Irmãos do Congresso MV contestam ensinos do Dr. Wilson Paroschi sobre o Santuário

Em nova postagem, em seu site oficial e canal do YouTube, irmãos do grupo conhecido como Congresso MV contestaram ensinos apresentados pelo Dr. Wilson Paroschi aos pastores da Associação Paulistana, relacionados com a doutrina do santuário celestial.

“Não precisamos segurar Jesus no lugar santo até 1844”, segundo o Pr. Paroschi. Ele ensina que logo após a ascensão Jesus foi ao santíssimo para inaugurar ou ungir. Mas na avaliação dos irmãos defensores do que chamam “o adventismo puro e simples”, “isso neutraliza a doutrina adventista do santuário, e não menos grave, vai contra o que diz a profetisa do Senhor”.

“O ministério do sacerdote, durante o ano todo, no primeiro compartimento do santuário, para dentro do véu que formava a porta e separava o lugar santo do pátio externo ,REPRESENTA O MINISTÉRIO QUE JESUS ENTROU AO ASCENDER AO CÉU ” O Grande Conflito, págs. 420-421.

Lamentamos apenas que s irmãos do Congresso MV não percebam, contudo, a íntima relação existente entre a revelação ou descoberta do santuário celestial pelos adventistas do movimento milerita e a cosmovisão hebraica da terra plana coberta por um domo, acima do qual está exatamente a morada de Deus, santuário celestial, para onde o Filho de Deus ascendeu após encerrar seu ministério neste mundo. O firmamento se abriu para Hiram Edson e ele viu a Jesus Cristo no santuário celestal. Nisto cremos!

Veja, por exemplo, Lição máxima do Evangelho da Terra Plana na “visão do milharal”

Mais citações de EGW

EGW “Eis minha mensagem para vós: Não mais consintais em escutar sem protesto a perversão da verdade. Desmascarai os pretensiosos sofismas que, uma vez recebidos, levarão pastores e médicos e obreiros missionários médicos a passar por alto a verdade. Cada um tem de estar agora em guarda. Deus chama homens e mulheres a tomarem posição sob a ensangüentada bandeira do Príncipe Emanuel. Fui instruída a advertir nosso povo; pois muitos se encontram em perigo de receber teorias e sofismas que solapam as colunas fundamentais da fé.” {ME1 196.4}

EGW “Se há erros claros entre Seu povo, e os servos de Deus continuam em frente indiferentes a isso, estão por assim dizer apoiando e justificando o pecador, e são igualmente culpados, incorrendo tão certo como ele no desagrado de Deus; pois serão tidos como responsáveis pelos pecados do culpado.” T3 265.3

EGW “Somos tão responsáveis por males que poderíamos haver reprimido, como se fôssemos nós mesmos culpados da ação.” DTN 312.1

EGW “Vi então em relação ao “contínuo” (Daniel 8:12), que a palavra “sacrifício” foi suprida pela sabedoria humana, e não pertence ao texto, e que o Senhor deu a visão correta àqueles a quem deu o clamor da hora do juízo.” PE 74.2

EGW “Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade.”[Daniel 9:24]. A palavra aqui traduzida ‘determinadas’ significa literalmente ‘separadas.’” GC 326.2

EGW “Esta porta [ao lugar santíssimo] não foi aberta até que a mediação de Jesus no lugar santo do santuário terminou em 1844.” PE 42.1

EGW “Vi o Pai erguer-Se do trono* e num flamejante carro entrar no santo dos santos para dentro do véu, e assentar-Se. Então Jesus Se levantou do trono e a maior parte dos que estavam curvados ergueram-se com Ele. Não vi um raio de luz sequer passar de Jesus para a multidão descuidada depois que Ele Se levantou, e eles foram deixados em completas trevas. Os que se levantaram quando Jesus o fez, conservavam os olhos fixos nEle ao deixar Ele o trono e levá-los para fora a uma pequena distância. Então Ele ergueu o Seu braço direito, e ouvimo-Lo dizer com Sua amorável voz: “Esperai aqui; vou a Meu Pai para receber o reino; guardai os vossos vestidos sem mancha, e em breve voltarei das bodas e vos receberei para Mim mesmo.” Então um carro de nuvens, com rodas como flama de fogo, circundado por anjos, veio para onde estava Jesus. Ele entrou no carro e foi levado para o santíssimo, onde o Pai Se assentava. Então contemplei a Jesus, o grande Sumo Sacerdote, de pé perante o Pai. Na extremidade inferior de Suas vestes havia uma campainha e uma romã, uma campainha e uma romã. Os que se levantaram com Jesus enviavam sua fé a Ele no santíssimo, e oravam: “Meu Pai, dá-nos o Teu Espírito.” Então Jesus assoprava sobre eles o Espírito Santo. Neste sopro havia luz, poder e muito amor, gozo e paz. {PE 55.1} Voltei-me para ver o grupo que estava ainda curvado perante o trono; eles não sabiam que Jesus o havia deixado. Satanás parecia estar junto ao trono, procurando conduzir a obra de Deus. Vi-os erguer os olhos para o trono e orar: “Pai, dá-nos o Teu Espírito.” Satanás inspirava-lhes uma influência malévola; nela havia luz e muito poder, mas não suave amor, gozo e paz. O objetivo de Satanás era mantê-los enganados e atrair de novo e enganar os filhos de Deus. {PE 56.1}

2 comentários em “Irmãos do Congresso MV contestam ensinos do Dr. Wilson Paroschi sobre o Santuário”

  1. A incompreensão dos símbolos e ilustrações que Deus deu ao povo escolhido, especialmente ao líder libertador, referente ao processo de REDENÇÃO tem levado os estudiosos a conclusões equivocadas.
    O fato de Deus ter dado uma ordem para Moisés para a construção de um Santuário, mostrando como modelo ou maquete, ou até pode existir um MUSEU, no céu, que tenha servido para esse propósito, absolutamente não significa que, no céu, haja uma repetição dos rituais que eram efetuados na terra.
    O processo verdadeiro da REDENÇÃO, teve o seu PÁTIO (local onde os sacrifícios eram realizados), o local onde o SACRIFÍCIO REDENTIVO aconteceu, foi na terra e não num pátio de um Santuário Celestial.
    Nesse pátio do processo verdadeiro, que foi a terra, a pia (ou lavatório) onde o Sacerdote se lavava, o Sacerdote que também era a oferta e também o Sumo Sacerdote, a pia ou lavatório foi o Rio Jordão e o simbolismo do “lavar” foi o BATISMO DE JESUS.
    O aspergir do sangue na cortina (ou véu) que acontecia no Santuário Terrestre, absolutamente, nunca aconteceu em nenhum véu ou cortina que eventualmente pudesse existir nesse SANTUÁRIO CELESTIAL que teve o pátio aqui nesta terra.
    Mais ainda, tente imaginar um SANTUÁRIO CELESTIAL cujo pátio tenha sido o GOLGOTA.
    Se não se pode separar o processo do VERDADEIRO SACRIFÍCIO do processo da PURIFICAÇÃO do SANTUÁRIO CELESTIAL, que não está aqui na terra, como se pode LITERALIZAR o que acontecia no ritual terrestre do ritual celestial???!!!
    Assim, deve se entender que o Santuário Celestial é apenas e tão somente para lembrança eterna do sacrifício eterno ocorrido aqui na terra, no Gólgota.
    A purificação do Santuário Celestial deve ser lembrado do que ocorria no Santuário Terrestre, que acontecia apenas um dia por ano, e era demarcado pelo SACRIFÍCIO do ESPIATÓRIO e a transferência dos pecados para o EMISSÁRIO que era banido para o deserto.
    Assim, a interpretação, equivocada de William Müller, que teve como marco inicial uma data de um evento que nada tem a ver com o processo do dia da expiação, levou a uma data também equivocada, posteriormente repaginada e reinterpretada pelos seguidores mileritas, para aplicar ao processo celestial, que tem grandes diferenças do ritual terrestre.
    Lembrando: O processo celestial da Purificação do Santuário teve o sangue expiatório do Divino Filho. O Sumo Sacerdote do processo celestial é o Divino Filho. Como no dia da Purificação do Santuário Terrestre, que também era conhecido como Dia do Juízo, o DIA DO JUÍZO CELESTIAL, tem como Juíz, o Divino Filho (João 5:22).
    Portanto, TUDO, no processo redentivo está centralizado no Filho Divino, Jesus Cristo.
    A alegação, equivocada, de que o JUÍZO DIVINO teria uma data para se iniciar, é um dos maiores absurdos, pois destrói a ONISCIÊNCIA.
    Nas Sagradas Escrituras temos inúmeros exemplos de pessoas que foram julgadas e inocentadas bem como pessoas que foram condenadas, e, isto muito antes de 1844.
    Vejamos: – Daniel 5:27 – Isaias 26:7 – Jó 22:19 – Lucas 23:43.
    Todos que existiram antes de 1844 e leram as Sagradas Escrituras puderam saber de inúmeras outras pessoas que viveram antes e já se sabia que estavam julgadas e condenadas ou absolvidas.

  2. O paroschi está correto em sua fundamentação, o problema que colocaram 1844 como o centro e egw como a interprete infalível das escrituras. O comitê sobre o santuário e sessão de Ford apenas confirma a ausência de provas factíveis. Jesus acende ao céu além do véu, na presença do seu pai. Uma informação ignorada que é Daniel 8:14 e levítico jamais se cruzam, são conceitos diferentes, palavras diferentes e graças a tradição errônea, os pioneiros foram conduzidos a tala análise. Restaurar é diferente de purificar, texto prova já não é métodos errôneo que se acostumamos.

Deixe uma resposta