Ensina o Apóstolo Paulo que existe um Terceiro Divino?


Assim como os defensores do trinitarismo usam o argumento, baseados em textos que devem ser olhados com a mesma ótica que se deve olhar Lucas 23:43, porém não o fazem; ao analisar o capítulo 16 do evangelho de João, ignorando tudo o que João escreveu sobre a Divindade, especialmente o que está logo a seguir ao capítulo 16, ou seja a declaração fundamental de João 17:3; esses eclesiásticos gostam muito de usar o último verso da segunda carta de Paulo aos cristãos da cidade de Corinto, a saber:

A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém. 2 Coríntios 13:14 (algumas versões é o verso 13).

Os trinitaristas, especialmente os ASD, que são os que mais assisto, visto que há mais de 45 anos fui batizado na IASD, e ainda frequento regularmente, certamente com o objetivo de indelevelmente inculcar na mente dos ouvintes o conceito trinitário, usam tal texto como sendo uma prova incontestável de que aquele que foi o maior divulgador do cristianismo, e que, historiadores consideram mais importante para o cristianismo do que o próprio Cristo, fosse trinitariano.

Como não podemos interpelar aquele a quem se atribui tal escrito, vamos pesquisar em seus escritos, tudo o que ele, Paulo, declarou referente à Divindade, mas antes é necessário relembrarmos suas credenciais:

– 1Cor. 14:18 – O mais culto dentre todos os cristãos, falava mais línguas do que todos.

– Atos 22:3 – Zeloso e altamente instruído.

– Atos 26:5 – Altamente estrito e cioso, extremamente cuidadoso em termos de religiosidade.

Diante dessas credenciais, não se pode dizer que Paulo fosse relapso ou descuidado a ponto de se esquecer ou ser parcial em matéria de “doutrina”, e, em especial com referência à Divindade, inclusive por ser da casta mais rigorosa dentro do círculo religioso hebreu, ou seja um fariseu, que ele mesmo colocava como destaque para justificar seus cuidados com os assuntos relacionados ao que ele mais prezava.
Agora, em relação à Divindade que, para qualquer religião (não divisões dentro do cristianismo, mas religiões como islamismo, budismo, judaísmo e cristianismo, ou outras, não facções dentro delas), o ponto principal que, é o que norteia a religião, é o Deus (ou “deus”) adotado pela religião e sua definição, pois isto faz toda a diferença para as pessoas que adotam tal vínculo com a religião adotada.

Teria Paulo, quando mudou do judaísmo monoteísta para o cristianismo, adotado também o trinitarismo?

Como não podemos perguntar-lhe pessoalmente, podemos nos apegar ao texto em análise e fazer dele a base para uma tese?

Absolutamente, Não!

Mas, podemos e devemos buscar em seus escritos a resposta para esta que é uma pergunta consequente, uma vez que os eclesiásticos que se julgam os melhores conhecedores das escrituras sagradas, inclusive da língua original desses escritos, que como se sabe, sofreu muitas interferências desde que foram escritas até nossos dias (e ainda estão fazendo, como por exemplo em Atos 20:28).

Então vamos às escrituras de Paulo para entendermos o que entendem os modernos analistas defensores de teses, baseados em um único texto, ou entendermos o que esses teosofistas não entendem:
Paulo definiu Deus nessa saudação final de sua segunda carta aos Coríntios?

Antes de irmos para o último verso, onde Paulo define, clara e definitivamente, o seu conceito sobre Deus, vamos começar pela própria carta onde se encontra a “famosa” bênção apostólica: Na abertura dessa carta o apóstolo faz uma saudação, como lhe era peculiar, e devemos ter em mente suas credenciais, especialmente que ele era “extremamente” zeloso com tudo em matéria de religião, e não haveria de ser diferente em matéria de Divindade.

Lembrando ainda que, como judeu fariseu, ao se referir a Deus, muito provavelmente tivesse em sua mente o ímpeto de se referir ao Eterno, não em grego mas na designação que lhes era peculiar, a saber: יהוה.
Então vamos à saudação: Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo. 2 Coríntios 1:2

Uma pergunta da maior relevância: Será que, com as credenciais do apóstolo já expostas, ele poderia ter sido tão relapso em se esquecer de um Divino, especialmente quando menciona os outros? Resposta: Inadmissível!

Mas teria sido só nessa saudação que ele teria sido relapso? Se esquecendo de um membro da Divindade?
Absolutamente, não!

Paulo não foi relapso!

Veja todas as saudações que ele fez: Rom. 1:7, 1Cor.1:3, 2Cor. 1:2, Gal. 1:1 e 3, Ef. 1:2, Filip. 1:2, Col. 1:2, 1Tess. 1:1, 2Tess. 1:2, 1Tim. 1:2, 2Tim. 1:2, Tito 1:4 e Filemon 1:3.

Paulo não era relapso ao se referir à Divindade!

Mas, o que podemos afirmar é que esse texto em análise é totalmente discrepante em relação a todas as referências do apóstolo, e único em seus escritos!

A pergunta é: Porventura não teria acontecido com a famosa “benção apostólica”, o mesmo que aconteceu com o texto de Lucas 23:43? Ou, ainda para ser mais claro e direto, uma vez que está relacionado com o que aconteceu com os escritos do outro apóstolo, o discípulo amado em seu escrito 1João 5:7? Tem tudo a ver!

A palavra de Deus ainda nos adverte que não devemos jurar por nada, nem pelo céu, nem pela terra, nem por um fio de cabelo, porém não faz nenhuma advertência quanto a conjurar alguém, não obstante alguns léxicos expliquem que conjurar seja “ligar-se a outrem por meio de juramento”, assim, fazer uma conjuração é algo da maior significação, então vamos a uma conjuração do apóstolo:

– 1Timóteo 5:21 – Conjuro-te diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, e dos anjos eleitos, que sem prevenção guardes estas coisas, nada fazendo por parcialidade.

Veja só; Paulo faz algo da maior seriedade, zeloso como era, estrito ao extremo para com os assuntos celestiais, como ele mesmo usava lembrar para seus interlocutores, teria se esquecido de incluir um dos Divinos, quando até criaturas, os anjos santos, ele incluiu?
Então para encerrar, vamos ao último texto destas considerações:

– 1Coríntios 8:6 – Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por ele.

Você consegue admitir que Paulo fosse tão relapso a ponto de fazer uma única vez, para ensinar aos cristãos de Corinto, e a nós hoje, uma declaração de definição da Divindade, como está na segunda carta dirigida aos cristãos de Corinto, em sua bênção final, contrariando o que ele, Paulo, lhes ensinara na primeira carta (1Cor.8:6)?

Portanto, devemos ler essa “benção apostólica” (2Cor.13:14), com a mesma lente que lemos Lucas 23:43 e 1João 5:7.

13 comentários sobre “Ensina o Apóstolo Paulo que existe um Terceiro Divino?”

  1. Campolim disse:

    Adoração Verdadeira
    Queridos irmãos em Cristo.
    Certifique-se do que você crê. E o que estamos ensinando. Apelo aos teólogos e estudiosos. Tomem suas posições. EGW. Thiago White , Urias Smith etc. Não criam na trindade. Nos originais de EGW onde você encontra a palavra trindade, foi escrito no original a palavra Godhead = Divindade. Nas copilações e traduções foram colocadas a palavra trindade. Isto para dar a entender que EGW acreditava na doutrina da Trindade. Porque isto?
    Pelo que conheço de Jesus e Deus, jamais uma 3° pessoa da Divindade ficaria fora destas passagens .
    Marcos 13/32, I Cor 8/6 João 16/32 etc.
    Lúcifer era um anjo que ocupava a posição 3° no céu. Formava no céu um trio celeste diferente de trindade celestial. Porém (Lúcifer) ele era criatura. Perdeu seu posto, por querer ser adorado. Ocupando seu lugar o anjo Gabriel. Dan 10/16, Apoc 1/1, 22/9, 5/13, 19/10
    Leia o livro: A verdade sobre os anjos pgs 27 ,28, 195.
    Lúcifer não perdeu sua arrogância em querer ser adorado.
    Do próprio Jesus tentou obter adoração em troca dos favores do mundo Mat 4/9.
    O príncipe deste mundo, satanás, inventou a doutrina da trindade, começando pelo mundo pagão. Agora coloca os cristãos em cheque. Nossa adoração é devida a Deus Pai e Seu Filho Jesus Cristo.
    Patriarcas e Profetas pag. 36. Leia.

  2. disse:

    Caríssimo irmão Elias, o erudito:
    O irmão gosta de desafiar para que se apresente prova de adulteração em escritos sagrados, não é?!
    Então, eu considero este um escrito sagrado, o Hino “Vinde Povo do Senhor”. Como parece que o irmão é ASD, desde antes de 1999, quando entrou em vigor o novo Hinário Adventista, talvez ainda tenha o Hinário Cantai ao Senhor, se não o tem, aqui vai como está escrito sob o nº 12 – primeira estrofe:
    Vinde, povo do Senhor, adorai-O, com louvor
    O Seu nome exaltai, a Jesus, e a Deus, o Pai;
    Dele advêm as bênçãos mil do perdão e amor gentil;
    Vinde, povo do Senhor, adorai o Criador.

    Preste bem atenção!
    Henry Alford, falecido em 1871, foi um pioneiro adventista, que nunca escreveu um hino trinitário!
    Pois bem, esse belíssimo hino, sem autorização do autor, mais de 120 anos após a sua morte foi adulterado tendo sido tornado trinitário para o Hinário Adventista!
    Veja o mesmo hino no Hinário Adventista, sob o mesmo nº 12.
    Está escrito como sendo um louvor à “Trindade”! Mas, nunca, jamais, Henry Alford fez isso!
    Se o hino não se prestava mais ao culto adventista, que o excluíssem do novo hinário, mas não adulterá-lo!
    Mas, por quê isso aconteceu? Sabe por quê?
    Simplesmente para demonstrar que até os que se dizem defensores da verdade, fazem adulterações em escritos sagrados de autores mortos que não podem contestá-los!

  3. disse:

    São, assim, três os que dão testemunho:
    o Espírito, a água e o sangue; estes três dão o mesmo testemunho.
    1 João 5:7-8 – Versão Católica – http://www.bibliaonline.com.br/vc/1jo/5
    Analisem o comentário do Sr. Elias, pretenso “erudito”, que gosta de tergiversar.
    Veja o comentário dele: “Mas poderia pensar sobre o tema, ora o tema de 1João 5:7-8, refere-se a três conceitos, Pai, Palavra, Espírito, ou três os que dão testemunho.”
    Pergunto: Nessa versão católica, muito mais fiel ao texto original, inclusive admitido pelos maiores teólogos ASD, de que houve acréscimo nesse texto, onde é que está qualquer referência ao “Pai”???!!!
    João está falando de 3 elementos que dão testemunho, e jamais de 3 pessoas!
    A visão desse comentarista “Elias” é totalmente distorcida e tendenciosa!

    1. Elias disse:

      Mas que texto original, não viu que eu escrevi? “Nos documentos mais antigos tais versos não existem”, o texto inteiro do 7 e do 8 não existem nos documentos mais antigos.
      O sr esta querendo que eu valide, um texto que não existe, ou que analise entre dois textos que não estão nas escrituras originais.
      Entenda facilmente, o verso 7 e 8 não estão nos documentos mais antigos. Sabe o que isso significa, que qualquer analise do verso 7 e 8, é de autoria de quem colocou, eu não sei quem colocou, só sei que tem provas reais de que esse texto não é das escrituras. Veja não houve acrescimos no texto de 7 e 8, os versos inteiros são acrescimos. Não tem lógica eu examinar pedaços do verso 7 ou 8 para dizer qual é o direito, todo ele não existe, todo é o texto do versiculo 7 e todo do versículo 8, todinho. Ou seja o texto mais antigo não faz referência a ninguém, pois o 7 e 8 são acrescímos inteiros.
      Espero que tenha entendido. Vou falar assim. NÃO HOUVE ACRESCIMO NO TEXTO DE 7 E 8, O TEXTO DE 7 E 8 É O ACRESCIMO.

      1. J. OLIVEIRA FILHO disse:

        Seria oportuno que os que acreditam que não houve alterações e adulterações nos escritos sagrados lessem o excelente livro de um cristão fiel que dedicou grande parte de sua vida ao estudo da teologia, incluindo diversas línguas inclusive o grego e o hebraico, sendo considerado a maior autoridade em bíblia do mundo. Sou um ex-ASD que defendeu fervorosamente os ensinos da igreja por mais de sessenta anos até que casualmente, na internet, deparei-me com o livro do pastor ASD, WALTER T. REA, denominado “A MENTIRA BRANCA”. Já há muitos anos eu vinha desacreditando de muita coisa nas lições da “Escola Sabatina” e nos escritos da senhora WHITE. Por meio de um exame acurado das Escrituras feito durante anos cheguei, por mim mesmo, à conclusão de que havia “furos” doutrinários nos escritos daquela senhora tida como profetiza da IASD e pedra fundamental dessa denominação.
        A doutrina da Trindade Divina ou, mais especificamente a doutrina do Espírito Santo sempre foi um ponto de interrogação na minha mente. Pesquisando muito, vi que as escrituras foram alteradas através dos tempos para satisfazer interesses particulares, políticos e denominacionais, tendo sido tirados ou acrescentados textos para satisfazer tais interesses. É exatamente isso que tem propiciado as grandes polêmicas, os grandes conflitos religiosos e o aparecimento de “n” denominações, algumas muito extravagantes até no nome.
        A quem interessar, posso dizer quais as doutrinas questionáveis da IASD que me fizeram abandonar as fileiras e adotar como regra de fé e prática “com restrições” somente a Bíblia.

        1. ronaldo disse:

          sou um pesquisador objtivo, e sim interaca-me saber quais sao tais questionaveis questoes
          bem como a materialidade dos questionamentos. quero respostas mas alimento me perguntas.

  4. disse:

    Sr. Elias,
    Versão 1 – Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um. 1João 5:7 – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – http://www.bibliaonline.com.br/acf/1jo/5
    Versão 2 – São, assim, três os que dão testemunho: 1 João 5:7 – Versão Católica – http://www.bibliaonline.com.br/vc/1jo/5
    A qual dessas versões o Sr. faria a defesa como sendo a original?
    Certamente que, antes de o Sr. ter conhecimento de que os trinitários fizeram o acréscimo para favorecer o conceito por eles defendido, pela sua tendenciosidade, defenderia, como até pode ter feito, que a primeira versão, a chamada Corrigida e Revisada Fiel, seja a verdadeira!
    NO ENTANTO, NÃO É!
    Versão 1 – E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. Lucas 23:43 – Almeida Corrigida e Revisada Fiel – http://www.bibliaonline.com.br/acf/lc/23
    Versão 2 – Ele respondeu: “Em verdade, eu te digo, hoje estarás comigo no Paraíso.” – A Bíblia de Jerusalém – Novo Testamento – Edições Paulinas – 1ª edição – março de 1976.
    A qual dessas versões o Sr. iria escolher?
    Se for imortalista, defenderá as duas!
    Se não for um defensor da imortalidade da alma, certamente escolherá a versão 2, acrescentando que, não havia pontuação na época e na lingua que foi escrita, e que a segunda versão, ou seja a da Bíblia de Jerusalém só apresenta uma vírgula depois da palavra “digo” e antes da palavra “hoje”, que está em uma posição incorreta, e que deveria estar depois da palavra “hoje”, porque, no conjunto das Escrituras Sagradas não há fundamento para a defesa da tese da “imortalidade da alma”, etc, etc.
    Veja, a tendenciosidade para a defesa de uma tese, só depende do paradigma adotado ou inculcado na mente de cada “mestrando” ou “doutorando”.
    Assim, sendo, fica visível sua tendência (ou tendenciosidade) à defesa do “trinitarismo”; agora considerar a famosa bênção apostólica, atribuida de autoria “ipsis litteris” ao apóstolo Paulo, diante de tudo que ele escreveu relativo à Divindade, equivale a defender como sendo “original” o primeiro texto de 1João 5:7, como sendo “ipsis litteris” verdadeiro, o que NÃO É!
    Bem como defender que o texto de Lucas 23:43, esteja correto, e que a “imortalidade” da alma seja um ensino Bíblico incontestável!
    Pela sua visão, o único texto de Paulo, exarado em seu último verso da segunda carta aos cristãos de Corinto, é o que vale e ensina a doutrina da trindade, mesmo em dissonância de tudo o que Paulo escreveu!
    Tendenciosidade é pouco para classificar sua argumentação!

    1. Elias disse:

      Sobre o verso de 1João 5:7-8, nenhuma das duas versões eu faria defesa este é um dos poucos documentos bíblicos que são acréscimos. Nos documentos mais antigos tais versos não existem. Portanto tais versos para mim não existem.
      Mas poderia pensar sobre o tema, ora o tema de 1João 5:7-8, refere-se a três conceitos, Pai, Palavra, Espírito, ou três os que dão testemunho. Se os acréscimos fossem somente sobre este assunto, realmente tenderia a pensar que o tema no geral seria inclusão. Mas existem outros acréscimos, são poucos, mas sobre diversos assuntos, e se levasse em conta que alguns assuntos incluídos, são errados, um dos acréscimos fala sobre o perdão, então deveria considerar que tudo que remete a perdão deva ser falso, visto que um dos acréscimos é uma história usada largamente sobre o perdão e o amor de Cristo.
      Sobre o texto de Lucas 23:43, sabendo que no grego não tem pontuação, e a forma de fala hebraica, não há menor sentido dizer que o texto no grego esteja errado, nem que o texto fale de imortalidade. Na JARCF onde esta “digo que hoje”, o que não existe, e na BJ onde diz “eu te digo, hoje estarás”, onde se encontra a virgula não existe. O verso:

      Luk 23:43 καιG2532 CONJ ειπενG3004 V-2AAI-3S αυτωG846 P-DSM αμηνG281 HEB σοιG4771 P-2DS λεγωG3004 V-PAI-1S σημερονG4594 ADV μετG3326 PREP εμουG1473 P-1GS εσηG1510 V-FDI-2S ενG1722 PREP τωG3588 T-DSM παραδεισωG3857 N-DSM
      É melhor traduzido por “certamente eu digo neste dia irá (futuro) estar comigo no paraíso”, qualquer dicionário básico demonstra isso:
      ἔσομαι Futuro de G1510; serão (will be) : – deve (deveria) ser (ter), (deve) vir (passar), X pode ter, X cair, o que ia suceder, X viver por muito tempo, a estadia X.
      Veja portanto que não preciso da informação do contexto (,) virgula, um mero dicionário de grego remete que a palavra é direcionada ao futuro e não ao presente. Uma pessoa que pesquise corretamente achará a resposta que outros apenas deduzem, usa-se a questão da vírgula só para facilitar para os que não estudam, mas os que estudam tem conceitos muito maiores do que meras vírgulas.
      Minhas argumentações são baseadas em documentos, são baseados em dicionários, são baseados em realidades com provas físicas, basear em meras especulações e possibilidades, e nem compreender corretamente como a bíblia foi gerenciada, costuma ser fatores que levam erros. Ou seja uns bons anos de estudo detalhado do grego e do hebraico, e seus significados, além de conhecimento dos documentos mais antigos é grande favorecimento para compreensão das escrituras.
      Ou seja 1João 5:7-8 só não é original, pois se tem provas de que é uma inclusão, existem outras inclusões provadas, que não tem nada a ver com o tema em questão.

      1. Luis A. Guimaraes disse:

        Vou fazer só duas perguntas.
        1.FOI O AUTOR DA FRASE AO PARAISO NAQUELE DIA?
        2.O MALFEITOR RECEBERIA O PREMIO ANTES DA NOIVA?
        A resposta a esses duas perguntas, colocam a virgula antes ou depois do “hoje“. Pensem bem.

        1. Elias disse:

          O sr por acaso viu alguma virgula no texto grego? Se o tradutor quiz colocar uma virgula pergunte para o tradutor. Mas o texto não tem vírgula, e o texto tem a palavra que remete ao futuro a ação do que falava. Ou seja Jesus disse hoje, que no futuro (will be) ele estaria no paraíso. Se o tradutor não traduz direito, então temos que ler o que o tradutor traduz.

          1. Luis A. Guimaraes disse:

            Sr. Elyahs, digo Elias, o senhor não respondeu às minhas simples perguntas.
            Então, eu vou responder.
            Jesus não foi para o Paraíso naquele dia. Pois esteve morto e enterrado por três dias.
            Para quando é o entendimento de Jesus sobre a resurreicão dos salvos?
            É a de que Ele virá, no fim dos tempos e buscará a sua noiva, e isso inclui o ladrão.
            Então, se ele não foi para o Paraíso naquele dia de sua morte e nem o ladrão, pois o ladrão só irá juntamente com os ressurretos no final dos tempos. Onde o Sr. Colocaria a virgula do texto em questão? Só pode ser depois da palavra ‘’hoje’’. Caso contrário, a frase não se encaixa no contexto total bíblico.
            Se por acaso admitir que Jesus disse uma coisa que não fez, o senhor faz de Jesus tão somente um mentiroso. E se é ele um mentiroso, não pode nos redimir para o Pai.
            Nas suas analises textuais, o senhor fica preso às palavras de cada frase (versículo).
            Não parece ver as outras frases que trazem referencia aos textos em análise. Parece ficar completamente sem a visão periférica de todo o plano de salvação que os muitos textos bíblicos exige.
            Quando estes grandes autores dos artigos estudados nesse site fazem sua argumentação, eles demonstram um total conhecimento dos outros textos paralelos incrustados na essência de toda a escritura. Em tempo algum eles deixam se prender por uma única palavra de um único versículo sem nenhum nexo qualquer com o resto das escrituras. Parece que demonstram um grande entendimento do plano de Deus e seu filho, tanto nos versos estudados como no restante das escrituras. Estão fazendo um grande trabalho de junção de idéias totalmente brilhantes que somente uma mente Divinal poderia planejar para uma tão desmerecida criação. Eles demonstram ter o entendimento de que as escrituras, apesar de terem sido escritas por mãos humanas, foram ao mesmo tempo inspiradas pelo próprio deus através de Seu espírito.
            Acredito ser por isso a sua enorme dificuldade de se entender os pensamento e idéias expostos nos estudos deles, dos autores.
            Estamos no Brasil, por isso a exigência da vírgula. A importância da localização dela está no fato de um completo entendimento do total das escrituras e não de um texto fora de contexto. Se a colocarmos fora do lugar, ou onde quesermos, muitas frases não vão se encaixar não só no texto, como também na Bíblia.

  5. Elias disse:

    Se não provar fisicamente que “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém. 2 Coríntios 13:14, “, ele é verdadeiro. Supor falcidade por questão ideológica humana sem prova de falsidade física pode detectar um erro de entendimento, como o batismo de João que não se encontra no velho testamento. Então mediante o velho testamento temos uma doutrina nova que é o batismo por imersão, logo uma nova doutrina, com uma nova ligação e uma quebra da doutrina do ritual do santuário no que tange aos sacrifícios físicos. Portanto não é por que um verso aparece distoando de outros como o contraste de um messias sem atrativo, de outro que é a grande maioria de um messias vencedor e dominador, que o messias sem atrativo é errado. Por usar a maioria dos textos do velho testamento, os judeus não aceitaram a Jesus, ou seja seguindo o princípio que foi explicado acima, no período de Jesus, negaria que ele seria o messias, visto uma infima quantidade de texto e ainda desconexo, determina um Jesus sofrido, e não poderoso e conquistador, a grande maioria.

    1. João Maria disse:

      Então o apóstolo Paulo era relapso, e só, uma única vez, teria se referido corretamente à Divindade “trindade”.
      E, todas as outras vezes que escreveu, inclusive na conjuração que fez a Timóteo (1Timóteo 5:21), foi mais do que relapso, foi insolente, pois incluiu criaturas (anjos) e excluiu o suposto terceiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *