O Informante: Canal do Youtube atualiza informações bíblicas sobre o Apocalipse

Estamos nos dias finais. Não é sábio imaginarmos que, somente no futuro, as profecias apocalípticas serão cumpridas e então viveremos tempos difíceis. O fim não está próximo, como se faltassem alguns anos ou décadas. O fim já começou, como demonstram os vídeos do canal “O Informante”, no YouTube, os quais atualizam informações sobre os capítulos finais do Apocalipse, cujo cumprimento ocorre muito rapidamente em vários pontos do planeta.

Perceba no vídeo acima que, segundo os maçons, a guerra final, que destruirá a confiança na religião, será contra judeus (sabatistas). A falsa perseguição que ora acontece é contra “cristãos” guardadores do domingo. Essa perseguição antecede à chegada do falso Cristo, na contrafação final. A catedral de Notre Dame, com sua arquitetura sinistra, representa o catolicismo de Apocalipse 18, com suas aves e animais imundos, que se aliou com os reis e comerciantes da terra para sua reconstrução.

Demência digital

Monitoramente e controle total

Controle da percepção para o controle total

Reflita sobre o controle mundial sobre o conteúdo recebido pelos adventistas, através de sua literatura, nas revistas e livros, púlpitos, salas de aulas nas escolas e colégios, além das postagens de conteúdo na internet, com rejeição das reflexões e conteúdos alternativos de sites como o www.adventistas.com e outros. “Kakistocracia” adventista.

A “Ciência” se multiplicará… — 1

A “Ciência” se multiplicará… — 2

“Imagens” da Besta…

E o Papa?

Israel se prepara para a chegada do Falso Cristo

3 thoughts on “O Informante: Canal do Youtube atualiza informações bíblicas sobre o Apocalipse

  1. E ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado. Daniel 8:14
    A “purificação do santuário” – Então no mês sétimo, aos dez do mês, farás passar a trombeta do jubileu; no dia da expiação fareis passar a trombeta por toda a vossa terra, Levítico 25:9
    Quais eram os acontecimentos que determinavam o início e o fim desse cerimonial ?
    Dois animais trazidos; um era para o sacrifício e ao termino da cerimônia, o Sumo Sacerdote encerrava o processo (que era todo ele um processo de “transferência” – o pecador transferia p/ o animal ofertado, os seus pecados; o Sacerdote transferia para o Tabernáculo os pecados dos ofertantes) transferindo (impondo as mãos sobre a cabeça) para o “bode emissário”, que era levado para o deserto e preso, sem água e comida, e lá morria.
    Esse processo era uma representação (simbologia) do real processo para a purificação dos pecados de todos os arrependidos.
    Houve no passado, estudiosos que entenderam esse real processo, porém se esqueceram o ato que demarca o início desse sistema do perdão, e, portanto não levaram em conta que o início do perdão foi com o sacrifício do Cordeiro de Deus que tira o pecado do Mundo.
    Assim como o dia do Juízo, o dia do Perdão, o dia da Expiação, simbolicamente começava com a morte do “expiatório” e terminava com o “emissário” sendo levado ao deserto; podemos entender o Plano da Redenção, que tem o real processo, desde a morte expiatória até o responsável por todos os pecados sendo preso nesta terra, deserta, por 1000 anos, conforme Apocalípse 20.
    Isto significa que o início do milênio irá acontecer daqui a 281 anos?
    Certamente que não! Pois, há uma defasagem na contagem do tempo, segundo estudiosos, entre 3 e 5 anos.
    Além disso, a profecia de Daniel 8:14, não diz que será exatamente ou depois de 2300 (anos); mas diz: … até 2300…, isto quer dizer: antes de …, ou qualquer tempo até 2300 (aproximadamente).
    Há uma outra tese que refere-se ao pecado como dominando a terra por um período de 6000 anos (EGW, em muitos de seus escritos fez essa referência).
    Creio nessa hipótese, pois faz todo o sentido, completando com o descanso sabático da terra relatado em Apocalípse 20.
    Considerando que existe um povo, chamado de “povo de Deus”, os descendentes étnicos de Abraão, muito ciosos, inclusive em termos de contagem de tempo, embora creia que possa haver também algum erro na contagem do tempo que eles tem em seu calendário, não creio que seja um erro muito relevante, e, eles tem a contagem de tempo, para hoje, 2019, como sendo 5779; portanto estaria faltando 221 anos para completar o tempo.
    Assim teríamos 281, ou 221, ou qualquer quantidade de tempo, próximo disso, consideradas as possibilidades de erros de calendários, portanto qualquer tempo … até…, dentro de…, aproximadamente uns 2 séculos para se completar o tempo.

    1. Em relação ao calendário judaico, é importante saber que mestres judeus daquele tempo fizeram alterações no calendário para mudar a história de modo que Jesus não fosse considerado o Messias de Israel e assim encaixaram as falsas pretensões messiânicas de Bar Kokhbah como um messias dos pobres. “Este foi o seu maior erro de todos, pois há muitas provas históricas dos 207 anos de duração do império Medo-Persa. Ambas as fontes Grego e Romano, dão amplos detalhes. Segundo alguns cronologistas bíblicos, além dos 155 anos deliberadamente cortados por Yose ben Halafta, também o Seder Olam Rabbah errou em outros detalhes menores, o que acrescenta ainda mais alguns anos perdidos nessa conta, podendo chegar, segundo alguns estudiosos afirmam, a um total de quase 240 anos perdidos.” Leia mais em: http://dcvcorp.com.br/?p=3710 e https://www.amazon.com/Jewish-History-Conflict-Discrepancy-Conventional/dp/1568219709 .

    2. Em relação ao calendário judaico, é importante saber que mestres judeus daquele tempo fizeram alterações no calendário para mudar a história de modo que Jesus não fosse considerado o Messias de Israel e assim encaixaram as falsas pretensões messiânicas de Bar Kokhbah como um messias dos pobres. “Este foi o seu maior erro de todos, pois há muitas provas históricas dos 207 anos de duração do império Medo-Persa. Ambas as fontes Grego e Romano, dão amplos detalhes. Segundo alguns cronologistas bíblicos, além dos 155 anos deliberadamente cortados por Yose ben Halafta, também o Seder Olam Rabbah errou em outros detalhes menores, o que acrescenta ainda mais alguns anos perdidos nessa conta, podendo chegar, segundo alguns estudiosos afirmam, a um total de quase 240 anos perdidos.” Leia mais em: http://dcvcorp.com.br/?p=3710 e https://www.amazon.com/Jewish-History-Conflict-Discrepancy-Conventional/dp/1568219709 .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *