Pastor e Psicólogo Responde
a Questionamentos Sobre a
Homossexualidade

Adami A. R. Gabriel, adami37@yahoo.com.br

Este texto é resultado de uma troca de correspondência por e-mail em função de uma antiga webpage que mantive por uns 3 anos, mas que está atualmente fora do ar. O texto pode ser ampla e livremente divulgado desde que mencionando o autor e o lugar (site) onde foi encontrado.

1ª PERGUNTA:

Estou perguntando sobre esse assunto que e um tabu entre os nossos membros em geral mas acho que deve ser discutido agora mais que nunca. Esta provado pela ciência que uma pessoa não escolhe sua sexualidade. Da mesma forma que um heterossexual não escolhe ser o que e. Porque então fazemos tanta discriminação contra gays, e queremos exigir que eles pratiquem o celibato toda a vida. A única escolha normal para um gay e o aceitar o que e para ter paz de espirito com sigo próprio sem incomodar-se com os julgamentos alheios. E claro que muitos fingem toda a vida para agradar familiares e serem aceitos. Mas isso não e vida. Os espias internacionais podem fingir e convencer todo o mundo, mas a realidade e sempre outra. Os programas de cura não dão resultado pois o assunto não e doença mas simplesmente uma diferença a qual não queremos entender como igreja. Por isso existe agora aqui o SDA KINSHIP INTERNATIONAL para ajudar aos que querem ter uma compreensão mais verídica do assunto. Uma resposta seria bem-vinda. E. V.

2ª PERGUNTA:

Esclarecendo minha pergunta: Porque como Igreja que deve ser a cabeça e não a cauda em assuntos de importância ao ser humano, a IASD se baseia nos fatos antigos quanto a esse assunto? fatos aprendidos de mitos sem base real, enquanto jovens (pelo menos 10% da população) estão sofrendo pela falta de compreendo geral. Resultando muitas vezes em suicídio ou casamentos com mulheres e homens que inocentemente se irredam com tais pessoas sem saber da realidade deles/delas. Em geral casamentos que estão destinados a falha, terminando em divorcio. Nos como igreja devemos cuidar dos nossos filhos e fazer tudo para entender as diferenças existentes em nosso mundo. Só Deus sabe o porque dessas diferenças. Se ha um erro com qualquer ser humano Deus então seria o responsável em sua criação. E deus não comete erros. Portanto o dizer que gays escolhem sua tendência e um escape complemente irresponsável de nossa igreja. Minha pergunta e: O que fazem vocês ai no Brasil para o beneficio de gays e Lesbianas Adventistas? Em cada família existe a possibilidade de haverem pessoas gays. Isso e um fato da vida. E. V.

RESPOSTA:

Prezado E. V.,

"Uma resposta seria bem-vinda". Como você verá levei muito a sério suas colocações, o que me levou a em alguns momentos dar uma resposta dura, por amor a sinceridade e honestidade com você. Creia, amo aos homossexuais, como seres humanos que são,  mas não apoio nem concordo com a homossexualidade. Sei que é um problema delicado e que não se resolve num passe de mágica, mas creio com fervor que é possível ser tratada com sucesso. Como profissional, psicólogo que sou, coloco minha experiência profissional como testemunho.

Me parece que o irmão tem poucas informações a respeito do ministério em favor dos homossexuais aqui no Brasil (veja mais abaixo sobre a EXODUS INTERNACIONAL) e também parece desconhecer o assunto em sua amplitude.

Veja, o irmão diz: "assunto que é um tabu entre os nossos membros em geral", a verdade é que é um tabu na sociedade em geral, não é exclusividade da igreja ou de nossos membros, basta ver os movimentos de "libertação gay" para tentar superar um preconceito social geral. Como nossa igreja está no mundo, não seria de se estranhar que este assunto também seja tabu na igreja, não por ser igreja mas por ser parte da sociedade. Isto não quer dizer que apoio ou que incentive o preconceito, não. Mas também devemos entender que somos parte da cultura na qual estamos inseridos e ao entendê-la, devemos superá-la por causa da fé e do amor que aprendemos com Cristo.

O Sr. diz: "Esta provado pela ciência que uma pessoa não escolhe sua sexualidade". Veja que esta é uma questão pelo menos polêmica nos meios científicos. Primeiro teríamos que discutir o quão provisória é a verdade científica, pois o caráter processual da ciência faz com que uma coisa que seja verdade hoje, novas descobertas podem invalidar e propor outros paradigmas para explicar o mesmo fenômeno amanhã. Veja a teoria de Thomas S. Kuhn sobre A ESTRUTURA DAS REVOLUÇÕES CIENTÍFICAS.

Em particular sobre a homossexualidade, só existe uma ÚNICA pesquisa, que, por sinal, nunca conseguiu ser replicada (base "sine qua non", para criar-se uma verdade científica). Veja o que diz o Dr. Homero Pinto Vallada Filho, vice-diretor do laboratório de Neurociências e livre-docente em psiquiatria pela Faculdade de Medicina da USP, você pode contactá-lo pelo em: Correspondência Homero Vallada Filho Departamento de Psiquiatria da FMUSP - Laboratório de Neurociências Rua Dr. Ovídio Pires de Campos s/n - São Paulo, SP 05403-010 Email: hvallada@usp.br

"Um outro ponto a ser considerado é o cuidado com a interpretação dos resultados científicos. Algumas vezes são apenas resultados preliminares, que aguardam confirmações, ou resultados de estudos metodologicamente incorretos, que podem ser utilizados por políticos ou outros grupos com propósitos específicos. Por exemplo, o único estudo até agora sobre a conexão genética com a homossexualidade foi realizado em 1993, pelo biólogo Dean Hamer, do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, que identificou um marcador genético no cromossomo X em 75% de irmãos homossexuais. [Dean Hamer et al., "A Linkage Between DNA Markers on the X Chromosome and Male Sexual Orientation," Science 261 (1993): 321-27.]

O significado funcional desse marcador é desconhecido, e as pesquisas seguintes não conseguiram reproduzir os resultados originais. Muito provavelmente o estudo de Hamer e seus colaboradores é um resultado falso-positivo. Logo após a publicação desse estudo, porém, gerou-se uma grande polêmica, em que as pessoas discutiam se acreditavam ou não na existência do gene para a homossexualidade, sem, no entanto analisarem os fatos (os resultados e a metodologia da pesquisa)". [ver artigo "Genética e Psiquiatria - Uma Visão Panorâmica" - Revista Médicos - Publicação bimestral do Hospital das Clínicas e da Faculdade de medicina da USP - Ano II, n.º 6, JAN/FEV 1999 págs., 28-31], (Destaques acrescentados). Apenas baseados neste único estudo os grupos ativistas homosessuais começaram a ENGANAR o público leigo afirmando que existe a tal “prova científica” para a homossexualidade. Em 15 de julho de 1993, na véspera da publicação do artigo de Hamer pela revista Science, os grupos de ativistas gays utilizaram a rádio “National Public Radio” (NPR) para, em cadeia nacional nos USA, afirmar que havia sido descoberto o gene da homosexualidade, e com isso estabelecer que a homossexualidade é inata, genética e portanto imutável – uma variante normal e comum na natureza humana como a cor dos olhos ou o tipo de cabelo. Veja, afirmar que a ciência prova que a pessoa não escolhe sua sexualidade ao nascer, é pelo menos prematuro, para não dizer de má fé.

 

Já a afirmação: "Da mesma forma que um heterossexual não escolhe ser o que é", também não é um fato, pois existem os marcadores genéticos XX e XY, ou seja, enquanto existe "prova científica", dados mensuráveis e replicáveis, para a HETEROssexualidade, não existe, pelo menos por enquanto, "prova científica" para a homossexualidade. E enquanto não houver esta "prova" não se pode também afirmar "Se há um erro com qualquer ser humano Deus então seria o responsável em sua criação. E Deus não comete erros. Portanto o dizer que gays escolhem sua tendência e um escape complemente irresponsável de nossa igreja".

Creio que diante, apenas da ciência, sem tocar no aspecto religioso, é irresponsabilidade sua fazer a afirmação acima. Se a isto acrescentarmos o fato de que Deus criou Macho e Fêmea, apenas dois gêneros, anatomicamente adaptados a uma relação heterossexual, qualquer desvio disto não importa quão científico seja é abominação aos olhos de Deus. Ainda, você não leva em conta a ação do pecado e de Satanás em deturpar a perfeita criação de Deus, ou seja, Deus não cria a aberração, ela é deturpação resultante do pecado. Sua ciência é fraca, sem base, e sua Teologia mostra-se pobre. A Bíblia diz "Meu povo perece por falta de conhecimento", recomendo-lhe rever tanto suas bases científicas quanto sua teologia, ou melhor a bibliologia.

 

Quando o irmão diz: "A única escolha normal para um gay e o aceitar o que é para ter paz de espirito com sigo próprio sem incomodar-se com os julgamentos alheios". É verdade, a única escolha normal para um gay é buscar a homossexualidade, mas Deus espera que saiamos do normal e busquemos os padrões lá do alto.

Veja, meu irmão, isto não se dá apenas com o pecado da homossexualidade, mas com TODOS os pecados, já Arão dizia que o povo é "inclinado para o mal" (Ex. 32:22), o homem natural não tem prazer nas coisas de Deus, por isso é que o plano de Deus em nossas vidas é o novo nascimento, onde as coisas velhas ("naturais") já passaram.

Tito 3:3-7, diz: "Porque também éramos NOUTRO TEMPO... mas... segundo a sua misericórdia nos salvou". Esta é a mais bela das mensagens de salvação, o verdadeiro evangelho, e a promessa é que quando isso acontecer "temos paz com Deus" (Rom. 5:1), esta é a paz que todo ser humano precisa, mesmo o homossexual.

 

"Porque então fazemos tanta discriminação contra gays..." Minha experiência ministerial é diferente desta sua afirmação. Na maior parte das vezes tenho visto os homossexuais serem bem acolhidos na igreja, geralmente são pessoas que tem facilidade de conquistar simpatia e muito participativos em conjuntos, corais, música, departamento jovem etc. Penso até que se têm sido demasiadamente descuidado a ponto de quando alguns caem  ou voltam ao seu pecado causam grande estrago na comunidade da igreja. Mas enfim, os homossexuais, no geral têm espaço nas igrejas locais até que "caem" na tentação de sua tendência natural, quando então é tratado como qualquer membro que cede à tentação em outro pecado qualquer, segue-se Mat. 18 (1º- tu e ele só, 2º-leva mais um, 3º- dizei-o a igreja, e se também não ouvir a igreja, 4º- considera-o gentio e publicano) com muito amor, e os que "ouvem seus irmãos" continuam no convívio saudável da igreja onde, por sinal, há o que mais precisam para libertar-se da homossexualidade, a saber, o amor desinteressado.

Não conheço nenhum homossexual que deixou esta prática sem que tivesse encontrado um corpo de crentes verdadeiramente cristãos onde pôde apoiar-se para "dar a volta por cima". A Igreja como Comunidade Terapêutica é um conceito que salva na prática.

 

"...e queremos exigir que eles pratiquem o celibato toda a vida". Quem disse que a Igreja quer isso? O que a igreja quer é que possa sentir o verdadeiro prazer e a beleza da sexualidade como Deus a criou, e siga a ordem de Provérbios "Goza a vida com a MULHER de tua mocidade". O sexo dentro do casamento heterossexual é a ÚNICA opção bíblica para a prática do ato sexual, já o celibato, é uma opção pessoal, onde não há pecado, como o apóstolo Paulo, que excluiu a relação sexual de sua vida; cada um opta, ou sexo heterossexual no casamento ou celibato.

"Mas isso não é vida". Concordo plenamente, foi por isso que Jesus veio ao mundo para dar-nos vida e vida em abundância. Dentro de Seu plano, não dentro da vontade deturpada do homem, o que não seria vida.

"Os espias internacionais podem fingir e convencer todo o mundo, mas a realidade e sempre outra". Meu irmão, será que estou vendo nesta frase sua alguma persecutoriedade exagerada? Alguma "paranóia"? Quem são os tais "espias"? Será que não dá para particularizar? porque generalizar? Sei que existem alguns "caça-homossexuais" soltos por aí, mas estão tão fora do plano de amor de Deus quanto aqueles dos quais procuram livrar-se. Não são cristãos e nem devem ser confundidos como tais, necessitam de um corpo de crentes que os amem também, fazendo-os ver que o amor de Jesus é capaz de abrandar-lhes o coração, passando a estar na mesma comunidade dos outrora homossexuais, procurando dizer a outros como foram transformados pelo poder de Deus.

Os programas de cura não dão resultado pois o assunto não é doença mas simplesmente uma diferença a qual não queremos entender como igreja”. O assunto é doença sim, um transtorno delicado e dificil de tratar, que tem a ver com a matriz de identidade do indivíduo. Bem, é verdade que o CID-10 (Código Internacional de Doenças, 10ª edição), minimizou a descrição da homossexualidade, e para ser "politicamente corretos" a chamam de "transtornos de identidade sexual", mas se você observar a descrição que é dada a esta DOENÇA fica claríssimo tratar-se das mais variadas formas de homossexualismo (desde transvestismo de duplo papel, transexualismo, etc..) e ainda se dá um número para esta PATOLOGIA , F64. Portanto, é doença mesmo, com número na CID-10 e tudo que tem direito.

Há também outras doenças classificadas neste manual que tem a ver com o comportamento homossexual, são os "Transtornos de preferencia sexual" classificados com o numero de F65. Agora, onde claramente se refere a palavra HOMOSSEXUAL é classificado como F66.x1, ou seja, "Transtornos psicológicos e de comportamento associados ao desenvolvimento e orientação sexuais". É verdade e para ser honesto, se explica que "a orientação sexual por si só não é para ser considerada um transtorno".

Se você acompanhar os "lobbies" da comunidade gay nos USA para excluírem da classificação internacional de doenças estas categorias você vai ver que houve um mascarar da linguagem, mas não dá para se esconder um fato com política e pressão de grupo. Na comunidade científica tenta-se ser "politicamente correto" mas quando a coisa aperta, lá estão os códigos onde encaixar o homossexualismo.

Os doutores Jonathan D. Raskin e Adam M. Lewandowski, numa publicação da Associação Americana de Psicologia deste ano [2000] , denunciaram a exclusão da homosexualidade do Manual Diagnóstico de Transtornos Mentais (DSM-IV), como um caso de politica na produção científica. Apresentam os dados de que foi necessário uma VOTAÇÃO para tal retirada e não resultado de pesquisa, onde “5.854 votaram pela elinimação, 3.180 pela permanência, e 367 se abstiveram”, e finaliza argumentando que “isto é um produto da política mais do que de ciência”. (Neimeyer, Robert A. & Raskin, Jonathan D. (2000) Constructions of disorder: meaning-making frameworks for psychotherapy. Washington DC, American Psychological Association)  

Mesmo assim, o DSM-IV (Manual Estatístico de Transtornos Mentais, 4ª edição) classifica em 302.6 e 302.85 o "Transtorno da Identidade de Gênero", com a descrição da homossexualidade. Isto sem entrar nas Parafilias (302.xx). Portanto mais uma vez você afirma sem conhecer, HOJE ainda a ciência médica considera o homossexualismo como DOENÇA onde há uma confusão na identidade de gênero, e assim, PODE SER TRATADA E CURADA, graças a Deus.

Contudo, creia que esta nomenclatura não vai durar para sempre, pois conforme diz a Bíblia o mundo vai de mal a pior e logo, logo, o lobby gay conseguirá o que vem tentando há mais de 30 anos, a saber, tratar a homossexualidade como OPÇÃO ou DIFERENÇA, assim como o homem e a mulher são diferentes, eles CRIARAM mais um gênero, o homossexual.

 

Meu irmão, isso é abominável, só Deus pode criar "ex-nihilo"! A homossexualidade é uma doença passível de tratamento como tantas outras disfunções no comportamento; o fato de ser uma doença não justifica tratar o ser humano que a porta com preconceito, devemos tratá-lo com amor, resgatá-lo e ministrar-lhes a cura. Sobre o lobby gay nos USA, veja, voltando à base genética da homossexualidade, havia uma intenção do pesquisador. Seu estudo foi amplamente divulgado pelos meios de comunicação como sendo "a prova final de que o homossexualismo é hereditário e que nada se pode fazer para mudar a orientação sexual".

Todavia, quando a tal pesquisa foi submetida a aferição científica, ficou constatado que o campo da pesquisa era extremamente limitado (houve generalização a partir de uma amostra muito pequena) e que os resultados obtidos tinham sido forjados para se adequarem à proposição do cientista. Posteriormente, autor da pesquisa, declarou que a pesquisa era financiada por grupos de ativistas homossexuais e que ele próprio, sendo gay, "poderia ter cometido enganos que levaram a pesquisa a tais resultados". (In: Dallas, Joe. A operação do erro. SP, Ed. Cultura Cristã, 1998).

 

"Por isso existe agora aqui o SDA KINSHIP INTERNATIONAL para ajudar aos que querem ter uma compreensão mais verídica do assunto". Bem, depois de tudo que lhe expus, se esta entidade (KINSHIP) que, tanto quanto eu saiba, não é oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia, pensa que uma compreensão mais verídica é o que você disse aqui, então prefiro regeitá-la por pobreza científica e desconhecimento da fé cristã.

Não conheço a KINSHIP e se ela tem a intenção de manter os homossexuais na prática da homossexualidade, já não posso aceitar sua sinceridade cristã. Mas, se como outras sociedades evangélicas (a mais séria que conheço é a EXODUS INTERNACIONAL, da qual faço parte ativa aqui no Brasil) ela trabalha para com amor, para preparar as igrejas e a comunidade cristã para ser o solo fétil de amor e aceitação para a  TRANSFORMAÇÃO de homossexuais sinceros que lutam para encontrarem a paz em Jesus através da heterossexualidade, bem, aí, e somente aí, posso crer que estão trabalhando para o reino de Deus.

 

"Porque como Igreja que deve ser a cabeça e não a cauda em assuntos de importância ao ser humano, a IASD se baseia nos fatos antigos quanto a esse assunto? Fatos aprendidos de mitos sem base real, enquanto jovens (pelo menos 10% da população) estão sofrendo pela falta de compreensão geral."  

Bem, ficou demonstrado que o proceder da igreja POR ENQUANTO está de acordo com a última palavra da ciência. A CID-10 e o DSM-IV são as últimas edições, correntemente em uso em todo o mundo, o livro que mostra o erro do cientista é de 1998, a revista de medicina que citei acima é de FEV/99, o livro com a denúncia de que a homossexualidade foi excluída do código de doenças por politica e não como fruto de pesquisa científica é deste ano corrente (2000). Portanto tudo muito atual. Agora, creio que vai chegar um tempo em que, aí sim, a igreja precisará se firmar nas "veredas antigas" pois o padrão do mundo será cada vez mais frouxo (II Tim. 3:1-5). Mas, repito, POR ENQUANTO, como igreja estamos atualizadíssimos. Creio que sua argumentação carece de base real HOJE, e quando as coisas chegarem aonde parece que o irmão quer, pergunto, com quem o Sr. irá ficar? Com Deus e a Bíblia ou com a ciência?

 

"Resultando muitas vezes em suicídio ou casamentos com mulheres e homens que inocentemente se irredam com tais pessoas sem saber da realidade deles/delas. Em geral casamentos que estão destinados a falhar, terminando em divórcio". Até porque trabalho com psicoterapia, cuja base é a transformação de comportamentos disfuncionais em comportamentos saudáveis, sou levado a crer que o pior casamento e os mais difíceis problemas podem ser resolvidos, se apenas houver disposição para isto. Agora, creio que este é um trabalho para profissionais, e o melhor é prevenir, orientar, educar, para não se chegar ao ponto de necessitar de psicoterapia, mas se chegar a este ponto, ela está ai para ajudar, como a medicina para as questões do corpo.

 

"Nos como igreja devemos cuidar dos nossos filhos e fazer tudo para entender as diferenças existentes em nosso mundo". Como disse acima, creio que existem diferenças oriundas da criação de Deus e outras oriundas da vontade deturpada de homens. E precisamos mostrar a nosso filhos estas diferenças tendo como princípio básico a Palavra de Deus. "Vede que ninguém vos engane".

"Só Deus sabe o porque dessas diferenças. Se ha um erro com qualquer ser humano Deus então seria o responsável em sua criação. E deus não comete erros". É verdade que no céu conheceremos os porquês de muita coisa, mas para isso precisaremos estar lá. É bom relembrar que não podemos responsabilizar Deus pelo pecado. O responsável final é Satanás e sobre ele cairá esta culpa, é isso que ensina a doutrina do santuário com a ida do bode para o deserto. Culpar a Deus pelo pecado é uma tentativa diabólica desde o céu, com a ação de Lúcufer sobre os anjos tentando dizer que Deus não era bom.

"Portanto o dizer que gays escolhem sua tendência é um escape complemente irresponsável de nossa igreja". Já comentei esta frase mais acima e constarei que a irresponsabilidade foi sua nesta afirmação. Disse algo sem buscar conhecimento, quer na ciência, quer na teologia adventista.

"Minha pergunta e: O que fazem vocês ai no Brasil para o beneficio de gays e Lesbianas Adventistas? Em cada família existe a possibilidade de haverem pessoas gays. Isso e um fato da vida". Bem, como disse a grande maioria dos irmãos tendem a aceitar bem pessoas sinceras que estão tentando encontrar apoio e MUDAR o comportamento homossexual. Leva tempo, a comunidade deve saber aceitar a pessoas, como filhos de Deus que buscam a salvação.

Não temos entidades organizadas na nossa igreja especificamente para este trabalho, temos uma ou outra iniciativa pioneira. No geral as Sociedades JA oferecem palestras e orientações preventivas e os pastores em geral oferecem aconselhamento e acompanham muitos destes casos por anos. Eu próprio estive ministrando um curso de aconselhamento para todos os pastores da União Nordeste (+/- 120), cerca da 3 anos atrás, onde uma das aulas foi sobre como tratar com o homossexual e ministrar-lhe com amor. Assim, de alguma forma, os pastores têm recebido treinamento sobre o assunto.

No meio evangélico, existe a EXODUS INTERNACIONAL filiada aqui no Brasil ao CPPC (Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos, do qual faço parte), que oferece congressos, acampamentos e seminários sobre o tema da homossexualidade para todas as pessoas interessadas, homo ou heterossexuais.

Pessoalmente tenho contribuído com esta organização e já vi várias conversões e TRANSFORMAÇÕES neste ambiente. O objetivo é treinar as igrejas para saber como receber, tratar e ajudar na mudança da homossexualidade para a heterossexualidade. Acredito em todo esforço cristão e amoroso para propiciar um espaço terapêutico onde os homossexuais possam sentir o amor salvador e transformador de Jesus.

Aí está meu irmão minha opinião sincera sobre este tema que é bastante importante para a igreja de hoje e o será cada vez mais quanto mais nos aproximarmos do fim. Receba meu abraço fraterno e aqui continuo a seu dispor. -- Adami A. R. Gabriel, pastor e psicólogo, adami37@yahoo.com.br.

Leia também:

Retornar

Para entrar em contato conosco, utilize este e-mail: adventistas@adventistas.com