Sabe o cálculo do “Vicarivs Filii Dei=666”? Esqueça!

Babilônia de idéias: Pastores adventistas já não se entendem mais nem sobre o número da Besta, o famoso 666. Cada um diz uma coisa!

Veja também este outro vídeo, que mostra a mudança do discurso do pastor Luís Gonçalves, antes e depois do acordo da IASD com a Igreja Católica:

19 comentários em “Sabe o cálculo do “Vicarivs Filii Dei=666”? Esqueça!”

  1. acontece que não é IV, é IU e o U deve ser entendo como V posteriormente pois Deus é tão sábio que já tinha percebido que as pessoas iriam entender dessa forma (errada)

  2. Eu gostaria de ver o video inteiro do Pr. Luiz Gonçalves, pois o trecho que foi publicado, não prova nada… Se alguem tiver coragem de postar, eu agradeço… Referente ao título, não é só o nome que conta, mas outros aspectos também e que não foram colocados no texto. Enfim, é um assunto para se estudar bem, antes de fazer qualquer acusação contra qualquer um que seja.

  3. A teoria de conspiração do termo:

    “Vicarius Filii Dei” (Vigário do Filho de Deus) , considerado supostamente uma expansão do título histórico “Vicarius Christi”, é uma expressão utilizada na “Doação de Constantino” para se referir a São Pedro. A partir do século XIX, devido a interpretação equivocada de um dos pioneiros do adventismo chamado Uriah Smith,[20] alguns grupos adventistas do sétimo dia argumentam que a frase é identificada com o “número da besta” (666), e seria usada na tiara papal, denominando que o papa seria o Anticristo,[21] embora seja comum que métodos matemáticos associem nomes de diversas pessoas ao 666, sendo considerado pareidolia; por exemplo, Bill Gates, Ellen G. White (fundadora do movimento adventista do sétimo dia) e o próprio Jesus.[22]

    Porém devido a ausência de imagens ou qualquer fonte do uso “Vicarius Filii Dei” na tiara[23] ou em mitras, bem como a expressão nunca ter sido utilizada como um título oficial, a reivindicação foi abandonada por diversos adventistas do sétimo dia

  4. Sempre divergindo… ahhhh os crentes kkk… os materialistas (ateus e agnósticos) são mais concisos em suas ideias. A ideia de que o mundo acabará está a cada dia mais caindo por terra. Um dia os adventistas responderão judicialmente por inventarem tamanha mentira.

    1. Olá companheiro Alexandro! Pela primeira vez estou deixando um comentário aqui nesta página porque não pude deixar de responder ao seu comentário provocativo e, não se ofenda, atrevido. Antes de mais nada devo dizer que concordo que no mundo religioso existem muitas denominações que se aproveitam do direito democrático à liberdade religiosa para favorecer seus interesses egoístas, materialistas, empresariais, políticos, anti-democráticos, etc. usando de práticas indevidas como calúnia, intolerância, propagação de preconceitos, e por isso mesmo digo que esse é um aspecto do chamado “estado democrático de direito” que ainda não foi totalmente regulamentado, em nenhum lugar do mundo. Por outro lado a crença quase consensual entre todas as religiões de que o mundo acabará um dia não tem nada de perigoso, preconceituoso, ou anti-democrático. É uma conclusão absolutamente inevitável a que qualquer pessoa minimamente honesta pode chegar se tiver verdadeira coragem para encarar as grandes questões existenciais da vida. Aliás, não é preciso nem mesmo ser religioso para isso, uma vez que a própria ciência também reconhece que o mundo vai acabar. A única diferença que existe entre ambas é que a religião diz que vai ser logo, já está muito próximo, e algumas, de maneira espalhafatosa, até se atrevem a marcar datas, enquanto que a ciência diz que vai demorar um pouco mais, alguns milhares ou milhões de anos. Quanto a esses que você chama de ateus e agnósticos, se é que eles existem mesmo, eu só os reconheço como um partido político fundamentalista, pessoas que literalmente “fabricaram” uma nova forma de crença religiosa, que não parece religião, mas exigem muito mais fé do que qualquer outra, eles não acreditam nem mesmo na própria ciência. Há uma quantidade gigantesca de literatura científica que eles sistematicamente boicotam e escondem da opinião publica, sempre que elas contrariam seus objetivos eminentemente políticos. Quem são eles para falar alguma coisa, uma vez que não reconhecem nem mesmo a obrigação moral de serem honestos numa discussão como essa? Aliás, ao longo de toda a história os ateus e agnósticos nunca chegaram sequer a 15% da população! Quanto ao seu desejo de que essa ou aquela denominação religiosa responda judicialmente por “inventarem tamanha mentira”, a de que o mundo acabará, o que isso quer dizer? Desde quando o estado laico tem o direito de invadir a intimidade doutrinária de uma religião, seja ela qual for, para determinar que tal e qual dogma pode ou não pode ser apregoado? E por que dizer uma coisa tão óbvia, a de que o mundo vai acabar, deve ser visto como um mal que deva ser criminalizado? Isso seria uma tirania monstruosa pior do que a própria inquisição!

    2. Ja leu o livro concílio do vaticano II? pois leia. Lá o papa é chamado de vigario de cristo. A Bíblia diz que é o número de um homem, mas não diz que está no chapel, nem na coroa e nem na tiara. Então estude antes de falar o que não sabe.

  5. VICARIVS FILII DEI, lido exatamente assim, na horizontal, tal qual se escreve naturalmente, da esquerda pra direita… pela simples e exata regra de interpretação dos números romanos a soma dá 664! Esqueçam essa soma errada q todos acham q soma 666, por favor!
    Em VICARIVS: IV (antepenúltima e penúltima letras) a soma equivale a 4 (quatro) – nunca foi 6 (seis)!

  6. Essa repetição de publicação do site adventistas.ws, deixou de incluir um absurdo que está incalacrado na mente do Ennis Meier = o cálculo forçado para o nome de EGW.
    Um amigo, já provou a ele que esse cálculo que ele faz, é totalmente despropositado.
    Os algarismos romanos tem regras e não pode ser feito o que alguns fazem, utilizando letras que não fazem parte do utilizado para os números em algarismos romanos.
    Pergunte a qualquer pessoa que tenha o mínimo de bom senso e conheça as regras para os algarismos romanos, por exemplo, se podemos escrever século 21, dessa forma: “WWI”.

  7. Uriah Smith morreu em 1903 e desde que ele inventou essa história sobre o suposto titulo papal “VICARIVS FILLI DEI” , os Adventistas fazem a conta de somar de forma errada.

    O “IV” de “VICARIUS” corresponde a 4 e não 6, sendo assim o resultado da soma das letras seria 664 e não 666.

    1. O registro mais antigo de que se tem notícia de um escritor protestante que usa a frase “Vicarius Filii Dei” na interpretação do número da besta, refere-se a Andreas Helwig, no ano de 1612. Em sua obra “Antichristus Romanus”, Helwig apresentou 15 títulos em hebraico, grego e latim, os quais, computados os seus equivalentes numéricos nessas línguas, somam todos o número 666, mencionado no livro do Apocalipse.

      Segundo ele, o título Vicarius Filii Dei, havia sido utilizado no documento conecido como “Doação de Constantino”, e não era “ofensivo ou vil”. Sugeriu também que o pomposo título era uma expansão do título histórico “Vicarius Christi”.

      Mais tarde, outras figuras protestantes afirmaram que “Vicarius Filii Dei” era um título oficial do Papa, com alguns dizendo que esse título apareceu em uma tiara papal ou mitra. A Igreja Católica porém nega esse fato, dizendo que nunca houve uma tiara com essa inscrição e admite que a Doação de Constantino seja um documento sabidamente falsificado.

      Em 1866, Uriah Smith foi o primeiro a propor a interpretação para a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ver Review and Herald 28: 196, 20 de novembro de 1866. O renomado estudioso adventista J. N. Andrews, também adotava esseponto de vista.

      1. Samuele Bacchiocci, PH.D., Professor aposentado de Teologia e História da Igreja na Universidade Andrews, foi um dos líderes adventistas a questionar publicamente essa interpretação.

  8. Engraçado esse vídeo. Leva a crer que os estudiosos da igreja adventista dizem cada um uma coisa, quando, na verdade, o vídeo reúne falas de diferentes pessoas em anos diferentes, alguns bem distantes um dos outros – até um vídeo do pr. Luis Gonçalves bem mais jovem foi adicionado.
    Entretanto, é interessante notar que, apesar do método, todos chegam à mesma conclusão: o número 666 se refere ao poder papal.

    1. A mensagem adventista mudou com o tempo e já não é tão incisiva contra a Igreja Católica quanto antigamente. O poder papal era identificado diretamente como o 666 da Bíblia. Hoje, isso já não ocorre. Agora, 666 é o engano humano nasua força máxima. 666 é a somatória das divindades babilônicas… E o que ensinávamos antes sobre o título “vicarivs filii dei”, na tiara papal, era uma mentira? Trouxemos milhares para aquilo que entendemos como a Verdade, usando para isso uma mentira?

      1. Quer dizer, então, que se corrigimos um equívoco é porque estamos mancomunados com a Igreja Católica?!
        Por favor… o negócio do “Vicaris Filli Dei” precisava ser corrigido. Eu sempre vejo esse site defender que não devemos buscar convencer as pessoas usando mentiras. Agora, só porque um pioneiro se equivocou ao emprestar uma ideia, nós temos que propagar esse erro como se fosse verdade!?
        Tudo em que os pioneiros se equivocaram nós temos que perpetuar?!
        Quem dita as nossas crenças, a Bíblia ou os pioneiros?!

        1. Equívoco, irmãozinho? Se a tiara ou coroa papal com essa inscrição não existiu, o que temos são décadas de pregação e conversões fundamentadas numa mentira caluniosa e difamatória. Cremos, contudo, que tal objeto tenha de fato existido, tendo sido escondido ou roubado, embora evidentemente jamais venha a ser admitido ou confirmado pela Igreja Católica. Mas uma evidência de que o Papa se considera substituto de Jesus Cristo na Terra foi a notícia de que ele próprio teria ficado na dúvida entre os nomes Francisco I ou Jesus II.

          1. O adventismo não desiste de caluniar para manter os cativos atemorizados. Desmascarados, logo encontram uma nova manchete sensacionalista que satisfaça a sanha de explorar pessoas sinceras, fazendo-as crer que as fábulas orientadas por EGW tem crédito e poder divinos.

          2. “o que temos são décadas de pregação e conversões fundamentadas numa mentira caluniosa e difamatória”

            Se tivesse pregado a Bíblia, nada disso teria acontecido… rs

            Falando sério: eu pensava que as pessoas vinham para a IASD por pregar Cristo e a Sua Palavra, e não por argumentos específicos. E, a propósito, há inúmeros argumentos ‘furados’ e textos bíblicos usados fora de contexto em nossos evangelismos e estudos bíblicos – isso de forma nenhuma diminui a veracidade bíblica das doutrinas adventistas.

Deixe uma resposta