Representante da IASD participou do fórum político-econômico-religioso do G20

O pastor adventista (ou jesuíta infiltrado?) Ganoune Diop e outros líderes ecumênicos estiveram reunidos no Fórum Inter-Religioso no do G20 neste mês de junho em Kyoto, Japão. Entre os tópicos em discussão, destaque para a natureza humana diante da inteligência artificial, armas robóticas e dados pessoais armazenados… O enfoque evidencia que a perseguição final está próxima! E como você vê no vídeo, nosso representante denominacional junto de outros líderes ecumênicos se juntaram aos poderosos e mercadores para agir em parceria com a Babilônia espiritual.

Veja mais em:

Fórum Inter-religioso do G20: Unidade global necessária para lidar com questões mundiais

9 DE JULHO DE 2019

Representantes de vários grupos religiosos, organizações sem fins lucrativos e ex-líderes políticos discutiram questões de paz, bem-estar, meio ambiente e outras questões globais durante o Fórum Inter-religioso do G20 no Japão em 2019 nos dias 8 e 9 de junho, com oradores de destaque, incluindo o ex-primeiro-ministro britânico David Cameron, ex-Nova Zelândia Primeiro ministro John Key e ex-primeiro ministro irlandês Enda Kenny.

Os principais organizadores do fórum, que tiveram audiências de 4.000 e 34 palestrantes ao longo dos dois dias, foram o Suporte Mundial ao Desenvolvimento (WSD), a Associação Inter-religiosa do Fórum G20, o Diálogo Mundial de Desenvolvimento das Fés (DQA) e o Rei Abdullah bin Abdulaziz International Centro de Diálogo Inter-Religioso e Intercultural (KAICIID), sob os auspícios da União Interparlamentar e do Ministério de Relações Exteriores.

Os organizadores apresentaram recomendações de políticas baseadas em suas discussões para os líderes do G20, que se reuniram em Osaka nos dias 28 e 29 de junho para discutir questões globais.

O fórum de 2019 foi o sexto, oferecendo uma plataforma anual em que uma rede de instituições e iniciativas religiosamente engajadas nas agendas globais, notadamente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Desde 2014, o Fórum Inter-religioso do G20 é realizado todos os anos nos países anfitriões da cúpula do G20, emitindo recomendações políticas para instar os líderes do G20 a tomarem medidas.

O presidente do WSD Haruhisa Handa abriu o fórum deste ano, realizado no Hotel New Otani Makuhari, na província de Chiba, em 8 de junho, enfatizando a necessidade de incluir vozes religiosas no contexto de paz e prosperidade mundial.

“Os líderes do G20 não podem ignorar os líderes religiosos, pois 84% ​​da população mundial é afiliada religiosa”, disse Handa, referindo-se aos estudos demográficos publicados em dezembro de 2012 pelo Fórum de Religião e Vida Pública do Centro de Pesquisa Pew.

Os comentários de abertura de Handa foram seguidos por cumprimentos de outros líderes, incluindo a diretora executiva da DQA Katherine Marshall, a secretária geral do KAICIID, Faisal bin Abdulrahman bin Muaammar e Cole Durham, diretor fundador do Centro Internacional de Estudos de Direito e Religião da Universidade Brigham Young e presidente do G20. Fórum Inter-religioso.

Após as observações, a primeira sessão, “Por que podemos esperar: paz, pessoas e planeta”, começou com observações de Cameron, que argumentou que a política deveria tratar e corrigir a segregação econômica e social.

Ameaças que a humanidade está enfrentando, como a pobreza, basicamente não mudaram com o tempo, e o mundo deve se unir para enfrentar esses problemas, comentou ele, acrescentando que a unidade mundial está se fortalecendo à medida que o G20 e outras plataformas promovem a cooperação internacional.

“É importante que os países cooperem entre si. O diálogo é importante, mas precisamos de ações concretas ”, afirmou.

Cameron então enfatizou a importância do crescimento econômico, dizendo que a Grã-Bretanha alcançou crescimento durante seu mandato, criando emprego. Erradicar a pobreza, garantir o acesso à água potável e fazer outras coisas pelos países pobres exige dinheiro e, portanto, é necessária a liderança dos países ricos.

Após o discurso de Cameron, foi realizado um painel de discussão com Cameron, Kenny, Key e Graca Machel, uma defensora de mulheres e crianças. Machel também é viúva do presidente sul-africano Nelson Mandela e do presidente moçambicano Samora Machel.

Em relação aos refugiados, Machel argumentou que 85% dos refugiados no mundo fogem para países em desenvolvimento e a escala do movimento de refugiados está aumentando. Ela descartou uma alegação de que os refugiados aumentam o terrorismo, uma vez que isso decorre em parte de vozes irresponsáveis ​​em sites de redes sociais.

Key ecoou Machel, pois existem muitos tipos diferentes de terroristas, observando que o tiroteio na mesquita de março em Christchurch, na Nova Zelândia, não foi perpetrado por refugiados. Os países devem manter programas adequados para aceitar refugiados, disse ele.

Referindo-se aos ODS, Cameron disse que contribuiu para a criação do Objetivo 16, que promove sociedades justas, pacíficas e inclusivas, no processo de criação dos ODS – sucessores dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – porque a justiça é essencial para a tomada de medidas sustentáveis ​​para enfrentar pobreza.

A segunda sessão, “Agendas de ação: testando idéias com experiência das realidades de campo”, começou com uma saudação de Koichi Hagiuda, secretário-geral executivo interino do Partido Democrata Liberal.

“Os japoneses vivem suas vidas acalentando a paz”, disse Hagiuda, que leu uma mensagem do primeiro-ministro Shinzo Abe. “Acredito na importância do Fórum Inter-religioso do G20 no Japão 2019 e tenho grandes expectativas por sua influência positiva.”

Seguiu-se um painel de discussão, moderado pelo ex-arcebispo de Canterbury, George Carey. Os participantes do painel foram Gerrit Gong, do Quórum dos Doze Apóstolos da Igreja dos Santos dos Últimos Dias; Bispo Emérito de Oslo Gunnar Stalsett; Denise Coghlan, do Serviço Jesuíta aos Refugiados no Camboja e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz; Consultor sênior do KAICIID Mohammed Abu-Nimer; Ganoune Diop, diretor de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa, da Igreja Adventista do Sétimo Dia; e Presidente da Associação Adventista de Desenvolvimento e Socorro Jonathan Duffy.

Gong discutiu a importância da preservação ambiental citando o falecido imperador Showa: “Por que não tenho visto borboletas ultimamente?” Ele também observou voluntários locais nos esforços do Haiti para plantar 25.000 árvores, enfatizando a necessidade de iniciar mais atividades desse tipo. Stalsett falou sobre movimentos que buscam garantir direitos iguais para todos os grupos étnicos em Mianmar.

Coghlan se concentrou nos jovens, pedindo a erradicação do tráfico de pessoas. “Trabalho escravo e tráfico de seres humanos são crimes contra a humanidade”, disse ela. Abu-Nimer enfatizou a necessidade de entender e aceitar diferenças e observou que o diálogo é essencial.

Diop alertou que ainda há muitas crianças deslocadas de suas casas devido a guerra e violência, enquanto Duffy pediu uma melhor representação dos direitos da criança.

Em 9 de junho, o tema da primeira sessão foi “Ideias para Ação”. Marshall, da DQA, cumprimentou o público antes dos discursos de Machel e Key.

Machel focou na importância da educação para crianças e na necessidade de fornecer educação para crianças refugiadas.

Ela apontou que 91% das crianças do ensino fundamental não refugiadas do mundo frequentam a escola, enquanto apenas metade das crianças refugiadas freqüenta a escola, referindo-se às estatísticas do UNICEF e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

“As crianças refugiadas merecem cuidados mentais e físicos”, disse Machel, acrescentando que as refugiadas grávidas e que também têm filhos precisam de nutrição adequada, pois os primeiros mil dias são críticos para que os bebês tenham corpos saudáveis.

“Devemos exigir que governos, organizações não-governamentais e a sociedade contribuam para a educação dos refugiados”, disse ela.

Ela também enfatizou a importância da transição do ensino fundamental para o secundário para refugiados, referindo-se às estatísticas do ACNUR que mostram que apenas 23% das crianças refugiadas frequentam escolas secundárias.

Ela citou o principal mantra dos ODS, “Não deixe ninguém para trás”, e instou a comunidade internacional a agir.

A Key da Nova Zelândia levantou esperanças de que é “a natureza humana que queremos ajudar”, referindo-se a doações e voluntários após os terremotos e tsunami no Japão após o Grande Terremoto e Tsunami no Japão no leste de março de 2011 e ajuda semelhante oferecida a outros países após desastres.

“Espero que seja da natureza humana ajudar as pessoas”, disse ele.

Ele também mencionou que é da natureza humana perdoar, referindo-se a sua reflexão após suas viagens ao Parque da Paz de Hiroshima.

Key voltou-se para as realizações feitas em termos de ODS nos últimos anos. O acesso à água limpa melhorou, a pobreza diminuiu e a educação melhorou drasticamente, disse ele.

“Sim, temos grandes preocupações, mas o mais importante, temos esperança”, disse ele.

O painel de discussão a seguir, moderado pela assessora sênior do Fundo de População da ONU, Azza Karam, foi acompanhado por Ishmael Noko, ex-secretário geral da Federação Luterana Mundial; Audrey Kitagawa, presidente do Parlamento das Religiões do Mundo; O conselheiro geral da Agência para o Desenvolvimento Internacional dos EUA, David Moore; e Joshtrom Isaac Kureethadam, diretor do Departamento de Ecologia, Dicastério do Vaticano para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral.

Noko expressou gratidão pelo sucesso do fórum e sentiu o “nascimento de uma nova comunidade”. Kitagawa enfatizou que a plataforma de diálogo é “extremamente importante” e disse que se beneficiou das “conexões de coração para coração”.

Moore enfatizou o significado do papel da religião, enquanto Kureethadam lembrou à platéia que pensasse nos mais pobres e fracos primeiro.

A próxima sessão, cujo tema era “Rumo a 2020”, começou com um discurso de Kenny, da Irlanda.

“Nos últimos dois dias, (tivemos) tantas discussões, (e compartilhamos) experiências e (muita) sabedoria”, disse Kenny. Referindo-se a várias realidades duras discutidas como refugiados e pobreza, ele gritou para a platéia: “Nós nos importamos? Sim nós fazemos.”

Ele então destacou a Irlanda como um país pequeno e imigrante. “Temos cinco ou seis nacionalidades diferentes nas salas de aula” na escola, disse ele, acrescentando que os imigrantes são a fonte da prosperidade da Irlanda. Além disso, ele observou que as igrejas e o estado trabalham bem juntos na Irlanda.

Reconhecendo que os líderes políticos têm ajudado a resolver problemas globais, ele admitiu que os problemas não são fáceis de resolver completamente.

“Não devemos ter medo. Espero que possamos ir de força em força ”, disse ele.

O painel de discussão a seguir foi acompanhado por Juan Navarro Floria, professor de direito, Pontificia Universidad Catolica; Vice-secretário geral do KAICIID, Álvaro Albacete; a Academia Maharashtra de Ensino e Pesquisa em Engenharia, o Instituto Maharashtra de Tecnologia e o Presidente Executivo da Universidade da Paz Mundial Rahul Karad; e Kim Tran, um membro central das sextas-feiras para o futuro Japão. Eles também discutiram várias questões e medidas globais para melhorar diferentes situações.

A sessão final, “Plenária de encerramento”, começou com um painel de discussão entre Katsuei Hirasawa, ex-ministro de Estado do Gabinete; Muaammar; Osama Al Azhari, da União Interparlamentar; e Jan Figel, enviado especial para a Promoção da Liberdade de Religião ou Crença Fora da União Européia, Comissão Européia.

Hirasawa, ex-funcionário da Agência Nacional de Polícia, argumentou contra a noção de que um aumento de estrangeiros leva a um aumento do crime. Ele também disse que o objetivo da recente revisão da lei de controle de imigração é gerenciar adequadamente os residentes estrangeiros para proteger seus direitos.

Ao concluir, Handa mencionou que ninguém havia realmente discutido o xintoísmo e explicou que o Japão “divide o sagrado e o secular e os faz coexistir”.

Durham agradeceu especialmente a muitos participantes do fórum.

O G20 Interfaith Forum Japan 2019 é um dos muitos simpósios internacionais realizados pela WSD. Em março do ano passado, a WSD realizou a quarta Cúpula de Líderes de Opinião Global, na qual o ex-presidente dos EUA Barack Obama falou sobre desnuclearização e paz mundial, em Tóquio. Nos simpósios anteriores, o WSD viu a participação do ex-presidente dos EUA Bill Clinton, ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, entre outros ex-líderes políticos mundiais.

A WSD também está envolvida em atividades de erradicação da Aids no Lesoto e apóia orfanatos e realiza outras atividades filantrópicas nos países em desenvolvimento.

Handa está envolvido em atividades em muitos outros campos; ele é presidente da Fundação Internacional de Artes e Cultura, da Tokyo Art Foundation e da International Sports Promotion Society.

Repartição das propostas políticas
• Comprometer-se a trabalhar pela paz em colaboração com atores religiosos, com uma nova estrutura de papéis religiosos em conflito e polarização.

• Concentre-se de maneira acentuada e explícita nas necessidades das crianças e dedique recursos vitais para atender a essas necessidades.

• Colocar recursos por trás das promessas de proteção do planeta, concentrando-se principalmente nas florestas tropicais em parceria com atores religiosos, ingênuos e locais.

• Reforçar as ações para fortalecer o estado de direito e a proteção dos direitos humanos, com ênfase especial na liberdade de religião ou crença e ação para combater a corrupção.

• Iniciar e se comprometer com medidas globais e nacionais para combater o tráfico e a escravidão moderna como parte da prioridade de longo prazo do G20.

Esperanças de compartilhar o xintoísmo como base para a convivência religiosa
É significativo que o Fórum Inter-religioso do G20 Japão 2019 tenha sido realizado no Japão porque os japoneses têm as qualificações para se tornarem líderes religiosos mundiais, disse Haruhisa Handa, presidente do Suporte Mundial para o Desenvolvimento (WSD).

Presidente Mundial do Suporte ao Desenvolvimento Haruhisa Handa | WSD
Presidente Mundial do Suporte ao Desenvolvimento Haruhisa Handa | WSD
“Os japoneses devem ser líderes religiosos no mundo, porque somos muito generosos e dispostos a aceitar o que é bom”, disse Handa durante uma entrevista coletiva após o fórum.

Foi o sexto Fórum Inter-religioso do G20, que oferece uma plataforma anual em que uma rede de instituições e iniciativas religiosamente ligadas se engaja em agendas globais. Desde 2014, o fórum é realizado anualmente no país onde foram realizadas as cúpulas do G20.

Handa espera que o fórum no Japão seja uma oportunidade para o mundo aprender a singularidade do xintoísmo, a base da característica japonesa que permite que várias religiões coexistam em harmonia.

A diretora executiva do Diálogo Mundial para o Desenvolvimento das Fés, Katherine Marshall, pediu a Handa que coorganizasse o fórum do Japão “duas ou três vezes”, disse Handa, acrescentando que achava que teria que “fazer isso pelo Japão”.

O fórum teve muitos convidados de destaque, incluindo aqueles com quem Handa tem conexões pessoais, como o ex-primeiro ministro da Nova Zelândia John Key e o ex-primeiro ministro irlandês Enda Kenny, ambos patronos do WSD.

Eles compartilham uma conexão com o ex-primeiro ministro britânico David Cameron, outro convidado importante do fórum, que serviu como líder de seu país na mesma época que os outros dois.

Handa gosta de jogar golfe com muitos líderes, incluindo Key e Kenny, que são patrocinadores e embaixadores globais da International Sports Promotion Society (ISPS), uma instituição de caridade esportiva fundada por Handa.

Fonte: https://www.japantimes.co.jp/2019/07/09/special-supplements/global-unity-necessary-tackling-worldwide-issues/#.Xt7sMDpKjcc

PALESTRA DE GANOUNE DIOP
Título: Um consenso sobreposto à ética global: o imperativo moral de promover a vida e proteger as crianças

Um breve lembrete para fornecer a esta apresentação um contexto.

O Pacto Global da ONU é um pacto não vinculativo que incentiva as empresas em todo o mundo a adotar políticas sustentáveis ​​e socialmente responsáveis ​​e a informar sobre sua implementação.

As áreas abordadas são direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção.

É sabido que os dez princípios do Pacto Global das Nações Unidas são derivados da Declaração Universal dos Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho, da Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento e da Convenção das Nações Unidas. Contra a corrupção.

Os dois primeiros princípios do pacto global da ONU estão no domínio dos direitos humanos.

Princípio 1: As empresas devem apoiar e respeitar a proteção dos direitos humanos proclamados internacionalmente; e

Princípio 2: certifique-se de que não sejam cúmplices de violações dos direitos humanos.

Esta apresentação se concentrará nesses dois primeiros princípios, relacionados aos direitos humanos e, em particular, aos direitos da criança. Em 2019, comemoramos o 30º aniversário da convenção sobre os Direitos da Criança.

Olhando para o nosso tópico através das lentes do momento decisivo em nossa história global, pode ser útil para o nosso propósito observar o seguinte.

Os tratados mais famosos da história global foram ratificados após tempos horríveis de destruição.

1. 1648, o Tratado de Paz da Vestfália, após cerca de 8 milhões de mortos em guerras religiosas.

2. 1918, o Tratado de Versalhes, que terminou a Primeira Guerra Mundial, após a morte de cerca de 16 milhões de pessoas.

3. 1948 a declaração Universal dos direitos humanos após a Segunda Guerra Mundial e após a morte estimada de 60 milhões de pessoas.

Não precisamos de outra guerra devastadora para criar outro tratado, declaração, convenção.

Isso significa que é necessário ser proativo para mobilizar líderes religiosos, atores religiosos e todas as pessoas de boa vontade, que levam a sério o ser humano e o ser humano.

Há uma necessidade urgente de estabelecer deliberadamente estratégias de comunicação e educação para compartilhar com todas as pessoas em todos os lugares um amor pela vida e não pela morte.

Isso significa concretamente adotar, adotar um estilo de vida global caracterizado pelo seguinte:

1. Um respeito por toda a vida

2. Uma global adota uma cultura de não-violência

3. Uma cultura de solidariedade e uma ordem econômica justa

4. Uma cultura de tolerância e uma vida de veracidade

5. Uma cultura de igualdade de direitos e parceria

6. Uma cultura global de liberdade de religião ou crença. O bem comum é de fato uma liberdade composta. Pressupõe liberdade de pensamento, liberdade de consciência e liberdade de escolha. Isso se traduz em liberdade de expressão, associação e reunião. Do ponto de vista social, é também liberdade da violência, liberdade de ser prejudicado, magoado ou humilhado. É a liberdade de ser infligida dor. É a liberdade de ser discriminado, criminalizado, perseguido porque se acredita de maneira diferente.

7. Uma cultura global na qual a liberdade de consciência é protegida. A consciência é um espaço sagrado, um santuário interior nas profundezas da pessoa humana, o centro das deliberações e decisões morais.

8. Uma cultura global de paz e o direito à paz precisam das parcerias de todos os adeptos de religiões e filosofias da vida, de acordo com nossos valores mais profundos refletidos em nossas tradições orais e escritas: respeito e promoção criativa da vida, compaixão e perdão, boas-vindas e prática de hospitalidade com o migrante, a pessoa deslocada e o refugiado, a não-violência e a inofensividade, a fé, a solidariedade em nossa humanidade comum, o respeito por todas as pessoas, a liberdade de consciência e o amor.

Essas são expressões de imperativos religiosos e morais que o mundo precisa desesperadamente hoje.

Por que agir agora?

Em 2017, cerca de 65,6 milhões de pessoas foram deslocadas de suas casas. Um grande número deles – quase 50% – eram crianças e jovens.

A dignidade dos migrantes é cada vez mais desafiada em um mundo em que o tribalismo, o etnocentrismo, o nacionalismo, o racismo, a intolerância religiosa (incluindo restrições do governo e hostilidade popular ao direito à liberdade de religião ou crença) são difundidos.

Os deslocamentos induzidos pelo clima geram movimentos maciços e sem precedentes de pessoas em busca de ambientes clementinos. A estes se acrescenta o flagelo do tráfico de pessoas, uma das piores formas de tratar os seres humanos como objetos ou mercadorias. Os horrores do tráfico de órgãos vão contra o que é a verdadeira humanidade.

Não é apenas uma negação da dignidade, mas uma denegrição do direito à vida de outras pessoas.

Estar em uma situação de vulnerabilidade nunca significa ter uma dignidade humana diminuída. Esta é uma base para imperativos religiosos e morais.

Pois se a vulnerabilidade é uma indicação de falta de dignidade, as crianças não seriam associadas à dignidade. Um pensamento que seria sacrílego no sentido etimológico de roubar o que pertence à divindade.

Os seres humanos são várias tradições religiosas e seculares são sagradas. Eles são chamados de templos do Espírito Santo. As crianças também são sagradas. Eles devem ser considerados como totalmente humanos.

Hoje vai além da decência pensar no destino de milhões de crianças sujeitas a violência, abusos, tráfico. Esta realidade atual abjeta ofende profundamente nossa humanidade.

Atravessa as fronteiras do nosso senso de moralidade quando as crianças, as mais vulneráveis ​​da família humana, são violadas em sua integridade e dignidade, traficadas, transformadas em descartáveis ​​e assassinadas.

De acordo com um projeto de resolução focado na eliminação de todas as formas de violência contra crianças, mostra que atualmente cerca de 2 milhões de crianças podem ser mortas pela violência a partir de agora até 2030.

“Hoje, quase 50 milhões de crianças migraram para além das fronteiras ou foram deslocadas à força. Todos os dias e em todas as regiões, essas crianças enfrentam uma variedade de violações de direitos, desde exploração e violência até separação de suas famílias, detidas por causa de seu status migratório e privadas de proteções e serviços essenciais. Esses abusos constituem uma grave crise de direitos humanos. ”

O Pacto Global precisa integrar profundamente e realizar ações em nome das crianças

2019 marca o 30º aniversário da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança e o 60º aniversário da Declaração dos Direitos da Criança.

A causa raiz de todos esses males catastróficos é a legitimação da violência.

Nas sociedades arcaicas, a violência fazia parte das ferramentas de comunicação para instilar medo em quem desafiasse seu status quo.

No mundo greco-romano, a violência fazia parte do culto ao imperador. Pode-se pensar no munera, entre o qual os gladiadores lutam, mas também nas execuções do meio-dia, declarando inequivocamente que a brutalidade é um sinal do poder do imperador.

Foi necessário o advento do mundo moderno para deslegitimar a violência pública. O público não tem mais acesso a execuções públicas, exceto nos últimos anos em que grupos terroristas encenam suas ideologias nefastas.

Veja meu artigo “Religiões e imperativos morais na ética global em um momento de mobilidade de massa sem precedentes.

As crianças não devem ser vítimas de qualquer forma de violência.

Toda criança deve ter a oportunidade de se desenvolver verdadeiramente fisicamente, mentalmente, moralmente, espiritualmente e socialmente em um ambiente saudável e em condições de liberdade e dignidade.

As comunidades religiosas têm autoridade moral para contestar a violência contra crianças, especialmente quando justificada e tolerada em nome da religião, mas também de maneira mais geral.

A comunidade global deve explorar e agir para proteger as crianças e traduzir seu compromisso de acabar com a violência contra as crianças na realidade de paz para as crianças.

As crianças têm o direito de estar em segurança e em paz.

Atualmente, milhões deles experimentam medos e abrigam traumas de vários tipos.

Cuidar de crianças vítimas de situações de deslocamento, tráfico de pessoas e pobreza é uma responsabilidade moral.

Esta questão deve pertencer centralmente às agendas do G20.

Sem abordar essas questões urgentes para as crianças, é improvável que a Agenda 2030 seja alcançada.

Assim, o 30º aniversário da CDC é uma oportunidade de fazer um balanço, comemorar e renovar o compromisso com a realização dos direitos da criança.

Apesar do registro abismal de violência e crueldade na história humana em termos de atos desumanos de guerras, conquistas, ocupações, subjugação, atropelamento da dignidade humana e abusos dos direitos das pessoas, tráfico de seres humanos, tráfico de órgãos e outros inúmeros atos horríveis, existe uma profunda intuição de que o melhor da experiência humana é trabalhar para o melhor da condição humana. Essa intuição funcionou como um fundamento moral aceito subjacente.

O teste para nossa determinação de construir um mundo mais humano e humano mostra significativamente como tratamos crianças ou permitimos que elas sejam tratadas hoje.

O pulso de nossos imperativos morais é medido em como nós, como família humana, tratamos nossos mais vulneráveis: crianças.

O que vamos fazer para não permitir que as crianças sejam esquecidas e abandonadas a predadores religiosos e seculares?

O que estamos fazendo para não permitir que pessoas depravadas desumanizem as crianças e abusem sexualmente de sua integridade física, emocional, social e religiosa?

O que vamos instar líderes mundiais, políticos, formuladores de políticas, empresários, líderes religiosos e todos os tomadores de decisão a considerar, discutir e reverter criativamente o caminho da morte e destruição das vidas dos pequenos, crianças.

A atual crise global de significado não deve nos intimidar. O milagre da consciência e o dom da consciência valem a jornada juntos para promover, vida, sustentar a vida e melhores condições de vida de bilhões de pessoas em nosso planeta.

Trabalhamos para um movimento global com um mandato humanizador.

Pois quando as pessoas vivem de acordo com seu destino autêntico de serem humanas e humanas, as crianças estão seguras, seus pais estão seguros, seus vizinhos estão seguros e o mundo é mais seguro. A paz terá então a chance de existir.

Fonte: https://g20-interfaith-forum-2019-kyoto.net/abstract_en.cgi?id=S13

Acesse também:

https://porta23.blogosfera.uol.com.br/2019/06/29/g20-japao-propoe-que-governanca-mundial-de-dados-seja-prioridade/

https://www.deseret.com/2019/6/8/20675601/the-relationship-between-faith-groups-and-government-leaders-is-broken-here-s-why#elder-gerrit-w-gong-of-the-quorum-of-the-twelve-apostles-of-the-church-of-jesus-christ-of-latter-day-saints-center-left-is-surrounded-by-attendees-after-a-session-during-the-g20-interfaith-forum-in-chiba-japan-on-saturday-june-8-2019

https://g20-interfaith-forum-2019-kyoto.net/

https://www.g20interfaith.org/speakers/

Deixe uma resposta