A Conspiração de Gênesis 6: Do misticismo enoquiano dos filhos de Caim para a maçonaria antediluviana até o Dilúvio

Nesta postagem, trazemos a tradução automática de quatro novos capítulos do livro “A conspiração de Genesis 6: Como sociedades secretas e os descendentes de gigantes planejam escravizar a humanidade”, que é o foco das discussões desta série de vídeos do irmão Afonso de Vasconcelos, doutor em geofísica pela USP. Desta vez, o vídeo se refere apenas ao capítulo 11 sbre o Dilúvio Mundial, bem abaixo nestas página.




8. Linhagem e sangue real

Este é o relato escrito da linhagem de Adão. Quando Deus criou o homem, ele o fez à semelhança de Deus. Ele os criou homem e mulher e os abençoou. E quando eles foram criados, ele os chamou de “homem”. Quando Adão viveu 130 anos, ele teve um filho à sua semelhança, à sua imagem, e chamou-o de Set.

— Gênesis 5: 1-3

Inesperadamente, Gênesis 5 sublinhou obedientemente duas facções concorrentes e possivelmente duas raças distintas com clareza, se for o caso de anotar isso. A passagem sugere linhagens reais concorrentes que estavam em uma batalha contínua por legitimidade.

Por que Caim nunca é referido como um ser à imagem de Adão nas Escrituras? Por que a passagem afirma primeiro que Deus criou o homem no singular, referindo-se a ele como “ele” e, em seguida, observando que Deus criou “homem e mulher” juntos, usando o plural? Por que a passagem se refere a homem e mulher como “eles”, abençoando-os assim como as pessoas do sexto dia foram abençoadas? Pense nisso como duas criações diferentes, a criação de Adão e a criação do sexto dia, uma noção que irei desenvolver.

A passagem parece estar saltando para frente e para trás entre as criações de duas raças distintas – entre uma criação singular e uma criação plural. Da mesma forma, Gênesis 4 observa que Caim começou a construir várias cidades, assim como Enoque. Para quem essas cidades foram construídas? Nos primeiros anos da época Adâmica, somos levados a acreditar pela ortodoxia cristã padrão que apenas algumas almas existiram; apenas algumas centenas se eles tivessem povoado vigorosamente de ambos os ramos. Construir inúmeras cidades só faz sentido se as pessoas do sexto dia já existissem em grande número e fossem subjugadas por Caim e seus descendentes.

Gênesis 5: 3 então continua a sublinhar específica e misteriosamente que Sete era um filho nascido à semelhança e imagem de Adão. Alguém se pergunta o que isso significa. A semelhança de Sete com Adão é provavelmente um contraste intencional, mas inexplicável, sugerindo diferenças entre os Cainitas e o povo do sexto dia e os Setitas. Essa semelhança de Sete com Adão sugere que talvez Caim fosse de alguma forma diferente de Adão. A semelhança de Sete com Adão também pode ser uma referência reticente à diferença distinta entre Setitas e Nefilins. Eu sugiro que se refere a todos os três.

Reconhecer a Bíblia documentou genealogias distintas descendentes de Adão até Caim e Seth, bem como reconhecer que a Bíblia documentou uma raça adicional de Nephilim inseridos na criação por anjos negros, e ainda mais abrindo seu pensamento para a noção de que talvez Gênesis sugira sutilmente diferenças na aparência entre Caim e Seth são princípios básicos para discernir: como e por que surgiram dois sistemas de crenças religiosas distintas seguindo dois deuses distintos. No entanto, essa hipótese contrária não deve ser interpretada como um estratagema de forma alguma para denegrir ou estigmatizar qualquer raça ou pessoa de diferentes cores de pele; nem deve esta hipótese contrária de qualquer forma ser aplicada para julgar sumariamente ou condenar quaisquer indivíduos, ou grupos de pessoas, simplesmente porque eles podem carregar traços genéticos de DNA e / ou linhagens descendentes de Caim, Nephilim, ou qualquer outra raça a que me referirei neste livro. Não acredito que o Deus Altíssimo julgue alguém sumariamente com base na genética; todos nós somos julgados da mesma maneira pelo que fazemos e pelo que acreditamos; através de nossa livre escolha de escolher Deus ou não. Nem é meu lugar pisar na grama do Divino para julgar sumariamente, mesmo se eu discordar das ações dos outros; apenas Deus julga. Deixo isso para ele.

Por outro lado, porém, e como um princípio primário, devemos entender que as Irmandades da Cobra, duvidosas e secretas, e suas sociedades secretas genitivas descendentes empregam de maneira desonesta distinções genéticas. Alegadas distinções genéticas, nesses sistemas de crenças rivais são reservadas apenas para os ricos e poderosos; a elite; os Adeptos dessas sociedades secretas. Portanto, vou desenvolver ao longo deste livro as distinções que a elite selecionada de sociedades secretas endossa em relação a Caim, o que eles acreditam ser suas conexões genéticas ligando-os de volta a Caim e Nephilim, bem como construindo na noção de que o Dia 6 e a criação de Adão foram dois eventos separados.

A Maçonaria acredita que o povo antediluviano era altamente avançado nas Sete Ciências Sagradas.1 Os maçons acreditam firmemente que quando os humanos abandonaram seu estilo de vida nômade (pessoas do sexto dia, com o qual Caim provavelmente se casou), eles formaram associações de construtores para erguer monumentos e edifícios para adorar seus deuses e arquitetura transformada em uma arte que exigia ciência e conhecimento exigentes.

Sempre houve a necessidade ou crença de ligar a alvenaria aos santos patriarcas do mundo antediluviano. A necessidade de rastrear a história da maçonaria até os patriarcas e, em particular, até Adão, era ostensivamente um requisito para estabelecer autoridade indiscutível do conhecimento e das verdades sagradas, pelo menos durante a era cristã, mostrando assim os patriarcas descendentes do próprio Adão, que recebeu as Sete Ciências Sagradas de Deus. Pode-se debater isso de um ponto de legitimidade ou de um disfarce diabólico que esconde a verdadeira fonte do conhecimento da maçonaria do escrutínio público e cristão.

É nesse esforço zeloso de estabelecer a genealogia além do dilúvio e de volta à época antediluviana que as lendas e a realidade se tornam irreconciliáveis. Fundir a posteridade justa de Seth com o misticismo da maçonaria se torna tão contraditório que não permanece crível a menos que se substitua a Bíblia, redefinindo-a como sendo totalmente corrompida e imprecisa, que é o que as autoridades pagãs, panteístas, gnósticas e teosofistas fazem. Exploraremos essa alegação na última metade deste livro. Mas é fundindo as lembranças da Maçonaria com o relato bíblico histórico dos patriarcas antediluvianos que podemos assegurar, compreender e racionalizar o mistério entre a Bíblia e as lendas da Maçonaria.

Vamos reconstruir a genealogia de Adão a Noé por meio do ramo de Seth e compará-la ao ramo de Caim.

Ramo de Sete — Ramo de Caim

1) Adão — Adão

2) Sete–  Caim

3) Enosh —  Enoch

4) Canaã — Irad

5) Mahalalel — Sumo

6) Jared — Metusael

7) Enoch — Lamech

8) Matusalém — Jabel, Jubel, Tubal-Caim, Naamah

9) Lamech

10) Noé

Observe como Enos é semelhante a Enoque, Jarede é semelhante a Irad, Mahalalel a Mehujael e Matusalém a Metusael. Pode-se argumentar que esses nomes são essencialmente os mesmos com a mesma enunciação. Considere também que ambas as cronologias contêm um Enoque e um Lameque, os dois personagens mais importantes na visão da Maçonaria sobre a origem de sua Arte.

O maligno Enoque de Caim então inventou hieróglifos para garantir que o conhecimento sagrado e corrompido não fosse perdido, e ele o fez na primeira geração após os filhos de Adão, para não perder ou corromper as novas doutrinas. A diferença era apenas que a linha de Caim reescreveu as Ciências Sagradas com idolatria, panteísmo e misticismo, e as diferenças precisavam ser escritas para garantir a continuidade do novo ramo espúrio criado por Enoque e seu pai, Caim.

As ciências espúrias foram então rejuvenescidas nos dias de Lameque, quando o ramo espúrio ganhou ímpeto e poder com a ascensão dos notórios Nephilim na sexta ou sétima geração. Os filhos de Lameque então construíram dois pilares e registraram neles com hieróglifos todo o conhecimento importante do ramo espúrio para o mundo pós-diluviano recuperar. Não é difícil ver como a confusão tomou conta das duas linhagens, enquanto eles acusavam um ao outro de terem sido planejados. Talvez os defensores da religião corrompida após a ascensão do Cristianismo tenham tentado colocar uma face de integridade em sua história associando-se e disfarçando-se entre a posteridade de Seth e salvando-se das violentas inquisições da Igreja Romana.

A fusão cruzada das duas cronologias torna-se ainda mais aparente quando se olha mais de perto os detalhes das lendas da Maçonaria. Por exemplo, os quatro filhos de Lameque, os descendentes de Caim, que foram notáveis ​​o suficiente para serem registrados no Gênesis junto com as ciências que inventaram, foram atribuídos pelas lendas como fundadores das Sete Ciências, isto de acordo com a Lenda da Arte e a Lenda dos Filhos de Lameque.4 Além disso, o Enoque do misticismo também era conhecido como o terceiro grande líder dos adamitas, 5 o que só seria possível se Enoque, o Mal, fosse filho de Caim, filho de Adão.

Já sabemos que os filhos de Lameque não inventaram as Sete Ciências, pois desceram de Deus para Adão e depois para Caim e Seth, mas que Lameque expandiu e desenvolveu o conhecimento com a ajuda dos anjos caídos. Também sabemos que Caim e seu filho Enoque perverteram completamente as Ciências Sagradas, comprometendo-as com a idolatria, o panteísmo e o misticismo na forma escrita por meio de hieróglifos. Também sabemos da lenda de Oliver que os filhos de Lameque deram início a um renascimento do ramo espúrio do conhecimento sagrado, a partir do conhecimento escrito transmitido a eles por Enoque, quatro gerações antes.

Para este fim, entendemos ainda que a linhagem de Seth foi corrompida pela linhagem de Caim na sétima geração, a geração dos Nephilim, provavelmente como uma vítima do renascimento espúrio iniciado por Lameque, que também estava na sétima geração de Caim, e a intimidação da cruel tirania Nephilim com a qual eles se associaram. Essa probabilidade é muito mais concebível com base no relato de Gênesis e na lenda de Oliver; os filhos de Lamech simplesmente expandiram as Sete Ciências em parceria com os Nephilim e os anjos caídos, trazendo-os para a vida cotidiana prática, pois foram creditados com a invenção da música, artesanato de ferreiro, tecelagem e geometria.

Na verdade, os filhos de Lameque, de fato, receberam conhecimento adicional e ilícito reservado apenas para o reino celestial de anjos caídos e rebeldes, o que aprimorou ainda mais as ciências espúrias. Para a conclusão maçônica inventada, os filhos de Lamech eram considerados patriarcas do suposto ramo puro da maçonaria antediluviana, mas a Maçonaria, é claro, os considera subversivamente, ou os disfarça enganosamente, como descendentes dos lombos de Seth, de Lamech de Seth e o ramo eclesiástico de Enoch. Esses eram os mesmos filhos e filhas espúrios listados em Gênesis, sob Lameque, na genealogia de Caim. E se for esse o caso, então as Lendas da Arte estavam escrevendo sobre dois Enoques totalmente diferentes.

O primeiro, com quem eles desejam se fundir, foi Enoque da posteridade de Sete, que era tão justo que andou com Deus e foi posteriormente transformado para o céu sem morrer. O segundo Enoque era filho de Caim, que inventou os hieróglifos como parte do vilão plano mestre para corromper e preservar as Sete Ciências Sagradas como um ato de vingança e rebelião contra o Deus verdadeiro. A Maçonaria e suas religiões e organizações colaborativas acreditam que, na verdade, elas são os ramos verdadeiros e puros, enquanto o Cristianismo e o Judaísmo são as religiões espúrias, corrompidas e más deste mundo.

É neste Enoque maligno que a Maçonaria e as religiões místicas basearam seus sistemas de crenças, e não no Enoque eclesiástico. Foi o malvado Enoque e sua religião mística que contribuíram tanto para a causa da catástrofe do dilúvio que os autores maçons Christopher Knight e Robert Lomas realmente sugerem, sem dúvida a partir de informações privilegiadas, que a linhagem do mal Enoque foi subversivamente transferida pela Maçonaria Seth, tudo para esconder (exceto dos Adeptos) suas conexões reconhecidas com as transgressões de Caim e seus descendentes, 7 assim como eu já apresentei. O Dr. Robert Lomas é um Mestre Maçom, 8 um escritor prolífico sobre a Maçonaria e sua história e um conferencista popular sobre a história maçônica.

É apenas no Poema de Oliver que a Maçonaria reconhece que a progênie de Caim corrompeu o conhecimento sagrado.10 Dr. Oliver declarou que a maçonaria praticada pela posteridade de Caim foi um cisma da verdadeira Maçonaria corrompida pela idolatria e misticismo e que a Maçonaria moderna foi uma relíquia daqueles mistérios idólatras.11 Essa postura não era vista com bons olhos, entretanto, pois fundia a maçonaria com a vil linhagem de Caim; ao passo que a maçonaria prefere se fundir superficialmente com a retidão da posteridade de Seth por um falso véu de legitimidade e sua própria proteção.

Na verdade, o Dr. Oliver foi francamente atacado por essa postura. Ele foi declarado tendencioso em sua abordagem porque era um clérigo da Igreja da Inglaterra, ao qual era subserviente ao esprit du corps que buscava trazer todas as opiniões sob sua visão sectária particular e inclinada. Disse-se então que o Dr. Oliver interpretava cada alegoria como um teólogo e não como um filósofo. A Maçonaria também acusou o Dr. Oliver de não basear suas conclusões em fatos históricos, mas em ficções fantasiosas de lendas e tradições.12

Discordo. Não vejo diferença entre o Poema de Oliver e qualquer uma das outras lendas; todos foram baseados em uma combinação de fatos históricos e lendas. A única diferença, entretanto, é que o Dr. Oliver não confundiu o início da maçonaria com a linha reta de Seth, na qual a maçonaria ilude todos os seus iniciados de nível inferior.

É fácil fazer deduções confusas e imprecisas, assim como as lendas têm feito. É perfeitamente compreensível associar a invenção dos hieróglifos à cronologia de Enoque de Seth. Tanto o eclesiástico Enoque quanto o Lameque de Caim estavam na cronologia da sétima geração, apenas três gerações do dilúvio. Colocar o eclesiástico Enoque na mesma geração da cronologia de Lameque de Caim facilita a fusão do justo Enoque com a posteridade de Caim. Se alguém atribuir ao eclesiástico Enoque a invenção dos hieróglifos, compreenderá rapidamente como podem surgir duas lendas diferentes sobre quem construiu e escreveu sobre os pilares de latão e mármore.

A Lenda de Enoque atribuiu a Enoque esse feito, enquanto o Poema de Oliver concedeu essa honra duvidosa aos filhos de Lameque. No entanto, a Lenda de Enoque não poderia ser precisa ao atribuir ao eclesiástico Enoque a construção dos dois pilares, porque este Enoque não fazia parte do ramo espúrio, nem inventou hieróglifos. Enquanto isso, o malvado Enoque pode já ter morrido nessa época, pois ele nasceu cinco gerações antes. A Teoria de Oliver carrega muito mais credibilidade, uma vez que o Dr. Oliver atribui a corrupção das ciências à posteridade de Caim. Além disso, esta é a doutrina consagrada pelos adeptos maçônicos.

A próxima acusação que entrelaça a história da Maçonaria com a cronologia de Caim é a notória sétima geração. Josefo afirmou que a posteridade de Sete permaneceu pura até a sétima geração, quando a descendência de Caim começou a corromper a posteridade de Sete. Ginzberg reconhece que na geração de Matusalém, da linhagem de Seth, os setitas se corromperam como os Cainitas.13 Os setitas finalmente capitularam ao misticismo tirânico e à autoridade dos Nephilim. Esta, então, foi a geração durante e imediatamente após a ascensão do eclesiástico Enoque ao céu. Lameque e seus filhos maus começaram um renascimento com o ramo espúrio do conhecimento sagrado em uma aliança profana com os Nephilim e os anjos caídos durante esta geração infame.

As lendas bíblicas claramente atribuem a geração de Jarede como sendo depravada, devido à influência dos anjos caídos e dos Nephilim15 e à influência da religião mística patrocinada pelo estado e imposta por gigantes. Foram essas três gerações Cainitas – Metusael, Lameque e seus filhos, apoiados pelos Nefilins e anjos caídos – que juntas poluíram e escravizaram todo o mundo antediluviano à força. Através dos Nephilim, eles impuseram a tirania, que acabaria por trazer o julgamento pela água. Os descendentes de Caim tiveram tanto sucesso, de acordo com Collins, que os Setitas se tornaram como os Cainitas, casando-se com Cainitas e produzindo mais gigantes mortais.16

Foi assim e porque quatro dos muitos filhos de Lameque, da cronologia de Caim, encontraram seu caminho para o livro de Gênesis – por causa de seus grandes e nefastos papéis individuais na corrupção do mundo antediluviano, que trouxe sobre eles o grande dilúvio. Esses quatro infames conspiraram com os anjos caídos para criar uma super raça de gigantes sinistros, armados com o conhecimento das ciências corrompidas, em uma tentativa de mudar completamente a ordem natural da criação, tudo contra a vontade de Deus. Assim, os Nephilim foram criados por Cainitas e anjos das trevas para se rebelar (contra Deus) no que a Enciclopédia Americana chamou de luta contra a ordem da criação.17

Dos filhos principescos de Lameque, a progênie de Jabel era moradora de tendas da Assíria, que na Lista do Rei de Khorsabad detalhou dezessete reis de Jabel, que reinaram em oposição direta às intenções de Deus. Tubal-Cain era reverenciado como o grande Patriarca dos Mestres Artesãos, um instrutor de todos os artífices de latão e metal, e considerado no Ofício como o maior metalúrgico.18 Ele é o patriarca da Maçonaria com atributos de invenção da agricultura e relha de arado.19 Na verdade, Tubal-Caim foi registrado na Maçonaria como um Terceiro Grau ou Mestre Maçom, como o instrutor de artífices de metal de 3500 aC. De acordo com Gardner, Tubal-Caim foi registrado como “Tobalkin, o príncipe da Mesopotâmia Meridional” e o filho do Rei Akalum / Lamech.20

Naamah, o Encantador, também conhecido na tradição suméria como “Nin Pu Abi” e “Rainha Shub de Ur”, casou-se com um Anunnaki21 (Nephilim). Este, então, foi o ponto culminante e o círculo interno para a fundação da Conspiração de Gênesis 6. Naamah, de acordo com as lendas judaicas, se casou e copulou com Shamdon, produzindo o gigante Asmodeous.22 Todos os quatro filhos foram creditados, em vários graus, com o início da Arte no mundo: TubalCain – artífice / ferreiro; Jabal — geometria / maçonaria; Jubal – música; e Naamah – tecelagem. 23

Uma premissa chave impulsiona este livro: todas as organizações e religiões de cobras associadas, junto com a Maçonaria, estão em uma luta subversiva de 6.000 anos contra Deus e em uma luta de 2.000 anos contra o Cristianismo. Particularmente nos últimos 2.000 anos, o misticismo em todas as suas várias formas foi levado à clandestinidade no Ocidente, pois seus adeptos temiam por suas vidas de um cristianismo vingativo e, especificamente, da Igreja Católica. Portanto, forças espúrias assumiram a aparência de cristianismo, mas na realidade adoram um panteão de deuses.

Para este fim, pode-se facilmente entender por que organizações ocidentais espúrias se esforçariam para esconder suas origens dentro dos patriarcas amigáveis ​​e justos de Seth, em oposição à progênie corrompida de Caim, por medo de retribuição Cristã. Eles deliberadamente o fizeram, e continuam a fazê-lo, para esconder secretamente sua verdadeira fé e objetivos. E, como vou detalhar nos últimos capítulos, as forças espúrias evidentemente aderem secretamente a uma doutrina que se liga diretamente a Caim e todos os seus descendentes que as forças espúrias dizem ter sido caluniadas e difamadas ilegitimamente por Deus e todos os Seus sacerdotes ao longo da história. 24

Organizações espúrias, de acordo com Gardner, acreditam que a genealogia bíblica de Seth em Gênesis foi planejada por conspiradores judaico / cristãos para imitar a genealogia (espúria) de Caim, como uma testemunha que apoia sua própria linhagem real corrompida e falsa e em um esforço para rejeitar difamação, e encobrir a verdadeira (espúria) descendência real originada com Caim.25 Além disso, os teosofistas acreditam que dois dos filhos de Noé eram descendentes de Caim. As organizações espúrias acreditam que as organizações judaico-cristãs virtualmente copiaram o Sangreal (linhagem real) de Caim como uma tentativa artificial de legitimar a si mesmas e suas raízes históricas. Acredito que o oposto seja verdadeiro – que as forças espúrias arquitetaram sua legitimidade.

O que é muito importante na segregação dessas duas linhagens reais é que cada ramo seguiu um Deus diferente. Esta polaridade religiosa entre as linhagens ressoou ao longo da história e nesta geração profética. Cada ramo concorrente carrega sua própria promessa messiânica: o Messias Cordeiro / Leão de Adão, Noé, Abraão, Davi – Jesus – competindo contra o Messias Dragão de Caim, Tubal Caim, Ninrode e Nefilim.

Os Cainitas e Nephilim formaram várias casas reais antediluvianas do Dragão, e eles têm dominado a história por meio de suas atividades sediciosas, malignas e violentas. As Casas do Dragão foram consistentemente alinhadas em oposição direta e perseguição contra a posteridade de Seth, Noé e Abraão. Essas distintas linhagens sanguíneas reais e messiânicas irão colidir com consequências inacreditáveis ​​em um futuro não tão distante, quando o mundo testemunhar o mistério de Deus e as revelações de ambos os Messias concorrentes.

9. Maçonaria Antediluviana e as Sete Ciências Sagradas




O Faraó então convocou seus sábios e feiticeiros, e os magos egípcios também fizeram as mesmas coisas com suas artes secretas; cada um puxou seu bastão e ele se tornou uma cobra.

— Êxodo 7:11

Embora os maçons possam não considerar suas organizações como instituições religiosas, eles o são. Por estarmos empregando documentos de origem maçônica para entender religiões antigas que iam contra a revelação divina de Deus, é importante entender a conexão reticente da Maçonaria com seus ancestrais, os curadores do misticismo.

É a controvérsia da Maçonaria que apenas a Quinta Ciência das Sete Ciências místicas, a geometria (também conhecida como maçonaria), é aplicável às suas sociedades modernas. No entanto, se a Maçonaria, de fato, detém o conhecimento da Quinta Ciência, não é lógico supor que eles possuem o conhecimento das outras Seis Ciências? Não é lógico que esse conhecimento foi transmitido de geração em geração, a partir de Hermes, e que constituiu os blocos de construção do misticismo moderno?

Na verdade, as outras ciências foram originalmente fundadas na geometria: “Ela ensina os iniciados a medir e ponderar todas as coisas.” 1 E se esses são os ramos corrompidos e espúrios das Sete Ciências, então, de fato, os maçons estão praticando uma forma moderna de idolatria e misticismo religioso antediluviano, completo com iniciados e rituais de iniciação. Conseqüentemente, a Maçonaria mantém em seus domínios místicos as chaves das Sete Ciências Sagradas e do conhecimento celestial ilícito adicional. A Maçonaria, as corrompidas Sete Ciências Sagradas e o misticismo são essencialmente um, tendo a mesma origem enraizada na sedição antediluviana.

A aceitação da Maçonaria praticando o misticismo antigo é, claro, totalmente reconhecida nas várias Lendas da Arte, embora os maçons modernos provavelmente não reconheçam isso, pelo menos no domínio público. Deve-se concluir, entretanto, que o círculo selecionado deve reconhecer isso. Estudiosos alemães, britânicos e franceses modernos traçam a Maçonaria de volta ao misticismo do paganismo; eles concluem que a maçonaria foi um desdobramento ou imitação do puro ramo das ciências.2 Embora a maçonaria moderna queira colocar distância entre si mesma e qualquer forma de religião, ela não pode. De acordo com o livro de William Hutchinson, The Spirit of Freemasonry, a Maçonaria nunca foi baseada na arquitetura, mas sim em princípios morais e religiosos.3 Comentários de Hutchinson:

Antes do Dilúvio, havia um sistema de instrução religiosa que, pela semelhança de seu caráter lendário e simbólico com o da Maçonaria, foi chamado de “Maçonaria Antediluviana” por alguns autores. Este sistema foi preservado por Noé e, após o Dilúvio, foi comunicado, de acordo com as Lendas da Arte, por ele a seus descendentes imediatos. Este sistema foi perdido na época da dispersão da humanidade e corrompido pelos pagãos em seus mistérios.4

Esse foi, é claro, o destino do ramo puro que a alvenaria moderna prefere disfarçar a história por trás, mas não pode. A transferência do ramo espúrio para o mundo pós-diluviano aconteceu por meio de Hermes, que traduziu os dois pilares esculpidos pelos filhos de Lameque. Mesmo assim, é intrigante notar que mesmo na história do ramo puro, ele também caiu no paganismo e no misticismo. De qualquer maneira, a maçonaria moderna não pode evitar sua relação com a religião.

Adam ensinou primeiro a marca pura como um sistema religioso projetado para adorar e honrar o Deus verdadeiro, sem rituais e cerimônias. A maçonaria Antediluviana era originalmente um código religioso, levando ao conhecimento do Deus da natureza, de acordo com a “Teoria Hutchinsoniana”. 5 Esta foi a forma pura que foi passada para Noé, não a marca espúria de Enoque o Mal e dos filhos de Lameque, pois o que eles transmitiram ao mundo pós-diluviano estava impregnado de símbolos, segredos, cerimônias secretas, iniciações e mistérios.

Vamos ler novamente em O Espírito da Maçonaria:

As lições ensinadas pelos antediluvianos caíram na confusão e no esquecimento e foram corrompidas por muitos povos, de modo que o serviço ao Deus verdadeiro, que havia sido ensinado na pura Maçonaria dos primeiros homens, foi contaminado pela idolatria. Esses separatistas da Maçonaria Adâmica Pura formaram instituições próprias e degeneraram, como o primeiro desvio da simples adoração ao Deus da natureza, para os erros do Sabaismo, ou a adoração do Sol, da Lua e das estrelas. Eles adotaram símbolos e alegorias para ensinar esotericamente sua falsa doutrina [a religião de Enoque, o Mal] .6

A origem da maçonaria moderna foi construída sobre a forma espúria da maçonaria, que praticava a forma operativa das Sete Ciências Sagradas e a religião do misticismo que adora o sol. O que não sabemos é o seguinte: como foi implementado nas gerações subsequentes? E como foi herdado pela Maçonaria?

Podemos deduzir que era praticado de maneira muito semelhante à dos tempos antediluvianos, pois Deus interveio mais uma vez, dispersando o povo de Babel e confundindo suas línguas para que não pudessem mais se comunicar.

A prática da religião mística e idólatra não perdeu o ritmo quando Hermes a redescobriu. Mas depois da dispersão do povo de Babel, o que aconteceu ao conhecimento descoberto por Hermes? Novamente, vamos confiar nas lendas da Maçonaria como nossa fonte. Esta foi a época de Nimrod, a Torre de Babel, a confusão das línguas e a dispersão da humanidade aos quatro ventos da terra. Seria negligente deduzir que a maçonaria espúria nada teve a ver com essa narrativa bíblica muito famosa.

O povo que permaneceu na terra de Sinar, onde Nimrod e todos os seus seguidores construíram Babel, continuaram a ser governados por Nimrod. Os nomes dessas pessoas tornaram-se conhecidos no mundo como acadianos, assírios e babilônios. Após a dispersão, as Sete Ciências Liberais se perderam para a maioria dos povos, exceto um, os Babilônios. Nimrod e os antigos babilônios, na Teoria de Anderson do Ofício, preservaram as Sete Ciências Sagradas em Shinar.

Isso não deveria ser nenhuma surpresa, pois como ditador absoluto da era pós-diluviana antes da dispersão, Nimrod recebeu o conhecimento de Hermes e usou seu poder para seus próprios fins. Quando a dispersão veio, Nimrod, que era o grande superintendente desta primeira Sociedade Secreta da Cobra pós-diluviana, naturalmente manteve, preservou e continuou a aplicar o conhecimento corrupto, mesmo após a dispersão.

Os seguidores de Nimrod, os caldeus, eram conhecidos como homens sábios. Eles eram padres conhecidos por sua perícia em matemática, mais tarde conhecidos como Magos, que preservaram as ciências.8 Observe novamente que desde o início da pós-dispersão, a maçonaria espúria teve um renascimento em um ambiente religioso preservado por padres pagãos. A Caldéia, ou Babilônia, era conhecida como o berço do conhecimento pós-diluviano, obviamente derivado das sete ciências corrompidas. Os sábios caldeus na Lenda do Ofício eram lembrados como professores primitivos das Sete Ciências.9 Não apenas os Magos preservaram as Sete Ciências, mas também cuidaram delas de volta à proeminência para que as Ciências Sagradas mais uma vez florescessem. Da Caldéia, o conhecimento corrompido foi exportado para outros países do mundo.

Os antigos babilônios foram substituídos pelos acadianos e depois pelos assírios. Os assírios baseavam sua cultura, mitos, religião e ciência na literatura armazenada em tabuinhas cuneiformes criadas pelos antigos babilônios, que eram descendentes de Ninrode.11 É de notar que tanto os filhos de Ninrode quanto seus descendentes mantiveram a mesma religião, deuses , e rituais cerimoniais místicos como os dos sumérios antediluvianos. Isso não foi um acaso da história, pois os babilônios tiveram acesso direto a esse conhecimento antediluviano de Hermes, Nimrod e sumérios que de alguma forma sobreviveram ao dilúvio.

A língua semítica pertencia a um povo da Mesopotâmia que se estabeleceu entre os sumérios sobreviventes; Os semitas eram agrários que trouxeram consigo seu idioma, habilidades agrícolas e uma cesta de outras habilidades para a civilização.12 Os governantes semitas estabeleceram seus reinos e línguas às custas dos sumérios, de acordo com Thomas Cahill.13 Eles também substituíram os sumérios. idioma com acadiano, um idioma intimamente relacionado ao babilônico, assírio e hebraico, 14 que obviamente desceu através de Noé e Ninrode. Os mesopotâmicos herdaram ainda mais a escrita cuneiforme suméria, mitologias e sistemas de crenças de uma forma aparentemente contínua, razão pela qual a Epopéia de Gilgamesh foi encontrada em sumério, acadiano e outras línguas antigas.

Os babilônios, acadianos e assírios continuaram a praticar a maçonaria operativa. Eles construíram os mesmos zigurates e consertaram os zigurates sumérios antediluvianos, enquanto mantinham vivas as lendas sumérias antediluvianas. Os historiadores geralmente consideram que os acadianos chegaram à região da Suméria por volta de 2.400 aC ou um pouco antes. Os acadianos preservaram e armazenaram tabuinhas cuneiformes sumérias em muitas cidades do império, como Nínive e Calá na terra da Assíria e Babilônia e Erech em Sinar, cidades que Nimrod construiu.

Os maçons acreditam que as ciências corrompidas foram exportadas primeiro da Babilônia e da Assíria para o Egito. As lendas maçônicas registraram dois meios possíveis de exportação: um que se esforça para apoiar a legitimidade da maçonaria moderna com uma lenda pura e a mais provável lenda espúria. Parece-me claro que o conhecimento exportado para as nações do mundo está impregnado de misticismo. Isso me sugere que a lenda espúria é provavelmente a lenda mais precisa e, talvez, a versão pura tenha sido sobreposta à versão espúria algum tempo depois.

Segundo a lenda pura, Abraão e sua coorte, Euclides, levaram a alvenaria para o Egito. No relato do Gênesis sobre a ida de Abraão para o Egito, não há, é claro, nenhuma menção a essa transferência de conhecimento divino ou qualquer menção a Euclides.16 Laurence Gardner observa ainda que o Manuscrito de Cooke de alguma forma confundiu a linha de vida de Euclides com a de Abraão, uma vez que Abraão e Euclides viveu 1.700 anos separados, quando o Manuscrito Cooke (erroneamente) se esforçou para elucidar como geometria e maçonaria eram ofícios sinônimos no antigo Egito.17 No entanto, Josefo afirma que Abraão evidentemente ensinou aos egípcios as ciências da aritmética e astronomia, para o Os egípcios não tinham esse conhecimento antes de Abraão os ensinar.18 Na verdade, outra lenda de 150 AEC, registrada por um escritor judeu chamado Eupolemus,

Como diz a Lenda do Ofício, Shem, filho de Noé, permaneceu na terra de Ur, na terra dos caldeus, depois que os vários povos foram dispersos. Shem então ensinou a forma pura das Sete Ciências que aprendeu com seu pai, Noah, para sua progênie Peleg, Serug, Nahor, Terah e Abraham.20 Que ele fez isso é bem possível com base em Shem sendo registrado como vivendo cerca de 400 anos após o dilúvio. O total de anos desde o nascimento de Arphaxad até o nascimento de Abraão foi de 292.21 As lendas que denotam que Shem ensinou misticismo a seus descendentes e criou uma ordem especial, em particular com respeito a Abraão, são provavelmente os laços que induzem o misticismo a confundir Shem com Melquisedeque .

Duas lendas da Arte, a Lenda de Euclides e A Torre de Babel, observaram que as Sete Ciências Liberais foram ensinadas aos egípcios porque o Egito foi inundado com muitos filhos e filhas que não tinham nada para fazer. O conhecimento das ciências permitiu que os egípcios desempregados tivessem uma vida honesta.22 Paul Naudon, autor de The Secret History of Freemasonry e um notável maçom, esclarece essa lenda observando que Abraão e Euclides ensinaram apenas a geometria da nobreza egípcia, pois era o nobreza que havia produzido um grande número sem nada para fazer.23 Assim, a nobreza egípcia construiu igrejas, torres, castelos e todos os tipos de edifícios de pedra.24

A lenda alternativa, espúria, da Lenda de Anderson do Craft e do Manuscrito Cooke, afirma que as Ciências Corrompidas foram transportadas para o Egito em um ponto anterior no tempo.25 Isso ocorreu quase no início da colonização egípcia. O pai dos egípcios, Mizraim, filho de Cão, filho de Noé, levou o conhecimento ao Egito; Mizraim é o nome alternativo para Egito.26




Embora a colonização do Egito só preceda a lenda de Abraão em algumas centenas de anos, aceitar a noção de que as Ciências Corrompidas foram transportadas para o Egito de alguma forma antes parece mais plausível, simplesmente porque a cultura egípcia parece ter nascido com sua religião mística. Além disso, a civilização do Egito parece ter ganhado vida instantaneamente com conhecimento e tecnologia espontâneos. A Maçonaria acredita que a cultura e civilização egípcia não se desenvolveram instantaneamente por conta própria; em vez disso, de acordo com Legends of the Craft, os egípcios desenvolveram sua civilização avançada e realizações a partir do conhecimento obtido dos Pilares de Lameque, 27 provavelmente levados para o Egito com Ham, Hermes e Mizraim após a dispersão de Babel. Qualquer que seja o método,

A proximidade dos egípcios com o culto a Hermes sugere uma ligação estreita com os tempos de Babel e Hermes. Lembre-se de que o Hermes pós-diluviano tinha a reputação de ser Thoth, o conselheiro deificado de Osíris e Ísis, dois dos deuses fundadores da religião egípcia. Hermes foi ainda agraciado com a honra de fundar a religião egípcia. Ele era um sacerdote egípcio da mais alta ordem, considerado o inventor das ciências, dos quais 36.525 livros de seu conhecimento, conhecidos como enciclopédias religiosas, estavam armazenados nos templos do Egito. Foi Hermes quem exaltou os egípcios para falar com os deuses.28

Faz muito mais sentido que Hermes, o descobridor e tradutor dos Pilares de Lameque, tenha viajado com Ham, Mizraim e o povo de Mizraim, os egípcios, para a terra do Egito, para a casa antediluviana da “primeira vez” egípcios que construíram as pirâmides, uma vez que Deus confundiu as línguas e dispersou os povos de Babel. Lembre-se de que o segundo Pilar de Lameque continha instruções para a localização das nove abóbadas de Enoque enterradas ao pé das pirâmides. A fuga de Hermes para o Egito com Ham, Mizraim e as Sete Ciências Sagradas fornece a solução de como Hermes fundou a religião egípcia. Ele foi o conselheiro dos deuses egípcios iniciais e dos faraós, ao mesmo tempo que resolvia o mistério da ascensão imediata e grande da civilização egípcia. Isso explica ainda mais como os hieróglifos chegaram às mãos dos egípcios. Foi Hermes quem decodificou os hieróglifos para Nimrod em Babel. Hermes então levou a antiga forma de escrever com ele para o Egito.

Do Egito, o novo manto religioso colocado sobre as Ciências Corrompidas foi transferido para os gregos e romanos, e para muitas outras nações do Mediterrâneo. Osíris e Ísis foram usados ​​como modelo para as outras nações pagãs; Deméter e Dionísio eram suas contrapartes gregas. De acordo com Mackey, a personalidade de Osíris era mais conhecida entre os antigos em um epigrama de Ausônio; onde os egípcios o chamavam de Osíris, os gregos de Elêusis o chamavam de Baco, os Mísios da Ásia Menor se referiam a ele como Fanoeso ou Apolo, os índios o chamavam de Dioniso, os romanos o conheciam como Liber, enquanto os árabes o chamavam de Adônis.

A disseminação dessa forma de misticismo não se limitou apenas ao Mediterrâneo. De acordo com as lendas do ofício, deve-se concluir que todas as religiões panteístas surgiram da forma espúria de maçonaria, tanto dos caldeus quanto dos egípcios. Além disso, a doutrina religiosa de todas as religiões panteístas é essencialmente a mesma. Alford escreveu sobre os Mistérios do Egito, Índia, Grécia e Roma, que se acreditava serem todos fundados nas mesmas alegorias do deus sol30 (de Enoque, o sol do Mal, adorando o misticismo).

Incluídos no espúrio papel de honra da Maçonaria, embora os maçons modernos os vejam como maçons puros, estão os caldeus, os magos, os adivinhos e os astrólogos da Babilônia. O espúrio rol de honra inclui ainda os sacerdotes do Egito, os filósofos gregos e romanos, os brâmanes e os gimnosofistas da Índia, e os druidas e bardos tanto do bretão quanto da Gália. Os maçons modernos atribuem as grandes descobertas na astronomia, química e mecânica a esses vários grupos religiosos, devido às suas disciplinas na suposta ciência pura.31 Esta lista estimada de curadores numerosos cooptou seu conhecimento corrompido para gerar todas as religiões panteístas e ciências espúrias de tempos passados ​​e presentes, inclusive da influência da alquimia, um desdobramento da maçonaria, que adotou Hermes como seu santo padroeiro.

Então, como a fundação de religiões politeístas se relaciona com a maçonaria moderna? Bem, o Dr. Oliver afirmou que a Maçonaria moderna é uma relíquia dos Mistérios idólatras. Estudiosos alemães, britânicos e franceses modernos rastrearam a maçonaria até os mistérios do paganismo, descobrindo que ela estava poluída com a idolatria. A maçonaria moderna derivou suas obscuras cerimônias de iniciação do misticismo pagão. Não é nada mais do que uma religião egípcia.32 E, finalmente, como você deve se lembrar, a Maçonaria moderna não é baseada na arquitetura ou geometria, mas está imersa em princípios morais e espirituais e rituais cerimoniais.

A Maçonaria moderna não é apenas um movimento filosófico benevolente. Não é apenas uma instituição benigna, onde os membros são ensinados a desenvolver seu caráter e instintos altruístas por meio de uma série de catecismos e dramas rituais.33 Francamente, a Maçonaria é o mesmo sistema de crenças fantasmagóricas que causou o dilúvio. É a mesma sombria Irmandade da Cobra que mais uma vez trará uma catástrofe global, só que desta vez pelo fogo, no Armagedom.

10. Misticismo Enoquiano




Você confiou na sua maldade e disse: “Ninguém me vê”. Sua sabedoria e conhecimento o enganam quando você diz a si mesmo: “Eu sou, e não há ninguém além de mim”…. Todo o conselho que você recebeu apenas o desgastou! Deixe seus astrólogos virem, esses astrólogos, que fazem previsões mês a mês.

— Isaías 47:10, 13

O que se pretende com as cerimônias maçônicas de capa e espada, seus rituais misteriosos e suas iniciações sub-reptícias? Por que existem dois lados para esta irmandade clandestina – um para a elite e outro para as massas mundanas? Por que havia e ainda há necessidade de sociedades secretas de cobras?

Como acontece com todas essas formas furtivas de religião, a verdadeira face está sempre escondida sob um véu de mistério e mentiras. As sociedades e religiões especiosas são sempre reforçadas com rituais cerimoniais, alguns secretos e outros para consumo público. Já lemos que Enoque, filho de Caim, introduziu pela primeira vez cerimônias, rituais, alegorias secretas e outros misticismo na pura maçonaria antediluviana.

Conseqüentemente, Enoque, o Mau, mudou a ordem de acesso ao conhecimento sagrado ao estabelecer uma elite selecionada para acumulá-lo e preservá-lo. Enoque, o Mal, foi alternativamente registrado como Uanna, o grande sábio da Mesopotâmia que viajou com os Anunnaki / Nephilim e foi um dos Sete Sombrios (Cobra) Sábios, 1 um dos deuses construtores de que falaremos mais tarde, que ajudou a transferir o conhecimento antediluviano à época pós-diluviana.

Hermes fez parceria com Nimrod, rei de toda a humanidade naquela época, desencadeando um renascimento do misticismo no início da era pós-diluviana, que era espiritual e visivelmente físico em sua aplicação. Por favor, aprecie que as lendas de York e Anderson atribuam a Nimrod o estabelecimento e aplicação da primeira constituição para o misticismo pós-diluviano renovado.2 Tanto Nimrod quanto seu povo, os descendentes de Ham, junto com os descendentes de Jafé, foram conferidos por escritores posteriores com a responsabilidade de corromper completamente as Ciências já Corrompidas. Os filhos de Noé se rebelaram contra Deus, preenchendo a forma espúria da Maçonaria com um sistema abrangente e secreto de rituais conhecido como “os Mistérios”. As lendas da arte registram que os caldeus e os magos mais tarde propagaram essa forma alterada de misticismo após a dispersão,

Esta linha de pensamento permanece consistente com as outras lendas registradas na Maçonaria, desde que se observe as informações na perspectiva escritural correta derivada da Tabela das Nações, os registros históricos de Adão a Abraão registrados em 1 Crônicas 1 e Gênesis 10. Nimrod desceu de Cush, um filho de Cão, junto com Mizraim, Put e Canaã. Mizraim foi o antepassado dos egípcios, enquanto Put foi o fundador dos argelinos, líbios e outros norte-africanos. Cush não só gerou Nimrod e seus descendentes, os acadianos, assírios e babilônios, mas também outros descendentes de Cush que migraram para a África, misturando-se com as nações da África Negra.

Os confusos clãs cananeus, é claro, foram os precursores do povo de Tiro, os hititas, os amorreus, os jebuseus, os sidonitas, os heveus e outros da região da Palestina.5 A confederação amorreia incluía sete diferentes nações cananéias que ocupavam a Terra da Aliança.6 Os clãs cananeus se espalharam, reivindicando as terras de Sidon em direção a Gerar até Gaza e depois em direção a Sodoma e Gomorra, Admah e Zeboiim, até Lasha.7 Todos os descendentes de Cam tornaram-se fervorosos defensores da religiões místicas antes do advento do Islã. Os descendentes de Cam, não por coincidência, também se tornaram os arquiinimigos de Israel.

Jafé foi a semente para a maioria das sociedades do norte do Mediterrâneo da antiguidade, estendendo-se até as terras dominadas pelos celtas na Europa. Incluídos entre os descendentes de Jafé estavam os gregos e romanos, que junto com todos os outros descendentes de Jafé também apoiaram e nutriram avidamente formas díspares de religiões místicas, todas baseadas no modelo desenhado no Egito por Hermes. Especificamente, os romanos eram o Kittim, filho de Javan, filho de Jafé; Os romanos eram parte dos filhos de Javan que primeiro migraram para Chipre como povos marítimos.8 Magog também era descendente de Jafé, 9 personagem que desempenhou um papel importante na fundação dos celtas, gálatas, gauleses, troianos, sármatas, e os citas.

É a forma de misticismo de Hermes a que se refere quando se afirma que a maçonaria moderna está enraizada em mistérios pagãos que incluem rituais e cerimônias religiosas. Esses rituais e cerimônias incluíam adoração secreta que era marcada como Mistérios ou misticismo. As lendas da arte demonstram que a Maçonaria acredita que o misticismo foi inventado no Egito, 10 mas isso é simples confusão. Hermes primeiro inventou a forma renovada de misticismo em Babel e depois a levou com ele para o Egito, onde assumiu um estilo de misticismo ligeiramente diferente do dos caldeus, mas Hermes foi o pai de ambos.

O misticismo egípcio era famoso por suas cerimônias e rituais secretos projetados para ensinar doutrinas para levar os crentes ao sabaismo, a adoração do sol, da lua e das estrelas, a religião de Enoque, o Mal. As doutrinas, conhecimento e deuses secretos eram conhecidos apenas pela Ordem das Cobras Secretas. Romanos e gregos faziam exatamente o mesmo.11 Isso era muito comum em todas as religiões politeístas, desde as da Índia até os druidas.

Os druidas cultivavam conhecimento arcano e sabedoria sagrada; eles eram fundamentais para sua educação celta.12 Pensa-se que o druida tenha derivado de dar, que significa “carvalho”, e uid, que significa “oculto, 13 oculto, secreto ou conhecimento ilícito da criação”. Como Hermes, os druidas intercederam como oficiais religiosos entre este mundo e os deuses; eles receberam e mantiveram conhecimento do passado, presente e futuro, agindo como guardiães da tradição e do conhecimento celta.14 Esta é a razão pela qual o Dr. Oliver afirma que a Maçonaria estava envolvida na comunicação de doutrinas obscuras de religião e filosofia.15

O segredo era a chave para essas religiões. A adoração secreta era chamada de misticismo. As verdades religiosas estavam, e estão, ocultas nos rituais e cerimônias secretas, protegendo-as da inspeção comum. Eles foram, e são, apenas ensinados em sociedades secretas, conhecidas apenas pelos iniciados. Não apenas o conhecimento secreto era ensinado dentro dos limites dessas sociedades secretas, a elite também adorava em segredo, separada dos iniciados de nível inferior, com rituais ainda mais secretos para o panteão de deuses que patrocinavam essas religiões corruptas. Os segredos deveriam ser guardados em sociedades secretas para ensinar apenas a elite, pois o conhecimento contido no cerne da religião era considerado impróprio para ser ensinado ou conhecido pelas massas ou iniciados inferiores.16 Sociedades secretas e sociedades dentro das sociedades, foram e são,

É claro que havia graus distintos de engano. Os Mistérios Menores podiam ser revelados sem medo de incriminação, por meio de cerimônias públicas e rituais imersos em alegorias. Quanto aos Mistérios Maiores, eles foram proibidos de serem escritos ou divulgados de qualquer forma para as massas mundanas. Nesse espírito, então, Alan Alford escreve que os verdadeiros segredos nutridos por sociedades numinosas nunca foram totalmente divulgados, um comentário que pode ser aplicado à Maçonaria moderna e ao misticismo moderno. Alford observa que os iniciados juraram segredo, assim como estão hoje na Maçonaria e em todas as suas organizações associadas, sob ameaça de vida caso divulgassem qualquer parte dos Mistérios Maiores para as massas vulgares não iniciadas. Alford acrescenta ainda que apenas no nível final de iniciação, o Terceiro Nível de Perfeição,

Um requisito para o sigilo e mistérios repletos de conhecimento desenfreado era a atração que esses grupos tentadores acumulavam. Essas sociedades secretas brincavam com a curiosidade de suas presas, atraindo a elite privilegiada, considerada digna de ingressar nessas sociedades. É assim que funciona hoje com a Maçonaria moderna: deve-se ser julgado digno de ser convidado, ou patrocinado, para se juntar às suas fileiras clandestinas.18 Esse é o caminho das sociedades secretas e grupos elitistas em geral, pois se consideram superiores aos o ser humano médio. Essa arrogância é mais uma pedra fundamental na Conspiração de Gênesis 6.

Só para ficar claro, o panteísmo enoquiano no qual a Maçonaria está ancorada é uma doutrina que nega a personalidade de Deus, enquanto adora deuses de diferentes credos. O panteísmo despersonaliza Deus para uma força vital universal, uma energia impessoal.19 Essa força vital universal é pura energia e acredita-se ser o pai da criação, alegorizada como Deus, Buda, a Força, Yahweh e outros; foi a singularidade e o ponto de unicidade que deflagrou o Big Bang.20 O panteísmo, de acordo com Webster, é derivado da raiz da palavra panteão, definida como “um templo de todos os deuses e uma mitologia completa”. A palavra panteão é derivada de duas palavras gregas: pan, que significa todos, e theos, que significa deus (es) .21 O panteísmo não é compatível com as religiões monoteístas.

A Bíblia não afirma definitivamente que os anjos caídos, e provavelmente muitos demônios (espíritos imortais dos Nephilim originais), são os falsos deuses adorados nas religiões pagãs e panteístas. O Alcorão afirma que os descrentes pós-diluvianos, no entanto, reestabeleceram rebeldes supostos iguais a Deus em suas novas religiões, ignorando quantas gerações tinham acabado de ser destruídas antes deles pelo dilúvio por adorarem ídolos e falsos deuses.22 O Alcorão ainda observa: “No dia em que Ele os reunir a todos, dirá aos anjos: ‘Eram vocês que essas pessoas adoravam?’ Eles responderão: ‘eles adoravam os Jinn – a maioria deles acreditava neles.’ ”23

O Alcorão é muito claro para não estabelecer qualquer ser, por mais poderoso que seja, ser igual a Deus, o parceiro de Deus, ou a parceira sexual feminina de Deus, 24 pois não existe tal ser ou possibilidade de um ser tão poderoso e onipotente quanto Deus. Deus não toma esposas, nem qualquer forma de contrapartida feminina, nem procria descendência sexual de qualquer tipo; 25 Deus meramente fala, e assim é.26 Somente aqueles que queimarão no fogo do inferno – anjos caídos, Jinn, demônios e aqueles que os seguem, afirmam que Deus tem parentesco com os Jinn e / ou com os anjos caídos.27

Os Jinn são seres feitos de fogo sem fumaça antes de Adão; estes são os seres no paganismo estabelecidos como iguais a Deus, embora Deus os tenha criado.28 O Alcorão provavelmente se refere a seres mencionados na Bíblia como servos / anjos que são chamas de fogo, enquanto os ventos são Seus mensageiros / anjos. (Salmo 104: 4 e observe ae Hebraico 1: 7). Os Jinn são seres invisíveis e malignos atribuídos a cada profeta / mensageiro por Deus29 para mantê-los humildes. O objetivo dos Jinn, conforme permitido por Deus, é seduzir um grande número de humanos para longe de Deus para que sejam julgados com os fogos do inferno.30 Os Jinn não podem mais entrar no céu, que é protegido dos Jinn por guardas de popa equipados com poderosas estrelas cadentes; 31 os Jinn são seres injustos que não acreditaram que Deus criaria uma ressurreição para a humanidade. 32 Parece claro então que o Alcorão distingue anjos caídos de anjos leais como sendo Jinn, e assim os demônios / Nephilim eram os filhos de Jinn, a provável raiz do gênio. Na verdade, Iblis / Satanás é referido como Jinn, bem como um dos falsos deuses do paganismo.33 No entanto, é possível que Jinn possa incluir a descendência de anjos que podem ter acasalado com outros anjos para criar um deus inferior, semelhantes aos demônios.

O termo misticismo e suas palavras religiosas genitivas foram derivadas da palavra mística e são definidas pelo Webster das seguintes maneiras:

relacionado a ou contendo mistério: envolvendo um significado sagrado ou secreto revelado apenas para uma mente espiritualmente iluminada;

aquele que busca uma relação direta com Deus em elevado sentimento religioso ou êxtase;

misticismo e misticismo: a doutrina dos místicos, em um esforço para alcançar a comunhão espiritual direta com Deus;

mistificar: tornar misterioso, obscuro ou secreto: enigma;

mística: um conjunto de crenças ou atitudes que se desenvolvem em torno de um objeto, ou associadas a um determinado grupo ou “culto”. 34

Os Mistérios foram criados para ocultar e ensinar aos iniciados duas grandes verdades, junto com os segredos das Sete Ciências Sagradas e outros conhecimentos ilícitos do céu, que deveriam ser mantidos em segredo das massas. As duas grandes verdades eram (1) a unidade de Deus e (2) a imortalidade da alma em uma vida futura. As traduções das duas verdades são muito simples e consistentes com a definição de panteísmo e misticismo.

A primeira verdade, a unidade de Deus, representada pelo Olho Que Tudo Vê ou o Olho de Osíris, retratada com destaque na nota de um dólar americana, no topo de uma grande pirâmide, é a força vital universal não pessoal e não uma única entidade, Deus onipotente proclamado por religiões monoteístas.35 O Olho Que Tudo Vê, no entanto, conhecido também como o deus sol alegórico, é apenas um símbolo para o criador, o deus oculto, o Arquiteto do Céu e da Terra.36 Este é o segredo que supostamente muda todas as mentes preconcebidas junto com o conhecimento ilícito do céu.

A segunda verdade, a imortalidade da alma, é comumente conhecida como reencarnação. O indivíduo está em um caminho evolutivo para a divindade, onde, eventualmente, essa pessoa também se juntará ao panteão dos deuses. Esses princípios eram um tema comum em todas as religiões místicas e panteístas, do hinduísmo ao misticismo celta. A morte de Osíris simbolizou sua mudança de rei mortal para um deus imortal – esta é a alegoria da doutrina da vida futura.37 O iniciado recebeu todos os segredos necessários para navegar no submundo da morte para que ele também pudesse proteger uma vida após a morte bem-aventurada, culminando com o renascimento; 38 certamente, um segredo digno o suficiente para ser guardado das massas mundanas!

As religiões místicas geralmente dividem a evolução espiritual terrena do iniciado em três partes, conhecidas como graus. O Terceiro Grau é o nível de evolução espiritual conhecido como perfeição, onde todos os Mistérios foram revelados e completados e o Segredo dos Segredos é revelado. O iniciado só aprende mais sobre as verdades sagradas à medida que escala o zigurate espiritual, a sociedade secreta. Alguns subdividem os três níveis, ou graus, em muitos mais graus ou níveis, como o ramo escocês da Maçonaria moderna, no qual existem trinta e três graus, mas essencialmente os três graus permanecem intactos, assim como o Rito Inglês da Maçonaria mantém os três graus com perfeição.

Reconhecendo que o conhecimento sagrado é retido nas sociedades secretas, não se deve considerar o conhecimento sagrado codificado como surpreendente. A maneira pela qual o conhecimento era e é oculto era por meio de símbolos, alegorias, metáforas, figuras e enigmas.39 Essas várias formas de alegorias criptografadas em rituais secretos eram ensinadas sob a bandeira dos Mistérios. Essencialmente, as cerimônias e rituais secretos foram criados para a manutenção e ensino das verdades aos iniciados, por meio de sua criptografia nos vários rituais alegóricos. O propósito de empregar as alegorias era esconder as verdades daqueles que não merecem, as massas mundanas, enquanto permitia que os merecedores decodificassem e entendessem as verdades: Legominismo.

O estilo discriminativo de misticismo e sua iniciação foi intencional, de acordo com os registros da Craft. As sociedades secretas se protegiam das massas por meio de rituais secretos e alegorias, nos quais a iniciação era completada a caminho da perfeição e a divindade certamente se seguiria. Os iniciados acreditavam estar protegendo o conhecimento sagrado daqueles que não o mereciam, que geralmente eram os pobres. Eles acreditavam, de acordo com as lendas maçônicas, que era impróprio ensinar às massas o conhecimento sagrado; portanto, o segredo era uma necessidade.40 Foi assim que o estilo ritualístico dos Mistérios surgiu em torno do conhecimento corrompido do céu.

Conseqüentemente, Nimrod foi o primeiro Grão-Mestre, que elaborou a primeira constituição dos maçons. As lendas de Anderson e York apóiam o Ofício, primeiro estabelecendo leis apropriadas sob Nimrod em Babel.41 Os mistérios pós-diluvianos foram, no entanto, baseados inteiramente nos Mistérios antediluvianos que foram gravados em escritos hieroglíficos inventados por Enoque.42

Deve-se esperar os esforços conjuntos de todas as religiões e organizações místicas de nossa era moderna para apresentar um esforço total e unido em um futuro não tão distante para reacender a rebelião contra Deus que ocorreu pela primeira vez na época de Noé e depois novamente na época de Nimrod e da Torre de Babel. Essa convergência harmoniosa se combinará com as chamadas instituições seculares de governo, conhecidas como Nova Ordem Mundial, quando o governo mundial será a pedra angular da sobrevivência e evolução da humanidade para a divindade. As instituições seculares que apóiam o governo mundial, do qual os maçons são parte integrante, farão parceria com uma nova religião panteísta global, trazendo todas as religiões e governo sob o mesmo guarda-chuva, assim como era na época dos Nephilim e Nimrod, reencarnando o Gênesis original 6 Conspiração.

A futura religião global proposta será a mesma religião mística de eras passadas. Apenas os iniciados elitistas terão o privilégio de conhecer as verdadeiras doutrinas do núcleo. Para o público, uma forma pastoral de politeísmo será promovida, assim como o culto público na antiguidade era baseado no politeísmo supersticioso. Mais uma vez, haverá uma forma pública de adoração, completa com os Mistérios Menores, onde todos os deuses são bem-vindos, e depois há a forma privada ou secreta, conhecida como Mistérios Maiores, 43 que é reservada apenas aos Adeptos.

Cada deus pagão da antiguidade tinha adoração secreta paga a eles, assim como eles farão no futuro, bem como a forma pública de adoração que foi, e será, projetada para esconder do público os verdadeiros deuses adorados – Satanás e seus rebeldes anjos. O sigilo no futuro será mais uma vez uma obrigação, assim como era na antiguidade, pois se o público em geral, passado, presente e futuro, entendesse quem eram, são e serão os verdadeiros deuses que estão adorando, eles , é claro, não iria adorá-los. É o engano final atrair a humanidade para longe do Deus verdadeiro.

A ilusão vem em todas as formas, assim como no passado. Fornecer um exemplo não é tão difícil. Lembre-se de que a corrupção do conhecimento sagrado tem o objetivo de atrair e enganar as pessoas para longe do Deus verdadeiro e adorar Satanás e os anjos caídos e rebeldes.

A Sétima Ciência Sagrada é reconhecida como astronomia. A corrupção da astronomia levou à astrologia, ao estudo das posições e movimentos dos corpos celestes para determinar sua (suposta) influência no destino dos homens.44 É o desdobramento corrompido da forma pura da astronomia.

Da mesma forma, as outras seis Ciências Sagradas foram corrompidas da mesma maneira. Astrologia é um derivado da palavra astrólogos que aparece em Isaías, onde os babilônios são associados aos astrólogos, que eram astrólogos impotentes e prognosticadores mensais.45 A astrologia também era conhecida por estar associada a mágicos, feiticeiros, caldeus, sábios e adivinhos. A astrologia também tem uma conexão com os sábios, ou magos, que viram a estrela de Jesus e podem ter sido um culto de astrólogos. A Babilônia relacionou estreitamente as estrelas com os deuses para enfatizar seu impacto nos assuntos humanos.46 Na verdade, o sinal usado pelos babilônios para distinguir o nome de um deus era o sinal de uma estrela.

Ir às estrelas em busca de orientação era considerado idolatria para os escritores bíblicos; o profeta Samuel igualou os dois em sua denúncia de Saul.47 A astrologia pressupõe que o Deus verdadeiro não controla a história, mas que a história é governada por deuses pagãos revelados no movimento dos planetas.

Os maçons acreditam que os astrólogos estavam comprometidos com a verdade e a iluminação, assim como os magos e adivinhos, junto com os brâmanes, druidas e filósofos dos gregos e romanos.48 Claramente, as Escrituras consideram a astrologia como a forma corrompida da astronomia, assim como A Maçonaria defende a astrologia como uma extensão da forma pura das ciências. Agora, Enoch descobriu o zodíaco, 49 no qual a astrologia se baseia. Enoch também é atribuído pelas lendas da Arte como sendo o originador da adoração das estrelas com ritos religiosos. Ele iniciou festivais e sacrifícios ao sol nos períodos em que o sol entrava em cada um dos signos zodiacais.

Embora a astrologia hoje não seja levada a sério por um grande número de pessoas, muitos ainda refletem sobre ela e se maravilham. Há um número seleto de potentados poderosos que levam a astrologia muito a sério, vivendo suas vidas em torno dela e infectando o máximo possível com ela. A astrologia se tornará ainda mais popular com o passar do tempo; é uma força enganadora usada para afastar os humanos de Deus. Astrologia é panteísmo para consumo público dos Mistérios Menores, levando as pessoas às estrelas e falsos deuses associados a essas estrelas. É idolatria destinada a persuadir as pessoas a colocarem sua fé nas estrelas (deuses), em vez de colocarem sua fé em Deus. É a negação do poder do verdadeiro Deus e o reconhecimento do falso poder de Satanás e seus anjos caídos.

Maçonaria, teosofia, gnosticismo, crenças da Nova Era e misticismo são os fornecedores contemporâneos das sedições antediluvianas. O fim dos tempos será marcado com inúmeros sinais numinosos nos céus noturnos. Signos astronômicos serão traçados pelos astrólogos das forças místicas ocultas para enganar as massas ingênuas do mundo para que as forças espúrias possam incitar a rebelião contra Deus, levando assim ao julgamento de fogo.50

Astrologia e misticismo formaram a religião antediluviana rival de Enoque, o Mal em seu sentido mais puro; foi imposto por meio da tirania patrocinada pelo Estado ao mundo antediluviano. Esta época foi impregnada de corrupção, idolatria, misticismo e panteísmo. O misticismo foi criado pela posteridade de Caim através do patrocínio dos anjos caídos, e foi passado aos Nephilim para aterrorizar a humanidade daquela época. Cainitas, misticismo e os Nephilim eram o eixo de três partes do mal patrocinado por anjos caídos. Este antigo eixo do mal colocou a era antediluviana de joelhos por meio da rebelião, que por fim trouxe o dilúvio sobre suas civilizações enigmáticas.

11. O Grande Dilúvio




Agora a terra estava corrompida aos olhos de Deus e cheia de violência. Deus viu como a terra havia se tornado corrupta, pois todas as pessoas na terra haviam corrompido seus caminhos. Então Deus disse a Noé. “Vou acabar com todas as pessoas, porque a terra está cheia de violência por causa delas. Eu certamente irei destruir a eles e a terra. ”

—Gênesis 6: 11-13

A marca dos Nephilim na história e no dilúvio foi completamente ignorada, esquecida ou talvez deliberadamente mantida fora do conhecimento comum ao longo da era moderna.

Deus separou Noé nos dias que antecederam o dilúvio e o selecionou pela pureza de sua linhagem adamita, livre dos Cainitas, dia seis, e da linhagem Nephilim. Ele ainda o selecionou devido à sua pureza do mal e da corrupção e completa lealdade ao Deus verdadeiro.

Noé e sua família foram os únicos adamitas entre a humanidade que Deus considerou dignos o suficiente para regenerar a terra após o dilúvio, dando à humanidade uma segunda chance. Então, como todos os outros descendentes de Adão podem ter se tornado tão corruptos em um período de tempo tão curto, quando suas raízes estavam tão solidamente plantadas com o governo de Deus? Que impacto os Nephilim causaram na maior catástrofe que atingiu nossa civilização até hoje, o evento lendário lembrado como “o grande dilúvio” ou “o dilúvio”?

Exporemos as explicações de longo alcance para essas questões. Além disso, começaremos a estabelecer que os Nephilim, de fato, sobreviveram ao dilúvio, levando-nos à possibilidade e à conclusão de que não apenas os descendentes de Adão e Noé sobreviveram, mas também possivelmente os descendentes de outra humanidade, as pessoas originalmente espalhadas ao redor o globo como caçadores nômades criados no dia seis. A noção de que os Nephilim sobreviveram abre possibilidades para outros sobrevivendo ao cataclismo. Considere o texto preciso de Gênesis: “Eliminarei da face da terra a humanidade que criei” (Gênesis 6: 7); “Tudo na terra perecerá” (Gênesis 7:17); “Limparei da face da terra todo ser vivente que fiz” (Gênesis 7: 5); “Todos os seres vivos que se moviam morreram – pássaros, gado, animais selvagens, todas as criaturas que enxameiam sobre a terra e toda a humanidade. Tudo em terra firme que tinha fôlego de vida em suas narinas morreu. Todos os seres viventes sobre a face da terra foram exterminados … Só ficou Noé e os que estavam com ele na arca ”Gênesis (7: 21-23). O que aconteceria se portos seguros fora da face da terra fossem fornecidos por anjos das trevas? E se os anjos das trevas fornecessem várias arcas e refúgios seguros para outras raças ao redor do globo? Talvez um número selecionado de refugiados rebeldes também tenha sobrevivido. Não rejeite sumariamente essa hipótese aparentemente biblicamente contrária. Classificar a pré-história, o potencial de outros sobreviventes ao Dilúvio e A conspiração de Gênesis 6 é biblicamente consistente, mas esse preceito chocante para muitos requer placidez por um curto período de tempo. Tudo em terra firme que tinha fôlego de vida em suas narinas morreu. Todos os seres viventes sobre a face da terra foram exterminados … Só ficou Noé e os que estavam com ele na arca ”Gênesis (7: 21-23). O que aconteceria se portos seguros fora da face da terra fossem fornecidos por anjos das trevas? E se os anjos das trevas fornecessem várias arcas e refúgios seguros para outras raças ao redor do globo? Talvez um número selecionado de refugiados rebeldes também tenha sobrevivido. Não rejeite sumariamente essa hipótese aparentemente biblicamente contrária. Classificar a pré-história, o potencial de outros sobreviventes ao Dilúvio e A conspiração de Gênesis 6 é biblicamente consistente, mas esse preceito chocante para muitos requer placidez por um curto período de tempo. Tudo em terra firme que tinha fôlego de vida em suas narinas morreu. Todos os seres viventes sobre a face da terra foram exterminados … Só ficou Noé e os que estavam com ele na arca ”Gênesis (7: 21-23). O que aconteceria se portos seguros fora da face da terra fossem fornecidos por anjos das trevas? E se os anjos das trevas fornecessem várias arcas e refúgios seguros para outras raças ao redor do globo? Talvez um número selecionado de refugiados rebeldes também tenha sobrevivido. Não rejeite sumariamente essa hipótese aparentemente biblicamente contrária. Classificar a pré-história, o potencial de outros sobreviventes ao Dilúvio e A conspiração de Gênesis 6 é biblicamente consistente, mas esse preceito chocante para muitos requer placidez por um curto período de tempo. O que aconteceria se portos seguros fora da face da terra fossem fornecidos por anjos das trevas? E se os anjos das trevas fornecessem várias arcas e refúgios seguros para outras raças ao redor do globo? Talvez um número selecionado de refugiados rebeldes também tenha sobrevivido. Não rejeite sumariamente essa hipótese aparentemente biblicamente contrária. Classificar a pré-história, o potencial de outros sobreviventes ao Dilúvio e A conspiração de Gênesis 6 é biblicamente consistente, mas esse preceito chocante para muitos requer placidez por um curto período de tempo. O que aconteceria se portos seguros fora da face da terra fossem fornecidos por anjos das trevas? E se os anjos das trevas fornecessem várias arcas e refúgios seguros para outras raças ao redor do globo? Talvez um número selecionado de refugiados rebeldes também tenha sobrevivido. Não rejeite sumariamente essa hipótese aparentemente biblicamente contrária. Classificar a pré-história, o potencial de outros sobreviventes ao Dilúvio e A conspiração de Gênesis 6 é biblicamente consistente, mas esse preceito chocante para muitos requer placidez por um curto período de tempo.

Vamos mais uma vez fazer uma ponte entre alguns dos mistérios e o pano de fundo desse período antediluviano mítico, com relação a esses heróis lendários de renome. A palavra Nephilim deriva do idioma hebraico e, especificamente, da palavra hebraica nopelim ou nepelim. A raiz da palavra nopelim é npl, que significa “queda”. O sufixo im é traduzido como “aqueles”. 1 Portanto, juntando essas duas palavras ao lado de sua tradução literal, encontramos a definição de nopelim como “caídos”, assim como Josefo descreveu os infames, os anjos caídos, aqueles que procriou com as filhas dos homens. Além disso, Nephilim é também a raiz da palavra aramaica para Nephila, para a constelação de “Orion”, sugerindo que os Nephilim estão de alguma forma diretamente conectados a Orion.2 Na lenda, Orion é a constelação onde acredita-se que o anjo caído Shemyaza / Azazel foi enforcado; portanto, sugerindo que os Nephilim de alguma forma derivam de Shemyaza / Azazel.

Lembre-se, os Nephilim eram considerados semideuses gigantes, a prole não natural das filhas dos homens e anjos caídos, violando a ordem natural da criação de Deus.3 Semideus é definido como “aquele cuja natureza é parcialmente divina – um herói fabuloso para ser a prole de um deus e um mortal ”4, trazendo todas as fontes em perfeita harmonia. Os Nephilim foram registrados na Bíblia como heróis antigos, descendentes de anjos caídos, semideuses e / ou heróis de renome, que eram parcialmente divinos até que Deus intercedesse, forçando a mortalidade de volta em seus espíritos – e, é claro, eles eram gigantes. Os Nephilim foram chamados de “caídos” em homenagem a seus progenitores, os anjos rebeldes do reino angelical que já haviam caído em desgraça na grande rebelião que lutou contra Deus e liderados por Lúcifer.

Em Gênesis, “homens de renome” e “heróis da antiguidade” são frases derivadas da palavra hebraica gibborim, nas transcrições hebraicas originais. Os gibborim foram mencionados novamente na tradução hebraica original de Gênesis 10 com relação a Ninrode, que governou na Babilônia logo após o dilúvio. Nimrod foi considerado o mais poderoso dos guerreiros e caçadores de seu tempo. Os gibborim, naquela época, eram terrivelmente renomados como potentados, aqueles que detinham o poder absoluto, assim como Ezequiel fala aos potentados (gibborim transcrições originais do hebraico) em Ezequiel 26 e 32.5 Webster define o potentado como “aquele que possui poder, um príncipe”.

O misterioso Nimrod era considerado um gibborim, mas o Gênesis não afirma que ele deveria ser considerado Nephilim. Nimrod era um guerreiro poderoso, um rei temível que detinha o poder absoluto. Ele também foi registrado em Gênesis 10 como um homem de renome. Nimrod deve ter sido um indivíduo célebre de grande importância naquela época para ser considerado digno de ter seu nome registrado nos antigos anais da Bíblia. Mesmo assim, Gênesis não dá detalhes sobre o que tornou a vida de Ninrode tão notável.

Reunindo essas informações, descobrimos que os Nephilim eram líderes dos povos antigos, os príncipes e reis, poderosos guerreiros, heróis de renome e potentados poderosos, que obtiveram poder absoluto por meio da tirania apoiada pelos dons malignos de seu tamanho e força superiores , obtidos por meio de suas alterações genéticas hereditárias de seus procriadores. Os anjos das trevas conspiraram anteriormente com Satanás para criar uma raça abominável destinada a atormentar a criação, uma raça réproba que labutou implacavelmente contra os planos justos de Deus e a semente de Adão. Os homens poderosos de renome da época antiga foram nomeados com muita precisão Nephilim, Gibborim e poderosos guerreiros dos caídos; eles rapidamente alcançaram o poder absoluto sobre os povos na sétima geração.

Mas nós, de fato, sabemos que os Nephilim eram potentados ímpios? Aqui está o que podemos dizer com certeza, de acordo com a Bíblia das Boas Novas: “eles eram gigantes famosos, uma raça poderosa e hábil na guerra”; 7 “eles eram heróis da antiguidade, homens de renome.” 8 “Os nefilins eram uma raça orgulhosa de gigantes ”, 9“ os antigos gigantes se rebelaram contra Deus ”, 10“ confiavam em sua própria força ”. 11 Deuteronômio afirma ainda que os nefilins eram nações iníquas.12 Essas eram as sementes da corrupção; era apenas uma questão de tempo antes que seus modos obscenos criassem raízes.

Uma vez que os Nephilim começaram a dominar, eles se tornaram corruptos. Sirach registra que os Nephilim tornaram-se excessivamente confiantes em sua própria força e se rebelaram contra Deus, 13 assim como os gigantes se rebelaram contra os deuses nos mitos panteístas. Esdras 4: 15-16 observa a natureza rebelde em relação à Jerusalém antediluviana: “Pode-se fazer uma busca nos arquivos de seus predecessores. Nesses registros, você descobrirá que esta cidade é uma cidade rebelde, problemática para reis e províncias, um lugar de rebelião desde os tempos antigos. ” “Notas de sabedoria” Os Nephilim estavam orgulhosos de si mesmos14 – arrogância imprudente.

Os Nephilim ficaram orgulhosos e arrogantes por causa de seu tamanho e força. Não é um grande salto de fé afirmar que os Nephilim foram mais do que provavelmente influenciados por seus procriadores, anjos caídos, e conseqüentemente foram facilmente desviados para a devassidão e rebelião contra o Deus do universo. Na verdade, Gilbert observa que Azazel e seus conspiradores selecionados eram os infames anjos caídos, que ensinaram injustiça aos Nephilim, que, por sua vez, corromperam completamente o mundo antediluviano.15 Você se lembrará de Azazel; ele é o anjo caído principalmente responsável pela criação dos Nephilim; ele foi enforcado em Orion / Nephila por seus crimes contra a criação e a humanidade.

Os nefilins se tornaram uma raça poderosa, hábil na guerra.16 Uma vez no poder, os gigantes se tornaram líderes injustos, potentados do mal e desprezadores de tudo o que era bom. A corrupção surgiu por meio de seu orgulho e confiança perdida em suas habilidades e de seu grande tamanho e força. Não surpreendentemente, os Nephilim foram ensinados nas artes sangrentas da guerra por um anjo caído específico, o iníquo Azazel. Por meio de seus ensinamentos dissonantes, os Nephilim se tornaram mestres da guerra, o que sem dúvida alimentou ainda mais seu orgulho (extraviado), arrogância 17 e exagero. Até a Enciclopédia Americana afirma que Azazel era o “príncipe dos anjos que se casou com seres humanos e gerou deles homens ímpios”. 18

Os asseclas Nephilim cobiçavam um potentado ímpio em particular, hábil como nenhum outro na guerra e violência; ele era o líder e seu nome era Sumayaza, também conhecido como Shemyaza. Por meio desse Nephilim notoriamente nefasto, o mundo antediluviano desfilou para a destruição; por causa do sangue e da injustiça patrocinados pelo sinistro Shemyaza.19 O sangue e a violência eram tão generalizados que Unger descreve a raça Nephilim como sendo extremamente perversa e violenta, que seus pensamentos eram de contínua maldade.20 Isso, então, explica a linha intrigante de Gênesis 6: 5: “o Senhor viu quão grande se tornara a maldade do homem sobre a terra e que toda inclinação de seu coração era sempre má”. Quando se considera a linhagem do mal de Caim que corrompeu a linhagem de Seth e considera o contágio dos Nephilim,

Além disso, os Nephilim aprenderam comportamentos malignos que fomentavam o crescimento exponencial do mal por meio da estrutura de poder que os Nephilim possuíam. Toda a sua abordagem da vida e adoração estava em contraste direto com os filhos de Seth. Mas mesmo os filhos de Seth foram contaminados pelos males e poderes tirânicos dos Nephilim. Somente Noé foi considerado justo e puro da maldade e linhagem de sangue dos Nephilim aos olhos de Deus.

Não é difícil acreditar que os Nephilim exageraram em se verem como deuses terrenos, dado o grande tamanho e força que esses gigantes devem ter possuído, comparado ao tamanho médio de um homem daquela época, além de seus espíritos imortais. Os Nephilim eram facilmente capazes de dominar a vida naquela época, e todas as formas de estrutura cultural pela força. Logo, eles se tornaram os líderes do mundo antigo, escravizando sistematicamente os povos e impondo sobre eles suas vontades e seus caminhos, o que teria incluído a introdução de novos deuses. Esses seres muito grandes e poderosos se tornaram os potentados da antiguidade. Seu poder e influência dominariam o período antediluviano de tal forma que, como consequência, a maior catástrofe que já atingiu a Terra naquela época seria derramada sobre a Terra. Eles eram, de acordo com o estudioso bíblico J.

Embora Baruch tenha registrado que essa raça de gigantes era hábil na arte da guerra e da intimidação, como ensinada a eles por Azazel, seu destino sempre foi selado desde o início. Deus não escolheu esta corrida para Si mesmo e, portanto, Ele negou a eles os verdadeiros caminhos de conhecimento e sabedoria.22 Os Nephilim tinham poder derivado de sua força, mas não de sua inteligência. Eles não tinham a sabedoria e o discernimento necessários para evitar catástrofes e governar com sabedoria e justiça. Como resultado, eles foram facilmente levados a uma rebelião aberta contra Deus por seus procriadores. O conhecimento proibido dos Cainitas corrompidos que colaboraram com os Nephilim serviu apenas como um acelerador em sua jornada para a destruição. Os Nephilim mergulharam de cabeça na destruição, mas não tiveram a sabedoria de se salvar. O mal combinado de seu legado,

Deus, no entanto, não julgou e condenou simplesmente sumariamente aqueles gigantes do mal e toda a humanidade. Por meio da justiça de Noé, Ele entregou um ramo de oliveira àqueles semideuses. De acordo com os relatos de Josefo, Noé labutou para persuadir aqueles potentados brutais a mudar seus caminhos e honrar a Deus como o verdadeiro Deus do universo.24 O Alcorão registra que Noé foi enviado como mensageiro e profeta de Deus para alertar o os antediluvianos adorem apenas a Deus e nenhum outro deus, para se arrependerem de seus caminhos malignos ou enfrentarem a ira e a destruição de um dia terrível que está por vir.25 A inter-relação entre Noé e os Nephilim é rica em detalhes e intrigante em sua natureza.

As notas de Unger que Deus permitiu uma trégua de 120 anos, nos quais Noé procurou levar o povo ao arrependimento.26 Não está claro para mim como a de Unger chega aos 120 anos de trégua, mas as Escrituras observam que Deus esperou pacientemente durante a construção de a arca.27 Presume-se, então, que a arca deve ter levado cerca de 120 anos para ser construída. Somos informados de que os antediluvianos viram Noé construir a arca, tanto zombando quanto rindo de sua fé.28

Hebreus 11: 7 nota que Noé foi avisado sobre coisas ainda não vistas, o que o levou a construir a arca por medo. Pode-se presumir que Noé gastou tempo em seu longo e árduo trabalho na construção da arca para alertar o mundo e, em particular, os reis Nephilim. Lembre-se de que Noé viveu 350 anos após o dilúvio e um total de 950 anos, 29 sugerindo que Noé teve 600 anos, menos seus anos de infância, para alertar o mundo da catástrofe que se aproximava. O Alcorão observa ainda que, no que diz respeito aos antediluvianos, a comissão de Noé discutiu por muito tempo com eles, exigindo que Noé parasse com as condenações e trouxesse a punição.30

Noé estava muito inquieto e perturbado com a conduta dos Nephilim e do povo que eles dominavam.31 A pregação da justiça de Noé32 contra a violência, corrupção e religiões místicas não teria funcionado bem com os potentados Nephilim. Os Nephilim eram prisioneiros e escravos de suas próprias maldades e prazeres, alimentando cada vez mais energia em sua conduta rebelde, violenta e obscena.33 Agora, misture-se à intriga de semideuses duvidosos que Noé deixou claro que não possuía nenhum conhecimento ou tesouro oculto. para atrair ou persuadir os Nephilim com 34 e o conflito certamente viria.

Nephilim e seus súditos humanos se recusaram ou foram incapazes de ceder a Noé, colocando Noé em conflito direto com aqueles gigantes e a sociedade em geral. Os antediluvianos denunciaram Noé como um mero mortal e não um anjo, que era o que Deus enviaria como Seu mensageiro aos semideuses terrenos, não um humano mundano.35 Os antediluvianos concluíram que Noé havia se extraviado, que apenas os piores e mais vis da sociedade acreditavam ou seguiram Noé.36 Na verdade, os antediluvianos chamaram Noé de louco! 37 Noé pregou noite e dia, mas isso apenas afastou o povo de sua mensagem.38

As sessões de sparring verbal entre Noah e os Nephilim devem ter sido intensas, pois Noah ficou com medo de que os Nephilim machucassem ou até matassem ele e / ou sua família. Essa ameaça tornou-se tão evidente que Noé e sua família foram forçados a fugir da terra para garantir sua própria segurança.39 Noé foi chamado de louco e mentiroso; ele foi repreendido, desprezado e rejeitado por um povo violento e incrédulo.40 Quanto mais Noé pregava, mais os antediluvianos cobriam suas cabeças com suas roupas, cobriam suas orelhas, persistiam em sua rejeição e se tornavam mais insolentes e arrogantes.41 Os a tensão atingiu o ponto em que os antediluvianos ameaçaram matar Noé apedrejando-o se ele não parasse de pregar.42 Noé tentou raciocinar com esses gigantes, mas acabou tendo que fugir de sua tirania.43

Sirach testifica que os gigantes se rebelaram contra Deus, introduzindo todos os tipos de heresias e blasfêmias, reforçando seus maus caminhos por meio do poder da tirania e da intimidação, por meio da grande força, tamanho, status lendário e poder absoluto de governo que possuíam. O segundo livro de Enoque esclarece um pouco essa questão: “Nasceram gigantes e grandes homens maravilhosos e grande inimizade.” 44 Inimizade, é claro, implica hostilidade; esses gigantes nasceram com grande hostilidade. Do livro de Enoque: “… os gigantes afligem, oprimem, destroem e atacam sobre a terra. Embora tenham fome e sede, não comem. Eles ofendem. Esses espíritos se levantam contra os homens e mulheres porque procedem deles. Os gigantes matarão sem punição até o dia do grande julgamento.




Baruch afirmou que os gigantes eram desprovidos de discernimento ou compreensão iluminados.46 Portanto, podemos concluir que as doutrinas heréticas que eles impuseram ao povo antediluviano não se originaram de suas próprias habilidades criativas. As teias do mal tecidas devem ter se originado de seus pais corrompidos, os anjos caídos. Na verdade, pode-se até deduzir que os Nephilim não eram tão inteligentes – que seu poder não era derivado de seu intelecto em qualquer forma, mas apenas de seu tamanho e força temíveis, guiados por seus progenitores. Mas será que sabemos alguma coisa sobre essas doutrinas heréticas que os gigantes impuseram ao povo da época? Na verdade, nós fazemos. O livro da Sabedoria oferece um relato surpreendentemente detalhado das heresias introduzidas pelos antigos gigantes.

Hubris, orgulho humano, discutido em Sabedoria 14:14, também conhecido figurativamente como Nephilim, introduziu a adoração de ídolos no mundo. O orgulho é a chave aqui; os Nephilim eram orgulhosos e arrogantes. Você pode substituir “Nephilim” por “orgulho” nesta passagem para descobrir quem introduziu a idolatria no mundo antigo. Se você não pensa assim, considere esta citação esclarecedora de Wisdom:

Certa vez, houve um pai que ficou tão dominado pela tristeza pela morte prematura de seu filho, que ele fez uma imagem daquela criança que foi tirada repentinamente dele. Ele então homenageou um ser humano morto como um deus e transmitiu rituais e cerimônias secretas para aqueles que estavam sob sua autoridade. Com o passar do tempo, esses costumes ímpios se tornaram mais fortes. Finalmente, tornou-se lei, e ídolos eram adorados sob o comando de governantes poderosos.48

Na primeira leitura, tende-se a olhar para o significado de seu significado, porque nem a palavra Nephilim nem gigantes são empregados, mas eles são exatamente quem esta passagem está descrevendo quando a introdução da idolatria aconteceu. Observe primeiro que este pai (um Nephilim) foi o primeiro a criar um ídolo e adorá-lo como um deus. Mais importante, porém, esse suposto pai introduziu cerimônias secretas e rituais secretos. Este é o fundamento de todo misticismo e de todas as religiões panteístas do mundo antigo, inclusive os de hoje. Esta passagem está traduzindo a fonte da complicada doutrina das religiões místicas. Todas as religiões panteístas estão imersas em rituais, ritos e cerimônias secretas.

Já sabemos que os Nephilim não possuíam inteligência e criatividade para serem os inventores do misticismo. Portanto, deve ter derivado da humanidade, os descendentes de Caim, assim como a passagem tende a indicar e assim como abordamos nos capítulos anteriores. A resposta, claro, é que foi Enoque quem introduziu o misticismo à humanidade, em parceria com seus patrocinadores profanos, os anjos caídos. A questão é de qual dos dois a Sabedoria está falando? Enoque provavelmente introduziu o misticismo e a idolatria, mas os gigantes consolidaram o misticismo e a idolatria como a religião oficial, patrocinada pelo estado e imposta, que todos tinham que obedecer ou morrer.

À medida que se continua lendo esta passagem esclarecedora da Sabedoria, a primeira pista aparece. Imediatamente antes da introdução das cerimônias secretas, aprendemos que a religião mística foi passada a todos aqueles que estavam sob sua autoridade. Agora, como já aprendemos, foram os Nephilim os reis e líderes daquela época, mas ainda se pode argumentar que ainda pode ter havido uma humanidade normal que ocupou alguns cargos de autoridade e governo. É muito possível, mas devemos continuar a ler para trazer a evidência final que define claramente os Nephilim como aqueles que institucionalizaram o misticismo e a idolatria no mundo.

A última frase da passagem afirma que finalmente essa nova religião se tornou lei, e ídolos eram adorados por ordem de reis poderosos. Foram apenas os Nephilim da época antediluviana que foram poderosos reis e heróis potentados da antiguidade. E, finalmente, este versículo prossegue afirmando: “… então tudo isso se tornou uma armadilha mortal, porque as pessoas que estavam de luto, ou sob a autoridade real, pegavam objetos de pedra ou madeira e lhes davam a honra reservada para o único Deus.” 49

Sabedoria 14 ressalta tudo o que declarei até agora sobre os Nephilim serem potentados ímpios, que corromperam o mundo antediluviano. Os Nephilim eram de fato os monarcas reinantes da época antediluviana, completos com um Conselho de Nephilim governante.50 Eles eram renomados e registrados nos registros sumérios primitivos como os gigantes Anunnaki, que não só introduziram a noção de realeza, mas também nomearam todos esses potentados com sua bênção e autoridade.51 Em suma, os reis Nephilim impuseram a idolatria legislada pelo estado e o misticismo ao povo daquela época.

Os Nephilim intimidaram o povo por meio da violência e do medo, a adorar novos deuses falsos de maneiras diferentes do que teriam adorado o verdadeiro Deus do universo. Eles se contaminaram completamente. Até mesmo Noé e sua família fugiram por medo de represálias violentas dos potentados Nephilim. Este foi o cisma da Maçonaria e das Sete Ciências Sagradas registrado nas lendas da Maçonaria, nas quais a falsa persuasão de Enoque, o Mal, completa com o misticismo, tornou-se a lei do país por meio da tirania dos Titãs.

Devo enfatizar claramente este fato: esses potentados do mal não tinham o poder do cérebro para criar isso eles próprios. Portanto, os anjos rebeldes elaboraram sua prole disposta a violar completamente e corromper o mundo antigo em parceria com a progênie de Caim, que possuía o conhecimento corrompido das Sete Ciências Sagradas, fazendo com que todos se rebelassem do Deus verdadeiro através das várias Irmandades do Cobra. Tudo isso é corroborado no Alcorão, que afirma que os anjos destruíram os antediluvianos porque eles negaram as revelações de Deus e não acreditaram em Deus, mas preferiram adorar os ídolos de falsos deuses.52 Os anjos das trevas realizaram esse ato severo nas gerações imediatamente após Caim , e nas últimas três gerações, eles corromperam completamente todos, exceto Noé, por meio da tirania.

Uma vez que a nova religião patrocinada pelo Estado foi imposta a essas pessoas, o paraíso primitivo tornou-se um inferno primordial. Da fonte dos anjos caídos veio ainda mais conhecimento ilícito, que foi dado à humanidade com o objetivo de corromper ainda mais a Terra. De sete governantes celestiais, 53 provavelmente Azazel também reconheceu como Azaziel e Shemyaza, junto com Ammasses, Barqiel, Kokariel, Tamiel, Asderiel, Gadreel e Pineme, veio o conhecimento celestial corrompido que continha segredos proibidos para a humanidade, 54 que a Maçonaria e organizações associadas agora sustentar secretamente.

Os sete infames incluem Azazel, o chefe de todos os anjos caídos, e Shemyaza, que eram o mesmo. Estes foram os sete sábios divinos da antiga Babilônia, de quem o patrono era Enki / Satanás.55 Esses infames imortais registrados no evangelho gnóstico Na Origem do Mundo ensinaram à humanidade “muitos tipos de erros, magia, poções e adoração , e derramamento de sangue e altares e templos e sacrifícios e libações a todos os espíritos da terra. ”56 Os anjos fizeram isso por meio das várias mulheres com quem dormiram, de acordo com o autor e espiritualista Gonsalez-Wipper.57 Foi porque desses segredos que o autor Willis Barnstone observou que homens e mulheres trabalharam muito mal na terra.58 Os observadores ensinaram (as seitas sombrias da) humanidade sobre meteorologia, geodésia, geografia, astronomia, escrita, tinta e papel,

Amasses ensinou encantamentos para mulheres; 60 embora, em outra versão, diga que encantamentos, artes radicais e todas as artes mágicas foram ensinadas por Shemyaza.61 Baraqiel ensinou astrologia às mulheres; Kokariel ensinou às mulheres os segredos dos signos do zodíaco; Tamiel ensinou as mulheres a seguir o curso das estrelas; Asderiel ensinou às mulheres os Mistérios da lua e como enganar os homens; Gadereel ensinou às mulheres a arte de construir instrumentos de guerra e matança. Embora, outro relato tenha Azazel fornecendo à humanidade a arte da guerra, espadas, couraças, facas e trabalho em metal.62 Pineme ensinou às mulheres os segredos de coisas doces e amargas (ervas e especiarias), 63 bem como escrever com papel e tinta. E Kasadya ensinou às mulheres as profundezas do mal e dos espíritos, junto com o aborto.64 Outra versão soletra seu nome como Kasdeja, o anjo espúrio que mostrava às mulheres a maldade ferindo espíritos e demônios, bem como o aborto. Finalmente, Azazel ensinou mulheres sobre joias, maquiagem e medicina.65 O conhecimento ilícito do céu se associou às corrompidas Sete Ciências e ao misticismo de Enoque para corromper completamente a época antediluviana sob a tirania do regime Nephilim.

O livro de Sabedoria prossegue afirmando que uma vez que as pessoas se tornaram ignorantes sobre Deus, elas começaram a viver em um estado de guerra maligna, mas que também estavam tão iludidas que pensaram que era paz. Eles começaram a assassinar seus filhos por meio do aborto66 ou do sacrifício em seus rituais de iniciação à sua nova religião, o culto do touro de Poseidon. Eles começaram a celebrar mistérios secretos em lugares secretos, enquanto realizavam orgias cerimoniais selvagens com práticas não naturais. A idolatria levou à imoralidade sexual por meio desses rituais e orgias. O povo já não mantinha o casamento puro; o adultério era galopante. Matar uns aos outros era comum por causa de traição e adultério. Basta ler como o livro da Sabedoria descreve esta época do mal: “Tudo era uma confusão completa de assassinato sangrento, roubo, engano, corrupção, infidelidade, desordem, falsidade, assédio de pessoas inocentes, ingratidão, decadência moral, perversão sexual, casamentos desfeitos, adultério e imoralidade. A adoração de ídolos, cujos nomes nunca devem ser pronunciados, é o começo e o fim, a causa e o resultado de todo mal. ”67

Vamos agora fechar o círculo desse estado de coisas a partir de Gênesis 6 e mostrar como isso se relaciona com Noé. Gênesis declara: “O Senhor viu quão grande se tornara a maldade do homem na terra, e que toda inclinação dos pensamentos de seu coração era má o tempo todo (6: 5), e“ agora a terra estava corrompida aos olhos de Deus e estava cheio de violência. Deus viu como a terra se tornou corrupta, pois todas as pessoas na terra corromperam seus caminhos. Então Deus disse a Noé: ‘Vou acabar com todas as pessoas, porque a terra está cheia de violência por causa deles ”(6: 11–13). E da Sabedoria: “Assim era nos tempos antigos, quando uma orgulhosa raça de gigantes estava morrendo. A esperança do mundo escapou em tal barco sob sua orientação e deixou o mundo uma nova geração para continuar a raça humana.

Tudo isso aconteceu por causa da maldição do ídolo, da adoração de falsos deuses, dos anjos caídos e da introdução do misticismo de Enoque. A única maneira de todas as pessoas terem sido totalmente corrompidas não foi apenas por escolha, mas pela força de vontade imposta. Somente por meio da tirania isso poderia ter sido concluído de forma tão convincente. Além disso, os Nephilim deviam ter poder absoluto para fazer isso, sobre todos os governos e povos antigos daquela época. O povo da época antediluviana ficou tão aterrorizado com a tirania patrocinada pelo Estado e a intimidação dos Nephilim que fugiram de suas convicções do Deus verdadeiro porque temeram por suas vidas. Imagine se você vivesse em um regime poderoso e totalitário como o da Rússia comunista ou da China, da Alemanha nazista ou do futuro governo mundial, impondo universalmente uma religião cruelmente má e patrocinada pelo Estado a todos os seus cidadãos e respondendo à oposição com tortura e assassinato. Esse claramente teria sido o cenário no mundo antediluviano tardio. Caso contrário, teria havido mais do que Noé que se recusou a aceitar a nova religião ou foram puros em seus caminhos.

Imagine todo o mundo antediluviano sob as ditaduras malignas de gigantes cruéis e corruptos! Eles estavam no auge de seu poder; eles eram ditadores despóticos e semideuses desdenhosos. A violência e a corrupção chegaram a tal ponto que Deus se entristeceu.69 Você pode imaginar Deus sendo levado ao ponto de sofrer por causa dos grandes males da humanidade? Não ouvimos falar de tal coisa na Bíblia novamente. Quão terrível foi isso? Duvido que possamos imaginar o quão terrível foi realmente. Deus se entristeceu tanto que levantou a mão para varrer a humanidade da face da terra, salvar a família de Noé, que era justa em sua época – e tão importante quanto, pura em sua linhagem adamita, livre de nefilins, cainitas, e dia seis contaminação.

Considere mais uma vez a relação do relato dos Nephilim com a história do dilúvio. Ambos estão registrados em Gênesis 6, com a narrativa do dilúvio estendendo-se até o capítulo 9. Observe que a base para o dilúvio segue imediatamente após a narrativa dos Nephilim. Francamente, não há nada definido denotando o desfecho da narrativa Nephilim, distinguindo-a desde o início do drama do dilúvio como uma narrativa divergente. Isso não foi coincidência; isso foi por desígnio divino, testificando vividamente que a causa do dilúvio estava diretamente relacionada aos Nephilim por causa de seus modos rebeldes e misticismo patrocinado pelo estado. Isso é apoiado pelo estudioso bíblico JR Porter, que observa que a narrativa Nephilim é utilizada desta forma como a razão e / ou causa do dilúvio.70 Os Nephilim se rebelaram contra Deus, assim como os gigantes da mitologia se rebelaram contra o panteão de deuses em outras culturas. Os Nephilim governaram o mundo antigo com arrogância desenfreada, violência, corrupção e tirania. Não pode haver nenhuma dúvida; os gigantes da antiguidade foram a causa do dilúvio em conjunto com seus parceiros vis, a progênie e o domínio de Caim.

A confirmação desta conclusão vem de várias fontes além do Cânon aceito. De acordo com os Manuscritos do Mar Morto, a união sexual dos anjos com os humanos criou um desequilíbrio cósmico que ameaçou o tecido do cosmos. Por esta razão, Deus enviou o dilúvio para devolver o equilíbrio ao cosmos. O desequilíbrio ocorreu quando o espírito imortal dos filhos de Deus foi passado para os seres humanos físicos na forma de Nephilim, que eram ambos corruptos e violentos e que se rebelaram contra Deus.71 Os anjos caídos tinham de fato criado anjos imortais, ou deuses , dentro do reino físico do universo, onde o espírito celestial não foi ordenado para habitar. Essa mudança de equilíbrio em seres imortais foi considerada uma violação da ordem da criação. Isso foi, é claro, o que levou o onipotente,

As lendas do panteão que examinaremos em detalhes mais tarde testemunham isso unanimemente. Os gigantes foram a causa do julgamento divino de Deus manifestado na forma de dilúvio. Além disso, os evangelhos perdidos de Enoque evocam a mesma conclusão. Lembre-se, os gigantes continuaram a massacrar sem restrição, sem punição, até que o dilúvio interrompeu a carnificina.73 Os Nephilim travaram guerra com a humanidade, saquearam o reino animal e até declararam guerra uns aos outros.74 Diz-se que os bebês Nephilim cresceram até serem seres bárbaros; 75 eles foram chamados de “os bastardos e os réprobos, os filhos da fornicação”, de acordo com Andrew Collins.76 Novamente de Enoque:

… E elas [mulheres mortais] ficaram grávidas e deram à luz grandes gigantes, cuja altura era de três mil homens: que consumiram todas as aquisições dos homens. E quando os homens não podiam mais sustentá-los, os gigantes se voltaram contra eles e devoraram a humanidade. E eles começaram a pecar contra pássaros e bestas e répteis e peixes, e devorar a carne um do outro, e beber o sangue. Então a terra lançou acusações contra os iníquos.77

Observe a acusação de Enoque de consumo de sangue na passagem acima. Gardner escreveu que acreditava-se que a descendência Nephilim consumia grandes quantidades de sangue como auxílio à longevidade.78 Lendas judaicas observam que os Nephilim começaram a abominação de beber sangue durante a geração em que se voltaram contra a humanidade, como parte de sua violenta devassidão.79 O sangue dos Nephilim é provavelmente o motivo pelo qual os israelitas mais tarde foram instruídos, como parte de sua santa Lei, contra beber sangue.80 E Deus instruiu Noé: “Mas não deves comer a carne que ainda tem seu sangue vital. E para a sua força vital, certamente exigirei uma prestação de contas. ”81

Do ponto de vista das escrituras, o sangue contém a vida de uma criatura e só pode ser usado cerimonialmente para expiação; 82 só se pode imaginar o tipo de peso que Deus colocaria no sangue humano. A natureza vil do consumo de sangue foi completamente enfatizada no Novo Testamento quando Tiago, irmão de Jesus e primeiro bispo da Igreja Cristã de Jerusalém, resolveu a questão dos gentios. Tiago então escreveu na Lei do Novo Testamento exatamente a que porção dos gentios da lei deveriam ser responsabilizados; esta nova Lei, destinada a arbitrar judeus e gentios na Igreja da Nova Jerusalém, assegurava que o consumo de sangue, imoralidade sexual, idolatria, consumir animais sacrificados a ídolos e comer carne de animais estrangulados fossem proibidos. 83 O Alcorão estabeleceu uma restrição ao consumo de alimentos que era mais restrita do que o permitido pelos gentios, mas era um pouco mais generosa do que as leis alimentares de Israel (em parte por causa da desobediência de Israel). A lei islâmica ressalta o édito de não consumir carne estrangulada, comida sacrificada aos ídolos e, claro, sangue.84 Todas essas práticas proibidas eram práticas malignas constitutivas dos nefilins, misticismo enoquiano e irmandades de cobras que evoluíram para os cultos do sol o touro.

Mesmo depois do dilúvio, lendas judaicas registram que a humanidade mais uma vez se permitiu ser contaminada em Babel, pois mais uma vez adotaram a abominação Nephilim de beber sangue85 como um sinal de sua rebelião renascentista contra Deus. Beber sangue está no cerne de Legomin dos contos de vampiros (demônios do mal que sustentam a imortalidade ao beber sangue) e era um ritual da Corte do Dragão do Sangreal de Caim, conhecido como “Fogo Estelar” ou “Mênstruo Divino”. 86 O consumo de sangue é um costume perverso que continua até hoje entre os poucos poderosos que seguem as tradições Nephilim e a Conspiração de Gênesis 6 em segredo.

Por causa de toda a inimizade que os gigantes criaram na terra, Enoque registrou que Deus enviou Seu terrível castigo, o dilúvio.87 Conforme registrado no evangelho gnóstico O Apocalipse de Adão, Deus enviou o dilúvio para destruir a carne do céu (Nephilim) e a carne da terra (humanos), pois ambos haviam se tornado estranhos para Ele (eles mudaram do bem para o mal) .88 Enoque continua afirmando que os descendentes Nephilim foram varridos por catástrofes globais que terminaram em um grande dilúvio induzido apenas pela chuva. E em outro relato separado, os anjos enviaram uma conflagração abrangente na forma de fogo, nafta e enxofre, 89 que se assemelha à descrição atlante de um cataclismo abrangente de inundação, fogo, vulcão e terremoto.

A inundação foi mais do que apenas chuva; foi realmente uma conflagração de catástrofes. Gênesis registra as nascentes das profundezas, as comportas dos céus e a chuva do céu que causou o dilúvio, 90 encerrando os eventos cataclísmicos do Apocalipse antediluviano. O Alcorão também registra que os anjos destruíram a terra por meio de chuvas torrenciais e oceanos de água, que jorraram e transbordaram dos depósitos abaixo da terra.91 Este foi um evento de tal força cataclísmica que limitou esta catástrofe a meros chuvas seriam um passo em falso. Tanto para os críticos que buscam especificamente, e apenas, as cicatrizes de um dilúvio global.

O relato de Enoque prossegue afirmando que ninguém sobreviveria às combinações e culminação desses cataclismos, exceto a pura semente Adâmica de Noé, que então se tornou o futuro da raça humana.92 Enoque continua: “Sobre a terra eles darão à luz gigantes , não do espírito, mas da carne. Haverá uma grande praga e a terra será purificada de toda corrupção. ”93 Da perspectiva das escrituras, os Nephilim, em parceria com a descendência de Caim, contaminaram a terra com o mal, corrupção, violência, tirania e rebelião, que então trouxe sobre o dilúvio catástrofes de Deus.

Devemos ler as narrativas do dilúvio monoteísta, no entanto, com uma perspectiva muito aberta, reconhecendo que Noé e sua família foram sobreviventes da semente de Adão e não os únicos sobreviventes da totalidade da humanidade e dos Nephilim. As escrituras enoquianas e o Antigo Testamento foram enviados aos adamitas sobreviventes e não a outros povos. Devemos entender as Escrituras a partir desta perspectiva, percebendo que Deus enviou outros profetas e outras escrituras para outros povos. Vamos aprender que muitos povos, incluindo Nephilim, sobreviveram ao dilúvio.

A conspiração de Genesis 6 - Como sociedades secretas e os descendentes de gigantes planejam escravizar a humanidade

Referências

CAPÍTULO 8: LINHAGEM DE SANGUE REAL

1. Mackey, History, “Legend of Enoch,” 400.

2. Naudon, 4.

3. Genesis 4:17–23; Genesis 5:1–32.

4. Mackey, History, 19, “Legend of the Craft,” and 48, “Legend of Lamech’s Sons and the Pillars.”

5. David Rohl, The Lost Testament (London: Century Random House UK Ltd., 2002), 33.

6. Mackey, History, 146, “Oliverian Theory.”

7. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 36.

8. Gittins, 93.

9. Robert Lomas, The Invisible College (London: Headline Book Publishing, a Division of Hadden Headline, 2002), Back Cover.

10. Mackey, History, 143–146, “The Oliverian Theory.”

11. Ibid., 186–187.

12. Ibid.

13. Ginzberg, Legends, 70.

14. Collins, Ashes of Angels, 4.

15. Ginzberg, Legends, 63.

16. Collins, Ashes of Angels, 70.

17. The Encyclopedia Americana, Vol. 12, 637.

18. Gardner, Grail Kings, 212.

19. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 32.

20. Gardner, Shadow, 21.

21. Gardner, Grail Kings, 212.

22. Ginzberg, Legends, 69.

23. Knight and Lomas, Book of Hiram, 351.

24. Gardner, Grail Kings, 115.

25. Ibid.

CAPÍTULO 9: MAÇONARIA ANTEDILUVIANA E AS SETE CIÊNCIAS SAGRADAS

1. Mackey, History, 19, “Legend of the Craft.”

2. Ibid., 185–186.

3. Ibid., 128, “Hutchinsonian Theory.”

4. Ibid., 61, “Tower of Babel.”

5. Ibid., 130–132, “Hutchinsonian Theory.”

6. Ibid., 131.

7. Ibid., 119, “Anderson Theory.”

8. Ibid., 58–60, “Tower of Babel.”

9. Ibid., 112, “Summary of the Legend of the Craft.”

10. Ibid., 119, “Anderson Theory.”

11. Ibid., 61–62, “Tower of Babel.”

12. Bauer, 6–7.

13. Cahill, Gifts of the Jews, 20.

14. Bauer, 11, 47, 96.

15. Cahill, Gifts of the Jews, 20.

16. Genesis 12:10–20.

17. Gardner, Shadow, 25.

18. Whiston and Maier, Josephus, Ant 1:8:2.

19. Knight and Lomas, Book of Hiram, 294–295.

20. Mackey, History, 67, “Legend of Euclid.”

21. Genesis 11:10–32.

22. Mackey, History, 59, “Tower of Babel,” and 67, “Legend of Euclid.”

23. Naudon, 192.

24. Mackey, History, 68, “Legend of Euclid.”

25. Ibid., 58–60, “Tower of Babel.”

26. 1 Chronicles 1:8,11, Egypt is the alternative name for Mizraim, Genesis 10:6, note g, Table Of Nations.

27. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 40.

28. Mackey, History, 50–52, “Legend of Hermes.”

29. Ibid., 182–183.

30. Alford, 18.

31. Mackey, History, 186, “Freemasonry and Ancient Mysteries.”

32. Ibid., 174–175, 185–187.

33. Gittins, 5–6.

CAPÍTULO 10: MISTICISMO ENOQUIANO

1. Rohl, The Lost Testament, 32.

2. Mackey, History, 112, “Summary of the Legend of the Craft”; 119, “Anderson Theory.”

3. Ibid., 60, “Tower of Babel”; 148, “Oliverian Theory.”

4. Genesis 10:6–19, Table of Nations; 1 Chronicles 1:8–13.

5. Genesis 10:6–19, Table of Nations.

6. Whiston and Maier, Josephus, Ant. Book 5, Note 1.

7. Genesis 10:19–20, Table of Nations.

8. 1 Chronicles 1:7; Genesis 10:2:4, Table of Nations.

9. Genesis 10:1–5, Table of Nations.

10. Mackey, History, 174,182, “Freemasonry and Ancient Mysteries.”

11. Ibid., 131, “Hutchinsonian Theory.”

12. Fergus Flemming, Heroes of the Dawn (London: Duncan Baird Publishers, 1996), 38.

13. Peter Berresford Ellis, The Celts (London: Robinson, an Imprint of Constable and Robinson, 2003), 6, 48.

14. Flemming, Heroes of the Dawn, 39–40.

15. Mackey, History, 143, “Oliverian Theory.”

16. Flemming, Heroes of the Dawn, 174–175.

17. Alford, 3–5, 116.

18. Mackey, History, 184, “Freemasonry and Ancient Mysteries.”

19. Webster’s New Compact Format Dictionary, 1986.

20. Dan Brown, Angels And Demons (New York: Pocket Books, A Division of Simon & Schuster, Inc., 2000), 90.

21. Webster’s New Compact Format Dictionary, 1986.

22. The Qur’an, Livestock 6:1–2; 6:6.

23. Ibid., Sheba 34:40–41.

24. Ibid., The Cow 2:165; Women 4:116–119; The Feast 5:72; Livestock 6:1–6; 94–100; Jonah 10:66–71; The cave 18:4; The Believers 23:59–60; Sheba 34:40–42; Ranged In Rows 37:149–156.

25. Ibid., Women 4:116–119; The Cave 18:4 and 53.

26. Ibid., The Cow 2:116; Livestock 6:1–102; Mary 19:35.

27. Ibid., Ranged In Rows 37:157–159.

28. Ibid., Livestock 6:100; Note b, Al-Hijir 15:26; and The Lord Of Mercy 55:14.

29. Ibid., Livestock 6:111; The Jinn 72:1, Note a.

30. Ibid., Livestock 6:128–13; Bowing Down In Worship 32:13.

31. Ibid., The Jinn 72:7–9.

32. Ibid.

33. Ibid., The Cave 18:50; Sheba 34:40.

34. Webster’s New Compact Format Dictionary, 1986.

35. Mackey, History, 183, “Freemasonry and Ancient Mysteries.”

36. Alford, 18.

37. Mackey, History, 183, “Freemasonry and Ancient Mysteries.”

38. Alford, 16.

39. Mackey, History, 131, “Hutchinsonian Theory”; “Legend of the Temple,” 75.

40. Ibid., 179, 189.

41. Ibid., 112, “Summary of the Legend of the Craft”; 119, “Anderson Theory.”

42. Ibid., 59–61, “Tower of Babel.”

43. Ibid., 403, “Legend of Enoch.”

44. Webster’s New Compact Format Dictionary, 1986.

45. Isaiah 47:13.

46. Nelson’s, Astrology, 134–135, Wise men/Magi 1317.

47. 1 Samuel 15:23.

48. Mackey, History, 186, “Freemasonry and Ancient Mysteries.”

49. Ibid., 403, “Legend of Enoch.”

50. Matthew 24:24–31; Mark 13:22–27; Luke 21:11, 25–28.

fazer pag 38 a 42 gramatica

CAPÍTULO 11: O GRANDE DILÚVIO

1. Joseph Blenkinsopp, The Pentateuch (New York: Doubleday, A Division of Bantam Double Dell Publishing Group., Inc., 1992), 75; Hugh Ross, The Genesis Question (Colorado Springs: NavPress Publishing Group; 1998), 125; Unger’s, 916; Nelson’s, 891.

2. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 155.

3. Unger’s, 916.

4. Webster’s New Compact Format Dictionary, 1986.

5. Blenkinopp, The Pentateuch, 75.

6. Webster’s New Compact Format Dictionary, 1986.

7. The Good News Bible, 1992, Baruch 3:26.

8. Genesis 6:4.

9. The Good News Bible, 1992, Wisdom 14:6.

10. Ibid., Sirach 16:7.

11. Ibid., Sirach 16:7.

12. Deuteronomy 9:5.

13. The Good News Bible, 1992, Sirach 16.

14. Ibid, Wisdom 14:6.

15. Gilbert, Signs in the Sky, 187–188.

16. The Good News Bible, 1992, Baruch 3:26.

17. Gilbert, Signs in the Sky,186–187 quoting The Book of Enoch, VIII:1–2.

18. The Encyclopedia Americana, 688, Vol. 2.

19. Gilbert, Signs in the Sky,186–187 quoting The Book of Enoch, VIII:1–2.

20. Unger’s, 471, 916.

21. Porter, New Illustrated Companion to the Bible, 26.

22. The Good News Bible, 1992, Baruch 3:28.

23. Unger’s, 471, 916.

24. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 1:3:1.

25. The Qur’an, The Heights 7:59–65; Hud 11:25–27; 11:40.

26. Unger’s, 925.

27. 1 Peter 3:20.

28. The Qur’an, Hud 11:38–40.

29. Ibid., Genesis 9:28.

30. The Qur’an, Hud 11:30–32.

31. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 1:3:1.

32. 2 Peter 2:5.

33. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 1:3:1.

34. The Qur’an, Hud 11:30–32.

35. Ibid., Hud 11:27; The Heights 7:64; The Poets 26:136.

36. Ibid., The Cow; The Heights 7:59–65; Hud 11:27; The Poets 26:136.

37. Ibid., The Believers 23:23–29; The Moon 54:9.

38. Ibid., Noah 71:1–28.

39. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 1:3:1.

40. The Qur’an, The Heights 7:59–65; Hud 11:25–27; The Believers 23:23–29; The Moon 54:9.

41. Ibid., Noah 71:1–28.

42. Ibid., The Poets 26:136.

43. Whiston and Maier, Josephus, Ant. 1:3:1; The Qur’an, The Heights 7:59–65, Hud 11:11–40, The Believers 23:23–29, The Poets 26:136, The Moon 54:9, Noah 71:1–28.

44. Barnstone, The Other Bible, The Second Book of Enoch, 498.

45. Ibid., 487

46. The Good News Bible, 1992, Baruch 3:28.

47. Ibid., Wisdom 14.

48. Ibid., Wisdom 14:15–16.

49. Ibid., Wisdom 14:23–26.

50. Collins, Ashes of Angels, 57.

51. Gardner, Grail Kings, 92.

52. The Qur’an, Livestock 6:1–9; The Heights 7:72.

53. Robinson, The Nag Hammadi Library, 186–187, from On The Origin of the World, verses 122:1–35; 124:1–35.

54. Collins, Ashes of Angels, 18.

55. Knight and Lomas, Uriel’s Machine, 86.

56. Robinson, The Nag Hammadi Library, 186–187, from On The Origin of the World, verses 122:1–35; and 124:1–35.

57. Gonsalez-Wipper, 205.

58. Barnstone, The Other Bible, 498.

59. Collins, Ashes of Angels, 26.

60. Gonsalez-Wipper, 205.

61. Collins, Ashes of Angels, 26.

62. Ibid., 24.

63. Gonsalez-Wipper, 205; Collins, Ashes of Angels, 26.

64. Gonsalez-Wipper, 205.

65. Collins, Andrew, Ashes of Angels, 24–26.

66. Gonsalez-Wipper, 205.

67. The Good News Bible, 1992, Wisdom 14:21–27.

68. Ibid., Wisdom 14:7.

69. Genesis 6:6.

70. Porter, New Illustrated Companion to the Bible, 26.

71. Shanks, Dead Sea Scrolls, 174–175.

72. Genesis 6:3.

73. Barnstone, The Other Bible, The Book of Enoch, 487.

74. Ginzberg, Legends, 68.

75. Collins, Ashes of Angels, 24.

76. Ibid., 27.

77. Ibid., quoting First Enoch 7:2–6.

78. Gardner, Grail Kings, 174.

79. Ginzberg, Legends, 63.

80. Leviticus 7:26; Leviticus 19:26; Deuteronomy 12:16; Deuteronomy 12:24–25.

81. Genesis 9:4–5.

82. Leviticus 17:10–14.

83. Acts 15:19–21, 29.

84. The Qur’an, The Cow 2:173; Livestock 6:145–147; The Feast 5:3–4; The Family 3:93.

85. Ginzberg, Legends, 86.

86. Gardner, Grail Kings, 143.

87. Barnstone, The Other Bible, The Second Book of the Secrets of Enoch, 498.

88. Ibid., The Apocalypse of Adam, 82.

89. Collins, Ashes of Angels, 28; Barnstone, The Other Bible, The Second Book of the Secrets of Enoch, 498.

90. Genesis 8:2–3.

91. The Qur’an, Livestock 6:9; Hud 11:44, note a; The Believers 23:27; The Moon 54:11.

92. Collins, Ashes of Angels, 28.

93. Ibid., 4, quoting First Enoch 106:13.

1 comentário em “A Conspiração de Gênesis 6: Do misticismo enoquiano dos filhos de Caim para a maçonaria antediluviana até o Dilúvio”

  1. Pingback: A Conspiração de Gênesis 6: A Vingança de Lúcifer (Heyllel) — Partes 1 e 2

Deixe um comentário