Michelson Borges, Rodrigo Silva ou Luís Inácio: Quem sabe mais sobre teologia e cosmologia bíblica?

Michelson Borges na juventude queria ser padre católico. Rodrigo Silva é adventista mas se gaba por ter feito mestrado numa universidade católica coordenada por jesuítas. Luís Inácio João Stadelmann é doutor em teologia em Universidade Hebraica americana, autor de vários livros, padre e professor renomado das Sagradas Escrituras entre os jesuítas.

Michelson Borges zomba daqueles a quem chama de “terraplanistas” por conta da crença e defesa da doutrina bíblica de que a terra é plana e que o reino de Deus está literalmente próximo, no Céu. Ele se baseia no livro de um satanista, que alega que a crença na terra plana foi inventada apenas no século XIX, para desacreditar a religião cristã.

Rodrigo Silva afirmou em uma Igreja Adventista em Brasília, DF, que os escritores bíblicos criam em uma terra plana, coberta por uma abóbora onde os astros foram fixados pelo Criador e acima da qual estaria o trono de Deus. Algum tempo depois, aparentemente pressionado, retratou-se em um vídeo em que negou a plena inspiração da Bíblia, ao dizer que alguns autores bíblicos teriam contaminado a pureza da revelação, misturando-a com opiniões próprias e preconceitos resultantes da ignorância científica da época em que viveram.

Luís Inácio, jesuíta estudioso da Bíblia

O padre Luís Inácio João Stadelmann nasceu em 11 de janeiro de 1935 e foi ordenado sacerdote jesuíta em 11 de junho de 1970. Aos 83 anos, relembra que sua família veio da Suíça num imenso navio, que trouxe imigrantes da Europa para as terras brasileiras. Anos depois, o jovem Luís Inácio deixou os pais e os irmãos para estudar no Colégio Jesuíta Santo Inácio, em Salvador do Sul, no Rio Grande do Sul, local onde teria descoberto sua vocação.

Padre Luís Inácio sempre acreditou que o conhecimento poderia ajudar o mundo, em especial a juventude, a trilhar caminhos relevantes e vencer obstáculos. Por isso, dedicou boa parte de sua vida aos estudos e à Literatura. Autor de 12 livros e inúmeros artigos sobre Teologia e Ciência Bíblica, estudou Letras Clássicas e Filosofia no Brasil. Posteriormente, formou-se em Letras Semíticas e Teologia, e então doutorou-se nos Estados Unidos, onde foi ordenado Padre.

Depois de seu retorno ao Brasil, após 12 anos de estudo e dedicação, lecionou durante 18 anos na Faculdade Jesuíta de Teologia, em Belo Horizonte, e posteriormente, lecionou na Faculdade Católica de Florianópolis, onde foi declarado professor emérito. Ainda hoje, aos 83 anos, escreve artigos para diversos países, instigando a pesquisa e atualizando temas na área de Teologia. Luís Inácio João Stadelman é professor de Sagrada Escritura na FACASC e exerce atividades pastorais na Igreja Sta. Catarina de Alexandria e outros trabalhos, como tradutor, por exemplo.

Tese de doutorado em Universidade Hebraica com aprovação católica

A publicação católica ANALECTA BIBLICA INVESTIGATIONES SCIENTIFICAE IN RES BIBLICAS, edição número 39, publicou a tese de doutorado do Padre LUIS I. J. STADELMANN: THE HEBREW CONCEPTION OF THE WORLD (A Concepção Hebraica do Mundo) estudo apresentado por Stadelmann ao Hebrew Union College, Cincinnati, Ohio, para obtenção do título de Ph.D. na Loyola University, Chicago, 111., Maio de 1969. Nesta época, LUIS I. J. STADELMANN, S. J. era professor assistente de Antigo Testamento na FACULDADE DE TEOLOGIA CRISTO REI, UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS (SÃO LEOPOLDO, RS, BRASIL.)

Leia a tradução via Google Translate da conclusão desse trabalho do padre Luís Inácio: The Hebrew Conception of the World: A Philological and Literary Study (Analecta Biblica, No 39). Mas tenha em mente que:

1. Como adventistas, cremos no que Ellen G. White diz em O Grande Conflito e a História registra acerca da Ordem dos Jesuítas, criada para defender o papado acima de tudo. Contudo, acreditamos ser possível que Deus revele individualmente Sua verdade a integrantes dessa ordem, como fez com Manuel Lacunza (Chile) e Francisco H. Ramos Mejía (Argentina).

2. A tese cuja cópia estamos disponibilizando para download defende que os autores bíblicos criam que a terra é plana e coberta por uma abóbada protetora gigantesca, acima da qual está o trono de Deus; abaixo desses dois níveis (céu e terra), temos o inferno, ou mundo inferior.

3. Essa tese foi aceita para o título de doutorado, como verdadeira e aprovada, por uma Universidade Hebraica americana.

4. Embora contrarie o projeto jesuíta de desacreditar a Bíblia, colocando as explicações da falsamente chamada Ciência acima da Revelação, em 1970 essa tese doutoral foi aprovada e publicada pela imprensa oficial católica.

5. Essa tese destrói completamente a veracidade da obra Inventando a Terra Plana, demonstrando que, no mínimo, seis ou mais séculos antes de Cristo, os judeus já criam na Terra plana. Isso derruba definitivamente o argumento de que a doutrina da Terra plana surgiu somente no sécúlo XIX, inventada por incrédulos zombadores, com o objetivo de descreditar a Bíblia e escarnecer do Cristianismo.

E vamos à leitura de parte das conclusões de Luís Inácio João Stadelmamnn:

…Todos esses luminares, de acordo com o relato da Criação, estão localizados na expansão do “firmamento”, que parece estar incluído no conceito geral de “céu” ou “lugar da habitação de Deus”.

O termo Smym (Céu, ou lugar da habitação de Deus) designa o espaço acima da terra, incluindo a atmosfera, a região das nuvens, a abóbada celestial, o firmamento e o que existe acima do firmamento. O horizonte representa a fronteira (ou limite) entre o céu e a terra e serve para manter o céu e a terra firmemente juntos, evitando assim que o mundo seja inundado pelas águas que o rodeiam.

Para o hebreu, pensando em termos de sua própria experiência ambiental, a concepção de um arquiteto projetando e proporcionando a estrutura de um edifício representaria a imagem do céu nas características concretas de um edifício. Assim, de acordo com uma visão, o céu era o local onde a morada de Deus é erguida.

De acordo com outro ponto de vista, Yahweh construiu seu palácio real sobre pilares firmes nas águas ondulantes do mar celestial acima do dossel [Armação saliente, forrada de damasco ou de outro estofo, e franjada, que se coloca como ornato sobre altares, tronos, camas, etc.; sobrecéu.] do céu. No céu estão localizados os depósitos contendo ventos, neve e granizo. Entre as características arquitetônicas do céu estão as colunas que sustentam a cúpula celestial.

Através da observação do fenômeno da chuva, os antigos hebreus passaram a acreditar que havia grades ou comportas no firmamento que eram abertas a intervalos para permitir que as águas do oceano celestial passassem e caíssem na terra. Além da concepção do céu como uma estrutura sólida, surge a visão que considera o céu como uma tenda, ou uma peça de roupa ou tecido.

No conceito do termo rqy’ usado para descrever o firmamento, a função e a forma da cúpula celestial estão essencialmente relacionadas. Esta abóbada sólida do céu tem a função de reter as águas abrangentes, bem como de servir como pavimento para o trono de Yahwah. Na ausência de qualquer menção explícita da forma do firmamento nos textos bíblicos, parece que a idéia básica de rqy’ como algo surrado/batido/espancado sugeria a imagem do firmamento como uma cúpula hemisférica batida.

Se o céu distante levou à idéia da transcendência de Deus, os fenômenos meteorológicos e geofísicos sugeriam aos antigos hebreus a capacidade de Yahweh de agir em todos os lugares. A noção da mobilidade de Deus em ação recebe uma forma concreta no vento ou nas nuvens escarpadas. O surgimento das nuvens no céu e sua relação com a chuva manifestam sua função bivalente de revelar e ocultar Deus e trazer chuva.

As abundantes referências ao vento e à tempestade mostram que esses fenômenos eram uma característica climática comum na Palestina (como de fato ainda são) devido à natureza altamente diversificada de seu terreno e sua localização geográfica. Um outro fenômeno familiar, como o arco-íris, simbolicamente representava o pacto entre o Senhor e a raça humana.

Trovões e relâmpagos foram contados entre os fenômenos meteorológicos mais impressionantes e perigosos. Mas nenhum desses fenômenos traz mais clareza entre Yahweh e os deuses do tempo venerados pelos povos do antigo Oriente Próximo, do que as descrições bíblicas de chuvas e outras precipitações.

A diferença marcante entre Yahweh e os deuses do clina aparece na função de cada um em relação à chuva: os deuses do tempo personificam os fenômenos atmosféricos, Yahweh os controla. Quanto à origem da chuva, orvalho, granizo, geada e neve, os antigos hebreus conceberam um imenso oceano localizado acima do firmamento, fornecendo água para a precipitação.

A concepção de depósitos celestes para neve e granizo não difere fundamentalmente da visão de um oceano celestial. Assim, a precipitação periódica estava relacionada a janelas e portas no firmamento que eram abertas a intervalos para deixar passar as águas.

Outra forma de abertura no céu é representada como um canal de água, semelhante a um canal de irrigação, que permitia que a chuva descesse de todas as partes do céu.

Os fenômenos geofísicos, como deslizamentos de terra, terremotos, erupções vulcânicas e as marés que se seguem, são empregados para provar que nada pode resistir ao poder de Javé, pois esses fenômenos desafiam a própria estabilidade do próprio universo.

E, no entanto, quando confrontados com as explosões violentas das forças da natureza, os antigos hebreus nunca pareciam considerá-los como cárteres cujas causas físicas precisavam ser definidas. Estavam mais interessados ​​em redescobrir, mesmo na natureza do mundo ao seu redor, o esboço amplo do plano ao qual seu próprio destino estava em conformidade.

Desde o início, eles reconheceram que o que importava era a terra prometida e, portanto, não procuravam fornecer uma interpretação geral das realidades cósmicas. Nas páginas do Antigo Testamento é simplesmente dada uma visão esquemática da estrutura de três níveis do universo, cujos elementos constitutivos estão relacionados a cada Mãe em uma relação estrutural. Isto está de acordo com o que temos visto neste estudo dos fundamentos da terra colocados no submundo. Justo Na terra, repousando sobre seus pilares, está ligado com os mundos inferiores, assim são os céus estabelecidos nas partes extremas da terra.

Do número de termos usados ​​para designar “terra”, temos uma indicação da visão dos antigos hebreus sobre o mundo espaço físico. Sua noção de mundo parte do espaço concreto de sua terra, que se estende muito gradualmente, ampliando seu alcance para o conceito do mundo habitado como um todo.

O próprio fato da divisão do mundo em quatro seções é característico da concepção de espaço mantida pelos hebreus. Como apareceu na análise dos pontos cardeais, eles nunca foram concebidos como mera realidade funcional, desprovida de todo conteúdo e mera expressão de relações ideais. Mas os pontos cardeais estavam associados à posição de um observador, ou ao curso diário do sol, ou às características topográficas da Palestina.

Assim, os antigos hebreus não podiam conceber essas quatro direções em termos de uma relação puramente funcional e, da mesma forma, não conheciam o conceito de infinito; desde o início, seu mundo está confinado dentro de certos limites espaciais impostos por sua percepção sensorial. Como os diferentes países estavam de algum modo distribuídos entre os diversos pontos cardeais e se diferenciavam adequadamente, logo o mundo inteiro estava incluído nessa classificação. Assim, o mundo espacial tornou-se inteligível para os hebreus ao ponto de serem capazes de descrevê-lo em termos de imagens concretas.

Se o pensamento de Israel sobre as fronteiras da terra foi motivado pelo interesse em especulações cosmológicas, a linha do crescente conceito da universalidade do governo de Yahweh é necessário dizer que as antigas idéias hebraicas sobre a forma da Terra foram formadas sob a influência tanto da geografia regional, com contrastes topográficos bem definidos, como de seu contato com outros povos do antigo Oriente Próximo, todos contribuindo para a visão de mundo hebraico.

Com a noção progressiva da terra habitada como um todo, os hebreus atingiram tal grau de consciência espacial que relacionavam todos os setores da Terra a um centro, chamado “o umbigo da terra”. Embora a apresentação variada se os fenômenos meteorológicos e a descrição do mundo é indicativa de uma visão simpática para com a natureza, onde o homem e seu ambiente físico estão unidos em um empreendimento comum de conquista e desenvolvimento, as referências ao oceano e aos rios indicam vestígios de um elemento antagônico que ameaça conduzir o ordenado mundo para o caos do modo como foi exibido na Criação.

A ameaça do profundo (abismo) é iminente no mundo e no destino dos indivíduos, que se tornam conscientes dessa ameaça, particularmente em uma crise de doença ou na aproximação da morte. Esse medo acabou levando a uma descrição visual do reino dos mortos como um lugar onde a vida ou está totalmente ausente ou está ameaçada de extinção, como, por exemplo, com a extinção, como, por exemplo, a sepultura, o oceano e o deserto. .

A consideração das idéias de Israel sobre o mundo inferior mostrou que certas expressões específicas foram influenciadas pela crença sobre a morte e depois da vida da qual elas dependiam diretamente: o Sheol é uma terra de não retorno; uma cidade com portões onde os mortos são mantidos em cativeiro; uma terra de escuridão, esquecimento e silêncio; um lugar de lama e sujeira. Yahweh parece exercer seu poder sobre o mundo inferior indiretamente, ao controlar as questões da vida e da morte.

No entanto, fazemos da visão de mundo dos antigos hebreus, quando só temos metade da avaliação justa, e não conseguirmos ver o entendimento deles sobre a ordem natural e a maneira pela qual eles reagiram ao universo seguindo os princípios de sua vida religiosa. Eles testemunham uma profunda convicção de que a natureza é criada por Deus e, como tal, é uma evidência visível de sua realidade e sua onipotência, e de sua participação nos assuntos do mundo. Sua atitude em relação a isso é revelada tanto na rotina da vida cotidiana quanto nos momentos de crise.

De fato, como sua existência como nação é considerada uma aventura aberta, e como seu próprio destino é considerado como o de um povo eleito que se encaixa em um padrão transcendente, seu ambiente físico deriva seu significado de seu relacionamento com o povo, como o palco em que o drama histórico da nação é realizado.

THE HEBREW CONCEPTION OF THE WORLD, ROMAE E PONTIFICIO INSTITUTO BIBLICO em 1970 Iura editionis et versionis reservantur PRINTED IN ITALY TYPIS PONTIFICIA E UNIVERSITATIS GREGORIANAE — ROMAE, págs. 180 a 183.

A Concepção Hebraica do Mundo

1 comentário em “Michelson Borges, Rodrigo Silva ou Luís Inácio: Quem sabe mais sobre teologia e cosmologia bíblica?”

  1. “Luís Inácio, jesuíta estudioso da Bíblia” – Então você quer que acreditemos em um JESUÍTA, alguém que vive para defender o papado?

    Veja as fontes que você cita: teólogos liberais (que rejeitam a inspiração da Bíblia), judeus liberais (para quem a Bíblia é só uma relíquia cultural) e jesuítas (sobre quem vocês vivem falando mal).

    Claro que essa minha observação é uma falácia, mas é o argumento que vocês vivem usando.

Deixe uma resposta