3 de janeiro de 2021 marca o 500º aniversário da excomunhão de Martinho Lutero e seus apoiadores

Martinho Lutero queima sua carta de excomunhão.

Lamentamos as circunstâncias que tornam a controvérsia necessária. Não é por uma inclinação natural à controvérsia que nos incita a pregar o evangelho ou discutir questões nas quais diferimos de outras religiões cristãs, incluindo nossos companheiros adventistas do sétimo dia. Teríamos prazer em ver todo o mundo cristão adorando a Deus “em espírito e em verdade” (João 4:24) e no sábado do sétimo dia. Ninguém se regozijaria mais do que nós em ver cristãos e não-cristãos igualmente abraçando   um espírito, uma fé, um batismo (Efésios 4: 4-6) enquanto unidos na “coluna e base da verdade” (1 Timóteo 3: 15 )

Mas a realidade é esta: Quando o povo de Deus NÃO teve que suportar conflitos e controvérsias? A obra de Deus sempre teve que progredir com contendas e oposição. E a obra de Deus no futuro terá que passar por provações e dificuldades. Lembramos as palavras de Jeremias quando o profeta exclamou:

“Ai de mim, minha mãe, por me dares à luz um homem de contendas e contendas para toda a terra! … ainda assim, cada um deles me amaldiçoa. ” Jeremias 15:10.

Isso resume muito bem a experiência pela qual todo verdadeiro obreiro de Deus passou em todas as épocas e em todos os lugares. Pense por um momento nos conflitos e controvérsias que cercaram o apóstolo Paulo durante seu ministério. Paulo estava em conflito quase constante não só com os incrédulos gregos e romanos, mas também com sua própria nação, os judeus. De uma perspectiva humana, ele tinha um chamado e ministério muito solitário:

“Ninguém ficou comigo, mas todos os homens me abandonaram … No entanto, o Senhor ficou comigo e me fortaleceu … e fui libertado da boca do leão.” 2 Timóteo 4:16, 17.

Por que ninguém estava disposto a ficar com Paulo? Porque parecia que ele estava sempre no meio de algum tipo de problema para pregar a palavra de Deus:

“Dos judeus cinco vezes recebi quarenta açoites menos um. Três vezes fui espancado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia estive no fundo; Em viagens frequentes, em perigos de águas, em perigos de ladrões, em perigos de meus próprios conterrâneos, em perigos de pagãos, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos ; No cansaço e nas dores, nas vigílias muitas vezes, na fome e na sede, nos jejuns muitas vezes, no frio e na nudez. ”2 Coríntios 11: 24-27.

Paulo suportou essas dificuldades não porque lisonjeava os homens, mas porque não se esquivava das dificuldades de falar a verdade de Deus. Hoje, parece que esta geração de pregadores ama o louvor e lisonja dos homens mais do que a aprovação de Deus (Mateus 12:43). E embora Paulo amasse as pessoas o suficiente para falar a verdade com amor, onde quer que fosse, ele era comumente referido como o inimigo do povo:

“Eu me tornei seu inimigo, porque lhe digo a verdade?” Gálatas 4:16.

Martinho Lutero também não era estranho à controvérsia. Ele travou o maior conflito religioso dos tempos modernos. A convulsão religiosa que ele iniciou foi tão grande que em 3 de janeiro de 1521, o Papa Leão X publicou uma Bula Papal excomungando Martinho Lutero, seus seguidores e qualquer líder civil que estivesse pensando em protegê-lo. Não apenas Martinho Lutero foi declarado herege, mas todos os que apoiavam seus pontos de vista também foram declarados hereges. A Bula Papal que excomungou Martinho Lutero e todos os outros protestantes declarou:

“Nossos decretos que se seguem são passados ​​contra Martin e outros que o seguem na obstinação de seu propósito depravado e condenável, como também contra aqueles que o defendem e protegem com um guarda-costas militar , e não temem apoiá-lo com seus próprios recursos ou de qualquer outra forma , e tem e tem a pretensão de oferecer e fornecer ajuda, conselho e favor para com ele . ” [1]

A punição delineada pelo Papa Leão X não foi apenas a excomunhão. Incluía traição, perda de todas as terras e confisco de todos os bens:

“Sobre tudo isso decretamos as sentenças de excomunhão, de anátema, de nossa perpétua condenação e interdição; de privação de dignidades, honras e propriedades sobre eles e seus descendentes, e de declarada inaptidão para tais posses; do confisco de seus bens e do crime de traição; e estas e outras sentenças, censuras e punições que são infligidas pela lei canônica aos hereges e são estabelecidas em nossa carta acima mencionada, nós decretamos ter caído sobre todos esses homens para sua condenação. ” [1]

Qual foi o grande pecado de Lutero por incorrer neste tipo de condenação severa? Ele se recusou a desistir de seus erros e parar de pregar o evangelho:

“Não obstante, o próprio Martin – e nos dá grande tristeza e perplexidade dizer isso – o escravo de uma mente depravada, desdenhou de revogar seus erros dentro do intervalo prescrito e de nos enviar a palavra de tal revogação, ou de vir pessoalmente até nós; não, como uma pedra de tropeço, ele tem medo de não escrever e pregar coisas piores do que antes contra nós e esta Santa Sé e a fé católica, e levar outros a fazerem o mesmo. ” [1]

Como fiel vigia e sentinela de Deus, Lutero foi acusado de corromper e perturbar a mente do povo. Mas como poderia ser diferente? E como pode ser diferente hoje? Como podem homens e mulheres chegar ao ponto em que mudam de ideia se a verdade não é trazida à sua consciência? Bem-aventurados os homens e mulheres quando suas mentes estão inquietas e tristes se é Deus quem faz isso.

“Ora, eu me regozijo, não porque fostes tristes, mas para o arrependimento, porque fostes tristes segundo uma maneira piedosa, para que em nada recebestes dano de nossa parte. Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, do qual não há arrependimento: mas a tristeza do mundo opera a morte. ” 2 Coríntios 7: 9, 10.

Louvemos a Deus quando nossas mentes orgulhosas e corações pecaminosos são picados pelo Espírito Santo; e se pela graça de Deus aceitamos Seu convite ao arrependimento. Não podemos fazer mais do que pregar a palavra como a recebemos de Deus.

“Ai de mim, se eu não pregar o evangelho!” 1 Coríntios 9:16.

“Ai dos que chamam o mal de bem, e o bem de mal; que colocou as trevas por luz e a luz por trevas; que coloca amargo por doce e doce por amargo! ” Isaías 5:20.

Nem podemos ficar em silêncio quando Deus nos confiou esta responsabilidade solene:

“Clama em voz alta, não te detenhas, levanta a tua voz como a trombeta e mostra ao meu povo as suas transgressões e à casa de Jacó os seus pecados.” Isaías 58: 1.

Não seremos fiéis à confiança que nos foi confiada se não falarmos a palavra de Deus com sinceridade. Na Escritura acima, será notado que Deus não diz apenas: “Mostre ao mundo seus pecados”, mas “mostre ao MEU POVO suas transgressões”. Portanto, nosso dever é tanto para com o povo de Deus quanto para com o mundo. Na verdade, Cristo enviou os discípulos primeiro às ovelhas perdidas da casa de Israel (Mateus 10: 6) antes de enviá-las ao mundo (Mateus 28:19, 20).

Carta de excomunhão de Lutero escrita pelo Papa Leão X.

Portanto, repetimos que, por mais que lamentemos ver conflitos e contendas, achamos necessário continuar a travar guerra contra o que a palavra de Deus descreve como conformidade cultural, transigência, pecado e apostasia, assim como Martinho Lutero fez. Como os profetas da antiguidade, devemos falar se as pessoas vão “ouvir ou proibir”. (Ezequiel 2: 5, 7).

Este é o fardo que foi colocado sobre os servos de Deus:

“Filho do homem, eu te constituí por vigia da casa de Israel; portanto ouve a palavra da minha boca, e avisa de mim. Se eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; e não lhe deste avisos, nem falas para advertir o ímpio de seu mau caminho, para salvar-lhe a vida; o mesmo homem perverso morrerá em sua iniqüidade; mas o sangue dele vou exigir da tua mão. ” Ezequiel 3:17, 18.

Este é um dever solene e uma grande responsabilidade, porque o sangue de almas estará em nossas mãos se nos recusarmos a falar a verdade. É disso que se trata o 500º aniversário da excomunhão de Lutero. Em 3 de janeiro de 2021, vamos comemorar o espírito da Reforma:

“A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que não se compram nem se vendwm, homens que no íntimo de suas almas são verdadeiros e honestos, homens que não temem chamar o pecado pelo seu nome correto, homens cuja consciência é tão fiel ao dever quanto a bússola ao pólo, homens que defenderão o que é certo, ainda que os céus caiam ”(Educação, p. 57).

Na verdade, o mesmo “Espírito” que caiu sobre Martinho Lutero será o mesmo “Espírito” que capacitará o povo de Deus durante a obra final do terceiro anjo:

“Muitos reformadores, ao iniciarem seu trabalho, decidiram exercer grande prudência no ataque aos pecados da igreja e da nação. Eles esperavam, pelo exemplo de uma vida cristã pura, levar o povo de volta às doutrinas da Bíblia. Mas o Espírito de Deus desceu sobre eles como desceu sobre Elias, levando-o a repreender os pecados de um rei iníquo e de um povo apóstata; não podiam deixar de pregar as claras declarações da Bíblia – doutrinas que relutavam em apresentar. Foram impelidos a zelosamente declarar a verdade e o perigo que ameaçava as almas. As palavras que o Senhor lhes deu, eles proferiram, sem medo das consequências, e o povo foi compelido a ouvir o aviso. Assim será proclamada a mensagem do terceiro anjo ”(Grande Conflito, 608).

Referência

[1] https://www.papalencyclicals.net/leo10/l10decet.htm

Fonte: http://adventmessenger.org/january-3-2021-marks-the-500th-anniversary-of-the-excommunication-of-martin-luther-and-his-supporters/

Deixe uma resposta