Ciclone interrompe conferência internacional com teólogos brasileiros em Moçambique

Teólogos trinitarianos da linha católico-adventista que participavam de um suposto congresso internacional bíblico em Moçambique, temeram pela própria vida ao perceberem as evidências do desfavor e do desagrado divina sobre o encontro.

Acostumados a perseguir e difamar a comunidade adventista leiga unitariana, que adora o único e verdadeiro Deus descrito na Bíblia tanto na América do Sul quanto na África, Alberto Timm, Wilson Paroschi, Reinaldo Siqueira, Sidionil Biazzi e Wagner Kuhn deixaram às pressas a Universidade Adventista de Moçambique, ainda no princípio da destruição causada por um ciclone que castigou a cidade da Beira, onde aconteciam as reuniões.

A maldição divina sobre o evento ficou óbvia para todos. Afinal, que razão teria Deus para retirar sua proteção e permitir que a instituição fosse severamente atingida, se ali estivesse sendo ensinada a Verdade? Homens supostamente tão sábios quanto à teoria das Escrituras abandonariam na prática seus irmãos quando estes mais precisavam de sua ajuda e apoio? Que teologia mais diabológica é essa?

Detalhes e clipping

Wagner Kuhn, um missionário tido como experiente assim descreveu o terror que experimentou nas últimas horas:

“Louvado seja Deus! Estamos gratos por estar vivos depois que um ciclone / furacão mais devastador (chamado “Idaii”) destruiu a cidade da Beira, Moçambique, onde estivemos participando de uma conferência internacional de Bíblia e missão (liderada por Alberto Timm, Wilson Paroschi, Reinaldo Siqueira, Sidionil biazzi e Wagner Kuhn-eu mesmo).

“Eu escrevo para você enquanto voo da cidade de Tete (Moçambique, para Joanesburgo (África do Sul), e depois para casa, em Michigan, EUA.

“Esta quinta-feira passada (14 de março) foi o dia mais agonizante e temeroso na minha vida, até onde eu posso lembrar! Durante várias horas durante a noite, parece que um jumbo jet-Boeing 747 vinha sobre nós para entrar no nosso edifício do hotel a chegar aos nossos quartos! Não consigo descrever os pensamentos, os sentimentos e as emoções que passaram pela mente e pelo corpo como a destruição estava alcançando tudo ao redor e aparentemente prestes a nos levar!

“O pior é que tivemos que passar por esta experiência durante toda a noite, principalmente em total escuridão, sendo completamente vulneráveis aos elementos devastadores e poderosos da natureza!

“Agradeço-vos pelas vossas orações pelo povo da Beira, Moçambique, e especialmente pela nossa Universidade Adventista lá como agora precisam reconstruir esta escola mais necessária que agora se encontra em ruínas! Por favor, pense em como você pode ajudar!”

Universidade Adventista em Moçambique é atingida por ciclone

Ciclone tropical Idai já deixou 122 mortos e deve continuar provocando fortes ventos e chuvas até domingo. Conferência Internacional de Bíblia e Missão que acontecia na Universidade foi cancelada

O impacto do ciclone tropical Idai causou pelo menos 122 mortes e deixou mais de 1 milhão pessoas afetadas em Moçambique e no Malaui desde o começo de março, informou nesta quinta-feira (14) o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha).

A Universidade Adventista de Moçambique está diretamente na rota do ciclone Idai. Ele entrou em terra firme com ventos de até 165 quilômetros por hora nesta quinta (14), perto de Beira, uma cidade portuária de 500 mil habitantes, onde a Igreja administra a instituição educacional.

Uma equipe de líderes da Igreja, liderada pelo pastor Alberto Timm, diretor associado do Ellen G. White Estate, da sede mundial adventista, realizavam a Conferência Internacional de Bíblia e Missão na universidade quando a tempestade sucedeu pela primeira vez no início da semana.

“Orem pelos membros da nossa Igreja em Moçambique, especialmente pelos membros da nossa universidade adventista em Beira”, escreveu Wilson na sua página no Facebook. Ele também pediu orações para aqueles em Moçambique e no Malawi já afetados pelo ciclone, que inicialmente entrou em terra no meio da semana, derrubando o teto de pelo menos um prédio da universidade e causando outros danos antes de seguir para o mar.

DESTRUIÇÃO

Horas antes do retorno do ciclone, o presidente da universidade, Heraldo Lopes, avaliou os danos iniciais em um vídeo publicado na página de Wilson no Facebook.

“Este é o lugar onde o telhado saiu”, contou ao mostrar um prédio de tijolos sem telhado. “Estamos orando a Deus para que nada mais aconteça com a universidade”.

Após a primeira onda da tempestade, a Conferência da Bíblia foi suspensa até nova ordem. Timm e outros líderes da Igreja, incluindo vários da sede administrativa para uma região da África e do Oceano Índico, deslocaram-se para um hotel na esperança de evitar a maré ciclônica, com ondas que devem atingir pelo menos seis metros de altura.

Após a primeira onda da tempestade, a Conferência da Bíblia foi suspensa até nova ordem. De acordo com William Timm, filho do pastor Alberto, o último contato que recebeu do pai foi por meio de uma mensagem enviada na quinta-feira (14) quando ele comentou que espera a proteção divina por conta do terrível desastre. Ele explicou que estava escondido no banheiro para se proteger e afirmou que grande parte do hotel onde estava foi destruído.

O pastor Ted Wilson reiterou seu apelo por orações por Moçambique e Malawi, bem como pela África do Sul e pelo Zimbábue, que também podem sofrer o impacto do ciclone. “Que bênção saber que estamos indo para o Céu, onde não haverá calamidades”, pontuou. “Vamos nos engajar no Envolvimento Total de Membros, ajudando as pessoas física, mental, social e espiritualmente através do poder de Cristo.”

De acordo com o Ocha, as previsões indicam que o Idai provocará fortes ventos e chuvas nas províncias moçambicanas de Zambézia, Sofala, Manica e Inhambane de hoje até domingo. Potentes ventos e intensas chuvas poderiam castigar também o leste do Zimbábue e o sul do Malawi nos próximos dias, segundo o Escritório da ONU, que informou que existe “uma resposta humanitária em andamento” para ajudar os afetados.

Fonte: http://comunhao.com.br/ciclone-mocambique/

Ciclone Devastador

Brasileiros que participavam de uma conferência bíblica em universidade adventista africana contam como foi estar no “olho do furacão” durante a passagem do Idai por Moçambique

Beira, a segunda maior cidade moçambicana, foi uma das mais devastadas pelo ciclone que provocou pelo menos 140 mortes, deixou centenas de desaparecidos e afetou cerca de 1,5 milhão de habitantes em três países do sul da África (Moçambique, Zimbábue e Malawi) na semana passada.

A passagem do Idai pela cidade portuária colocou a Universidade Adventista de Moçambique (UAM) na rota do furacão. Segundo o pastor Heraldo Lopes, brasileiro que preside a instituição no país de fala portuguesa, os ventos que atingiram até 165 km/h causaram grande destruição no campus, destelhando completamente alguns prédios.

Por isso, a Conferência Bíblica e de Missão que acontecia na universidade teve que ser cancelada e o grupo de palestrantes, deslocado para um hotel por razões de segurança. O ciclone isolou milhares de pessoas e interrompeu a comunicação de um grupo de brasileiros que haviam sido convidados para falar no evento, deixando familiares sem notícias do outro lado do Atlântico.

Pouco antes de perder o contato com a família, o pastor Alberto Timm informou ao filho, William, que precisou se proteger em um banheiro pelo fato de grande parte das instalações do hotel em que estava hospedado ter sido destruída. Foram dias de tensão e correntes de oração ao redor do mundo.

“Hoje, finalmente recebemos uma nova mensagem dele. Está bem e retornará amanhã para os Estados Unidos”, disse William à Revista Adventista no fim da tarde deste domingo.

O professor da Universidade Andrews (EUA), Wagner Kuhn, outro integrante do grupo, descreveu o dia 14 de março como um dos mais aterrorizantes da sua vida. “Parecia que um Boeing 747 estava caindo sobre o prédio do hotel. O pior foi ter que passar por essa experiência quase todo o tempo em total escuridão, estando completamente vulnerável aos poderosos e devastadores elementos da natureza”, ele escreveu na manhã deste domingo, enquanto pegava um voo de Tete, em Moçambique, para Johanesburgo, na África do Sul. “É impossível descrever os pensamentos, sentimentos e emoções que passam pela nossa mente quando a destruição está acontecendo ao nosso redor, quase ao ponto de nos atingir”, ele acrescentou.

Reconstrução

Da mesma forma que em outras regiões afetadas pelo ciclone tropical Idai, será grande a necessidade de recursos para a reconstrução da Universidade Adventista de Moçambique. A instituição já havia sido escolhida pela igreja mundial para ser uma das beneficiárias das ofertas missionárias do primeiro trimestre. No entanto, os recursos que seriam destinados para a expansão da faculdade de Nutrição talvez agora tenham que ser redirecionados para atender outras necessidades mais urgentes. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações de Andrew McChesney]

Fonte: http://www.revistaadventista.com.br/blog/2019/03/18/ciclone-devastador-2/

Boletim Urgente

Estas são ainda notícias preliminares. Nossa equipe está apurando e buscando novas informações que serão transmitidas assim que confirmadas.

O Presidente Mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia, o Pastor Ted Wilson e a Rede de Notícias Adventista publicaram na noite desta quarta-feira (14 de Março) um boletim especial destacando o desastre natural ocorrido em Moçambique causado pelo Ciclone “Idai”.

O ciclone atingiu a região de Beira, que possui cerca de 500.000 habitantes e onde está localizada a Universidade Adventista de Moçambique. Os ventos atingiram a velocidade de 165 kilômetros por hora.

Uma equipe de líderes da igreja liderada pelo Dr. Alberto Timm, diretor associado do Centro de Estudos Ellen G. White da Associação Geral, estava apresentando uma Conferência Internacional da Bíblia e Missão na universidade quando a tempestade ocorreu pela primeira vez no início da semana.

Após a primeira onda da tempestade, a conferência foi suspensa até novo aviso. Timm e outros líderes da Igreja, incluindo vários da Divisão Sul-Africana-Oceano Índico, se mudaram para um hotel na esperança de evitar tempestades e chuvas torrenciais com inundações que devem atingir pelo menos 6 metros de altura.

“Eles ficaram no segundo e terceiro andares, escondidos nos banheiros, onde provavelmente são o lugar mais seguro”, disse o Presidente Ted Wilson, que está em contato com Timm e sua esposa, Marly, que está nos Estados Unidos.

Pedimos a todos que orem a Deus e intercedam em favor de nossos amigos e pastores que ainda estão presentes em Moçambique em situação de tamanha adversidade.

Link da Matéria Original (Em Inglês)
http://bit.ly/2Hy3CXn

Link do Post do Pastor e Presidente Mundial da Igreja Adventista, Pr. Ted Wilson.
http://bit.ly/2UD2Rjq

Jornalismo IASD News / ADVENTIST NEWS NETWORK
(Imagens: NASA/DSA/Southern University/Google)

3 comentários em “Ciclone interrompe conferência internacional com teólogos brasileiros em Moçambique”

  1. “Teólogos trinitarianos da linha católico-adventista que participavam de um suposto congresso internacional bíblico em Moçambique, temeram pela própria vida ao perceberem as evidências do desfavor e do desagrado divina sobre o encontro. Acostumados a perseguir e difamar a comunidade adventista leiga unitariana…” Já não basta vcs criticarem, acreditarem em terra plana, ainda vem com essa de suposto congresso, linha católico-adventista e desagrado divino? estão parecendo a esquerda brasileira que se aproveitou da tragédia em Suzano para fazer política. Não passou pela sua mente a possibilidade de ser uma manifestação satânica para impedir a evangelização em Moçambique?

      1. Isso não resta dúvida, mas o inimigo anda ao redor, como um leão. Não esqueça que Satanás tem poder (mesmo que infinitamente inferior ao de Deus); ele tem agido para destruir e atrapalhar a obra de Deus. Quem garante não ter sido atuação dele em Moçambique? Vcs tem que tomar cuidado ao acusar pastores e irmãos… todos são pecadores, mas nem todos são mal intencionados!

Deixe uma resposta