificial.

As autoridades chinesas empregaram tecnologia para estabelecer um estado policial em Xinjiang, usando a tecnologia de reconhecimento facial para vigiar os uigures. Pesquisadores chineses também estão tentando criar um banco de dados de DNA de cidadãos chineses, e os residentes de Xinjiang, de 12 a 65 anos, devem coletar amostras de sangue, imagens de íris, gravações de voz e impressões digitais. As empresas de tecnologia chinesas também estão trabalhando em algoritmos para rastrear comportamentos suspeitos entre minorias étnicas e religiosas.

A repressão levou a região de Xinjiang a ser comparada a “algo que se assemelha a um enorme campo de concentração”. Em novembro de 2018, a BBC descobriu que 44 edifícios de alta segurança haviam sido construídos na província nos últimos anos. A China também está afastando crianças muçulmanas de suas famílias e enviando-as para internatos para separá-las de suas raízes.

Além das restrições às organizações chinesas, o governo Trump na terça-feira impôs restrições de visto a funcionários do governo chinês que se acredita serem responsáveis ​​pela perseguição de uigures em Xinjiang.

“Os Estados Unidos exortam a República Popular da China a encerrar imediatamente sua campanha de repressão em Xinjiang, a libertar todos os detidos arbitrariamente e a interromper os esforços para coagir os membros de minorias muçulmanas chinesas residentes no exterior a voltar à China para enfrentar um destino incerto, ”Disse Pompeo na terça-feira.

O Washington Examiner pediu ao Departamento de Estado comentários sobre a situação em Xinjiang e se pretende colocar pressão adicional sobre a China, mas não recebeu resposta.

FONTE: The Washington Examiner https://www.forte.jor.br/2019/10/14/seu-deus-e-xi-jinping-uigures-sao-ridicularizados-e-torturados-nos-campos-de-internacao-chineses-por-sua-fe/

Cristãos chineses são obrigados a substituir quadros de Cristo pelos de Xi

14/11/2017 – UOL Notícias

Pequim, 14 nov (EFE).- As autoridades de uma comunidade do sul da China com uma considerável presença de cristãos estão obrigando os fiéis da região a retirar das suas casas os retratos de Jesus Cristo, cruzes e outros símbolos religiosos para substituí-los por quadros com a imagem do presidente Xi Jinping.

Segundo informa nesta terça-feira o jornal “South China Morning Post”, milhares de cristãos da comarca de Yugan, situada na província de Jiangxi, cederam a estas pressões, alguns sob a ameaça de deixar de receber ajudas econômicas para atenuar sua pobreza.

Dados extraoficiais indicam que 10% da população em Yugan vive abaixo da linha de pobreza (com receitas inferiores a US$ 1 por dia), porcentagem que coincide com a de cristãos na região, segundo o jornal.

As autoridades locais lançaram uma campanha para “transformar crentes na religião em crentes no Partido” que inclui a entrega de centenas de retratos do presidente Xi e visitas de líderes a comunidades pobres cristãs para convencer-lhes a mudar seus ícones domésticos.

“Muitos camponeses são ignorantes, acreditam que deus é seu salvador, mas depois do trabalho dos líderes se darão conta dos seus erros e verão que já não devem apoiar-se em Jesus, mas no Partido Comunista”, destacou o presidente de uma das assembleias locais, Qi Yan, citado pelo “South China Morning Post”.

O aumento da concentração de poder nas mãos de um só líder, Xi Jinping, um processo que não ocorria na China desde a morte de Mao Tsé-Tung há 41 anos, vai acompanhado de casos de culto à personalidade do atual presidente que lembram os que houve em torno do Grande Timoneiro durante a Revolução Cultural (1966-76).

Foi precisamente a partir do fim desse movimento que distintos ramos do cristianismo foram entrando em comunidades rurais e urbanas de algumas partes da China, formando uma comunidade religiosa crescente que, segundo algumas estimativas, já supera os 90 milhões de membros do Partido Comunista.

Durante o governo de Xi houve um aumento das pressões do regime contra as crenças religiosas, como a retirada em massa de símbolos cristãos no leste do país ou várias medidas de limitação da fé islâmica no noroeste, sob a justificativa da luta contra o jihadismo.

Fonte: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2017/11/14/cristaos-chineses-sao-obrigados-a-substituir-quadros-de-cristo-pelos-de-xi.htm

Deixe uma resposta