Defenda a cosmologia bíblica! Se nos calarmos, logo seremos evolucionistas do sétimo dia…

Adventistas americanos, liderados por obreiros da ativa e aposentados, querem que a igreja expanda sua crença na Criação, incluindo a evolução como método da ação divina.  Numa série de postagens que propõem alterações no “Adventismo de Amanhã”, o influente site Adventist Today sugere, entre outras mudanças, numa série de três artigos — dos quais discordamos! Mas reproduzimos abaixo — que a denominação avance um pouco mais em sua aceitação do que diz a Ciência e não mais se prenda ao “antigo” modelo bíblico da Criação em uma semana de sete dias literais, incluindo o sábado.

Afinal de contas, segundo alegam, boa parte do que a Bíblia diz já foi alterado por nossa “evolução” na aceitação do conhecimento científico como verdade superior à da Bíblia. E o principal argumento que usam é o fato de termos negado e rejeitado toda a cosmologia hebraica, da terra plana, com seus alicerces sobre o abismo e coberta por um domo sólido. Veja:

“Mesmo que Moisés achasse que a criação aconteceu em 144 horas, isso significa que temos que aceitar sua cosmologia de 2.300 anos como o caminho para entender a criação hoje? Nós abandonamos a idéia de Moisés de firmamento sólido. Não acreditamos, embora a Bíblia diga, que a chuva vem de janelas literais no céu. Entendemos que realmente não existem fundações físicas com pilares reais que sustentam a Terra. Embora os papas e Martinho Lutero se opusessem à idéia, a “Terra estacionária e inamovível” bíblica está de fato acelerando ao redor do nosso sol.  Nós aceitamos que o sol não se eleva realmente, nem corra pelo céu, ou se retire de madrugada através de um túnel subterrâneo ou rio para recomeçar sua corrida, como os antigos pensavam e a Bíblia infere…” Continuar lendo

O discurso diabólico de Michelson Borges contra o uso da Bíblia

Michelson Borges começa essa palestra numa igreja adventista de Lisboa com esta proposta evidentemente satânica:

“Bom, eu agora farei o seguinte com vocês. Deixem de lado a Bíblia por um tempo… Vamos brincar de céticos mais uma vez! Eu disse no sábado, ou foi ontem, não me recordo, que o ceticismo muitas vezes é importante. Às vezes, é preciso duvidar para crer. Na verdade, para eu me tornar criacionista, tive que ser cético! Continuar lendo

Teólogos adventistas admitiam hipótese da terra plana em Gênesis 1 até julho de 2010

Artigo publicado na edição de julho de 2010, do periódico Ciência das Origens, uma publicação do Geoscience Research Institute (Instituto de Pesquisas em Geociências), que estuda a Terra e a vida: sua origem, suas mudanças, sua preservação.
Edição em língua portuguesa patrocinada pela DSA da IASD com a colaboração da Sociedade Criacionista Brasileira, págs. 2 a 6:

ASSUNTOS CRUCIAIS NA INTERPRETAÇÃO DE GÊNESIS 1

Dr. Randall W. Younker — O Dr. Randall W. Younker é Professor de Antigo Testamento e Arqueologia Bíblica no Seminário Teológico Adventista do Sétimo Dia, e Diretor do Instituto de Arqueologia na Andrews University, em Michigan, EUA. Continuar lendo

Revelação máxima: Michelson Borges supera Moisés e reescreve Gênesis 1!

Este vídeo é uma produção da GBM. O texto é de Michelson Borges, as imagens são do João Luiz Cardoso e a narração é de Sérgio Azevedo. Como dá para perceber, Michelson pretendeu fazer melhor que Moisés ao descrever a “criação”, em linguagem “cientificamente correta”, mas biblicamente equivocada.

Continuar lendo

Como “desliteralizar” Gênesis 1 sem dizer que o está “alegorizando”

Basta atribuir por simples afirmação novos significados a algumas palavras-chave, impondo sua credibilidade e confiabilidade como intérprete oficial do hebraico e garantindo que na concepção do antigo oriente próximo, pôr para funcionar seria mais importante que criar do nada. Essa espécie de conhecimento especial e oculto que seria necessária para entender o que é verdadeiro no texto bíblico, equivale à volta do gnosticismo ao cristianismo.

Depois de afirmar que o estilo poético-prosaico do texto hebraico de Gênesis 1 exige leitura e compreensão literal, sem o sentido metafórico que atribuímos à poesia e que não se trata de um mito ou fábula, mas de um registro histórico, o pastor e professor do Unasp Edson Nunes, volta à rica, culta e exigente igreja de Moema, em São Paulo, SP, com outra leitura de Gênesis 1. Continuar lendo

Pastor assistente do Unasp percebe a importância de crer na Bíblia como ela é…

Henrique Gonçalves defende a crença na literalidade do relato bíblico da Criação, com sua cosmovisão que muitos consideram pré-científica e ultrapassada, sob pena de não termos sequer certeza de que Deus está no Céu e ouve nossas orações. Para ele, sem a cosmologia bíblica do Gênesis perderemos a perspectiva escatológica das profecias da volta de Cristo, quando o Sol se escurecerá, a lua não dará sua luz e as estrelas cairão do céu, que se enrolará como um pergaminho, para que todo olho veja Jesus vindo sobre as nuvens. 50 minutos de bênçãos para sua vida! Assista.

Pastor presbiteriano explica o que o Dr. Rodrigo Silva não tem mais coragem de dizer sobre a terra plana

De Gênesis ao Apocalipse, essa é a cosmologia bíblica, revelada não aos judeus unicamente, mas a todos os seres humanos. Foi ilustrada pelo tabernáculo do deserto, incluída nos dez mandamentos e necessária para a compreensão e cumprimento das profecias do Antigo e do Novo Testamento, especialmente as de Daniel e Apocalipse, relacionadas ao tempo do fim. O modelo foi também confirmado pelo próprio Filho de Deus, criador de todas coisas. Continuar lendo