QR CODE DA BESTA? Xi Jinping pressiona por um código QR global da Covid-19




23 de novembro de 2020 às 14:03

QR Code Covid em celular

China já utiliza sistema com QR Codes para gestão de infectados

Foto: Reprodução/CNN

O presidente chinês Xi Jinping está fazendo pressão para a obtenção de um rastreamento global de Covid-19 usando códigos QR. A intenção é ajudar a acelerar viagens e negócios internacionais durante a pandemia do coronavírus.

A China determinou o uso generalizado de atestados de saúde baseados em códigos QR no início deste ano. Com um código de barras eletrônico que armazena o histórico de viagens e saúde de uma pessoa, o sistema ajuda a conter a propagação do vírus. 




Com ele, os usuários exibem um código de cores com base em sua exposição potencial ao novo coronavírus. As cores são como semáforos: o verde é o mais seguro, depois o âmbar e finalmente o vermelho. 

Falando na reunião virtual dos líderes do G20 no sábado, Xi disse que para garantir o “bom funcionamento” da economia mundial durante a pandemia, os países precisam coordenar um conjunto uniforme de políticas e padrões, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua




“A China propôs um mecanismo global de reconhecimento mútuo de atestados de saúde com base em resultados de testes de ácido nucléico na forma de códigos QR que são aceitos internacionalmente. Esperamos que mais países adotem esse mecanismo”, disse Xi. 

Xi não disse explicitamente que tipo de aplicativo ou sistema de código QR ele estava sugerindo ou quem o projetaria e executaria. 

Vários países introduziram tecnologia de aplicativo de rastreamento para monitorar os movimentos dos cidadãos e a exposição potencial ao coronavírus, incluindo a Austrália, Japão e Cingapura. No entanto, não há uma coordenação única entre os sistemas e eles tiveram vários graus de sucesso. 

Um estudo da Universidade de Oxford feito em abril descobriu que, se mesmo apenas 56% da população de um país usasse um aplicativo de rastreamento, ele poderia suprimir enormemente a epidemia de Covid-19. 

O presidente da China, Xi Jinping

O presidente da China, Xi Jinping

Foto: Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Mas os aplicativos de coronavírus têm sido perseguidos por preocupações com a privacidade, principalmente nas democracias ocidentais. Allison Gardner, professora de ciência da computação na Universidade Keele, disse que cidadãos do Reino Unido e da França foram relutantes em usar aplicativos de coronavírus quando suas informações pessoais foram armazenadas externamente, em vez de no telefone. 

Além disso, dada a crescente preocupação de países ao redor do mundo sobre o uso de tecnologia chinesa em setores sensíveis, provavelmente haveria sérias questões sobre como funcionaria um sistema QR coordenado com o governo chinês. 




O governo dos Estados Unidos tem pressionado seus aliados próximos na Europa, América do Norte e Pacífico a abandonar a tecnologia 5G chinesa fornecida pela gigante das comunicações Huawei, enquanto o popular aplicativo chinês TikTok enfrentou proibições na Índia e nos EUA. 

Stuart Hargreaves, professor associado da faculdade de direito da Universidade Chinesa de Hong Kong, disse que embora não haja nada intrinsecamente invasivo em um código QR, se ele for usado para armazenar informações de saúde confidenciais, as questões sobre privacidade se tornam “particularmente importantes”.

“Quais informações são armazenadas no registro, por exemplo, onde são guardadas, quem tem acesso a elas?”, questionou. 

Hargreaves concordou que, uma vez que as vacinas para o coronavírus estivessem disponíveis, seria necessário um “passaporte digital de saúde” internacional de algum tipo. 

“Para que as viagens se aproximem de algo como era antes da Covid-19, será necessário algum tipo de padrão internacional que seja fácil de obter, fácil de usar, seguro e que proteja a privacidade”, explicou. 

Para Raina MacIntyre, o principal problema de qualquer aplicativo internacional de coronavírus seria manter a privacidade dos dados. MacIntyre é chefe do Programa de Pesquisa de Biossegurança do Instituto Kirby da Universidade de New South Wales. 

Ela sugeriu que um banco de dados central de informações gerenciado pela Organização Mundial da Saúde ou uma agência das Nações Unidas pode ser a forma menos controversa de criar um aplicativo de rastreamento da Covid-19. 

“Mas será que as pessoas consentirão que outro governo que não seja o seu próprio governo acesse seus dados? Esse pode ser o preço a pagar pela viagem”, afirmou.

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/2020/11/23/xi-jinping-pressiona-por-um-codigo-qr-global-da-covid-19

Deixe uma resposta