Seguir as ordens do governo na pandemia nos predispõe a receber a marca da Besta em futuro próximo? SIM e NÃO

Eric Huffman*

Máscara agora, vacinas amanhã, depois a Marca da Besta e, finalmente, SATANÁS!

Alguns de nós estiveram muito dispostos a justificar o cumprimento das ordens do governo em relação à covid. Alguns de nós reagiram contra esses mandatos e restrições. 

Surgiu uma divisão em nosso pensamento como adventistas do sétimo dia, semelhante àquela observada na sociedade em geral. No entanto, há uma reviravolta diferente para nós por causa de nosso entendimento dos eventos futuros em torno da guarda do domingo ordenada pelo estado. 

Já ouvi várias pessoas sugerirem que seguir as ordens do governo exigindo o uso de máscaras e o fechamento de igrejas por causa do coronavírus poderia eventualmente levar a nossas ordens de aceitar o domingo e abandonar o sábado. Existe uma ladeira escorregadia aqui? Será que seguir as ordens do governo agora nos predisporá a receber a marca da Besta? 

Terei que dizer sim e não.

Não

Isso não significa necessariamente que, se obedecermos ao limite de velocidade e as outras leis de trânsito, ou se cumprirmos qualquer uma das várias regulamentações a que já estamos acostumados, passaremos a receber a Marca da Besta . Da mesma forma, não se deve seguir automaticamente que, se cumprirmos os mandatos das máscaras e as regras de distanciamento social, corremos maior perigo de receber a Marca. Mas existe um ponto em que cruzamos uma linha perigosa?

Originalmente, havia apenas uma Autoridade e uma resposta a ela – obediência. O princípio subjacente a ambos é o amor. Satanás inventou um novo princípio chamado egoísmo, que produziu rebelião e, mais tarde, abuso de autoridade. Nenhum deles existia antes. Nenhum dos dois tem um lugar no reino de Deus no futuro. 

Como cristãos, a rebelião não deve fazer parte de nossa experiência. Nenhuma invenção de Satanás é necessária para aperfeiçoar o caráter de um cristão, não é? A rebelião é uma resposta legítima ao abuso de autoridade? Pode parecer que sim, mas se você olhar bem, não é. É a resposta natural, com certeza, mas isso não a torna a resposta certa. 

O Novo Testamento nos exorta a obedecer ao governo. Diz que os “poderes constituídos” são ministros de Deus para fazer o bem. Essas passagens são difíceis para muitas pessoas aceitarem, visto que os vários governos do mundo muitas vezes oprimiram pessoas e usaram indevidamente a autoridade que possuem. Às vezes, eles atropelam abertamente os direitos de consciência e contradizem as leis de Deus. Como devemos navegar nisso? 

Jesus cresceu sob um governo opressor e abusivo. Ele e as pessoas daquela época podiam reclamar de ter seus direitos espezinhados, se alguém pudesse. Muitos aspirantes a salvadores entraram em cena proclamando a rebelião como a solução. Quando Jesus emergiu como um possível Messias, as pessoas geralmente esperavam algo semelhante Dele. Mas não foi essa a abordagem que Ele fez. 

Em Seu sermão no monte, que amplia a lei, Jesus disse muitas coisas que iam contra as opiniões prevalecentes naquela época – e as nossas também. Ele disse algumas coisas que são difíceis para o nosso coração carnal aceitar. Na verdade, muito do que Ele disse é simplesmente ignorado. 

“E, se alguém quiser processar-te na justiça e tirar-te o casaco, deixe-o ficar com a clave também. E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas ”(Mateus 5: 40-41). 

Portanto, se alguém projetar para tirar vantagem de você, deixe-o ter mais do que gostaria. Se alguém o obriga (obriga) a fazer algo, faça ainda mais. Essa é uma maneira interessante de exercer sua liberdade. Tenho certeza de que nenhum judeu naquela época gostava de ser obrigado a carregar uma carga romana por um quilômetro. Agora Jesus diz para carregá-lo por três quilômetros. Suponha que o governo o obrigue a usar uma máscara?   

Jesus não lutou pelos seus próprios direitos. Na crise do sábado e do domingo nos últimos dias, não são tanto nossos direitos que estão em jogo, mas o direito de Deus ao nosso serviço. Nossa mensagem é “Teme a Deus e dai glória a Ele” e “adore Aquele que fez …”. Nossa principal preocupação é a vontade de Deus, não tanto nossos direitos. Enquanto o mundo contempla um “novo humanismo” que coloca “o homem no centro”, colocamos Deus no centro. 

sim

O bem comum acabará por anular nossos direitos. Agora, por exemplo, as considerações de saúde pública estão prevalecendo sobre a liberdade individual até certo ponto. Não temos que gostar disso, é apenas uma realidade. Nenhum apelo aos nossos direitos individuais será ouvido quando a opinião pública decidir que o sábado deve ser um dia de trabalho. Em prol do bem comum, os direitos individuais serão deixados de lado.   

Alguns adventistas, durante a crise da lei dominical na década de 1880, sentiram que precisavam desafiar o estado e trabalhar aos domingos. Ellen White disse não. Ela deu alguns conselhos valiosos naquela época sobre como devemos nos relacionar com as leis dominicais. Precisamos ter certeza de que entendemos esse conselho. A lei dominical naqueles dias, embora equivocada e errada, não obrigava ninguém a violar o sábado. As coisas ainda não haviam progredido tanto. Não tivemos que deixar de lado a Lei de Deus, apenas tivemos que deixar de lado nossos direitos. Nós poderíamos fazer isso, mesmo se realmente não quiséssemos.           

Mas e quando o estado realmente legisla a quebra obrigatória do mandamento de Deus? Os apóstolos se depararam com uma situação como esta em Atos capítulo 5. O anjo disse: “Vá, fique de pé e fale no templo …”, mas o Conselho estritamente ordenou que eles não ensinassem em nome de Jesus.  

Atos 5:29 “Então Pedro e os outros apóstolos responderam e disseram: Devemos obedecer a Deus antes que aos homens.” 

Observe cuidadosamente que eles disseram “devemos obedecer a Deus antes que aos homens”, não “devemos desobedecer aos homens antes que a Deus”. Eles eram pessoas obedientes. A ênfase foi a obediência aos Mandamentos de Deus, não a desobediência ao homem. Eles respeitavam a autoridade. Quando os homens presumiram abusar de sua autoridade dada por Deus e emitir uma ordem que exigiria desobediência à ordem de Deus, os apóstolos respeitaram a verdadeira Autoridade.  

Obediência a Deus e obediência ao estado não são opostas – necessariamente. Eles são muito semelhantes, no sentido de que ambos são obediência. Somente quando o estado contradiz a Lei de Deus, encontramos um problema moral. Mas não é realmente nosso problema. É problema do estado. Eles o criaram; eles nos colocaram naquele local. É a rebelião deles, não nossa, em exibição nesse caso. Não somos rebeldes. Somos obedientes à autoridade. Seremos acusados ​​de ser sem lei, ser contra a ordem pública, quebrar as restrições morais da sociedade, mas isso será falso. Nossa obediência tem sido constante e consistente.                                   

The Slippery Slope 

Onde eu vejo o perigo é se nossa guarda dos Mandamentos for cultural e não intencional. Vamos à igreja no sábado porque crescemos fazendo isso, ou talvez porque todos nossos amigos fazem isso? Nosso estilo de vida adventista e obediente aos mandamentos é algo que escolhemos de maneira inteligente ou que temos o hábito por causa de nossa tradição cultural? Se fizermos o que fazemos porque todo mundo está fazendo, posso ver como facilmente estaríamos entre aqueles que recebem a Marca da Besta . Se fizermos inconscientemente tudo o que nos for mandado, provavelmente aceitaremos a Marca sem pensar. Se flutuarmos com a corrente, iremos por cima da cachoeira. 

Mas se realmente tememos a Deus e nos esforçamos para dar glória a Ele em tudo o que fazemos, não correremos o risco de escorregar na ladeira da conformidade e receber a Marca. Se nossa obediência for real, nosso respeito pela autoridade governamental não se traduzirá em desobediência a Deus. Nosso respeito pela autoridade garantirá nossa fidelidade à Maior Autoridade, que é o Deus Todo-Poderoso. 

*Eric Huffman é um presbítero da igreja local no sudoeste da Virgínia e ganha a vida fazendo dentaduras.

Deixe uma resposta