Papa Francisco contraria EUA e renova acordo com o reino do Dragão Vermelho

Na última quinta-feira (22), o Vaticano e o Partido Comunista da China renovaram o acordo sobre a nomeação de bispos, que dá ao Papa a última palavra na nomeação de bispos chineses. Já o governo do ditador Xi Jinping permite que todos eles, incluindo oriundos de uma igreja apoiada pelo Estado comunista, reconheçam a autoridade de Sua Santidade.

“China e Vaticano decidiram, depois de consultas amistosas, prolongar por dois anos o acordo temporário sobre a nomeação de bispos”, anunciou à imprensa o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijan, conforme noticiou a agência de notícias France Press.

Há décadas, os fiéis na China estão divididos entre uma igreja “patriótica” (controlada pelo regime comunista) e uma chamada Igreja “clandestina”. Essa última reconhece a autoridade do papa e muitas vezes é perseguida.

Em 22 de setembro de 2018, o Vaticano selou um acordo provisório com o regime comunista de Pequim, cujo conteúdo exato não foi publicado. Um ponto anunciado na época, foi que o papa Francisco reconheceu imediatamente oito bispos chineses que haviam sido nomeados por Pequim sem sua aprovação.

Capturas de tela de vídeos enviados pela ChinaAid mostram a destruição da Igreja Golden Lampstand na cidade de Linfen na província de Shanxi na terça-feira, 9 de janeiro de 2018. A polícia armada chinesa usou explosivos para demolir a igreja como parte de uma ofensiva contra os chineses. Cristãos (ChinaAid)

Antes dessa data, a China se recusava a aceitar que a nomeação dos líderes religiosos viesse do Vaticano, uma vez que não reconhece o Papa como chefe da Igreja Católica. Paralelamente, a Santa Sé se negava a reconhecer que bispos fossem escolhidos pelo governo comunista local.
 

“As duas partes concordaram em estender a fase de implementação experimental do acordo por mais dois anos”, informou, em nota, o Vaticano, ao mencionar que “pretende continuar o diálogo aberto e construtivo para promover a vida da Igreja católica e o bem do povo chinês”.

Conforme informou a Revista Oeste, as tratativas entre a Igreja Católica e os comunistas vão à contramão das advertências dos Estados Unidos, que têm denunciado a repressão sofrida por católicos em território chinês. O secretário de Estados dos EUA, Mike Pompeo, denunciou no mês passado que a aliança não ajudou em nada os cristãos.

Fonte: https://www.epochtimes.com.br/vaticano-renova-acordo-com-o-partido-comunista-da-china/

Veja o apelo feito pelo governo americano:

O Partido Comunista Chinês ataca a liberdade religiosa, diz Pompeo no Vaticano

POR DÉBORA ALATRISTE

30 de setembro de 2020

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo , afirmou nesta quarta-feira que “em nenhum lugar a liberdade religiosa é mais atacada do que na China”, em uma nova crítica ao Vaticano por sua posição com o gigante asiático antes da renovação do acordo para a nomeação de bispos.

O secretário destacou que atualmente muitas pessoas vivem em países onde a liberdade religiosa é restrita e mencionou Irã, Nigéria e Cuba, mas disse que em nenhum lugar essa liberdade é “mais atacada do que na China de hoje”.

“Isso porque, como em todos os regimes comunistas, o Partido Comunista Chinês ( PCC ) é considerado a mais alta autoridade moral”, disse ele.

“Um PCC cada vez mais repressivo, amedrontado por sua própria falta de legitimidade democrática, trabalha dia e noite para apagar a lâmpada da liberdade, especialmente a liberdade religiosa, em uma escala assustadora”, acrescentou.

Mike Pompeo, que é um crítico público do Partido Comunista Chinês, fez os comentários em 30 de setembro durante sua participação no Simpósio sobre o Avanço e a Defesa da Liberdade Religiosa através da Diplomacia, organizado pela embaixada dos EUA antes o Vaticano.

Todas as comunidades religiosas na China foram atacadas pelo PCC, disse ele. Entre as vítimas, ele mencionou os muçulmanos uigures de Xinjiang, igrejas subterrâneas protestantes, budistas tibetanos e praticantes do Falun Dafa.

A repressão aos uigures começou por volta de 2017 e, de acordo com um relatório recente do Instituto Australiano de Política Estratégica (ASPI), na Região Autônoma de Xinjiang existem cerca de 380 centros de detenção – a maioria semelhantes a prisões – possivelmente abrigando Uigures e outras minorias turcas e muçulmanas estão sob custódia.

Testemunhas revelaram que, nos campos de reeducação, os uigures são torturados e estuprados. Sayragul Sauytbay, 43, disse que entre novembro de 2017 e março de 2018, ela testemunhou detentos sendo torturados com choques elétricos, pregos de metal e arrancar pregos, entre outras violações dos direitos humanos.

Por outro lado, a perseguição ao Falun Dafa começou em 1999, quando o então líder do PCC, Jiang Zemin, lançou uma ampla campanha de perseguição. Até agora, as mortes por tortura de mais de 4.000 praticantes foram documentadas , de acordo com o Minghui.org., Um centro de informações sobre a perseguição ao Falun Dafa.

Da mesma forma, os praticantes desta disciplina têm seus órgãos removidos de forma forçada. Um tribunal popular independente com sede em Londres concluiu em junho de 2019 que “além de uma dúvida razoável”, o PCCh estava usando prisioneiros de consciência para extrair seus órgãos. A principal fonte de órgãos são os praticantes do Falun Dafa.

Durante seu discurso, o secretário Pompeo também destacou a repressão do PCC aos católicos, dizendo que igrejas e santuários foram profanados e destruídos, bispos e líderes católicos do movimento pelos direitos humanos, incluindo em Hong Kong, foram presos; e as autoridades chinesas ordenam aos residentes que substituam as imagens de Jesus pelas de Mao e Xi Jinping.

Ele acrescentou que na defesa da liberdade religiosa em países como a China, os governos nacionais “são limitados por razões políticas”, mas que a Igreja, “por outro lado, não está vinculada a essas considerações”, “e não deve comprometer os padrões de princípio, baseado em verdades eternas ”.

“Você me ouviu mencionar a China? Não me ouviram dizer o nome de nenhum país, não mencionamos e não culpamos ninguém. Este é um dos princípios da diplomacia do Vaticano ”, disse irritado à mídia italiana.

Pompeo foi recebido por Gallagher e pelo secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, mas não pelo Papa Francisco , que já o recebeu em audiência em outubro do ano passado.

O pontífice anunciou em 27 de setembro que não se encontraria com Pompeo em sua visita à Itália, pelo fato de não receber personalidades políticas durante as campanhas políticas, para evitar qualquer tipo de instrumentalização antes das próximas eleições nos Estados Unidos entre o republicano Donald Trump e O democrata Joe Biden.

O anúncio foi feito alguns dias depois que o oficial americano pediu ao Vaticano que não renovasse o Acordo Provisório com ele com o Partido Comunista Chinês sobre a nomeação de bispos. “O Vaticano põe em risco sua autoridade moral, se renovar o acordo”, disse ele no Twitter.

“Há dois anos, a Santa Sé chegou a um acordo com o Partido Comunista Chinês, na esperança de ajudar os católicos da China. No entanto, o abuso do PCC aos fiéis só piorou “, acrescentou ele.

“Peço a todos os líderes religiosos que encontrem coragem para enfrentar a perseguição religiosa contra suas próprias comunidades”, disse ele.

Fonte: https://es.theepochtimes.com/el-partido-comunista-chino-ataca-la-libertad-religiosa-dice-pompeo-en-el-vaticano_732736.html

Deixe uma resposta