O Vaticano e os planos de despopulação do planeta

Parece que o Vaticano é a favor da despopulação do planeta.

O professor John Schellnhuber foi eleito como porta-voz durante a publicação do documento papal sobre a mudança climática que supostamente ocorrerá em breve.

John Schellnhuber

Schellnhuber é conhecido por ter declarado anteriormente que o planeta sofre uma superpopulação de pelo menos seis bilhões de pessoas.

Em um artigo de 2009 publicado no The New York Times, Schellnhuber, assessor de Angela Merkel e professor em Oxford, disse sobre o aquecimento global que: “Cinicamente, é um triunfo para a ciência porque finalmente vamos concluir as estimativas da capacidade de suporte do planeta, a qual deve estar abaixo de um bilhão de pessoas“.

Agora, o Vaticano está lhe dando uma plataforma para que expresse seus pontos de vista complementares com a futura encíclica papal.

Leia também: Ambientalismo Radical Pede o Auxilio do Vaticano para a Revolução “Verde”

Como estava previsto, o lançamento da encíclica sobre o aquecimento global aconteceu em 18 de junho na Cidade do Vaticano“, informa o site Breitbart. “Talvez com a exceção da encíclica de 1968 sobre a contracepção, nenhum documento do Vaticano foi saudado com tanta antecipação“.

É muito significativo que o Vaticano se alinhe ideologicamente com pessoas como o professor Schellnhuber.

Cabe destacar que Schellnhuber há algum tempo fantasia com a criação de um “Tribunal Planetário” guiado por uma nova “Constituição da Terra”, que exerça um poder sobre todas as nações e governos do mundo.

Schellnhuber defende a criação de um governo mundial com grandes poderes, centrado na luta contra a mudança climática, a qual governaria o planeta, estabelecendo praticamente uma “ditadura científica” de fato.

Leia também: Membro do Governo da Austrália: ONU usa Clima para Impor uma Nova Ordem Mundial

Como Schellnhuber afirma:

Permita-me concluir esta breve contribuição com um sonho sobre essas instituições chave que poderiam conseguir uma sofisticada (e, portanto, mais apropriada) versão da nação convencional de “governo mundial“.

A democracia global poderia organizar-se em torno de três atividades principais:

(i) Constituição da Terra

(ii) Conselho Mundial

(iii)Tribunal Planetário.


Não posso falar destas instituições em detalhes aqui, mas gostaria de indicar, pelo menos, o seguinte:

–  A Constituição da Terra transcenderia a Carta da ONU e identificaria aqueles primeiros princípios orientadores da humanidade em sua busca pela liberdade, dignidade, segurança e sustentabilidade.

– O Conselho Mundial seria uma assembleia de pessoas eleitas diretamente por todos os habitantes da terra, onde a elegibilidade não deveria ser limitada por quotas geográficas, religiosas ou culturais.

– O Tribunal Planetário seria um corpo legal transnacional aberto à apelações do mundo todo, especialmente a respeito das violações da Constituição da Terra.

Schellnhuber, em outras palavras, acredita que a criação de um governo mundial pode gerar “liberdade” para a humanidade ditando-lhe o que deve fazer através de um Tribunal Planetário guiado por uma Constituição da Terra.

Obviamente, Schellnhuber esqueceu de mencionar que seria necessário um “exército da Terra” e uma “polícia da Terra” que obrigaria todo o planeta a cumprir estas ordens.

Leia também: 32 Frases da Elite sobre Redução da População

Não se esqueça que Schellnhuber é alguém que acredita firmemente que sobram 6 bilhões de pessoas neste planeta, uma vez que, as regras deste tribunal planetário que tanto defende, poderiam determinar que “sobram pessoas e que algo deveria ser feito para reduzir a população e salvar o planeta da destruição“.

E, aparentemente, o Papa parece disposto a apoiar tais iniciativas.

Leia também: Carta Aberta de Cientistas ao Papa: Não vos Deixeis Influenciar Pelos Enganos Ambientalistas!

Em uma encíclica sem precedentes sobre o meio ambiente, espera-se que o Pontífice argumente que a exploração por parte da humanidade dos recursos do planeta tenha ultrapassado os limites naturais da Terra“, informa o The Guardian. “O mundo enfrenta a destruição se não houver uma revolução nos corações e nas mentes“.

Como vemos, há cada vez mais pessoas de alta posição que e alinham com a necessidade de reduzir a população do planeta.

E quem sabe tenham razão, mas a pergunta chave é: se sobram 6 bilhões de pessoas, o que pensam fazer com toda essa população restante? Onde a colocarão? Como pensam em reduzir a população?

Já advertimos em artigos anteriores sobre qual seria a função do Papa em relação à criação de um governo mundial.

Em alguns anos veremos até que ponto o Vaticano também apoia algum tipo de medida drástica para reduzir a população mundial…

Leia também:

Papa Francisco I, a pessoa mais perigosa do mundo e sob influência Marxista, segundo a Fox News

FONTES:

http://elrobotpescador.com/2015/06/15/el-vaticano-y-los-planes-de-despoblacion-mundial/

http://www.naturalnews.com/050075_Vatican_climate_science_world_depopulation.html

http://www.anovaordemmundial.com/2015/06/vaticano-e-os-planos-de-depopulacao-mundial.html

http://www.anovaordemmundial.com/2015/06/30-frases-da-elite-sobre-reducao-da.html

http://www.breitbart.com/big-government/2015/06/12/vatican-speaker-on-climate-thinks-there-are-6-billion-too-many-of-us/

http://www.theguardian.com/world/2015/jun/13/pope-francis-intervention-transforms-climate-change-debate

1 thought on “O Vaticano e os planos de despopulação do planeta

  1. https://larouchepac.com/20150621/free-pope-satan-schellnhuber-satanic-figure
    Leiam:

    (Tradução automática do Google)

    Fascismo verde

    Livre o Papa de Satanás! Schellnhuber é uma figura satânica!

    Durante os últimos dias, John Schellnhuber, um satanista a serviço da família real britânica, declarou-se de certo modo o Papa. Schellnhuber foi fraudulentamente introduzido nas caladas da noite para a Pontifícia Academia de Ciências, com a tarefa de explicar à opinião pública a mais recente encíclica “verde” do Papa – da qual o próprio Schellnhuber era, obviamente, o autor. Este John Schellnhuber, que é um Comandante do Império Britânico, defende abertamente, em nome do satânico família real da Grã-Bretanha, que a população mundial deve ser reduzida para apenas um bilhão de pessoas. Ele quer matar seis em cada sete de nós!

    Que a família real britânica é puramente satânica, não pode ser posto em dúvida por qualquer dos americanos patrióticos que se levantaram nos levaram contra eles na Guerra Revolucionária Americana. Nem aqueles que nos conduziram contra fantoches da Grã-Bretanha, os confederados escravos whippers, em nossa guerra civil. Era a família real britânica, que tem hora após hora assassinado nossos melhores presidentes. A realeza britânica repetida e deliberadamente massacra os irlandeses e os hindus até a morte, – mais recentemente, quando o fantoche Churchill matou de sede pelo menos três milhões de hindus durante a Segunda Guerra Mundial – ao mesmo tempo em que recusou ofertas americanas de ajuda alimentar à Índia.

    A propensão ansiosa da realeza para o assassinato em massa só aumentou durante o reinado de Elizabeth II, cujo marido repetiu manifestamente o desejo de que ele fosse reencarnado como um vírus mortal, a fim de ajudar a resolver o “problema da população.” E agora Schellnhuber, o novo candidato a Papa, apela para a morte de seis bilhões de seres humanos. Um pretenso Papa que é mil vezes pior do que Hitler, não menos.

    De fato, a temporada de assassinato em massa já se encontrava muito avançada no mundo, antes mesmo de esta atrocidade no Vaticano. Do que mais poderíamos chamar os afogamentos em massa de refugiados no Mediterrâneo, – os refugiados das guerras “R2P” de Barack Obama, ele próprio também fantoche britânico? Não só no sudeste da Ucrânia, não só no Oriente Médio, mas os Estados Unidos está sendo perseguido por assassinato em massa também.

    Agora, a presente corrupção profunda em exposição no papado cristão, se não for interrompida imediatamente, provavelmente significa a extinção antecipada da própria raça humana. Não basta pensar de seu efeito sobre os cristãos. Não se limite a recordar todos as matanças em massa nas quais cristãos confessos se comprometeram, supostamente em nome de sua fé. O horror não pára por aí. Pense também do inferno que esta fraude satânica já está provocando, agora entre os não-cristãos também.

    Sim, as atrocidades de Hitler e Mussolini, satanistas, são como nada quando comparadas com a ameaça de controle monárquico britânico sobre o papado. Se você esperar para saber mais, você vai estar morto mesmo. Livre o Papa de Satanás!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *