Sínodo amazônico do Papa Francisco promoverá o neopaganismo, domingo, ordenação de mulheres, eco-revolução e ecumenismo


Traduzido via Google do Mensageiro do Advento:

Mudanças estão vindo tanto na sociedade quanto mais importante -mudanças nas igrejas. O Vaticano acaba de publicar a agenda do Sínodo para os Bispos da Amazônia, de 6 a 27 de outubro de 2019, que acontecerá em Roma.

O documento de trabalho divulgado pelo Vaticano chamado “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral” [1] estabelece as bases para as discussões. Quando os bispos se encontrarem no Vaticano, em outubro, abordarão uma ampla variedade de agendas liberais e socialistas: a ecologia, a encíclica Lavato Si do Papa Francisco (leis dominicais), a ordenação de mulheres, o ecumenismo e o espiritismo.

Este Sínodo não é sobre converter os povos indígenas da Amazônia com o evangelho de Cristo ou sobre espalhar a verdadeira fé. Não. Este Sínodo é sobre converter todo o mundo cristão ao paganismo. Trata-se de espalhar a política socialista radical. Trata-se de aprender com as selvas da Amazônia e adotar filosofias pagãs e pagãs como modelo para todas as igrejas.

Um item relativamente novo foi colocado na agenda que será debatida pelos bispos em Roma. Esse debate será centrado em torno da introdução de um sacerdócio feminino. O documento de trabalho é claro em seus objetivos em relação ao novo papel que as mulheres desempenharão, pelo menos na região amazônica por enquanto. Roma está usando as circunstâncias que estão ocorrendo na selva amazônica como meio de promover a ordenação de mulheres – e uma série de outras causas liberais.

Vejamos as seções mais importantes do documento divulgado pelo Vaticano. Você pode ler o documento inteiro online. [1] Este documento é a agenda oficial que será discutida em outubro de 2019.

O documento do Vaticano diz: Devemos respeitar e preservar a cultura amazônica

“A Pan-Amazônia é abundantemente multicultural, portanto a maior contribuição é continuar lutando para preservar sua beleza, fortalecendo a estrutura comunidade-família de seus povos. Para este fim, a Igreja deve valorizar e respeitar as identidades culturais ”(Seção 79).

Precisamos preservar e respeitar a “verdade que uma vez foi entregue aos santos” (Judas 1: 3).

O documento do Vaticano diz: Devemos ouvir a voz da Amazônia

“A vida na Amazônia, onde a água, o território e as identidades e espiritualidades de seus povos se entrelaçam, convida ao diálogo e à aprendizagem de sua diversidade biológica e cultural … É o momento certo para ouvir a voz da Amazônia” (Seção 43). ).

Precisamos ouvir a voz de Deus expressa em Sua palavra (Romanos 10:17).

O documento vaticano elogia panteísmo e paganismo

“É necessário entender o que o Espírito do Senhor ensinou a esses povos através dos séculos: fé no Deus Criador Pai-Mãe; comunhão e harmonia com a terra; solidariedade com os companheiros; lutando por “boa vida”; a sabedoria das civilizações que remontam a milhares de anos que os idosos possuem e que influencia a saúde, a vida em conjunto, a educação, o cultivo da terra, a relação viva com a natureza e a “Mãe Terra” (Seção 121).

É necessário entender a verdade da palavra de Deus. Só isso trará paz, alegria, cura e redenção (Mateus 11:28, 29).

O documento do Vaticano diz que o panteísmo é um modelo para a Igreja

“Em sua sabedoria ancestral, alimentaram a convicção de que toda a criação está conectada, e isso merece nosso respeito e responsabilidade. A cultura da Amazônia, que integra os seres humanos à natureza, constitui uma referência para a construção de um novo paradigma de ecologia integral. A Igreja deve assumir em sua missão o cuidado por nosso lar comum ”(Seção 56).

A igreja apostólica no livro de Atos é o modelo para todas as igrejas. Precisamos da organização da igreja do Novo Testamento, não de filosofias panteístas. Precisamos que todas as pessoas adotem os princípios e a cultura do céu, não as culturas corruptas deste mundo.

O documento do Vaticano destaca “diálogo com os espíritos”

“É também na família que valores culturais são transmitidos, como o amor à terra, a reciprocidade, a solidariedade, a vivência no presente, o senso de família, a simplicidade, o trabalho comunitário, a auto-organização, a medicina ancestral e a educação… é onde se aprende a viver em harmonia: entre os povos, entre gerações, com a natureza, em diálogo com os espíritos ”(Seção 75).

A comunicação com os mortos deve ser condenada, não tolerada (Levítico 19:31).

O documento do Vaticano quer mesclar o paganismo com o cristianismo

“É necessário um processo de discernimento sobre os ritos, símbolos e estilos de celebração das culturas indígenas em contato com a natureza, que precisam ser integrados nos rituais litúrgicos e sacramentais” (Seção 126a).

“As celebrações devem ser festivas, com músicas e danças próprias, usando línguas e vestimentas indígenas, em comunhão com a natureza e com a comunidade. Uma liturgia que responde à sua própria cultura, de modo a ser a fonte e o ápice de sua vida cristã ”(Seção 126a).

Essa fusão de cultura com o evangelho está acontecendo em todos os lugares. Nós vemos isso na música profana e na dança sensual que está acontecendo em muitas das igrejas. O Vaticano está dizendo que precisamos pegar o que o mundo gosta e misturá-lo com nossa adoração a Deus. Agora sabemos quem está por trás de toda essa apostasia contemporânea.

O documento do Vaticano chama nosso planeta de “Mãe Terra”

“A agressão a essa zona vital da Mãe Terra e seus habitantes ameaça sua subsistência, sua cultura e sua espiritualidade … A situação atual exige urgentemente uma conversão ecológica integral” (Seção 44).

“O povo amazônico tem direito à saúde e a viver de maneira saudável, o que significa harmonia com o que a Mãe Terra nos oferece” (Seção 88).

“Ouça o grito da ‘Mãe Terra’ agredido e gravemente ferido pelo modelo econômico de desenvolvimento predatório e ecocidal” (Seção 146d).

Desenvolvimentos “ecocidas”? Isso seria considerado matar o meio ambiente – “ecocídio”. Esta será a nova moralidade na Nova Ordem Mundial do Vaticano. Muitos serão considerados culpados de “ecocídio”.

Essa coisa toda de chamar nosso planeta de “Mãe Terra” é panteísta. Os nativos da Amazônia adoram a terra como um deus, e para o Vaticano ou qualquer igreja cristã usar essa terminologia é encorajar a adoração de falsas divindades.

O documento do Vaticano pede o ecumenismo

“Procurem pontos em comum através de reuniões periódicas com representantes de outras religiões, a fim de trabalhar juntos para o cuidado de nosso lar comum e para lutar juntos pelo bem comum diante das agressões externas” (Seção 139).

“O amor vivido em qualquer religião agrada a Deus” (Seção 139).

Infelizmente, as igrejas estão atendendo ao chamado do Vaticano e estão se unindo no ecumenismo para impulsionar e promover muitas das causas liberais do papa.

O Documento Vaticano Afirma “Laudato Si”

“Montar programas de formação formais e informais sobre o cuidado da nossa pátria pelos seus agentes pastorais e fiéis, e aberto a toda a comunidade, a fim de“ sensibilizar as pessoas ”, como preconizam os capítulos V e VI da Encíclica Laudato Si. ‘ ”(Seção 56b).

“A Encíclica Laudato Si ‘ introduz este paradigma relacional da ecologia integral como a articulação fundamental dos laços que possibilitam o verdadeiro desenvolvimento humano” (Seção 48).

“Criar itinerários pastorais orgânicos com base na ecologia integral, a fim de proteger a nossa casa comum, com a orientação dos capítulos 5 e 6 da Encíclica ‘ Laudato Si’“ (Seção 104j).

“Promover uma nova consciência ecológica que nos leve a mudar nossos hábitos de consumo, promover o uso de energias renováveis, evitar materiais nocivos e implementar outros caminhos de ação destacados pela Encíclica Laudato Si ‘“ (146f).

Lembre-se, Laudato Si é o fundamento do Papa para uma lei dominical. O Papa Francisco, em sua encíclica, pede que o domingo seja um dia de descanso e adoração. Isso, segundo Francisco, é um passo necessário para salvar o planeta. Laudato Si faz parte da agenda da reunião de outubro. Eles querem tentar treinar pessoas para começar a implementar isso na região amazônica.

O documento do Vaticano diz que a ordenação de mulheres e um sacerdócio feminino estão chegando

“Promover vocações entre homens e mulheres indígenas para responder à necessidade de cuidado pastoral e sacramental” (Seção 129a1).

“Identifique o tipo de ministério oficial que pode ser conferido às mulheres, levando em conta o papel central que desempenham hoje na Igreja na Amazônia” (129a3).

“No campo eclesial, a presença das mulheres nas comunidades nem sempre é valorizada. O reconhecimento das mulheres é procurado por seus carismas e talentos ”(Seção 129c1).

“Também se propõe que as mulheres tenham sua oportunidade de liderança garantida, assim como um escopo cada vez mais amplo e relevante na área da formação: teologia, catequese, liturgia e escolas de fé e política” (Seção 129c2).

“Promover a dignidade e a igualdade das mulheres no público, no privado e na Igreja, garantindo oportunidades de participação” (Seção 146e).

“Promover o papel da mulher, reconhecendo suas funções fundamentais na formação e continuidade das culturas, na espiritualidade, nas comunidades e nas famílias. As mulheres devem assumir um papel de liderança dentro da Igreja ”(Seção 79c).

A ordenação de mulheres está chegando. Eles apenas expuseram todos os argumentos para apoiá-lo. E a Amazônia é a única área nativa isolada do planeta? Não. Uma vez que o precedente tenha sido estabelecido para ordenar mulheres nas regiões amazônicas, isso abrirá as portas para mais lugares onde as mulheres serão chamadas para o ministério “pastoral e sacramental”.

O que essas causas liberais, pagãs e antibíblicas têm a ver com o evangelho de Jesus Cristo? Por qual autoridade bíblica eles estão implementando essas políticas? O que a ecologia, a economia e a política têm a ver com o mandato e a missão da Igreja? Nenhum que seja.

O que é vergonhoso e blasfemo é quando levamos o evangelho de Jesus Cristo e tentamos manipulá-lo de modo que ele seja mesclado com as crenças nativas da Amazônia, como a “Mãe Terra”, e tentar dizer às pessoas que podemos tornar nossas crenças aceitáveis.

Isto é um abandono da fé e uma traição ao verdadeiro cristianismo apostólico. Em vez de promover a fé verdadeira que ajudaria a humanidade a escapar das superstições do paganismo, eles estão espalhando o socialismo marxista sob um manto do cristianismo e estão empurrando a sociedade de volta a uma civilização primitiva e primordial – em harmonia com a Mãe Natureza e os “espíritos”.

Não pense por um momento que essa agenda é apenas para as nações amazônicas do Brasil, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador, Bolívia, Guiana Francesa e Suriname. O objetivo do Sínodo é proclamar uma revolução mundial e uma reorientação completa da igreja.

Eu oro para que o mundo cristão possa acordar e ver o que está prestes a acontecer. O que o paganismo, o espiritualismo, a   adoração da terra , o culto dominical, o ecumenismo e a ordenação de mulheres (feminismo) têm a ver um com o outro? Muito mais do que podemos imaginar! Estamos vendo o plano de Roma para a próxima aquisição. Tudo isso está preparando o mundo para o reinado do Anticristo.

Fontes

[1] http://www.sinodoamazonico.va/content/sinodoamazonico/en/documents/pan-amazon-synod–the-working-document-for-the-synod-of-bishops.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *