Ben Carson: Decretos de vacinação obrigatória não têm lugar em uma sociedade livre

Por Mark A. Kellner – The Washington Times – quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Ben Carson, um neurocirurgião pediátrico aposentado e ex-secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, disse na noite de quarta-feira que a vacinação obrigatória contra COVID-19 é “um problema maior” do que os méritos de saúde pública das picadas.

“Muitas pessoas pensam que é sobre vacinas e vacinações”, disse ele a uma audiência online de adventistas do sétimo dia reunidos para se opor a tais decretos.

“É um problema muito maior do que isso. Lembre-se que muitas pessoas vieram para este país desde o começo, para tentar escapar de governos e monarcas que estavam sempre mandando nas coisas ”, explicou.

Carson disse: “Estamos no processo de abrir a porta para que isso ocorra neste país. E uma vez que você abre essa porta, é muito, muito difícil fechá-la novamente.”

O ex-candidato presidencial republicano, membro vitalício da Igreja Adventista, disse que decretos “não têm lugar em um país que supostamente é a terra dos livres, onde as pessoas são capazes de fazer escolhas”.

Mas, disse ele, “se você der às pessoas as informações reais e parar de tentar coagir ou manipular pessoas, não tenho dúvidas de que elas tomarão uma decisão muito boa”.

O ex-secretário do HUD, que serviu durante toda a administração de Trump por quatro anos, disse que as vacinas estão sendo impostas àqueles com “imunidade natural” ao COVID-19 por terem sobrevivido à doença.

“Não faz absolutamente nenhum sentido que as pessoas que já tiveram a doença tenham que se vacinar se não quiserem”, declarou.

No entanto, o Sr. Carson disse que a vacina pode ser boa para idosos sobreviventes de COVID-19 e aqueles com “comorbidades”.

Os comentários do Sr. Carson foram transmitidos no YouTube como parte de um apelo independente “Liberdade de Consciência” que agita a denominação Adventista do Sétimo Dia com sede em Maryland, que tem 1,2 milhão de membros nos Estados Unidos.

Um grupo ad hoc de leigos adventistas e clérigos chamado Liberty and Health Alliance está por trás do esforço.

Em dezembro de 2020, uma declaração oficial adventista disse que a Igreja “não tem nenhuma razão religiosa ou baseada na fé para não encorajar nossos adeptos a participarem responsavelmente de programas de imunização preventiva e protetora”.

A igreja acrescentou que “a escolha de não ser imunizado não é e não deve ser vista como o dogma nem a doutrina da Igreja Adventista do Sétimo Dia”.

O apelo “Liberdade de Consciência” centra-se no interesse de longa data do Adventismo pela liberdade religiosa e liberdade de consciência.

O movimento há muito é conhecido por sua ênfase nas liberdades civis, muitas vezes entrando com documentos amigos do tribunal em casos de livre exercício perante a Suprema Corte.

Os adventistas do sétimo dia também deram ênfase à saúde como um componente de sua religião. A igreja defende oficialmente uma dieta vegetariana ou vegana e opera grandes complexos hospitalares em Silver Spring e Rockville, Maryland, bem como seu carro-chefe Loma Linda University Medical Center no sul da Califórnia.

Mais de 2.300 adventistas do sétimo dia que se opuseram ao serviço militar dos EUA durante o período de 1954-1973 foram voluntários para o programa de testes de biodefesa “Operação Whitecoat” do Exército, com base em Fort Detrick, Maryland.

Treze vacinas importantes foram desenvolvidas por meio do programa, relatou um artigo de notícias adventistas.




Decretos exigindo as vacinas COVID-19, no entanto, aparentemente dividiram a denominação.

“Os governos, local e nacionalmente, em todo o mundo, estão agindo rapidamente para exigir ou coagir seus cidadãos a tomar as vacinas COVID”, afirma o site da Liberty and Health Alliance. “Infelizmente, algumas de nossas próprias organizações e instituições adventistas parecem estar seguindo esse exemplo”.

“É hora de nossa igreja falar claramente na defesa da liberdade de consciência sobre este assunto”, afirmou o grupo. “Nossa igreja tem a obrigação de liderar nesta crise, não apenas para nós mesmos, mas para milhões de outras pessoas ao redor do mundo que estão em busca de esperança.”

A petição “Liberdade de Consciência” conclama a organização adventista “a usar sua influência e agências para rejeitar mandatos ou outras políticas que possam penalizar os membros, ou discriminá-los, por suas decisões conscienciosas recusarem”.

Na noite de quarta-feira, mais de 7.500 pessoas assinaram a petição.

Os organizadores afirmam que 460 pastores adventistas do sétimo dia também assinaram. Se esses clérigos fossem apenas da América do Norte, isso representaria mais de 10% dos 4.400 clérigos estimados na região.

Fonte: https://www.washingtontimes.com/news/2021/oct/6/ben-carson-vaccination-mandates-have-no-place-free/

Deixe um comentário