Dois terços dos profissionais de saúde da Holanda não querem tomar a vacina contra covid-19 ou estão em dúvida, diz pesquisa

Thaís Garcia

Dois terços dos profissionais de saúde não querem tomar a vacina contra covid-19 ou estão em dúvida, segundo uma pesquisa realizada na Holanda entre cerca de 3.700 membros da organização profissional de enfermeiras e cuidadores, NU’91.

A pesquisa revela que 33% dos profissionais de saúde indicam que não querem ser vacinados e quase a mesma quantidade ainda não sabe. Apenas 36% dos profissionais de saúde desejam ser vacinados contra o vírus chinês o mais rápido possível.

Os cuidadores, juntamente aos idosos e vulneráveis, pertencem ao grupo que o governo holandês quer priorizar na vacinação. O grupo de profissionais de saúde que tem dúvidas sobre tomar ou não a vacina acredita que ainda há muita incerteza sobre a vacina, diz a pesquisa da NU’91.

Entre as preocupações apontadas estão os efeitos a longo prazo da vacina na saúde e a velocidade com que as vacinas foram produzidas. De acordo com a pesquisa, também há preocupações com uma possível obrigatoriedade da vacinação.

“Entendo que as pessoas sejam cautelosas quanto à vacina contra o coronavírus”, disse Stella Salden, presidente da NU’91. “Muitos detalhes sobre a vacina ainda não são conhecidos. Mas empregadores aumentarem a pressão sobre os profissionais de saúde – por exemplo, ameaçando demiti-los se você não for vacinado – só funciona negativamente. Estamos até recebendo sinais de que os profissionais de saúde querem deixar seus empregos se forem forçados a se vacinar. Por causa da obrigatoriedade, eles se sentiriam totalmente não levados a sério.”

“Os profissionais de saúde precisam de informações boas e neutras para que eles mesmos possam tomar uma decisão ponderada”, disse Salden. “Isso só é possível com a transmissão correta das informações. Sem exercer pressão.”

De acordo com a organização profissional NU’91, podem ser observadas diferenças consideráveis ​​nos setores da saúde no que diz respeito à aceitação da vacinação. Segundo a pesquisa, apenas 44% dos funcionários de hospitais disseram que aceitam a vacina. O número é ainda menor entre os funcionários em lares de idosos, com apenas 25%, e entre cuidadores domiciliares, com 31%.

Fonte: https://conexaopolitica.com.br/mundo/holanda/holanda-dois-tercos-dos-profissionais-de-saude-nao-querem-tomar-a-vacina-contra-covid-19-ou-estao-em-duvida-diz-pesquisa/

NU’91: Decisão sobre vacinação sobre vacinação de profissional de saúde deve ser por escolha própria individual

Agora que o Ministro Hugo de Jonge indicou que deseja começar com a vacinação corona a partir de janeiro de 2021, a discussão também está acirrando sobre se você deve ou não vacinar-se como profissional de saúde. Uma responsabilidade que NU’91 acredita que deve caber ao profissional de saúde. “Isso não significa, porém, que sejamos contra a vacinação. É a única maneira de controlar o coronavírus ”, disse Stella Salden, presidente do NU’91.

A vacinação corona causa discordância

NU’91 está ciente de que a vacinação contra o coronavírus é um assunto delicado. Stella: “Também vemos isso todos os anos com a vacina contra a gripe. Os empregadores consideram muito importante que os funcionários se vacinem , mas mais de 60% dos profissionais de saúde 1 ainda não tomam a vacina contra a gripe. E a cada ano isso provoca divergências entre empregadores e empregados. O coronavírus e a vacinação garantem que a discussão sobre as vacinações (vacina contra gripe e corona) volte a se acirrar. E isso pressiona o profissional de saúde ”.

pressione Enter

“Eu entendo que as pessoas sejam cautelosas quanto à vacina corona”, continua Stella. “Muitos detalhes sobre a vacina ainda não são conhecidos. Mas aumentar a pressão sobre os profissionais de saúde como empregadores – por exemplo, ameaçando demiti-los se você não for vacinado – só funciona contraproducente. Estamos até recebendo sinais de que os profissionais de saúde querem deixar seus empregos se forem forçados a se vacinar. Eles se sentiriam completamente ignorados por uma obrigação. ”

Em formação

De acordo com Stella Salden, boas informações são necessárias para aumentar a benevolência em relação à vacina corona entre os profissionais de saúde. “É importante que uma campanha seja lançada com informações boas e neutras, para que muitos profissionais de saúde possam fazer uma escolha informada sobre a vacinação corona. Sem pressão exercida. ”

Membro enquete da vacina corona

Os planos do governo mostram que — depois dos idosos e dos vulneráveis ​​– os profissionais de saúde são os primeiros a ter acesso à vacina. Por isso, somos regularmente questionados se uma obrigação é possível. No que diz respeito ao NU’91, não se pode discutir: uma obrigação não pode e não virá. O que não significa que sejamos contra a vacinação. Como queremos mapear como você se sente em relação à vacina, elaboramos um pequeno questionário. Já fizemos essa pergunta em setembro, mas muita coisa mudou desde então. Demora cerca de três minutos para ser concluído e pode ser concluído até segunda-feira, 7 de dezembro, às 10h00.

1 De acordo com uma pesquisa de membros do NU’91 entre 3700 profissionais de saúde.

Fonte: https://www.nu91.nl/nieuws/coronavaccinatie-verantwoordelijkheid-zorgprofessional/

Seis pessoas desenvolvem reações alérgicas graves causadas pela vacina da Pfizer

Raul Holderf Nascimento

Conforme noticiamos no último sábado, 19, seis pessoas desenvolveram uma reação alérgica grave chamada de anafilaxia após receberem a vacina contra a Covid-19 feita pela Pfizer e BioNTech.

A informação foi divulgada e confirmada pelo Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

A agência afirmou que está investigando a causa das reações alérgicas e quais ligações os seis casos podem ter.

De acordo com o órgão, algumas das pessoas são do Alasca, mas outras são de outros lugares, disse Tom Clark, uma autoridade do CDC que apresentou dados ao Comitê Consultivo em Práticas de Imunização, ou ACIP, cujos membros se reuniram para votar sobre outra vacina fabricada pela Moderna.

As pessoas afetadas são todos adultos com menos de 65 anos, e a maioria foi hospitalizada, prontamente tratada e submetida à observação, disse Clark.

Das 112.807 pessoas vacinadas registradas no sistema de segurança da vigilância sanitária até a última sexta-feira, 18, cerca de 3.150 relataram sintomas após a vacinação que os impossibilitaram de realizar atividades diárias ou de trabalho.

Segundo Clark, o CDC está aprofundando as apurações dos relatos para obter mais detalhes.

No sábado (19), o ACIP endossou o uso da vacina Moderna em pessoas com 18 anos ou mais, com os membros do painel afirmando que os benefícios da inoculação eram superiores aos riscos, tendo em vista que milhares de mortes ocorriam diariamente nos EUA.

Fonte: https://conexaopolitica.com.br/saude/coronavirus/6-reacoes-alergicas-graves-causadas-pela-vacina-da-pfizer/

 

Deixe uma resposta