Santa inveja: Michelson Borges quer participar de programa de humor do SBT (com acréscimos!)

Dor-de-cotovelo não serve apenas como inspiração de música sertaneja brega. Não, no caso de Michelson Borges, a santa inveja é tanta que ele não se conteve e tuitou para o Danilo Gentili um auto-convite para que seja entrevistado no The Noite para falar de seu “criacionismo científico”, antibívlico, que defende apenas a formação — e não Criação! — da Terra em seis dias, depois de bilhões de anos da grande explosão ou “Big Bang”. Como o programa é de humor — e o “criacionismo científico” é, de fato, uma piada de mau gosto! — e a produção costuma abrir exceções para quem possa pagar pela divulgação, como no caso de alguns cantores populares, é bem provável que Michelson Borges consiga patrocínio denominacional para que vá à tevê defender os satanistas e ocultistas maçons da NASA!

Aliás, em recente apresentação no UNASP-SP, Michelson Borges teve o descaramento de afirmar que a Bíblia não é livro para ser lido por ignorantes, mas apenas por pessoas cultas! Além disso, falou com todas as letras e com todo o pesar que o feiticeiro satanista Issac Newton poderia ter sido o fundador da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Marcar data para o retorno de Jesus Cristo contraria Sua própria instrução aos discípulos:

“Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.” Mateus 24:36.

“Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.” Atos 1:7.

“Mas se aquele mau servo disser no seu coração: O meu senhor tarde virá.. Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, E separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes.” Mateus 24:48-51

Imagine se poderia ser adventista um mau servo que, por volta de 1700, escrevesse que seu Senhor só viria dali a mais de dois séculos, por volta de 1948, ou que o mundo só acabaria por volta do ano 2060?

“No caso de Newton, o misticismo e a religião não só conviveram com a ciência como a fortaleceram. ‘Seu mergulho profundo nas experiências alquímicas e nas raízes da teologia pode ter influenciado seus pensamentos a respeito de uma visão mais ampla do Universo’, afirma Michael White, autor da biografia Isaac Newton – O Último Feiticeiro.”

“…Mas o outro lado de Newton passou batido. Só veio à tona em 1936, com o economista John Maynard Keynes, o criador da Teoria do Estado de Bem-Estar Social. Depois de ter acesso a documentos e anotações do físico, Keynes deu uma palestra mostrando-o como um místico e fanático. ‘Newton não foi o primeiro da Idade da Razão. Foi o último dos feiticeiros’, disse Keynes.”

“…Científico e religioso, ele fez da matemática um modo de estudar a Bíblia. Fazia cálculos imensos para confirmar as histórias bíblicas mais inverossímeis. Um exemplo é a criação do mundo em 7 dias. Newton acreditava na criação por Deus e, para resolver o problema de um tempo tão curto, observou que a Bíblia não afirma quantas horas durava um dia no momento da Criação. Como ainda não existia Terra nem movimento de rotação, um dia poderia ser quanto Deus decidisse. Para fazer previsões sobre o futuro do mundo, Newton não se baseou nos dias contados pela Bíblia. Ele tomou como base o gafanhoto, uma das pragas de Deus no Antigo Testamento, que vive em média 5 meses. A partir desse número, ele cravou que os judeus voltariam a Jerusalém em 1899, e em 1948 ocorreria a segunda vinda de Cristo à Terra. Depois, se passariam 1000 anos de paz.” — Por Leandro Narloch, em “Isaac Newton: fé e física”, publicado na revista Super Interessante.

“Nas últimas décadas, o Armagedom já mudou de data várias vezes. Agora, o fim do mundo da vez não vem de um fanático religioso, mas de um cientista bastante famoso. Ninguém menos que Isaac Newton! Um texto, recentemente descoberto, de autoria do físico, que descreveu a lei da gravitação universal, aponta que o ‘Juízo Final’ será em 2060. Para chegar a essa data, Newton se baseou em cálculos matemáticos e vários trechos da Bíblia. O inglês escreveu o tratado sobre o apocalipse usando o pseudônimo de Jehovah Sanctus Unus, segundo revelaram estudiosos citados pelo ‘Daily Star’.” — “Texto de Isaac Newton aponta que o mundo acabará em 2060” com base em “Biblical apocalypse in 2060 – Sir Isaac Newton predicted universe will ‘reset’ in 42 years“.

Embora diga que Isaac Newton poderia ter sido o fundador da Igreja Adventista, Michelson Borges, evidentemente, não menciona que, apesar de ocultista, Newton era totalmente contrário à doutrina da Trindade, como acontecia com os pioneiros do movimento adventista:

“Isaac Newton acreditava que o Cristianismo havia sido corrompido no quarto século pela introdução de uma doutrina herética segundo a qual Jesus seria da mesma natureza que Deus Pai (homoousios) e que, com o Espírito Santo, eles formariam uma trindade consubstancial e indivisível.

A doutrina trinitária trouxera para o seio da Igreja o maior dos pecados: o culto idolátrico. Cristo, então, se tornara um deus a ser cultuado com as mesmas honra e adoração devidas ao Deus de Abraão, Isaac e Jacó. Um pecado de tal magnitude, Newton considerava, teve e ainda teria consequências funestas e terríveis.

“Não é de se admirar que esse evento se tornasse a pedra angular da interpretação newtoniana das profecias bíblicas. O físico inglês se dedicara ao seu estudo desde a década de 1670 e continuou a escrever inúmeros manuscritos sobre esses assuntos — e os revisou constantemente — pelos quase cinquenta anos que se seguiram. Após sua morte, um único volume conheceu publicação: Observations upon the Prophecies of Daniel and the Apocalypse of St. John.” — por Rogério da Costa, Professor da UERJ e da PUC-Rio.

Por essa razão publicamos aqui, artigo em que perguntamos:  “E agora, Michelson? Isaac Newton foi um ocultista satânico detestável, ou um cristão bíblico exemplar?” Mas além de insistir na defesa de Isaac Newton como um cristão exemplar, apesar de ocultista e unitarista, em vídeo anterior, Michelson Borges chegou a defender o satanista auto-declarado Anticristo, Jack Parsons, um dos fundadores da Nasa, como se fosse um mensageiro de Deus! “Ser ocultista não ser ignorante,” disse, entre outros absurdos.

Até quando a liderança e os membros da IASD irão permitir que pastores e pseudocriacionistas como Michelson Borges e Eduardo Lutz ocupem os pulpitos para defender idéias diabólicas como essas, que estão levando nossos adolescentes ao suicídio?

De nossa parte, acreditamos que Michelson Borges pode estar necessitando de ajuda profissional psiquiátrica.

Pesquise qual é a definição de inspiração divina defendida por Michelson Borges e saberá que corresponde exatamente à inserção ou sopro de pensamentos na mente. Assim, fica evidente que está arrogando o mesmo “dom profético”, que atribui a Ellen G. White. Quanto à intercessão, por que Deus sensibilizaria a terceiro e não exatamente a quem precisa da oração? A oração de Michelson tem mais poder do que a oração de quem precisa diretamente do auxílio divino?

“O delírio místico também foi chamado de delírio messiânico, porque é comum que a pessoa afetada se sinta escolhida para cumprir uma determinada missão encomendada pela divindade. Dada a dificuldade de colocar limites precisos a uma crença religiosa, o delírio místico às vezes não é fácil de detectar…”

Logo no início do vídeo, o pastor Heraldo Lopes conversa com Michelson e explica que mesmo ignorantes podem ler e compreenderão a Bíblia e que o processo de inspiração isenta a Bíblia de erros. Emn seguida, o pastor Bullón condena a relativização do relato bíblico, conforme fazem Michelson Borges e Eduardo Lutz, entre outros falsos criacionistas.

Deixe uma resposta