Caso de perseguição no México ilustra o que poderá acontecer com indígenas adventistas depois do Sínodo amazônico

Família indígena cristã refugia-se nas montanhas após expulsão de sua casa no México

Oito filhos e o avô de 87 anos bebem água da chuva e do orvalho que coletam.

15 de agosto de 2019. Por Correspondente no México

Pastor Mario Choj visita a família Pérez em Mitontic, Chiapas, México. (Morning Star News foto cortesia de Federico Sarao)

MIAMI (Morning Star News) – Miguel Pérez Díaz, seus oito filhos e seu pai de 87 anos vivem em uma cabana na montanha desde maio, quando autoridades locais os expulsaram de sua aldeia no estado de Chiapas, no México.

Parentes, amigos e vizinhos em Tajlovijho, uma vila no município de San Andrés Larráinzar, no sul do México, os perseguiram por deixar práticas religiosas indígenas para o cristianismo, disseram fontes.

“A primeira ação que eles tomaram contra eles foi cortar o serviço de água potável”, disse o pastor Mario Choj ao Morning Star News. “Então eles fizeram com que eles deixassem a casa humilde que possuíam.”

Deixando a mistura “tradicionalista” de rituais e crenças católicas e indígenas, a família Pérez depositou sua fé em Cristo há quatro anos e começou uma pequena comunhão em sua casa, disse o pastor Choj, que lidera a Igreja Assembléias de Deus chamada Jesús Es el. Camino

A família carregou os poucos pertences que seus vizinhos lhes permitiram e subiu as montanhas até uma aldeia chamada Mitontic, onde eles sobrevivem recolhendo o orvalho da manhã de um lençol de náilon e a água da chuva que cai do teto de metal da barraca que construíram, o pastor disse. Eles armazenam a água em garrafas vazias de refrigerante e outros recipientes.

Cabana onde a família Pérez se refugiou em Mitontic, Chiapas, México. (Foto de Morning Star News, cortesia de Foto Federico Sarao)

Apesar de se refugiarem longe de sua casa, eles são obrigados a pagar 500 mil dólares (26 dólares) a cada funcionário do Tajlovijho para impedir que as autoridades tomem posse de suas casas e pertences remanescentes, disseram fontes.

Pastor Choj disse que Pérez disse a ele que a família está pronta para sofrer por Cristo.

“Seguir a Cristo é lindo”, disse Pérez, segundo o pastor. “Não importa se temos que viver em sofrimento, perseguição e desprezo da nossa aldeia. Todos na família dizem que viver perto de Deus é uma bênção e nos deleitamos na salvação encontrada somente em Jesus Cristo ”.

O caso deles é um dos milhares em que as famílias indígenas mexicanas foram expulsas de suas casas e perderam todos os seus pertences “apenas porque aceitaram que Jesus é a única esperança que nós, mexicanos, temos de estar livres do pecado e do castigo eterno”. Choj disse.

A mistura religiosa “tradicionalista” praticada pelos Tzotzil predominantemente étnicos da região, de origem maia, inclui festivais de bêbados que homenageiam ídolos pagãos que os cristãos evangélicos evitam. Em um mau uso da lei “Usos e Alfândega” do México destinada a proteger a cultura indígena, os caciques locais (“chefes políticos”) citam os regulamentos locais que exigem que os moradores contribuam com as propinas e participem dos festivais.

Os advogados cristãos observam que esse uso indevido das leis de “Usos e Alfândegas” do México viola a garantia da liberdade religiosa no artigo 24 da constituição do México.

Casos semelhantes de perseguição ocorreram em Oaxaca, Durango e outros estados fora de Chiapas. Em julho, moradores de Huejutla, estado de Hidalgo, cortaram o serviço de água para duas famílias cristãs por se recusarem a participar de “festivais católicos da comunidade”, segundo o site Animal Político .

Negando qualquer motivo religioso, autoridades do Ministério do Interior culparam as duas famílias evangélicas “porque não cumpriram seus deveres” com os moradores e não “participaram de seus ‘usos e costumes’”, relatou a notícia citada.

Em Chiapas, Pérez e sua família, incluindo a esposa Guadalupe Hernández e o padre Miguel Pérez Núñez, chegaram à fé em Cristo depois de ler um panfleto evangelístico impresso e distribuído pela Cruzada Mexicana, pastor também conhecido como Every Home for Christ-México. . Voluntários deixam os panfletos, o Novo Testamento e outras publicações cristãs, algumas delas traduzidas para línguas indígenas, na área de igrejas protestantes.

“A família Pérez viveu feliz e fiel anteriormente, mas eles não sabiam que as provações estavam chegando à sua vida pacífica”, disse o pastor Choj. “Mas eles oram para que mais cristãos espalhem a Palavra de Deus, pois muitos ainda precisam conhecer o amor que está disponível somente de Jesus Cristo. Eles também oram por todas as famílias expulsas de suas próprias casas e terras ”.

O México ocupa o 39º lugar na lista de vigilância cristã World Doors, em 2019, dos 50 países onde os cristãos sofrem mais perseguição.

Fonte: https://morningstarnews.org/2019/08/christian-family-takes-refuge-in-mountains-after-expulsion-from-their-home-in-mexico/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *