Nossa liberdade religiosa está em perigo, mas isso não importa para a liderança…

Por  Dale Fuhrmeister

O pastor Dale Fuhrmeister ensina mecânica de automóveis na Ouachita Hills Academy and College.

Estou simplesmente surpreso ao ver quantos adventistas do sétimo dia aparentemente não sabem que estamos no meio de uma crise constitucional, onde nossas liberdades religiosas estão sendo violadas como nunca antes em escala tão grande. Mesmo Mark Finley, na videoconferência “Level Up” Zoom. de 17 de maio pela AWR, não viu isso, usando Romanos 13 como a razão pela qual deveríamos obedecer silenciosamente ao fechamento obrigatório do governo de nossas igrejas.

Agora, deixe-me dizer, eu acredito totalmente no que Romanos 13 diz, e é por isso que acredito que a segurança de nossas fronteiras é uma questão importante, por exemplo. Aqueles que violam nossas leis não devem ser recompensados ​​com um passe livre antes daqueles que vieram para cá legalmente. E por que eu digo isso? Eu nutro animus racial contra os hispânicos, como alguns diriam? Não, é porque eu acredito em Romanos 13 e que a lei do país deve ser seguida.

Com isso em mente, precisamos perguntar: qual é a lei suprema do país nos Estados Unidos da América? É a Constituição! Todas as outras leis e líderes devem estar em completa sujeição a esse documento, e qualquer ordem ou lei que viole os direitos inalienáveis ​​enumerados nele é nula e sem efeito e não deve ser seguida.

Todos os governos terrenos seguem um dos dois conceitos básicos de governança:

1. O governo do homem

2. O governo da lei (Estado de Direito)

Sob o primeiro, um homem, geralmente um rei, ditador ou governante totalitário é o originador e tem a palavra final com relação a todas as leis. E estando sujeita aos caprichos de um homem, a vida pode ser muito instável e imprevisível. Este princípio de governo sempre leva à tirania por causa da natureza pecaminosa do homem.

Segundo a segunda, a lei é a autoridade final, e nenhum governante ou legislador pode, correta ou justamente, agir em desacordo com essa lei.

Durante a maior parte da história do nosso mundo, o governo do homem era como todas as nações eram governadas. O mais próximo que conheço do estado de direito sendo seguido foi o antigo reino medo-persa, onde a lei dos medos e persas não podia ser mudada (Dn. 6:12), e mesmo assim, era um homem, não uma legislatura que fez as leis, como em Daniel 6.

Os Estados Unidos são uma das primeiras, senão a primeira nação desde o antigo Israel a ser estabelecida sob o estado de direito, sendo a mais alta lei a nossa Constituição. E nossas leis não devem ser estabelecidas por um só homem, mas por todo o povo por meio de seus representantes devidamente eleitos na capital. Mesmo as ordens executivas presidenciais são nulas e sem efeito se não tiverem alguma base na lei previamente estabelecida.

Israel foi originalmente estabelecido por Deus sob o império da lei, a Lei de Deus. Não havia governo “federal” como em outras nações, mas os governantes cidadãos das tribos e suas cidades deveriam administrar a justiça em harmonia com a lei de Deus. Qualquer caso muito difícil de ser determinado localmente era levado diretamente a Deus por meio do sacerdócio no santuário, que é o que acontece em uma verdadeira teocracia. (Não, o papado não é uma teocracia, pois eles não consultam o Deus verdadeiro).

Quando Israel mais tarde decidiu ter um rei, apesar das advertências de Samuel, eles estavam escolhendo o governo do homem em vez do governo da lei. Sim, o rei deveria governar de acordo com a lei de Deus, mas isso não acontecia de forma muito consistente e, eventualmente, não. A triste história de Israel e a opressão que eventualmente se seguiu ao estabelecimento de uma monarquia é uma lição objetiva de por que não é sábio colocar qualquer homem ou pequeno grupo de homens no comando da vida de seus companheiros. O Estado de Direito é sempre nossa melhor opção para garantir a liberdade para todos.

Quando o apóstolo Paulo escreveu sua epístola aos Romanos, o mundo estava sob o governo de Roma, sob o governo do homem. Ninguém poderia fazer nada a respeito, pois não havia representação ou eleições pelas quais a pessoa média pudesse realizar qualquer mudança. Tudo o que César queria, César conseguiu impor por meio de seu exército. Não é o que Deus queria, mas Israel escolheu este estilo de governo ao rejeitar o governo da lei de Deus.

EUA, Estado de Direito

Fomos estabelecidos como uma nação sob o estado de direito nos Estados Unidos, portanto, quando aplicamos Romanos 13 1-2, devemos aplicá-lo de maneira precisa e adequada à nossa situação atual. A autoridade de nossa Constituição foi “designada por Deus”, e resistir à sua autoridade é “resistir à ordenança de Deus”. Foi estabelecido dessa forma por Deus sob Sua direção (Dan. 2:21, Ap. 12:16, Ap. 13:11) por homens cristãos que entenderam que a única maneira pela qual a verdadeira liberdade pode ser alcançada e mantida é sob o império da lei . 

Isso significa que nenhum homem pode decretar com justiça qualquer lei que viole a mais alta lei do país, a Constituição. Quando vários governadores de estados, por exemplo, estão violando os direitos de seus cidadãos de se reunir para adoração, trabalho ou outras atividades, nós, o povo, temos o dever de resistir a tais leis injustamente promulgadas, promulgadas pelo governo do homem (ou da mulher em pelo menos um caso ),

Nossa Constituição nos dá os meios para fazer isso por meio de tribunais, petições, manifestações pacíficas ou urnas eleitorais. No caso da proibição da freqüência à igreja, a desobediência civil na forma de realizar cultos religiosos seria outra maneira. Se realmente valorizamos nossas liberdades concedidas por Deus, então não temos outra escolha, se quisermos reter essas liberdades.

O sábio pregador do Eclesiastes nos diz o porquê:

Visto que a sentença contra uma obra má não é executada rapidamente, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal (Eclesiastes 8:11).

John Stuart Mill, um filósofo britânico, afirmou essa verdade em suas próprias palavras quando disse:

“Homens maus não precisam de nada mais para alcançar seus objetivos, do que homens bons olhem e não façam nada.” (Discurso inaugural entregue à Universidade de St. Andrews, 1º de fevereiro de 1867 (1867), p. 36)

Mas, infelizmente, há tão poucos com a coragem necessária para enfrentar a tirania atual! Existem alguns pastores aqui e ali que estão, e como de costume, estão pagando um preço, mas graças às firmas de litígio de liberdade religiosa que representam tais casos sem acusação, eles acabarão sendo justificados em um tribunal justo. Eu gostaria de poder dizer que há pastores adventistas do sétimo dia fazendo isso também, mas não conheço nenhum.

Todos nós sabemos que algum dia, outra grave crise constitucional prevista em Apocalipse 13 como a marca da besta será decretada. Somos chamados por Deus naquele dia para resistir com desobediência civil. Mas se não resistirmos agora a esta brecha no muro de separação entre a Igreja e o Estado, estaremos estabelecendo um precedente perigoso para o futuro.

Quando a marca da Besta é imposta sobre nós e se resistirmos, as autoridades podem nos perguntar por que temos um problema com isso e não com o fechamento de nossas igrejas relacionado ao COVID-19. Eles podem até nos perguntar por que não nos importamos com o bem-estar de nosso povo, já que haverá vários eventos catastróficos que farão com que eles promulguem essa lei injusta.

Se Jeremias estivesse vivo hoje, ele poderia nos perguntar,

Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os cavalos? (Jeremias 12: 5a).

Mas como Jeremias não está por perto para fazer essa pergunta aos nossos líderes, eu farei. Deus está nos dando a chance de desenvolver nossos músculos espirituais de determinação, e não estamos aproveitando a oportunidade de ser fortalecidos para o conflito final. Precisamos ver o que está sobre nós agora como um treinamento para o teste de fé futuro que inevitavelmente virá. Se não conseguirmos ficar de pé agora, o que nos faz pensar que o faremos então? 

Fui mecânico de automóveis por mais de 30 anos e, na maior parte desses anos, como adventista do sétimo dia, e as lojas de automóveis abrem quase que universalmente nas manhãs de sábado. Como resultado, em várias ocasiões tive que tomar posição quanto à observância do sábado e agora estou acostumada à pressão e intimidação que isso pode trazer do inimigo. A última vez que isso aconteceu, perdi meu emprego, e muitos companheiros adventistas me disseram como eu era admirável por tomar uma posição, e a maneira como disseram isso me deu a impressão de que pensavam que o que eu havia feito era algo novo. Certamente espero que isso não seja verdade, que eu não seja, de alguma forma, a exceção, e não a norma.

Alguns podem dizer, bem, se está previsto que acontecerá profeticamente, realmente não podemos impedir que aconteça, podemos? Isso é verdade, mas seguindo essa linha de lógica, por que ter um departamento de liberdade religiosa se devemos apenas permitir que nossas liberdades sejam livremente violadas sem oposição? 

Uma perda de liberdade religiosa é perder nossa habilidade de espalhar o Evangelho em nossa terra, então não se opor a essas violações é demonstrar uma falta de preocupação com a vida eterna de nossos semelhantes, que poderia ser alcançada enquanto a liberdade religiosa ainda estivesse intacta.

Meus irmãos, à luz de tudo isso, vamos aprender uma lição com essa experiência e convênio com Deus de não sermos tão fracos de hoje em diante. Convido especialmente nossos líderes a fazerem isso, pois o tempo está próximo e logo o teste final virá. Precisamos que você dê um exemplo piedoso de defesa da liberdade religiosa. Existem milhares aqui apenas na América que precisam da mensagem salvadora de Jesus através de Seus 3 anjos (somos nós!). Não permitamos que o governo do homem tire isso de nós tão facilmente, para que essas almas anteriores possam ouvir aquela mensagem de que precisam tão desesperadamente.

Vamos levar Romanos 13 a sério e viver essa injunção à luz do estado de direito que Deus estabeleceu na América. Vamos tomar uma posição pelas liberdades dadas por Deus!

 

Deixe uma resposta