Opinião: O Que Foi o Sacrifício Expiatório de Cristo?

Ainda que pareça um pouco confuso, pois o autor não é redator profissional, tudo o que foi escrito neste artigo, segundo ele, está baseado unicamente nas palavras sagradas da Bíblia

Texto Áureo: Apocalipse, capítulo 5; e Ezequiel, capítulo: 3.

A Cruz do Calvário

Passei a vida inteira ouvindo as pessoas falarem do sacrifício na cruz para a salvação da humanidade, onde a única coisa que ficou clara era que, sem o derramamento de sangue de Cristo jamais o mundo se salvaria, não haveria novos céus, nem nova terra, não haveria ressurreição, muito menos vida eterna.

Mas o que me deixava confuso, era o fato de Deus todo poderoso não ter uma alternativa melhor de salvar a humanidade sem ter que deixar morrer um inocente celestial e glorioso, que nunca tinha provado o sono da morte e pior passar mais de 30 anos num mundo infernal como o nosso e no final se espancado e humilhado só para satisfazer os interesses da sociedade da época e uma “igreja de Deus”, que não aceitava reformas muito menos as propostas feitas por Cristo, levando-O sem motivo algum à pena de morte. Como uma pena de morte injusta poderia redundar em salvação para a humanidade?

Então comecei a ouvir e concordar e discordar muitas vezes por falta de conhecimento, que Sua morte era uma causa substitutiva, ou seja, o homem havia pecado contra Deus por isso recaiu sobre o homem a maldição da lei “a alma que pecar essa morrerá”, Deus não poderia voltar sua palavra até por que estava irado com o pecado; Cristo foi o instrumento usado tanto para salvar o homem como para acalmar a ira de Deus; “reconciliando o homem com Deus”.

Porem quando descobrir o mistério de Deus guardado desde antes da fundação do mundo e revelada por Jesus, finalmente entendi bem mais o que foi o plano da redenção.

Vi, não mais um Deus irado, mas um Deus amoroso que permite a morte de seu filho por não haver alternativa para salvar a humanidade senão a expiação.

O sacrifício de Cristo teve um único objetivo, realizar a “justiça eterna”.

 

A Justiça Eterna

Causas:

Há mais ou menos 6000 anos atrás, Adão*. O responsável direto pelo domínio da terra; E uma grande responsabilidade para com o Criador e toda sua descendência e com os seres na terra. No momento em que se afastou de Deus caiu no engano de Satanás, este com suas vãs filosofias o seduziu e quis se mostrar dessa forma mais capaz que Adão no domínio da terra; Adão em si era uma árvore seca que só tinha vida quando estava com Deus, como todos nós somos e devemos reconhecer, por isso perdeu por usurpação o reinado da terra.

E apesar de ter sido por usurpação foi aceito por Deus com tristeza. O universo desconhecia as conseqüências da rebelião de Satanás contra Deus e a futura decadência da terra, Deus por sua onisciência sabia o que aconteceria e já tinha uma idéia para restaurar a paz na terra “O Plano de Redenção”.

 Satanás dominaria a terra por meio da fraqueza de Adão, o pecado, que é fraqueza da humanidade; quem domina o homem domina todos os seres do planeta o homem passou a ser escravo do pecado ou do seu próprio eu, incapaz de se identificar com seu Criador e reivindicar seu direito de posse e restauração. Perdido destinado à morte e ao acaso o homem torna-se carente da misericórdia e do amor de Deus; que envia seu único filho a terra com o objetivo de levar uma mensagem de manifesto do amor de Deus pela a humanidade, pedindo aos mesmos que protestem à vida medíocre de pecado e vivam em amor uns pelos outros e busquem uma reconciliação, pois somente o homem por vontade própria pode escolher entre a salvação ou sua derrota, Deus está de braços abertos para todos que quiserem beber da fonte da vida, Cristo Jesus.

Até então Cristo é o próprio Deus conosco se identificando com o pecador (o necessitado), não com o pecado (afastamento de Deus), trouxe consigo as boas novas da salvação oferecida por seu Pai em favor dos que estão na escravidão do pecado.

Realmente devemos acreditar nas palavras de Cristo, porque quando ele veio a esta terra veio porque acreditou em nós; sim, que nós o aceitaríamos como nosso verdadeiro representante, a semente do rei Davi.

A justiça eterna de Deus era esta, um homem livre do pecado e que fosse reconhecido dos homens, gerado no meio dos homens poderia reivindicar o direito de posse da terra.

Como um ser, que apesar de ter sido gerado em uma mulher era de origem eterna; poderia ser realmente um homem que é mortal. Desta forma a única maneira de provar a autenticidade de cristo como homem era a morte, “sem o derramamento de sangue não há remissão de pecados”.

A justiça eterna teve três fazes: As boas novas da salvação, o derramamento de sangue e vitória quando morreu na cruz. Satanás não entendia o plano de redenção não acreditava que Cristo filho de Deus imortal pudesse morrer e tinha interesse em provar. Só assim manteria a posse da terra. O anúncio das boas novas era de suma importância à semente da palavra de Deus que deveria crescer com o passar dos tempos perdurando entre as gerações até chegar a nossos dias uma promessa do reinado de paz na terra de um só governo.

O derramamento do sangue do cordeiro era a prova final, que de fato o filho de Deus era legitimamente um ser um humano dotado de todas as caracteríscas do povo de nosso planeta. Deus sabia disso, já que ele mesmo executou todo o plano, mas a justiça eterna era provar ao universo essa verdade, e só Jesus poderia fazê-lo; e assim foi permitido um rude sacrifício. Ao morrer na cruz, Cristo conquistou a vitória final para a justiça eterna ser executada.

A partir daí Deus Pai entra em ação imediata, ressuscita Jesus, enviando anjos para O buscarem aqui na terra. Era de Seu interesse que Ele fosse concluir a parte principal do plano, que era abrir um livro escrito por dentro e por fora e selado com sete selos, contendo os Seus mistérios, e revelar a toda a assembléia os mistérios da redenção o direito de posse da terra. Somente um representante da terra poderia abrir aquele livro, e somente por meio dessa abertura haveria salvação da humanidade.

A abertura do livro então só seria possível através de duas condições: Derramar o sangue de Suas veias, e Sua vitória final. Morrer na cruz era a prova que Ele precisava dar ao universo. Três dias no sono da morte totalmente dependente da justiça eterna e da misericórdia de Deus para ressuscitá-lo.

Se Jesus tivesse derramado seu sangue e morrido na cruz, mas não tivesse aberto o grande livro contendo os mistérios de Deus certamente seu sacrifício teria sido em vão; pois a salvação não era condicionada a um sacrifício,  muito menos a uma pena de morte, mas simplesmente a abertura de um livro contendo os mistérios de Deus. E entre esses mistérios o direito de posse da terra para a humanidade por meio de um único reinado.

Só um representante da terra que passou por todas as experiências escritas neste livro poderia ter a honra de abri-lo, nem o Criador, nem as criaturas de todo o universo, nem os pecadores e os demônios tiveram a experiência vivida por Cristo. Com isso Ele trouxe todo o esplendor ao Pai que foi o autor de todas estas coisas, e ao universo a oportunidade ver a verdade sendo restaurada em meio à abertura do grande livro e a Ele mesmo o direito de ser o Senhor do universo.

Se hoje alguém me perguntasse por quer Jesus morreu na cruz certamente eu responderia: - Jesus derramou seu sangue e morreu na cruz para ter direito a ser o representante dos homens lá no céu para poder abri o único livro que realmente poderia nos dar o direito da salvação, se Ele não tivesse aberto aquele livro certamente nossas almas permaneceriam na morte para sempre.

*Antes do pecado não se sabe quantos dias viveu Adão na terra já que os eternos não possuem tempo contado. O decorrer do tempo só acontece quando é para o fim, ou seja, a partir do pecado, por isso é que Adão viveu só 930 anos no mundo do pecado.

 

O Livro Escrito Por Dentro e Por fora

O livro é a prova da onisciência** de Deus, a qual satanás pôs em duvida diante do universo. Já que nele estão narrados todos os acontecimentos da terra a partir do pecado todas as ações humanas, angelicais e demoníacas no decorrer da história, sendo escrito antes da fundação de nosso planeta e guardado em mistério, os anjos sabiam da existência do livro, mas era inacessível. Já que nem podiam olhar para o livro, era o mistério de Deus.

Mas por quer Deus guardou todo este tempo? Era necessário a guardar chegar à plenitude dos tempos, o quarto milênio, período ideal para reivindicar o direito de posse da terra por Cristo. Outro motivo: o livro tinha como alvo direcionado o homem, pois conta a linda história da redenção humana.

Por uma questão de justiça eterna nem o Pai abriria  o livro somente o filho como representante aceito pelo homem poderia abrir o livro. É extremamente importante saber que, nós homens devemos aceitar a Jesus como o nosso salvador. Pois somente aquele que aceita de fato, concorda com a abertura daquele livro por Jesus, se a abertura é legal então deve ser aberto, mas se eu não concordo então o livro estará fechado e não haverá salvação para mim.

Em resumo: Cristo morreu na cruz, não por motivo substitutivo, mas para abrir o livro dos livros e só assim trazer a salvação.

Só a morte de Cristo na cruz, não traria salvação para o mundo, nem a revelação do mistério do amor de Deus e sua capacidade de  manter o universo sob um Reino Universal e seu poder por meio da onisciência. Mas a abertura do livro sim, foi o fator determinante para que todas essas coisas fossem comprovadas. Jesus Cristo que é o Senhor.

**Um dia refletindo na possibilidade de alguém me conhecer tanto ao ponto de saber meu passado presente e futuro, e por cima ter mais experiência que eu.  Ter poder ser mais forte e mais sábio, certamente eu jamais tentaria brigar com uma pessoa dessas, muito menos se ela fosse minha amiga.

Agora se eu tivesse a possibilidade de competir com essa pessoa, qual seria a única forma de tentar ter uma chance de disputar com ela? Certamente o item que eu tiraria dela seria  a capacidade de ver e planejar o futuro, assim maquinaria meus planos sem serem atrapalhados e poderia usurpar seu poder a meu favor, de outra maneira não seria louco de querer disputar com alguém assim.

Satanás só se rebelou contra o governo de Deus quando se enganou ao achar que Deus não era onisciente, e acredito que até hoje duvide disso, pois não participou da abertura do grande livro e insiste em querer até o fim o governo da terra, crendo tolamente que vencerá.

O livro é a chave deste grande segredo ou a prova em favor do grande Rei, prova de Sua onisciência revelada por meio de nosso Senhor Jesus.

Somente aqueles que habitam nos céus e alguns seres de nosso planeta tiveram a oportunidade de ver a abertura  deste livro, mas os que forem resgatados também um dia terão a oportunidade de verem o grande livro da salvação, porém satanás e seus anjos e os pecadores que negaram a Jesus como o seu representante não terão esse privilegio. -- Rômulo Gomes

Retornar

Para entrar em contato conosco, utilize este e-mail: adventistas@adventistas.com