Denúncias graves, feitas até pela mãe de Rodrigo Silva, permanecem sem resposta

Nos últimos vídeos que disponibilizou em seu canal no Youtube nesta semana, o jornalista Marcelo Rezende, ex-redator da Casa Publicadora Brasileira, revelou que a própria mãe do palestrante, escritor e guia turístico, especializado em Arqueologia, Rodrigo Silva, teria denunciado o próprio filho à organização adventista por maus tratos, violência e abandono. A iniciativa teria sido testemunhada por vários pastores da Associação Mineira Central, incluindo o pastor do distrito do Jaraguá, em Belo Horizonte, MG, Marcos Nardy.

Por outro lado, em palestra disponibilizada no Youtube, Rodrigo Silva se justifica, dizendo que seu irmão Juarez o ameaçou de morte. Veja ele próprio dizendo isso no vídeo abaixo:

Segundo Marcelo Rezende, Rodrigo Silva gosta de se vangloriar e mente até que teria sido locutor da Globo:

Enquanto Rodrigo Silva mente sobre seu suposto trabalho na Globo, os vídeos abaixo comprovam o trabalho de Marcelo Rezende como repórter da Band e outras emissoras:

Ainda aguardamos resposta em vídeo de Rodrigo Silva, desmentindo a todas essas denúncias de Marcelo Rezende, caso não sejam verdadeiras.

5 comentários em “Denúncias graves, feitas até pela mãe de Rodrigo Silva, permanecem sem resposta”

  1. O próprio Jesus nos ensina que os que forem santo atirem a primeira pedra.
    Vivemos tempos trabalhoso e precisamos pedir misericórdia a Deus para cuidarmos da nossa vida e ajudar nosso semelhante, e não tentar prejudicar.

  2. Vcs q são filhos do diabo, a palavra de Deus fala para nós não julgar ninguém é nem falar mal do outro.
    Aquele q diz q ama a Deus e não ama o seu próximo e mentiroso.
    Aquele q fala mal do teu próximo Deus vai pedir conta.

  3. O mais incrível é que com todos os escândalos que estão relacionados a ele, o sujeito foi um dos oradores do ASI (Convenção de leigos da Southern University ) nos Estados Unidos em abril. Com um inglês horrível, bastante travado, estava lá o “hipnólogo e arqueólogo das trevas”, como diria Marcelo Rezende.

Deixe uma resposta