Governo chinês age como “imagem da besta” romana e nossos pastores nada dizem

A besta identificada pelo número 666 no livro das revelações do Apocalipse representa o poder secular (Estado), que se infiltrou e dominou a liderança da Igreja de Cristo, impondo regras e doutrinas contrárias às normas bíblicas e perseguindo os que discordaram dessa dominação. No Império romano, esse poder monstruoso da Besta se consolidou no período de Constantino, quando a religião cristã passou a ser controlada definitivamente pelo Estado e aqueles que se opuseram a essa religião oficializada passaram a ser perseguidos.

Faça o download e distribua este material como e-book para seus amigos: 

Este trecho de uma reportagem publicada pela BBC confirma essa identificação da Besta perseguidora com a criação da Igreja Católica “Apostólica” Romana pelo Império Romano:

O “número da besta” — 666 — é, talvez, a referência mais famosa do Apocalipse. O trecho que o cita diz: “Quem tiver discernimento, calcule o número da besta, pois é número de homem, e seu número é 666”.

Até hoje, 666 é usado para falar sobre a imagem do mal. Mas qual seria o significado por trás dele?

Era comum, na Antiguidade, usar números para disfarçar um nome. Nos alfabetos grego e hebraico, toda letra tem um número correspondente. Então, se você somasse todas as letras do seu nome, você tinha um código numérico.

O professor Ian Boxall, da CUA (Catholic University of America), dá um exemplo com Anna.

Na Antiguidade, era costume disfarçar nomes substituindo-o por números:

“A” vale 1 e “N” vale 50. Anna, então, seria 102.

Se você escrever o nome do imperador Nero Cesar no alfabeto hebraico, a equação fica: 200+60+100+50+6+200+50=666.

Em números, nome do imperador Nero Cesar vira 666. Historiadores acreditam que a perseguição de Nero a cristãos em Roma fez com que ele fosse uma figura odiada pelos primeiros cristãos.

Já os cavaleiros do Apocalipse são quatro homens, em cavalos nas cores branca, vermelha, preta e verde. Eles soltariam no mundo a morte, guerra, fome e conquista, representando a violência resultante de escolher não seguir a palavra de Deus — a Roma imperial.

Outra imagem famosa do livro é a da besta do apocalipse e suas sete cabeças, que emerge do oceano e exige ser adorada. O nome de uma blasfêmia está escrito em cada uma das suas cabeças.

A besta seria Roma, e suas cabeças representariam os sete imperadores que a Roma antiga havia tido naquele tempo. Os nomes de blasfêmias representam a tendência dos imperadores romanos de se chamarem de deuses. Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/geral-36480815

E a Imagem da Besta, que poder representa hoje?

Em nossos dias, nenhum outro Estado assemelha-se tão minuciosamente ao Império romano na dominação que exerce contra a Igreja Cristã quanto a chamada República Popular da China, constituindo-se, portanto, uma perfeita imagem da Besta perseguidora dos tempos da Igreja primitiva! Veja:

China obriga igrejas a substituírem Dez Mandamentos por citações de Xi Jinping

Governo tem autoridade sobre as igrejas filiadas ao Movimento Patriótico das Três Autonomias e os templos que não aceitarem a regra são fechados. Agora, citações de Xi Jinping substituem os dez mandamentos nas igrejas

14/09/2019

Implementando seu objetivo final de se tornar a única divindade reverenciada na China, o PCCh continua sufocando a doutrina cristã, substituindo-a pela linha do partido.

por Tang Feng

Os Dez Mandamentos são a base do código moral cristão, uma parte essencial da vida dos crentes em todo o mundo. Mas na China ateísta, eles se tornaram uma desgraça para o ditador do país e são eliminados dos locais de culto.

Embora uma igreja estatal afiliada do Movimento Patriótico das Três autonomias em um condado da cidade de Luoyang, na província central de Henan, tenha substituído os Dez Mandamentos pelas citações do presidente Xi Jinping, depois de repetidas exigências, ela não escapou às repreensões do governo.

“O Partido deve ser obedecido em todos os aspectos. Você tem que fazer o que o Partido manda. Se você contradizer, sua igreja será fechada imediatamente ”, funcionários do Departamento de Trabalho da Frente Unida deram uma palestra na congregação no final de junho.

Dez mandamentos foram arrancados de uma parede da igreja.

De acordo com um crente que pediu para permanecer anônimo, contra a vontade dos crentes, os Dez Mandamentos foram removidos de quase todas as igrejas autorizadas pelo Estado e locais de reunião no condado e substituídos por citações de Xi Jinping.

Entre elas, trechos de seu discurso em uma reunião de trabalho do Departamento de Trabalho da Frente Unida Central em 18 de maio de 2015: “Os principais valores socialistas e a cultura chinesa ajudarão a imergir várias religiões da China. Apoie a comunidade religiosa na interpretação de pensamentos, doutrinas e ensinamentos religiosos de uma maneira que esteja de acordo com as necessidades do progresso dos tempos. Resolutamente, proteja-se da infiltração da ideologia ocidental e conscientemente resista à influência do pensamento extremista. ”

Os Dez Mandamentos foram removidos, e as citações de Xi Jinping foram publicadas em igrejas em toda a China.

O crente também revelou que algumas igrejas de Três Autonomias foram fechadas por não implementar a demanda do governo para substituir os Dez Mandamentos pelas citações do presidente. Algumas congregações foram ameaçadas de serem incluídas na lista negra pelo governo, o que significa que suas viagens serão restritas e a escolaridade e o emprego futuro de seus filhos serão impedidos se eles se recusarem a revisar suas igrejas de acordo com as políticas nacionais atuais. Desobedecer às ordens significa oposição ao Partido Comunista, afirmaram autoridades.

Os caracteres chineses dos Dez Mandamentos foram removidos e colocados em um saco.

Um pregador de uma igreja protestante estatal disse que o PCCh não está apenas erradicando as igrejas domésticas, mas também destruindo metodicamente as igrejas autorizadas, corroendo a doutrina cristã.

“O primeiro passo do governo é proibir dísticos religiosos. Em seguida, desmonta as cruzes e começa a implementar os ‘quatro requisitos’, ordenando que a bandeira nacional e os ‘valores socialistas centrais’ sejam colocados nas igrejas. Câmeras de vigilância para monitorar os fiéis e atividades religiosas são então instaladas. O último passo é substituir os Dez Mandamentos pelos discursos de Xi Jinping ”, o pregador fez sua análise da situação nas igrejas oficiais. “O objetivo final do Partido Comunista é ‘tornar-se Deus’. Isso é o que o diabo sempre fez.

Slogans e cartazes de propaganda política são postados em toda a igreja de três pessoas.

“A China é uma ditadura de partido único. As pessoas só podem obedecer ao Partido Comunista e ser controladas por ele. Não temos liberdade ”, disse outro crente, impotente.

Remoções forçadas dos Dez Mandamentos das igrejas nas mãos do PCCh são frequentes em Henan, e Bitter Winter tem relatado extensivamente sobre esse assunto. Em novembro passado, em um movimento de “chinetização” que fazia fronteira com a farsa, as autoridades do condado de Henan em Luoning ordenaram que uma igreja local removesse o primeiro dos Dez Mandamentos : “Você não terá outros deuses diante de mim”, porque “Xi Jinping se opõe esta afirmação.” Os Dez Mandamentos estão sendo substituídos por retratos de Mao Zedong e Xi Jinping e propaganda comunista em outras partes do país.

Fonte: https://bitterwinter.org/xi-jinpings-quotes-replace-the-ten-commandments/

Crentes de Igrejas oficiais da China estão sendo doutrinados para se tornarem ateus

Enquanto a Igreja Protestante estatal da China está sendo transformada em uma ferramenta para espalhar a ideologia do PCC, suas congregações são forçadas a estudar textos marxistas e aceitar o ateísmo.

Em 18 de agosto de 2019, membros de uma igreja autorizada no condado de Yugan, sob a jurisdição da cidade de Shangrao, na província de Jiangxi, sudeste da China, receberam um “presente” especial do governo – um livro intitulado “Um texto marxista para os camponeses aliviarem a pobreza” no condado de Yugan. ” Um funcionário da aldeia explicou que o estado emitiu e distribuiu os livros para as congregações filiadas ao Movimento Patriótico das Três Autonomias lerem. Os crentes foram instruídos a tirar fotos de si mesmos segurando o livro.

A capa e o índice de “Um texto marxista para os camponeses aliviarem a pobreza no condado de Yugan”.

O livro contém textos intitulados “O mundo não é criado por Deus”, “O desenvolvimento da sociedade não é dominado por Deus”, “A origem da fé: totens primitivos, bruxaria e superstição”, “Siga a liderança do partido comunista chinês”. Ao ler o livro, leremos linhas exigindo que as pessoas louvem, obedeçam e sigam o Partido Comunista, pedindo aos crentes que tenham em mente que devem ser gratos ao governo comunista por sua “vida feliz”.

Os fiéis tiveram que tirar fotos segurando o livro marxista.

“Este livro está cheio de reivindicações que contradizem a Bíblia”, comentou um membro da congregação. “O governo interpreta mal, mas não podemos. Devemos continuar no caminho certo para seguir Jesus Cristo. ” A mulher está planejando deixar a igreja filiada ao Movimento Patriótico das Três Autonomias para fazer parte de uma igreja doméstica, independentemente o que pode significar perseguições mais pesadas pelo Estado.

As “realizações” do PCC são elogiadas ao longo do livro.

A igreja vem sofrendo assédio nas mãos do estado desde o início do ano passado. Em fevereiro, as autoridades locais removeram à força a cruz da igreja e a substituíram por uma bandeira nacional. Nenhum símbolo religioso pode ser visto fora da igreja.

Locais de culto em toda a China estão sendo gradualmente “chinetizados” desde o lançamento da campanha de “quatro requisitos” em junho de 2018, exigindo que todos os locais de culto aprovados pelo estado levem a bandeira nacional, promovam a Constituição, as leis e os regulamentos, bem como os principais valores socialistas e a cultura tradicional da China. Posteriormente, a doutrina cristã está sendo adulterada e os Dez Mandamentos estão sendo substituídos pelas citações do Presidente Xi Jinping e outras propagandas do governo.

O plano para aplicar os “quatro requisitos” em um condado da província oriental de Shandong, emitido pelo Departamento de Trabalho da Frente Unida (UFWD) no ano passado, exige a conversão de locais religiosos em locais importantes em lugares “para estudar e promover as diretrizes políticas do PCC. , leis e regulamentos nacionais, os principais valores socialistas e a cultura tradicional chinesa “. De acordo com o documento, eles devem se tornar locais importantes para “liderar pessoas religiosas na execução de decisões e planos do governo”.

No final de agosto, a UFWD no condado de Jinxiang, sob a jurisdição da cidade de Jining, em Shandong, ordenou que todas as igrejas locais se comprometessem com a “missão de promoção, para responder proativamente ao apelo do Partido e do governo para entrar em uma nova era e construir o sonho chinês em comum acordo, propagando as novas leis e regulamentos sobre religião e os principais valores socialistas. ” Como resultado, as igrejas autorizadas, além do reconhecimento oficial, foram transformadas em bases que promovem a ideologia do PCC.

Pouco antes do Natal do ano passado, o governo da cidade de Chumen, administrado pela cidade de Yuhuan, na província oriental de Zhejiang, converteu a Igreja Mashan em um centro anti-setarismo. A igreja estava cheia de slogans de propaganda elogiando o Partido Comunista, e todos os símbolos religiosos foram removidos.

Os principais valores socialistas e as regulamentações governamentais sobre religião substituíram os símbolos cristãos na igreja.

Slogans reverenciando as tradições revolucionárias da China são abundantes.

Slogans sobre educação patriótica são exibidos na igreja.

Em outubro, funcionários do governo local instalaram uma tela eletrônica com as palavras “Viva a Pátria” na parede externa da Igreja Qiqiutian na Rua Damaiyu, na rua Yuhuan, em Zhejiang. Também foram exibidos slogans de propaganda do PCC. Um membro da congregação disse ao Bitter Winter que o governo havia ameaçado derrubar a igreja se os crentes se recusassem a instalar a tela.

Uma tela eletrônica exibindo “Viva a pátria” foi instalada na parede externa da Igreja Qiqiutian.

O slogan “Ame o país, ame a igreja”, representando a “liberdade de religião” propagada pelo PCCh, costumava pendurar na parede externa da Igreja Qifengwan, no condado de Luonan, sob a jurisdição da cidade de Shangluo, na província noroeste de Shaanxi. No final de setembro, as palavras “amo a igreja” foram removidas – como se sinalizassem que o PCCh parou de fingir que existe liberdade religiosa na China. Nem mesmo no papel; ou uma tela.

“A igreja não é mais um local de culto para nós. Tornou-se uma instituição governamental”, disse um crente local ao Bitter Winter . “O PCCh invade locais religiosos com textos que promovem ateísmo e slogans que propagam o comunismo. Ele quer que todas as religiões obedeçam inquestionavelmente à liderança do Partido. ”

Fonte: https://bitterwinter.org/three-self-church-believers-indoctrinated-to-become-atheists/

Governo chinês: “cruzes de igrejas não podem ficar mais altas do que a bandeira nacional”

O governo comunista da China tem aproveitado o momento de quarentena (isolamento) ao novo coronavírus (COVID-19) para reprimir os cristãos no país asiático.

Cada vez mais, as autoridades locais deixam de esconder a perseguição contra as igrejas. Algo que já existia muito antes da pandemia.

De acordo com o portal de notícias Bitter Winter, um membro de uma igreja no distrito de Dongshan foi ameaçado por uma autoridade local. O agente fecharia a igreja se a cruz não fosse removida. O motivo: o símbolo sagrado estava mais alto do que a bandeira nacional.

Os cristãos na China

Segundo a organização Portas Abertas, a China é o 23º país mais perigoso para os cristãos viverem. Isso acontece, sobretudo, por causa da forte perseguição promovida pelo Partido Comunista chinês.

Assim, há um grande controle sobre as igrejas no país asiático. Inclusive eles podem até intervir no conteúdo das pregações. E as igrejas não autorizadas pelo governo a funcionar são consideradas clandestinas.

Perseguição às igrejas

O governo chinês está bloqueando e derrubando algumas cruzes e igrejas pelo país.

Por exemplo, o presidente da organização China Aid, Bob Fu, postou um vídeo em que uma igreja, na cidade de Yixing, foi destruída. Confira abaixo:

O Gospel Herald, um site de notícias cristãs de Hong Kong, acrescentou o que os engenheiros carregaram a cruz desta igreja em um caminhão grande e a levaram embora.

Porém, o caso não é isolado. Segundo o site International Christian Concern, uma igreja no distrito de Huaishang, na cidade de Bengbu, na província de Anhui, também teve a sua cruz removida no início do mês de março deste ano. Sabe-se que a igreja foi isolada por causa do coronavírus e que cerca de 40 pessoas a frequentavam antes da pandemia.

Nesse ínterim, o Christian Post também divulgou um vídeo de uma cruz sendo arrancada de uma igreja, em Guoyang, também na província de Anhui.  Assista:

Fonte: https://www.universal.org/noticias/post/governo-chines-cruzes-de-igrejas-nao-podem-ficar-mais-altas-do-que-a-bandeira-nacional

Partido Comunista Chinês quer o lugar de Deus

“O objetivo final do Partido Comunista é ‘tornar-se Deus’. Isso é o que o diabo sempre fez”, acrescentou o pastor em entrevista ao site da ONG Bitter Winter.

Outra fonte também criticou as autoridades chinesas: “A China é uma ditadura de partido único. As pessoas só podem obedecer ao Partido Comunista e ser controladas por ele”.

Essa não foi a primeira vez que o governo ordena a remoção dos Dez Mandamentos, em novembro do ano passado as autoridades ordenaram que igrejas do condado de Luoyang retirassem a inscrição bíblica.

A campanha da China para chinetizar a religião teve origem em um discurso de Xi na Conferência Nacional de Trabalho Religioso, em abril de 2016.

Na época, Xi afirmou que, para “orientar ativamente a adaptação das religiões à sociedade socialista, uma tarefa importante é apoiar as religiões da China”.

No início de setembro, foi relatado que funcionários do governo chinês exigiram que o clero afiliado ao Movimento Patriótico das Three-Self na cidade de Yuzhou baseasse seus sermões em um novo livro que combina ensinamentos bíblicos com os ensinamentos de Confúcio.

Fonte: https://www.gospelprime.com.br/china-faz-igrejas-substituirem-dez-mandamentos-por-citacoes-de-xi-jinping/

China obriga pastores a pregar usando livro que mistura Bíblia com ensinamentos de Confúcio

O confucionismo é um modo de vida e um sistema de ética que teve um profundo impacto na cultura chinesa ao longo dos séculos

Oficiais do governo chinês estão exigindo que o clero afiliado à igreja protestante sancionada pelo Estado baseie seus sermões em um novo livro que combina ensinamentos bíblicos com os ensinamentos de Confúcio.

A revista chinesa de direitos humanos Bitter Winter relata que o clero afiliado ao Movimento Patriótico das Três Autonomias na cidade de Yuzhou recebeu ordens de começar a ensinar a Bíblia através das lentes da cultura chinesa como parte dos esforços do Partido Comunista Chinês para “chinetizar” o cristianismo.

A revista, publicada pelo Centro Italiano de Estudos sobre Novas Religiões, relata que, em julho, o Departamento de Assuntos Religiosos deu a todos os pregadores locais da província de Henan, um livro intitulado The Analects Encounter the Bible.

O livro publicado em 2014 e escrito por Shi Heng Tan faz referências cruzadas dos ensinamentos bíblicos e da teoria confucionista. Heng Tan foi acusado de ser um ator-chave na campanha de chinetização da China.

Segundo Bitter Winter, o trabalho de Heng Tan foi dedicado a interpretações bíblicas dos ensinamentos e ideias atribuídos a Confúcio, um filósofo que viveu de 551 a 479 aC e é um dos mais influentes da história chinesa.

O confucionismo é um modo de vida e um sistema de ética que teve um profundo impacto na cultura chinesa ao longo dos séculos, ao ensinar os subordinados a serem obedientes ao sistema de governo.

Um pastor da área de Yuzhou disse ao Bitter Winter que os argumentos do livro deturpam completamente alguns ensinamentos da Bíblia. Um exemplo que ele forneceu foi a equação do livro da palavra chinesa para “etiqueta” com o termo “lei” na Bíblia. Ele também disse que a definição de “benevolência” de Confúcio é equiparada à definição bíblica de “amor”. O pastor alertou que as crenças de Confúcio não deveriam ser equiparadas aos ensinamentos bíblicos.

“O PCCh está mudando sutilmente nossa fé. Como ler a Bíblia agora é o mesmo que ler os analetos, isso não significa que basta ler os analetos e acreditar em Confúcio?”, disse um pregador da igreja filiada ao Movimento Patriótico das Três Autonomias. “Esta é a erosão do cristianismo”

Outros também alertaram sobre a tentativa do Partido Comunista Chinês de tornar a Bíblia compatível com a cultura chinesa.

No ano passado, o advogado de direitos humanos Bob Fu testemunhou em uma audiência no Congresso em Washington, DC, dizendo que o governo chinês ordenou que o Movimento Patriótico das Três Autonomias sancionado pelo Estado e o Conselho Cristão Chinês trabalhassem em um plano de cinco anos para “chinetizar” a Bíblia.

O plano de cinco anos, disse Fu, incluía possíveis reconversões da Bíblia e a reescritas de comentários bíblicos. Fu disse na época que uma re-tradução da Bíblia incluiria um resumo do Antigo Testamento com ensinamentos budistas e confucionistas e novos comentários para o Novo Testamento.

“Há esboços de que a nova Bíblia não deveria parecer ocidentalizada e [deveria] parecer chinesa e refletir a ética chinesa do confucionismo e do socialismo”, disse Fu ao The Christian Post após a audiência de setembro do ano passado. “O Antigo Testamento será confuso. O Novo Testamento terá novos comentários para interpretá-lo.”

No início deste verão, foi relatado que várias igrejas da Three-Self na cidade de Qingdao, na província de Shandong, foram ordenadas pelo Departamento de Assuntos Religiosos a cantar novos hinos patrióticos escritos pelos conselhos cristãos sancionados pelo Estado, em vez de canções de adoração tradicionais.

Como observa Bitter Winter, algumas igrejas das Três Autonomias lançaram aulas para estudar os ensinamentos de Confúcio.

“Uma aula de estudo de analistas leva o dia inteiro”, disse um participante da igreja que morava na província de Shandong. “Os participantes tiveram que tirar fotos segurando a Bíblia em uma mão e os Analectos na outra, e postar as imagens on-line.”

Nos últimos 20 anos, a China foi rotulada pelo Departamento de Estado dos EUA como um “país de especial preocupação” por violações da liberdade religiosa. Segundo Fu, o estado de liberdade religiosa na China é o pior desde a Revolução Cultural.

Embora o governo chinês pareça estar exercendo controle sobre como as igrejas aprovadas pelo estado adoram, ele reprimiu fortemente as igrejas independentes não registradas. O governo fechou várias igrejas subterrâneas e prendeu muitas nos últimos anos.

Fonte: https://www.gospelprime.com.br/china-obriga-pastores-a-pregar-usando-livro-que-mistura-biblia-com-ensinamentos-de-confucio/

O que é o Movimento Patriótico das Três Autonomias?

As práticas religiosas asão controladas com firmeza pelas autoridades governamentais chinesas. Apenas chineses com mais de 18 anos de idade que residam no país recebem a permissão de se envolver em encontros cristãos sancionados oficialmente pelo “Conselho Cristão da China”, pelo “Movimento Patriótico das Três Autonomias” ou pela “Associação Patriótica Católica Chinesa”, entidades usadas pelo Partido Comunista Chinês para autorizar e controlar o funcionamento das denominações.

O “Movimento Patriótico das Três Autonomias” é uma organização protestante na República Popular da China e um dos maiores organismos protestantes do mundo. É coloquialmente conhecida como “Igreja dos Três Autos”, auto-governo, auto-apoio (independência financeira dos estrangeiros) e auto-propagação (obra missionária nativa).

Em maio de 1950, líderes protestantes de destaque se reuniram em Pequim para discutir o relacionamento do cristianismo protestante com a jovem República Popular da China. “O Manifesto Cristão ” foi publicado em julho de 1950 e seu título original era “Direção do esforço para o cristianismo chinês na construção da nova China”. Durante a década de 1950, 400.000 cristãos protestantes endossaram publicamente e assinaram este documento.

O objetivo de publicar este documento foi “aumentar nossa vigilância contra o imperialismo, dar a conhecer a clara posição política dos cristãos na Nova China, acelerar a construção de uma igreja chinesa cujos assuntos sejam administrados pelos próprios chineses e indicar as responsabilidades que devem ser assumidas pelos cristãos em toda a China. o país inteiro em reconstrução nacional na Nova China.”

Além disso, afirmou que o movimento promoveu a “auto-governança, auto-apoio e auto-propagação” (em chinês: 自治 、 自 养 、 自传 ; pinyin: zìzhì, zìyǎng, zìchuán) da igreja chinesa.

Em março de 1951, após a entrada da China na Guerra da Coréia, o Departamento de Assuntos Religiosos instruiu grupos religiosos a fazerem da eliminação das influências imperialistas uma prioridade.

Em meados de abril, o Conselho de Administração do Estado convocou uma conferência em Pequim sobre o tema “Manejo de organizações cristãs que recebem subsídios dos Estados Unidos da América”. Essa conferência levou à formação do Comitê Preparatório para o Movimento de Reforma Tripla da Igreja Cristã Oposição à América e Assistência da Coréia da Igreja Cristã (TSRM) sob a política da Frente de Trabalho Unida da China.

Os participantes da conferência emitiram uma “Declaração Unida”, chamando as igrejas e outras organizações cristãs a “romperem completa, permanentemente e completamente todos os relacionamentos com as missões americanas e todas as outras missões, realizando assim o autogoverno,[10] A declaração teve o efeito inesperado de aumentar o número de membros de congregações que se identificaram como “autogerenciadas”.

Quando o “Movimento Patriótico das Três Autonomias” foi criado em 1954, promoveu essa estratégia de “três autos” para remover influências estrangeiras das igrejas chinesas e garantir ao governo que as igrejas seriam patrióticas para a recém-criada República Popular da China.

Quando o “Manifesto Cristão” foi publicado no Diário do Povo, em 1954, prometeu o apoio dos cristãos aos esforços de capitalismo anti-imperialismo, anti-feudalismo e anti-burocrático. O movimento, aos olhos dos críticos, permitiu que o governo se infiltrasse, subvertesse e controlasse grande parte do cristianismo organizado.

Exatamente por isso, muitos cristãos chineses preferem se reunir em encontros feitos em casas-igreja “não-registradas”, tidas como independentes ou domésticas.

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Three-Self_Patriotic_Movement

China quer tirar influência `ocidental´ das igrejas e promover comunismo

Em discurso, autoridade do governo chinês disse que o cristianismo no país deve ter os valores do Estado

Uma autoridade do governo chinês prometeu em discurso na segunda-feira (11/03/2019) livrar o cristianismo de qualquer marca ocidental no país, exigindo mais “chinização” da religião.

Xu Xiaohong, chefe do Comitê Nacional do Movimento Patriótico das Três Autonomias — órgão que controla as igrejas sancionadas pelo Estado — disse que identificou problemas com o cristianismo na China, como a “infiltração” do exterior e as “reuniões privadas”, informa o jornal South China Morning Post.

“Precisamos reconhecer que as igrejas chinesas têm o sobrenome ‘China’, não ‘Ocidente’”, disse Xu a parlamentares na Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, no Grande Salão do Povo, em Pequim.

Xu observou que o cristianismo se espalhou na China quando as potências ocidentais invadiram o país e destacou que a religião sempre estará ligada ao Ocidente. A influência ocidental, segundo ele, fez com que as igrejas chinesas quisessem se manter independentes.

“Portanto, as pessoas costumam dizer: ‘Mais um cristão, um menos chinês’ disse Xu, segundo a agência Xinhua News. “Para as ovelhas negras que, sob a bandeira do cristianismo, participam da subversão da segurança nacional, apoiamos firmemente que o país as leve à justiça”.

A “campanha de sinização da China”, introduzida pelo presidente Xi Jinping em 2015, procura colocar as religiões sob controle absoluto do Partido Comunista da China, que é oficialmente ateu, e alinhá-las com a cultura chinesa.

Em seu discurso, Xu saudou as tentativas anteriores de “chinalizar” o cristianismo no país, como o movimento anticristão (1922-1927) e a Rebelião dos Boxers (1899-1900). Ambos os eventos foram caracterizados pela violência contra os cristãos e resultaram em um grande número de mortes.

Ações contra o cristianismo

De acordo com um plano de cinco anos para promover a “Parece que o governo chinês está em guerra com a fé. É uma guerra que eles não vão ganhar”, disse Brownback em discurso no Clube dos Correspondentes Estrangeiros em Hong Kong na última sexta-feira (8).

“O Partido Comunista Chinês deve ouvir o clamor de seu povo pela liberdade religiosa”. entre as igrejas protestantes, divulgado pelas autoridades religiosas chinesas, os esforços para tornar a fé mais “chinesa” incluem uma edição do Novo Testamento usando escrituras budistas e ensinamentos confucionistas para defender os ideais socialistas.

Além disso, todas as igrejas cristãs devem ser aprovadas pelo governo, com suas atividades estritamente reguladas e monitoradas. Cristãos que não cumprem as exigências do governo continuam sendo presos por adorar de acordo com sua fé.

Na última sexta-feira (8), o embaixador dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional, Sam Brownback, denunciou os abusos do governo chinês contra cristãos em viagem à China.

“Parece que o governo chinês está em guerra com a fé. É uma guerra que eles não vão ganhar”, disse Brownback em discurso no Clube dos Correspondentes Estrangeiros em Hong Kong. “O Partido Comunista Chinês deve ouvir o clamor de seu povo pela liberdade religiosa”.

Fonte: http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/47077/china-quer-tirar-influencia-ocidental-das-igrejas-e-promover-comunismo.html

G1: Pequim coíbe avanço de movimento cristão protestante na China

Agência EFE

Marga Zambrana.

O regime chinês realiza uma dura campanha contra o que considera grupos clandestinos de cristãos protestantes, uma das religiões que mais cresceram no país asiático na última década, com 60 milhões de fiéis.

“Os cristãos na China sempre foram perseguidos”, afirmou à Agência Efe, Li Jincheng, um protestante de 46 anos de Shandong. “A qualquer momento um cristão pode ser detido e preso”, disse o homem, que já foi detido oito vezes, a última, em dezembro.

Para Li, que diz ser filho de um militar comunista e de uma russa, o motivo da perseguição é claro: “o Governo acredita que os cristãos representam à política ocidental” e que seu último alvo é criar um regime que reúna a “ditadura e a religião”.

Embora a China seja um estado laico, sua constituição protege a liberdade de crença, sempre e quando os fiéis se organizam em associações autorizadas pelo Governo do Partido Comunista da China (PCCh, no poder desde 1949).

Para os cristãos protestantes (“Jidu Xin Jiao”, em chinês) existe o Movimento Patriótico das Três Autonomias e a Associação Cristã da China, que congregam 20 milhões de fiéis; e os católicos (“Tianzhu Jiao”) têm a Associação Patriótica Católica, com 5 milhões.

As chamadas “igrejas domésticas”, nas quais os cristãos protestantes se reúnem em casa para ler a Bíblia fora da liturgia oficial se proliferaram nos últimos anos e atualmente reúnem de 30 a 60 milhões de fiéis, entre estes, os dissidentes políticos, segundo diferentes estudos.

Nas últimas semanas, a imprensa noticiou perseguições a dezenas de cristãos e a destruição de suas igrejas, como a de 8 de janeiro em Handan, quando 30 cristãos foram detidos, conforme o presidente da Aliança de Iglesias Domésticas da China, o pastor Zhang Mingxuan.

Desaparecidos desde então, os detidos foram acusados de participar de uma reunião ilegal e submetidos a interrogatórios, disse Zhang ao jornal “South China Morning Post”.

Outro episódio ocorreu no dia anterior com um grupo de 14 cristãos na região ocidental de Xinjiang, “porque tinham se reunido de forma ilegal”, explicou ao jornal o responsável da delegacia do distrito de Aksu, Chen Xiaolong.

“Recomendamos que participem de celebrações em igrejas com certificado”, explicou o policial, que acrescentou que tinham sido libertados.

Em outro incidente, em dezembro, uma igreja protestante em Linfen (Shanxi) que reunia 50 mil fiéis foi atacada por um grupo de pistoleiros, que feriram dezenas e apreenderam bíblias; e em outubro, a igreja de Wangbang, em Xangai, foi fechada.

Segundo o pastor Zhang, que foi detido em várias ocasiões, esta campanha de perseguição de igrejas não registradas iniciou no final do ano passado: “acho que cada vez há mais pessoas indo para estas igrejas e o Governo está se sentindo ameaçado”.

Apesar das evidências, um empregado da Associação de Cristãos da China que não quis se identificar disse hoje à agência Efe em conversa telefônica a partir de Xangai que não tinham notícia dos casos: “não sabemos se existem cristãos clandestinos”, disse.

A mesma resposta deu hoje em entrevista coletiva o porta-voz de turno do Ministério de Assuntos Exteriores, Jiang Yu, quem disse não saber nada destas detenções de cristãos.

O regime chinês sempre freou crenças que possam escapar de seu controle, como o budismo tibetano e o islamismo, relacionado com minorias étnicas indomáveis, mas também o cristianismo, todas estas com líderes fora de seu território, à exceção das igrejas evangélicas, cuja maioria não responde a hierarquia alguma.

Embora considerem o Budismo e o Taoísmo, com mais de 100 milhões de fiéis cada um, como crenças autóctones, o certo é que Pequim também achatou de forma radical os grupos budistas que, como Falun Gong, tinham chegado a congregar em 1999 mais membros que o próprio PCCh, hoje com mais de 70 milhões de filiados.

O líder da Associação Patriótica Católica, Liu Bainian, afirma que as perseguições religiosas não existem em seu país, mas que, como ocorre em outros Estados, os fiéis devem obedecer à legislação.

O cristianismo foi fonte de problemas na China, como ocorreu entre 1850 e 1864 com a Rebelião Taiping, uma guerra civil contra a dinastia Qing liderada pelo ortodoxo Hong Xiuquan, que foi proclamado novo Messias, e deixou 25 milhões de mortos. EFE

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1445077-5602,00-

China proíbe até mesmo cultos online durante pandemia

Uma lei chinesa, editada pelo regime comunista em 2018, proíbe serviços de streaming.

Igrejas de todo o mundo estão realizando cultos online durante a pandemia do COVID-19, mas essa ação permanece ilegal na China.

Segundo informou o Bitter Winter em 5 de abril, pouquíssimas organizações, e “apenas aquelas que possuem licenças emitidas pelo Estado”, podem transmitir serviços religiosos online na China.

“Não podemos nos reunir por causa da pandemia”, disse o pastor de uma igreja subterrânea na província de Jiangxi ao Bitter Winter.

O pastor tentou transmitir um sermão em 9 de fevereiro através de um aplicativo, mas foi interrompido.

Um anúncio em vídeo em rede social da China avisa que as transmissões religiosas ao vivo estão restritas.

“Nossa primeira e única reunião online foi bloqueada pelo governo logo após o início”, disse o pregador.

Nesse mesmo dia, outro pastor da igreja doméstica, na província de Shandong, também tentou transmitir serviços online.

“A reunião foi interrompida menos de 20 minutos após o início”, relatou Bitter Winter.

Uma lei chinesa de 2018 proíbe serviços de streaming.

“Nenhuma organização ou indivíduo poderá transmitir ao vivo ou transmitir suas atividades religiosas, incluindo orar, cantar, ordenações, ler as escrituras, adorar ou receber batismo online na forma de texto, foto, áudio ou vídeo”, diz a lei comunista.

Fim das transmissões

Em 23 de fevereiro, os Dois Conselhos Cristãos Chineses da província de Shandong, aprovados pelo governo, emitiram um aviso “exigindo que todas as igrejas da província parassem de transmitir seus serviços imediatamente”, informou Bitter Winter.

Em 28 de fevereiro, o Departamento de Trabalho da Frente Unida do distrito de Nanhu, em Jiaxing, uma organização governamental na província de Zhejiang, disse que investigaria todas as atividades online de igrejas aprovadas pelo estado.

As igrejas na China devem se registrar no governo e participar do Movimento Patriótico dos Três Autos (Three Self) ou da Associação Católica Patriótica Chinesa. Mas como essas igrejas aprovadas pelo estado enfrentam severas restrições, milhões de cristãos adoram em igrejas clandestinas ilegais.

As atividades diárias dos cristãos também são monitoradas.

Membros de uma igreja de Três Autonomias na província de Henan receberam um aviso de seu pastor em janeiro exigindo que dissolvessem seus grupos no We Chat, um aplicativo de mídia social. Em fevereiro, um oficial da aldeia forçou um morador cristão a “mudar a foto do perfil da conta do We Chat” porque continha uma imagem de uma cruz, informou Bitter Winter.

As igrejas e seus membros são proibidos de dizer algo negativo sobre o governo ou de divulgar informações sobre a pandemia que não seja aprovada pelo governo.

“O Departamento de Segurança Pública tem informações sobre todos os membros de todos os grupos do We Chat, e são realizadas inspeções na rede, especialmente rigorosas durante a pandemia”, disse um pastor de Três Autonomias de Shandong ao Bitter Winter.

A perseguição piorou durante a pandemia.

“Encorajadas pelo governo, muitas fábricas e locais públicos foram reabertos, mas os locais religiosos ainda são barrados”, disse um crente da Three Self da província de Henan. “As reuniões religiosas são proibidas e todos os canais de comunicação religiosa e estão bloqueados.”

Fonte: https://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/china-proibe-cultos-online-mesmo-durante-pandemia.html

Cristãos são presos em suas casas por assistirem culto online na China

Oficiais do Departamento de Segurança Pública se infiltraram nas casas de seis líderes da igreja enquanto eles cultuavam juntos.

Vários cristãos de uma megaigreja protestante fortemente perseguida na China foram detidos após serem pegos participando de um culto no Zoom.

Os membros da Early Rain Covenant Church foram presos em suas casas enquanto participavam de um serviço virtual durante o qual ouviram um sermão de seu líder preso, o pastor Wang Yi.

A Early Rain não se reúne pessoalmente desde dezembro de 2018, quando seu prédio foi invadido e a congregação foi sujeita a prisões em massa. Embora muitos anciãos e membros tenham sido libertados da prisão, Wang Yi permaneceu atrás das grades – no final do ano passado, ele foi condenado a nove anos de prisão.

Os membros da igreja disseram à International Christian Concern que os oficiais do Departamento de Segurança Pública invadiram as casas de seis líderes da igreja enquanto eles adoravam juntos.

“Eu também estava na ligação do Zoom, mas houve um longo período de tempo em que não ouvi nada. Pensei que fosse o problema de conexão de rede no início, mas logo ouvi uma briga surgir. Nosso colega de trabalho, Wang Jun, estava questionando algumas pessoas [dizendo]: ‘Quem é você para fazer isso [conosco]?’”, contou um membro.

Além de Wang, vários outros líderes foram detidos, incluindo Guo Haigang, Wu Wuqing, Jia Xuewei, Zhang Jianqing e Zhang Xudong.

Um defensor da ERCC revelou alguns detalhes do incidente no Twitter: “Desde as 8:30 da manhã, algumas autoridades de segurança entraram nas casas dessas famílias cristãs e simularam conversas casuais com elas. Às 9:30 da manhã, o culto começou e eles também foram convidados a participar. Depois que perceberam que o sermão era do pastor preso do ERCC, Wang Yi, eles imediatamente o encerraram”.

O relato de Zhang Jianquing lembrou o que a polícia disse durante os incidentes: “Não participe mais de atividades [religiosas] já proibidas! Não ouça mais os sermões do pastor [Wang]! Se você fizer isso de novo, vamos lidar com isso com seriedade e levá-lo embora!”.

Um dos indivíduos alvo teve o fornecimento de energia de sua casa cortado, enquanto outros receberam telefonemas intimidadores nos quais foi informado que “a polícia [iria] visitá-los em breve”.

Os seis crentes foram libertados da custódia.

Preocupações

Gina Goh, gerente regional da ICC para o Sudeste Asiático, disse: “É uma pena que o governo chinês não tenha parado uma vez de perseguir a igreja ERCC. Desde a repressão em 2018, as autoridades locais continuaram a monitorar e assediar os membros do ERCC, com a esperança de que a igreja se dispersasse”.

“Numa época em que o povo chinês está sofrendo com a pandemia do Covid-19, o regime insensível decidiu infligir mais problemas aos seus cidadãos. A ONU deve suspender imediatamente a nomeação da China para o Conselho de Direitos Humanos por sua falta de respeito pelos direitos humanos.”

O pastor Wang Yi tem uma história de ousadamente proclamar Cristo do púlpito. Pouco antes de ser preso, ele convocou pessoalmente pessoalmente o presidente Xi Jinping – que vem travando uma campanha de opressão de anos contra os cristãos do país – a se arrepender de seus pecados.

“Quando não estamos sendo perseguidos, espalhamos o evangelho. E quando a perseguição chega, continuamos a espalhar o evangelho”, pregou o pastor Yi em uma mensagem de 2018.

Ele acrescentou: “Se estamos falando de um presidente, declaramos que ele é um pecador. E se estamos falando de um secretário geral, ainda declaramos que ele é um pecador. Acreditamos que temos a responsabilidade de dizer a Xi Jinping que ele é um pecador.”

E qual seria a marca dessa imagem da Besta?

China até queima dinheiro para incentivar transações digitais

Enquanto a epidemia de coronavírus atingia a China, o Banco Popular da China implementou uma nova estratégia para conter o vírus – limpeza profunda e destruição de notas de yuan potencialmente infectadas. As novas medidas, anunciadas pelo banco central chinês, visaram a conter a propagação do vírus, oficialmente conhecido como Covid-19.

Ainda há muitos pontos desconhecidos sobre o vírus, mas parece sobreviver por pelo menos várias horas ou mesmo dias em algumas superfícies. Justamente por este motivo é que edifícios nas áreas afetadas desinfetam regularmente botões de elevador, maçanetas de portas e outras superfícies comumente tocadas.

Pela mesma razão, o governo chinês resolveu desinfetar as notas, que apesar de serem cada vez menos usadas no país, ainda passam de mão a mão várias vezes por dia.

O dinheiro proveniente de áreas de infecção de alto risco, como hospitais e mercados, será “especialmente tratado” e devolvido ao banco central ao invés de recircular.

Já na agência do banco central de Guangzhou, as notas de alto risco podem ser destruídas em vez de apenas desinfetadas, de acordo com o tabloide estatal Global Times.

Outras medidas incluem a suspensão de transferências físicas de dinheiro entre as províncias mais afetadas, para limitar a possibilidade de transmissão do vírus durante o trânsito do dinheiro. Fonte: https://exame.abril.com.br/mundo/china-desinfeta-e-destroi-dinheiro-para-conter-avanco-do-coronavirus/3/

Em outro artigo publicado em 2017, a revista Exame perguntou: “A China será o primeiro país sem dinheiro? Notas ou cartão para quê?” Seis em cada dez compras feitas na China já são pagas digitalmente, num mercado trilionário disputado por dois gigantes, a varejista online Alibaba, dona do serviço de pagamentos Alipay, e a empresa de tecnologia Tencent, dona do aplicativo WeChat. Em 2016, os pagamentos digitais no país chegaram a 5,5 trilhões de dólares.

A rotina dos trabalhadores de lojas e escritórios de Shenzhen, polo de tecnologia no sul da China, é a mesma há décadas. Antes de subir para o escritório, eles param numa das dezenas de barraquinhas de rua e compram uma embalagem de plástico com um punhado de noodles, o macarrão chinês, e legumes, carnes e ovos. Tudo com muito shoyu. É o café da manhã e o almoço do dia a dia. A novidade ocorre na hora de pagar.

Equilibrada embaixo de uma cesta de ovos, há uma folhinha com um QR code do estabelecimento (veja no canto inferior esquerdo da foto acima). Basta apontar a câmera do celular para o código e o pagamento está feito. Quase ninguém usa dinheiro, e o comerciante faz cara feia para quem o obriga a parar de servir para contar notas e moedas.

A cena se repete em outros lugares. O vendedor de melancias, poucos metros à frente, também prefere receber o pagamento digital. As bicicletas de aluguel espalhadas pela cidade só são liberadas pelo celular, por 50 centavos a hora. Adolescentes não recebem mais mesada dos pais, mas depósitos em seus aplicativos. Até garçons têm o próprio QR code pendurado no avental para receber gorjetas. A China, país que inventou o papel-moeda há 15 séculos, caminha a passos firmes para ser o primeiro a aposentá-lo.

As compras sem dinheiro já representavam 60% do total no país, nessa reportagem de 2017. Em mercados maduros, como o do Reino Unido, o índice também era alto (55%), mas o que chama a atenção na China é o fato de o país estar pulando do dinheiro físico para os meios digitais sem passar pelo cartão de crédito ou de débito. Em 2016, por exemplo, o volume de pagamentos feitos com o smartphone chegou a 5,5 trilhões de dólares. 

A mudança é impulsionada por um aumento de 31% no PIB per capita, para 6 500 dólares, e de 30% na taxa de uso da internet, para 50 em cada 100 chineses, nos últimos sete anos. Além disso, os smartphones são relativamente baratos. Um aparelho de ponta de fabricantes locais, como Oppo, Huawei e Xiaomi, custa pouco mais de 500 reais.

“Os jovens chineses não tiveram computador e pularam para o celular. Também não tiveram cartão de crédito e foram direto para os pagamentos digitais. Quando eles passaram a ter acesso à tecnologia, mergulharam de cabeça”, diz In Hsieh, presidente da China-Brasil Internet Promotion Agency e ex-diretor da Xiaomi no Brasil.

A pouca popularidade do cartão de crédito e os entraves na regulação ajudam a explicar o tamanho do fosso nos pagamentos digitais entre a China e outros grandes mercados. Segundo a empresa de pesquisas Forrester, os pagamentos móveis nos Estados Unidos chegaram a 112 bilhões de dólares em 2016, ou 2% do tamanho do mercado chinês, o que também revela certa resistência por parte dos americanos a usar o smartphone no lugar do cartão para fazer compras. Fonte: https://exame.abril.com.br/revista-exame/a-china-sera-o-primeiro-pais-sem-dinheiro/

“Na China, em restaurantes, lojas e até nas caixinhas dos artistas de rua, a opção de pagamento predominante é o celular. Os dois meios de pagamento digitais dominantes são o Alipay e o WeChat, das empresas Alibaba e Tencent, donas de 90% do mercado. De acordo com o New York Times, quando o garçom apresenta a conta, são essas duas opções as oferecidas. O dinheiro em espécie é “uma terceira e remota possibilidade”, segundo Paul Mozur, correspondente do jornal norte-americano.

“Ao New York Times, Shiv Putcha, um analista da consultoria IDC, disse que o pagamento via celular “se tornou o estilo de vida padrão agora. Literalmente toda empresa e marca na China está conectada a esse ecossistema”.

Além do Alipay, a Alibaba/Ant Financial oferece outros serviços. Um deles, o Sesame Credit, atribui notas aos cidadãos chineses com base em seus hábitos de consumo e histórico de pagamentos. Mantenha as contas em dia e consuma com frequência, e sua nota será boa. Tipo em um episódio de Black Mirror, a série britânica que apresenta futuros distópicos.

Toda essa estrutura, apesar de futurista e trazer inegáveis vantagens, acarreta preocupações. Uma, a possível marginalização dos que não têm acesso a crédito ou à tecnologia necessária. Outra, o comprometimento da privacidade dos cidadãos chineses. A relação íntima entre as grandes empresas de tecnologia do país e o governo significa acesso desses entes aos hábitos de consumo de milhões de chineses. Fonte: https://www.gazetadopovo.com.br/economia/nova-economia/em-tres-anos-china-passou-do-dinheiro-de-papel-para-pagamentos-via-celular-04b6c59pw1ck9fie73ukpc997/

Está também nos planos do governo chinês entrar no universo das criptomoedas – de acordo com o jornal japonês Nikkei Asian Review. Ao contrário das divisas virtuais mais famosas, no entanto, como o bitcoin, ela seria uma moeda soberana, ou seja, controlada pela autoridade monetária de Pequim, o Banco do Povo da China.

A criptomoeda seria como um yuan virtual, informou ao Nikkei o vice-presidente do banco central chinês, Fan Yifei. A fase de pesquisa e alguns padrões já estariam estabelecidos, diz ele, e agora o projeto está na fase de escolha de uma região para testes.

A vantagem dessa moeda para o governo da China seria a diminuição de custos e da carga de trabalho no sistema bancário — afinal, seria reduzida a burocracia e a circulação de caixa em papel moeda. Além disso, evidentemente permitiria ao governo chinês bloquear aqueles a quem desejar impedir que possam comprar ou vender, segundo prevê o Apocalipse em relação ao poder da Imagem da Besta.

Recente reportagem do Daily Star, alertou que a tecnologia 5G da Huawei pode permitir controle total da China sobre a população do Reino Unido e de outros países.

Tanja Rebel, ativista e professora de filosofia da Ilha de Wight, disse ao Daily Star Online que a Huawei representa perigo para a segurança nacional, pois o 5G nos tornará muito mais vulneráveis ​​a invasões estrangeiras malignas. “É claro que isso não se restringe apenas à Huawei, mas também a qualquer país com motivos suspeitos.”

Rebel, que disse que o lançamento da tecnologia 5G não testada “agride” a população britânica , teme que a extensa rede possa ser transformada em um sistema de vigilância em massa.

“Veja a China, onde o sistema de crédito social digital é usado para punir e penalizar aqueles que cometem as menores violações, e onde minorias são encarceradas em campos de concentração onde há controle digital completo”.

O poderoso estado de vigilância da China, auxiliado por câmeras de reconhecimento facial de alta tecnologia nas ruas, implementa um sistema controverso que monitora o comportamento dos cidadãos e os recompensa ou os pune de acordo .

Aqueles que violam as leis de trânsito, compram muitos videogames ou publicam notícias falsas on-line recebem baixas “pontuações de credibilidade social”, enquanto aqueles que doam sangue ou fazem trabalho voluntário têm uma pontuação alta.

As pontuações afetam onde as pessoas podem viajar, em quais escolas seus filhos podem frequentar e até a velocidade da internet.

Até os notórios “campos de reeducação” do país estão sujeitos a vigilância 24 horas por dia.

As Nações Unidas condenaram o governo chinês por relatos credíveis de que mais de um milhão de uigures, a minoria muçulmana do país, estão detidos em campos onde são torturados e jurando lealdade ao Estado.

Os investigadores também alegaram que os uigures estão sendo mortos para fins de extração de órgãos .

A China defendeu seu tratamento aos muçulmanos, alegando que os que estão nos campos são bem tratados e que a iniciativa é bem-sucedida em combater o terrorismo. Fonte: https://www.dailystar.co.uk/news/weird-news/huaweis-5g-gives-complete-control-21635467

Como irá funcionar a Marca da Besta Chinesa

De acordo com um relatório da CBS This Morning, publicado em 24 de abril de 2018, a China planeja dar todos os seus 1,4. bilhões de cidadãos, uma pontuação pessoal com base na forma como se comportam até 2020. Essas pontuações terão um grande impacto no dia-a-dia de cada cidadão que tiver uma dessas “Índices de crédito social” atribuídas a eles.

Até agora, o modo como o sistema de pontuação funciona é mantido em segredo, mas parece atribuir uma pontuação mais alta àqueles que participam de atividades “favoráveis ​​à sociedade” e uma pontuação mais baixa às atividades que não são tão “favoráveis”, jay caminhar é uma das atividades desfavoráveis. Atualmente, a China tem 176 milhões de câmeras de vigilância em operação em todo o país e planeja elevar esse número a 600 milhões até 2020, a apenas dois anos.

Alguns cidadãos com baixa pontuação já estão sendo punidos se quiserem viajar. Segundo o relatório da CBS, o programa começará a se expandir em todo o país na próxima semana. Um cidadão chinês, Liu Hu, recentemente tentou reservar um voo, mas foi informado de que foi proibido de voar porque estava na lista de “pessoas não confiáveis”.

Quem decide quem é colocado nessa lista ainda é um mistério, mas há uma pista aqui, pois Liu Hu foi ordenado por um tribunal a pedir desculpas por vários tweets que ele escreveu on-line. Quando ele pediu desculpas, ele foi informado de que o pedido era “insincero”. Liu Hu foi citado pela CBS This Morning como dizendo: “Não posso comprar imóveis. Meu filho não pode frequentar uma escola particular ”, ele disse. “Você sente que está sendo controlado pela lista o tempo todo.”

Fonte: https://www.redpillinfowar.com/2018/05/03/chinas-social-credit-scoring-system-mark-of-the-beast-lock-down/

1 comentário em “Governo chinês age como “imagem da besta” romana e nossos pastores nada dizem”

  1. A imagem da besta, “Lobo” em pele de ovelha, tem e terá uma íntima ligação com a primeira besta.
    Houve antes do cenário apresentado na matéria, um outro poder, tão ou até mais opressivo, que a maioria dos estudiosos da época, inclusive os líderes da imagem da besta, o “Lobo”, temiam aquele que fora o primeiro “Império” a lançar um astronauta, Iuri Gagarin, e que estava preparando uma Ilha para ser o trampolim para atacar o “Lobo”. A Ilha de Cuba era financiada para ser a plataforma desse ataque, então o “Lobo”, que sempre está camuflado em pele de ovelha, invadiu a Baia dos Porcos, isso tudo no mesmo ano: 1961.
    Eu pensava que a URSS não demoraria para ser a maior potência mundial, e também os líderes políticos do “Lobo” (Lobo=EEUU).
    O tempo passou, e a URSS que, fora construída com o derramamento de muito sangue, num período longo, simplesmente caiu e desmontou, rapidamente, sem derramamento de nenhuma gota de sangue.
    Aí então comecei a entender que, aquela “potência” de outrora, não constava no cenário profético.
    Há uma outra “potência”, que se pode verificar nos números, é a segunda economia do planeta, não não é a China:
    1 – EEUU – PIB – US$ 21,3 tri
    2- UE – US$ 18,3
    3- China – US$ 14,2
    Essa potência, União Européia, consta na profecia, representada pelos pés da estátua de Daniel 2, ferro e barro; mas essa União já começa a se desmontar, incentivada e conduzida pelo “Lobo”, incentivando e ajudando o Reino Unido a fazer o Brexit, e assim começa a ruir a UE. É só uma questão de tempo e veremos (quem estiver vivo) o fim da UE, da mesma forma que vimos o fim da URSS. Maktub !
    Aqueles de nós que estivermos vivos também veremos acontecer com a considerada segunda economia do planeta, que o “Lobo” muito teme, e já está guerreando, mesmo sendo uma guerra fria, como existiu no tempo da URSS, e o Comandante em Chefe do “Lobo”, que não tenho a menor dúvida, é a imagem da Besta, ou segunda Besta, ou a Besta que emerge da Terra, vive tendo rusgas com a China, que certamente terá a mesma sorte da extinta URSS e que terá a UE.
    Portanto, quem estuda profecias, deve mirar o olhar para o “Lobo” e não para a China, que não aparece em nenhuma profecia, e terá seu desmantelamento assim como a UE, não sei se antes ou depois, mas certamente terá.
    A imagem da Besta, é a primeira economia do mundo, e assim continuará sendo, para dominar e impor as ordens da primeira Besta.

Deixe uma resposta