Administrador “Malvadão” da IASD ameaça processar Pastor Patrick Siqueira

 

Depois de meses em silêncio um administrador resolve entrar em contato comigo, desta vez para me ameaçar de processo…

Publicado por Patrick Siqueira em Segunda-feira, 5 de abril de 2021

Depois de meses em silêncio um administrador resolve entrar em contato comigo, desta vez para me ameaçar de processo jurídico.

Eu acreditava que o manual da igreja proibia um pastor de processar um membro(por enquanto) como eu. Mas o manual da Igreja não parece ter valor algum para certos administradores da IASD.

Com muito pesar, eu Patrick me equivoquei, estava errado, falei sem pensar e lamento o que escrevi no post original do dia primeiro desse mês mudando drasticamente o texto original. Para evitar um processo já que fui informado por esse administrador que tenho 24 hrs para me retratar.

Aqui vai o post do dia primeiro revisado:

Se está tudo bem a Igreja Adventista na América do Sul tratar seus pastores como empregados, exigir alvos e metas que visam aumentar entradas de dinheiro e recursos, porque a DSA não dá a César o que é dele e paga os devidos impostos ao governo como se seus pastores fossem funcionários e não autônomos? Percebe como a Administração Da Igreja Adventista na América do Sul supostamente vive de mentiras e sonegação???

Edit 1: até tenho uma sugestão. Se o Sr Erton Köhler e sua turma não largarem osso que roem a décadas e saírem para dar lugar a novos pastores que nunca foram administradores antes mas são extremamente inteligentes e capazes. Acho que os membros insatisfeitos poderiam abrir uma petição no AZAAS ou algo assim, que recolhe assinaturas públicas. A igreja deveria ter forma de governo representativa não é? Porque a anos pessoas que os membros nem conhecem se revesam no poder construindo fortunas pessoais. Como o Pastor Maurício da UCB que supostamente tem um prédio inteiro na zona nobre de uma das cidades da Grande Vitória no Espírito Santo. Vcs não acham que está na hora de algo ser feito???

Mas foi interessante descobrir muitas coisas que os irmãos da Grande Vitória e região estão me dizendo que supostamente é verdade a respeito do caso.

Eles me disseram que o suposto prédio foi construído em conjunto com um colégio adventista (mesmo engenheiro, mesma arquiteta e na mesma data que um suposto Colégio Adventista na Grande Vitória).Os irmãos também dizem que supostamente o orçamento para construção era de 4 milhões de reais, mas ao final da obra tanto da escola quanto do suposto prédio o gasto foi de mais do dobro superando os 9 milhões.

Os irmãos dizem, supostamente, que o engenheiro foi contratado pela associação justamente antes dessas obras começarem para um cargo que não existia previamente e que o engenheiro, coincidentemente, era filho do dono do prédio. Isso supostamente caracterizaria no mínimo nepotismo, e por conclusão óbvia mal uso e desvio de recursos destinados previamente ao colégio.

Os membros da região ficaram muito consternados com tudo isso que segundo eles ocorreu, mas infelizmente esse tipo de suposto problema era comum na região pelas administrações de um passado próximo.

Os irmãos até dizem que supostamente o referido administrador mudou posteriormente o nome do imóvel para familiares (supostamente chamados pela justiça de laranjas), assim supostamente a propriedade do prédio não seria vinculada mais a ele pois tudo isso ficou mal para eles(os irmãos) quando questionavam a respeito desses fatos supostamente deletérios.

Deve ser por isso que a ênfase da mensagem que recebi está em que não posso provar a propriedade do referido suposto prédio e não que o prédio não tenha sido construído e tudo mais que preocupa os irmãos, que supostamente seja verdade.

Porque se todas alegações que os irmãos dizem que supostamente aconteceram foram verdade, não sou eu quem tem que me explicar mas o próprio administrador referido.

Porque supostamente essas coisas seriam crime. Mas como eu disse é tudo suposição de vários irmãos zelosos e que amam a igreja, os quais são muito confiáveis, mas não tem como provar.

Então o melhor a se fazer é que tudo isso fosse esclarecido para os irmãos. Que documentos fossem apresentados. Notas, recibos e orçamentos. Histórico de registro de imóveis. Imposto de renda e etc.

Eu não me preocupo com essa prestação de contas pois me arrependo muito de afirmar no post anterior que era verdade, algo que os irmãos supõe ser verdade. Porque tudo não passa de suposição né…

Outra mensagem

O “pastor” presidente do motel, lá no Sul tinha um C4 Pallas tipo 12 anos atrás. Confesso que na época, eu pastor…

Publicado por Patrick Siqueira em Quinta-feira, 1 de abril de 2021

O “pastor” presidente do motel, lá no Sul tinha um C4 Pallas tipo 12 anos atrás. Confesso que na época, eu pastor distrital, fiquei escandalizado. Imagina o que a irmandade pensava. Eu distrital, andava de uno e lembro de ter sido ridicularizado no mesmo campo por um colega que tinha se tornado departamental e estava de carro novo. Fez questão de desfazer do meu carro velho reiteradas vezes. Porque nunca vejo distritais com esse tipo de extravagância!??? Só administradores… Com carros absurdamente caros. Casas palacianas. E muitos imóveis? Não estou sugerindo que necessariamente fizeram algo ilegal. Mas um administrador aposentado em alguma região do país tem um condomínio!!! Será que o salário bem mais alto deles, que distritais, justifica tamanho patrimônio? Pq não investem esse dinheiro na pregação do Evangelho? Uma casa só não tá bom? Precisa um condômino???

Será que estou tóxico demais hoje???
Ou só eu fico indignado com essas coisas?

Se está tudo bem a Igreja Adventista na América do Sul tratar seus pastores como empregados, exigir alvos e metas que…

Publicado por Patrick Siqueira em Quinta-feira, 1 de abril de 2021

1 comentário em “Administrador “Malvadão” da IASD ameaça processar Pastor Patrick Siqueira”

  1. Paz em Jesus!

    Não ter liberdade para dizer o que pensa e ser ameaçado é próprio de regimes administrativos totalitários! Ao meu ver o Pr Patrick errou em pedir demissão. Eu não fiz isso quando fui perseguido por administradores tiranos quando eu era pastor ordenado da IASD e professor de Bíblia nas escolas adventistas. Mesmo assim não me pagaram tudo que me era de direito, e tive que ganhar o restante num processo trabalhista, que causou muita vergonha aos administradores que se achavam acima do bem e do mal. Leia mais minha história em um blog que ainda estou escrevendo: https://exmembroadventista.blogspot.com/

Deixe uma resposta