Os banqueiros Rothschild controlam a maioria dos bancos centrais do mundo

Qual é o significado de ter um banco central dentro de um país e por que você deveria se preocupar? Os bancos centrais são bancos privados criados ilegalmente e que pertencem as famílias aristocratas da Nobreza Negra (a realeza europeia dona do Vaticano) que usam como fachada a família bancária Rothschild.

A família Rothschild existe há mais de 230 anos e se infiltrou em cada país deste planeta, ameaçou todos os líderes mundiais e seus governos e gabinetes com morte e destruição física e econômica, e então colocou seus próprios funcionários nesses bancos centrais para controlar e gerir a carteira de cada país.

Pior, os Rothschilds também controlam as maquinações de cada governo no nível macro, não se preocupando com as vicissitudes diárias de nossas vidas pessoais individuais. Exceto quando saímos muito da linha. O grande plano da Primeira Esfera de Influência é criar uma mono-nação global. Não confunda isso com o termo globalização.




Mono-nação e globalização não poderiam ser mais diferentes em conceito, escopo e propósito. Mono-nação é um estado. Tem um governo. Um conjunto de leis para todos os cidadãos comuns, mas sem leis para a elite. A globalização refere-se à comunicação, comércio, interação, etc. entre países separados, diferentes, independentes e soberanos.

O grande plano da Primeira Esfera de Influência é criar uma mono-nação global. O Federal Reserve é um banco privado colocado ilegalmente, e é diretamente responsável por criar todas as depressões e recessões dos EUA e a inflação e deflação do dólar. O Fed controla a impressão da moeda americana e, em seguida, cobra do governo dos EUA juros sobre esses empréstimos.

Os juros estão crescendo a cada ano, tornando difícil, se não impossível, para o governo pagá-los. Como se paga esses juros? Pelo imposto de renda pessoal dos EUA. Este imposto vai para a família Rothschild, que distribui para as famílias aristocratas da Nobreza Negra (donas do Vaticano).

animação “O Sonho Americano” mostra como somos enganados pelos bancos e pelo governo a serviço dessas instituições. Ele trata do contexto do Estados Unidos mas é o mesmo golpe em quase todos os países do mundo (incluindo o Brasil). Você sabe como o dinheiro é criado? Ou como funciona um banco?

Veja o curta até o fim. O ex-presidente americano John F. Kennedy foi assassinado pelo cartel bancário ao assinar a Ordem Executiva 11110 que devolvia ao governo dos Estados Unidos o poder de emitir moeda, sem passar pelo Federal Reserve, criado por banqueiros privados que trabalham para a realeza europeia.




No passado, antes de 1917, os bancos existiam, mas esses os bancos eram independentes e não integrados em um sistema. Fazer uso dos bancos era opcional para as pessoas, era até possível não usar um banco por toda a vida, se assim o desejasse. Era um sistema bancário estável, porque à medida que a dívida aumentava, as pessoas podiam voluntariamente optar por parar de tomar empréstimos do banco.

Os bancos só lidavam com dinheiro de energia lastreado em ouro e o dinheiro da dívida não existia. As pessoas, mais importante, tinham a ‘liberdade de escolha’ de dizer não ao banco. Em 1913, o Congresso e o presidente Thomas Woodrow Wilson, mudou a estrutura do sistema financeiro e roubou a liberdade dos americanos, pois o sistema econômico foi revertido para o mesmo sistema que existia antes, um sistema contra o qual as pessoas lutaram numa revolução para se libertar.

O poder de emitir dinheiro foi tirado do governo popular e dado a um bando de banqueiros corruptos e, a partir desse dia, todo o dinheiro em circulação foi criado por um grupo privado de banqueiros corruptos, que teve que ser emprestado pelo governo e as pessoas com juros, pelas quais as pessoas eram responsabilizadas como garantia para garantir o pagamento dos juros.

A partir desse momento, cada dólar e todas as outras moedas em circulação passaram a ser um empréstimo com juros. Não havia outras moedas em circulação que não começassem como um empréstimo a juros do sistema de banco central privado da Nobreza Negra/Rothschild. A partir desse momento, a liberdade do povo de se recusar a pedir empréstimos aos bancos e de se recusar a pagar juros foi retirada.

A pirâmide de poder da elite maçônica Illuminati

Participar do comércio com os Estados Unidos significa que todos foram forçados a usar o dinheiro da dívida, emprestado a juros, lucra os banqueiros e às custas do público. A liberdade das pessoas de dizer “não” foi roubada nos EUA pelo Congresso em 1913, sem sua permissão.

Através de redes e dinheiro roubado dos cidadãos, complementado por violência orquestrada, a elite maçônica globalista se infiltrou em todas as estruturas de poder da sociedade e todas estão totalmente sob seu controle. Sem exceção, todos os cargos importantes em cada governo, mídia, negócios, finanças, economia, ciência, religião, educação etc. em praticamente todos os países, têm funcionários nomeados e controlados pela cabala bancária maçônica globalista.

Esses funcionários controlam os partidos políticos e também controlam a rede de agências de inteligência. Não há limites nesse nível ou dilemas morais sobre pequenas coisas como integridade e leis de proteção de dados pessoais. Eles fecharam suas mentes e venderam suas almas. Na Inglaterra, este sistema enganoso foi oficialmente sancionado em 1694 com o Banco da Inglaterra de propriedade dos Rothschild.

O mesmo sistema foi adotado em todos os outros países através de um processo de revolução e manipulação maçônica. Hoje em dia, o sistema bancário tornou-se extremamente sofisticado, mas o mecanismo oculto e ultrajante por trás dele permanece o mesmo. O Federal Reserve Bank estabelecido em 1913 é, assim como o Banco da Inglaterra, de propriedade privada e não faz parte do governo.

Putin teve a “audácia” de expulsar a máfia bancária Rothschild da Rússia. Como ele “ousou” impedir que os russos fossem escravizados pela cabala bancária maçônica globalista? Por isso o ódio incontrolável deles contra a Rússia.

Em teoria, a cabala controla os Estados Unidos, a União Europeia e centenas de países por meio de bancos nacionais, todos de propriedade exclusiva desse grupo criminoso de super-ricos privados que são os donos das maiores firmas de investimento do mundo: Vanguard, Black Rock e Union Street. Em conjunto, esses bancos centrais que criam “dinheiro do nada” aconselham os vários governos e determinam quanto papel-moeda e moedas devem ser emitidos a cada ano.

Isso cria roubo por meio da inflação e é o ralo para onde vai todo o dinheiro dos nossos impostos. O próximo estágio de desenvolvimento para esses banqueiros ladrões internacionais é se livrar completamente do dinheiro por razões malévolas. Então, a responsabilidade simbólica dos banqueiros desaparecerá completamente, juntamente com toda a liquidez na forma de dinheiro.

Aqui está uma lista completa de bancos centrais de propriedade e controlados pela Nobreza Negra/Rothschilds em todo o mundo:

Afeganistão: Banco do Afeganistão
Albânia: Banco da Albânia
Argélia: Banco da Argélia
Argentina: Banco Central da Argentina
Armênia: Banco Central da Armênia
Aruba: Banco Central de Aruba
Austrália: Banco da Reserva da Austrália
Áustria: Banco Nacional Austríaco
Azerbaijão: Banco Central da República do Azerbaijão
Bahamas: Banco Central das Bahamas
Bahrein: Banco Central do Bahrein
Bangladesh: Banco de Bangladesh
Barbados: Banco Central de Barbados
Bielorrússia: Banco Nacional da República da Bielorrússia
Bélgica: Banco Nacional da Bélgica
Belize: Banco Central de Belize
Benin: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Bermudas: Autoridade Monetária das Bermudas
Butão: Autoridade Monetária Real do Butão
Bolívia: Banco Central da Bolívia
Bósnia: Banco Central da Bósnia e Herzegovina
Botsuana: Banco do Botsuana
Brasil: Banco Central do Brasil
Bulgária: Banco Nacional da Bulgária
Burkina Faso: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Burundi: Banco da República do Burundi
Camboja: Banco Nacional do Camboja
Camarões: Banco dos Estados da África Central
Canadá: Banco do Canadá – Banque du Canada
Ilhas Cayman: Autoridade Monetária das Ilhas Cayman
República Centro-Africana: Banco dos Estados da África Central
Chade: Banco dos Estados da África Central
Chile: Banco Central do Chile
China: Banco Popular da China
Colômbia: Banco da República
Comores: Banco Central das Comores
Congo: Banco dos Estados da África Central
Costa Rica: Banco Central da Costa Rica
Costa do Marfim: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Croácia: Banco Nacional da Croácia
Cuba: Banco Central de Cuba
Chipre: Banco Central de Chipre
República Tcheca: Banco Nacional Tcheco
Dinamarca: Banco Nacional da Dinamarca
República Dominicana: Banco Central da República Dominicana
Área do Caribe Oriental: Banco Central do Caribe Oriental
Equador: Banco Central do Equador
Egito: Banco Central do Egito
El Salvador: Banco Central da Reserva de El Salvador
Guiné Equatorial: Banco dos Estados da África Central
Estônia: Banco da Estônia
Etiópia: Banco Nacional da Etiópia
União Europeia: Banco Central Europeu
Fiji: Banco da Reserva de Fiji
Finlândia: Banco da Finlândia
França: Banco da França
Gabão: Banco dos Estados da África Central
Gâmbia: Banco Central da Gâmbia
Geórgia: Banco Nacional da Geórgia
Alemanha: Deutsche Bundesbank
Gana: Banco do Gana
Grécia: Banco da Grécia
Guatemala: Banco da Guatemala
Guiné-Bissau: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Guiana: Banco da Guiana
Haiti: Banco Central do Haiti
Honduras: Banco Central de Honduras
Hong Kong: Autoridade Monetária de Hong Kong
Hungria: Magyar Nemzeti Bank
Islândia: Banco Central da Islândia
Índia: Banco da Reserva da Índia
Indonésia: Banco Indonésia
Irã: Banco Central da República Islâmica do Irã
Iraque: Banco Central do Iraque
Irlanda: Banco Central e Autoridade de Serviços Financeiros da Irlanda
Israel: Banco de Israel
Itália: Banco da Itália
Jamaica: Banco da Jamaica
Japão: Banco do Japão
Jordânia: Banco Central da Jordânia
Cazaquistão: Banco Nacional do Cazaquistão
Quênia: Banco Central do Quênia
Coreia: Banco da Coreia
Kuwait: Banco Central do Kuwait
Quirguistão: Banco Nacional da República do Quirguistão
Letônia: Banco da Letônia
Líbano: Banco Central do Líbano
Lesoto: Banco Central do Lesoto
Líbia: Banco Central da Líbia
Lituânia: Banco da Lituânia
Luxemburgo: Banco Central do Luxemburgo
Macau: Autoridade Monetária de Macau
Macedônia: Banco Nacional da República da Macedônia
Madagascar: Banco Central de Madagascar
Malawi: Banco de Reserva do Malawi
Malásia: Banco Central da Malásia
Mali: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Malta: Banco Central de Malta
Maurícias: Banco das Maurícias
México: Banco do México
Moldávia: Banco Nacional da Moldávia
Mongólia: Banco da Mongólia
Montenegro: Banco Central do Montenegro
Marrocos: Banco de Marrocos
Moçambique: Banco de Moçambique
Namíbia: Banco da Namíbia
Nepal: Banco Central do Nepal
Holanda: Banco da Holanda
Antilhas Holandesas: Banco das Antilhas Holandesas
Nova Zelândia: Banco da Reserva da Nova Zelândia
Nicarágua: Banco Central da Nicarágua
Níger: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Nigéria: Banco Central da Nigéria
Noruega: Banco Central da Noruega
Omã: Banco Central de Omã
Paquistão: Banco do Estado do Paquistão
Papua Nova Guiné: Banco da Papua Nova Guiné
Paraguai: Banco Central do Paraguai
Peru: Banco Central da Reserva do Peru
Filipinas: Banco Central das Pilipinas
Polônia: Banco Nacional da Polônia
Portugal: Banco de Portugal
Catar: Banco Central do Catar
Romênia: Banco Nacional da Romênia
Ruanda: Banco Nacional de Ruanda
San Marino: Banco Central da República de San Marino
Samoa: Banco Central de Samoa
Arábia Saudita: Agência Monetária da Arábia Saudita
Senegal: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Sérvia: Banco Nacional da Sérvia
Seychelles: Banco Central das Seychelles
Serra Leoa: Banco da Serra Leoa
Cingapura: Autoridade Monetária de Cingapura
Eslováquia: Banco Nacional da Eslováquia
Eslovênia: Banco da Eslovênia
Ilhas Salomão: Banco Central das Ilhas Salomão
África do Sul: Banco de Reserva da África do Sul
Espanha: Banco da Espanha
Sri Lanka: Banco Central do Sri Lanka
Sudão: Banco do Sudão
Suriname: Banco Central do Suriname
Suazilândia: O Banco Central da Suazilândia
Suécia: Sveriges Riksbank
Suíça: Banco Nacional Suíço
Tajiquistão: Banco Nacional do Tajiquistão
Tanzânia: Banco da Tanzânia
Tailândia: Banco da Tailândia
Togo: Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO)
Tonga: Banco da Reserva Nacional de Tonga
Trinidad e Tobago: Banco Central de Trinidad e Tobago
Tunísia: Banco Central da Tunísia
Turquia: Banco Central da República da Turquia
Uganda: Banco do Uganda
Ucrânia: Banco Nacional da Ucrânia
Emirados Árabes Unidos: Banco Central dos Emirados Árabes Unidos
Reino Unido: Banco da Inglaterra
Estados Unidos: The Dirty Nasty Stinky Fed, Federal Reserve Bank de Nova York
Uruguai: Banco Central do Uruguai
Vanuatu: Banco da Reserva de Vanuatu
Venezuela: Banco Central da Venezuela
Vietnã: O Banco Estatal do Vietnã
Iêmen: Banco Central do Iêmen
Zâmbia: Banco da Zâmbia
Zimbábue: Banco da Reserva do Zimbábue

Fonte: https://www.stylourbano.com.br/os-banqueiros-rothschild-controlam-a-maioria-dos-bancos-centrais-do-mundo/

Deixe um comentário