A Estranha Lógica de Nossos Teólogos (Ou 5 Provas Lógicas Contra a Trindade)

Introdução

Quando li o artigo http://www.adventistas.com/trindade/judeus/resposta_cpb.htm me lembrei de uma história parecida que li no livro do Prof. Pedro Apolinário "As Testemunhas de Jeová e Sua Interpretação da Bíblia". Fui consultá-lo e encontrei entre as páginas 79 e 82 a mesma história do artigo. Veja as Páginas 79-80 e Páginas 81-82.

Apesar de estar reproduzindo o conteúdo do livro (opúsculo) "O Testemunho de um Judeu", que conta a história de Samuel Srolovic Jacobson e de Jack Rolfe, e que é a mesma história contada no livro "Em busca do Messias" do próprio Samuel Srolovic Jacobson, o professor não toma o cuidado de reproduzir integralmente o texto, cortando a referência bibliográfica que o opúsculo apresenta como origem do texto. Desta forma o professor tenta passar a afirmativa de que Maimônides crê na trindade sem arcar com as responsabilidades de tal afirmativa e ainda nos deixa sem condições de comprovarmos tal fantástica alegação.

Lógica invertida - provo 2, entende-se 3

Uma fato interessante, e que é fácil de perceber, é a tentativa de comprovar a trindade (3 seres) através da referência a coisas que aparecem aos pares (ou DUAL), como:

1) tarde e manhã ==> um dia

2) homem e mulher ==> uma carne

E quando o opúsculo apresenta textos no plural (Gên 1:26; 3:22; 11:7) com palavras do tipo façamos, nós e desçamos, apresenta como prova de sua conclusão trinitariana um texto que relaciona apenas DOIS seres - Prov.30:4.

A pergunta que fica, portanto, é: Como textos que falam apenas de dois podem ser prova da existência de três?

Esse tipo de lógica se caracteriza por lógica invertida e, principalmente, astuciosa, dizendo: Provarei a você que são mais que um e você aceitará que são três.

É muito mais fácil crer na referência DUAL:

3) o Pai e o Filho ==> um Elohym

Lógica irrisória - faça a conta errada

Esse tipo de raciocínio tenho encontrado em alguns artigos na discussão sobre a trindade, que está disponível no endereçohttp://www.adventistas.com/debate_trindade.htm . Quero comentar apenas um deles. Foi o raciocínio apresentado bem ao início por outro Professor, o Prof. Azenilto Brito, no texto http://www.adventistas.com/trindade/carta_trindade_7.htm. Veja o que ele diz:

VIII - Refutando Objeções

1ª - Não existe lógica em crer que três “pessoas” formem uma. Qualquer um sabe que 1 + 1 + 1 = 3. A doutrina da Trindade não tem lógica nenhuma.

Resposta:

A) Quem disse que a lógica humana é o recurso a ser utilizado para compreender as coisas do Alto? A Bíblia diz que “o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmente” . I Cor. 2:14.
B) Segundo as Escrituras, cada uma das pessoas tem os mesmos atributos de onisciência, onipotência e onipresença (ver Subts. anteriores). Logo, em lugar de somar 1 + 1 + 1 = 3, deve-se multiplicar 1 x 1 x 1, e o resultado ainda será 1.

Veja a lógica invertida:

A) A lógica humana não é capaz de entender as coisas de Deus, MAS
B) Para entender quantas pessoas constituem a unidade de Deus devemos multiplicar e não somar.

Claramente vemos astúcia e inversão de raciocínio. Se não há lógica na trindade (item A) porque tentar encontrar algum tipo de comprovação (item B)?

Tentei entender esta operação na idéia de que as coisas de Deus não se somam, se multiplicam (sentido de onipotência). Mas não pude encaixá-la nesta operação. Esta operação vai contra a base da matemática, que é uma ciência constituída pelo próprio Deus. Se eu falo que são 3 pessoas, então já fiz a operação 1+1+1.

Deus não precisa cancelar suas leis para executar sua vontade ou estabelecer a verdade. Ou melhor, Deus não cria uma lei (ou ciência, a matemática) que é contrária ao Seu próprio ser.

Relembro aqui o arrazoado sobre Provérbios 8:22-31 onde apresentamos Cristo UM com Deus antes que o "princípio do pó do mundo" fosse feito (http://www.adventistas.com/agosto2002/trindade_filho_eterno.htm). Mas com Deus como o Professor, e Cristo como o Aluno. Nesse arrazoado, mostramos a possibilidade de Cristo nascer antes das leis da natureza (da própria Física e da Matemática) e ter ajudado ao Seu Pai na formulação das mesmas.

Interpretando a operação sugerida pelo Prof. Azenilto, temos também que 1x1x1x1x1 é igual a 1. E agora nós teríamos não uma trindade e nem uma tetrandade (como tenta demonstrar atualmente a Igreja Católica), mas um pentão (quer dizer, um pentalhão, não, um pantaleão, não, um Panteão, ah!). Escrevi assim porque a operação sugerida pelo professor é ilógica, incorreta, incompreensível, improvável e além de tudo RISÍVEL. (Peço desculpas ao Professor e Irmão Azenilto Brito se ele se sentir ofendido. Mas não ataco a ele, ataco a sugestão irrisória.)

Para o panteão descrito acima, o quarto elemento a Igreja Católica está tentando apresentar à Cristandade. Diz a igreja que quem é esposa de Deus e mãe de Deus também é Deus. O quinto elemento nós poderíamos retirar dos seguintes textos (todos na versão AVR):

2Coríntios 4:3-4
3 Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, é naqueles que se perdem que está encoberto,
4 nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.

2Samuel 24:1
1 A ira do Senhor tornou a acender-se contra Israel, e o Senhor incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá.

1Crônicas 21:1
1 Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar Israel.

A Bíblia não apenas chama Satanás de deus deste século, como faz um paralelismo entre Satanás e Deus.

Para escapar da afirmativa de que a trindade é ilógica pois 3 não pode ser igual a 1. Surge este tipo de argumento sem base, tentando desviar a atenção.

Lógica complexa - tente descobrir o erro

É mais fácil provar que 2=1. Vejamos:

Considerando
a = b , acrescentamos (+a) a operação
2a = b+a , acrescentamos (-2b) a operação
2a-2b = b+a-2b , e
2(a-b) = a-b , eliminamos os termos iguais dos dois lados da igualdade
2 = 1
, !!!

Desafio o professor a apresentar o erro matemático que está inserido na operação. Claramente tem erro pois nunca 2 foi igual a 1, e também Deus nunca criaria uma ciência defeituosa. Mas seria teologicamente mais correto do que a operação apresentada pelo Prof. Azenilto, pois Cristo afirmou:

João 10:25-30
25 Respondeu-lhes Jesus: Já vô-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai, essas dão testemunho de mim
26 Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas.
27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;
28 eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão.
29 Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.
30 Eu e o Pai somos um .

No verso 30 Cristo afirma: Dois é igual a um.

João 17:11,20-21
11 Eu não estou mais no mundo; mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda-os no teu nome, o qual me deste, para que eles sejam um, assim como nós .
20 E rogo não somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim;
21 para que todos sejam um; assim como tu, ó Pai, és em mim , e eu em ti, que também eles sejam um em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste.

Novamente a mesma afirmativa. Cristo várias vezes disse que 1+1=1 (2=1). Onde está o texto bíblico que diz que 3=1? Mas no livro Patriarcas e Profetas, à página 34, encontramos como é possível interpretarmos esta operação:

"O Soberano do Universo não estava só em Sua obra de beneficência. Tinha um companheiro - um cooperador que poderia apreciar Seus propósitos, e participar de Sua alegria ao dar felicidade aos seres criados. "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus." João 1:1 e 2. Cristo, o Verbo, o Unigênito de Deus, era um com o eterno Pai - um em natureza, caráter, propósito - o único ser que poderia penetrar em todos os conselhos e propósitos de Deus." (ênfase acrescida)

Além de ser "UM com o eterno Pai", era "o ÚNICO ser que poderia penetrar em todos os conselhos e propósitos" do Pai. Mas esta unidade era "em natureza, caráter, propósito". Portanto vemos que a operação NÃO é 2= 1 e SIM 1+1= 2.Cristo é especial, é o ÚNICO que pode se achegar ao Pai e entrar em conselho com Ele. Então temos 1 (o Pai) +1 (Cristo que entra em conselho com o Pai) = 2.

4) o Pai e o Filho ==> um conselho (o que significa planejamento para um só objetivo, natureza, caráter, propósito)

Lógica para se pensar

Apenas como reflexão, recomendo a leitura do subsídios para a lição 10 do 2o trimestre de 2002, que está em http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2002/com1022002.html, na qual o Dr. José Carlos Ramos demonstra o que significa 666 (num outro enfoque, além do Vicarivs Filli Dei), veja:

Por exemplo, o Sol e a Lua eram adorados em Babilônia. Bem, isso não é novidade, porque, afinal, todos os povos pagãos os adoravam. O detalhe é que observando os astros, os sacerdotes tiravam conclusões sobre a realidade divina. O pensamento religioso babilônico determinava que a criação era representada por uma linha reta, que tinha princípio e tinha fim. A divindade, por sua vez, era representada por um círculo, que não tinha nem começo e nem fim. Não é por mero acaso que um círculo contenha 360 graus, como a matemática determina, um número não apenas divisível por seis (cálculo hexagesimal), mas o produto de 6 X 60.

Esta é exatamente a medida da imagem levantada por Nabucodonosor: sessenta côvados de alto e seis de largo (v. 1). Os babilônios atribuíam números aos seus deuses, partindo de seis para sessenta. Este era o número do deus supremo, enquanto 6 era o número do deus menor. Na medida da imagem, portanto, como na do círculo, se fazem presentes todos os deuses de Babilônia. Para completar, e este detalhe não está presente em Daniel 3, seiscentos era o número do panteon.

Temos então a unidade 6, a dezena 60, e a centena 600, coincidindo com 666 da Babilônia apocalíptica. "666" aponta em Babilônia para o culto babilônico total.

Segundo o Dr., 600 é o número do panteon, que agrupado com as medidas da estátua, encontramos o número de babilônia. Então temos que a marca do POLITEÍSMO é 666. Será marcado na mão ou na testa.

Mas qual é a marca de Deus (o MONOTEÍSMO)?

Apocalipse 14:1
1 E olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o Monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que traziam na fronte escrito o nome dele e o nome de seu Pai.

5) o nome do Pai e o nome do Cordeiro ==> um selo (conforme Apocalipse 7:3-4)

Conclusão

Cinco foram as formas de identificarmos o Criador em dois seres.

Nas revelações da natureza: (exemplos sobre o Criador)
1) tarde e manhã ==> um dia - Gênesis 1:5
2) homem e mulher ==> uma carne - Gênesis 2:24

Nas revelações escriturísticas:
3) o Pai e o Filho ==> um Elohym - Provérbios 30:4
5) o nome do Pai e o nome do Cordeiro ==> um selo - Apocalipse 7:3-4; 14:1

Nas revelações de EGW:
4) o Pai e o Filho ==> um conselho - PP,34

Se podemos ser enganados na matemática, onde 2 mais 2 sempre serão 4, quanto mais na filosofia e teologia.

"O Senhor seja com o teu espírito. A graça seja convosco." 2 Timóteo 4:22.

Fábio


PS

Solução do problema: Foi quebrada a primeira lei da matemática e portanto o resultado caiu em absurdo. A primeira lei diz: Não dividirás por zero. A operação que fizemos foi dividir zero por zero, cujo resultado é indeterminado, ou seja, pode ser qualquer coisa. O que é diferente de dividirmos um valor qualquer por zero (esta operação não existe). Na conta afirmamos que zero dividido por zero é um, o que provocou o erro.

Novamente: Se podemos ser enganados na matemática, quanto mais na filosofia e teologia. -- Fábio


Leia do mesmo autor:

Retornar

Para entrar em contato conosco, utilize este e-mail: adventistas@adventistas.com