Profecia de ataque nuclear contra os EUA em 18 de julho se baseia em visão de Ellen G. White

“Enquanto eu estava em Nashville, uma cena foi aberta diante de mim. Uma grande bola de fogo parecia cair do céu, e dela saíam flashes de luz. Quando esses flashes atingiam um prédio, o prédio queimava como pavio. E então ouvi alguém dizer: “Eu sabia que isso estava por vir. Estes são os julgamentos de Deus que eu sabia que estavam por vir”. ‘Você sabia!’ disse outro. Você era meu vizinho. Por que não me disse que essas coisas estavam chegando? Por que não avisou os outros? ‘”Manuscrito 154, 1904.

O jornal Tennessean iinforma que iniciou uma investigação depois de imprimir um anúncio de página inteira ‘horrível’, que afirma que haverá um ‘ataque nuclear do Islã detonado em Nashville em 18 de julho’

  • O anúncio pago que apareceu nas edições de domingo do The Tennessean do grupo Future For America afirma que Donald Trump ‘é o presidente final dos EUA’
  • Começa alegando que um dispositivo nuclear seria detonado em Nashville e que o ataque seria realizado por interesses inespecíficos do ‘Islã’
  • Em uma matéria em seu site na tarde de domingo, o Tennessean disse que o anúncio violava os padrões estabelecidos há muito tempo do jornal que proíbem o discurso de ódio.
  • O porta-voz do Conselho de Relações Islâmico-Americanas, Ibrahim Hooper, disse em comunicado no domingo que o grupo acredita que o anúncio é “islamofóbico”.
  • Não se sabia imediatamente quanto a Future for America pagou pelos anúncios

O jornal Tennessean, em Nashville, está investigando como chegou a imprimir um anúncio de página inteira no domingo por um grupo marginal de profecia bíblica que afirmava que o ‘Islã’ deve detonar uma bomba nuclear na cidade.

O anúncio, que apresentava fotos de Donald Trump, Papa Francisco e bandeiras acesas nos EUA, foi creditado ao Ministério do Futuro da América – um grupo que afirma que sua missão é ‘proclamar a mensagem final de aviso’ da Bíblia.

Intitulada ‘Caro Cidadão de Nashville’, a longa ‘profecia’ apresenta vários parágrafos da retórica anti-muçulmana, alegando que a Bíblia prevê que o papel do Islã é reunir ‘todos os homens do planeta Terra para combatê-los’.

Ele também afirmou que Trump seria o ‘último presidente dos EUA’, alertou que haveria ‘outra guerra civil’ e disse que ‘o Islã vai detonar um dispositivo nuclear’ em Nashville em 18 de julho.

O texto prolixo bizarro também mencionou o presidente russo Vladimir Putin, o Partido Democrata e os ataques de 11 de setembro de 2001 aos prédios do World Trade Center. …

Fonte: https://www.dailymail.co.uk/news/article-8447131/The-Tennessean-newspaper-launches-investigation-printing-ad-says-Islam-bomb-Nashville.html

Jeff Pippenger, que se identifica como o orador do Ministério do Futuro para a América, pagou 14 mil pelo anúncio. 

Segundo o site Fulcrum 7, há muito tempo, o irmão Pippenger desenvolveu uma idéia defeituosa de como a história se repete. Na sua opinião, vários movimentos na história são paralelos entre si em detalhes inacreditáveis, como o que só poderia ocorrer se Deus interferisse para que isso acontecesse. E agora esses paralelos o convenceram de que Trump será o último presidente e, como mencionado acima, que Nashville tem menos de um mês antes do desastre.

No domingo passado, o braço ministerial de Jeff Pippenger publicou um anúncio de página inteira de US $ 14.000 no maior jornal impresso do Tennessee. E nesse anúncio eles anunciaram que um dispositivo nuclear será detonado por islâmicos em Nashville daqui a menos de quatro semanas. Fonte: http://www.fulcrum7.com/blog/2020/6/23/evidence-that-god-is-active

Como muitos de nós sabemos, aqui está uma rápida recapitulação dos eventos recentes:

“Nashville está marcado como destruído por uma arma nuclear”, alertou um anúncio publicitário de página inteira publicado no Nashville Tennessean no último domingo, 21 de junho de 2020. O anúncio alegava que a destruição seria causada por “muçulmanos” detonando um dispositivo nuclear em 18 de julho de 2020. Como os patrocinadores do anúncio sabem disso? Surpreendentemente, eles alegaram que isso foi predito na “profecia bíblica” e pela profetisa “Ellen G. White”, cujos avisos estão sendo ignorados pela “Igreja Adventista do Sétimo Dia”.

Relações públicas bastante sombrias para o adventismo, você não acha?

O grupo patrocinador de anúncios se autodenomina “Futuro para a América” ​​e é liderado por Jeff Pippenger, que anteriormente foi excluído de uma Igreja Adventista do Sétimo Dia em Arkansas por suas visões radicais.

Em 22 de junho (um dia após o anúncio), a resposta foi rápida. Vários meios de comunicação acompanharam a história, incluindo o Serviço de Notícias sobre Religião. Felizmente, a maioria dos relatórios se concentrou no grupo “Futuro para a América”, sem mencionar os adventistas do sétimo dia. No Tennessee, o anúncio foi rapidamente rotulado como “discurso de ódio” e o infeliz funcionário da Tennessean que o aceitou para publicação perdeu o emprego.

O Serviço de Notícias Religiosas informou:

O professor de profecia bíblica Jeff Pippenger, do Future for America, disse ao Religion News Service em um e-mail que ele escreveu uma versão do anúncio e um amigo da Irlanda escreveu uma versão diferente do anúncio, que foi veiculada no início da semana.

Pippenger disse que o ministério pagou pelo anúncio, que ele disse ter sido inspirado pelo trabalho de Ellen White, uma das co-fundadoras da igreja adventista do sétimo dia.

Realmente?

O “trabalho de Ellen White” realmente inspirou as informações subjacentes refletidas neste anúncio?

Primeiro de tudo, há tantas declarações nos escritos da Sra. White que não apóiam esse tipo de evangelismo. Por exemplo, configuração de data. Observe com cuidado:

Sempre haverá movimentos falsos e fanáticos feitos por pessoas na igreja que afirmam ser guiadas por Deus – aqueles que correrão antes de serem enviados e darão dia e data para a ocorrência de profecias não cumpridas . O inimigo tem o prazer de fazê-lo, pois seus sucessivos fracassos e o acesso a linhas falsas causam confusão e descrença. Eventos dos Últimos Dias, p. 35 (grifo nosso) 

Espero sinceramente que os líderes de “Future for America” ​​leiam este artigo da Fulcrum 7 e Last Day Events , p. 35, e seguirá esse conselho inspirado na “obra de Ellen White”. Com base em suas declarações publicadas, ela nunca sancionaria a identificação de uma detonação em 18 de julho. Para obter mais informações sobre a definição de datas, incentivamos o leitor a ler meu artigo anterior do Fulcrum 7, “Um aviso à Igreja sobre a definição de datas e a reaplicação das profecias da hora”.

Em seguida, o anúncio “Futuro para a América” ​​se referia à “Igreja Adventista do Sétimo Dia atrasada”. Novamente, esse tipo de verborragia – especialmente quando usado publicamente – nunca seria aprovado por Ellen White. Nossa igreja é perfeita? Não. Alguns de seus membros são desviados? Sim. Mas quando você lê a Seção 1 de Testemunhos para Ministros , intitulada “A Igreja de Cristo”, sua alta consideração pela Igreja Adventista do Sétimo Dia organizada é clara – apesar de suas falhas. Em 1892, a EGW escreveu:

Caros irmãos da Associação Geral, testifico para meus irmãos e irmãs que a igreja de Cristo, por mais débil e defeituosa que seja, é o único objeto na terra em que Ele concede Sua suprema consideração. TM, p. 15

Em 1913, ela também escreveu:

Àqueles reunidos na Conferência Geral de Mil novecentos e Treze, meus queridos irmãos, é um privilégio de nossos homens representativos presentes na Associação Geral nutrir um espírito de esperança e coragem. TM, p. 513

Novamente:

Por anos presto testemunho de que, quando alguém se levanta afirmando ter grande luz, e ainda advogando a demolição daquilo que o Senhor através de Seus agentes humanos tem edificado, eles são grandemente enganados e não estão trabalhando juntos. as linhas em que Cristo está trabalhando. TM, p. 36 (grifo nosso).

Novamente, espero sinceramente que os líderes de “Future for America” ​​também comecem a seguir esse conselho.

Em seguida, bolas de fogo. Sim, é verdade que Ellen White teve dois sonhos proféticos em que viu enormes bolas de fogo atingindo cidades no final dos tempos. Seu primeiro sonho ocorreu na noite de sexta-feira, 1º de julho de 1904. O segundo, em 23 de agosto de 1906 ou aproximadamente. Ambos os sonhos a impressionaram profundamente. Ao todo, Ellen White fez 11 referências a esses dois sonhos. Sobre o primeiro sonho, ela refletiu:

O Senhor logo virá nas nuvens do céu com poder e com grande glória. Seus terríveis julgamentos estão prestes a cair sobre o nosso mundo. Estamos fazendo todo o possível para alertar os habitantes da Terra sobre essas coisas? Enquanto eu estava no sul [ela estava em Nashville, mas deixou de fora esse detalhe] há alguns meses, tive um sonho impressionante. Eu parecia ver uma grande bola de fogo vindo do céu e atingindo a terra. Grandes casas estavam em chamas, e muitas estavam olhando em grande angústia. Alguém disse: “Eu sabia que isso estava por vir. Eu sabia que os julgamentos de Deus logo cairiam. “Você sabia que essas coisas estavam chegando?” disse outro. “Por que você não nos contou? Por que você não nos avisou e nos mostrou as profecias, para que também pudéssemos saber? 158-1904 (10 de setembro de 1904), par. 30

Embora ela estivesse em Nashville na época deste primeiro sonho [em 1º de julho de 1904], essa lembrança em particular não mencionou Nashville especificamente, e a bola de fogo foi descrita como simplesmente atingindo “a terra”. Cinco meses após o primeiro sonho – depois de se referir a ele várias vezes – em 21 de janeiro de 1905, ela se referiu a ele novamente. Desta vez, foi durante um sermão que ela proferiu em uma manhã de sábado em Mountain View, Califórnia. Durante essa mensagem – pela primeira e única vez – ela mencionou um pouso de bola de fogo em “Nashville” especificamente:

Quando eu estava em Nashville, eu falava com as pessoas e, durante a noite, havia uma imensa bola de fogo que veio do céu e se estabeleceu em Nashville. Havia chamas saindo como flechas daquela bola; casas estavam sendo consumidas; casas estavam cambaleando e caindo. Algumas pessoas estavam lá. “É exatamente como esperávamos”, disseram eles, “esperávamos isso”. Outros torciam as mãos em agonia e clamavam a Deus por misericórdia. “Você sabia”, disseram eles, “você sabia que isso estava chegando e nunca disse uma palavra para nos avisar!” Pareciam quase rasgá-los em pedaços, pensar que nunca lhes haviam contado ou lhes dado qualquer aviso. Ms188-1905 (21 de janeiro de 1905) par. 13 (grifo nosso).

Como podemos ver, essa lembrança é semelhante à anterior. A parte, “estabelecida em Nashville”, juntamente com outros detalhes, despertou os adventistas por toda parte, incluindo aqueles de nós da White Horse Media. Significativamente, em uma conversa recente entre mim e um amigo do White Estate, aprendi algo novo, que foi o seguinte: nas 11 referências de Ellen White a esses dois sonhos, ela nunca escreveu especificamente : “estabeleceu-se em Nashville”, mas apenas falou essa parte em seu sermão de 21 de janeiro, conforme relatado por um estenógrafo. Ao refletir sobre isso, esses pontos me impressionaram:

1. O objetivo principal desses dois sonhos, e da comunicação de Ellen White deles, era impressionar os adventistas do sétimo dia com o trabalho que devemos fazer agora para alertar o mundo dos “julgamentos de Deus” que “cairão em breve”.

2. Esse aviso envolve nossa responsabilidade de comunicar “as profecias” da Bíblia com o mundo, antes que seja tarde demais.

3. O fato de Ellen White ter se referido a esses dois sonhos semelhantes 11 vezes, mas nunca realmente escreveu , “se estabeleceu em Nashville”, revela que ela mesma não achava que aquele detalhe específico de três palavras fosse muito importante. Tampouco tinha paixão em compartilhar essas três palavras com o mundo.

4. Para que os adventistas do sétimo dia cumpram nosso chamado para alertar cidades más dos julgamentos vindouros de Deus e da necessidade de abandoná-los, não dependemos dessas três palavras: “estabelecido em Nashville”. Em vez disso, nossas mensagens devem ser baseadas na própria Bíblia e “nas profecias”.

Na White Horse Media, acreditamos firmemente que esse aviso solene deve ser dado. Nosso popular livro de bolso, The Coming Judgments of God, baseado apenas na Bíblia , está disponível para ampla distribuição. Esse livreto é equilibrado, bíblico, centrado em Cristo e revela o profundo amor de Jesus Cristo por todos nós. De nota adicional, Ellen White também escreveu:

Não faz muitos anos, um irmão que trabalha na cidade de Nova York publicou alguns avisos muito surpreendentes sobre a destruição daquela cidade. Escrevi imediatamente para os responsáveis ​​pelo trabalho, dizendo que não era prudente publicar tais anúncios; para que assim desperte uma excitação que resultaria em um movimento fanático, prejudicando a causa de Deus. Basta apresentar a verdade da Palavra de Deus ao povo. Avisos surpreendentes são prejudiciais para o andamento do trabalho.

Como é que a palavra que declarei que Nova York deve ser varrida por um maremoto? Isso eu nunca disse. Eu disse, enquanto olhava para os grandes edifícios lá em cima, história após história [ver 9T, 11]: ‘Que cenas terríveis acontecerão quando o Senhor surgir para abalar terrivelmente a terra! … Mas eu não tenho luz em particular em relação ao que está vindo em Nova York, só que eu sei que um dia os grandes edifícios serão derrubados pela virada e derrubada do poder de Deus. Pela luz que me foi dada, sei que a destruição está no mundo. Uma palavra do Senhor, um toque de seu poderoso poder, e essas estruturas maciças cairão. Cenas ocorrerão cujo medo não podemos imaginar. Mas enviei advertências aos irmãos que trabalham em Nova York, dizendo que esses avisos terríveis e flamejantes não devem ser publicados. Quando meus irmãos vão ao extremo, isso reage a mim, e eu tenho que suportar a reprovação de ser chamado de falsa profetisa. RH, 5 de julho de 1906 (grifo nosso).

Com base nesse conselho, fica claro que devemos evitar divulgar ao mundo o que acontecerá com esse local ou com base em seus escritos. Mais uma vez, “esses avisos aterrorizantes e aterrorizantes não devem ser publicados”, pois são “extremos” e resultarão na sra. White sendo rapidamente rotulada como “falso profeta” – principalmente porque as pessoas não estão familiarizadas com seu ministério. Observe este aviso adicional sobre os perigos do fanatismo:

Em todas as épocas, Satanás procurou prejudicar os esforços dos servos de Deus, introduzindo na igreja um espírito de fanatismo. Assim, foi nos dias de Paulo, e assim foi nos séculos posteriores, durante o tempo da Reforma. Wycliffe, Luther, e muitos outros que abençoaram o mundo por sua influência e fé, encontraram os truques pelos quais o inimigo procura levar ao fanatismo mentes zelosas, desequilibradas e não santificadas. ” Atos dos Apóstolos, p. 348 (ênfase adicionada)

Na primavera de 1844, quando a última mensagem de Apocalipse 14: 6-12 estava crescendo:

Nessa época, o fanatismo começou a aparecer … O príncipe do mal estava perdendo seus súditos; e, a fim de reprovar a causa de Deus, ele tentou enganar alguns que professavam a fé e levá-los ao extremo. Então seus agentes estavam prontos para aproveitar cada erro … e colocá-lo diante do povo sob a luz mais exagerada, para tornar odiosos os adventistas e sua fé. Assim, quanto maior o número em que ele pudesse se reunir [extremistas] … maior vantagem ele obteria chamando a atenção para eles [extremistas] como representantes de todo o corpo de crentes. ” O Grande Conflito, p. 395 (grifo nosso).

Resumo

Na década de 1840, Satanás enganou alguns adventistas e os levou a extremos, que refletiram mal em “todo o corpo de crentes”. Caros amigos, o recente anúncio pago no Tennessean revela que o diabo está tramando seus velhos truques. Uma nova data foi definida (18 de julho), que chegará e sairá em breve. E mais uma vez, “os adventistas e sua fé” se tornaram erroneamente “odiosos” para alguns. O mensageiro de Deus também foi rotulado como “um falso profeta” – que é exatamente o que Lúcifer quer.

Vamos aprender nossas lições. Agora é a hora de compartilhar a advertência de Deus. Mas vamos fazê-lo com sensatez, a partir da Palavra de Deus.  [Texto de Steve Wohlberg, publicado na Fulcrum. Wohlberg é o Orador / Diretor da White Horse Media e o autor de muitos livros, incluindo o Último Aviso de Deus: As Mensagens dos Três Anjos.]

Leia abaixo uma tradução automática da interpretação do irmão Jeff Pippenger, que publicou o anúncio:

18 de julho de 2020 – Profecia de Nashville

Este site — MidnightCry.News é dedicado a identificar que haverá um ataque nuclear em Nashville, Tennessee, no dia 18 de Julho de 2020. Esta realidade é baseada em revelações proféticas da Bíblia. Estas revelações identificam que o Islã será o poder responsável pela realização do ataque.

Visão geral

Este site é dedicado a identificar que haverá um ataque nuclear em Nashville, Tennessee, no dia 18 de Julho de 2020. Esta realidade é baseada em revelações proféticas da Bíblia. Estas revelações identificam que o Islã será o poder responsável pela realização do ataque.

A mensagem de aviso que deriva da Bíblia é estabelecida nas regras de interpretação que são identificadas dentro da própria Bíblia. Por esta razão, algum tempo será gasto estabelecendo essas regras para que a autoridade por trás desta mensagem seja reconhecida como sendo totalmente derivada da Palavra de Deus e baseada nela.

Em conjunto com a identificação de certos princípios de interpretação bíblica, identificaremos os jogadores e sujeitos proféticos que estão envolvidos com o ataque em Nashville. Alguns dos assuntos serão ligados a apresentações mais detalhadas neste website. Esses temas e personagens incluem Donald Trump, o quadragésimo quinto e último presidente dos Estados Unidos da América; os EUA, representados na profecia bíblica; a Igreja Católica Romana; as Nações Unidas; a Rússia, incluindo o seu actual líder Vladimir Putin; a Igreja Adventista do Sétimo Dia; Ellen White e a história dos ataques nucleares contra o Japão em 1945.

Um dos princípios mais importantes dentro da Bíblia é o fato de que “é a voz de Cristo que fala através dos profetas e patriarcas, desde os dias de Adão até às cenas finais do tempo”. A Bíblia inteira é inspirada e representa a voz de Cristo. É por isso que ela é considerada a Palavra de Deus. O discípulo João disse-o desta forma:

No início era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. O mesmo foi no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele; e sem ele não foi feito nada do que foi feito. João 1:1-3.

Jesus é a Palavra de Deus e é a Sua voz que é representada na Bíblia. A Sua Palavra é inspirada e possui poder criativo. O apóstolo Paulo o disse desta maneira.

Toda Escritura é dada por inspiração de Deus, e é proveitosa para doutrina, para repreensão, para correção, para instrução em justiça. 2 Timóteo 3:16.

Quando o apóstolo Paulo escreveu essas palavras para Timóteo, as Escrituras disponíveis eram o que chamamos agora de Antigo Testamento, então esta passagem é um endosso, não simplesmente do Novo Testamento, mas também do Antigo Testamento. Este aviso a Nashville é, portanto, baseado em toda a Bíblia, pois tudo isso representa a voz de Cristo desde o tempo de Adão até o fim do mundo.

Paulo também identifica outro ponto importante relativo à autoridade e inspiração da Palavra de Deus. Depois de se referir à história de Moisés que ocorreu centenas de anos antes do dia de Paulo, ele afirma o seguinte sobre a história de Moisés.

Agora todas estas coisas lhes aconteceram como amostras; e elas estão escritas para a nossa admoestação, sobre as quais os confins do mundo estão chegando. 1 Coríntios 10:11.

Paulo está ensinando que “cada um dos antigos profetas falou menos para o seu próprio tempo do que para o nosso, de modo que a sua profecia está em vigor para nós”. O apóstolo Pedro enfatiza a mesma verdade quando ele diz:

Não para si mesmo, mas para nós eles ministraram as coisas que agora vos são relatadas por aqueles que vos pregaram o evangelho com o Espírito Santo enviado do céu; coisas que os anjos desejam ver. 1 Pedro 1:12.

A Bíblia é chamada a Palavra de Deus, porque é a voz de Cristo, e essa voz nunca muda.

Jesus Cristo o mesmo ontem, e hoje, e para sempre. Hebreus 13:8.

A Bíblia nunca muda; pois ela representa Jesus Cristo que é tanto o Filho do Homem quanto o Filho de Deus, uma combinação do Divino e do humano. Assim também, a Bíblia representa a Palavra divina de Deus, que foi escrita pelos seres humanos. A Bíblia é uma combinação do humano e do divino como é Jesus. A Bíblia é perfeita como é Jesus, e todo o testemunho da Bíblia fala com a voz de Cristo sobre o fim do mundo. Jesus sustenta este princípio quando Ele afirma:

E como foi nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do Homem. Comiam, bebiam, casavam, davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os destruiu a todos. Assim como nos dias de Ló; comeram, beberam, compraram, venderam, plantaram, construíram; mas no mesmo dia em que Ló saiu de Sodoma choveu fogo e enxofre do céu, e os destruiu a todos. Mesmo assim será no dia em que o Filho do Homem for revelado. Lucas 17:26-30.

Jesus aqui forneceu duas histórias para sustentar o princípio de que as histórias registradas na Bíblia são exemplos do fim do mundo. Ao fazer isso, Ele empregou um princípio bíblico que define como a verdade é estabelecida como verdade. É o seguinte: essa verdade requer pelo menos duas testemunhas para estabelecê-la como verdade na Palavra de Deus. Moisés expressou este princípio da seguinte forma:

E por isso o sonho foi duplicado ao Faraó duas vezes; é porque a coisa é estabelecida por Deus, e Deus em breve a realizará. Gênesis 41:32.

Quando algo é duplicado, como Jesus usando a história de Noé e Ló para identificar o fim do mundo, ele é estabelecido. Jesus o disse desta maneira.

Também está escrito na sua lei, que o testemunho de dois homens é verdadeiro. João 8:17.

Mas se ele não te ouvir, leva contigo mais uma ou duas, para que pela boca de duas ou três testemunhas cada palavra seja estabelecida. Mateus 18:16.

Em 18 de julho de 2020, Nashville será atingida por um ataque nuclear. Enquanto Noé tentava avisar o povo de seu tempo, e enquanto os anjos tentavam avisar Ló e a sua família, Deus está agora a tentar avisar aqueles que vivem na área de Nashville para partirem antes que este ataque ocorra.

A Bíblia promete que o Senhor não exercerá os Seus juízos sem primeiro dar um aviso. Noé e os anjos que visitaram Ló fornecem duas testemunhas desse fato, e o profeta Amós disse isso dessa forma:

Tocar-se-á uma trombeta na cidade, e o povo não terá medo? Haverá mal numa cidade, e o Senhor não o fez? Certamente o Senhor Deus nada fará, sem antes revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas. O leão rugiu, quem não temerá? falou o Senhor Deus, quem não pode deixar de profetizar? Amós 3:6-8.

18 de Julho?

A maioria dos seres humanos no planeta Terra não acredita em Jesus e, entre aqueles que acreditam, há uma variedade de ideias sobre o Seu regresso final. A Segunda Vinda de Cristo será precedida de juízos.

Vendo que é uma coisa justa com Deus retribuir a tribulação aos que vos perturbam; E a vós, que estais perturbados, descansai conosco, quando o Senhor Jesus for revelado do céu com os seus anjos poderosos, em fogo ardente vingando-se dos que não conhecem a Deus, e que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo: Que será castigado com destruição eterna da presença do Senhor, e da glória do seu poder; Quando vier a ser glorificado nos seus santos, e a ser admirado em todos os que crêem (porque o nosso testemunho entre vós foi crido) naquele dia. 2 Tessalonicenses 1:6-10.

Reconhecer que há muitos entendimentos incorretos da Segunda Vinda disponíveis dentro das várias denominações cristãs não impede que haja um entendimento correto. Paulo na passagem de Tessalonicenses identifica que Seu retorno inclui punição e “destruição eterna”. Ao nos aproximarmos desse evento, os julgamentos de Deus começam antes do Seu retorno real, numa tentativa de despertar aqueles que escolherão estar prontos no Seu retorno. Esses julgamentos são acompanhados por uma mensagem de aviso. Esta verdade é ilustrada através da Palavra de Deus, mas duas simples testemunhas deste fato podem ser encontradas na história de Elias.

Devido à rebelião do rei de Israel e ao casamento com uma mulher pagã chamada Jezabel, Ahab foi confrontado pelo profeta Elias. A história é encontrada em 1 Reis 17 e 18. O rei Acabe, casado com o idólatra Jezabel, que dirigia tanto os profetas de Baal como os sacerdotes do bosque, identificou que Elias estava se dirigindo a uma abominação que consistia em três entidades: um rei, uma mulher impura e um poder enganoso como representado pelos sacerdotes do bosque e os profetas de Baal.

Antes do confronto final no Monte Carmelo, onde o fogo desceu do céu demonstrando que Elias e não o deus de Jezabel era o verdadeiro Deus, Elias havia anunciado que haveria três anos e meio de seca. Quando o fogo desceu, como acontecerá no dia 18 de julho de 2020, os profetas de Baal e os sacerdotes do bosque foram mortos. No entanto, antes desse tempo, houve três anos e meio de escalada de julgamentos como uma seca, prevista por Elias, que arrebatou a nação de Israel. A escalada dos julgamentos precede o castigo final dos ímpios.

A Bíblia identifica os julgamentos retributivos de Deus no fim do mundo como o grande dia do Deus Todo-Poderoso. Às vezes esse dia é referido como o dia do Senhor e vários outros termos também são usados. O profeta Malaquias identifica esse período no fim do mundo com uma profecia sobre Elias, que já tinha ido para o céu centenas de anos antes de Malaquias fazer a sua predição.

Eis que vos enviarei Elias, o profeta, antes da vinda do grande e terrível dia do Senhor: E ele voltará o coração dos pais para os filhos, e o coração dos filhos para os pais deles, para que eu não venha e fira a terra com uma maldição. Malaquias 4:5, 6.

No livro de Isaías, nós somos informados que a Palavra de Deus nunca falha.

Buscai o Senhor enquanto ele pode ser encontrado, invocai-o enquanto ele está perto: Que o ímpio abandone o seu caminho, e o homem injusto os seus pensamentos; e que volte para o Senhor, e tenha misericórdia dele; e para o nosso Deus, porque ele perdoará abundantemente. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos são os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos. Porque, como desce a chuva, e a neve do céu, e não volta para lá, mas rega a terra, e a faz brotar e brotar, para dar semente ao semeador, e pão ao comedor. Assim será a minha palavra que sair da minha boca; não voltará para mim vazia, mas cumprirá o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei. Isaías 55:6-11.

A Palavra de Deus possui o Seu poder criador.

Pela palavra do Senhor foram feitos os céus; e todo o exército deles pelo sopro da sua boca. Salmos 33.6.

E porque a Palavra de Deus contém o Seu poder criador, é impossível para Deus mentir.

Que por duas coisas imutáveis, nas quais era impossível para Deus mentir, pudéssemos ter um forte consolo, que fugiram para se refugiarem para se apegarem à esperança que nos foi apresentada. Hebreus 6:18.

É impossível para Deus mentir, não só porque Ele nunca o faria, mas porque o que Ele fala sempre acontece. Este fato nos permite ver que mesmo que Elias tivesse ascendido ao céu muito antes de Malaquias identificar que Elias apareceria diante dos julgamentos de Deus no fim do mundo, que isso aconteceria. Há uma segunda testemunha para esta história que Jesus confirmou quando caminhou entre os homens. Falando aos Seus discípulos sobre João Batista, Ele disse:

E quando eles partiram, Jesus começou a dizer à multidão a respeito de João: Que saístes a ver no deserto? Uma cana sacudida pelo vento? Mas para que saístes a ver? Um homem vestido de roupas macias? eis que os que vestem roupas macias estão nas casas dos reis. Mas para que saístes a ver? Um profeta? sim, eu vos digo, e mais do que um profeta. Porque este é aquele de quem está escrito: Eis que eu envio o meu mensageiro diante da tua face, que preparará o teu caminho diante de ti. Em verdade vos digo que entre os nascidos de mulher não se levantou um maior do que João Batista; não obstante aquele que é o menor no reino dos céus é maior do que ele. E desde os dias de João Batista até agora o reino dos céus sofre violência, e os violentos o tomam pela força. Pois todos os profetas e a lei profetizaram até João. E se quereis recebê-la, este é Elias, que estava para vir. Quem tem ouvidos para ouvir, que ouça. Mateus 11:7-15.

“Elias” é simplesmente a ortografia do Novo Testamento do Antigo Testamento hebraico de Elias. João Batista cumpriu a profecia de Malaquias que predisse o aparecimento de Elias antes do grande e terrível dia do Senhor. Mas biblicamente o “grande e terrível dia do Senhor” está no fim do mundo, não na história, quando Cristo andou entre os homens. Portanto, empregando o princípio de que todas as histórias bíblicas ilustram o fim do mundo, nós concluímos que Elias e João fornecem duas testemunhas estabelecendo que haverá um Elias antes da Segunda Vinda de Cristo. Não é o propósito aqui lidar com um humano que pode ou não representar Elias. É o propósito aqui de demonstrar que Elias e João Baptista ilustram as mesmas características que ocorrem antes de 18 de Julho de 2020, em Nashville.

Lucas identifica aqueles que vieram a ser baptizados por João na passagem seguinte:

Então ele disse à multidão que saiu para ser batizado por ele, ó geração de víboras, quem vos avisou para fugir da ira vindoura? Produzei, pois, frutos dignos de arrependimento, e não comeceis a dizer dentro de vós mesmos: Temos Abraão para nosso pai; porque eu vos digo que Deus pode destas pedras suscitar filhos a Abraão. E agora também o machado é lançado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não produz bons frutos, é cortada e lançada no fogo. Lucas 3:7-9.

João estava dando um aviso, assim como Elias deu um aviso a Acabe. A ira que viria aconteceria quarenta e três anos depois da destruição de Jerusalém em 70 d.C. Qualquer um que recusasse a mensagem de advertência de João seria lançado no fogo. Elias lidou com um inimigo triplo representado pelo rei Acabe (profeticamente um poder civil); Jezabel, uma mulher impura (profeticamente uma igreja impura); e os profetas de Baal e sacerdotes do bosque, representando um poder enganador enquanto eles dançavam ao redor de sua oferta no Monte Carmelo em vão. João Batista foi preso por Herodes (profeticamente um poder civil) por causa do ódio de sua esposa por João, pois João tinha repreendido Herodes por casar-se com ela, pois ela era a esposa de seu irmão. Uma mulher impura representa, assim como Jezabel, uma igreja impura. Foi a filha de Herodíades, chamada Salomé, que enganou Herodes com uma dança sensual para que a cabeça de João fosse cortada.

Ambas as histórias possuem as mesmas características e falam da luta que ocorre no fim do mundo quando um inimigo triplo sai para levar o mundo ao Armagedom.

E eu vi três espíritos impuros como rãs saírem da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta. Porque são espíritos de demônios, que fazem milagres, que saem para os reis da terra e do mundo inteiro, para reuni-los para a batalha daquele grande dia de Deus Todo-Poderoso. Eis que eu venho como um ladrão. Bendito aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não vejam a sua vergonha. E ele os reuniu num lugar chamado Armagedom em língua hebraica. Apocalipse 16:13-16.

A besta representa a igreja impura no fim do mundo. O dragão representa o poder civil, que nós entendemos ser as Nações Unidas. Os EUA são o poder que forçará o mundo inteiro a aceitar a marca da autoridade da mulher impura, a marca da besta, assim como Jezabel dirigiu Ahab e a esposa de Herodes dirigiu Herodes. O falso profeta que engana o mundo são os EUA. As Nações Unidas começaram em 1945. Só nesse ponto da história seria possível cumprir a profecia de Apocalipse dezesseis. Estamos agora nessa história. Com base em duas testemunhas, Elias e João Batista, deve haver uma mensagem de advertência proclamada neste tempo. 18 de julho é essa mensagem de advertência.

Porquê 18 de Julho?

Como se pode colocar uma data para um evento como um ataque nuclear, quando Jesus afirmou o seguinte?

Mas desse dia e dessa hora não conhece ninguém, não, não os anjos do céu, mas apenas o meu Pai. Mateus 24:36.

Como podemos concluir que o ataque será em 18 de julho, quando Jesus advertiu que ninguém sabe o dia ou a hora? A resposta é lendo o contexto da passagem. Jesus está ensinando que ninguém saberá o dia e a hora para a Segunda Vinda, mas 18 de julho não é a Segunda Vinda, mas é um dos julgamentos que conduzem à Segunda Vinda.

E então aparecerá o sinal do Filho do homem no céu; e então todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com grande som de trombeta, e reunirão os seus eleitos desde os quatro ventos, de uma extremidade do céu até à outra. Aprendei agora uma parábola da figueira: Quando o seu ramo ainda estiver tenro e lançar folhas, sabeis que o verão está próximo: Assim também vós, quando virdes todas estas coisas, sabei que está perto, mesmo às portas. Em verdade vos digo que esta geração não passará, até que todas estas coisas se cumpram. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. Mas desse dia e dessa hora não conhece ninguém, não, não os anjos do céu, mas somente meu Pai. Mas, como foram os dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porque, como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não sabiam até que veio o dilúvio, e os levou a todos; assim será também a vinda do Filho do homem. Mateus 24:30-39.

Jesus não só está ensinando que ninguém saberá o dia e a hora da Sua Segunda Vinda, mas no versículo seguinte Ele nos informa que será como nos dias de Noé. Nos dias de Noé, sua mensagem de advertência incluía o elemento tempo, pois sua mensagem deveria soar por cento e vinte anos até que o Espírito Santo fosse totalmente afastado dos rebeldes que se recusaram a dar ouvidos à advertência.

E disse o Senhor: O meu espírito não lutará sempre com o homem, porque ele também é carne; contudo, os seus dias serão cento e vinte anos. Havia gigantes na terra naqueles dias; e também depois disso, quando os filhos de Deus chegaram às filhas dos homens, e lhes deram filhos, estes se tornaram homens poderosos que eram de outrora, homens de renome. E Deus viu que a maldade do homem era grande na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos do seu coração não era senão maligna continuamente. E arrependeu-se o Senhor de ele ter feito o homem na terra, e isso o entristeceu no seu coração. E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei da face da terra, tanto o homem como o animal, o réptil e as aves do céu; porque me arrependo de os ter feito. Mas Noé encontrou graça aos olhos do Senhor. Gênesis 6:6-8.

Jesus ensina que o fim do mundo será como os dias de Noé, nos quais Noé proclamou uma mensagem de aviso que era quase impossível para a sua geração acreditar. Ligado a essa profecia foi um elemento de tempo de cento e vinte anos. 18 de julho de 2020, e o evento nuclear em Nashville possui as mesmas características que os dias de Noé. O último aviso para aqueles que se recusaram a entrar na arca com Noé foi o milagre de os animais entrarem na arca. A retrospectiva informa-nos que eles deviam ter compreendido que o Poder que estava a orientar esses animais para migrarem para a arca através da porta era a prova de que Deus estava a usar esses animais como advertência final. Com base numa passagem do livro de Daniel, este ministério previu, em 14 de Janeiro de 2017, que haveria uma pandemia mundial. Essa pandemia está aqui e representa os animais que entram na arca na história de Noé.

Como uma segunda testemunha do elemento tempo em associação com uma mensagem de aviso num tempo de juízo de Deus, precisamos simplesmente considerar a profecia de quatrocentos anos identificada por Abraão no Génesis quinze.

E disse a Abrão: Sabe que a tua semente será estranha numa terra que não é deles, e os servirá; e eles os afligirão quatrocentos anos; e também essa nação, a quem eles servirão, eu a julgarei; e depois sairão com grande substância. Gênesis 15:13, 14.

Na história de Moisés, esta profecia se cumpriu, e foi cumprida no dia exato em que foi prevista para ser cumprida por Abraão séculos antes.

Agora a permanência dos filhos de Israel, que habitavam no Egito, era de quatrocentos e trinta anos. E sucedeu que, no fim dos quatrocentos e trinta anos, naquele mesmo dia, todas as hostes do Senhor saíram da terra do Egito. Êxodo 12:40, 41.

Encontramos aqui outra testemunha para uma mensagem de aviso como representada pela interação de Moisés com Faraó, quando são identificados os juízos crescentes e onde uma profecia possui o elemento do tempo. A palavra profética de Deus identifica que 18 de julho está marcando o início de várias questões proféticas. Uma dessas questões é a Terceira Guerra Mundial. Quando o Islão atacar, Donald Trump responderá. Em três testemunhas sólidas, a profecia identifica que o aliado do Islão em 18 de julho é a Rússia. Por muito horrível que seja um ataque nuclear em Nashville, é aquilo a que Jesus chamou apenas o início dos sofrimentos.

Porque nação se levantará contra nação, e reino contra reino; e haverá fomes, e pestilências, e terremotos, em diversos lugares. Tudo isto é o princípio dos sofrimentos. Mateus 24:7, 8.

Os cristãos geralmente aceitam a premissa de que Jesus é o nosso exemplo em todas as coisas. Quando Ele caminhou entre os homens, Ele estava caminhando através de uma profecia de tempo muito detalhada. Portanto, quando João estava dando ao antigo Israel o aviso da ira vindoura, ele estava ligado a uma profecia do tempo. Jesus disse no livro de João:

Então Jesus disse-lhes: “O meu tempo ainda não chegou, mas o vosso tempo está sempre pronto. O mundo não vos pode odiar; mas a mim odeia, porque eu o testifico, que as suas obras são más. Subi a esta festa: Eu ainda não subi a este banquete, pois o meu tempo ainda não está completo. João 7:6-8.

Jesus sabia que o tempo da cruz foi identificado pela profecia quando Ele disse:

No primeiro dia da festa dos pães ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus, dizendo-lhe: Onde queres que te preparemos para comer a páscoa? E ele disse: Entra na cidade a tal homem, e dize-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a páscoa com os meus discípulos. E os discípulos fizeram como Jesus os tinha designado; e prepararam a páscoa. Mateus 26:17-19.

O tempo profético que existiu durante o período em que João Baptista deu a sua mensagem de aviso dos juízos vindouros foi baseado numa profecia de setenta semanas delineada em Daniel nove.

Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua cidade santa, para terminar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para fazer reconciliação para a iniqüidade, e para trazer a justiça eterna, e para selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. Saiba e compreenda, portanto, que desde a saída do mandamento de restaurar e edificar Jerusalém até ao Messias, o Príncipe, serão sete semanas, e sessenta e duas semanas: a rua será novamente edificada, e o muro, mesmo em tempos conturbados. Depois de sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe que vier destruirá a cidade e o santuário; e o seu fim será com um dilúvio, e até ao fim da guerra serão determinadas as desolações. E confirmará o pacto com muitos durante uma semana; e no meio da semana fará cessar o sacrifício e a oblação, e para o excesso de abominações a assolará, até à consumação, e o determinado será derramado sobre o desolado. Daniel 9:24-27.

Estes quatro versículos estão cheios de informação, mas uma simples consideração é possível se você observar que as setenta semanas foram determinadas para o povo de Daniel (a nação judaica) e que a última semana de setenta, Cristo confirmaria o pacto para muitos. Por duas testemunhas, um dia representa um ano na profecia bíblica, então uma semana seria sete anos e setenta semanas seriam quatrocentos e noventa anos.

Depois do número dos dias em que vasculhastes a terra, mesmo quarenta dias, cada dia durante um ano, levareis sobre vós as vossas iniquidades, mesmo quarenta anos, e conhecereis a minha quebra de promessa. Números 14:34.

E, quando os tiverdes cumprido, deitai-vos de novo à vossa direita, e suportareis a iniqüidade da casa de Judá por quarenta dias: Eu te nomeei cada dia por um ano. Ezequiel 4:6.

Naquela última semana, ele seria cortado no meio, levando o sacrifício do templo terrestre a uma conclusão. Cristo foi crucificado em 31 d.C., que era o meio da semana, identificando assim que três anos e meio antes era 27 d.C. marcando o Seu batismo e o início da semana profética. Três anos e meio depois da cruz se estender até 34 d.C. quando Estêvão foi apedrejado e a igreja judaica foi divorciada de Deus. Quando Cristo mencionou que Seu tempo estava próximo, Ele estava falando sobre a cruz, exatamente no meio da semana em que Ele estava confirmando o pacto. Isto fornece uma terceira testemunha de que quando Deus está prestes a trazer Seus julgamentos retributivos sobre um povo como no tempo de Noé, Moisés, e Cristo a mensagem de advertência está ligada ao elemento do tempo. 

Capítulo dois

Ainda temos vários problemas a serem resolvidos para que a justificativa lógica para esse aviso seja colocada no registro público. Por que o Islã atacaria Nashville em particular sobre qualquer outro lugar nos EUA? Existem respostas proféticas para essas perguntas, mas há pontos que primeiro precisam ser definidos em relação a Jesus que estabelece profecias que contêm um elemento do tempo. Jesus se identifica como o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, e o começo e o fim. A característica de quem Jesus é deve ser entendida corretamente.

Eu sou Alfa e Ômega, o começo e o fim, diz o Senhor, o que é, e o que foi e o que está por vir, o Todo-Poderoso. Eu João, que também sou seu irmão e companheiro nas tribulações, no reino e na paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, pela palavra de Deus e pelo testemunho de Jesus Cristo. Eu estava no Espírito no dia do Senhor e ouvi atrás de mim uma grande voz, como uma trombeta: Dizendo: Eu sou Alfa e Ômega, o principio e o último e, O que você vê, escreve em um livro e envia até as sete igrejas que estão na Ásia; até Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. E me virei para ver a voz que falava comigo. E, voltando-me, vi sete castiçais de ouro; E no meio dos sete castiçais, um semelhante ao Filho do homem, vestido com uma roupa até os pés, e cingido pelos papas com um cinto de ouro. A cabeça e os cabelos eram brancos como lã, brancos como a neve; e seus olhos eram como uma chama de fogo; E seus pés são como bronze fino, como se queimassem em uma fornalha; e sua voz como o som de muitas águas. E ele tinha na mão direita sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois gumes; e seu semblante era como o sol, quando em sua força resplandece. E quando o vi, caí aos seus pés como morto. E ele colocou a mão direita sobre mim, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último. Apocalipse 1: 8–17.

O profeta Isaías fornece um segundo testemunho de Jesus sendo o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, e o começo e o fim. Em Isaías 48:12, somos ordenados a ouvir Jesus porque Ele é o primeiro e o último.

Ouça-me, ó Jacó e Israel, meu chamado; Eu sou ele; Eu sou o primeiro, eu também sou o último.

Isaías 41: 4 associa Seu chamado “as gerações desde o princípio”, sendo Ele o primeiro e o último.

Quem operou e fez isso, chamando as gerações desde o princípio? Eu, o Senhor, o primeiro e o último; Eu sou ele. Isaías 41: 4

Em Isaías 44: 6, Jesus usa as características do primeiro e do último para identificar que Ele é o único Deus. Somente Deus pode identificar o fim desde o começo!

Assim diz o Senhor, o rei de Israel, e seu redentor, o senhor dos exércitos; Eu sou o primeiro, e eu sou o último; e ao meu lado não há Deus. Isaías 44: 6.

Quando consideramos esse assunto em conjunto com o contexto das referências nos livros bíblicos de Apocalipse e Isaías, encontramos características profundas de quem e o que Jesus Cristo realmente é. Essas características são essenciais para entender o reconhecimento do Islã como o antagonista que atinge Nashville. Depois que João é instruído a não temer, pois Jesus é o primeiro e o último, João é instruído a escrever algo em um livro.

E quando o vi, caí aos seus pés como morto. E ele colocou a mão direita sobre mim, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; sou aquele que vive e morreu; e eis que vivo para sempre, amém. E tenho as chaves do inferno e da morte. Escreva as coisas que você viu, e as que são e as que serão a seguir. Apocalipse 1: 17–19.

As coisas que João escreveu são a voz de Cristo, pois toda palavra da Bíblia é a voz de Cristo. Sua Palavra realiza tudo o que afirma, pois Sua Palavra contém Seu poder criativo e nunca falha. Em conexão com Cristo, identificando-se como o primeiro e o último, ele instrui João a escrever “as coisas que você viu”. Essas “coisas” eram coisas que existiam quando João as viu, pois foram definidas como “as coisas que são”. Mas através do poder da Palavra de Deus, que é Seu poder criativo – é identificado se estamos dispostos a ver que o que ele escreveu em seu tempo também seria “as coisas que serão daqui para a frente”.

A história que João registrou era sua história, mas também era a história no final; pois o que João registrou foi a Palavra de Deus, que é Jesus, que é o primeiro e o último e, portanto, Sua Palavra ilustra o fim de uma coisa com o começo de uma coisa. Isaías sustenta esse entendimento quando olhamos mais de perto o contexto de sua identificação de Jesus como o primeiro e o último.

Ouvi isto, ó casa de Jacó, chamada pelo nome de Israel, e que saiu das águas de Judá, que juram pelo nome do Senhor, e fazem menção ao Deus de Israel, mas não em verdade, nem em retidão. Pois eles se chamam da cidade santa e permanecem sobre o Deus de Israel; O Senhor dos exércitos é o seu nome. Eu declarei as coisas antigas desde o começo; e saíram da minha boca, e eu os mostrei; Eu os fiz de repente, e eles aconteceram.

Porque eu sabia que és obstinado, e teu pescoço é um tendão de ferro e tua testa de bronze; Desde o princípio eu te declarei; antes que acontecesse, eu te mostrei: para que não digas: O meu ídolo os fez, e a minha imagem esculpida e a minha imagem fundida os ordenou. Você já ouviu, veja tudo isso; e não o declareis? Eu te mostrei coisas novas desde então, coisas ocultas, e tu não as conhecias. Eles são criados agora, e não desde o começo; mesmo antes do dia em que não os ouviste; para que não digas: Eis que eu os conheci. Sim, você não ouviu; sim, tu não sabias; sim, a partir daquele momento em que os teus ouvidos não se abriram; porque eu sabia que agiria com muita traição e foi chamado transgressor do ventre.

Por amor do meu nome, adiarei a minha ira, e por meu louvor me absterei de ti, para não te cortar. Eis que te refinei, mas não com prata; Eu te escolhi na fornalha da aflição. Pelo meu próprio bem, mesmo pelo meu próprio, farei isso: pois como meu nome deve ser poluído? e não darei minha glória a outro. Ouça-me, ó Jacó e Israel, meu chamado; Eu sou ele; Eu sou o primeiro, eu também sou o último. Isaías 48: 1–12.

Jesus ilustra o fim de uma coisa com o começo de uma coisa. Isaías também identifica mais especificamente como Ele ilustra o fim desde o começo no capítulo quarenta e quatro.

Assim diz o Senhor, o rei de Israel, e seu redentor, o senhor dos exércitos; Eu sou o primeiro, e eu sou o último; e ao meu lado não há Deus. E quem, como eu, chamarei, declararei e ordenará para mim, desde que designei o povo antigo? E as coisas que virão e virão, mostrem-lhes. Isaías 44: 6, 7.

Deus ilustra o fim com o começo e Ele faz isso em conjunto com a designação de “povos antigos”. Assim, o antigo Israel ilustra o Israel moderno; Babilônia antiga representa a Babilônia moderna; o Egito antigo simboliza o Egito moderno e o Islã antigo tipifica o Islã radical moderno. Em Isaías quarenta e um, Jesus pergunta quem foi que chamou as gerações desde o princípio?

Mantenha o silêncio diante de mim, ó ilhas; e que o povo renove sua força; que se aproximem; então eles falem: vamos nos aproximar para o julgamento. Quem levantou o homem justo do oriente, chamou-o a pé, deu as nações diante dele e o fez reinar sobre reis? Ele os deu como pó à sua espada e como restolho ao seu arco. Ele os perseguiu e passou em segurança; mesmo pela maneira como ele não andou com os pés. Quem operou e fez isso, chamando as gerações desde o princípio? Eu, o Senhor, o primeiro e o último; Eu sou ele. Isaías 41: 1–4.

Jesus aqui nos informa a ouvir e julgar o que é representado pelo cumprimento de Sua palavra profética. Ele é Aquele que chamou as gerações (antigas e modernas) “desde o princípio”, pois Ele é o primeiro e o último. Mais adiante, no capítulo, Ele desafia a humanidade a fazer o que somente Ele pode fazer, pois o que o primeiro e o último podem fazer é o que prova que Ele é Deus!

Plantarei no deserto o cedro, a árvore de shittah, a murta e a oliveira; Colocarei no deserto o abeto, o pinheiro e a árvore das caixas: para que vejam, e saibam, e considerem e entendam juntos, que a mão do Senhor fez isso, e o Santo de Israel o criou. Produza a sua causa, diz o Senhor; traga fortes razões, diz o rei de Jacó. Deixe-os trazê-los adiante, e mostre-nos o que acontecerá: mostrem as coisas anteriores, o que são, para que possamos considerá-las e conhecer o fim delas; ou declarar-nos o que está por vir. Mostre as coisas que virão a seguir, para que possamos saber que sois deuses; sim, façam o bem ou façam o mal, para que sejamos consternados e contemplemos juntos. Eis que nada sois, e nada vossa obra; uma abominação é quem vos escolhe. Isaías 41: 19–24.

Quando Jesus se identifica como o primeiro e o último, o alfa e o ômega, o começo e o fim, Ele enfatiza que Ele é Deus e que a prova de que Ele é Deus é fornecida por Sua e somente Sua capacidade de estabelecer um história no passado que ilustra uma história no final. Ele consegue isso chamando as gerações antigas que ilustrarão suas contrapartes modernas. É por isso que Ele pode afirmar que, como foram os dias de Noé, assim será a vinda do Filho do Homem. Entender o papel do Islã radical moderno na profecia do fim dos tempos, e especialmente em termos de 18 de julho de 2020, requer uma compreensão do início do Islã, quando foi apontado como uma geração antiga. Mas a história dos primórdios do Islã é inútil se não entendermos que foi o Primeiro e o Último que designaram os primórdios do Islã, ilustrando assim o fim do Islã.

Jesus ilustra o fim de uma coisa com o começo de uma coisa para se identificar como Deus e demonstrar que não há outro Deus que possa fazer isso. Ele nunca muda e, nesse sentido, muitas vezes inclui o elemento do tempo nas antigas mensagens de aviso que ilustram a mensagem final de aviso no fim do mundo. No capítulo oito de Daniel, Jesus se identifica com outro nome que deve ser considerado em termos de tempo profético.

Então ouvi um santo falando, e outro santo disse àquele santo que falou: Quanto tempo será a visão relativa ao sacrifício diário e à transgressão da desolação, para que o santuário e o exército sejam pisados? E ele me disse: até dois mil e trezentos dias; então o santuário será purificado. Daniel 8:13, 14.

Aqui está um diálogo que está ocorrendo entre seres celestiais, que Daniel chama de santos. Há “um santo falando” e depois “outro santo” faz uma pergunta ao primeiro santo. Daniel chama aquele santo que falava “aquele certo santo que falava”. A palavra hebraica que é traduzida como “certa” é Palmoni, e seu significado na referência da amrgem é “o numerador de segredos, ou o maravilhoso numerador”.

Jesus é aquele santo certo que é o maravilhoso número de segredos. É esse atributo de Jesus que é reconhecido quando consideramos as várias verdades que Ele estabeleceu através do uso de calendários, cronologia, datas e números. Quando Ele revela Seus segredos, eles são para nós e nossos filhos para sempre.

As coisas secretas pertencem ao Senhor nosso Deus; mas as que são reveladas pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29:29.

Ele revelou os segredos de Daniel 8:13, 14 aos pioneiros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, mas eles escolheram deixar esses segredos de lado, embora devessem ser para seus filhos para sempre. Aqueles que guardam esses segredos devem ser o povo de Sua aliança.

O segredo do Senhor está com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará sua aliança. Salmos 25:14.

Palmoni, que é Jesus, revelou dois segredos em Daniel 8:13, 14 aos pioneiros da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Esses segredos eram duas profecias do tempo, uma que se estendia de 457 aC até 22 de outubro de 1844, e a outra que se estendia de 677 aC a 22 de outubro de 1844. A duração de uma era de 2.300 anos e a outra de 2.520 anos. De acordo com o versículo dos Salmos 25:14, o Senhor fez uma aliança com o movimento pioneiro do adventismo e eles se tornaram Seu Israel moderno, escolhido exatamente como o Israel antigo. O Israel antigo tinha duas profecias relacionadas ao tempo que terminavam no mesmo ponto no tempo, e o Israel moderno tinha duas profecias relacionadas ao tempo que terminavam no mesmo momento.

Em Gênesis quinze, Abraão identifica a profecia cumprida no tempo de Moisés como quatrocentos anos, mas Moisés a identifica como quatrocentos e trinta anos.

E ele disse a Abrão: Sabe com certeza que a tua descendência será estranha numa terra que não é deles, e os servirá; e eles os afligirão quatrocentos anos. Gênesis 15:13.

Ele revelou os segredos de Daniel 8:13, 14 aos pioneiros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, mas eles escolheram deixar esses segredos de lado, embora devessem ser para seus filhos para sempre. Aqueles que guardam esses segredos devem ser o povo de Sua aliança.

O segredo do Senhor está com aqueles que o temem; e ele lhes mostrará sua aliança. Salmos 25:14.

Palmoni, que é Jesus, revelou dois segredos em Daniel 8:13, 14 aos pioneiros da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Esses segredos eram duas profecias do tempo, uma que se estendia de 457 aC até 22 de outubro de 1844, e a outra que se estendia de 677 aC a 22 de outubro de 1844. A duração de uma era de 2.300 anos e a outra de 2.520 anos. De acordo com o versículo dos Salmos 25:14, o Senhor fez uma aliança com o movimento pioneiro do adventismo e eles se tornaram Seu Israel moderno, escolhido exatamente como o Israel antigo. O Israel antigo tinha duas profecias relacionadas ao tempo que terminavam no mesmo ponto no tempo, e o Israel moderno tinha duas profecias relacionadas ao tempo que terminavam no mesmo momento.

Em Gênesis quinze, Abraão identifica a profecia cumprida no tempo de Moisés como quatrocentos anos, mas Moisés a identifica como quatrocentos e trinta anos.

E ele disse a Abrão: Sabe com certeza que a tua descendência será estranha numa terra que não é deles, e os servirá; e eles os afligirão quatrocentos anos. Gênesis 15:13.

Ora, a permanência dos filhos de Israel, que habitavam no Egito, foi quatrocentos e trinta anos. E aconteceu que, no fim dos quatrocentos e trinta anos, naquele mesmo dia, todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito. Êxodo 12:40, 41.

Deus também deu a seu Israel moderno um profeta, todavia uma mulher chamada Ellen White. A profetisa freqüentemente afirmava que, o Israel antigo ilustrava o Israel moderno de acordo com o caráter de Cristo como o primeiro e o último, e que Ele nomeou um povo antigo no começo para ilustrar o povo moderno no final. Quando proclamaram publicamente os segredos de 22 de outubro de 1844, que Palmoni lhes dera, eles ficaram decepcionados quando isso foi cumprido. Esse desapontamento não ocorreu porque a profecia estava incorreta, mas devido a um mal-entendido do evento que eles haviam previsto. A profetisa escreveu o seguinte sobre essa decepção, identificando que, quando os quatrocentos e trinta anos da história de Moisés foram cumpridos, eles também sofreram uma decepção.

“A história do antigo Israel é uma ilustração impressionante da experiência passada do corpo adventista. Deus liderou Seu povo no movimento adventista, assim como liderou os filhos de Israel do Egito. Na grande decepção, sua fé foi testada como foi a dos hebreus no Mar Vermelho. Se eles ainda confiassem na mão guia que estivera com eles em suas experiências passadas, teriam visto a salvação de Deus. Se todos os que haviam trabalhado juntos na obra em 1844, tivessem recebido a mensagem do terceiro anjo e proclamado no poder do Espírito Santo, o Senhor operaria poderosamente com seus esforços.Uma inundação de luz teria sido derramada sobre o mundo.Anos atrás, os habitantes da Terra teriam sido avisados, o fechamento da obra concluída, e Cristo teria vindo para a redenção do Seu povo. ” O Grande Conflito, 457.

Jesus nomeou o antigo Israel, Seu povo da antiga aliança escolhida para ilustrar o Israel moderno, Seu povo da moderna aliança escolhida. Assim como o antigo Israel se rebelou contra Deus, seu povo moderno escolhido também se rebelou e, no ano de 1863, eles começaram um processo de rejeitar as verdades secretas que Deus lhes havia dado, que os identificavam como o povo da aliança. Em 1863, eles rejeitaram a profecia de Levíticos 26, que marca os “sete tempos”, representando 2520 anos. Essa rebelião é ilustrada pelo menos três vezes na história sagrada.

A primeira ilustração está na história de Moisés, pois aqueles com os quais Deus entrou em aliança quando saíram do Egito se rebelaram e morreram enquanto vagavam no deserto por quarenta anos – para nunca entrar na Terra Prometida. Ellen White diz isso sobre o adventismo do sétimo dia:

“Não era a vontade de Deus que a vinda de Cristo fosse adiada. Deus não planejou que Seu povo, Israel, vagasse quarenta anos no deserto. Ele prometeu levá-los diretamente à terra de Canaã, e estabelecer ali um povo santo, saudável e feliz. Mas aqueles a quem foi pregado pela primeira vez não entraram “por causa da incredulidade” (Hebreus 3:19). Seus corações estavam cheios de murmúrios, rebeliões e ódios, e Ele não podia cumprir Sua aliança com eles.

“Durante quarenta anos, a incredulidade, a murmuração e a rebelião afastaram o antigo Israel da terra de Canaã. Os mesmos pecados atrasaram a entrada do Israel moderno na Canaã celestial. Em nenhum dos casos as promessas de Deus foram errôneas. Incredulidade, mundanismo, falta de consagração e contenda entre as pessoas professas do Senhor que nos mantiveram neste mundo de pecado e tristeza por tantos anos “. Mensagens Escolhidas, livro 1, 68, 69.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia começou a vagar pelo deserto em 1863 e, nos anos seguintes, continuou a progredir cada vez mais na escuridão e na rebelião. Aqueles que vivem em Nashville, Tennessee, e que leem este aviso devem entender esse fato para entender a previsão completa que Ellen White fez sobre a destruição de Nashville. Na profecia, as pessoas em Nashville e nos arredores são despertadas para o fato de que havia um grupo que sabia que o ataque viria, mas não disse nada sobre isso. Esse grupo é de adventistas do sétimo dia que têm a profecia de Nashville em seu poder há mais de cem anos e também sabem muito bem que Ellen White previu um ataque do Islã que já foi cumprido.

Ellen White identificou que as Torres Gêmeas da cidade de Nova York seriam derrubadas por um toque de Deus, e a previsão incluía que os prédios seriam queimados e que os bombeiros não teriam a capacidade de deter os incêndios.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia ainda professa com os lábios que Ellen White era um profeta bíblico, e eles podem identificar muitas previsões que o Senhor fez através dela como profetisa que foram confirmadas, mas se recusaram a mostrar ao mundo que ela havia previsto 11 de setembro de 2001 e o ataque às Torres Gêmeas. A recusa em advertir Nashville é o segundo alerta moderno associado ao Islã radical que eles falharam em proclamar. Na previsão de Nashville, identificou-se um grupo que sabia do ataque que estava por vir, mas não disse nada. As citações a seguir são dois dos vários casos em que ela comenta essa previsão.

“Enquanto eu estava em Nashville, uma cena foi aberta diante de mim. Uma grande bola de fogo parecia cair do céu, e dela saíam flashes de luz. Quando esses flashes atingiam um prédio, o prédio queimava como pavio. E então ouvi alguém dizer: “Eu sabia que isso estava por vir. Estes são os julgamentos de Deus que eu sabia que estavam por vir”. ‘Você sabia!’ disse outro. Você era meu vizinho. Por que não me disse que essas coisas estavam chegando? Por que não avisou os outros? ‘”Manuscrito 154, 1904.

Observe o que ela fala de “nosso povo” na passagem seguinte. “Nosso povo”, no contexto do sonho de Ellen White, é adventista do sétimo dia.

“Quando eu estava em Nashville, conversava com as pessoas e, durante a noite, havia uma imensa bola de fogo que veio do céu e se estabeleceu em Nashville. Havia chamas saindo como flechas daquela bola; casas estavam sendo consumidas, as casas estavam caindo e caindo. Alguns de nossos funcionários estavam parados lá. “É exatamente como esperávamos”, disseram eles, “esperávamos isso”. Outros estavam apertando as mãos em agonia e clamando a Deus por misericórdia. “Você sabia”, disseram eles, “sabia que isso estava chegando, e nunca disse uma palavra para nos avisar!” Pareciam quase rasgá-los em pedaços, pensar que nunca lhes haviam contado ou lhes dado qualquer aviso. ” Manuscrito 188, 1905.

O Senhor fez uma aliança com o antigo Israel como Seu povo escolhido quando os tirou do Egito. Então Ele lhes deu Sua lei e santuário. Jesus, o primeiro e o último, designou o antigo Israel para ilustrar Seu povo escolhido no fim do mundo. Em Números 14, o Senhor quebrou Sua aliança com o antigo Israel e fez uma aliança com os dois espias que manifestavam fé. Esses dois espiões fiéis, Josué e Caleb, são os únicos adultos dessa rebelião que entraram na Terra Prometida após os quarenta anos de peregrinação no deserto. No fim do mundo, Deus faz um concerto com um povo que é identificado no livro do Apocalipse como os cento e quarenta e quatro mil. Assim como os rebeldes da história do antigo Israel passaram e o Senhor fez um pacto com Josué e Calebe, a Igreja Adventista do Sétimo Dia também passou. Eles ainda professam ser Seu povo remanescente, mas foram ilustrados pelos rebeldes que morreram no deserto. Uma segunda testemunha desse fato é a igreja judaica na época em que Jesus andava entre os homens.

O tempo de Moisés foi o começo da igreja judaica como o povo escolhido de Deus e, nessa história, encontramos um povo da aliança que saiu do Egito apenas para ser passado como o povo da aliança quando Deus entrou em uma nova aliança com Josué e Calebe . Entender que Jesus ilustra o fim de uma coisa com o começo de uma coisa nos permite ver que a história de Moisés se repete na história de Cristo, pois a história de Cristo ilustra o fim da igreja judaica e a história de Moisés ilustra o início. Na história de Cristo, Deus estava passando pela igreja judaica, Seu antigo povo da aliança, e entrando em aliança com a igreja cristã. O começo e o fim de Israel como povo escolhido de Deus fornecem duas testemunhas da história do Israel moderno.

A história e a profecia ensinam que a Igreja Católica Romana dominou o mundo por mil e duzentos e sessenta anos, de 538 a 1798. Esse período de dominação católica é diretamente referenciado sete vezes na Palavra de Deus. A Igreja Católica Romana é a besta cuja marca de autoridade será imposta a todo o mundo. No final dessa história, chamada Idade das Trevas, o Senhor iniciou um movimento através de Martinho Lutero e outros reformadores, chamado Reforma Protestante. Existe apenas uma definição correta da palavra protestante e significa protestar contra a Igreja Católica Romana. Por definição, se você não está protestando contra a Igreja Católica, você não é protestante.

Na história final da Idade das Trevas, o Senhor fez um convênio com os Reformadores Protestantes e eles se tornaram o povo do convênio. Na história do movimento pioneiro que produziu a Igreja Adventista do Sétimo Dia, os protestantes foram testados pelas profecias secretas que haviam sido reveladas. A igreja protestante rejeitou a verdade das profecias de 2300 e 2520 anos. Assim, quando o Senhor estava entrando em aliança com o adventismo pioneiro, estava passando por aqueles que haviam sido previamente Seu povo escolhido. O protestantismo, ao rejeitar os segredos das profecias de 2520 e 2300 anos, começou a cumprir um papel profeticamente chamado protestantismo apóstata.

Portanto, no início e no fim do antigo Israel, e também no início do moderno Israel, Jesus ilustra que, quando entra em uma aliança com um povo, ele passa simultaneamente pelo antigo povo da aliança. Esse povo da antiga aliança possui em sua posse há mais de cem anos uma mensagem de aviso para Nashville, Tennessee. O silêncio deles sobre esse aviso ilustra sua rebelião.

Ellen White identificou 11 de setembro de 2001, apesar de não ter fornecido a data. Considere algumas de suas previsões sobre a cidade de Nova York que foram escritas há mais de cem anos:

“Agora vem a palavra que declarei que Nova York será varrida por um maremoto? Isso eu nunca disse. Eu disse, enquanto olhava para os grandes edifícios lá em cima, erguendo-se andar por andar, ‘Que terríveis cenas ocorrerão em que o Senhor se levantará para abalar terrivelmente a terra! Então, as palavras de Apocalipse 18: 1–3 serão cumpridas. ‘ Todo o décimo oitavo capítulo de Apocalipse é um aviso do que está por vir na Terra, mas não tenho luz em particular em relação ao que está chegando em Nova York, só que sei que um dia os grandes edifícios serão lançados pela virada e queda do poder de Deus. Pela luz que me foi dada, sei que há destruição no mundo. Uma palavra do Senhor, um toque de seu poderoso poder, e essas estruturas maciças cairão. Cenas acontecerão cujo medo não podemos imaginar. ” The Review and Herald, 5 de julho de 1906.

Ela sabia que um dia as estruturas maciças da cidade de Nova York cairiam e que produziriam cenas de medo. Ela identificou que naquele momento Apocalipse 18: 1–3 seria cumprido. Alguém imaginou as cenas de 11.09 com antecedência? Ela sabia que os grandes edifícios seriam derrubados lá. Ela também disse:

“Em uma ocasião, na cidade de Nova York, fui chamado durante a noite a contemplar edifícios subindo andar por andar em direção ao céu. Esses edifícios tinham garantia de serem à prova de fogo e foram erguidos para glorificar seus proprietários e construtores. Ainda mais alto esses prédios se erguiam, e neles o material mais caro era usado. Aqueles a quem esses prédios pertenciam não se perguntavam: ‘Como podemos glorificar melhor a Deus?’ O Senhor não estava em seus pensamentos.

“Pensei: ‘Ah, que aqueles que estão investindo em seus meios possam ver seu curso como Deus vê! Eles estão empilhando edifícios magníficos, mas quão tolo aos olhos do Governante do universo é seu planejamento e criação. Eles não estão estudando com todos os poderes do coração e da mente como podem glorificar a Deus. Eles perderam de vista isso, o primeiro dever do homem.

“À medida que esses imponentes edifícios subiam, os proprietários se alegravam com orgulho ambicioso de que tinham dinheiro para usar em gratificar a si mesmos e provocar a inveja de seus vizinhos. Grande parte do dinheiro que eles investiram foi obtido por meio de exaltação, explorando os pobres. Eles esqueceram que no céu é mantida uma conta de todas as transações comerciais; todos os acordos injustos, todos os atos fraudulentos são registrados. Chegará o tempo em que em suas fraudes e insolências chegarão a um ponto em que o Senhor não permitirá que eles passarão e aprenderão que há um limite para a tolerância de Jeová.

“A cena que passou diante de mim foi um alarme de incêndio. Os homens olharam para os edifícios altos e supostamente à prova de fogo e disseram: ‘Eles são perfeitamente seguros.’ Mas esses prédios foram consumidos como se fossem piche. Os carros de bombeiros não puderam fazer nada para impedir a destruição.Os bombeiros foram incapazes de operar os motores.

“Sou instruída que, quando chegar a hora do Senhor, caso nenhuma mudança tenha ocorrido no coração de seres humanos orgulhosos e ambiciosos, os homens descobrirão que a mão que foi forte para salvar será forte para destruir. Nenhum poder terreno pode permanecer a mão de Deus. Nenhum material pode ser usado na construção de edifícios que os preservem da destruição quando chegar o tempo designado por Deus para retribuir aos homens o desrespeito à Sua lei e a ambição egoísta.

“Não há muitos, mesmo entre educadores e estadistas, que compreendem as causas subjacentes ao estado atual da sociedade. Aqueles que detêm as rédeas do governo não são capazes de resolver o problema da corrupção moral, pobreza, pauperismo e aumento do crime. Eles estão lutando em vão para colocar as operações comerciais em uma base mais segura. Se os homens dessem mais atenção ao ensino da palavra de Deus, encontrariam uma solução para os problemas que os deixam perplexos “. Testemunhos para a Igreja, volume 9, 12, 13.

Essa passagem foi escrita quase um século antes de 11.09, e até fala dos problemas financeiros que se seguiram no começo de 11.09, quando afirma que a liderança não apenas dos EUA, mas também do mundo estaria “lutando em vão para colocar operações comerciais em uma base mais segura “. As torres gêmeas eram supostamente à prova de fogo, mas Deus sabia melhor, e “os carros de bombeiros não podiam fazer nada para impedir a destruição”, pois os “bombeiros eram incapazes de operar os motores”.

Agora retornaremos a um pensamento anterior. Por que o Islã? Por que os EUA? Por que Nashville? Muitos cristãos professos sabem que o livro de Apocalipse identifica um tempo em que o mundo inteiro será forçado a aceitar a marca da besta sob pena de morte e perseguição financeira. Há uma variedade de aplicações incorretas para o que a marca da besta representa e quem é a besta que é representada pela marca, mas há muito pouco comentário sobre o que é que permite que o mundo se reúna e aceite permita que esta marca seja aplicada em toda a terra. Certamente não parece haver nenhum assunto que esteja atualmente no planeta Terra hoje que a maioria das nações promoveria em conjunto. Apocalipse treze nos informa que é a besta com chifres de cordeiro que força a terra a aceitar a marca.

E vi outro animal saindo da terra; e ele tinha dois chifres como um cordeiro, e falou como um dragão. E ele exerce todo o poder do primeiro animal diante dele, e faz com que a terra e os que nela habitam adorem o primeiro animal, cuja ferida mortal foi curada. E ele faz grandes maravilhas, de modo que desce fogo do céu à terra, à vista dos homens, e engana os que habitam na terra por meio dos milagres que ele tinha o poder de fazer à vista da besta. ; dizendo aos que habitam na terra que deveriam fazer uma imagem à besta que feriu à espada e viveu. E ele tinha poder para dar vida à imagem da besta, para que a imagem da besta falasse, e fizesse com que todos os que não adorassem a imagem da besta fossem mortos. E ele faz com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, recebam uma marca na mão direita ou na testa: e que ninguém possa comprar ou vender, exceto aquele que tinha a marca ou a nome da besta ou o número do seu nome. Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento conte o número da besta, pois é o número de um homem; e seu número é seiscentos e sessenta e seis. Apocalipse 13: 11–18.

A besta com os dois chifres como um cordeiro, que falará como um dragão, engana “os que habitam na terra” e ordena que estabeleçam uma imagem para a besta e façam com que “todos” recebam a marca da besta. A besta com chifres de cordeiro é o EUA, que acaba na posição de exercer autoridade sobre todo o mundo. A Bíblia e a Bíblia apenas identificam uma questão que leva toda a humanidade a um estado unificado. Essa questão é o Islã radical. Jesus nomeou o Islã antigo para ilustrar o Islã radical moderno. O pai do Islã é Ismael e ele é abordado pela primeira vez na Bíblia em Gênesis.

E o anjo do Senhor disse-lhe [a mãe de Ismael, Hagar]: Eis que estás grávida, e darás à luz um filho e chamará Ismael; porque o Senhor ouviu a tua aflição. E ele será um homem selvagem; a sua mão estará contra todo homem, e a mão de todo homem contra ele; e habitará na presença de todos os seus irmãos. Gênesis 16: 11,12.

O primeiro livro da Bíblia é Gênesis, e a palavra “gênese” significa começo. O povo antigo que Cristo nomeia começa no livro de Gênesis, e embora não fosse até o século VII que o falso profeta Maomé introduzisse a religião que chamamos de Islã, Maomé e seus seguidores consideram Ismael como seu pai antigo. A passagem diz a Ismael que sua mão estaria contra todo homem. A leitura correta do Alcorão identifica que é responsabilidade sagrada de todo muçulmano sujeitar todos os homens do mundo aos ensinamentos descritos no Alcorão. A mão do Islã está contra todo homem, e eles são identificados como a questão que reúne toda a humanidade contra eles.

Uma metáfora usada em todo o mundo é que “quando a América espirra, o mundo fica resfriado”. Quando Nashville for atingido pelo Islã radical em 18 de julho, o mundo inteiro será jogado em uma crise econômica que nunca foi presenciada antes. Então, a mão de todo homem no mundo tentará retaliar contra Ismael moderno. O Islã é a questão profética que gera um governo global.

O versículo afirmava que Ismael seria um “homem selvagem” e a palavra hebraica que é traduzida na Bíblia como “homem selvagem” é a palavra que identifica “o burro selvagem da Arábia”. O “asno” se torna um símbolo profético para o Islã a partir desse ponto na Bíblia. O versículo também afirma que Ismael habitará na presença de todos os seus irmãos. Biblicamente, não há justificativa para argumentar que existem diferentes graus da religião islâmica, pois o espírito de Ismael está representado em toda a religião.

A pergunta anterior, neste momento, permanece sem resposta: “Por que o Islã atacaria Nashville em particular sobre qualquer outro lugar nos EUA?” Para entender isso, é necessário entender os EUA na profecia bíblica. Se isso puder ser entendido, a lógica de Nashville pode ser verificada.

Capítulo três

Uma pergunta anterior continua sem resposta: “Porque é que o Islã atacaria Nashville em particular e não qualquer outro lugar nos EUA”? Para compreender isto é necessário compreender os EUA na profecia bíblica. Se isso puder ser compreendido, a lógica para Nashville pode ser verificada.

Os reinos da profecia bíblica começam com a antiga Babilónia, segundo Daniel, capítulos dois e sete. Estes reinos não são os reinos da história humana, simplesmente os reinos que são estabelecidos por Cristo como os reinos nos quais a profecia bíblica é ilustrada. Quando Daniel dois e sete são reunidos com Apocalipse doze, treze e dezessete, nós encontramos toda a lista de reinos que representam a história profética desde o tempo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, até o fim do mundo. Babilónia foi seguida pela Medo-Pérsia, que foi seguida pela Grécia, que foi seguida pela Roma Imperial, que foi seguida pelo Catolicismo Romano, que foi seguida pelos EUA, que será seguida pelas Nações Unidas, que então concordará com um reino triplo composto pelas Nações Unidas (o dragão), o Catolicismo (a besta), e os EUA (o falso profeta). Com base no Apocalipse dezasseis estas três potências unidas conduzirão o mundo ao Armagedão.

É da maior importância compreender os reinos da profecia bíblica, mas neste ponto, vou simplesmente abordar o sexto reino da profecia bíblica em termos que todo o mundo entende, mesmo que eles rejeitem a Bíblia.

A nação mais poderosa e significativa do planeta Terra atualmente é os EUA. Se é uma boa nação ou uma má nação não é a questão. A questão é que todo o mundo reconhece que a superpotência do planeta Terra são os EUA. Aqueles que tentam negar ou minimizar este facto estão simplesmente a manifestar o seu ciúme ou parcialidade. A profecia bíblica “tem rastreado a ascensão e queda dos grandes impérios do mundo”.

“A todas as nações que chegaram ao palco da ação foi permitido ocupar o seu lugar na terra, para que se pudesse ver se cumpriria o propósito” de glorificar o Deus do céu. Em conexão com esta realidade está o fato de que Deus escolhe quem quer e quem não quer para ser o governante destas nações. Os EUA é a nação que está governando neste período da história e foi Cristo quem escolheu Donald Trump para ser presidente durante este tempo. O profeta Daniel disse-o desta forma:

Daniel respondeu e disse: Abençoado seja o nome de Deus para todo o sempre: pois a sabedoria e o poder são dele: E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece reis; ele dá sabedoria aos sábios, e conhecimento aos que conhecem o entendimento: Ele revela as coisas profundas e secretas; ele sabe o que há nas trevas, e a luz habita com ele. Daniel 2:20-22.

Deus determinou que o governante dos EUA em 18 de Julho de 2020, quando o Islã atacar Nashville, seja Donald Trump. Na profecia bíblica, os reis e os seus reinos partilham uma relação estreita. Daniel disse-o desta forma a Nabucodonosor:

E onde quer que os filhos dos homens habitem, os animais do campo e as aves do céu ele entregou na tua mão, e te fez governar sobre todos eles. Tu és esta cabeça de ouro. Daniel 2:38.

A cabeça de ouro na imagem de Daniel dois representa a nação de Babilônia, mas também representa o rei dessa nação. No nível profético, Donald Trump representa os EUA. Esta aplicação profética não está definindo Trump como bom ou mau, simplesmente como a cabeça dos EUA. Para compreender por que razão Nashville é onde se realiza o julgamento inicial contra os EUA, é essencial considerar não só os EUA, mas também Donald Trump – o chefe dos EUA.

No Apocalipse treze, os EUA estão representados como uma besta semelhante a um cordeiro que acaba por falar como um dragão. Os EUA foram fundados principalmente por pessoas cristãs. Mas há uma distinção entre uma nação que é fundada por um povo cristão e uma nação cristã. A Constituição dos EUA foi escrita propositadamente para se opor à ideia de que os EUA eram uma nação cristã, pois foi escrita para formar um governo que preservasse as liberdades individuais, incluindo a preferência religiosa. Foi apenas em 1892 que o Supremo Tribunal, em negação expressa do espírito da Constituição, sustentou unanimemente que os EUA é uma nação cristã. A Constituição foi redigida para preservar a escolha individual em matéria religiosa e a religião nacional, seja ela cristã, islâmica, budista ou católica; ela garante a liberdade religiosa e a liberdade de consciência.

Dito isto, os EUA eram sobretudo constituídos por cristãos quando começaram a cumprir o seu papel de sexto reino da profecia bíblica. Esse papel começou quando o quinto reino de profecia bíblica, a Igreja Católica, foi profeticamente ferida mortalmente em 1798. Nesse ano, Napoleão Bonaparte mandou o general francês Berthier prender o Papa de Roma e colocá-lo no exílio, onde morreu um ano mais tarde.

O Apocalipse treze usa o símbolo de um cordeiro para identificar o início dos EUA, mas inclui um aviso de que chegará um momento em que os EUA falarão como um dragão. Qualquer aula básica de história americana incluirá um período que começa por volta de 1798, quando um movimento nos EUA foi realizado com base numa convicção errada mantida por quase todos os cidadãos dos EUA. A convicção baseava-se em entendimentos doutrinários errados, mas continua a ser um movimento tão significativo para a história americana, que é sempre abordado num curso de História americana. O termo para o movimento nessa história é “Destino Manifesto”. A Wikipédia define-o desta forma:

“O destino manifesto era uma crença cultural amplamente difundida nos EUA do século XIX, segundo a qual os seus colonos estavam destinados a expandir-se pela América do Norte. O historiador Frederick Merk diz que este conceito nasceu de “um sentido de missão para redimir o Velho Mundo através de um alto exemplo… gerado pelas potencialidades de uma nova terra para a construção de um novo céu”. Wikipedia, Manifest Destiny, 2020.

Devido a uma aceitação comum de um falso conceito bíblico que encontra a sua origem no catolicismo, os americanos dessa história esperavam que o mundo transcendesse em mil anos de paz e prosperidade, e por isso os americanos acreditavam que tinham o dever cristão de tornar isso uma realidade. Os mil anos que são identificados nas Escrituras nada têm a ver com um período glorioso na história da Terra. Em vez disso, esses anos representam um período desde a Segunda Vinda de Cristo até a Terra se tornar nova, mil anos mais tarde. O ensinamento de que haverá mil anos de paz e prosperidade na Terra tem muitas variações no mundo de hoje, mas todas elas têm como ponto de referência inicial o catolicismo.

Foi a lógica protestante falha que derivou dos ensinamentos católicos que produziu a história no início dos EUA, que é rotulada como “Destino Manifesto”, e será mais uma vez a teologia protestante falha, baseada nos ensinamentos católicos, que se repete no final da história profética dos EUA. Jesus ilustra sempre o fim com o início. Por que é importante compreender isto? Em uma palavra: Educação.

Há apenas uma definição da palavra Protestante. Ser Protestante significa protestar contra o catolicismo. Não é meu propósito esmagar o catolicismo, mas meu propósito é enfatizar que a chamada América Cristã, que se identificam como cristãos protestantes, já não sabem quem costumavam ser. Esta falta de auto-identidade não aconteceu da noite para o dia; aconteceu gradualmente através de um sistema de falsa educação. Como exemplo, basta ir a qualquer livraria usada que tenha um dicionário publicado antes de 1950 e procurar o termo “mulher escarlate”.

Até aos anos 50, havia unanimidade de que o termo “mulher escarlate” se referia à prostituta do Apocalipse dezassete e, além disso, os dicionários identificavam especificamente que a prostituta do Apocalipse dezassete era a Igreja Católica Romana. Os protestantes que se reuniram como um bloco de votação para colocar Donald Trump no cargo desconhecem que já não são protestantes, nem que esta transição não reconhecida foi conseguida através de uma educação religiosa imperfeita.

Com base em duas profecias de tempo relacionadas que terminaram no mesmo ponto no tempo, Deus tirou o antigo Israel dos quatrocentos anos de escravidão no Egipto e depois, através das águas do rio Jordão, para a Terra Prometida que corria com leite e mel.

Com base em duas profecias relacionadas com o tempo que terminaram no mesmo ponto no tempo, Deus tirou Israel moderno dos mil duzentos e sessenta anos de escravidão do catolicismo e através das águas do Oceano Atlântico para uma Terra Prometida que fluía com leite e mel. Essa terra era os EUA, o sexto reino da profecia bíblica.

No início do Israel antigo, Deus deu ao Seu povo do pacto os Dez Mandamentos, os estatutos e um santuário. Como teocracia, Deus era ao mesmo tempo autoridade civil e religiosa. No início do Israel moderno, Deus deu os segredos de duas profecias do tempo ao Seu povo do pacto que se tornou Sua igreja, e também deu a Constituição como a regra do governo. Israel moderno não era para ser uma teocracia como era Israel antigo, mas para consistir na Sua igreja e num governo. Isto é representado pelos dois chifres da besta semelhante ao cordeiro em Apocalipse treze versículos onze. Os chifres da profecia bíblica são símbolos de força e as duas forças dos EUA deviam ser o Republicanismo e o Protestantismo, e a Constituição devia proporcionar o equilíbrio perfeito para manter esses dois chifres separados e, ao fazê-lo, manteria ambos os chifres fortes. Mas o versículo enfatiza que os EUA são uma nação que muda de um cordeiro para um dragão. Se a separação desses dois chifres fosse alguma vez removida, a besta semelhante a um cordeiro falaria então como um dragão.

No fim do Israel antigo, o povo do pacto participou na crucificação do seu Messias. Em algum lugar da sua longa história, eles substituíram a Bíblia como seu guia e regra de vida e substituíram esse guia pela educação grega. A educação grega foi mais responsável pela crucificação de Cristo do que a maioria sabe. A influência do sistema educacional e da cultura grega era tão difundida naquela história antiga que o Novo Testamento foi escrito na língua grega por judeus cuja primeira língua era o hebraico.

Com base em pelo menos dois factos, sendo um deles que a palavra de Deus nunca falha e o outro que Jesus ilustra o fim com o início, o fim do Israel moderno incluirá a repetição de uma crença errada no “Destino Manifesto” que é motivada por entendimentos inculcados através de um sistema de falsa educação simbolizado pela influência da educação grega que precedeu o nascimento de Jesus em 4 AC.

O governo dos EUA foi baseado na Constituição que foi produzida por homens que não sabiam que estavam sendo dirigidos pelo Deus do céu na escrita daquele documento sagrado. A igreja foi baseada na Bíblia como a regra da autoridade, e o Estado foi baseado na Constituição. No início da história dos EUA, a palavra de ordem para os protestantes era “a Bíblia e só a Bíblia”! Ao mesmo tempo, a palavra de ordem para o novo governo eram as palavras da Constituição.

Quer se considere a Bíblia ou a Constituição, o mesmo argumento existe agora nesta nação. Os políticos liberais afirmam que a Constituição é um “documento vivo” e não deve ser aplicada com base no seu significado e intenção originais. Os políticos conservadores afirmam que temos de defender a “intenção original” da Constituição. Os teólogos liberais afirmam que a Bíblia não deve ser entendida com base na sua intenção original, mas nos tempos em que vivemos actualmente. Os teólogos conservadores dizem que temos de aceitar a Bíblia tal como ela é lida.

No final do Israel antigo, quando Cristo andava entre os homens, estas duas opiniões encontraram expressão na controvérsia entre os fariseus e os saduceus. Os fariseus insistiram na intenção original e os saduceus no documento vivo. Ambas as partes se uniram para colocar o seu Messias na cruz. A fundação dos saduceus baseou-se na educação grega e os fariseus nas tradições e costumes transmitidos de geração em geração.

No nosso tempo, será novamente demonstrado que a falsa educação baseada quer na filosofia educativa grega quer na filosofia educativa católica que é defendida pela tradição e pelos costumes, produzirá duas classes opostas que se juntarão contra a Verdade durante a crise final da história do mundo. Deus tem uma controvérsia com os EUA, tanto na sua corrupção da Constituição como na corrupção da Bíblia. A corrupção de ambos tem sido baseada em falsas práticas educativas, quer no sistema de ensino público, quer no sistema de ensino religioso.

Não é uma coincidência que o primeiro Estado a organizar um sistema de educação pública tenha sido o Tennessee. Também não é uma coincidência que em Nashville, Tennessee, se tenha uma réplica perfeita do Templo grego do Pártenon, que representa o auge da cultura grega. Nesse templo, encontrará a estátua de Atena, e a deusa padroeira da cidade de Atenas era a deusa da sabedoria e da guerra.

A cultura grega simboliza a filosofia educacional que levou os judeus a participar na crucificação do seu Messias, e a cultura grega simboliza a competição e a glorificação dos homens através dos jogos humanos, tal como representados nos Jogos Olímpicos. A deusa Atena representa não só a sabedoria da Grécia, mas também a da guerra. Como uma réplica perfeita do templo do Pártenon na Grécia, o templo é rodeado por pilares. Ellen White viu pilares com a profecia de Nashville.

“Foi-me apresentada uma cena. Foi na noite anterior ao Sábado. Foi quando essa cena me foi apresentada. Eu olhei pela janela, e havia uma imensa bola de fogo que tinha vindo do céu, e caiu onde estavam a fundir edifícios com pilares, especialmente os pilares foram-me apresentados. E parecia que a bola vinha directamente para o edifício e a esmagava, e eles viram que estava a ramificar-se, a ramificar-se, a alargar-se, e começaram a chorar, a chorar, a chorar e a torcer as mãos; e eu pensei que alguns dos nossos povo estavam ali parados, dizendo: “Bem, é mesmo aquilo que temos estado à espera; é mesmo aquilo de que temos estado a falar; é mesmo aquilo de que temos estado a falar”. “Vocês sabiam?” disseram as pessoas. “Tu sabias, e nunca nos falaste sobre isso? Pensei que havia uma agonia na cara delas, uma agonia na sua aparência”. A Place Called Oakwood, 138.

Nashville simboliza a educação grega, a guerra e a glorificação humana através da competição. Em 9.11, Deus usou o Islã radical para atingir os símbolos do poder económico e militar dos EUA. Nashville representa outras questões pelas quais Deus está a responsabilizar os EUA. Em 9.11, o Pentágono em Washington D.C. e as Torres Gémeas do centro de Manhattan foram atingidos pelo Islã radical, mas Manhattan tem uma ligação inferida ao Tennessee, pois foi em Oak Ridge, Tennessee, que o Projecto Manhattan foi realizado na Segunda Guerra Mundial.

Esse projecto secreto desenvolveu as bombas nucleares que foram lançadas sobre o Japão para pôr fim a essa guerra. É nessa ligação que encontramos outras provas que nos permitem reconhecer que o ataque contra Nashville será um ataque nuclear. Depois, Donald Trump retaliará e a Terceira Guerra Mundial começará onde se comemora a deusa da guerra, Athena. A motivação americana para a Terceira Guerra Mundial será paralela ao entendimento errado que foi representado pelo “Destino Manifesto” no início dos EUA. Será iniciada pelos descendentes de Ismael e, por conseguinte, será utilizada como a lógica para implementar um esforço global contra o Islã radical. Para compreender melhor outras questões no aviso de Nashville de 18 de Julho de 2020, é necessária uma consideração específica de Donald Trump, o último presidente do sexto reino da profecia bíblica.

Capítulo quatro

Para compreender melhor outras questões no aviso de Nashville de 18 de Julho de 2020, é necessária uma consideração específica de Donald Trump, o último presidente do sexto reino da profecia bíblica.

Donald Trump é o 44º e 45º presidente dos EUA, e é o líder dos EUA durante a história representada em Daniel 11:44, 45. Stephen Grover Cleveland foi o 22º e 24º presidente dos EUA, o único presidente na história americana a exercer dois mandatos não consecutivos. Este facto identifica Trump como a quadragésima quarta pessoa que foi presidente e, simultaneamente, a quadragésima quinta administração presidencial.

Jesus providencialmente permite que as nações se levantem, e Ele selecciona aqueles que irão governar sobre essas nações. Como o sexto reino da profecia bíblica, os EUA são governados pela Palavra profética de Deus. Essa palavra identifica o fim dos EUA com o início dos EUA. Como o último presidente dos EUA, Donald Trump foi representado pelo primeiro presidente dos EUA.

Até Donald Trump, George Washington tinha sido o presidente mais rico da história; ele fez a sua riqueza através dos bens imobiliários, e demorou o período mais longo a ter o seu gabinete confirmado. Todos estes factos são profeticamente repetidos na presidência de Donald Trump. Há momentos, porém, em que a profecia produz uma característica no início que se repetirá no final, mas o cumprimento da repetição é invertido.

Um exemplo disso pode ser encontrado na linha de profecia que já discutimos a respeito de Elias. Jesus identificou João Batista como o cumprimento de Elias que viria antes do grande e terrível dia do Senhor, e tanto Elias como João tiveram um confronto com um inimigo triplo. Com Elias, esses três inimigos eram o rei Acabe, sua esposa corrupta Jezabel, e os dois representantes de Jezabel, os profetas de Baal e os sacerdotes do bosque. João foi confrontado por Herodes, a autoridade civil paralela ao rei Acabe, a corrupta esposa de Herodes, Herodías tinha sido representada por Jezabel, e a filha de Herodías, Salomé, enganou Herodes através de sua dança, paralela à tentativa dos profetas de Baal de enganar o antigo Israel enquanto dançavam ao redor de sua oferta no Monte Carmelo.

Estas são as mesmas histórias, mas com algumas características opostas. Jezabel queria prender Elias e matá-lo, mas ela nunca o fez. Herodías queria prender João e matá-lo, e ela o fez. São os mesmos marcadores proféticos, mas são expressos de forma oposta. Há uma lenda sobre o primeiro presidente que diz que ele nunca soube dizer uma mentira. Ele foi universalmente amado e respeitado na sua história, por isso, mesmo que a história seja uma lenda fabricada, George Washington é conhecido como um homem honesto.

Como chefe dos EUA, as características tanto do chefe como da nação podem ser permutáveis. Os EUA na profecia bíblica são marcados como uma nação que muda, começando como um cordeiro, que é um símbolo de Cristo e terminando falando como um dragão, que é um símbolo de Satanás. Os dois chifres que representam a força dos EUA no seu início mudam do Republicanismo e Protestantismo para a Democracia e o Protestantismo apóstata. (Uma vez que o Protestantismo deixou de protestar contra Roma, mudou para o Protestantismo apóstata).

Nos versículos finais do Apocalipse treze, os pontos fortes dos EUA já não são o republicanismo e o protestantismo; são o poder econômico e militar. Isto é representado quando os EUA forçam o mundo a receber a marca da autoridade do catolicismo. Consegue-o sob ameaça de sanções económicas ou de morte. Os EUA foram identificados como uma nação que muda desde o seu início até ao seu fim, embora as características proféticas ainda estejam representadas. Continua a ser a besta que veio da terra e teve dois chifres no seu início ou no seu fim, mas os dois chifres do poder associados a um cordeiro, no início são alterados quando fala como um dragão no seu fim.

Os homens que participaram nos primeiros anos dos EUA eram homens de princípio, mas hoje os políticos que gerem o governo dos EUA já não operam a sua vida com base em princípios, mas sim em sondagens políticas e de opinião pública. Os políticos de hoje lambem o dedo e levantam-no no ar para ver para que lado sopra o vento. Os líderes políticos dos EUA de hoje mudaram em relação ao que eram no início, mas apesar da realidade de que Donald Trump é um desses políticos modernos, ele continua a ser profeticamente paralelo à lenda de George Washington em termos de honestidade.

Não que Trump não quebre regularmente a máquina de verificação de fatos, ele fez uma coisa honesta que nenhum presidente nos últimos cem anos sequer tentou fazer. Pode gostar deste fato ou detestar este fato, pois os EUA estão agora divididos em dois campos, mas gostar ou detestar, Donald Trump tem demonstrado repetida e consistentemente que tenta cumprir as suas promessas de campanha. A lenda de George Washington sobre a sua honestidade reflete-se na tentativa de Trump de cumprir a sua palavra para com aqueles a quem pediu para votar nele. O primeiro presidente no início dos EUA ilustra o último presidente. Uma das promessas de Donald Trump é importante de recordar. Ele deixou claro que, se o Islão atacar os EUA, ele retaliará.

Donald Trump não só é tipificado pelo primeiro presidente, como também é ilustrado por Abraham Lincoln, pois Lincoln foi o primeiro presidente republicano e Donald Trump é o último. A 18 de Julho de 2020, devido a um ataque islâmico a Nashville, Donald Trump irá declarar a lei marcial. Quem quiser ver o início desta questão pode simplesmente considerar que regras foram iniciadas devido à COVID-19. A implementação das regras para manter o distanciamento social tem uma lógica compreensível associada a elas, tal como a lei marcial será lógica após um ataque nuclear. Em 1861, durante a Guerra Civil, o Presidente Lincoln declarou a lei marcial e ordenou a suspensão do direito constitucionalmente protegido ao habeas corpus , que é um termo que impede a detenção ilegal.

A profetisa Ellen White identificou que o “despotismo ativo” será implementado nos últimos dias do sexto reino da profecia bíblica. “Despotismo” é uma palavra que significa ditadura e lei marcial. Ela também identificou que haveria outra Guerra Civil neste país. A guerra civil e a lei marcial tiveram lugar na história do primeiro presidente republicano e ambas serão repetidas imediatamente após 18 de Julho de 2020.

“A nossa terra está em perigo. O tempo está a chegar em que os seus legisladores vão abjurar os princípios do Protestantismo a ponto de darem rosto à apostasia romana”. O povo para o qual Deus tão maravilhosamente trabalhou, fortalecendo-o para que se livrasse do jugo do papado, dará, por um ato nacional, vigor à fé corrupta de Roma, despertando assim a tirania que apenas espera um toque para recomeçar a crueldade e o despotismo. Com passos rápidos estamos já a aproximar-nos deste período. Quando as igrejas protestantes procurarem o apoio do poder secular, seguindo assim o exemplo dessa igreja apóstata, para se oporem à perseguição mais feroz que os seus antepassados sofreram, então haverá uma apostasia nacional que só terminará na ruína nacional”. The Spirit of Prophecy, volume 4, 410.

“Na Índia, China, Rússia e nas cidades da América, milhares de homens e mulheres estão morrendo de fome. Os homens ricos, porque têm o poder, controlam o mercado. Eles compram a preços baixos tudo o que podem obter, e depois vendem a preços muito mais altos. Isto significa fome para as classes mais pobres e vai resultar numa guerra civil”. Manuscript Releases, volume 5, 305.

O primeiro Presidente, George Washington, e o primeiro republicano, o Presidente Abraham Lincoln, fornecem duas testemunhas sobre o último Presidente dos EUA. Qualquer cidadão americano que queira ser honesto está ciente de que as divisões agora existentes nos EUA estão a conduzir a uma guerra civil. Essas diferenças são a base para o aumento constante das vendas de armas e munições nesta nação. Se pegarmos nos seis principais Estados dos EUA em termos de venda de licenças de caça e partirmos do princípio de que cada licença vendida representa pelo menos uma arma, então com apenas seis de cinquenta Estados, temos os números que representam o maior exército permanente do mundo. Isto são apenas seis Estados.

As divisões sociais e políticas nos EUA têm sido propositadamente produzidas por duas máquinas de propaganda polarizadas. Uma máquina de propaganda liberal que se baseia filosoficamente no modelo educativo grego, promovendo o humanismo, e uma máquina de propaganda conservadora que se baseia filosoficamente no modelo educativo jesuíta que promove as tradições e os costumes católicos. Somos uma nação dividida, à beira de se incendiar na repetição de uma guerra civil que provocará o despotismo, o que significa uma ditadura juntamente com a lei marcial, e as restrições dos direitos individuais delineados na Constituição. Esta divisão é ilustrada na Bíblia pelos desacordos do fariseu com os saduceus, mas a história bíblica dos saduceus e dos fariseus inclui a realidade de que quando a crise da crucificação de Cristo chegou, esses dois inimigos filosóficos se uniram. Isso se repetirá na história imediatamente antes de nós.

Abraham Lincoln aboliu a escravatura e, na história vindoura, Ellen White identifica que a escravatura será reavivada.

“A escravatura será novamente reavivada nos Estados do Sul; pois o espírito da escravatura ainda vive”. Spalding e Magan, 22.

Pode-se argumentar que a escravatura já está aqui quando consideramos a indústria mundial do tráfico de seres humanos, e este seria um argumento válido. Mas a profetisa está a identificar o sul dos EUA e uma atitude profana que é mais predominante naquilo a que hoje chamamos o “cinto bíblico”. Não só existe um espírito profano de racismo que ainda existe nos EUA, como as duas modernas máquinas de propaganda que promovem a sua visão do mundo atiçam regularmente as chamas da divisão racial.

A advertência de 18 de Julho para Nashville, Tennessee, baseia-se na autoridade da profetisa Ellen White, e nos princípios proféticos estabelecidos na Bíblia. Ellen White não previu uma data para o evento, nem especificou um ataque nuclear ou que seria o Islão radical a realizar o ataque. A data de 18 de Julho de 2020 é baseada na cronologia bíblica. O Islão é baseado na aplicação profética bíblica. Um ataque nuclear baseia-se em três guerras mundiais. Iremos abordar as três guerras mundiais quando chegarmos à conclusão deste aviso, mas quero recordar-lhe, caro leitor, a lógica desta mensagem.

Abraham Lincoln aboliu a escravatura e, na história futura, Ellen White identifica que a escravatura será reavivada.

“A escravatura será novamente reavivada nos Estados do Sul; pois o espírito da escravatura ainda vive”. Spalding e Magan, 22.

Pode-se argumentar que a escravatura já está aqui quando consideramos a indústria mundial do tráfico de seres humanos, e este seria um argumento válido. Mas a profetisa está a identificar o sul dos EUA e uma atitude profana que é mais predominante naquilo a que hoje chamamos o “cinto bíblico”. Não só existe um espírito profano de racismo que ainda existe nos EUA, como as duas modernas máquinas de propaganda que promovem a sua visão do mundo atiçam regularmente as chamas da divisão racial.

A advertência de 18 de Julho para Nashville, Tennessee, baseia-se na autoridade da profetisa Ellen White, e nos princípios proféticos estabelecidos na Bíblia. Ellen White não previu uma data para o evento, nem especificou um ataque nuclear ou que seria o Islão radical a realizar o ataque. A data de 18 de Julho de 2020 é baseada na cronologia bíblica. O Islã é baseado na aplicação profética bíblica. Um ataque nuclear baseia-se em três guerras mundiais. Iremos abordar as três guerras mundiais quando chegarmos à conclusão deste aviso, mas quero recordar-lhe, caro leitor, a lógica desta mensagem.

Ellen White alertou claramente para o ataque que se avizinhava em Nova Iorque e que se concretizou no dia 11.09. Ela alertou para uma próxima ditadura, para a lei marcial e para a guerra civil. A COVID-19 é um prenúncio da lei marcial, pois cada Estado e o Governo Federal lutam para controlar as suas populações, independentemente da importância dos direitos individuais consagrados na Constituição. É fácil entender que não é um direito justificado poder levantar-se em um auditório e gritar, “Fogo”, e causar uma debandada onde as pessoas morrem ou são feridas. Esperamos que a Constituição proteja as nossas liberdades pessoais e religiosas com uma abordagem lógica, mas a pandemia da COVID-19 demonstrou que as duas partes nos EUA estão dispostas a relacionar-se com a crise em curso para realizarem o seu ganho político final. O que irão fazer quando a crise se transformar num ataque nuclear surpresa?

A pandemia é um aviso do que se avizinha quando a Terceira Guerra Mundial começar. O facto de Ellen White ter identificado o 11.09, uma próxima guerra civil, a lei marcial, a ditadura e a escravatura durante a sua vida, exige uma reflexão séria da sua parte. Ela morreu em 1915 e, antes de morrer, deixou estes avisos que estão definitivamente a falar para o ambiente político, social, global e financeiro que agora existe na presidência de Donald Trump. Disse ela num só lugar:

“O dinheiro vai em breve depreciar-se em valor muito subitamente quando a realidade das cenas eternas se abrir aos sentidos do homem”. Evangelismo, 62.

Quando Nashville for atingida por um ataque nuclear surpresa, o que acontecerá à Bolsa de Valores e à economia? Num outro lugar, afirmou:

“Nas últimas cenas da história desta Terra, a guerra vai ser violenta. Haverá pestilência, peste e fome. As águas das profundezas vão transbordar os seus limites. A propriedade e a vida serão destruídas pelo fogo e pela inundação”. Bible Echo, 17 de Junho de 1901.

18 de julho de 2020, não é uma previsão singular. É uma previsão que se enquadra perfeitamente nas circunstâncias da história da Terra, tal como elas existem neste momento. É um aviso de um julgamento de Deus contra uma nação a quem foi dada a oportunidade de ser uma luz para o mundo, mas essa nação mudou e deixou de seguir a sua elevada vocação. As circunstâncias proféticas que precisariam existir para reconhecer a validade desta advertência são multifacetadas. Estamos nas fronteiras da Terceira Guerra Mundial, e o julgamento sobre Nashville aborda o fato fundamental de que a razão pela qual este julgamento está prestes a ter lugar se baseia em grande medida na própria questão de saber qual é o símbolo de Nashville nos EUA, que é a educação grega e a idolatria de adorar os humanos, tal como representada pela competição dos jogos gregos. O humanismo e a falsa educação são os símbolos de Nashville.

Na última parte do século XIX, Deus criou um colégio baseado na filosofia educacional de que a Bíblia seria o principal livro de estudo e que a agricultura seria o principal campo de trabalho prático. Era o colégio de Deus no fim do mundo que tinha sido tipificado no início pela escola estabelecida pelo profeta Elias e depois levada avante pelo profeta Eliseu. Ellen White colocou repetidamente o selo de aprovação a esse sistema educativo, contrastando-o com os sistemas educativos corruptos da Grécia e de Roma. Não é por acaso que a escola que recebeu o nome de Madison College foi criada nos arredores de Nashville, Tennessee. Nashville tornou-se o local onde dois sistemas educativos foram profusamente contrastados para que todos pudessem ver.

Nashville como símbolo da educação tem na sua história inicial o contraste entre a verdadeira educação baseada na Bíblia e os falsos sistemas educativos da Grécia e de Roma. Em 11.09, Nova Iorque, o símbolo do poder economico dos EUA e o Pentágono, o símbolo do poder militar dos EUA, foram atingidos pelo Islã radical. Essa ataque forneceu a justificação para a implementação do Patriot Act , que constituiu um ataque directo e uma intromissão contra o aspecto mais fundamental da Constituição. O julgamento de Deus em 18 de Julho, em Nashville, abordará a mesma questão que levou o antigo Israel a participar na crucificação da sua educação Messias-Grega.

Capítulo cinco

Há um princípio profético divinamente profundo que Jesus estabeleceu na Bíblia. Ele combina algumas regras bíblicas para manter, talvez a ilustração mais clara do fim do mundo. O princípio profético é chamado de uma “tripla aplicação da profecia”. Baseia-se no fato de que a verdade é estabelecida no testemunho de duas testemunhas, que todas as histórias bíblicas são ilustrações do fim do mundo, e que como o Alfa e o Ômega, Jesus sempre ilustra o fim com o começo. Depois de ilustrar e estabelecer este princípio, vamos então aplicá-lo às três guerras mundiais que têm lugar na história do sexto reino da profecia bíblica, os EUA.

Já preparamos a lógica para reconhecer a estrutura desta regra, dirigindo-nos a Elias. Mostramos que Jesus identificou que João Batista cumpriu as profecias que previam que Elias apareceria antes do grande e terrível dia do Senhor. O “grande e terrível dia do Senhor” representa os julgamentos progressivos que escalam até a Segunda Vinda de Cristo, e esse dia terrível começa em 18 de julho de 2020. Para cumprir a profecia de Malaquias, haveria um terceiro Elias que tinha sido tipificado tanto por Elias quanto por João Batista. Ellen White disse-o desta forma:

“Os judeus tentaram impedir a proclamação da mensagem que tinha sido predita na Palavra de Deus; mas a profecia deve ser cumprida. O Senhor diz: ‘Eis que eu vos enviarei o profeta Elias antes da vinda do grande e terrível dia do Senhor’ (Malaquias 4:5). Alguém deve vir no espírito e poder de Elias, e quando ele aparecer, os homens podem dizer: ‘Você é muito sério, você não interpreta as Escrituras da maneira correta. Deixai-me dizer-te como ensinar a vossa mensagem”.

“Há muitos que não conseguem distinguir entre a obra de Deus e a do homem. Eu direi a verdade como Deus a dá a mim, e digo agora: Se continuardes a encontrar falhas, a ter um espírito de variação, nunca conhecereis a verdade, disse Jesus aos seus discípulos: ‘Tenho ainda muitas coisas para vos dizer, mas não as podeis suportar agora’ (João 16:12). Eles não estavam em condições de apreciar as coisas sagradas e eternas; mas Jesus prometeu enviar o Consolador, que lhes ensinaria todas as coisas, e lhes traria todas as coisas à memória, tudo o que Ele lhes dissera. Irmãos, não devemos colocar a nossa dependência no homem. Cessai do homem, cujo sopro está nas suas narinas; pois, em que é que ele deve ser considerado? (Isaías 2:22). Vocês devem pendurar suas almas indefesas em Jesus. Não nos convém beber do manancial do vale, quando há um manancial na montanha. Deixemos os riachos inferiores; vamos para as fontes mais altas. Se há um ponto da verdade que não compreendeis, sobre o qual não estais de acordo, investigai, comparai a Escritura com a Escritura, afundai o eixo da verdade no fundo da mina da Palavra de Deus. Deveis colocar-vos a vós mesmos e as vossas opiniões no altar de Deus, afastar as vossas ideias preconcebidas, e deixar que o Espírito do Céu vos guie em toda a verdade”. Mensagens Selecionadas, livro 1, 412.

Ellen White identifica o Elijah do tempo final como uma pessoa singular, pois ela diz, “quando ele aparece”. A Igreja Adventista do Sétimo Dia argumenta que este é um comentário de Ellen White sobre si mesma, mas o contexto exclui esse argumento gramatical. O seu argumento falhado sobre este assunto é testemunho do fato de que estão a repetir a história de todas as pessoas do pacto que foram passadas. A geração anterior rejeitou os profetas enviados a eles, e uma vez que esses profetas morreram, eles começaram a professar crer no seu trabalho anterior, mas se esses profetas aparecessem na história atual eles os rejeitariam da mesma forma que seus pais. Isto explica o silêncio da Igreja Adventista do Sétimo Dia a respeito de 9.11, e o aviso de Nashville. Jesus diz isso desta maneira:

Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! porque sois semelhantes aos sepulcros esbranquiçados, que de fato parecem belos por fora, mas estão cheios de ossos de homens mortos, e de toda a imundícia. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e iniqüidade. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque edificais os túmulos dos profetas, e ornamentais os sepulcros dos justos, e dizeis: Se tivéssemos estado nos dias de nossos pais, não teríamos participado com eles no sangue dos profetas. Portanto, sede testemunhas para vós mesmos, que sois os filhos daqueles que mataram os profetas. Enchei, pois, a medida de vossos pais. Vós serpentes, geração de víboras, como podeis escapar à condenação do inferno? Portanto, eis que vos envio profetas, e sábios, e escribas; e alguns deles matareis e crucificareis; e alguns deles açoitareis nas vossas sinagogas, e os perseguireis de cidade em cidade: para que sobre vós venha todo o sangue justo derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias, filho de Barachias, que matastes entre o templo e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão-de vir sobre esta geração. Ó Jerusalém, Jerusalém, tu que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados, quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus frangos debaixo das asas, e tu não quiseste! Eis que a vossa casa vos é deixada desolada. Mateus 23:27-38.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia não quer ouvir sobre a manifestação moderna de Elias, assim como não quis Herodes ou Acabe. Mas a sua relutância em abordar as questões proféticas associadas com a mensagem final de Elias não identifica que eles desconhecem a verdade sobre esta questão, pois Acabe foi submisso a Elias quando eles finalmente se encontraram, e é claramente afirmado de Herodes que ele temia João. Ellen White não só identificou que Elias viria como um homem quando disse “quando ele vier”, mas também identificou Elias como um movimento.

“João veio com o espírito e poder de Elias para proclamar o primeiro advento de Jesus. Fui apontada para os últimos dias e vi que João representava aqueles que deveriam sair no espírito e poder de Elias para anunciar o dia da ira e o segundo advento de Jesus”. Primeiros Escritos, 155.

Será isto uma contradição da aplicação? É o Elias que aparece antes do dia do Senhor uma pessoa, ou um movimento? Uma tripla aplicação da profecia responderá a essa mesma pergunta. Ellen White identificou a aparência do futuro de Elias para seu tempo, e Malaquias o colocou antes do “dia do Senhor” que marca o tempo dos julgamentos destrutivos de Deus. Uma tripla aplicação da profecia identifica que as duas primeiras menções do assunto ilustrarão o cumprimento final.

O triplo inimigo de Elias era Acabe, um poder civil; Jezabel, uma mulher corrupta; e um poder enganador representado tanto pelos profetas de Baal como pelos sacerdotes do bosque. João Batista foi confrontado pela autoridade civil representada por Herodes, uma mulher corrupta representada por Herodias, e a filha de Herodias, Salomé, que representava o poder enganador. Elias, no fim do mundo, seria confrontado com um poder civil representado pelas Nações Unidas; uma mulher corrupta, representada pela Igreja Católica, e um poder enganador representado pelo protestantismo apóstata dos EUA.

Na história de Elias, o poder enganador de Jezebel era representado por duas entidades – profetas e sacerdotes. Baal é uma divindade pagã masculina e os sacerdotes do bosque representavam Ashtaroth, uma divindade pagã feminina. O poder enganador no tempo de Elias era um poder enganador que era composto por dois poderes, masculino e feminino. A natureza dupla dos EUA é representada pelo Republicanismo (um símbolo do Estado) e pelo Protestantismo (um símbolo da igreja).

E eu vi outra besta a sair da terra; e ele tinha dois chifres como um cordeiro, e falava como um dragão. Apocalipse 13:11.

“Fornicação”, ou uma relação imoral entre homem e mulher, em profecia representa a combinação de igreja e estado, e essa combinação é a própria questão a que a Constituição se opõe.

E veio um dos sete anjos que tinham os sete frascos, e falou comigo, dizendo-me: Vem cá; mostrar-te-ei o julgamento da grande prostituta que se assenta sobre muitas águas: com quem os reis da terra se prostituíram, e os habitantes da terra foram embriagados com o vinho da sua prostituição. Apocalipse 17:1, 2.

Os profetas de Baal e os sacerdotes do bosque representam os EUA. A Constituição previa a coexistência da Igreja e do Estado de uma forma que foi concebida para ser uma bênção, separando propositadamente esses dois poderes. Na história de Elias, os dois dançavam juntos, numa tentativa de enganar Israel. É a besta da terra semelhante a um cordeiro que engana o mundo.

E ele faz grandes maravilhas, para fazer descer fogo do céu sobre a terra à vista dos homens, e engana os que habitam sobre a terra por meio daqueles milagres que ele tinha poder para fazer à vista da besta; dizendo aos que habitam sobre a terra que fizessem uma imagem à besta, que recebera a ferida da espada e vivia. Apocalipse 13:13,14.

João Batista lidou com Salomé, um poder enganador que era a filha de Herodias. Tanto Jezabel quanto Herodias representam a Igreja Católica, e quando as igrejas protestantes dos EUA cessaram de protestar contra Roma, elas se tornaram suas filhas. A Igreja Católica identifica-se como a Igreja Mãe e as igrejas protestantes que voltaram para ela como suas filhas. O livro do Apocalipse diz o mesmo.

Então ele me levou no espírito para o deserto: e vi uma mulher sentada sobre uma besta de cor escarlate, cheia de nomes de blasfêmia, com sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava vestida de púrpura e escarlate, e adornada com ouro, pedras preciosas e pérolas, tendo na mão um cálice dourado cheio de abominações e de imundície da sua fornicação: E na sua testa estava escrito um nome, MISTÉRIO, BABILONIA A GRANDE, A MÃE DAS PROSTITUTAS E ABOMINAÇÕES DA TERRA. Apocalipse 17:3-5.

No fim do mundo, a união tripla da Babilônia moderna irá para os reis da terra e conduzirá o mundo inteiro para a batalha do Armagedom. O povo de Deus nesta história que está representando a obra do último Elias será perseguido. Alguns morrerão, mas outros não. Os mártires na história do teste da imagem e da marca da besta têm sido representados por João Batista. Por isso são simbolizados no livro do Apocalipse como tendo suas cabeças cortadas, assim como João Batista.

E vi tronos, e sentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o julgamento; e vi as almas dos que foram degolados pelo testemunho de Jesus e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, nem receberam a sua marca na fronte, nem nas mãos; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos. Apocalipse 20:4.

Aqueles que não morrem são representados por cento e quarenta e quatro mil e também são identificados no livro do Apocalipse.

E olhei, e eis que um Cordeiro estava no monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, tendo o nome de seu Pai escrito na testa. E ouvi uma voz do céu, como a voz de muitas águas, e como a voz de um grande trovão; e ouvi a voz de harpistas que tocavam com as suas harpas: E cantaram como se fosse um cântico novo diante do trono, e diante dos quatro animais, e dos anciãos; e ninguém podia aprender esse cântico senão os cento e quarenta e quatro mil, que foram resgatados da terra. Apocalipse 14:1-3

E vi como se fosse um mar de vidro misturado com fogo; e os que tinham conseguido a vitória sobre a besta, e sobre a sua imagem, e sobre a sua marca, e sobre o número do seu nome, estavam sobre o mar de vidro, tendo as harpas de Deus. E cantam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus Todo-Poderoso; justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei dos santos. Apocalipse 15:2, 3.

Os cento e quarenta e quatro mil foram representados por Elias, que não morreu, mas foi transportado para o céu sem morte. Juntos, Elias e João Baptista identificam dois tipos de pessoas que representam Elias, e neste sentido, Elias no fim do mundo é um movimento. Esse movimento estará em conflito com uma união tripla do dragão, da besta e do falso profeta. O primeiro e o segundo Elias, (Elias e João Batista) fornecem duas testemunhas que estabelecem a história profética do terceiro e último cumprimento no fim do mundo. Se este fenômeno profético pode ser identificado uma segunda vez, então uma “tripla aplicação da profecia” é estabelecida como uma regra estabelecida por Jesus.

Na profecia bíblica, há três quedas de Babilônia e também três manifestações de Roma. A primeira Babilônia foi chamada Babel em Gênesis onze, e descreve a queda do reino de Ninrode. A segunda queda da Babilônia foi na história de Belsazar no capítulo cinco de Daniel. Anteriormente nós notamos que quando Ellen White identificou 9.11, e a destruição das Torres Gêmeas de Nova Iorque, ela declarou que Apocalipse 18:1-3 seria então cumprida.

E depois destas coisas vi outro anjo descer do céu, tendo grande poder; e a terra foi iluminada com a sua glória. E clamou com voz forte, dizendo: Caiu, caiu Babilônia, a grande, e se tornou morada de demônios, e o sustento de todo espírito imundo, e uma gaiola de toda a ave imunda e odiosa. Pois todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra se prostituíram com ela, e os mercadores da terra enriqueceram-se com a abundância das suas iguarias. Apocalipse 18:1-3.

A mensagem proclamada pelo anjo que ilumina a terra com sua glória está identificando que Babilônia, a grande, caiu duas vezes, pois o anjo declara “está caída, está caída”. Essas duas quedas foram a história de Ninrode e Belsazar. Essas duas histórias fornecem duas testemunhas para identificar a sequência profética de acontecimentos que começaram em 11 de Setembro de 2001, quando o Islã radical atacou inesperadamente os EUA.

Ninrode estava a tentar estabelecer um governo no mundo, um reino mundial, mas os seus planos foram arruinados. Ninrode construiu duas coisas em Gênesis onze, uma torre que é símbolo de uma igreja e uma cidade que é símbolo de um Estado.

E eles disseram: Ide, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre, cujo cume possa alcançar o céu; e façamos de nós um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra. E desceu o Senhor para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificaram. Gênesis 11:4, 5.

Ninrode estava procurando estabelecer um governo mundial único, combinando igreja e estado. Quando Belsazar caiu, ele estava bebendo vinho, um símbolo de doutrina, e o vinho fermentado que ele estava bebendo tinha sido derramado nos vasos sagrados do santuário de Deus.

Na Bíblia, o vinho é um símbolo de doutrina; o vinho fermentado representa falsa doutrina, e o suco da fruta não fermentado, que também é vinho, representa a verdadeira doutrina. O vinho fermentado de Belsazar, derramado nas taças sagradas do santuário sagrado de Deus, na queda da Babilônia de Belsazar representa uma mistura do sagrado e do profano. O anjo do Apocalipse dezoito identificando que Babilônia “caiu, caiu” afirma que “todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra se fornicaram com ela”.

A construção por Ninrode de uma torre (igreja) e de uma cidade (estado) representava a relação profana (fornicação) dos reis (civis) da terra unindo-se com a prostituta de Roma (igreja). Combinando esta queda da Babilônia com a queda de Belsazar, podemos ver que a doutrina que os reis da terra têm consumido representa a ira da prostituta. Essa ira é representada pelo ódio de Jezabel e Herodias a Elias e João. Quando os reis da terra cometem fornicação com a prostituta de Roma, aceitando uma relação Igreja-Estado como estrutura de governo, eles aceitam a premissa perversa de que nessa relação a prostituta tem autoridade para perseguir aqueles que discordam dela.

Muito mais pode ser derivado da tripla aplicação das três quedas da Babilónia, mas basta dizer que a queda de Ninrode combinada com a queda de Belsazar identifica a queda da Babilónia moderna, e essa queda progressiva começou em 11 de Setembro de 2001. Quando a Lei Patriota foi instituída, o próprio cerne da Constituição foi virado de cabeça para baixo. Existem essencialmente dois modelos jurídicos no mundo, os quais são o direito inglês e o direito romano.

A Constituição foi escrita com base no direito inglês e propositadamente escrita para rejeitar o direito romano. A simples diferença entre estes dois modelos forenses é que a lei inglesa se baseia no princípio de que “uma pessoa é considerada inocente até prova em contrário”, e a lei romana funciona com base no princípio católico de que “uma pessoa é considerada culpada até prova em contrário”.

A lei romana foi responsável pelo assassinato de mais de cinquenta milhões de pessoas durante a Idade Média (segundo fontes católicas), e quando os autores da Constituição escreveram esse documento sagrado, rejeitaram propositadamente a lei romana, pois as feridas dos mártires assassinados da Idade Média ainda estavam frescas na sua memória colectiva. Em 9.11, o Ato Patriota instituiu a premissa de que qualquer pessoa pode ser espiada ou presa com base no pressuposto de que é culpada. O vinho que foi bebido pelos reis da terra em 9.11, era o vinho do catolicismo, e era o vinho da sua ira – era a doutrina católica que uma pessoa é culpada até prova em contrário que deu provas de que os EUA estavam começando a fazer uma dança enganosa como fizeram Salomé, os profetas de Baal, e os sacerdotes do bosque.

Como outra testemunha de uma tripla aplicação da profecia, há três manifestações de Roma. A primeira foi a Roma Imperial que começou a se inserir na história em 200 AC, e pela batalha de Áctium em 31 AC tinha se tornado o poder que governaria o mundo com um punho de ferro por séculos futuros. Seguiu-se o catolicismo romano que governaria durante mil duzentos e sessenta anos, de 538 a 1798. Ambos sistemas romanos governaram o mundo supremamente durante um período de tempo específico. A Roma Imperial de acordo com Daniel 11:24 governaria por “um tempo” (trezentos e sessenta anos), desde a batalha de Átium até o Imperador Constantino ter dividido o Império em 330. Roma papal é identificada diretamente sete vezes na Bíblia como governando por mil duzentos e sessenta anos. Estes dois antigos símbolos de Roma estabelecem as características proféticas da Roma moderna, o papado de hoje.

A religião da Roma Imperial era o paganismo e o título da sua mais alta autoridade era Pontifex Maximus. Assim também, a religião do catolicismo romano era o paganismo, e o título da sua mais alta autoridade era Pontifex Maximus. Tanto a Roma Imperial (estado) como a Roma Católica (igreja) perseguiam o Cristianismo Imperial no Coliseu (como um exemplo familiar) e a Roma Católica nas inquisições jesuítas (como outro exemplo familiar). Tanto Roma Imperial como Roma Católica tinham servas do templo chamadas “freiras”. Ambas consideravam o “sol” como o principal objeto de culto. Ambas adoravam ídolos. Ambas tinham uma cerimônia onde comiam hóstias dedicadas ao sol e bebiam vinho fermentado, e ao fazê-lo pronunciavam a expressão pagã de “hocus pocus” para representar a magia que empregavam para transformar sua hóstia e vinho em um deus.

Com base nestas duas testemunhas, a Roma moderna reinará também por um período de tempo específico no fim do mundo. Esse tempo é identificado como “uma hora” no Apocalipse dezessete. A religião do catolicismo romano moderno é pagã, e nunca foi uma religião cristã, em nenhum sentido da definição bíblica de cristã. Ela está em rebelião contra o segundo mandamento no sentido de que adora ídolos e acredita que o sol é o principal objeto de culto. O título oficial para o papa é Pontifex Maximus, e por um “curto espaço” ou “uma hora” de acordo com Apocalipse dezessete, a igreja católica vai dirigir perseguições a cristãos fiéis que nunca antes foram testemunhadas. Há várias “aplicações triplas de profecia” na palavra de Deus, mas agora identificamos três para estabelecer esta regra profética antes de considerarmos as três guerras mundiais que ocorrem durante a história dos EUA.

As três guerras estão diretamente ligadas a outro símbolo que temos que considerar. Esse símbolo é a cabeça de um reino e, neste estudo, a cabeça é o presidente dos EUA. Donald Trump como o último presidente republicano foi tipificado tanto por George Washington como por Abraham Lincoln. Foi também tipificado por Ronald Reagan e, nesta representação, é realçada a diferença entre republicanos e democratas. A distinção entre estas duas filosofias de governo deve ser reconhecida para se compreender plenamente o 18 de Julho de 2020.

Ronald Reagan foi precedido por Jimmy Carter, essencialmente um plantador the amendoin desconhecido da Geórgia, que se tinha tornado governador daquele Estado. Digo desconhecido, não num sentido depreciativo, mas para enfatizar que Donald Trump foi precedido por Barrack Obama, um organizador comunitário essencialmente desconhecido de Illinois. A inaptidão de Carter em relação à economia americana é facilmente documentada. Carter falhou num confronto com o Ayatollah do Irão, deixando os embaixadores americanos encalhados num país de terceira categoria até Ronald Reagan reverter essa situação.

A inaptidão de Obama em relação à economia americana foi encoberta por uma máquina de propaganda liberal, mas ainda é fácil de documentar. Também ele falhou numa interação com o Ayatollah do Irão relativamente ao tratado globalista que entrou, e só depois da Presidência do Trump é que esta situação foi revertida. Tanto Carter como Obama são democratas e nenhum deles tem quaisquer reservas em colocar as suas simpatias políticas do lado do globalismo em contraste com o lado dos EUA.

Na Presidência de Ronald Reagan, a União Soviética entrou em colapso. Todos os historiadores que analisarem esse colapso identificarão que o colapso foi o acontecimento mais significativo, ou pelo menos o segundo acontecimento mais significativo do século XX. Muitos argumentam que a queda das bombas nucleares em Hiroshima e Nagasaki foi o acontecimento mais significativo do século XX, mas em qualquer dos casos, esses historiadores documentarão que o colapso foi causado em grande medida por uma aliança formada entre a Igreja Católica e o Presidente dos EUA. Um ponto mais significativo sobre esta aliança para a nossa consideração é que se tratava de uma aliança “secreta”.

A partir da meia-noite de 9 de Novembro de 1989, quando o Muro de Berlim caiu até 25 de Dezembro de 1991 quando Mikhail Gorbachev dissolveu a União Soviética e se retirou da liderança da URSS assumindo depois um cargo nas Nações Unidas, representa o período de 9 de Novembro de 2019 até 25 de Dezembro de 2021. Na Presidência de Donald Trump, a Rússia, e não a União Soviética, entrará em colapso, tal como a URSS. Depois, a união tripartida do dragão, da besta e do falso profeta reunir-se-á num governo mundial. A Presidência de Reagan ajudou a provocar o colapso da União Soviética através de uma aliança secreta com o Vaticano, e a Presidência de Trump provocará o colapso da Rússia e de Vladimir Putin através de uma aliança secreta com o Vaticano.

A essência do termo República na história americana é um governo que protege os direitos individuais dos seus cidadãos, das suas cidades, dos seus condados e dos seus Estados. É um governo que o seu desígnio ficou famoso quando Abraham Lincoln afirmou um “governo do povo, pelo povo, para o povo”. Esta é a essência da República Americana. Muitos dos que talvez tenham ouvido a frase de Lincoln provavelmente desconhecem que Lincoln adaptou esta frase de um pregador abolicionista dos anos 1850 chamado Theodore Parker. Na profecia, os EUA é uma potência que muda ao longo da sua história, representada pelo seu início como um cordeiro e pelo seu fim como um dragão. O cordeiro e o dragão são completamente opostos. Lincoln, como o primeiro presidente republicano, torna-se um símbolo da filosofia do partido que professa defender a intenção original da Constituição.

O Partido Democrata representa a filosofia governamental de uma democracia. A democracia não é o republicanismo americano, tal como originalmente delineado na Constituição. A democracia representa que a maioria governa. Este argumento tem sido repetidamente divulgado na imprensa desde que Donald Trump derrotou Hillary Clinton. Os Democratas insistem na necessidade de este governo adoptar um sistema de votação baseado na regra da maioria. A história pode atestar que, quando a maioria governa, as minorias são perseguidas. Os EUA mudaram a tal ponto de metade do país desejar aceitar um sistema governamental baseado na regra da maioria, rejeitando assim os direitos individuais consagrados na Carta de Direitos. É por isso que uma análise atenta da história dos partidos democratas e republicanos demonstra que foi o partido de Lincoln que lutou e defendeu os direitos das minorias, apesar das afirmações contrárias da máquina de propaganda democrática.

Não interpretem mal a mensagem aqui. Estas duas profissões políticas são simplesmente isso. Estamos no fim dos EUA; ambos os partidos estão agora a ser colocados numa crise Providencial, onde irão se unir contra a Verdade. A profissão republicana ao republicanismo foi anulada quando estabeleceram uma relação de trabalho com a Igreja Católica, pois foi com base na história sangrenta da Igreja Católica, que os autores da Constituição escreveram esse documento. Foi escrito para impedir uma aliança entre o governo do Estado e qualquer igreja, mas especificamente a igreja que governou durante a Idade das Trevas. Os republicanos estão agora a professar os seus argumentos políticos, tal como os fariseus de outrora, e os democratas estão também a fazer as suas profissões, tal como os saduceus. Todas as histórias bíblicas ilustram o fim do mundo.

A distinção entre estas duas filosofias políticas é importante antes de considerarmos as três guerras mundiais, pois as duas primeiras guerras foram realizadas por presidentes democráticos globalistas, e esta terceira e última guerra será realizada pelo partido político oposto.

As características da Primeira Guerra Mundial combinadas com as características da Segunda Guerra Mundial irão estabelecer as características proféticas da Terceira Guerra Mundial. A Terceira Guerra Mundial começa em 18 de Julho de 2020. A Terceira Guerra Mundial começa com o ataque islâmico de 18 de Julho de 2020, pois a primeira referência na Bíblia ao Islã radical identifica que Ismael seria um homem selvagem e que a sua mão seria contra todos os homens e a mão de todos os homens seria contra ele.

Um governo mundial único é um tema de profecia bíblica e a maioria dos cristãos sabe disso, mesmo que não o entenda corretamente. Mas muitos já leram Apocalipse 13, que diz o seguinte.

E engana os que habitam sobre a terra por meio daqueles milagres que ele tinha poder para fazer aos olhos da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta, que tinha a ferida da espada, e viveu. E tinha poder para dar vida à imagem da besta, para que a imagem da besta falasse e fizesse com que todos os que não adorassem a imagem da besta fossem mortos. E faz com que todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, recebam uma marca na mão direita, ou na testa: E para que ninguém pudesse comprar ou vender, excepto aquele que tivesse a marca, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Apocalipse 13:14-17.

Todo humano no planeta Terra será confrontado com a questão de aceitar ou rejeitar a marca da besta, pois ali diz: “ele faz com que todos”. É um teste mundial que é imposto pela pressão econômica. Sem a marca, não poderá “comprar ou vender”, e se se recusar a adorar a imagem da besta, será “morto” pelo poder militar do poder que “engana os que habitam na terra”. O poder que engana toda a terra é a besta que subiu da terra no versículo onze. Uma besta na profecia bíblica é um reino.

Eu, Daniel, estava de luto no meu espírito no meio do meu corpo, e as visões da minha cabeça perturbavam-me. Aproximei-me de um dos que estavam ali, e perguntei-lhe a verdade de tudo isso. Então ele me disse, e me fez saber a interpretação das coisas. Estes grandes animais, que são quatro, são quatro reis, que hão-de surgir da terra. Daniel 7:15-17.

A besta que engana o mundo inteiro deve ser uma besta que tem autoridade sobre o mundo inteiro.

E eu vi outra besta emergir da terra; e ele tinha dois chifres como um cordeiro, e falava como um dragão. E ele exerce todo o poder da primeira besta antes dele, e faz com que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja ferida mortal foi curada. E faz grandes maravilhas, de modo que faz descer fogo do céu sobre a terra à vista dos homens, e engana os que habitam sobre a terra por meio daqueles milagres que tinha poder para fazer à vista da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que fizessem uma imagem à besta, que tinha a ferida da espada, mas reviveu. Apocalipse 13:11-14.

A referência a este poder que “faz descer fogo do céu sobre a terra à vista dos homens” deriva da história de Elias no Monte Carmelo. Elias foi confirmado como o verdadeiro profeta em contraste com os falsos profetas de Baal e os sacerdotes do bosque quando o fogo de Deus desceu do céu e consumiu a oferta de Elias. Aqui, a besta terrestre está fazendo uma obra de engano e, portanto, está representando os falsos profetas do Monte Carmelo, e o seu engano inclui o seu trabalho de impor a adoração da besta, fazendo uma imagem da besta, e forçando a marca da besta. Para obrigar o mundo inteiro a adorar a besta, receber a sua marca, e fazer-lhe uma imagem, é necessário um governo global. Esse governo global é unido por uma crise mútua que é trazida para o mundo pelo Islã radical e pelas armas nucleares.

O medo legítimo da humanidade de uma guerra nuclear obrigará o mundo a unir-se para enfrentar o Islã radical. O estabelecimento de um governo global está marcado tanto na Primeira como na Segunda Guerra Mundial. Estas duas guerras constituem duas testemunhas que estabelecem as características da Terceira Guerra Mundial. A Wikipédia diz o seguinte.

“Thomas Woodrow Wilson foi um político, advogado e academico americano que serviu como 28º presidente dos EUA de 1913 a 1921. Membro do Partido Democrata, Wilson serviu como presidente da Universidade de Princeton e como o 34º governador de Nova Jersey antes de ganhar as eleições presidenciais de 1912. Como presidente, supervisionou a passagem de políticas legislativas progressistas sem paralelo até ao New Deal, em 1933. Também conduziu os EUA à I Guerra Mundial em 1917, estabelecendo uma política externa ativista conhecida como “Wilsonianismo”. Ele foi o arquitecto principal da Liga das Nações”. Wikipedia, Woodrow Wilson, 2020.

Repare que o Presidente Wilson foi o arquitecto principal da Liga das Nações, que foi a primeira organização intergovernamental mundial cuja principal missão era “manter a paz mundial”. Foi fundada em 10 de janeiro de 1920, após a Conferência de Paz de Paris que terminou a Primeira Guerra Mundial, e em 1919, o Presidente dos EUA, Woodrow Wilson, ganhou o Prêmio Nobel da Paz por seu papel como principal arquiteto da Liga. Após a Primeira Guerra Mundial, houve um esforço para estabelecer um governo mundial único. Era um presidente democrata dos EUA que era a principal pessoa a impulsionar essa agenda global. Essa agenda global era inédita até Franklin Delano Roosevelt.

No final da Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas foram criadas, mas o seu nome foi-lhe dado pelo Presidente Democrata Franklin D. Roosevelt em 1 de Janeiro de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial. A Organização das Nações Unidas foi fundada em 24 de outubro de 1945, em Lake Success, Nova York, e é uma organização intergovernamental que visa “manter a paz e a segurança internacionais”, desenvolver relações amistosas entre as nações, alcançar a cooperação internacional e ser um centro de harmonização das ações das nações. É a maior, mais familiar, mais representada internacionalmente e a mais poderosa organização intergovernamental do mundo. As Nações Unidas estão sediadas em território internacional na cidade de Nova Iorque.

No início dos EUA, a história identifica uma premissa errada baseada numa doutrina católica corrupta chamada “Manifest Destiny” (Destino Manifesto). Acreditava-se que o movimento iria produzir paz no planeta Terra. No final do sexto reino da profecia bíblica, haverá uma repetição desta ideia errada de que a humanidade, especialmente os EUA, pode trazer cerca de mil anos de paz. Juntamente com este reconhecimento profético, pode concluir-se que haverá um terceiro impulso para um governo mundial unico. Este impulso para o próximo governo global, tal como o movimento do “Destino Manifesto”, e o propósito declarado para a Liga das Nações e as Nações Unidas, unir-se-á contra os descendentes de Ismael (Islã radical) sob a falsa premissa de criar uma onda de paz duradoura. Quando esse terceiro governo global estiver habilitado, verificar-se-á que o Islã radical não foi a verdadeira motivação para o governo global. Os líderes civis representados tanto por Acabe como por Herodes serão enganados.

Acabe tinha testemunhado pessoalmente o fogo descer do céu e consumir a oferta de Elias. Acabe era um israelita apóstata, mas quando testemunhou a confirmação da descida do fogo do céu em contraste com os esforços infrutíferos dos profetas de Baal e dos sacerdotes do bosque, ele foi o mais rápido possível para iluminar sua esposa corrupta sobre quem era o único Deus verdadeiro. No poder de Deus, Elias tinha matado todos os profetas e sacerdotes da falsa religião de Jezebel com a sua mão e Acabe tinha o propósito de explicar este maravilhoso poder de Deus a Jezebel, assim, apesar da forte chuva em resposta à oração de Elias, Acabe correu a Jezebel para lhe dar o relato. Repare na sua resposta.

E aconteceu, no meio do caminho, que o céu estava negro de nuvens e vento, e houve uma grande chuva. E Acabe cavalgou, e foi para Jezreel. E a mão do Senhor estava sobre Elias; e, cingindo os lombos, correu diante de Acabe para a entrada de Jezreel. E Acabe contou a Jezabel tudo o que Elias fizera, e também como matara à espada a todos os profetas. Então Jezabel enviou um mensageiro a Elias, dizendo: Assim me façam os deuses, e mais ainda, se eu não fizer a tua vida como a vida de um deles até amanhã, por esta hora. 1 Reis 18:45-19:2.

Acabe tinha sido enganado a respeito das motivações assassinas de sua esposa corrupta. Ele pensou que ela seria convertida, mas ela estava simplesmente enfurecida. A segunda testemunha deste fato é com João Batista. Herodes nunca suspeitou que Salomé pediria que ela fosse recompensada com a cabeça de João Batista. Herodes temia João e não estava disposto a matá-lo. Foi apenas devido à sua condição enganada em relação às motivações da sua esposa corrupta que ele caiu na armadilha.

Pois o próprio Herodes tinha mandado prender João, e o amarrou na prisão por causa de Herodias, a mulher de seu irmão Felipe; pois ele tinha casado com ela. Pois João tinha dito a Herodes: Não te é lícito teres a mulher de teu irmão. Por isso Herodias teve uma contenda contra ele, e o teria matado; mas ela não pôde: Pois Herodes temia a João, sabendo que era um homem justo e santo, e o observava; e quando o ouvia, fazia muitas coisas, e o ouvia de bom grado.

E, chegando um dia conveniente, em que Herodes, no seu aniversário, fez uma ceia aos seus senhores, altos capitães e príncipes das fazendas da Galiléia; e, entrando a filha do referido Herodias, dançou e agradou a Herodes e aos que com ele estavam sentados, disse o rei à donzela: Pede-me o que quiseres, e eu to darei. E ele jurou-lhe: Tudo quanto me pedires, eu to darei, até metade do meu reino.

E ela, saindo, disse a sua mãe: Que hei de pedir? E ela disse: A cabeça de João Batista. E, entrando logo apressadamente ao rei, perguntou, dizendo: Quero que me dês a cabeça de João o Batista, uma bandeija. E o rei se entristeceu muito; contudo, por causa do seu juramento, e por causa dos que estavam sentados com ele, ele não a quis rejeitar. Imediatamente o rei enviou um soldado, e mandou que lhe trouxessem a cabeça; e foi degolá-lo na prisão, e trouxe a cabeça numa bandeija, e deu-a à donzela; e a donzela deu-a à sua mãe. Marcos 6:17-28.

Em duas testemunhas, o poder civil representado por Acabe e Herodes foram enganados quanto à motivação da mulher corrupta com quem eram casados. Ronald Reagan formou uma relação secreta com a igreja de Roma e assim tipificou a relação que Donald Trump irá estabelecer. Os globalistas do mundo unido irão juntar-se devido à crise da Terceira Guerra Mundial que começa em 18 de Julho de 2020, e irão fazê-lo sob a premissa de que o objetivo é colocar o Islã radical sob controle. Quando esse governo globalista estiver instalado e no poder, descobrirão que aquela mulher corrupta tinha inteção de matar Elias e João Baptista – não o Islã radical. O governo mundial único é um tema de profecia bíblica e inclui a verdade de que o Islã radical inicia a Terceira Guerra Mundial de acordo com o carater da antiga origem do Islã radical – Ismael.

As duas primeiras guerras mundiais também identificam uma diferença entre Democratas e Republicanos, pois, nas duas primeiras guerras, foi a filosofia dos Democratas que impulsionou um governo global sob a premissa da paz mundial. Donald Trump, como republicano, não vai pressionar por um governo global, vai ser pressionado por ele. Como republicano, relacionar-se-á com o conceito de um governo global a partir de uma premissa filosófica diferente da de um democrata. Um democrata relacionar-se-á com a crise como um saduceu no tempo de Cristo, mas um republicano relacionar-se-á com a crise como um fariseu. Um democrata foi educado no falso sistema educativo da Grécia e um republicano foi educado no falso sistema educativo do catolicismo. Na próxima crise representada por Elias no Monte Carmelo e João Baptista na festa de aniversário de Herodes, tanto os saduceus como os fariseus irão unir-se sob a premissa de que é conveniente que esta pequena, porém vocal minoria, seja eliminada para que todo o reino não caia. Ellen White descreve essas circunstâncias da seguinte forma.

“Enquanto aparecer aos filhos dos homens como um grande médico que pode curar todos os seus males, ele [Satanás] trará doenças e desastres, até que cidades populosas sejam reduzidas à ruína e à desolação”. Mesmo agora ele está a trabalhar. Em acidentes e calamidades por mar e por terra, em grandes conflitos, em violentos tornados e granizo, em tempestades, inundações, ciclones, maremotos e terremotos, em todos os lugares e sob mil formas, Satanás está exercendo seu poder. Ele varre a colheita que amadurece, e a fome e a angústia se lhe seguem. Ele transmite ao ar uma mancha mortal, e milhares perecem pela pestilência. Estas visitas vão-se tornando cada vez mais frequentes e desastrosas. A destruição será tanto para o homem como para os animais. A terra chora e se desvanece”, “o povo altivo … definha”. A terra também está contaminada sob os seus habitantes; porque eles transgrediram as leis, mudaram a ordenança, quebraram o pacto eterno”. Isaías 24:4, 5.

“E então o grande enganador persuadirá os homens de que aqueles que servem a Deus estão causando estes males. A classe que tem provocado o descontentamento do Céu acusará todos os seus problemas àqueles cuja obediência aos mandamentos de Deus é uma perpétua reprovação aos transgressores. Será declarado que os homens estão ofendendo a Deus pela violação do descanço dominical; que este pecado trouxe calamidades que não cessarão até que a observância do domingo seja estritamente imposta; e que aqueles que apresentam as reivindicações do quarto mandamento, destruindo assim a reverência ao domingo, são perturbadores do povo, impedindo sua restauração ao favor divino e à prosperidade temporal. Assim se repetirá a acusação antiga contra o servo de Deus e por motivos igualmente bem estabelecidos: “E sucedeu que, vendo Acabe a Elias, lhe disse: És tu aquele que perturbas Israel? E ele respondeu: Eu não perturbei a Israel, mas tu e a casa de teu pai, porque abandonastes os mandamentos do Senhor, e seguistes os baalins”. 1 Reis 18:17, 18. Como a ira do povo será excitada por falsas acusações, eles seguirão um curso contra os embaixadores de Deus muito semelhante àquele que Israel apóstata perseguiu para Elias”. The Great Controversy, 589, 590.

Ao contrário das duas primeiras tentativas de um governo global, esta tentativa será realizada através de um republicano e não de um presidente democrata e, nessa próxima crise, ambas as partes se unirão. Esta história também ocorreu no episódio onde Cristo fizera um milagre no dia de sábado. 18 de Julho de 2020, é um dia de sábado. Ellen White descreve-o da seguinte forma.

“Então, como os sacerdotes, os governantes e os anciãos se reuniram para consulta, foi a sua determinação fixa de calar Aquele que fez obras tão maravilhosas que todos os homens se perguntavam. Os fariseus e saduceus estavam mais unidos do que nunca. Divididos até então, tornaram-se um na sua oposição a Cristo. Nicodemos e José tinham, em antigos concílios, impedido a condenação de Jesus, e por isso não foram agora convocados. Estavam presentes no conselho outros homens influentes que acreditavam em Jesus, mas a sua influência não prevalecia contra a dos fariseus malignos.

“Mas os membros do concílio não estavam todos de acordo. O Sinédrio não era, neste momento, uma assembleia legal. Existia apenas pela tolerância. Alguns dos seus membros questionavam a sabedoria de condenar Cristo à morte. Temiam que isso provocasse uma insurreição entre o povo, fazendo com que os romanos retivessem mais favores do sacerdócio e lhes retirasse o poder que ainda detinham. Os saduceus estavam unidos no seu ódio a Cristo, mas estavam inclinados a ser cautelosos nos seus movimentos, temendo que os romanos os privassem da sua elevada posição.

“Neste concílio, reunido para planejar a morte de Cristo, estava presente a Testemunha que ouviu as palavras jactanciosas de Nabucodonosor, que testemunhou a festa idolátrica de Belsazar, que estava presente quando Cristo em Nazaré anunciou a si mesmo o Ungido. Esta Testemunha estava agora impressionando os governantes com o trabalho que eles estavam fazendo. Os acontecimentos na vida de Cristo se levantaram diante deles com uma distinção que os alarmou. Eles se lembraram da cena no templo, quando Jesus, então uma criança de doze anos, ficou diante dos doutores da lei, fazendo-lhes perguntas nas quais eles se perguntavam. O milagre que acabou de ser realizado testemunhou que Jesus não era outro senão o Filho de Deus. Em seu verdadeiro significado, as Escrituras do Antigo Testamento a respeito de Cristo brilharam diante de suas mentes. Perplexos e perturbados, os governantes perguntaram: “O que faremos nós? Havia uma divisão no conselho. Sob a impressão do Espírito Santo, os sacerdotes e governantes não podiam banir a convicção de que estavam lutando contra Deus.

“Enquanto o Concílio estava no auge da sua perplexidade, Caifás, o sumo sacerdote, levantou-se. Caifás era um homem orgulhoso e cruel, prepotente e intolerante. Entre as suas ligações familiares estavam saduceus, orgulhosos, ousados, imprudentes, cheios de ambição e crueldade, que escondiam sob um manto de pretensa justiça. Caifás tinha estudado as profecias e, embora ignorando o seu verdadeiro significado, falou com grande autoridade e segurança: “Vós nada sabeis, nem considerais que é conveniente para nós, que um homem morra pelo povo, para que toda a nação não pereça”. Mesmo que Jesus fosse inocente, exortou o sumo sacerdote, Ele deve ser posto fora do caminho. Ele foi um incômodo, atraindo o povo para si mesmo, e diminuindo a autoridade dos governantes. Ele era apenas um; era melhor que Ele morresse do que que a autoridade dos governantes fosse enfraquecida. Se o povo perdesse a confiança nos seus governantes, o poder nacional seria destruído. Caifás instou que, depois deste milagre, os seguidores de Jesus provavelmente se revoltariam. Os romanos virão então, disse ele, e fecharão o nosso templo, e abolirão as nossas leis, destruindo-nos como nação. Qual é o valor da vida deste Galileu em comparação com a vida da nação? Se Ele se interpõe no caminho do bem-estar de Israel, não será um serviço a Deus removê-Lo? É melhor que um homem morra do que toda a nação ser destruída.

“Ao declarar que um homem deveria morrer pela nação, Caifás indicou que ele tinha algum conhecimento das profecias, embora fosse muito limitado. Mas João, no seu relato desta cena, retoma a profecia, e mostra o seu amplo e profundo significado. Ele diz: “E não só por aquela nação, mas também para que ele reunisse em um só os filhos de Deus que estavam espalhados pelo mundo”. Como o altivo Caifás reconheceu cegamente a missão do Salvador”! The Desire of Ages, 538-540.

A crise que se avizinha parecerá, do ponto de vista humano, ter sido provocada pelo Islã radical; mas será reconhecida, mas demasiado tarde, que a questão não é o Islã radical, mas a implementação da marca da autoridade de Jezebel. O principal ponto de culto de Jezebel e do Império Romano no tempo de Cristo e da Roma moderna de hoje é o sol. Adorar o sol foi a lógica por trás de Deus enviar três anos de seca para Acabe e Jezebel. Foi uma repreensão de Deus, o criador de todas as coisas, incluindo o sol, demonstrando que só Ele controla a natureza que eles adoravam, a natureza que Ele criou.

Foi Cristo fazendo um milagre no sábado do sétimo dia que uniu os altivos Caifás, os saduceus, e os fariseus contra Jesus. A crise no fim do mundo é sobre o falso profeta enganando o mundo para aceitar a marca da autoridade de Roma, a Igreja Católica Romana. Essa tem repetidamente identificado sua capacidade de levar o mundo cristão inteiro a aceitar a premissa de adorar no dia do sol quando os cristãos sabem muito bem que o único dia autorizado na Bíblia para adoração é o sábado do sétimo dia.

Os católicos proclamam que o fato de o mundo cristão ter aceitado o dia pagão de adoração prova que a autoridade da igreja católica não se baseia na Bíblia, mas em tradições e costumes. Infelizmente, a maioria dos cristãos de hoje já não compreende estas afirmações arrogantes do papado, mas elas estão facilmente disponíveis para qualquer pessoa que possa escolher investigar.

O sistema educacional introduzido pela mais cruel e perversa das várias ordens católicas, a ordem jesuíta, é um sistema educacional que sustenta costumes e tradições acima da autoridade da Bíblia. Jesus diz isto sobre costumes e tradições.

Então os fariseus e os escribas lhe perguntaram: Por que não andam os teus discípulos segundo a tradição dos anciãos, mas comem pão com as mãos por lavar? Respondeu-lhes ele: Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão, porém, me adoram, ensinando doutrinas que são os mandamentos dos homens. Por deixardes de lado o mandamento de Deus, vós possuís a tradição dos homens, como a lavagem de vasos e copos; e muitas outras coisas semelhantes fazeis. E disse-lhes: Rejeitai bem o mandamento de Deus, para que guardeis a vossa própria tradição. Marcos 7:5-9.

Os fariseus colocaram as tradições dos homens acima dos mandamentos de Deus. O catolicismo afirma que a sua autoridade se baseia na sua capacidade de levar o mundo cristão a aceitar as tradições católicas (pagãs) acima dos mandamentos de Deus. É este sistema educativo de pensamento que predomina nos EUA, entre os cristãos conservadores e os políticos conservadores. É por este sistema educacional que Donald Trump é dirigido, e é isto que tem sido identificado pela submissão a Jezebel dos profetas de Baal e sacerdotes do bosque no Monte Carmelo e pela obediência de Salomé à sua mãe Herodias. É por isso que a besta da terra, a besta com chifres de cordeiro, força o mundo inteiro a adorar a besta diante dele. O reino da profecia bíblica antes dos EUA era o catolicismo. O liberalismo do Partido Democrata está entusiasmado com a ideia de um governo mundial único, mas eles não sabem que será Jezebel a controlar esse governo quando ele chegar à história da humanidade. Eles são o poder (Acabe e Herodes) que é enganado para os propósitos da mulher corrupta; enquanto Salomé é a filha de Herodias. Os profetas de Baal e os sacerdotes do bosque tomam a sua direcção a partir de Jezabel. Donald Trump tinha de ser republicano.

As características das duas primeiras guerras mundiais incluem também o armamento dessas duas guerras. Na primeira guerra, vemos novos armamentos como o gás venenoso, e na segunda guerra, vemos o novo armamento de armas nucleares. Na Terceira Guerra Mundial será utilizado um armamento que até à data não foi utilizado numa guerra mundial. Isto refere-se muito provavelmente à guerra cibernética, mas talvez a actual pandemia em que estamos agora envolvidos fale desse cumprimento.

Mas, com certeza, as características destas duas guerras têm de se repetir na terceira guerra. As armas nucleares, químicas, tradicionais, mísseis, bombas, tanques, navios, aviões, etc., farão parte desta guerra que se avizinha. É o aspecto nuclear que iremos agora abordar, pois esta é uma aplicação que não está especificamente identificada nem na Bíblia nem nos escritos de Ellen White. Que justificação temos nós para sugerir que as bolas de fogo que destroem Nashville representam um ataque nuclear? Temos também o mesmo dilema com a data de 18 de Julho de 2020. Não há qualquer especificação dessa data na Bíblia ou nos escritos de Ellen White, então porque é que chegamos a essa conclusão? Estas duas perguntas são respondidas em estreita relação uma com a outra, mas o ponto de partida necessário é a tripla aplicação das três guerras mundiais. A Terceira Guerra Mundial incluirá armas nucleares e conduzirá à implementação de um governo mundial único. Esse governo mundial é o sétimo reino da profecia bíblica e toma o seu lugar na história profética no final dos EUA.

Capítulo seis

O fim dos EUA como sexto reino da profecia bíblica é ilustrado em várias passagens bíblicas, mas há uma especificamente que deve ser marcada antes de nos afastarmos da nossa discussão sobre Donald Trump. O Presidente Trump tem sido tipificado pelo Presidente Washington em termos da sua riqueza derivada dos bens imobiliários, em termos do tempo necessário para confirmar as seleções do seu gabinete, e em termos de honestidade ao considerar os seus esforços para cumprir as suas promessas de campanha.

Ele também foi tipificado pelos dois mais proeminentes presidentes democratas que procuraram implementar e estabelecer a agenda globalista de um governo mundial, como o Presidente Wilson e o Presidente Roosevelt. Foi também tipificado pelo Presidente Reagan na história do colapso da URSS, tipificando assim o colapso da Rússia de Putin na sua presidência.

Foi ainda tipificado pelo Presidente Lincoln, mostrando que na Presidência do Trump haverá outra guerra civil neste país, cujo início pode ser facilmente visto por qualquer pessoa que o deseje ver. Tal como com Lincoln e mesmo Roosevelt, o Trump será confrontado com uma guerra que obrigará à aplicação da lei marcial. A escravatura, que foi abolida por Lincoln, regressará nesta próxima crise, mas uma consideração mais significativa em termos dos EUA foi o assassinato de Abraham Lincoln.

Embora amplamente deturpado e, portanto, mal compreendido, o testemunho histórico ainda está disponível, o que demonstra que a ordem jesuíta da Igreja Católica assassinou Abraham Lincoln. A Companhia de Jesus, como a ordem jesuíta é oficialmente chamada, era a ordem mais perversa, enganosa e cruel de todas as várias ordens dentro do sistema católico. Em concordância com muitas fontes históricas, Ellen White disse-o desta forma.

“Durante toda a cristandade, o protestantismo foi ameaçado por inimigos formidáveis. Os primeiros triunfos do passado da Reforma, Roma convocou novas forças, na esperança de realizar a sua destruição. Nesta época foi criada a ordem dos jesuítas, os mais cruéis, sem escrúpulos e poderosos de todos os campeões do papado. Cortados dos laços terrenos e dos interesses humanos, mortos para as reivindicações de afeição natural, da razão e da consciência totalmente silenciados, não conheciam nenhuma regra, nenhum laço, mas o da sua ordem, e nenhum dever senão o de estender o seu poder. O evangelho de Cristo tinha permitido aos seus adeptos enfrentar o perigo e suportar o sofrimento, sem o frio, a fome, a labuta e a pobreza, para manter a bandeira da verdade diante da prateleira, do calabouço e da estaca. Para combater estas forças, o jesuítismo inspirou os seus seguidores com um fanatismo que lhes permitiu suportar como perigos, e opor ao poder da verdade todas as armas do engano. Não havia crime demasiado grande para eles cometerem, nenhum engano demasiado básico para eles praticarem, nenhum disfarce demasiado difícil para eles assumirem. Votados à pobreza e à humildade perpétuas, o seu objectivo estudado era assegurar a riqueza e o poder, se dedicar a derrubar o protestantismo e ao restabelecimento da supremacia papal.

“Ao aparecerem como membros da sua ordem, usavam uma veste de santidade, visitando prisões e hospitais, ministrando aos doentes e pobres, professando ter renunciado ao mundo, e ostentando o nome sagrado de Jesus, que andava fazendo o bem. Mas sob este exterior irrepreensível escondiam-se muitas vezes os propósitos mais criminosos e mortais. Era um princípio fundamental da ordem que os fins justificam os meios. Por este código, a mentira, o roubo, o perjúrio, o assassinato, não só eram perdoáveis como louváveis, quando serviam os interesses da igreja. Sob vários disfarces, os jesuítas entraram em cargos de Estado, subindo para serem os conselheiros dos reis e moldando a política das nações. Tornaram-se servos para servirem de espiões aos seus senhores. Criaram colégios para os filhos dos príncipes e nobres, e escolas para o povo comum; e os filhos dos pais protestantes foram atraídos para uma observância dos ritos papais. Toda a pompa exterior e exibição do culto romano foi trazida para confundir a mente e deslumbrar e cativar a imaginação, e assim a liberdade pela qual os pais haviam trabalhado e sangrado foi traída pelos filhos. Os jesuítas espalharam-se rapidamente pela Europa e, para onde quer que fossem, seguiu-se um renascimento do papado.

“Para lhes dar maior poder, foi emitido um edito papal que restabelecia a inquisição. Apesar da repulsa geral com que foi considerado, mesmo nos países católicos, este terrível tribunal foi novamente criado por governantes populistas, e atrocidades demasiado terríveis para suportar a luz do dia foram repetidas nas suas masmorras secretas. Em muitos países, milhares e milhares da própria flor da nação, os mais puros e nobres, os mais intelectuais e educados, os pastores piedosos e devotos, os cidadãos industriosos e patriotas, os estudiosos brilhantes, os artistas talentosos, os artesãos habilidosos, foram mortos ou forçados a fugir para outras terras”. The Great Controversy, 234, 235.

Donald Trump representa não só o último presidente dos EUA, mas a própria nação. Na Bíblia, os reis são um símbolo dos reinos. O fim dos EUA como sexto reino da profecia bíblica tem lugar quando este assume o trabalho de forçar o mundo a aceitar a marca da autoridade papal. Quando isso acontecer, os EUA estarão em submissão ao catolicismo como foi Ahab em submissão a Jezebel e Herodes a Herodias. A morte dos EUA tem lugar quando ela é conquistada pelo catolicismo e aceita forçar o mundo inteiro a submeter-se à marca da autoridade de Roma.

O actual papa do catolicismo é um jesuíta e é o primeiro papa na história a ser da ordem jesuíta. Tal como Lincoln foi assassinado pela ordem jesuíta, Trump como símbolo dos EUA está prestes a ser ultrapassado pelo mais cruel e enganador representante do catolicismo na história do catolicismo. O início deste assassinato acontece nos bastidores, pois a aliança entre Reagan e o Vaticano era uma aliança secreta, e sem dúvida que Donald Trump já está envolvido em algum tipo de aliança secreta profana com a igreja romana. Essa aliança vai contribuir para o colapso da Rússia, uma vez que a URSS foi derrubada através da aliança secreta dessa história. Mas, em última análise, essa aliança acabará também com a soberania dos EUA, e será o principal antagonista a insistir que todas as nações renunciem à sua soberania nacional e se submetam a um governo global.

Jesus é o Alfa e o Ómega, o primeiro e o último, o início e o fim. Ele ilustra o fim de uma coisa com o princípio de uma coisa. Os dois últimos versículos do Antigo Testamento prevêem a vinda de Elias, e os Evangelhos do Novo Testamento começam por apresentar João Batista, que Jesus identifica como o Elias que virá. O fim e o início do Antigo e do Novo identificam o início e o fim do fim do mundo.

O aviso do juízo vindouro começou no movimento pioneiro do Adventismo do Sétimo Dia. Os segredos do tempo do pacto que foram baseados em Daniel 8:13, 14 revelaram que o julgamento investigativo de Deus começou em 22 de outubro de 1844. Assim, no início do Adventismo, um mensageiro e um movimento anunciaram que o julgamento de Deus estava para começar. No final do Adventismo, haveria mais uma vez um anúncio de que o julgamento executivo de Deus estava para começar. O julgamento de investigação e o julgamento executivo são ambos julgamentos, mas representam dois tipos de julgamento. A Bíblia ensina que quando Jesus volta, a recompensa que Ele pretende dar está com Ele. Isto identifica que Jesus já determinou quem é para Ele e quem não é para Ele antes do Seu regresso.

Dizei aos justos que bem lhe irá; porque eles comerão o fruto dos seus feitos. Ai dos ímpios, que padecerão com ele; porque a recompensa das suas mãos lhe será dada. Isaías 3:10, 11.

Antes de Cristo voltar, Ele investiga os livros para determinar quem é justo e quem é ímpio. Esta obra é um trabalho de investigação e julgamento.

Eis que o Senhor proclamou até o fim do mundo: Dizei à filha de Sião: Eis que vem a tua salvação; eis que a sua recompensa está com ele, e a sua obra perante ele. E chamá-los-ão: O povo santo: O remido do Senhor; e tu serás chamada: Procurada cidade não desamparada. Isaías 62:11, 12.

Há um tempo em que Ele termina de julgar quem será salvo e quem estará perdido, e então Ele volta.

Quem é injusto, seja ainda injusto; e quem está imundo, seja ainda imundo; e quem é justo, seja ainda justo; e quem é santo, seja ainda santo. E eis que venho depressa; e a minha recompensa está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra. Eu sou Alfa e Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o último. Apocalipse 22:11-13.

O início do Adventismo anunciou que em 22 de outubro de 1844, Jesus começaria a investigar os livros do céu para determinar quem estaria perdido e quem seria salvo. Este foi o anúncio de Elias do julgamento investigativo que tipificou a mensagem de Elias no final do Adventismo que anuncia, em cumprimento da profecia de Malaquias, que Deus vai começar a executar os Seus juízos destrutivos.

Aqueles que são enganados pelo falso profeta (os EUA) e adoram a besta do reino que veio antes dos EUA, não terão seus nomes escritos no livro da vida.

E todos os que habitam sobre a terra o adorarão, cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro morto desde a fundação do mundo. Se algum homem tem ouvidos, que o ouça. Apocalipse 13:8, 9.

Se o teu nome não está no livro do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo, serás lançado no lago de fogo.

E aquele que não foi encontrado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo. Apocalipse 20:15.

A única ilustração bíblica real de Deus Pai, que é chamado de “Ancião dos dias” é encontrada no livro de Daniel. Sabemos que o Ancião dos dias não é uma descrição de Cristo, pois Cristo é o Filho do homem na passagem.

Eu vi até que os tronos foram lançados para baixo, e o Ancião de dias sentou-se, cuja veste era branca como a neve, e os cabelos da sua cabeça como a pura lã: o seu trono era como a chama ardente, e as suas rodas como fogo ardente. Um ribeiro de fogo saiu e saiu de diante dele; milhares de milhares o serviam, e dez mil vezes dez mil se puseram diante dele; o juízo foi proferido, e os livros foram abertos. . ..

Vi, nas visões da noite, e eis que um como o Filho do homem veio com as nuvens do céu, e chegou ao Ancião dos dias, e o trouxeram à sua presença. Daniel 7:9, 10, 13.

Esta investigação dos livros do céu, que são três, o livro da vida, o livro dos pecados e o livro da lembrança, foi aberta em 22 de Outubro de 1844. Este foi o julgamento anunciado no movimento pioneiro da Igreja Adventista do Sétimo Dia que tipifica o anúncio do julgamento dos julgamentos executivos do grande e terrível dia do Senhor em 18 de julho de 2020.

O movimento pioneiro do Adventismo atingiu seu auge profético de 11 de agosto de 1840 a 22 de outubro de 1844. Ambas as datas incluem o dia, mês e ano e ambas representam um cumprimento de profecia. A história de 1840 a 1844 é comentada especificamente por Ellen White.

“O anjo que se une na proclamação da mensagem do terceiro anjo é para iluminar toda a terra com a sua glória”. Uma obra de alcance mundial e de poder não conquistado é aqui predita. O movimento de advento de 1840-44 foi uma manifestação gloriosa do poder de Deus; a primeira mensagem do anjo foi levada a todas as estações missionárias do mundo, e em alguns países houve o maior interesse religioso que foi testemunhado em qualquer terra desde a Reforma do século XVI; mas estes devem ser superados pelo poderoso movimento sob o último aviso do terceiro anjo”. The Great Controversy, 611.

Com base numa profecia do tempo, trezentos e noventa e um anos e quinze dias que se dirigiu ao Islã em Apocalipse nove, os pioneiros do Adventismo previram que em 11 de Agosto de 1840, a supremacia do Império Otomano iria acabar. Antes dessa profecia se cumprir, esses pioneiros foram ridicularizados por aquilo que se dizia ser uma aplicação tão insensata da profecia, mas quando ela se tornou realidade, cerca de duzentas mil pessoas juntaram-se ao seu movimento. Ellen White diz isso desta forma.

“No ano de 1840 outro notável cumprimento da profecia despertou o interesse geral. dois anos antes, Josias Litch, um dos principais ministros pregando o segundo advento, publicou uma exposição de Apocalipse 9, prevendo a queda do Império Otomano. De acordo com seus cálculos, este poder seria derrubado … no dia 11 de agosto de 1840, quando o poder otomano em Constantinopla poderia ser quebrado. E este, creio, será o caso”.

“No preciso momento especificado, a Turquia, através dos seus embaixadores, aceitou a protecção das potências aliadas da Europa e, assim, colocou-se sob o controlo das nações cristãs. O acontecimento cumpriu exactamente a previsão. Quando se tornou conhecido, as multidões estavam convencidas da correção dos princípios de interpretação profética adoptados por Miller e seus associados, e foi dado um impulso maravilhoso ao movimento de advento. Homens de conhecimento e posição uniram-se com Miller, tanto na pregação como na publicação dos seus pontos de vista, e de 1840 a 1844 o trabalho rapidamente se estendeu”. The Great Controversy, 334, 335.

Portanto, no início do movimento pioneiro do Adventismo, temos um período que ostenta a marca do Alfa e do Omega. Temos uma história que começa com o cumprimento de uma profecia do tempo e também termina com o cumprimento de uma profecia do tempo. Na história bíblica, houve outra manifestação do poder de Deus que Ellen White coloca um comentário semelhante.

“Nunca desde que o homem foi criado havia sido testemunhada tal manifestação de poder divino como quando a lei foi proclamada do Sinai”. “A terra tremeu, os céus também caíram na presença de Deus: até o próprio Sinai se comoveu na presença de Deus, o Deus de Israel”. Salmo 68:8. Em meio às mais terríveis convulsões da natureza, a voz de Deus, como uma trombeta, foi ouvida da nuvem. A montanha foi sacudida de baixo para cima, e as hostes de Israel, pálidas e tremendo de terror, jaziam sobre o seu rosto na terra. Aquele cuja voz abanava então a terra declarou: “Mas, uma vez mais, abano não só a terra, mas também o céu”. Hebreus 12:26. Diz a Escritura: “O Senhor bramirá do alto e pronunciará a sua voz desde a sua santa habitação;” “e os céus e a terra tremerão”. Jeremias 25:30; Joel 3:16. Naquele grande dia vindouro, o próprio céu partirá “como um pergaminho quando for enrolado juntos”. Apocalipse 6:14. E toda montanha e ilha será movida para fora do seu lugar. “A terra cambaleará como um bêbado, e será removida como uma cabana; e a sua transgressão será pesada sobre ela; e ela cairá, e não voltará a levantar-se”. Isaías 24:20″. Patriarcas e Profetas, 340.

É claro, os cristãos entendem que a ressurreição de Cristo também foi uma manifestação gloriosa do poder de Deus. O livro de João identifica uma discussão que os judeus tiveram com Cristo a respeito de Sua morte, sepultamento e ressurreição, onde eles dão evidência de que eles, como o povo do pacto que estava sendo passado, não sabiam como dividir corretamente as palavras proféticas de Cristo. Cristo tinha acabado de limpar o templo da primeira vez e os judeus levantaram uma questão.

Então os judeus responderam-lhe: Que sinal nos mostras, vendo que fazes estas coisas? Respondeu-lhes Jesus: Destruí este templo, e em três dias o levantarei. Então disseram os judeus: Quarenta e seis anos estava este templo em construção, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo. João 2:18-21.

O período de tempo de 11 de agosto de 1840 a 22 de outubro de 1844, a entrega da lei no Sinai, e a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo fornecem três testemunhas que nos permitem ver que 1840 a 1844 é um período profético, e como tal deve ser avaliado com as regras proféticas estabelecidas por Cristo em Sua palavra. Como essas três testemunhas estão testemunhando o mesmo símbolo?

Se você contar o número de dias de 11 de agosto de 1840 a 22 de outubro de 1844, você verá que são 1533 dias. Se você estudar cuidadosamente a cronologia de quando os judeus atravessaram o Mar Vermelho e chegaram ao Sinai, você verá que isso aconteceu em 1533 AC. Se tomares a afirmação dos judeus de que o templo levou quarenta e seis anos para ser construido e dividir esse número pelos três dias que Cristo referiu, verás que um dia equivale a 15,33 anos. Esta é uma revelação da palavra profética que só é reconhecida quando entendemos que Jesus é Palmoni, o Numerador Maravilhoso de segredos. É surpreendente como parte da história da crucificação é registrada no livro de Marcos. Não simplesmente o livro de Marcos, mas Marcos 15:33.

E quando chegou a sexta hora, houve trevas sobre toda a terra até à nona hora. Marcos 15:33.

O número “1533” representa uma manifestação gloriosa do poder de Deus. Ele representa a entrega da lei no Sinai, os três dias de Sua morte, sepultamento e ressurreição, e também um período representado como a sexta até a hora nona. O início pioneiro do Adventismo que anunciou o julgamento representa o fim do Adventismo quando o julgamento executivo de Deus é anunciado em cumprimento da promessa de Elias que viria antes do grande e terrível dia do Senhor. Um período simbólico de “1533” dias de 1840 a 1844 que começa com o cumprimento de uma profecia de tempo associada ao Islã e termina com uma profecia de tempo associada ao julgamento de Deus, é um símbolo no início que deve representar uma história no final.

18 de julho de 2020 é uma previsão do tempo associado ao Islã que anuncia o início do julgamento executivo de Deus. A história simbólica do Adventismo pioneiro, de 11 de agosto de 1840 a 22 de outubro de 1844, identifica que no final do Adventismo encontraremos os elementos proféticos do tempo, do Islamismo e do julgamento.

O povo de Deus no fim do mundo, representado por Elias que não sofrem o martírio como representado por João Batista, são identificados no livro do Apocalipse como os cento e quarenta e quatro mil e também como virgens. Isto está marcado em Apocalipse 14:4, e se você estiver disposto a vê-lo, o capítulo e os números dos versículos representam os cento e quarenta e quatro mil.

Estes são aqueles que não foram contaminados com mulheres, pois são virgens. Estas são as que seguem o Cordeiro para onde quer que ele vá. Estas foram resgatadas dentre os homens, sendo as primícias para Deus e para o Cordeiro. Apocalipse 14:4.

Jesus, que é a Palavra de Deus do livro de Gênesis ao Apocalipse, apresentou uma parábola da igreja vivendo no fim do mundo que foi representada como dez virgens. O início do Adventismo pioneiro ilustra o fim do Adventismo, e portanto as virgens no final identificam que o movimento pioneiro também foi um cumprimento da parábola das dez virgens. Assim o diz Ellen White.

“A parábola das dez virgens de Mateus 25 também ilustra a experiência do povo Adventista”. The Great Controversy, 393.

O Adventismo Pioneiro reconheceu que a história em que viviam estava a cumprir a parábola das dez virgens e muitas vezes identificaram a sua história e experiência com termos da própria parábola. A parábola diz o seguinte:

Então o reino dos céus será comparado a dez virgens, que pegaram nas suas lâmpadas e saíram ao encontro do noivo. E cinco delas foram sábias, e cinco foram insensatas. As insensatas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo: Mas as sábias levaram óleo nas suas vasilhas com as suas lâmpadas. Enquanto o noivo permanecia, todos eles adormeciam e dormiam.

E à meia-noite houve um clamor: Eis que vem o noivo; saí ao seu encontro. Então todas aquelas virgens se levantaram, e apararam as suas lâmpadas. E as néscias disseram aos sábios: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas já se apagaram. Mas os sábios responderam, dizendo: Não é assim, para que não haja suficiente para nós e para vós; mas ide antes aos que vendem, e comprai-os para vós. E enquanto iam comprar, chegou o noivo; e as que estavam prontas entraram com ele para o casamento; e a porta foi fechada. Depois vieram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos a porta. Ele, porém, respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço. Mateus 25:1-12.

O clamor da “meia-noite” é o primeiro referido na história de Moisés, pois na última das dez pragas egípcias, quando todos os primogénitos foram mortos, houve um clamor à meia-noite que circulou pelo Egito.

E aconteceu que à meia-noite o Senhor feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito do Faraó que estava sentado em seu trono até o primogênito do cativo que estava no calabouço; e todos os primogênitos do gado. E Faraó levantou-se de noite, ele e todos os seus servos, e todos os egípcios; e houve um grande clamor no Egito, porque não havia casa onde não houvesse um morto. Êxodo 12:29, 30.

Desde aquele clamor da meia-noite até hoje mesmo, os judeus comemoram essa data celebrando a Páscoa. No início do Israel antigo, houve um clamor à meia-noite, e no mesmo dia do ano em que a Páscoa foi observada a partir daquele momento, Jesus foi sacrificado na cruz do Calvário. A cruz foi a conclusão de uma entrada em Jerusalém que Cristo fez anunciando que Ele era o Rei dos Reis. Foi entendido que quando Cristo entrou em Jerusalém, na Sua entrada triunfal, a cavalgada do jumento era um símbolo da sua autoridade real.

No início do Israel antigo, e, no fim do Israel antigo, havia um grito da meia-noite que tipificava que no início do Israel moderno, e depois novamente no fim do Israel moderno, haveria um grito da meia-noite. Falando do grito da meia-noite do Adventismo pioneiro, Ellen White faz a seguinte comparação.

“O clamor da meia-noite não foi tanto carregado por argumentos, embora a prova das Escrituras fosse clara e concludente. Houve um poder impulsor que moveu a alma. Não havia dúvida, sem questionamento. Por ocasião da entrada triunfal de Cristo em Jerusalém, o povo que se reunia de todas as partes da terra para celebrar a festa, afluía ao Monte das Oliveiras e, enquanto se juntavam à multidão que escoltava Jesus, captaram a inspiração da hora, e ajudaram a inchar o clamor: “Bendito aquele que vem em nome do Senhor”. [Mateus 21:9] Da mesma forma, os incrédulos que afluíam às reuniões adventistas – alguns por curiosidade, outros apenas para ridicularizar – sentiram o poder convincente de assistir à mensagem: ‘Eis que vem o Esposo'”. The Spirit of Prophecy, volume 4, 250, 251.

Nós, portanto, podemos considerar três testemunhas do clamor da meia-noite que, se reunidas, testemunharão o fato de que a mensagem de 18 de julho de 2020, e Nashville é a mensagem do clamor da meia-noite que é proclamado pelas virgens do Apocalipse 14:4.

O primeiro clamor da meia-noite no Egito representou o julgamento executivo de Deus sobre a nação onde Israel estava vivendo no cumprimento da profecia de Abraão de quatrocentos anos.

E disse a Abrão: Sabe que a tua descendência será estranha numa terra que não é deles, e os servirá; e eles os afligirão quatrocentos anos; e também essa nação, a quem eles servirão, julgarei; e depois sairão com grande substância. Gênesis 15:13, 14.

A nação onde o antigo Israel se encontrava era julgada à meia-noite e depois no Mar Vermelho. A nação onde Israel moderno foi criado é os EUA e será julgada em 18 de Julho de 2020, e chegará ao seu fim em 25 de Dezembro de 2021, de acordo com a primeira menção do grito da meia-noite na Bíblia.

No final da “entrada triunfal” do antigo Israel Cristo em Jerusalém estava a levá-lo a julgamento. Era uma manifestação do poder de Deus, pois toda Jerusalém estava comovida.

E os discípulos foram, e fizeram como Jesus lhes ordenara, e trouxeram o jumento e o jumentinho, e vestiram-lhes as suas vestes, e o puseram sobre ele. E uma grande multidão estendeu as suas vestes no caminho; outros cortaram ramos das árvores, e os picaram no caminho. E a multidão que ia adiante, e que se seguia, clamava, dizendo: Hosana ao filho de Davi: Bendito aquele que vem em nome do Senhor; Hosana ao mais alto. E, quando ele chegou a Jerusalém, toda a cidade se comoveu, dizendo: Quem é este? Mateus 21:6-10.

Toda a cidade ficou comovida com a Sua entrada e o grito que dizia: “bendito é aquele que vem”, que é a mensagem das dez virgens que gritam: “Eis que vem o noivo”. Isto nos informa que o grito da meia-noite inclui um julgamento sobre a nação onde o povo de Deus surge como na história de Moisés, e uma proclamação de uma mensagem sob o poder de Deus para o povo do pacto que está sendo passado. Também identifica que a mensagem é levada sobre a mensagem do Islã.

No dia seguinte, muitas pessoas que vieram à festa, quando ouviram que Jesus estava vindo a Jerusalém, pegaram ramos de palmeiras e saíram ao seu encontro, e gritaram, Hosana: Bendito o Rei de Israel que vem em nome do Senhor. E Jesus, tendo encontrado um jumento jovem, sentou-se sobre ele; como está escrito: Não temas, filha de Sião; eis que vem o teu Rei, sentado sobre o jumentinho de um jumento. João 12:12-15.

Esta é a única vez que Jesus não andou. Na entrada triunfal em cumprimento de Sua própria palavra profética, Ele montou um jumento. Um asno é um símbolo do Islã na Bíblia, pois lembre-se da palavra hebraica traduzida como “selvagem” em Gênesis 16,12, que se refere a Ismael sendo um homem selvagem, é a palavra hebraica para o asno árabe selvagem. Muitas outras testemunhas bíblicas para o asno representando o Islã podem ser confirmadas na Bíblia, mas deve-se notar aqui que a mensagem da vinda do rei de Israel, que também é o noivo, foi levada pela mensagem do asno.

Na história pioneira do Adventismo, o clamor da meia-noite foi dado por encerrado numa reunião do acampamento em Exeter, New Hampshire, em 15 de Agosto de 1844. Ellen White descreve-o da seguinte forma.

“Como uma onda gigantesca, o movimento varreu a terra. De cidade em cidade, de aldeia em aldeia, e para lugares remotos do campo foi, até que as pessoas de Deus que esperavam foram completamente despertadas. O fanatismo desapareceu antes desta proclamação, como a geada precoce antes do sol nascente. Os crentes viram a sua dúvida e perplexidade retiradas, e a esperança e a coragem animaram os seus corações. O trabalho estava livre desses extremos que se manifestam quando há excitação humana sem a influência controladora da palavra e do Espírito de Deus. Era de caráter semelhante àquelas épocas de humilhação e retorno ao Senhor que, entre os Israelitas antigos, seguiam mensagens de reprovação dos Seus servos. Tinha as características que marcam a obra de Deus em cada época. Havia pouca alegria extasiante, mas uma busca profunda do coração, confissão de pecado e abandono do mundo. Uma preparação para encontrar o Senhor era o fardo de espíritos agonizantes. Havia oração perseverante e consagração sem reservas a Deus”. O Grande Conflito, 400.

A mensagem que foi proclamada na reunião do acampamento em Exeter em 15 de agosto de 1844, foi uma apresentação de Samuel Snow que tinha afinado a mensagem inicial do Adventismo pioneiro, que identificou que as duas profecias secretas do tempo de Palmoni de 2300 anos e 2520 anos terminariam no ano de 1843. Samuel Snow trouxe provas para demonstrar que a conclusão dessas duas profecias não era 1843, e não simplesmente 1844, mas mais especificamente 22 de Outubro de 1844. Quando 22 de Outubro de 1844 chegou, tinham passado 1533 dias desde que uma previsão semelhante tinha sido cumprida em 11 de Agosto de 1840.

Essa previsão foi apresentada publicamente pela primeira vez por Josiah Litch em 1838, mas em 1 de Agosto de 1840, Josiah Litch aperfeiçoou a sua previsão e identificou não só o ano de 1840, mas também o mês e o dia. Este era o mesmo fenomeno que Snow tinha realizado. No início dos 1533 dias, houve um aperfeiçoamento de uma profecia do tempo que se cumpriu e, no final, o mesmo fenômeno aconteceu novamente, pois Jesus demonstra o fim desde o início. O fim diferiu em que foi a mensagem do grito da meia-noite que encontrou o seu cumprimento, e no início, foi uma mensagem sobre o Islã. Ellen White aborda a repetição da parábola das dez virgens da seguinte forma.

“Sou frequentemente referida à parábola das dez virgens, cinco das quais eram sábias e cinco tolas”. Esta parábola foi e será cumprida à letra, pois tem uma aplicação especial para este tempo, e, como a mensagem do terceiro anjo, foi cumprida e continuará a ser verdade presente até ao fim dos tempos”. The Review and Herald, 19 de Agosto de 1890.

A Páscoa de Moisés, a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém, a onda de maré que varreu a costa leste dos EUA desde a reunião do campo de Exeter em 15 de Agosto de 1844 até 22 de Outubro de 1844, representam histórias que se repetirão na história das virgens representadas como os cento e quarenta e quatro mil. Uma das primeiras observações que podem ser feitas sobre o clamor da meia-noite é que a data do primeiro clamor da meia-noite, a Páscoa no Egipto, era para ser lembrada e observada para sempre. As datas de 15 de Agosto de 1844, 22 de Outubro de 1844, e 11 de Agosto de 1840, são todas regidas por esse mesmo princípio.

O 11 de Agosto de 1840, no início dessa história, ilustrou o fim dessa história. Portanto, todas as datas associadas ao início e ao fim estão associadas ao clamor da meia-noite, e o povo de Deus deve observar essas datas. Essas datas (e outras) tornam-se pontos de referência para ilustrar a ligação entre as armas nucleares e 18 de Julho de 2020.

Capítulo sete

É evidente que, no início e no fim do Israel antigo, o clamor da meia-noite da parábola das dez virgens é ilustrado. É igualmente evidente que havia uma história no início do Israel moderno que cumpriria a parábola das dez virgens. Identificamos que havia uma ordem para que Israel comemorasse o acontecimento que caracterizava o clamor da meia-noite, quando celebravam a Páscoa. Ao fazê-lo, deviam observar o mês e o dia exactos desse acontecimento, associando assim profeticamente essa ordem ao símbolo do clamor da meia-noite. Identificamos que isso representava um dia ou um ponto no tempo específico, mas que também representava um período de tempo.

Na história de Moisés, um período é representado desde a primeira Páscoa até o julgamento do Faraó, quando ele foi enterrado nas águas do Mar Vermelho. Esse período começou com o julgamento da décima praga (Páscoa) e terminou com o julgamento do Mar Vermelho. No tempo de Cristo, começou com a entrada triunfante e terminou com o julgamento da cruz no dia da Páscoa. Houve um julgamento no início do período da história de Cristo que identifica um julgamento no início e no fim, como pode ser visto na história de Moisés. Pouco antes da entrada triunfal, Cristo chora sobre Jerusalém. Ellen White descreve-o desta forma.

“É a obediência à palavra do Deus vivo que coloca os homens em estreita relação com Cristo”. Hoje ele diz, como disse ao povo judeu: “Oh, que tu tinhas conhecido, pelo menos neste teu dia, as coisas que pertencem à tua paz”! E em breve será ouvida a frase irrevogável: “Mas agora eles estão escondidos dos teus olhos”. Disse ainda, chorando sobre a cidade devota: “Ó Jerusalém, Jerusalém, tu que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados, quantas vezes eu teria reunido os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não o farias”. Não era que o povo judeu não pudesse receber Cristo; eles não o fizeram. Assim será com muitos em nossos dias”. The Review and Herald, 17 de Abril de 1900.

No tempo dos pioneiros do Adventismo, o clamor da meia-noite começou com seriedade na reunião campal de Exeter, New Hampshire, e terminou quando o julgamento de investigação começou, em 22 de outubro de 1844. Todas as três histórias retratam datas específicas e também períodos de tempo para o clamor da meia-noite. Cada período também começa com um julgamento e termina com um julgamento. É importante reconhecer que o Islã está associado a cada uma dessas histórias para justificar a aplicação do Islã à mensagem de clamor da meia-noite de 18 de julho. Em Gênesis quarenta e nove, Jacó pronunciou uma declaração profética sobre cada um de seus filhos. Jesus veio através da linha de Judá e o que Jacó pronunciou a respeito de Judá é importante para compreender ao considerar o jumento que Cristo montou na entrada triunfal em Jerusalém.

Judá, tu és aquele a quem os teus irmãos louvarão; a tua mão estará no pescoço dos teus inimigos; os filhos de teu pai se inclinarão diante de ti. Judá é um leãozinho; da presa, meu filho, subiste; abaixou-se, deitou-se como um leão, e como um leão velho; quem o despertará? O cetro não se apartará de Judá, nem um legislador de entre os seus pés, até que venha Siló; e a ele se ajuntará o povo. Ligará o seu potro à videira, e o jumentinho à videira escolhida; lavará as suas vestes em vinho, e as suas vestes em sangue de uvas; os seus olhos serão tintos de vinho, e os seus dentes brancos de leite. Genesis 49:8-12.

No livro do Apocalipse, Jesus é identificado como o Leão da Tribo de Judá e o pronunciamento de Jacó é uma declaração que identifica essa característica de Jesus. Jesus é o legislador que segurará o cetro da justiça, Ele também é o Rei dos reis representado pelo leão, e quando ele lavou suas vestes no vinho do Seu sangue na cruz, Ele também se amarrou a si mesmo, pois Ele é “a videira escolhida” amarrada ao jumento. Existem vários outros símbolos do Islã na Bíblia, mas a primeira referência é o símbolo do asno árabe selvagem. Paulo emprega a história de Ismael e sua mãe para identificar um povo do pacto que é expulso, enquanto um novo povo do pacto está sendo reunido.

Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um de uma escrava, o outro de uma mulher livre. Mas aquele que era da escrava nasceu depois da carne; mas aquele que era da livre era por promessa. O que é uma alegoria, pois estes são os dois pactos: o do monte Sinai, que gera a escravidão, que é Agar. Pois esta Agar é o monte Sinai, na Arábia, e responde a Jerusalém, que agora está, e está em cativeiro com seus filhos. Mas Jerusalém, que está acima, é livre, que é a mãe de todos nós. Porque está escrito: Alegra-te, estéril que não dás à luz; rompe e clama, tu que não trabalhas; porque a desolada tem muito mais filhos do que aquela que tem marido. Agora nós, irmãos, como Isaque, somos os filhos da promessa. Mas, como então aquele que nasceu depois da carne perseguiu aquele que nasceu depois do Espírito, assim é agora. No entanto, o que diz a Escritura? Lança fora a serva e seu filho, porque o filho da serva não será herdeiro com o filho da mulher livre. Portanto, irmãos, nós não somos filhos da escrava, mas da livre. Gálatas 4:22-31.

O jumento estava ligado à videira escolhida, mas quando o rei Leão entrou em Jerusalém, a serva (uma mulher é uma igreja) deveria ser expulsa. O jumento, portanto, representa não apenas o Islã, mas um povo que rejeitou sua oportunidade de receber o evangelho eterno. No tempo de Moisés, esse grupo de pessoas morreu durante os quarenta anos de peregrinação no deserto. No tempo de Cristo, esse grupo de pessoas morreu na destruição de Jerusalém. O período do clamor da meia-noite está identificando duas classes de virgens, uma que se preparou para o evento e outra que não. Os símbolos, portanto, podem ter mais de um significado dependendo do contexto, pois, apesar de Jacó ter identificado Judá e, portanto, Cristo como um leão, a Bíblia também identifica Satanás como um leão que ruge.

Nas Escrituras, quando Agar e Ismael foram expulsos por Abraão, migraram para o país oriental e, a partir deste ponto da Bíblia, os filhos do Oriente tornam-se um símbolo do Islã.

E Abraão deu tudo o que tinha a Isaque. Mas aos filhos das concubinas, que Abraão tinha, Abraão deu presentes e os mandou embora de Isaque, seu filho, enquanto ainda vivia, para o oriente, para a terra oriental. Gênesis 25:5, 6.

O falso profeta Balaão é um símbolo do falso profeta Maomé pois Balaão está associado com os filhos do oriente.

E, proferindo a sua parábola, disse: Balaque, rei dos moabitas, tirou-me de Arão, das montanhas do oriente, dizendo: Vem, amaldiçoa-me Jacó, e vem, desafia Israel. Números 23:7.

Não só Balaão é um símbolo do falso profeta dos filhos do Oriente, mas a sua fatídica cavalgada sobre o jumento que falou o conecta a uma segunda testemunha que identifica o Islã. Há outro símbolo do Islã, e ele encontra o início da sua simbologia num atributo do jumento árabe selvagem, um animal que agora está extinto, mas que era o animal mais importante para os árabes, pois eles atravessariam as areias do deserto. O asno árabe selvagem podia sentir o cheiro da água mesmo quando a água se encontrava no fundo da areia. Ao viajar pelo deserto, a protecção contra morrer de sede baseava-se em viajar com este jumento em particular. A sua capacidade de respirar é notada na Bíblia e torna-se outra característica do Islã.

Como podes dizer: não estou poluído, não fui atrás de Baalim? vê o teu caminho no vale, sabe o que fizeste: és um rápido dromedário que percorre os seus caminhos; um jumento selvagem acostumado ao deserto, que sorve o vento à sua vontade; na sua ocasião, quem a pode afastar? todos os que a procuram não se cansarão; no seu mês encontrá-la-ão. Jeremias 2:23, 24.

A capacidade de respirar, de uma forma profunda, é o que tornou o jumento selvagem importante e esse atributo está associado ao Islã. As palavras espírito, vento e respiração são essencialmente permutáveis na Bíblia, e o atributo da capacidade do asno de respirar no vento associa o Islã ao vento. Quando todas as testemunhas se reúnem sobre este fato, fica demonstrado que outro símbolo do Islã na Bíblia é o vento leste. O vento leste simboliza o Islã, da mesma forma que o jumento, e esse símbolo do vento leste percorre a Bíblia.

Como um exemplo, no capítulo dezoito do Apocalipse, quando os mercadores e reis da terra reconhecem que a Babilônia moderna foi destruída pelo fogo, eles gritam com a palavra “infelizmente”. A mesma palavra grega que está lá identificada como “infelizmente” também é identificada como a palavra “Ai!” em Apocalipse 8:13. Em Apocalipse 8:13 as últimas três das sete trombetas são chamadas de “ais”. Os três “Ais” são simbólicos da história do Islã, começando com o falso profeta, Maomé, em 606 d.C. No capítulo dezoito do Apocalipse os globalistas do planeta terra gritam “alas, alas” ou, dependendo da tradução, poderia ser lido “ai, ai”.

Portanto, as suas pragas virão em um dia, morte, e luto, e fome; e ela será totalmente queimada com fogo; pois forte é o Senhor Deus que a julga. E os reis da terra, que se prostituíram e viveram deliciosamente com ela, a lamentarão, e lamentarão por ela, quando virem a fumaça do seu incêndio, estando de longe, por medo do seu tormento, dizendo: Ai daquela grande cidade Babilônia, daquela cidade poderosa! pois numa hora virá o teu julgamento.

E os mercadores da terra chorarão e lamentarão por ela, porque já ninguém compra a sua mercadoria: A mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho fino, de púrpura, de seda, de escarlate, de toda a tua madeira, de todos os vasos de marfim, de toda a espécie de vasos de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro, de mármore, de canela, de odores, de ungüentos, de incenso, de vinho, de azeite, de farinha, de trigo, de animais, de ovelhas, de cavalos, de carruagens, de escravos e de almas de homens. E os frutos que a tua alma cobiçava se apartaram de ti, e todas as coisas delicadas e formosas se apartaram de ti, e nunca mais os encontrarás. Os mercadores destas coisas, que por ela foram enriquecidos, estarão de longe, por medo do seu tormento, chorando e lamentando, e dizendo: Ai! ai daquela grande cidade, que estava vestida de linho fino, e púrpura, e escarlate, e adornada com ouro, e pedras preciosas, e pérolas!

Pois em uma hora tantas riquezas se esvaziaram. E todos os comandantes de navios, e toda a companhia de navios, e marinheiros, e todos os que navegam por mar, pararam de longe, e clamaram quando viram a fumaça do seu incêndio, dizendo: Que cidade é semelhante a esta grande cidade! Apocalipse 18:8-18.

É óbvio que esta cidade ardente é importante para os reis e mercadores, pois eles choram e lamentam, mas que tipo de fogo queima uma cidade de tal forma que exige que nos afastemos dela? Ninguém se apressa para apagar um incêndio nuclear. Note-se que levantam uma questão que também é notada pelo profeta Ezequiel, que descreve a mesma história, quando perguntam: “Que cidade é esta grande cidade!

E farão ouvir a sua voz contra ti, e gritarão amargamente, e lançarão pó sobre as suas cabeças, e se revolverão nas cinzas: e se farão calvos por ti, e os cingirão de saco, e chorarão por ti com amargura de coração e amargo pranto. E no seu pranto levantarão um pranto por ti, e lamentarão por ti, dizendo: Que cidade é como Tiro, como a destruída no meio do mar? Ezequiel 27:30-32.

Ezequiel está a identificar o mesmo acontecimento, mas Ezequiel já identificou o que foi que afundou os navios mercantes e provocou o colapso económico que leva os globalistas a chorar e a gemer.

Os navios de Társis cantaram de ti no teu mercado; e tu foste reabastecido, e tornaste-te muito glorioso no meio dos mares. Os teus remadores trouxeram-te para grandes águas; o vento leste partiu-te no meio dos mares. As tuas riquezas, as tuas feiras, as tuas mercadorias, os teus marinheiros, os teus pilotos, os teus calafates, os teus ocupantes e todos os teus homens de guerra, que estão em ti, e em toda a tua companhia que está no meio de ti, cairão no meio dos mares, no dia da tua ruína. Ezequiel 27:25-27.

O Islã é representado como o vento leste, e Ezequiel identifica que é o Islã que destrói a estrutura económica do planeta Terra. O livro de Salmos dá outra testemunha deste acontecimento.

Pois, ja, os reis foram reunidos, eles passaram juntos. Eles o viram, e assim se maravilharam; ficaram perturbados, e se apressaram. O medo tomou conta deles ali, e a dor, como de uma mulher em trabalho de parto. Tu quebras os navios de Társis com um vento leste. Salmo 48:4-7.

Apocalipse capítulo nove aborda o primeiro e segundo “Ais” e estabelece outro símbolo comum do Islã quando os identifica como gafanhotos.

E saíram da fumaça gafanhotos sobre a terra; e a eles foi dado poder, como os escorpiões da terra. E foi-lhes ordenado que não ferissem a erva da terra, nem qualquer coisa verde, nem qualquer árvore, mas apenas aqueles homens que não têm o selo de Deus na testa. E foi-lhes ordenado que não os matassem, mas que fossem atormentados cinco meses; e o seu tormento foi como o tormento de um escorpião, quando ele atacava um homem. E naqueles dias os homens procurarão a morte, e não a encontrarão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles. E as formas dos gafanhotos eram semelhantes aos cavalos preparados para a batalha; e sobre as suas cabeças havia como que coroas como ouro, e os seus rostos eram como os rostos dos homens. Apocalipse 9:3-7.

O Islã é representado simbolicamente de várias maneiras na palavra de Deus, seja o jumento, o vento oriental, um ai, os filhos do oriente ou os gafanhotos. Nas pragas que levaram ao décimo e último julgamento na história de Moisés, houve uma praga de gafanhotos e a praga de gafanhotos foi trazida contra o Egito por um vento leste.

E Moisés estendeu a sua vara sobre a terra do Egito, e o Senhor trouxe um vento oriental sobre a terra todo aquele dia e toda aquela noite; e, sendo de manhã, o vento oriental trouxe os gafanhotos. Êxodo 10:13.

Na história de Moisés e de uma praga antes do clamor da meia-noite, o Islã, representado tanto pelo vento leste como pelos gafanhotos, é identificado, identificando assim o 9.11 na nossa história. Mas o que estamos considerando mais especificamente neste ponto é que o clamor da meia-noite é um período de tempo que possui as características do julgamento e do Islã. No tempo de Cristo, vemos o jumento e o julgamento da cruz. O julgamento do Egito e do Faraó aconteceu no Mar Vermelho e como a Bíblia identifica o que aconteceu lá?

E Moisés estendeu a mão sobre o mar; e o Senhor fez com que o mar voltasse por um forte vento leste durante toda aquela noite, e fez com que o mar se tornasse terra seca, e as águas se dividissem. Êxodo 14:21.

Foi o vento leste que criou o caminho através do mar para o povo de Deus, e quando o vento leste foi retirado o Egito foi julgado. O julgamento do período do clamor da meia-noite na história de Moisés inclui o Islã. Moisés conduziu o povo de Deus para fora do Egito no “mesmo dia” que marcou a conclusão da profecia de Abraão. A Páscoa deveria ser comemorada para sempre, e foi especificamente marcada para acontecer no décimo quarto dia do primeiro mês. A crucificação de Cristo aconteceu no próprio mês e dia previsto, e a profecia de Daniel capítulo nove identificou o próprio ano. A crucificação de Cristo trouxe uma grande reunião de crentes quando a mensagem da ressurreição foi proclamada. No início e no fim do Israel antigo, as histórias que caracterizam o clamor da meia-noite representam o julgamento, o Islã, e um tempo profético que identifica o dia, o mês e o ano. Elas identificam uma grande reunião de almas para a igreja de Cristo, baseada no reconhecimento do cumprimento da profecia.

Na história do Adventismo pioneiro, encontramos um período simbólico de tempo de 15 de agosto de 1844 a 22 de outubro de 1844, que representa o clamor da meia-noite. Jesus ilustra o fim desde o início; assim, a história inicial de 11 de agosto de 1840, (quando aproximadamente duzentas mil pessoas se juntaram ao movimento pioneiro) pode ser alinhada com a história final de 22 de outubro de 1844, onde o julgamento investigativo começou, se assemelhando ao ajuntamento de pessoas que se seguiram à cruz. A mensagem de 11 de Agosto de 1840 foi uma mensagem do Islã derivada do Apocalipse capítulo nove. Tanto a mensagem de Josias Litch do Apocalipse nove, como a mensagem de Samuel Snow do clamor da meia-noite representavam mensagens que eram precisas em termos do elemento tempo antes de serem cumpridas, e ambas identificavam o dia, o mês e o ano.

Três testemunhas exigem que o Islã seja uma característica da mensagem do clamor da meia-noite durante a história das virgens que estão representadas como cento e quarenta e quatro mil. O Islã atacará Nashville no dia 18 de Julho de 2020. Essas três testemunhas afirmam que o julgamento deve ter lugar nesse evento. Esse julgamento é o início dos julgamentos destrutivos de Deus que são executados antes do Seu regresso iminente. Essas três testemunhas identificam que o dia, o mês e o ano farão parte dessa mensagem. Três testemunhas testemunham que, de acordo com a parábola das dez virgens, há uma classe de adoradores que é deixada, pois eles não têm o óleo. Todas estas três histórias contêm a lição de um povo do pacto a ser deixado e substituído pelo novo povo do pacto.

A reunião que ocorreu quando os discípulos proclamaram a mensagem da ressurreição de Cristo, e a reunião de almas que ocorreu quando a supremacia otomana cessou em 11 de agosto de 1840, alinha-se com a história de Elias no Monte Carmelo quando praticamente todo Israel não respondeu uma palavra quando perguntado se Deus era Deus ou Baal era Deus. Quando o fogo desceu, Israel estava sem desculpa. Em 18 de julho de 2020, o fogo vai descer sobre Nashville. O Islã vai trazer esse fogo, e o julgamento executivo vai começar. Os sonhos de Ellen White sobre este acontecimento demonstram que haverá, nessa altura, um povo que sabia deste acontecimento com antecedência, mas que se recusou a dar o aviso.

No movimento pioneiro do Adventismo, Josiah Litch reconheceu duas profecias do tempo no capítulo nove do Apocalipse e, com base nessas duas profecias, concluiu (e finalmente publicou) que em 11 de agosto de 1840, a supremacia otomana cessaria. Hoje, reconhecemos que existem três profecias de tempo especificamente marcadas no Apocalipse capítulo nove. Além disso, há ainda mais profecias de tempo que estão abaixo da superfície. Litch entendeu que a referência a “cinco meses” no capítulo nove de Apocalipse representava cento e cinquenta anos. Ele também entendeu que a “hora, e um dia, e um mês, e um ano” do versículo quinze representava trezentos e noventa e um anos e quinze dias. Reconheceu que os cento e cinquenta anos terminaram onde começaram os trezentos e noventa e um anos.

Com esta aplicação, descobriu que a data que marcou o início dos cento e cinquenta anos era 27 de Julho de 1299. Concluiu então que os cento e cinquenta anos terminariam no dia 27 de Julho de 1449, e que nessa mesma data se iniciaria a profecia dos trezentos e noventa e um anos e quinze dias. Os seus cálculos acabaram por lhe permitir identificar o 11 de Agosto de 1840 como sendo a conclusão dessa profecia. O cálculo de Litch estava correto, mas deve ser notado que a sua identificação de 27 de Julho de 1299 se baseia no calendário juliano que estava em uso antes do calendário gregoriano o qual foi introduzido em Outubro de 1582. A sua fixação de 11 de Agosto de 1840 baseou-se no calendário gregoriano, pelo que teve de lidar com a transição de um calendário para outro.

O cálculo de Samuel Snow, de 22 de outubro de 1844, também exigia que ele se agarrasse ao calendário Rabínico, ao calendário Karaite e à transição para o Gregoriano, porque a profecia de Snow começou muito antes do calendário Juliano. O trabalho que estes dois homens fizeram na luta com os calendários aborda a importância do estudo cronológico para você e para mim, e fala diretamente com a autoridade providencial de Palmoni – o maravilhoso numerador de segredos.

O que Litch não viu mas é reconhecido hoje, é que quando você começa em 27 de julho de 1449, e ao contrário de Litch, aplica cada um dos símbolos do tempo representados em Apocalipse 9:15, que sendo a “hora, e um dia, e um mês, e um ano” individualmente (e na ordem inversa) você identifica quatro profecias internas adicionais do tempo. Todas estas quatro profecias identificam histórias consistentes com a mensagem e o tema do Apocalipse capítulo nove, cujo tema é o Islamismo. Mas ao fazer isso, você identifica um fenômeno que está além de qualquer cálculo da lei da probabilidade.

Começamos em 27 de julho de 1449, (calendário gregoriano) e aplicamos o “ano” do versículo quinze, depois adicionamos trezentos e sessenta anos a essa data, pois há trezentos e sessenta dias em um ano profético bíblico. Isso leva-o a 27 de Julho de 1809, (calendário juliano) onde se formou uma aliança secreta entre a Inglaterra e o Império Otomano que foi chamada o “Tratado de Dardanelas” que pôs fim às hostilidades entre as duas potências.

Se depois aplicarmos o “mês” a essa data, e acrescentarmos trinta anos, pois há trinta dias num mês profético bíblico chegamos a 27 de Julho de 1839, (calendário juliano) onde a Áustria, França, Prússia, Rússia e Inglaterra apresentaram uma “Nota Coletiva” ao Governo turco para o fim das hostilidades.

Então, se aplicarmos o “dia” que seria um ano, pois um dia é um ano profeticamente, chegamos a 27 de julho de 1840, (calendário gregoriano). Nessa altura, a Áustria, a Prússia, a Rússia e a Inglaterra e o Governo turco assinaram um tratado intitulado “A Convenção de Londres de 1840”, que entrou em vigor quinze dias depois (uma hora), em 11 de Agosto de 1840.

Se considerarmos a lei da probabilidade, entendendo que os calendários juliano e gregoriano são diferentes e flutuam até treze dias entre cada calendário, a probabilidade de 27 de Julho cair nesses eventos nos anos, 1299, 1449, 1809, 1839, e 1840 é muito improvável. Mas quando se acrescenta ao cálculo dessa probabilidade que o ponto de referência é uma profecia que se dirige ao Islã, e que cada uma das datas que cumpriu o elemento do tempo na profecia foi também marcada por histórias que estão diretamente associadas ao tema da profecia, a probabilidade é quase incalculável.

O que então precisa de ser acrescentado a este cálculo, coloca-o para além das possibilidades. Quando olhamos para as datas de 27 de julho de 1299, 1449, 1809, 1839 e 1840 no calendário bíblico, um calendário que é estruturado de forma diferente dos calendários juliano e gregoriano, encontramos que cada uma dessas datas no calendário bíblico ocorre no vigésimo sexto dia do quarto mês. Quatro questões se alinham nesta história profética, e só Palmoni poderia ter feito isso acontecer.

A primeira é a proclamação da profecia que usa elementos do tempo para transmitir uma verdade.

E os quatro anjos foram soltos, que foram preparados para uma hora, e um dia, e um mês, e um ano, para matar a terceira parte dos homens. Apocalipse 9:15.

A segunda é que um acontecimento histórico confirma a profecia.

A terceira é que ela é confirmada no tempo correto.

A quarta é que a confirmação da profecia em termos de história e tempo se alinha com três calendários diferentes. Isto é uma impossibilidade, mas é verdade.

Com base nas três histórias de Moisés, o início do Israel antigo, Cristo, o fim do Israel antigo e o movimento pioneiro do Adventismo as datas associadas ao clamor da meia-noite devem ser comemoradas ao longo de todas as gerações do povo de Deus. 27 de Julho, 11 de Agosto, o vigésimo sexto dia do quarto mês, 15 de Agosto e a reunião do acampamento de Exeter, e 22 de Outubro tornam-se símbolos proféticos. 27 de Julho, 11 de Agosto e o vigésimo sexto dia do quarto mês são símbolos do Islã. 15 de Agosto é um símbolo do clamor da meia-noite e 22 de Outubro é um símbolo de julgamento.

Outro exemplo disso pode ser encontrado em uma verdade que deveria ser conhecida pelos cristãos, mas é mais do que provável que não seja. Jerusalém foi destruída duas vezes. A primeira vez foi por Nabucodonosor quando os judeus foram levados em cativeiro em 586 AC, e a segunda vez foi quando Roma destruiu Jerusalém no ano 70 DC. Jerusalém é certamente um símbolo bíblico, como lemos em Gálatas, onde Paulo fala de Jerusalém que agora é e a contrasta com a Jerusalém celestial. Por conseguinte, quando encontramos Jerusalém duas vezes destruída, é espantoso que ambas as vezes a destruição tenha ocorrido no décimo dia do quinto mês do calendário bíblico. Palmoni controla o tempo!

Quando se reconhece que o vigésimo sexto dia do quarto mês se alinha cinco vezes com 27 de julho no Apocalipse capítulo nove da profecia do Islã, torna-se muito solene compreender que 18 de julho de 2020 é também o vigésimo sexto dia do quarto mês no calendário bíblico. Juntamente com isso, 18 de julho de 2020 no calendário juliano é o décimo dia do quinto mês do calendário bíblico.

O trabalho de Josias Litch e Samuel Snow tratou justamente de dividir os calendários. Na nossa história, três calendários (juliano, gregoriano e bíblico) identificam todos que 18 de julho de 2020 está associado ao Islã, a um juízo (como representado pela destruição de Jerusalém) e do tempo. Mas mais importante ainda, estão associados a Palmoni, o maravilhoso numerador de segredos.

Resumo

Ao levarmos este aviso à sua conclusão, esperamos responder às razões que nos levam a concluir que as bolas de fogo do sonho de Ellen White representariam um ataque nuclear.

O primeiro ponto de referência baseia-se na tripla aplicação da profecia relativa à primeira, segunda e terceira guerras mundiais. Uma das características da Segunda Guerra Mundial foi a utilização de armas nucleares.

Outro ponto de referência é a lógica profética do que é representado pelos alvos dos julgamentos retributivos de Deus. No dia 11.09, assistimos a três pontos de ataque que todos falavam das características proféticas dos EUA como a besta semelhante ao cordeiro, que em última análise fala como um dragão, pois obriga o mundo a adorar a besta e a sua imagem. Os EUA utilizarão a força económica, e as Torres Gémeas representaram essa característica profética. Os EUA utilizarão a força militar, como ilustrado pelo facto de serem mortos, se não tiverem a marca da besta. O Pentágono é o símbolo dessa força americana. O quarto avião desviado caiu na terra e, no capítulo treze do Apocalipse, os EUA estão representados como a besta terrestre, em contraste com a besta antes dela que veio do mar. Existe então uma lógica profética com esses objetivos de 11.09.

Defendemos que a previsão para Nashville se baseia na sua associação com a Grécia. Os que conhecem Nashville sabem que se chama a “Atenas do Sul”. Foi em Atenas, Grécia, que se localizou o templo do Pártenon, e o seu modelo à escala perfeita está em Nashville com uma estátua da deusa Atena dentro. A educação, a guerra e os jogos gregos estão aí profusamente representados. Em Nashville, a educação grega que programou os judeus para participarem na morte do seu Messias, é erguida como em nenhuma outra cidade do mundo.

A história de Madison College, em Nashville, contrasta fortemente com a educação verdadeira e falsa. Até este ponto, não se tem tido em consideração a influência da música não santificada na mente, mas o símbolo da música country é Nashville, e historicamente a combinação de country, soul e gospel music que se tornou a base do rock and roll. Falsa educação, competição, humanismo, guerra, e entretenimento não santificados podem ser associados a Nashville, e esta associação vem de uma cidade que reside numa parte dos EUA que é conhecida como o cinturão da Bíblia .

Nashville representa o Estado do Tennessee e os EUA. Manhattan, Nova Iorque, onde estavam localizadas as Torres Gémeas, é o nome associado a um projeto secreto que teve lugar em 1942, chamado Projeto Manhattan. O projecto de desenvolvimento de bombas nucleares a lançar sobre o Japão foi realizado em Oak Ridge, Tennessee, entre Setembro de 1942 e 1945.

É interessante considerar que John Hendrix, que morreu no mesmo ano que Ellen White em 1915, teve visões em que lhe foram mostrados detalhes muito específicos do desenvolvimento desse projecto secreto – incluindo a verdade de que o produto ali desenvolvido sairia do céu (muito antes de os aviões transportarem quaisquer armas). Ele também viu numa visão que o que seria produzido em Oak Ridge traria um fim à grande guerra que ainda era de mais de trinta anos no futuro.

No capítulo treze do Apocalipse há um verso que termina o testemunho da besta do mar e introduz o testemunho da besta da terra. A besta que saiu do mar e recebeu uma ferida mortal foi aquela Igreja Católica que recebeu uma ferida mortal em 1798. A besta do mar, sendo o quinto reino da profecia bíblica, conduziu à besta terrestre ou ao sexto reino que são os EUA. Os dois últimos versos do comentário sobre a besta do mar, católica, incluem um aviso a ouvir.

Se algum homem tem ouvidos, que o ouça. Aquele que leva em cativeiro deve ir em cativeiro: aquele que mata à espada deve ser morto à espada. Aqui está a paciência e a fé dos santos. Apocalipse 13:9, 10.

O poder papal tinha governado durante duzentos e sessenta anos através do poder da espada, e em 1798 Napoleão levou o papado para o cativeiro. Existe uma lógica profética baseada no versículo dez que identifica que, apesar da necessidade real de pôr fim à Segunda Guerra Mundial para pôr fim à carnificina e ao sofrimento humano que se viveu, quando os EUA utilizaram os dispositivos nucleares no Japão, asseguraram que morreriam pelo mesmo método por que tinham vivido. Falamos muito sobre os EUA serem atingidos pelo Islã em 18 de Julho de 2020, mas a palavra profética identifica que isso irá acontecer uma segunda vez em 25 de Dezembro de 2021. Os EUA renunciarão então à sua soberania nacional e conduzirão o mundo a uma Liga das Nações moderna. Nessa altura, os jesuítas terão assassinado os EUA, tal como fizeram com Abraham Lincoln. É no segundo evento nuclear que os EUA vão morrer pela espada que começaram a viver em 1945, ano em que as Nações Unidas foram criadas, e um ano que representa o 45º presidente dos EUA. Com esta lógica e com o entendimento de que só Palmoni controla a história e as datas, vamos considerar o fim da Segunda Guerra Mundial.

Esta crise final será sobre a marca da autoridade papal, que o papado afirma basear-se na sua capacidade de levar todo o mundo cristão a aceitar o dia de adoração pagã do sol no lugar do sábado do sétimo dia de Deus. Japão ou mais propriamente, Nippon, por definição, significa a terra do sol nascente.

A guerra para os EUA começou com um ataque surpresa do Japão, e essa guerra incluiu uma arma chamada Kamikazes. Os ataques surpresa são simbólicos do Islã. Muitos não sabem que a origem da palavra assassino vem do Islã e baseia-se num dos seus métodos de guerra que os levou a matar repentina e inesperadamente aqueles que consideravam infiéis. Esta acção conduziu à palavra assassino, mas tinha mais um elemento na formação da palavra. Antes que o terrorista islâmico realizasse o seu inesperado ataque, ele ficaria intoxicado através de uma droga chamada haxixe, pois esperava morrer nos seus esforços e a droga ajudou-o em algum tipo de preparação mental. Assim, a palavra haxixe passou a fazer parte da formação da palavra assassino. Ele exerceu a sua atividade assassina pensando que o fazia pelo falso deus que adorava, tal como os pilotos kamikaze da Segunda Guerra Mundial o fizeram.

A palavra kamikaze significa vento divino, e o Islã é representado como o vento leste. Em cumprimento da previsão de John Hendrix, em 1942, a pequena mancha no Tennessee, agora conhecida como Oak Ridge, começou a cumprir a visão estabelecida décadas antes. Em 1945, a arma que Hendrix tinha identificado poria fim a essa guerra, que foi inventada, testada e pronta a ser utilizada. Antes de os aliados concordarem com um ataque tão terrível, enviaram ao Japão um aviso para se renderem.

Esse aviso chamava-se “Declaração de Potsdam” e foi enviado em 26 de Julho de 1945, mas o Japão nunca o recebeu antes de 27 de Julho de 1945. O 27 de Julho é um símbolo do Islã, baseado em muitas testemunhas. O Japão rejeitou a mensagem de aviso, não é verdade?

A primeira bomba atômica foi lançada sobre Hiroshima em 6 de Agosto de 1945, que foi o vigésimo sexto dia do quarto mês (calendário bíblico). O vigésimo sexto dia do quarto mês é também um símbolo do Islã, com base em muitas testemunhas.

A segunda bomba foi lançada sobre Nagasaki em 9 de Agosto de 1945, a 27 de Julho, no calendário juliano desse ano. Outra testemunha que identifica o Islã.

Inicialmente, Kokura, no Japão, também ia ser bombardeada, mas o tempo impediu o terceiro ataque. Embora os aviões tenham voado para Kokura, as nuvens impediram o ataque. Isto teve lugar em 11 de Agosto de 1945, e o 11 de Agosto é outro símbolo do Islã.

A devastação das duas bombas atômicas forçou o Japão a render-se incondicionalmente em 15 de Agosto de 1945. O dia 15 de Agosto é um símbolo do Clamor da Meia-Noite.

Todos os marcos históricos desde a “Declaração de Potsdam” até à rendição tiveram lugar numa data que representa o Islã ou o Clamor da Meia-Noite. A Bíblia informa-nos que, com base em duas ou três testemunhas, uma coisa é estabelecida. O Clamor da Meia-Noite da nossa história está a identificar um ataque nuclear. Está a identificar o Islã e o julgamento e, com base em três testemunhas, incluirá o dia, o mês e o ano nessa advertência.

A palavra Nashville é derivada de uma árvore chamada freixo. O aviso sobre o Elias a vir, e a última promessa do Antigo Testamento, encontra-se no capítulo quatro de Malaquias. Observe ao ler os seis versículos que, aqui Jesus não é chamado de “Filho” da justiça, mas o “Sol” da justiça, enfatizando a controvérsia do “Sol” que foi a controvérsia de Elias e Jezebel. Note-se a ênfase em recordar a lei de Moisés, que inclui o segundo mandamento que a Igreja Católica retirou das suas Bíblias, que proíbe a adoração de ídolos de qualquer tipo. Note também que antes do grande e terrível dia do Senhor Elias virá, e que na história destes versos, os ímpios se tornarão cinzas que os justos pisam. Uma explosão nuclear produz cinzas.

Pois eis que vem o dia que arderá como um forno; e todos os soberbos, sim, e todos os malfeitores serão restolho; e o dia que vem os queimará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que não lhes deixará nem raiz nem ramo. Mas a vós que temeis o meu nome, o Sol da justiça se levantará com cura nas suas asas; e vós saireis e crescereis como bezerros do curral. E pisareis os ímpios, porque serão cinza debaixo das plantas dos vossos pés no dia em que eu fizer isto, diz o Senhor dos Exércitos. Lembrai-vos da lei de Moisés, meu servo, que eu lhe ordenei em Horebe para todo o Israel, com os estatutos e os juízos.

Eis que vos enviarei Elias, o profeta, antes da vinda do grande e terrível dia do Senhor: E voltará o coração dos pais para os filhos, e o coração dos filhos para os pais, para que eu não venha e fira a terra com uma maldição. Malaquias 4:1-6.

O Ministério do Futuro para a América.

Ou clique neste outro link.

3 comentários em “Profecia de ataque nuclear contra os EUA em 18 de julho se baseia em visão de Ellen G. White”

  1. A inspiração de EGW foi como o mestrado do futuro Min. da Educação do Br (?).
    Ennis Alfredo Meier pesquisou bem sobre EGW, seria bom consultá-lo sobre o assunto.

  2. Bom, é muita coisa para ler, e na minha opniao é uma tática de marketing conhecida como marketing agressivo, ou seja descarregar um caminhão de informações para que não dê tempo de a pessoa pensar, e checar as informações apresentadas. todos os grupos e pessoas que marcaram ou tentaram marcar datas para fim do mundo ou eventos até hoje falharam. esse site mesmo(adventistas.com) já publicou varias postagens sobre esse assunto. hoje mesmo(27/06/2020) estão dizendo que é outro dia para o fim do mundo. na minha opnião estamos ficando craques em sobreviver a finais do mundo, e essa é uma tática do inimigo para desviar o ser humano do foco, e dar descrédito ao verdadeiro evento da volta de Jesus.
    De qualquer forma, temos exatas três semanas até o tal dia, e como sempre a história vai mostrar quem acertou ou errou, quem tinha razão, e quem falou a verdade.

Deixe uma resposta