Leigos da APO pedem aumento de representatividade e fim da reeleição de presidente, departamentais, secretários e tesoureiros

Proposição dos membros leigos da Igreja Adventista do Sétimo Dia da Associação Paulista Oeste

Link da petição:
https://secure.avaaz.org/po/community_petitions/Membros_da_Igreja_Adventista_do_7_Proposicao_dos_membros_leigos_da_Igreja_Adventista_do_7o_Dia_da_Associacao_Paulista_Oeste/share/?new&jbPyXob

Em primeiro lugar queremos expressar nossa confiança e respeito à Igreja Adventista do Sétimo Dia.

1 – Entendemos que esta comunidade religiosa constitui-se no povo remanescente no tempo do fim (Apocalipse 12:17) e o grupo que guarda os mandamentos e conserva o testemunho de Jesus (Apocalipse 14:12 e 19:10).

2 – Entendemos também que esta denominação tem uma missão a cumprir em todo o mundo (Mateus 28:19-20: Apocalipse 14:6-9) e todos os esforços devem ser empenhados para a realização desta tarefa.

3 – Entendemos ainda que pelo fato de todos sermos pecadores, precisamos sempre buscar a orientação de Deus, a fim de administrar a igreja dentro dos princípios da liderança cristã.

4 – Entendemos que esta orientação é dada pelo Espírito Santo, não pode e não deve ser exclusividade dos líderes, mas extensiva a todo o povo de Deus que a seu tempo pode respeitosamente opinar sobre os assuntos da igreja.

5 – Entendemos também que os princípios não se negociam e nem caducam, mas procedimentos administrativos podem se alterar à medida que o tempo passa.

O Problema

Assim sendo, queremos considerar sobre o que diz respeito a eleição dos oficiais da igreja, nos níveis de Associação, União e Divisão. Há em nosso modo de ver um erro que precisa ser corrigido para o bom desempenho da Obra de Deus.

De acordo com os regulamentos ora vigentes, a composição da comissão de nomeações por exemplo, em uma Associação é feita por 50% de obreiros (empregados pela obra) e 50% de membros leigos.

Entendemos que:

1 – Este modelo fere o princípio da representatividade se considerarmos que em uma Associação temos um número infinitamente maior de membros leigos voluntários do que assalariados da denominação.

2 – Lembrando ainda que o empregado/ funcionário dificilmente irá se manifestar ou votar diferente do que espera seu chefe em um momento de quadrienal.

3 – Isto propicia a permanência quase indefinida de líderes e departamentais que se perpetuam no cargo muitas vezes em funções para as quais eles já deram sua contribuição no primeiro mandato.

A Proposta

Assim queremos propor que a igreja em suas instâncias superiores estude o assunto com o carinho que ele merece. Nossa proposta é que este índice seja revisto e reformulado para 80% de leigos e 20% de funcionários e ou obreiros da organização. Isto daria mais transparência e geraria uma reação ainda mais favorável aos destinos da Organização.

O formato que hoje temos colabora para que muitos dos eleitos permaneçam por longos períodos no mesmo campo impedindo assim que haja a renovação de pastores e obreiros, impedindo também a mudança que gera crescimento, tanto para o campo quanto para os novos eleitos que irão contribuir com seus dons, promovendo novas experiências ao campo.

Por isso também nossa proposta além da mudança dos percentuais de eleitores, é que não haja mais reeleição de presidente, departamentais, secretários e tesoureiros, sendo que assim que
acabar o mandato deverá este ao deixar seu cargo, assumir um distrito.

Dessa forma toda a Obra ganhará pela atuação de pastores mais experientes no campo, colocando-o em um maior contato com o cotidiano, alegrias e problemas enfrentados pelas igrejas, preparando-o melhor para um novo mandato.

Acreditamos que com estas mudanças, tanto pastores quanto igrejas irão crescer, pois mudança gera crescimento, e junto ao crescimento podemos acrescentar mais justiça e transparência, conforme o princípio que temos pregado ao longo dos anos.

Amamos nossa igreja, somos engajados na causa e precisamos estar dispostos a nos envolvermos nas mudanças que trarão melhorias e mais transparência. Partindo do princípio que membros leigos ainda controlam em grande parte o processo de tomada de decisão da igreja local, que é realmente o nível mais importante onde a obra mais significativa da igreja é realizada, elaboramos o presente abaixo-assinado, para o qual contamos com sua assinatura, para efetivação das mudanças ora propostas.

Atenciosamente, agradecemos.

Clique no link para apoiar:

https://secure.avaaz.org/po/community_petitions/Membros_da_Igreja_Adventista_do_7_Proposicao_dos_membros_leigos_da_Igreja_Adventista_do_7o_Dia_da_Associacao_Paulista_Oeste/share/?new&jbPyXob

1 thought on “Leigos da APO pedem aumento de representatividade e fim da reeleição de presidente, departamentais, secretários e tesoureiros

  1. Amigos, infelizmente, não necessariamente a presença de maior números de leigos provocará alguma mudança como manifestado acima, pois em geral a forma de votação realizada por leigos é apenas emocional e geralmente acompanhando o que a direção da comissão diz, sendo que se fosse pensado de forma racional dificilmente alguns líderes seriam reeleitos.

    Por exemplo: Associação Paulistana, conhecida como a associação mais rica do Brasil, tem passado por momentos de grande ajuste financeiro com inúmeras demissões, venda de imobilizado. Pois, acreditem, a mesma tinha até uma fábrica de alimentos e um food truck, uma tal de terra de Zion (palavra muito usada pelos mórmons para ilustrar o lugar dos justos). Tudo isso, realizado por anos de desmando em que os departamentais tinham vários auxiliares, criando uma gigantesca estrutura de conforto, qué gerou uma dívida de mais de 20 milhões.

    Por outro lado, a impossibilidade de reeleição, imagino, que deva ser pensada, pois se pensarmos no caso da Divisão é quase impossível o presidente da mesma não ser reeleito pois das 12 uniões existentes apenas duas são uniões-associação, que lhes dá autonomia para elegerem por si mesmas a sua administração. As demais são uniões-missões, em que a administração é eleita pela própria divisão. Sem contar que na eleição do presidente da Divisão Sul Americana todos os presidente dessas uniões participam e apenas um tesoureiro pode participar, fazendo com que a tesouraria esteja na mão do presidente e a manutenção do presidente da divisão garanta a manutenção dos presidentes de uniões.

    Com dor no coração, temos verificado as associações gastando rios de dinheiro, o evangelho pouco avançando, os campos endividados, igrejas necessitando de recursos para serem concluídas, a obra da colportagem falindo…

    Dê uma verificada na União Sul!), treinamentos realizados com pompa e pouca espiritualidade (Dê uma olhada no evento realizado no Rio Grande do Sul na “semana santa” deste ano, onde foi alugado o estádio do Internacional que custa uma nota, para um resultado pífio de batismos em 2019.

    Quando olhamos tudo isso só nos resta clamar: “Volta logo, Senhor Jesus!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *